Por que não leio mais jornais | Rafael Fernandes | Digestivo Cultural

busca | avançada
62542 visitas/dia
1,7 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Novos projetos do Festival de Dança de Joinville promovem atividades culturais para 120 alunos
>>> Toca do Morcego anuncia agenda primavera/verão 2022/2023
>>> Poeta Ivete Nenflidio lança obra 'Ataque - cale-se agora e para sempre'
>>> Alunos de Ribeirão Preto constroem maquete com trajetória das águas da cidade até o mar
>>> Coletivo oferece eventos de danças angolanas em outubro e novembro
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
Colunistas
Últimos Posts
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
Últimos Posts
>>> Baby, a chuva deve cair. Blade Runner, 40 anos
>>> Conforme o combinado
>>> Primavera, teremos flores
>>> Além dos olhos
>>> Marocas e Hermengardas
>>> Que porcaria
>>> Singela flor
>>> O cerne sob a casca
>>> Assim é a vida
>>> Criança, minha melhor idade
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Acho que entendi o Roberto Setubal
>>> Layon pinta o silêncio da cidade em quarentena
>>> Francisco Alves, o esquecido rei da voz
>>> Francisco Alves, o esquecido rei da voz
>>> Bréqui Friday
>>> 19 de Outubro #digestivo10anos
>>> Etapas da criação de uma pintura digital * VÍDEO *
>>> Separar-se, a separação e os conselhos
>>> Genealogia da Moral, de Nietzsche
>>> Robinson Shiba do China in Box
Mais Recentes
>>> Comportamento Organizacional - Criando Vantagem Competitiva 3° Edição de Wagner e Hollenbeck pela Saraiva (2010)
>>> Viver sem Temor de J. Krishnamurti pela J. Krishnamurti (1959)
>>> Casa do Pesadelo - a Sonâmbula de Diane Hoh pela Rocco (2000)
>>> Choro Duetos: Volume 2 de Pixinguinha e Outros pela Irmãos Vitale (2011)
>>> O Brasil na Virada do Seculo: o Debate Daion) de Marco Antonio Gonçalves; Glaucia Villas Bôas pela Relume Dumara (1995)
>>> Clínica Lacaniana: Publicação de Psicanálise da Biblioteca Freudiana B de Outros pela Bfb
>>> Revista Jurídica do Ministério Público Catarinense (atuação) de Prêmio Nilton Leite da Costa pela N/d (2007)
>>> Os Riscos do Saber: Obstáculos do Desenvolvimento à Aprendizagem Esc.. de Karen Zelan pela Artes Médicas
>>> Coração, Cabeça e Estômago de Camilo Castelo Branco pela Globus (2011)
>>> Rainha de Copas de Colleen Oakes pela Universo dos Livros (2014)
>>> Mamografia: Posicionamentos Radiológicos - Com Cd Incluso de Nancy de Oliveira Costa pela Corpus (2008)
>>> A Oração Que Jesus nos Ensinou de Michael H. Crosby pela Paulus
>>> Uma Palavra... Tantas Palavras de Regina Costa pela Paulinas (1998)
>>> Por Que os Homens Têm Tetas? de Mark e Goldenberg Leyner pela Planeta (2005)
>>> Postfix de Richard Blum pela Sams
>>> A Nova Civilização do Terceiro Milênio de Pietro Ubaldi pela Fundápu (1982)
>>> São Tomé e Príncipe, África - Desafios Socioambientais Volume 2 ... de Norma Valencio Jacy Braga Rodrigues (org.) pela Rima (2010)
>>> Pensar El Bicentenario de Andrea Lázaro pela La Comuna (2010)
>>> Ética Teológica de Pe. João A. Konzen pela Paulinas (2007)
>>> A Vida no Aquário de Nilson Araujo e Gastão Botelho pela Nobel (1984)
>>> Brincando Com Palitos e Adivinhações de Marcos Teodorico Pinheiro de Almeida pela Vozes (2007)
>>> Memória de Elefante de António Lobo Antunes pela Folha de São Paulo (2012)
>>> Triste Fim de Policarpo Quaresma de Lima Barreto pela Objetivo
>>> Você Pode Curar Sua Vida: Como Despertar Ideias Positivas, Superar... de Louise L. Hay pela Bestseller (1984)
>>> Conclusoes 10 de Ivaldo Lopes pela Do Autor
COLUNAS >>> Especial O fim dos jornais

