A teoria do jornalismo e a seleção de notícias | Gian Danton | Digestivo Cultural

busca | avançada
35116 visitas/dia
922 mil/mês
Mais Recentes
>>> Vila 567 promove Quintaneja para comemorar feriado prolongado
>>> Musical gratuito "Brincando com a Broadway" chega ao Teatro UMC
>>> Cantor israelense Rami Kleinstein se apresenta em São Paulo
>>> EM AÇÃO INÉDITA, BLACK FRIDAY SAI DA INTERNET E DOMINA AS RUAS DE SÃO PAULO
>>> Filmaê - 1º Festival de Cinema Móvel de Brasília estreia no Espaço Cultural Renato Russo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Do canto ao silêncio das sereias
>>> Vespeiro silencioso:
>>> A barata na cozinha
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O Voto de Meu Pai
>>> Inferno em digestão
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
>>> As pedras de Estevão Azevedo
>>> O artífice do sertão
>>> De volta à antiga roda rosa
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> No tinir dos metais
>>> De(correntes)
>>> Prata matutina
>>> Brazil - An Existing Alien Country on Planet Earth
>>> Casa de couro IV
>>> 232 Celcius, ou Fahrenheit 451
>>> Mãe
>>> Auto contraste
>>> Os intelectuais e a gastronomia
>>> Cabeças Cortadas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A universalidade de Anish Kapoor
>>> A internet não é isso tudo
>>> Tom Zé por Giron
>>> A boa literatura brasileira
>>> As pedras de Estevão Azevedo
>>> O país dos imbecis
>>> Um Jogador
>>> Literatura em 2000-2009
>>> Entre o copo, a vitrola, a fumaça e o boicote
>>> As Cem Melhores Crônicas Brasileiras
Mais Recentes
>>> A Doutrina Secreta - Volume 3 - Antropogênese de H.P. Blavatsky pela Pensamento (2017)
>>> Liderança Executiva - Uma Proposta Racional de Dr. Albert Ellis pela Record (1972)
>>> Destruiaçao e equilibrio de Sergio de almeida rodrigues pela Atual
>>> Os livros da fuvest--2 de Objetivo pela Objetivo
>>> Teste 4 de Camila pela Camila (2018)
>>> A Odisseia (Em Forma de Narrativa) de Homero pela Ediouro (1991)
>>> Wuthering heights de Emily bronte pela Penguin books
>>> Anave de noe de Trigueirinho pela Pensamento
>>> Cozinha Maravilhosa de Ofélia - Bifes e Acompanhamentos de Ofélia Ramos Anunciato pela Melhoramentos (2006)
>>> Tortas Salgadas de Vários pela Melhoramentos (2007)
>>> Docinhos para festas de Vários pela Melhoramentos (2012)
>>> Teste2 de Camila Pontes pela Teste (2018)
>>> Astrologia,sexo e amor. de Sydney omarr pela Market books
>>> Sucos e Vitaminas de Caroline Bergerot pela Cultrix (2003)
>>> Bandeirantes e Pioneiros de Vianna Moog pela Civilização Brasileira (1964)
>>> Carne de Vários pela Impala (2012)
>>> Doces de Vários pela Impala (2012)
>>> A arte da cura espiritual de Keith sherwood pela Siciliano
>>> Saladas de Vários pela Impala (2012)
>>> Petiscos - 14 receitas de Vários pela Impala (2009)
>>> O homem e seus poderes de Eunilto carvalho souza pela Petit
>>> Pizzas - 14 receitas de Vários pela Impala (2009)
>>> Sandes - 14 receitas de Vários pela Impala (2009)
>>> Simplesmente Divina de Wendy Holden pela Best Seller (2000)
>>> O evangelho segundo o espiritismo de Allan kardec pela Lake
>>> Saladas - 14 receitas de Vários pela Impala (2009)
>>> Sobremesas - 14 receitas de Vários pela Impala (2009)
>>> Em busca de outros mundos de Ronaldo rogerio de freitas mourao pela Circulo do lvro
>>> Fenomenos ocultos de Zsolt aradi pela Ibrasa
>>> Homeostase no homem de Stanley mikal pela Edart
>>> O principe de Machiavelli pela Ediouro
>>> Direito e processo do trabalho - Teoria e Prática - 1ª e 2ª fase de Rafael Tonassi Souto, Aryanna Linhares e Renato Saraiva pela Juspodivm (2018)
>>> Guia pratico do zodiaco chines de Melanie claire pela Pensamento
>>> Magias para ganhar dinheiro de Novo mundo pela Novo mundo
>>> Codigos-4 em 1-clt-cpc-legislaçao previdenciaria-constituiçao federal. de Saraiva pela Saraiva
>>> Um guia competo--astrologia de Eclipse pela Eclipse
>>> Now that youre back de A. l. kennefy pela Vintage
>>> Minidicionario de Ruth rocha pela Scipione
>>> Dona flor e seus dois maridos de Jorge amado pela Martins
>>> Astrobiologia de Flavio pereira pela Traço
>>> Palavra possuída de Fleury, Beth pela Orobó Edições (2005)
>>> O segredo de uma família feliz de Associação Torre de Vigia de Biblias e Tratados pela Fy-t (2006)
>>> O Reino Das Vozes Que Não Se Calam de Carolina Munhóz & Sophia Abrahão pela Fantástica Rocco (2014)
>>> O príncipe: a natureza do poder e as formas de conservá-lo. Texto integral de Maquiavel pela Gb (2008)
>>> Extratos do coração de Finamora, José Florêncio pela Ophicina de Arte & Prosa (2013)
>>> O livro neurótico de receitas de Carvalho, Ana Cecília pela Ophicina de Arte & Prosa (2012)
>>> O homem que calculava de Tahan, Malba pela Record (1994)
>>> O zapear a informação em bibliotecas e na Internet de Blattmann, Ursula (Org.); Fragoso, Graça Maria pela Autêntica (2003)
>>> Hegel de Benoit Timmermans pela Estação Liberdade (2005)
>>> Flávio Josefo de Denis Lamour pela Estação Liberdade (2006)
COLUNAS

