Mazelas do coronelismo | Diogo Salles | Digestivo Cultural

busca | avançada
32715 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 13/10/2009
Mazelas do coronelismo
Diogo Salles

+ de 7000 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Participar de um trabalho social não é apenas um alento diante de tantas barbaridades despejadas diariamente pelos noticiários. Para quem busca preencher os vazios da alma, é uma experiência redentora. Se não conseguimos mudar tudo o que gostaríamos, pelo menos podemos enxergar um Brasil que sempre idealizamos, ainda que seus frutos só possam ser colhidos no longo prazo. Porém, muitos voluntários de primeira viagem podem não suportar o fato de que, algumas vezes, nem mesmo esse sonho é possível. Claro que, na maioria das vezes, prevalece o lado bonito. Mas para que ele funcione, existe também o lado político, do qual todos preferem manter distância. Existe, sim, muita promiscuidade entre as ONGs e o poder público. E até mesmo uma ação apolítica, como a do Instituto Brasil Solidário, algumas vezes não consegue se ver livre do apetite dos oportunistas.

Nesses trabalhos sociais pelo Brasil, é comum que aconteça uma reunião com as prefeituras das cidades que visitamos, para que possamos explicar como é feito o trabalho e quais as nossas necessidades no dia em que a ação acontece. À prefeitura, cabe oferecer o almoço a toda a equipe e um local adequado para trabalhar ― geralmente uma escola municipal ou estadual. Além da mobilização da população local para que compareçam, eles devem disponibilizar alguns agentes de saúde para ajudarem na triagem dos pacientes a serem atendidos pelos médicos de nossa equipe. Geralmente nosso trabalho é compreendido e muito bem acolhido por todos. Sempre somos recebidos com euforia, muita festa e demonstrações de agradecimento e carinho. A escola sempre nos prepara alguma homenagem. Geralmente um espetáculo de dança, um coral dos alunos ou um número musical. O prefeito até faz seu discurso, mas apenas para agradecer em nome da escola e da cidade.

Não há dinheiro em jogo, apenas duas forças se unindo, em colaboração. Sem picuinhas partidárias ou ideológicas, a prefeitura deve ser nossa parceira naquele dia em que a ação acontece. Nada além disso. Tudo parece muito simples, mas, algumas vezes, não é. Em meio a tantas faixas e cartazes que nos ovacionam, encontramos alguns parasitas pelo caminho. Felizmente são minoria, mas eles existem ― e estão sempre à espreita. O IBS já passou por quase todos os Estados brasileiros, mas a maioria das ações acontece nas regiões Centro-Oeste e Nordeste. Para fazer uma média, de cada dez cidades visitadas, em pelo menos uma encontramos políticos locais e pequenos coronéis que mandam e desmandam na cidade, fazendo dela seu curral particular. Alguns vão além e tentam se apossar do nosso trabalho. Montam palanques para falar de "suas" realizações e, com isso, colher dividendos políticos. Gostaria que não fossem verdadeiras as histórias que relato a seguir... Mas são.

Em uma pequena cidade no Tocantins, fomos à casa do prefeito para discutir nossa ação social, que aconteceria dentro de algumas semanas. Nunca gostei de participar dessas reuniões. Todos da equipe sempre souberam do asco que sinto por políticos. Sempre procurei evitar essa gente. Mas dessa vez não tive como escapar. Tínhamos de ir à casa do tal prefeito. Lá chegando, comecei a fazer anotações com os meus olhos. Vi uma casa grande, muito bem arrumada, com um enorme jardim, uma aconchegante sala, com TV a cabo, DVD e outros que tais. Depois que os empregados serviram o almoço, o prefeito já se alongava em sua verborragia. Comecei a bocejar, rezando para acabar logo aquele martírio. Não entro no mérito se o prefeito conseguiu seu patrimônio antes ou depois de ter chegado ao poder. Tampouco procurei saber de que partido ele era (cá entre nós, faz alguma diferença?). O que me impressionou foi o que vi ao chegar à escola onde trabalharíamos. Condições mais do que precárias, banheiros imundos, ralos entupidos, fiações expostas, portas caindo aos pedaços, mesas e cadeiras quebradas. Àquelas alturas, já não era de se estranhar que tudo na casa do prefeito funcionasse tão bem e, na escola municipal, tão mal. O sinal de alerta estava ligado.

