Estamira: a salvação no lixo | Marília Almeida | Digestivo Cultural

busca | avançada
56467 visitas/dia
2,3 milhões/mês
Mais Recentes
>>> 7ª edição do Fest Rio Judaico acontece no domingo (16 de junho)
>>> Instituto SYN realiza 4ª edição da campanha de arrecadação de agasalhos no RJ
>>> O futuro da inteligência artificial: romance do escritor paranaense Roger Dörl, radicado em Brasília
>>> Cursos de férias: São Paulo Escola De Dança abre inscrições para extensão cultural
>>> Doc 'Sin Embargo, uma Utopia' maestro Kleber Mazziero em Cuba
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
Últimos Posts
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Google em crise de meia-idade
>>> Meu cinema em 2010 ― 1/2
>>> Paulo Francis não morreu
>>> Levy Fidelix sobre o LGBT
>>> Adaptação: direito ou dever da criança?
>>> Bienal 2006: fracasso da anti-arte engajada
>>> Monteiro Lobato, a eugenia e o preconceito
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> A quem interessa uma sociedade alienada?
Mais Recentes
>>> A Vida é Sonho de Pedro Calderón De Lá Barca pela Scritta (1992)
>>> O Saci de Monteiro Lobato pela Brasiliense (2009)
>>> Mercadão Municipal - O Mundo e seus Sabores de Vários Autores pela Map (2004)
>>> Revista da Biblioteca Mário de Andrade de Boris Schnaiderman pela Imprensa Oficial (2012)
>>> Minidicionário Saraiva Informatica de Maria Cristina Gennari pela Saraiva (2001)
>>> Baia Da Esperanca de Jojo Moyes pela Bertrand (2015)
>>> Manual de Organização do Lactário de Maria Antônia Ribeiro Gobbo / Janete Maculevicius pela Atheneu (1985)
>>> Brinquedos da Noite: manual do primeiro livro 12ª edição. de Ieda Dias da Silva pela Vigília (1990)
>>> Pró-Posições de Vários Autores Unicamp pela Unicamp (2008)
>>> De Crianças e Juvenis Ensinando a Verdade de Modo Criativi de Márcia Silva pela Videira (2012)
>>> O Cinema Vai Mesa de Rubens Ewald Filho / Nilu Lebert pela Melhoramentos (2007)
>>> Guia das Bibliotecas Públicas do Brasil de Vários Autores pela Fundação Biblioteca Nacional 1994/95 (1994)
>>> Puxa, Que Bruxa! - O Sumiço - Livro 2 de Sibéal Pounder pela Ciranda Cultural (2019)
>>> IV 4D Artes Computacional Interativa de Centro Cultural Banco do Brasil pela Centro Cultural Banco do Brasil (2004)
>>> Psicologia da Educação - Revista do Programa de Estudos pós-graduados PUC-Sp de Vários Autores pela Puc-sp (2006)
>>> Cavalgando o Arco-Iris de Pedro Bandeira pela Moderna (1999)
>>> Mordidas que Podem ser Beijos 1ª edição. de Walcyr Carrasco pela Moderna (1997)
>>> Eu e Você, vamos Brincar? de Vários Autores pela Poliedro (2019)
>>> Convite à filosofia de Marilena Chauí pela Ática (1999)
>>> Pippi Meialonga. de Astrid Lindgren pela Companhia Das Letrinhas (2019)
>>> O Direito de Aprender - Potencializar avanços e reduzir desigualdades de Unicef pela Unicef (2009)
>>> O Fantástico Mistério de Feiurinha 4ª edição. de Pedro Bandeira pela Ftd (1989)
>>> Pedagogia Cidadã UNESP de Vários Autores pela Unesp (2006)
>>> Estranho, mas Verdadeiro - Perguntas e Respostas de Michele Gerlack / Marschalek Nascimento pela TodoLivre
>>> Que História É Essa? de Flávio de Souza pela Companhia Das Letrinhas (2008)
COLUNAS

Terça-feira, 19/9/2006
Estamira: a salvação no lixo
Marília Almeida
+ de 12200 Acessos
+ 2 Comentário(s)

A protagonista do documentário mais visto deste ano choca, surpreende e encanta. Sua história e personalidade são únicas e, ao mesmo tempo, contém reflexos e traços de milhões. Filósofa, mulher, guerreira, louca, lúcida e feiticeira, Estamira é várias mulheres em uma. O segredo da admiração que a história de uma catadora de lixo de 65 anos com supletivo incompleto pode provocar está em um documentário bem produzido, fruto de esforço contínuo, excelente fotografia e o discurso lúcido, místico, quase psicanalítico, de sua personagem principal.