Sexta-feira, 28/2/2003
A teoria do jornalismo e a seleção de notícias
Gian Danton

+ de 28600 Acessos

A questão central do jornalismo é porque as notícias são como são.

Dentre as várias teorias que tentaram responder a essa pergunta, três se destacam: a teoria do espelho, a teoria do gatekeeper e a teoria organizacional.

A teoria do espelho diz que as notícias são como são porque a realidade assim o determina.

Esse ponto de vista surge influenciado pela invenção da fotografia. O jornalista deveria ser como um fotógrafo: simplesmente relatar a realidade da maneira como ela se apresenta, sem qualquer intervenção subjetiva. Essa visão ganhou seu bordão com uma declaração de um correspondente da Associated Press, em 1856: "O meu trabalho é comunicar os fatos: as minhas instruções não permitem qualquer tipo de comentário sobre os fatos, sejam eles quais forem".

Era a idéia-chave da separação entre as opiniões e os fatos. Ou, como diziam os ingleses, "a opinião é livre, mas os fatos são sagrados".

A teoria do espelho surge em um momento de vitória do paradigma positivista, que pretendia expurgar a subjetividade da ciência, criando metodologias totalmente racionais. Essa preocupação positivista se refletiu no jornalismo na forma de contraposição ao jornalismo literário, em que o jornalista era o porta-voz de uma ideologia. Também foi uma reação contra os excessos do chamado jornalismo sensacionalista.

Segundo José Marques de Melo, no final do século XIX o jornalismo norte-americano havia deixado de ser um serviço para tornar-se um negócio altamente lucrativo. A diretriz passou a ser o sensacionalismo e os princípios éticos mais elementares foram esquecidos. Na ânsia de conseguir a atenção dos leitores, muitos jornais passaram até mesmo a criar notícias. A existência do fato, fator essencial do jornalismo, passou a ser irrelevante.

