Mazelas do coronelismo | Diogo Salles | Digestivo Cultural

busca | avançada
48369 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Sempre Um Papo com Silvio Almeida
>>> FESTIVAL DE ORQUESTRAS JUVENIS
>>> XIII Festival de Cinema da Fronteira divulga Programação
>>> Centro em Concerto: ¡Navidad Nuestra!
>>> Edital Retomada Cultural apresenta Conexão Brasil-Portugal: podcast produzido pelo Coletivo Corpos p
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Garanto que você não vai gostar
>>> Colunismo em 2004
>>> Frases de Drummond
>>> Luciano do Valle (1947-2014)
>>> 28 de Junho #digestivo10anos
>>> 19 de Julho #digestivo10anos
>>> Citizen Kane
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> Vida conjugal
Mais Recentes
>>> O mágico poder da sua mente de Walter M. Germain pela Papelivros
>>> A Magia Egipcia de E. A. Wallis Budge pela Madras (2003)
>>> Vanguarda Européia e Modernismo Brasileiro de Gilberto Mendonça Teles pela Vozes (1977)
>>> Como Elaborar Projetos de Pesquisa Linguagem e Metodo de Roberto S. Kahlmeyer Outros pela Fgv (2007)
>>> Empreendedorismo- Dando Asas ao Espirito Empreendedor de Idalberto Chiavenato pela Saraiva (2006)
>>> O Poder dos Salmos de Celina Fioravanti pela Ground (1996)
>>> Dêxa Eeuuu!!! o Livro de Culinária para Filhos e Pais de Mayra Abbondanza pela Mayra Abbondanza São Paulo (2018)
>>> O Sistema Político-econômico do Futuro: o Societarismo de Oscar Dias Corrêa pela Forense Universitária (1994)
>>> Contato Imediato - Como Fazer Histórias Em Quadrinhos de Juan Acevedo pela Global (1990)
>>> Mulheres no Topo de Diane F. Halpern ; Fanny M. Cheung pela Atitude (2010)
>>> História da Questão Religiosa no Brasil de Antonio Carlos Villaça pela Francisco Alves (1974)
>>> O Néctar da Devoção - a Ciência Completa da Bhakti-yoga de A C Bhaktivedanta Swami Prabhupáda pela The Bhaktivedanta Book Trust (1995)
>>> 3333 Pontos Riscados e Cantados - Volume 1 de Pallas pela Pallas (2008)
>>> 3333 Pontos Riscados e Cantados de Pallas pela Pallas (2011)
>>> As Chaves do Inconsciente de Renate Jost de Moraes pela Agir (1985)
>>> Mapas Mentais e Memorização para Provas e Concursos de Felipe Lima e William Douglas pela Impetus (2010)
>>> Yes, Nós Temos Bananas - Histórias e Receitas Com Biomassa de Banana de Heloisa de Freitas Valle Marcia Camargos pela Senac (2003)
>>> Técnicas de Redação para Concursos Teoria e Questões de Lilian Furtado/vinicius Carvalho Pereira pela Método Ltda. (2013)
>>> A Magia do Caminho Real de Anna Sharp pela Rocco (1993)
>>> Krsna - a Suprema Personalidade de Deus de A. C. Bhaktivedanta Swami Prabhupada pela The Bhaktivedanta Book Trust (2006)
>>> Relâmpagos com Claror - Lygia Clark e Helio Oiticica, vida como arte de Beatriz Scigliano Carneiro pela Imaginária (2004)
>>> Introduçao a Estilistica de Nilce Santanna Martins pela Tao (1997)
>>> Filosofia Concreta - Tomo 2 de Mário Ferreira dos Santos pela Logos (1961)
>>> Psicologia de Mário Ferreira dos Santos pela Logos (1963)
>>> Noologia Geral de Mário Ferreira dos Santos pela Logos (1961)
COLUNAS