Quarta-feira, 8/4/2009
Por que não leio mais jornais
Rafael Fernandes

+ de 6000 Acessos
+ 7 Comentário(s)

O título desta coluna poderia ser, também, "por que não leio mais jornais e leio só uma revista". É que, ao menos para mim, é fato que ler jornais e revistas já não tem a menor importância há algum tempo. Não tenho aqui nenhuma pretensão de desprezar esses veículos, muito menos desmerecer seu trabalho. Mas há alguns anos diminuí minha leitura dessas mídias. O primeiro "sintoma" foi não receber mais o Estadão e perceber que não fazia a mínima falta. Continuei assinando o Valor Econômico por um tempo, mas cancelei a assinatura ― o resultado foi o mesmo. Já no caso das revistas eu tento, mas não consigo lembrar qual foi a última vez que comprei uma na banca. A única que ainda leio ― e assino ― é a edição nacional da Guitar Player, embora esteja com dúvidas se assino pelo conteúdo ou por uma questão de memória afetiva, quase fetiche de acompanhá-la.

Não nego: meu interesse nos jornais era na área de esportes e cultura, com uma sapeada nas demais. Nesse último caso substituí por portais, sem grande perdas. Já a cobertura dos esportes pelos jornais está sofrível e cada vez mais "polêmica"; assim, opto por ler as notícias no Juca e no Gazetaesportiva.net que, diferente do programa de TV, tem cobertura sóbria e evita polêmicas, boatos e notícias plantadas. Também dou uma passada no site do meu time de coração. Acompanho futebol de maneira intensa e há vários anos, então, sinceramente, e por mais tolo que isso possa parecer, não preciso de ninguém descrevendo ou analisando o jogo para mim. E nesse caso são poucos os que valem a leitura, como o PVC, o Tostão e, às vezes, o Juca e o Daniel Piza ― à exceção do Tostão, todos os demais estão em blogs.

Nos cadernos de cultura a situação não é melhor: as matérias pioraram muito, há dependência de agenda, assessoria e do assunto do momento. Além disso, por vezes a cobertura parece seguir o gosto de um ou outro jornalista ― o que em geral não tem nada a ver com o meu gosto. Se for para ser assim, uma cobertura personalista, prefiro um blog. Gosto do Merten, que é inteligente, escreve com carinho e tem muita bagagem, mas também prefiro ler seu blog, que tem um tom mais pessoal e intimista. E ele pode retrucar um comentário ou rever (ou reafirmar) uma opinião sem depender da pauta. Idem Daniel Piza. Andei lendo a edição on-line de Estadão e Folha e nada me empolgou. O que me interessa não está lá. Um marco nessa minha falta de empolgação com essa cobertura foi quando o "Caderno 2" se saiu com uma capa no estilo "Madonna conta tudo".

No caso das revistas, não sei dizer um motivo específico. Talvez, de um lado, a superficialidade de muitas delas. Do outro, a falta de interesse pelos assuntos tratados. Gosto da piauí, mas há muitas edições que não me interessam e também não tenho o hábito de ler no dia a dia o tipo de texto que ela apresenta. Prefiro ler nas férias. No resto do tempo, substituo as revistas e os jornais pela internet. E o próprio Digestivo foi um dos "culpados" por essa troca.