Chegado o dia da ação social, nossas piores desconfianças se confirmaram logo na entrada da escola. Causava espanto a quantidade de "parentes" e "amigos" do prefeito aboletados na fila do gargarejo, para serem atendidos antes de todo mundo. Sem nenhuma cerimônia, gestantes e idosos eram passados para trás na fila da triagem. Pessoas com gravíssimos problemas de visão não tinham nem sequer uma senha para entrar na fila e se consultar com o oftalmologista (não havia oftalmologistas na cidade. Aquela era uma oportunidade única para quem realmente precisava ― e de graça).

Enquanto isso, o açougueiro da cidade ― amigo do prefeito, naturalmente ― ostentava sua senha de número 1 para ser atendido. Não era nada demais, segundo ele. Só queria saber se estava tudo em ordem com sua vista. Não contente, ele também organizava a fila à sua própria maneira, decidindo quem ficaria na frente de quem. A turma dos "amigos do prefeito" estava mesmo disposta a aparelhar nossa ação social. Todos pareciam acima do bem e do mal. O retrato de um Brasil subdesenvolvido e escravocrata estava ali, em suas cores mais sombrias.

Mas o espetáculo ainda não estava completo. Ainda faltava chegar ela ― a mulher, que, para melhor se identificar, montou seu próprio crachá (do tamanho de uma cartolina) onde se lia "PRIMEIRA DAMA"... Assim mesmo, em letras garrafais. E não era uma "PRIMEIRA DAMA" qualquer. Quixotesca, distribuía ordens à criadagem e acenos à "plebe". Quando me viu, veio em minha direção. E antes mesmo de dizer "oi", ela já tinha uma ordem para mim: "Depois quero que você separe umas camisetas dessas, iguais à sua, para eu dar de presente".

Antes que o prefeito montasse seu palanque para alardear mais este "feito" de seu governo, foi realizada uma tensa reunião a portas fechadas. Convidamos o prefeito e todos os seus pelegos, aspones e apaniguados a se retirarem. A partir dali, o trabalho era com a gente. Precisávamos encontrar um jeito para fazer a triagem e a farmácia funcionar. Junto com alguns voluntários locais, nossa equipe se desdobrou e conseguiu, heroicamente, realizar o trabalho. De um lado, ficamos felizes, pois mostramos muita superação naquele dia tão difícil. Por outro, uma tristeza se abateu, pois ali estava a confirmação do quanto o coronelismo, ainda hoje, corrói cidades e povos pelo Brasil.

Não foi o único lugar onde encontramos essa situação. E certamente não será o último. Esta foi apenas a experiência mais emblemática e, acima de tudo, uma ducha gelada de realidade em todos nós, sempre acostumados a encontrar um Brasil acolhedor. De vez em quando aparece também um representante de alguma "associação", providencialmente apadrinhada da prefeitura, buscando uma boquinha extra. Certa vez, apareceu uma dessas figuras, querendo que a banda ― da qual ele se dizia "empresário" ― se apresentasse na escola, no dia que nossa ação trabalharia lá. Com um detalhe: nós deveríamos pagar o cachê pela apresentação. Parasitas são assim mesmo. Estão por toda parte, sempre buscando um hospedeiro.

Aconteceu também de encontrarmos agentes de saúde espertalhões tentando substituir nossas fichas médicas pelas fichas da prefeitura. Assim, poderiam ser reembolsados pelo SUS. Estavam ali trabalhando pela causa da comunidade, claro, mas sem antes esquecer da causa própria. Pior é quando faziam isso em escolas com esgoto a céu aberto, onde absolutamente todas as crianças estavam com verme. Algumas também tinham berne, mas os casos mais graves eram de sarna, que deixavam as crianças com a cabeça avermelhada e descabelada. Mas, ainda assim, as fichas do SUS pareciam ser mais importantes naquele momento...

Um dia, tive uma revelação enquanto eu me espreguiçava em uma atividade estupidamente trivial. Fazendo palavras cruzadas, tinha ali uma palavra que me incomodava logo de cara: sinônimo para "idealista", sete letras. É o tipo de palavra que costumam usar para definir voluntários de ações sociais e não queria isso exposto à sorte de qualquer julgamento ― quanto mais numa situação tola como aquela. Resolvi fugir do confronto com o meu possível eu. Deixemos esta palavra por último, então. Fui preenchendo as outras questões e o resultado aos poucos aparecia. Resposta: "ingênuo". Pois é... Parece até perseguição. Relutante, fui conferir nas respostas. Estava correto. Meio a contragosto, aceitei o rótulo.