Terça-feira, 13/10/2009
Mazelas do coronelismo
Diogo Salles

+ de 8300 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Participar de um trabalho social não é apenas um alento diante de tantas barbaridades despejadas diariamente pelos noticiários. Para quem busca preencher os vazios da alma, é uma experiência redentora. Se não conseguimos mudar tudo o que gostaríamos, pelo menos podemos enxergar um Brasil que sempre idealizamos, ainda que seus frutos só possam ser colhidos no longo prazo. Porém, muitos voluntários de primeira viagem podem não suportar o fato de que, algumas vezes, nem mesmo esse sonho é possível. Claro que, na maioria das vezes, prevalece o lado bonito. Mas para que ele funcione, existe também o lado político, do qual todos preferem manter distância. Existe, sim, muita promiscuidade entre as ONGs e o poder público. Mas mesmo nunca tendo se envolvido em questões partidárias, o Instituto Brasil Solidário algumas vezes não consegue se ver livre do apetite dos oportunistas.

Nesses trabalhos sociais pelo Brasil, é comum que aconteça uma reunião com as prefeituras das cidades que visitamos, para que possamos explicar como é feito o trabalho e quais as nossas necessidades no dia em que a ação acontece. À prefeitura, cabe oferecer o almoço a toda a equipe e um local adequado para trabalhar ― geralmente uma escola municipal. Além da mobilização da população local para que compareçam, eles devem disponibilizar alguns agentes de saúde para ajudarem na triagem dos pacientes a serem atendidos pelos médicos de nossa equipe. Geralmente nosso trabalho é compreendido e muito bem acolhido por todos. Sempre somos recebidos com euforia, muita festa e demonstrações de agradecimento e carinho. A escola sempre nos prepara alguma homenagem. Geralmente um espetáculo de dança, um coral dos alunos ou um número musical. O prefeito até faz seu discurso, mas apenas para agradecer em nome da escola e da cidade.

Não há dinheiro em jogo, apenas duas forças se unindo, em colaboração. Sem agendas partidárias, a prefeitura deve ser nossa parceira naquele dia em que a ação acontece. Nada além disso. Tudo parece muito simples, mas, algumas vezes, não é. Em meio a tantas faixas e cartazes que nos ovacionam, encontramos alguns parasitas pelo caminho. Felizmente são minoria, mas eles existem ― e estão sempre à espreita. O IBS já passou por quase todos os Estados brasileiros, mas a maioria das ações acontece nas regiões Centro-Oeste e Nordeste. Para fazer uma média, de cada dez cidades visitadas, em pelo menos uma encontramos políticos locais e pequenos coronéis que mandam e desmandam na cidade, fazendo dela seu curral particular. Alguns vão além e tentam se apossar do nosso trabalho. Montam palanques para falar de "suas" realizações e, com isso, colher dividendos políticos.

Em uma pequena cidade no Tocantins, fomos à casa do prefeito para discutir nossa ação social, que aconteceria dentro de algumas semanas. Chegando à casa do prefeito, comecei a fazer anotações com os meus olhos. Vi uma casa grande, muito bem arrumada, com um enorme jardim, uma aconchegante sala, com TV a cabo, DVD e outros que tais. Depois que os empregados serviram o almoço, o prefeito já se alongava em seu falatório. Não entro no mérito se o prefeito conseguiu seu patrimônio antes ou depois de ter chegado ao poder. Tampouco procurei saber de que partido ele era (cá entre nós, faz alguma diferença?). O que me impressionou foi o que vi ao chegar à escola onde trabalharíamos. Condições mais do que precárias, banheiros imundos, ralos entupidos, fiações expostas, portas caindo aos pedaços, mesas e cadeiras quebradas. Àquelas alturas, já não era de se estranhar que tudo na casa do prefeito funcionasse tão bem e, na escola municipal, tão mal. O sinal de alerta estava ligado.

Chegado o dia da ação social, nossas piores desconfianças se confirmaram logo na entrada da escola. Causava espanto a quantidade de "parentes" e "amigos" do prefeito aboletados na fila do gargarejo, para serem atendidos antes de todo mundo. Sem nenhuma cerimônia, gestantes e idosos eram passados para trás na fila da triagem. Pessoas com gravíssimos problemas de visão não tinham nem sequer uma senha para entrar na fila e se consultar com o oftalmologista (não havia oftalmologistas na cidade. Aquela era uma oportunidade única para quem realmente precisava ― e de graça).