Antes mesmo de começar a escrever aqui, já era fã do site. Ele substituía com muita sobra os cadernos e revistas de cultura. Não só por ser de graça. Mas por ter uma interface simples e ágil, uma variedade imensa de textos e porque eu podia rapidamente escolher quais assuntos e autores ler, na hora em que eu quisesse, sem depender de agenda, muito menos de acumular jornais, revistas e recortes na minha casa. Outros fatores que me fizeram optar pela rede, esses letais, foram a consolidação de blogs de qualidade e os RSS. Meu Google Reader anda me bastando: é muito mais pessoal e seletivo, vou direto ao ponto. Também consigo selecionar na hora o que ele me entrega e ver o que realmente me interessa e o que não. Acompanho vários blogs, de assuntos variados, como marketing, passando por blogs de músicos, negócios e de amigos. Tudo o que eu escolhi acompanhar. Dificilmente um editor conseguiria isso no velho modelo.

Não veria problema em pagar por conteúdo, mas desde que pudesse ser o mais seletivo possível e, de novo, escolher o que realmente quero. Não me interessa mais pagar quarenta e tantos reais para ler o Valor Econômico. Não que não tenha qualidade, pelo contrário. Mas a maioria do conteúdo não me interessa e o que é pertinente me é pouco prático. Eu gostaria de pagar um valor bem menor, mas pagaria, se me fosse oferecido o acesso ao conteúdo dos cadernos "Empresas" e "E&U" de uma maneira mais prática, no meu e-mail, como uma newsletter, por exemplo. Eu a abriria todos os dias e pelos títulos conseguiria selecionar o que me interessa. Não sei se é um modelo viável, não sei se outros gostariam disso, falo só por mim. Mas por que não tentar? Talvez se associar com outras revistas e sites de negócios e oferecer um conteúdo específico, de nicho, bastante personalizável a um preço baixo, cortanto custos de impressão e distribuição e tentando pulverizar custos de redação.

Outra vantagem da internet é que cada vez mais acompanhamos a "pessoa física" e não mais a "pessoa jurídica", os jornais, algo que fazíamos por inércia ou falta de opção. Agora vamos atrás de ideias, opiniões e pessoas. Se alguém quer política internacional, procura o Pedro Doria, não necessariamente o primeiro caderno do jornal. Cinema? Vá no blog do Merten, independente de onde ele estiver. Música independente? Vá de PopUp!. Cultura pop e indie rock? Muitos vão de Lúcio Ribeiro, que saiu de um jornal e foi para um portal, mas as pessoas continuam acompanhando o Lúcio, não o veículo. Não sei para onde tudo isso vai, mas uma coisa não muda: o conteúdo de qualidade, com gente capacitada, que entende do que fala vai continuar sendo valorizado, de uma forma ou de outra. O problema é capitalizar essa "forma ou outra".

Acredito que das indústrias criativas, o jornalismo e a música foram as mais afetadas pela internet, já que com ela qualquer um gera e distribui seu conteúdo, contrariando a lógica dos modelos de negócio antigos de controle e escassez. Obviamente causa aflição em qualquer um que esteja dentro desses modelos ultrapassados, é perfeitamente compreensível. Não é fácil sair de um padrão sólido, quase óbvio para um turbilhão de mudanças e dúvidas. Mas penso que devemos assumir que esses mercados, como conhecíamos, ruíram de fato, ou sobrevivem de maneira sofrível. E que a saída é aprender com o que foi, identificar o que é aproveitável e mais: pensar que, se não existe um novo modelo é porque as possibilidades ainda estão abertas à espera de soluções.


Rafael Fernandes
Sorocaba, 8/4/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Mamãe falhei de Luís Fernando Amâncio
02. Faça você mesmo: a história de um livro de Luís Fernando Amâncio
03. Nos porões da ditadura de Luís Fernando Amâncio
04. Teatro sem Tamires de Elisa Andrade Buzzo
05. A forca de cascavel — Angústia (Fuvest) de Renato Alessandro dos Santos


Mais Rafael Fernandes
Mais Acessadas de Rafael Fernandes em 2009
01. 10 músicas: Michael Jackson - 22/7/2009
02. A Crise da música ― Parte 1/3 - 25/3/2009
03. A Crise da música ― Parte 2/3 - 29/4/2009
04. Chinese Democracy: grande disco - 25/2/2009
05. A Crise da música ― Parte 3/3 - 8/7/2009


