Política e Cidadania no Sertão do Brasil (parte 1) | Diogo Salles | Digestivo Cultural

busca | avançada
31119 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Inauguração da Spazeo com show do Circuladô de Fulô - 28/07
>>> CONFRARIA COMEDY SE APRESENTA EM OSASCO, NESTE SÁBADO, TRAZENDO DIVERSOS CONVIDADOS
>>> Maite Proença em A MULHER DE BATH
>>> Chico Amaral celebra parcerias de sua carreira
>>> Viralizando reflete sobre as videoaulas como plataforma de ensino pela internet
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Entrevista com a tradutora Denise Bottmann
>>> O Brasil que eu quero
>>> O dia em que não conheci Chico Buarque
>>> Um Furto
>>> Mais outro cais
>>> A falta que Tom Wolfe fará
>>> O massacre da primavera
>>> Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> Raio-X do imperialismo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> Mão única
>>> A passos de peregrinos ll
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES IV
>>> Shomin-Geki, vidas comuns no cinema japonês
>>> Con(fusões)
>>> A passos de peregrinos l
>>> Ocaso
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES I
>>> Sob o mesmo teto
>>> O alívio das vias aéreas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Sobre palavras mal ditas
>>> Animismo
>>> Detached
>>> Direita, volver!
>>> Simpatia pelo Demônio, de Bernardo Carvalho
>>> Alguns poemas traduzidos, de Manuel Bandeira
>>> Um Furto
>>> Entrevista com a tradutora Denise Bottmann
>>> Onde os fracos não têm vez, de Joel e Ethan Coen
>>> Mais outro cais
Mais Recentes
>>> A Geometria Maçônica - Rito Escocês Antigo e Aceito
>>> Os Protocolos dos Sábios do Sião - Edições Eliseo
>>> Os Chakras e os Campos de Energia Humanos
>>> São Cipriano - O Legítimo Capa Preta
>>> Inglês para Concursos - uma abordagem prática (6ª ed.)
>>> Projeção do Corpo Astral
>>> Arquétipos da Alma - Um Guia para se Reconhecer a Matriz dos Padrões
>>> O Poder do Pentagrama
>>> O Ciclo de Lunação - Uma chave para a compreensão da personalidade
>>> Radiestesia e Saúde - Como melhorar a sua saúde através da radiestesia
>>> Religião e Ética - Cadernos Ceap
>>> Deutsch Perfekt- revista 5/2012
>>> Psicopedagogia Clínica- caminhos teóricos e práticos
>>> Do luxo ao fardo - Um estudo histórico sobre o tédio
>>> Leyendo a Euclides
>>> Buda - O templo de Jetavana Vol. XIII
>>> Buda- O retorno ao reino de Magadha Vol. XI
>>> Transmissões Cristalinas - Uma Síntese de Luz
>>> Buda- O início da jornada Vol. V
>>> Conceito Rosacruz do Cosmos
>>> Buda- Em Busca da iluminação Vol. IV
>>> Buda - O nascimento de Siddhartha Vol. II
>>> Serial Killers A anatomia do mal
>>> Bom dia Veronica
>>> Millennium 3 A Rainha do castelo de ar
>>> Millennium 2 A menina que brincava com fogo
>>> Deutsch Perfekt- 9/2012- revista
>>> A Época brasileira de Vilém Flusser
>>> Sobre o óbvio
>>> Deutsch Perfekt 4/2012- revista
>>> A Estrutura da Magia
>>> Cultura Escrita, Literatura e História
>>> Animal de estimação 1ª ed.
>>> Os Essênios e os manuscritos do mar morto
>>> Blecaute
>>> Alice - Coleção Clássicos Zahar (livro de Bolso Capa Dura)
>>> Preparados para o fim?
>>> Discipulado
>>> Vem senhor Jesus
>>> Breve História da Maçonaria
>>> Astrologia para Leigos
>>> Mar de Histórias: Antologia do Conto Mundial, 7: Fim de Século
>>> Mar de Histórias: Antologia do Conto Mundial, 6: Caminhos Cruzados
>>> Mar de Histórias: Antologia do Conto Mundial, 5: o Realismo
>>> Mar de Histórias: Antologia do Conto Mundial, 4: do Romantismo ao Realismo
>>> Mar de Histórias: Antologia do Conto Mundial, 3: O Romantismo
>>> A Bíblia Sagrada: Velho e Novo Testamento
>>> Como Conhecer a Deus: um Plano de 5 Dias
>>> De Belém ao Calvário
>>> O Reaparecimento do Cristo
COLUNAS