Enquanto isso, o açougueiro da cidade ― amigo do prefeito, naturalmente ― ostentava sua senha de número 1 para ser atendido. Não era nada demais, segundo ele. Só queria saber se estava tudo em ordem com sua vista. Não contente, ele também organizava a fila à sua própria maneira, decidindo quem ficaria na frente de quem. A turma dos "amigos do prefeito" estava mesmo disposta a aparelhar nossa ação social. Todos pareciam acima do bem e do mal. O retrato do subdesenvolvimento estava ali, em cores vivas.

Mas o espetáculo ainda não estava completo. Ainda faltava chegar a mulher do prefeito que, para melhor se identificar, montou seu próprio crachá (do tamanho de uma cartolina) onde se lia "PRIMEIRA DAMA"... Assim mesmo, em letras garrafais. E não era uma "PRIMEIRA DAMA" qualquer. Distribuindo ordens à criadagem e acenos à "plebe", quando me viu, antes mesmo de dizer "oi", já tinha uma ordem para mim: "Depois quero que você separe umas camisetas dessas, iguais à sua, para eu dar de presente".

Antes que o prefeito montasse seu palanque para alardear mais este "feito" de seu governo, foi realizada uma tensa reunião a portas fechadas. Convidamos o prefeito e todos os seus apaniguados a se retirar. A partir dali, o trabalho era com a gente. Precisávamos encontrar um jeito para fazer a triagem e a farmácia funcionar. Junto com alguns voluntários locais, nossa equipe se desdobrou e conseguiu, heroicamente, realizar o trabalho. De um lado, ficamos felizes, pois mostramos muita superação naquele dia tão difícil. Por outro, uma tristeza se abateu, pois ali estava a confirmação do quanto o coronelismo, ainda hoje, corrói cidades e povos pelo Brasil.

Não foi o único lugar onde encontramos essa situação. E certamente não será o último. Esta foi apenas a experiência mais emblemática e, acima de tudo, uma ducha gelada de realidade em todos nós, sempre acostumados a encontrar um Brasil acolhedor. De vez em quando aparece também um representante de alguma "associação", providencialmente apadrinhada da prefeitura, buscando uma boquinha. Certa vez, apareceu uma dessas figuras, querendo que a banda ― da qual ele se dizia empresário ― se apresentasse na escola, no dia que nossa ação trabalharia lá. Com um detalhe: nós deveríamos pagar o cachê pela apresentação. Parasitas são assim mesmo. Estão por toda parte, sempre buscando um hospedeiro.

Aconteceu também de encontrarmos agentes de saúde espertalhões tentando substituir nossas fichas médicas pelas fichas da prefeitura. Assim, poderiam ser reembolsados pelo SUS. Estavam ali trabalhando pela causa da comunidade, claro, mas sem antes esquecer da causa própria. Pior é quando faziam isso em escolas com esgoto a céu aberto, onde absolutamente todas as crianças estavam com verme. Algumas também tinham berne, mas os casos mais graves eram de sarna, que deixavam as crianças com a cabeça avermelhada e descabelada. Mas, ainda assim, as fichas do SUS pareciam ser mais importantes naquele momento...

Um dia, tive uma revelação enquanto eu me espreguiçava em uma atividade estupidamente trivial. Fazendo palavras cruzadas, tinha ali uma palavra que me incomodava logo de cara: sinônimo para "idealista", sete letras. É o tipo de palavra que costumam usar para definir voluntários em trabalhos sociais e não queria isso exposto à sorte de qualquer julgamento ― quanto mais numa situação tola como aquela. Resolvi fugir do confronto com o meu possível eu. Deixemos esta palavra por último, então. Fui preenchendo as outras questões e o resultado aos poucos aparecia. Resposta: "ingênuo". Relutante, fui conferir nas respostas. Estava correto. Meio a contragosto, aceitei o rótulo.