O mundo é mesmo dos "espertos", dos "ideólogos" e dos "politizados", que polarizam os debates, relativizam tudo e justificam seus fins através dos meios mais tacanhos. Para atingir esse "status quo", o caminho mais fácil é filiar-se a um partido político e seguir sua cartilha bovinamente. Depois, basta acreditar em políticos salvadores da pátria (tão salvadores quanto o tal prefeito da cidadezinha do Tocantins ― senão piores) e defendê-lo até a morte. Aí é só esperar que ele vença as eleições e, assim, fazer parte de sua casta de privilegiados. Pronto, você entrou para o seleto grupo dos "Amigos do Prefeito"! Bem vindo! Mas calma... Estamos numa democracia, e qualquer um pode recusar o convite para entrar para a "tchurma". Sim, se você está pensando em fazer um trabalho social, uma hora ou outra terá de escolher entre ser o "amigo do prefeito", que vai pedir reembolso do SUS, ou ser o "ingênuo" que vai tentar ajudar a criança com verme. A opção é sua... E o livre arbítrio é a última esperança.


Diogo Salles
São Paulo, 13/10/2009


Mais Diogo Salles
Mais Acessadas de Diogo Salles em 2009
01. Millôr Fernandes, o gênio do caos - 17/2/2009
02. 10 palavrões 1 livro didático e ninguém no governo - 2/6/2009
03. Michael Jackson e a Geração Thriller - 21/7/2009
04. O fundamentalismo headbanger - 10/3/2009
05. PMDB: o retrato de um Brasil atrasado - 17/11/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
15/10/2009
08h53min
Ótimo texto, Diogo! Realmente, uma coisa que nos choca é o contraste, e nos impressiona o quanto um coração pode ser tão duro a ponto de não se importar com isso - como o que você mostrou: casa do prefeito versus escola imunda... Numa dessas escolas, onde o bairro era desses de esgoto a céu aberto, vi uma Hi-Lux zero estacionando e quem desceu de lá? O prefeito, ao lado da primeira-dama (esta debaixo de algumas jóias)... Mas mesmo vendo tudo isso, digo que vale (muito!!!) a pena ser ingênuo. Grande abraço!
[Leia outros Comentários de Wolber Campos]
15/10/2009
14h55min
Mais um texto ótimo do Diogo! Tive um problema desse tipo em Pernambuco. Prefeito e vereador fazendo politicagem no atendimento oftalmológico. Passei por esse tipo de situação em diversos projetos sociais no interior de Alagoas e em cidades no estado do Amapá. E a história sempre se repete. Fico extremamente incomodada ao ver políticos se aproximando durante os atendimentos, e tenho sempre a mesma sensação: gente tentando se aproveitar! É deprimente... Lamentavelmente muitas crianças ficaram sem atendimento oftalmológico por problemas de falta de transporte e, curiosamente, o prefeito aparece lá, trazendo uma "listinha" com nomes de adultos que "deveriam ser atendidas". Quanto às fichas do SUS, vi acontecer isso na Paraíba, mas ficou apenas na tentativa...
[Leia outros Comentários de Sabrina]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PROGRESSO, POBREZA E EXCLUSÃO
ROSEMARY THORP
BID
(1998)
R$ 35,00



A NOVA TRAJETÓRIA PROFISSIONAL
NEWTON JOSÉ DE OLIVEIRA NEVES E MILTON FAGUNDES
MISSION
(1999)
R$ 10,00



COMO E POR QUE LER OS CLÁSSICOS UNIVERSAIS DESDE CEDO
ANA MARIA MACHADO - NOVO
OBJETIVA
(2002)
R$ 54,00



UM AMOR DE GATO
GLENN DROMGOOLE
PUBLIFOLHA
(2002)
R$ 5,00



UM TURISTA NA TERRA
LEO P KELLEY
GALERIA PANORAMA
(1973)
R$ 10,00



CID-10 VOL. 1: CLASSIFICAÇÃO ESTATÍSTICA INTERNACIONAL DE DOENÇAS E PROBLEMAS RELACIONADOS À SAÚDE
OMS - ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE
EDUSP
R$ 102,00



OITENTA ANOS DE FERNANDO HENRIQUE CARDOSO
HUBERT ALQUERES
JATOBÁ
(2011)
R$ 120,00



A GAROTA DO CALENDÁRIO - SETEMBRO
AUDREY CARLAN
VERUS
(2016)
R$ 7,00



A CURVA DA ESTRADA
FERREIRA DE CASTRO
GUIMARÃES EDITORES
(2002)
R$ 29,70



TEXTOS FILOSÓFICOS
KARL MARX
MANDACARU
(1990)
R$ 13,41





busca | avançada
32715 visitas/dia
1,4 milhão/mês