Sexta-feira, 21/2/2014
Política e Cidadania no Sertão do Brasil (parte 1)
Diogo Salles

+ de 2700 Acessos

Toca o telefone. Era Luis Salvatore. Mas quem estava ali do outro lado da linha não era o fotógrafo profissional e idealizador do Instituto Brasil Solidário (IBS), referência em projetos sociais, educacionais e de sustentabilidade. Era o amigo. O tom era pesado, sua voz pendia entre o desespero e a desilusão, o choro parecia iminente. Em mais de vinte anos de amizade, eu nunca tinha ouvido aquele timbre. Naquele novembro de 2012 eu também passava por um período difícil, com o fechamento do Jornal da Tarde e as incertezas em relação ao futuro. Mas o problema ali não era sobre mim. Nem sobre ele. Pela gravidade do assunto, era o futuro do IBS que parecia em jogo.

Fui à casa dele numa tarde e conversamos longamente sobre o problema. O papo se estendeu madrugada adentro. Por anos, o IBS evitou ao máximo se envolver com a parte política. Nunca recebeu verba de nenhum partido, nunca serviu de plataforma para nenhum governo. Sempre adotou uma postura de distância à questão partidária e respeito aos debates políticos de cada município. Como eu já havia relatado em outra oportunidade, a política já tinha batido de lado com o IBS algumas vezes. De cada dez cidades, sempre tinha uma ou duas em que o prefeito/coronel tentava se apossar do trabalho para se promover.

Sempre que a população abraçava o IBS, só restava ao prefeito duas saídas: ou abraçava a causa junto ou engolia seco. Na grande maioria das cidades em que o Instituto passou, foi bem recebido e o trabalho correu alheio às questões partidárias, já que nosso ideal é trabalhar junto a professores, alunos e gestores locais e deixar que eles assumam total controle dos projetos. Nosso papel era o de implementação; o deles, de multiplicação. Sempre partimos do pressuposto de que as pessoas querem autonomia para tomar suas próprias decisões e assumir seus projetos de vida. Os resultados que colhemos juntos durante esses dez anos comprovam isso (e deixo aqui meu recado a esse povo do Sudeste que acha que o Nordeste se resume ao turismo e ao Bolsa Família).

Mas agora a situação era séria. A política tinha batido de frente com o IBS e os destroços estavam espalhados pela estrada. Eram tempos de transição entre prefeituras em todo o país. Para nós aqui nos grandes centros isso pode não significar muita coisa, mas para o povo do sertão, é um período dramático, principalmente se o candidato da oposição ganhar. Enquanto Luis discorria sobre os fatos recentes, seu desespero parecia aumentar a cada palavra. Para um cara que sempre soube enfrentar as situações mais desafiadoras, pela primeira vez na vida, o vi dizendo que não sabia o que fazer. Como eu já tinha alguma rodagem no jornalismo político, poderia trazer um olhar de fora e, quem sabe, propor alguma saída para essa situação.

Eu achava que já tinha visto de tudo na política, mas foi naquele dia que fiquei conhecendo algumas das piores práticas políticas do Brasil profundo. Para começar, existe a questão da festa da cidade, geralmente a de São João. É ali que boa parte do orçamento da cidade é torrada com comes e bebes gratuitos e ao som de bandas famosas (algumas delas conhecidas nacionalmente), contratadas de forma fraudulenta e superfaturada. De alguma forma, existe por aqueles lados uma crença de que quem produzir a festa mais megalomaníaca fica com os votos. Vem daí o bordão "prefeito que não faz festa, não se reelege". Não surpreende que prefeitos vivam dizendo que não tem dinheiro para mais leitos em hospitais ou para melhorar o salário dos professores.

Outra prática conhecida é a do político vendendo serviços à sua própria população. Funciona assim: o candidato é eleito, e compra um carro para a prefeitura. Depois ele aprova o aluguel desse carro e coloca um parente como motorista, cobrando pelo transporte das pessoas. Em síntese, é uso da máquina pública em beneficio próprio. No fim, ele lucra tanto, que pode se dar ao luxo de abrir mão de seu salário, doando-o a potenciais eleitores. É o melhor negócio do mundo. Ele não cumpre com suas obrigações de governante, fatura muito dinheiro e ainda se reelege ao final do mandato.