Talvez o mundo seja mesmo dos "espertos". Basta acreditar em políticos salvadores da pátria (tão salvadores quanto o tal prefeito da cidadezinha do Tocantins ― senão piores) e defendê-lo até a morte. Aí é só esperar que ele vença as eleições e, assim, fazer parte de sua casta de privilegiados. Pronto, você entrou para o seleto grupo dos "Amigos do Prefeito"! Mas calma... Estamos numa democracia, e qualquer um pode recusar o convite para entrar para a turma. Sim, se você está pensando em fazer um trabalho social, uma hora ou outra terá de escolher entre ser "amigo do prefeito", que vai pedir reembolso do SUS, ou ser o "ingênuo" que vai tentar ajudar a criança com verme.


Diogo Salles
São Paulo, 13/10/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Adeus, Belas Artes de Elisa Andrade Buzzo
02. Esqueçam o velho jornalismo de Tais Laporta


Mais Diogo Salles
Mais Acessadas de Diogo Salles em 2009
01. Millôr Fernandes, o gênio do caos - 17/2/2009
02. 10 palavrões 1 livro didático e ninguém no governo - 2/6/2009
03. Michael Jackson e a Geração Thriller - 21/7/2009
04. O fundamentalismo headbanger - 10/3/2009
05. PMDB: o retrato de um Brasil atrasado - 17/11/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
15/10/2009
08h53min
Ótimo texto, Diogo! Realmente, uma coisa que nos choca é o contraste, e nos impressiona o quanto um coração pode ser tão duro a ponto de não se importar com isso - como o que você mostrou: casa do prefeito versus escola imunda... Numa dessas escolas, onde o bairro era desses de esgoto a céu aberto, vi uma Hi-Lux zero estacionando e quem desceu de lá? O prefeito, ao lado da primeira-dama (esta debaixo de algumas jóias)... Mas mesmo vendo tudo isso, digo que vale (muito!!!) a pena ser ingênuo. Grande abraço!
[Leia outros Comentários de Wolber Campos]
15/10/2009
14h55min
Mais um texto ótimo do Diogo! Tive um problema desse tipo em Pernambuco. Prefeito e vereador fazendo politicagem no atendimento oftalmológico. Passei por esse tipo de situação em diversos projetos sociais no interior de Alagoas e em cidades no estado do Amapá. E a história sempre se repete. Fico extremamente incomodada ao ver políticos se aproximando durante os atendimentos, e tenho sempre a mesma sensação: gente tentando se aproveitar! É deprimente... Lamentavelmente muitas crianças ficaram sem atendimento oftalmológico por problemas de falta de transporte e, curiosamente, o prefeito aparece lá, trazendo uma "listinha" com nomes de adultos que "deveriam ser atendidas". Quanto às fichas do SUS, vi acontecer isso na Paraíba, mas ficou apenas na tentativa...
[Leia outros Comentários de Sabrina]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Poemas Biografia da Cidade - Cronica de Brasilia
Joanyr de Oliveira
Joanyr de Oliveira
(2005)



Manual do Lider Coach
Jose Roberto Marques
Sapji
(2003)



Explicando a Arte uma Iniciação para Entender a Apreciação Artes
Jo Oliveira e Lucilia Garcez
Ediouro
(2002)



A Guerra dos Hereges
Aydano Roriz
europa
(2010)



A Ética da Autenticidade
Charles Taylor
É Realizações
(2013)



Cantigas de um Longo Exilio
Vito Miracapillo
Paulinas
(1985)



Los Contrastes y El Descubrimiento de las Nociones Fundamentales
A. Lapierre / B. Aucouturier
Cientifico Medica
(1977)



As Aventuras de Tom Sawyer
Mark Twain
Scipione
(2011)



Joe Martin - ftd young adult english readers intermediate
Charlyne Haden
FTD
(1991)



A Vida é Uma Festa
Lauro Trevisan
mente
(1991)





busca | avançada
48369 visitas/dia
1,6 milhão/mês