Na teoria do espelho, o bom jornalista é um observador desinteressado, que relata com honestidade e equilíbrio tudo que vê, cauteloso para não emitir opiniões pessoais.

A teoria do espelho é a bússola norteadora dos manuais de redação e das regras de conduta dos jornais. Parte-se do princípio de que seguir as regras do bom jornalismo (escrever a matéria de forma impessoal, ouvir os dois lados da questão) era garantia de se ter um retrato fiel da realidade.

De todas as teorias que se ocuparam da notícia, essa é talvez a mais criticada. Para começo, suas bases são frágeis. A analogia com a fotografia só demonstra a abertura para a subjetividade, pois mesmo a fotografia pode ser veículo de subjetividade. O semiólogo francês Roland Barthes já demonstrou que a fotografia não é só denotação, mas é também conotação. Processos conotativos, como a escolha das fotos (por que determinado jornal coloca a pior foto do candidato X, enquanto outro jornal publica a melhor foto desse mesmo candidato), a pose e os processos de fotomontagem demonstram que a fotografia não é um retrato fiel da realidade.

Ademais, teorias cognitivas demonstram que o ser humano não consegue captar a realidade em toda as suas facetas e a escolha dos fatos que serão memorizados obedece a padrões subjetivos.

Por outro lado, o filão de investigação que concebe as notícias como construção rejeita as notícias como espelho por diversas razões. Em primeiro lugar, argumenta que, num mundo em que tudo gira ao redor dos meios de comunicação de massa, é impossível separar a realidade da realidade que é mostrada pela mídia. A teoria do agenda setting, por exemplo, diz que as pessoas só discutem aquilo que está na mídia. Em segundo lugar, defende a posição de que a própria linguagem não pode funcionar como transmissora direta de significado inerente aos acontecimentos, porque a linguagem neutra é impossível. Embora o fato seja fator fundamental do jornalismo, sem o qual o mesmo não existe, há uma certa subjetividade e essa subjetividade se encontra na escolha dos fatos. Na escolha das notícias.

Duas outras teorias vão tratar desse processo de escolha de notícias.

A teoria do gatekeeper, originalmente surgida no campo da psicologia e adaptada à análise comunicacional por David Manning White no anos 50, dá ênfase à ação pessoal. White acompanhou durante uma semana o processo de escolha de notícias por parte de um jornalista de meia-idade de um jornal médio norte-americano. A cada escolha, o jornalista, denominado Mr. Gates, deveria anotar as razões pelas quais aceitava ou não uma notícia vinda de uma agência.

White concluiu que o processo de seleção é arbitrário e subjetivo. Assim, de acordo com a teoria resultante do estudo, o jornalista é um gatekeeper, um porteiro, que abre e fecha a porta para as notícias. Aquelas que parecem mais interessante para o jornalista são publicadas, as resultantes são esquecidas.

Generalizando, pode-se dizer que todo jornalista, a todo momento, é um gatekeeper, pois, além das escolhas das pautas que mais interessam, cabe também a escolha dos detalhes que serão publicados. Um profissional pode abrir o portão para determinada informação em uma notícia e fechar para outros. Além disso, há profissionais, como os editores, que têm como função abrir ou fechar o portão para os fatos que serão divulgados, configurando verdadeiros gatekeepers.

A teoria gatekeeper foi duramente criticada por apresentar uma explicação puramente psicológica para a questão das escolhas das notícias e esquecer aspectos sociais. O enfoque sobre a ação social seria dado pela teoria organizacional. Criada por Warren Breed, essa teoria insere o jornalista no seu contexto mais imediato: a organização para a qual trabalha.

Breed dá destaque para os constrangimentos organizacionais pelos quais passam os jornalistas e considera que estes obedecem muito mais as normas e a política editorial/política da empresa, do que seus impulsos pessoais na hora da escolha das notícias.