Citando suas próprias palavras, Estamira não é comum. Sua missão é falar a verdade, apesar de hoje em dia só errar quem quer. Seu prazer é ajudar e querer bem seus filhos, amigos e netos. Não suporta erros, judiação, perversidade e humilhação. Nunca teve muita sorte: a única foi ter encontrado o trabalho no lixo. Apesar destas características poderem bem delinear uma pessoa sã, ela foi diagnosticada com quadro psicótico e portadora de alucinações.

Mas Estamira não é uma personagem rasa nem pode ser simplesmente tachada pela psicanálise. Seu discurso, por vezes, ultrapassa a simples loucura e transborda filosofia e lucidez em insights geniais como "lixo é resto e descuido", "tudo é abstrato, até Estamira", "existe o além e o além do além que o homem não conhece", "na escola não se aprende e, sim, se copia" e "tudo que é imaginado existe, é e tem". Ela também cria e cita abundantemente entidades misteriosas como o "esperto ao contrário", o "trocadilo" ou "a que revela o homem como único condicional". Elas são complementadas por um discurso anti-Deus e lembra os malogrados e vingativos-astutos que Nietzsche afirmava regerem a humanidade.

O segredo deste comportamento brilhante pontuado por acessos de raiva, revolta e extrema fluência parece residir em traumas da sua vida, que vão sendo pouco a pouco delineados pelo filme. O diretor optou por não colocar depoimento de cientistas e psiquiatras. O discurso de Estamira, pontuado por seus três filhos e amigos do lixão, segue uma ordem cronológica, com seqüências interligadas que apresenta progressivamente a realidade nua e crua de sua protagonista, sem meias palavras.

Em um debate com o diretor Marcos Prado, promovido pela Casa do Saber Jardins, descobri que a idéia do documentário foi permeada de acasos. Seu objetivo inicial era mostrar a transformação do lixão de Jardim Gramacho, localizado no município de Duque de Caxias - RJ, em um aterro sanitário. Com uma área de mais de 1.200m2, ele concentra 85% do lixo produzido na cidade do Rio de Janeiro.

Este processo duraria dez anos e começou em 1993. Foi apenas no sétimo ano que Marcos encontrou Estamira, ao perceber que não havia se aproximado daqueles trabalhadores que somavam dois mil. Inicialmente, pediu àquela senhora de estatura baixa, pele morena e rosto marcado pela idade e trabalho, se poderia fazer seu retrato. Em meio a tantas recusas de outros trabalhadores, Marcos encontrou receptividade e uma vontade de se expressar incomum. Daí para a idéia do filme foi um passo. Foram quatro anos de filmagens e a história do aterro, que acabou servindo apenas como seu pano de fundo, virou livro.

Marcos possui uma produtora e já tinha feito um documentário sobre o trabalho dos carvoeiros e co-produzido o já clássico Ônibus 174 com José Padilha. Acompanhado por uma equipe pequena composta apenas por um câmera, assistente de produção e som, em turnos de 12 horas enfrentou o mau-cheiro do lixão e aprendeu a lidar com traficantes e a prostituição da favela que rodeia o local. Com um gosto especial para temas áridos, seu próximo trabalho irá retratar o cotidiano da tropa de elite carioca.

Não é difícil saber que o diretor, além de documentarista, é também fotógrafo profissional. A fotografia do filme é seu ponto forte, juntamente com o toque especial de sua trilha sonora, que lhe proporciona momentos de poesia em meio à paisagem aterradora do lixão como a briga de dois cachorros por uma boneca ou a dança cronometrada dos urubus, devidamente valorizadas pela opção do filme manual preto-e-branco em contraposição ao colorido digital do resto do documentário.