Quando eu já chegava à conclusão de que alguma atitude drástica precisava ser tomada, veio o tiro letal: o "assalto de dados". Em diversas regiões do país, é prática corrente no final do mandato a prefeitura que deixa o poder simplesmente desmantelar tudo o que foi feito para que o prefeito que chegar não colha os resultados obtidos nos últimos quatro anos. Carros, computadores, celulares, tudo é levado embora como se não fossem de propriedade do Estado. E assim o governo seguinte começa em meio ao caos. Salários atrasados, rombos no caixa da prefeitura, alunos sem aula, postos de saúde abandonados. Por isso que as eleições municipais acabam sendo muito mais cruciais para o povo do sertão do que as eleições presidenciais.

Para a população dos grandes centros, quando um programa de sucesso é desmantelado, temos manchetes na imprensa, reportagens de TV e toda a gritaria das redes sociais. Bem ou mal, existe pressão em cima do poder público e o prefeito acaba tendo de ceder. No sertão, onde não há uma imprensa tão atuante (ou ela é de propriedade dos coronéis), o "assalto de dados" pode ser feito a céu aberto, sem qualquer questionamento. A impunidade é garantida, já que a população tem receio de confrontar os donos do poder, temendo represálias. E os poucos professores e secretários de educação que tentaram combater essa prática sofreram toda a sorte de ameaças.

Ao ouvir as explicações do Luis, visualizei todos os trabalhos do IBS junto às escolas sendo empurrados descarga abaixo. Projetos de meio ambiente, coleta seletiva, reciclagem, hortas comunitárias, bibliotecas, saraus literários, escovódromos, salas de informática, exposições de arte e fotografia, tudo. Escolas devastadas e um trabalho de anos indo para o ralo em poucos dias.

Há anos eu tinha um projeto de cidadania da gaveta. Para não matar o público de tédio, minha ideia era promover palestras falando de política e cidadania usando a linguagem da charge política como fio condutor. Era a hora de desengavetar o projeto. Durante os meses seguintes, escrevi, reescrevi, editei e formatei o conteúdo. O Luis me retornava com suas observações e encontramos o momento certo para lançar: o II Encontro IBS Amigos do Planeta, em Lençóis (BA) em setembro de 2013, onde as 14 cidades selecionadas expunham os resultados do último biênio em suas palestras.

Havia muita apreensão também, pois os temas que eu levaria nunca tinham sido discutidos em nenhuma cidade. Minha presença lá seria uma surpresa (não muito agradável, talvez) para todos que não faziam parte da equipe. Era um recomeço, um longo processo de abertura do debate político, por isso era preciso adotar um tom sério e expor a gravidade da situação.

Em minha pesquisa para criar essa palestra, dois livros se destacaram: 1808, de Laurentino Gomes e Raízes do Brasil, de Sergio Buarque de Holanda. Os vícios criados com a chegada da corte portuguesa ao Brasil e a figura do "homem cordial" eram de uma atualidade nauseante. Assim, a espinha dorsal da discussão que eu queria propor era a de que temos de aprender a separar o bem público do bem privado. O Brasil nunca compreendeu bem esse conceito em toda sua história. É a partir dessa separação que pode-se defender qualquer ideal, esteja ele à esquerda ou à direita. É o princípio de todo o bom debate político. Do jeito que estamos hoje, chegamos ao ponto em que vemos partidos atacando a corrupção do adversário sem atentar para as suas próprias corrupções.

Dessa forma, a separação entre o público e o privado seria o antídoto para todas as mazelas que o Luis trouxera do sertão. Caso esse princípio fosse observado, não haveria "assalto de dados", nem a gastança nababesca em festas, nem a venda de serviços básicos à população. Montei minha exposição a partir daí e abordei outras questões que corriam em paralelo, como o paternalismo, o fisiologismo, os truques do marketing político para enganar o eleitor, nossa cultura de "levar vantagem em tudo", os perigos dos "salvadores da pátria" e de se misturar política com religião. Cada slide era acompanhado por uma charge ou tirinha, aumentando a carga crítica.