Como exemplo disso, em estudo realizado em Portugal por José Luís Garcia, 90,6% dos jornalistas daquele país revelaram já ter sofrido algum tipo de pressão no exercício de sua profissão. Essas pressões eram de origem externa e interna. Entre as pressões externas, a maioria provinha de grupos interesse político-partidário (85,8%), seguidos por grupos empresariais e governamentais. Essa pressão, entretanto, não é direta. Ao jornalista inexperiente não é informado o que ele deve ou não deve fazer. Ele o aprende aos poucos, através de um sucessão sutil de recompensas e punições. Assim, o jornalista aprende a antever aquilo que se espera dele, a fim de obter recompensas e evitar penalidades.

São raros os jornalistas que se colocam contra a linha política/editorial da empresa. A maioria se conforma com ela em decorrência de vários fatores. Entre eles: as punições e recompensas; o sentimento de estima para com os superiores e o medo de magoá-los; a vontade de crescer profissionalmente (jornalistas que se adequam à linha política/editorial da empresa têm mais chance de chegar a cargos de chefia); o prazer da atividade (os jornalistas, apesar de não perceberem altos salários, estão geralmente satisfeitos com sua atividade e sentem que estão contribuindo de alguma maneira para a melhoria da sociedade).

Um outro tipo de pressão é o tempo. Quanto menor for tempo de escolha do jornalista, quanto mais próximo ele estiver do deadline, maior será a influência da organização sobre ele. O fator tempo, portanto, transcende a ação pessoal do jornalista e pode ser inserido nos constrangimentos organizacionais que assimilam o jornalista à política organizacional.

As teorias organizacional e gatekeeper não pregam uma volta ao sensacionalismo anterior à teoria do espelho, mas demonstram que toda notícia é apenas uma versão dos fatos, e nunca a versão definitiva dos mesmos.

Para ir além
BARTHES, R. A Mensagem fotográfica. In: LIMA, L. C. Teoria da Cultura de Massa. São Paulo: Paz e Terra, 2000.

SOUSA, J. P. Teorias da notícia e do jornalismo. Chapecó: Argos, 2002.

TRAQUINA, N. O estudo do jornalismo no século XX. São Leopoldo: Unisinos, 2001.


Gian Danton
Macapá, 28/2/2003


Mais Gian Danton
Mais Acessadas de Gian Danton em 2003
01. A teoria do jornalismo e a seleção de notícias - 28/2/2003
02. A análise da narrativa - 24/1/2003
03. Os X-men e o fim da infância - 31/1/2003
04. Experiências e Livros - 7/10/2003
05. Demônio maniqueu e demônio agostiniano - 11/4/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O DIA DA TEMPESTADE
ROSAMUNDE PILCHER
BERTRAND BRASIL
(1997)
R$ 14,90



VINHO NOVO EM ODRES VELHOS. SACRAMENTOS DA LIBERTAÇÃO
FERDINAND KERSTIENS
VOZES
(1999)
R$ 20,00



ERÓTICA (CONTOS ERÓTICOS ESCRITOS POR MULHERES
ORGANIZADORA: BEBÉTI DO AMARAL GURGEL
BRASILIENSE
(1993)
R$ 18,00



O CACHORRINHO SAMBA NA BAHIA
MARIA JOSÉ DUPRÉ
SARAIVA
(1967)
R$ 29,10



ROSANE MALTA TUDO O QUE VI E VIVI
ROSANE MALTA
LEYA
(2014)
R$ 15,00



ESCOLIOSE--A CAUSA DAS NOSSA DORES FISICAS.
ANTONIO BENEDITO DO NASCIMENTO
OTTONI
R$ 18,00



O ESPECTRO DISCIPLINAR DA CIÊNCIA DA RELIGIÃO
FRANK USARSKI (ORG.)
PAULINAS
(2007)
R$ 32,00



GUIA DA LONGEVIDADE
REGINALDO J.M. RENA
PANCAST
(2001)
R$ 13,00



HIDRÁULICA BÁSICA
RODRIGO DE MELO PORTO
EESC USP
(2006)
R$ 85,00



VILA OLÍMPIA
FERNANDO STICKEL
TERCEIRO NOME
(2006)
R$ 19,00





busca | avançada
35116 visitas/dia
922 mil/mês