O que poderia ser simplificadamente tachado como estética da pobreza é apenas instrumento para um fundo místico que combina com o discurso da protagonista. Uma cena belíssima mostra Estamira entrando no mar no começo de uma tempestade. Pequena em frente a grandes ondas formadas, ela chama por suas filhas marítimas e parece guiar misteriosamente os poderes da natureza.

O lixão onde Estamira trabalha, já transformado em aterro, está para ser transferido, pois já atingiu sua capacidade máxima. De acordo com Marcos, há a possibilidade dos novos não permitirem catadores, o que acarretará na perda de 15 mil empregos indiretos e 2 mil diretos. Autônomos, os catadores de lixo chegam a faturar R$1.100 por mês. São condições desumanas e insalubres de trabalho, onde se inala constantemente gás metano, que faz com que não haja vida rastejante no ambiente. No lixão, uma doença também pode se alastrar rapidamente e provocar a morte de até cem pessoas. Apesar disso, quase ninguém quer sair de lá, pois têm uma vida mais digna do que fora dele.

O documentário já ganhou 25 prêmios nacionais e internacionais, entre eles Melhor Documentário pelo Júri Oficial do Festival do Rio de 2004 e da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo do mesmo ano, além de festivais de Londres, Miami e Viena, entre outros. O diretor é sincero ao demonstrar como este gênero ainda não é deglutido pelo público do cinema, apesar da marca de 22 mil pessoas nos cinemas de São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília, além de grandes patrocínios como Vivo e o apoio de leis de incentivo, já poderem ser considerados uma vitória.

Após recusar a internação, Estamira vive hoje à base de medicamentos tarja preta e um tratamento acompanhado mês a mês. Seu discurso pode ter se apagado pelas altas dosagens químicas, mas faço minhas suas palavras e concluo: ninguém irá mudar seu ser. Estamira é a beira do mundo, a visão de cada um e ninguém pode viver sem ela.


Marília Almeida
São Paulo, 19/9/2006

Mais Marília Almeida
Mais Acessadas de Marília Almeida em 2006
01. O diário de Genet - 31/10/2006
02. Estamira: a salvação no lixo - 19/9/2006
03. A massa e os especialistas juntos no mesmo patamar - 4/7/2006
04. Rumos do cinema político brasileiro - 18/7/2006
05. Mavericks: o cinema americano independente - 5/12/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
21/9/2006
00h48min
Marília, você foi precisa, poeta, fluente como poucos, generosa como ninguém. Como se um sopro de vento passasse por mim, num respiro profundo, sem fim. Estamira é uma tribo infinita. Obrigado por ter chegado tão perto. Um beijo, Marcos
[Leia outros Comentários de marcos prado]
13/10/2006
16h25min
Marilia, adorei a sensibilidade de seu texto, e a forma como trata Estamira, como se a conhecesse pessoalmente, hah sim um toque poetico, como disse acima Marcos Prado, e mais que isso, uma visao espiritual da vida de Estamira na passagem do mar. Seu texto nos faz querer que você fale mais sobre suas impressoes e, por isso mesmo, o longo se faz pequeno, adorei, beijos, Thi
[Leia outros Comentários de Thiago Souza (Devin)]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Pedro Almodovar E A Feminilidade
Ana Lucilia Rodrigues
Escuta
(2008)



Livro Religião Cumes e Planícies Os Amigos de Jesus Volume III
Josefa Rosalia Luque Alvarez
Pensamento
(2000)



Livro Ensino de Idiomas Great Expectations
Charles Dickens
Macmillan Readers
(2005)



Livro Infanto Juvenis Eu, Super
Eric Peleias
Edição do Autor
(2014)



O Segredo de Chimneys
Agatha Christie
Círculo do Livro



La Crisis de La Educacion Occidental
Christopher Dawson
Emecé
(1963)



Eu Alberto Cacciola Confesso: o Escândalo do Banco Marka
Alberto Caciola
Record
(2001)



The Darkness Collected Editions
Garth Ennis / Marc Silvestri / Outros
Top Cow
(1997)



Os Anjos e a Sincronia Cósmica - Rituais dos Signos
Lucy Costa
Berkana
(1997)



O Que é Uma Mulher?
A.L. Thomas Diderot
Nova Fronteira
(1991)





busca | avançada
56467 visitas/dia
2,3 milhões/mês