Abordei também algumas boas práticas que vem sendo adotadas em cidades que decidiram se mobilizar e participar ativamente do debate público, interferindo no processo político. Analisei também o flanco aberto pela internet para questionar governantes, já que blogs e redes sociais funcionam como ferramentas de mobilização. E algumas considerações sobre as taisjornadas de junho, um fenômeno que ainda será muito estudado, debatido e destrinchado na área das ciências políticas. No geral, o conteúdo da palestra era explosivo, mas fundamental, a meu ver.

Para minha surpresa, a palestra foi muito bem recebida. Durante o Encontro, as palestras duravam cerca de uma hora e pouco. A minha foi estendida para duas horas e meia, devido ao longo debate que gerou. Como era de se esperar, algumas saias ficaram justas e algumas outras carapuças serviram (não que eu tenha algum problema com isso, afinal, minha função como chargista de jornal era exatamente essa). Mas no geral senti que as pessoas estavam perdendo o medo de falar de política, tanto que fui procurado por gente de quase todas as 14 delegações depois da palestra. Todo mundo tinha o seu "causo" para contar. Na maioria das vezes o tom era de agradecimento, pois era visível que estavam com as politicagens de sua cidade entaladas pela garganta.

Ouvi todos os desabafos, opiniões e sugestões e refleti muito nos meses seguintes, já que o plano era incluir a palestra de "Cidadania e Política" no circuito de Seminários que o IBS vem promovendo. A ideia era iniciar o novo biênio falando cada vez mais de política, para evitar que os fatos de 2012 se repetissem. A primeira etapa desse biênio ocorreu em fevereiro de 2014 e passou por Piauí, Maranhão e Paraíba, onde pude aprofundar os temas iniciados no Encontro em Lençóis e começar a propor e debater soluções para os problemas. Acredite ou não, o sucesso desses seminários foi ainda maior, mas isso é assunto para a próxima coluna...

Leia também
Política e Cidadania no Sertão do Brasil (parte 2)


Diogo Salles
São Paulo, 21/2/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Nobel, novo romance de Jacques Fux de Jardel Dias Cavalcanti
02. 40 anos sem Carpeaux de Celso A. Uequed Pitol
03. Existem vários modos de vencer de Fabio Gomes
04. Saudade de ser 'professor' de Filosofia de Cassionei Niches Petry
05. Uma suposta I.C. de Elisa Andrade Buzzo


Mais Diogo Salles
Mais Acessadas de Diogo Salles
01. Telemarketing, o anti-marketing dos idiotas - 20/9/2007
02. Eric Clapton ― envelhecendo como um bluesman - 9/2/2010
03. Conceitos musicais: blues, fusion, jazz, soul, R&B - 22/7/2011
04. Solidariedade é ação social - 2/12/2008
05. Millôr Fernandes, o gênio do caos - 17/2/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A REVOLUÇÃO DOS BICHOS
GEORGE ORWELL
COMPANHIA DAS LETRAS
(2012)
R$ 30,00



FITA AZUL DE MARIA ANO VII JANEIRO Nº80
FEDERAÇÃO MARIANAS
FEDERAÇÃO MARIANAS
R$ 12,00



LA PIERRE DU ROYAUME, VERSION POUR EUROPÉENS ET BRÉSILIENS DE BON SENS
ARIANO SUASSUNA
METAILIÉ
(1996)
R$ 47,90



A PAIXÃO ENTRE MULHERES
LINDSEY ELDER
LGS
(1998)
R$ 15,00



MANGÁ TARAREBA - CONTOS DE PASSADO E FUTURO
KYO HATSUKI
SAMPA ARTE / LAZER
(2011)
R$ 9,99



OS QUATRO HOMENS JUSTOS
EDGAR WALLACE
CULTRIX
(1969)
R$ 4,90



DIÁRIO DE UM REPÓRTER
FLÁVIO ALCARAZ GOMES
MERCADO ABERTO
(1995)
R$ 8,00



OS FILÓSOFOS E AS MÁQUINAS
PAOLO ROSSI
COMPANHIA DAS LETRAS
(1989)
R$ 80,00



RACISMO EM PORTUGUÊS
JOANA GORJAO HENRIQUES
TINTA DA CHINA
(2017)
R$ 45,00



OS PARTIDOS POLÍTICOS
BRANDÃO MONTEIRO & CARLOS ALBERTO P. DE OLIVEIRA
GLOBAL
(1989)
R$ 10,00





busca | avançada
31119 visitas/dia
1,1 milhão/mês