Mais Especial O fim dos jornais
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
29/3/2009
19h26min
Sem Estadão e Folha entendo. Mas como você faz sem o New York Times e a Economist?
[Leia outros Comentários de Felipe Pait]
8/4/2009
04h11min
Bravo, Rafael Fernandes! Texto arrojado, esclarecedor, contemporâneo! Pena que há dúzias de bur(r)ocratas impedindo que a progressividade humana avance de forma mais vigorosa. Caro leitor Felipe Pait, discordo do seu comentário, pois li na internet que o primeiro estalo da derrocada fez-se ouvir justamente na morada do New York Times.
[Leia outros Comentários de Sílvio Medeiros]
8/4/2009
12h43min
Caro Silvio, como assim você discordou? Eu fiz uma pergunta... não sei a resposta, por isso perguntei. A vantagem do jornal é ler os cadernos que não leríamos na internet. Também é a desvantagem: ter que pagar pelo pacote completo, quando poderíamos escolher. Leio o jornal pelas notíciais internacionais, e ganho o caderno esportivo e cultural. Mas o horóscopo e a coluna social dispensaria se pudesse... Como vai ficar?
[Leia outros Comentários de Felipe Pait]
8/4/2009
12h47min
Realmente, cada dia que passa o jornalismo "formal" está mais descartável: é uma fofocada só, polemização de fatos sem a menor utilidade e coisas do tipo. Esporte, então, tá cada vez mais parecido com a parte de fofoca de jornais e revistas. Esses tipos de mídias estão cada vez mais reforçando a tese de que são a periferia da realidade.
[Leia outros Comentários de Leo Madruga]
8/4/2009
21h09min
Rafael, perfeito. Só não entendo sua frase: "Não tenho aqui nenhuma pretensão de desprezar esses veículos, muito menos desmerecer seu trabalho". Mas se você diz que não lê mais esses veículos, o que seria, então? Dar força para os jornais que você não lê e elogiar esse trabalho que você não sente falta? Não faz sentido. Parece aquela declaração: "Não é que a gente fique desconfiado, mas a gente fica com um pé atrás". Ou: "Não é que eu queira dizer o que realmente estou dizendo". O que virou descartável foi a maioria da imprensa brasileira, por força de 45 anos de ditadura no país, completados no último dia primeiro de abril.
[Leia outros Comentários de Nei Duclós]
14/4/2009
10h27min
A vida humana vive de ciclos, compostos por gerações. A cada geração vemos mudanças que vão do singelo à ruptura. Os jornais ainda fazem parte da vida e do dia a dia de milhões de pessoas cuja faixa etária está acima dos 30 anos, certamente. Esta será, possivelmente, a última geração acostumada ao jornal. Que deve mudar sua forma, seu conteúdo. Ou se transforma num debatedor ou será pulverizado.
[Leia outros Comentários de Cesar]
14/4/2009
10h39min
Todo o mundo é composto de mudança, que não se muda já como soía.
[Leia outros Comentários de Felipe Pait]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Evangelho por Dentro
Paulo Alves Godoy
Feesp
(2015)



Aumente o Poder do seu Cérebro
John Medina
sextante
(2010)



Dança Mistica
Angelis de Maria
livre expressão
(2003)



Livro - Os Grandes Líderes: Eisenhower
Peter Lars Sandberg
Nova Cultural
(1987)



O Menino no Espelho - Confira!
Fernando Sabino
Record
(1985)



Desenvolvendo a Cultura de Avaliação Em Organizações da Sociedade
Thomaz Chianca, E. Marino, Laura Schiesari
Global
(2001)



A Verdade de Nostradamus Edições da Mediunidade
L. Palhano Jr.
autograf
(1988)



Livro - Profundamente Sua - o Doce e Perigoso Limite da Obsessão...
Sylvia Day, Alexandre Boide
Paralela
(2012)



Coleção a Obra-prima de Cada Autor - Várias Histórias
Machado de Assis
Martin Claret
(2002)



Livro - O Guardião de Memórias
Kim Edwards
Sextante
(2007)





busca | avançada
62542 visitas/dia
1,7 milhão/mês