Por que não leio mais jornais | Rafael Fernandes | Digestivo Cultural

busca | avançada
70192 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Cassio Scapin e artistas de grandes musicais fazem campanha contra o abuso sexual infantil
>>> Terça Aberta na Quarentena une teatro e a dança
>>> “Um pé de biblioteca” estimula imaginação e ajuda a criar novas bibliotecas pelo Brasil
>>> Diálogos na Web FAAP: Na pauta, festivais de cinema e crítica cinematográfica
>>> Pauta: E-books de Suspense Grátis na Pandemia!
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Jingle Bells
>>> Mano Juan, de Marcos Rey
>>> Relationships Matter
>>> Apesar da democracia
>>> Onze pontos sobre literatura
>>> A maçã de Isaac Newton
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Lucas vs. Spielberg
>>> Morando sozinha II
Mais Recentes
>>> As estranhas e belas mágoas de Ava Lavender de Leslye Walton pela Novo Conceito (2014)
>>> Um Lugar Perigoso de Luiz Alfredo Garcia-Roza pela Companhia das Letras (2014)
>>> Robinson Crusoe de Daniel Defoe pela Ediouro
>>> O pequeno Buda de Gordon McGill pela Círculo do Livro (1998)
>>> O Maior Homem que já viveu de Sociedade Torre de Vigia de Bíblias e Tratados pela Sociedade Torre de Vigia (2020)
>>> Pequot de Vitor Ramil pela Artes e Ofícios (1995)
>>> Quando o espiritual domina de Simone de Beauvoir pela Record (1979)
>>> O resto é silêncio de Érico Veríssimo pela Globo (1998)
>>> Angústia de Graciliano Ramos pela Globo (2013)
>>> O Recurso de John Grisham pela Rocco (2015)
>>> Os doze mandamentos de Sidney Sheldon pela Record (2020)
>>> Direito Ambiental Positivo de Fabrício Gaspar Rodrigues pela Campus (2012)
>>> Mandado de Segurança de Luiz Fux pela Dir (2011)
>>> Lula: A opção mais que o voto de Cândido Mendes pela Garamond (2006)
>>> Latinomérica de Marcus Accioly pela Topbooks (2015)
>>> Levando a vida leve de Laura Medioli pela Justo Junior (2005)
>>> Les Filles du Feu / Les Chimères de Gérard de Nerval pela Garnier-Flammarion (1965)
>>> Revolucione sua qualidade de vida - Navegando nas ondas da emoção de Augusto Cury pela Sextante (2002)
>>> Mulheres certas que amam homens errados de Kristina Grish pela Gente (2007)
>>> Pequenos Poemas em Prosa de Charles Baudelaire pela Nova Fronteira (1981)
>>> E de Evidência de Sue Grafton pela Ediouro (1999)
>>> M - O Homem Sensual de Record pela Record (1997)
>>> Verdura? Não! de Claire Llewellyn; Mike Gordon pela Scipione (2011)
>>> @s [email protected] de [email protected] York - as Senhoritas de Nova York de Daniel Piza pela Ftd (1999)
>>> 1 Real de Federico Delicado pela Pulo do Gato (2014)
>>> 1 Real de Federico Delicado pela Pulo do Gato (2014)
>>> 10 Anos Brasil MTV de MTV pela Mtv
>>> 10 Contos de Natal de Gilberto de Nichile pela Scortecci (2015)
>>> 100 Jogos para Grupos de Ronaldo Yudi K. Yozo pela Agora (1996)
>>> 100 Magias para Aumentar Sua Autoconfiança - os Livros Secretos Witch de Disney pela Edelbra (2004)
>>> 100 Magias para Ter um Supergrupo - os Livros Secretos Witch de Disney pela Edelbra (2002)
>>> 100 Magias para Ter um Supergrupo - os Livros Secretos Witch de Disney pela Edelbra (2002)
>>> 100 Segredos das Pessoas de Sucesso de David Niven pela Sextante (2002)
>>> 1000 Formas de Interpretar o Seu Horoscopo de Girassol Edicoes pela Girassol (2006)
>>> 1000 Lugares para Conhecer Antes de Morrer de Patricia Schultz pela Sextante (2006)
>>> 1000 Lugares para Conhecer Antes de Morrer de Patricia Schultz pela Sextante (2006)
>>> 1000 Melhores Segredos Rapidos e Faceis para Voce de Jamie Novak pela Arx (2007)
>>> 1001 E-mails de Cynthia Dornelles pela Record (2003)
>>> 1001 Fantasmas de Heloisa Prieto pela Companhia das Letras (2002)
>>> 1001 Fantasmas de Heloisa Prieto pela Companhia das Letras (2002)
>>> 1001 Fantasmas de Heloisa Prieto pela Companhia das Letras (2002)
>>> 1001 Maneiras de Enriquecer (livro Muito Raro!) de Joseph Murphy pela Record (1966)
>>> 1001 Maneiras de Enriquecer (livro Muito Raro!) de Joseph Murphy pela Record (1966)
>>> 101 Brasileiros Que Fizeram História de Jorge Caldeira pela Estação Brasil (2016)
>>> 101 Experiências de Filosofia Cotidiana de Roger Pol Droit pela Sextante (2002)
>>> 101 Livros Que Mudaram a Humanidade - Coleção Super Essencial de Superinteressante pela Superinteressante (2005)
>>> 101 Lugares para Fazer Sexo Antes de Morrer de Marsha Normandy; Joseph St. James; Alexandre Rosas pela Best Seller (2010)
>>> 102 Minutos: a História Inédita da Luta de Outros; Jim Dwyer pela Jorge Zahar (2005)
>>> 111 Poemas para Crianças de Sérgio Capparelli pela L&pm (2009)
>>> 117 Maneiras de Enlouquecer um Homem na Cama de Margot Saint-loup pela Ediouro (2005)
COLUNAS >>> Especial O fim dos jornais

Quarta-feira, 8/4/2009
Por que não leio mais jornais
Rafael Fernandes

+ de 5100 Acessos
+ 7 Comentário(s)

O título desta coluna poderia ser, também, "por que não leio mais jornais e leio só uma revista". É que, ao menos para mim, é fato que ler jornais e revistas já não tem a menor importância há algum tempo. Não tenho aqui nenhuma pretensão de desprezar esses veículos, muito menos desmerecer seu trabalho. Mas há alguns anos diminuí minha leitura dessas mídias. O primeiro "sintoma" foi não receber mais o Estadão e perceber que não fazia a mínima falta. Continuei assinando o Valor Econômico por um tempo, mas cancelei a assinatura ― o resultado foi o mesmo. Já no caso das revistas eu tento, mas não consigo lembrar qual foi a última vez que comprei uma na banca. A única que ainda leio ― e assino ― é a edição nacional da Guitar Player, embora esteja com dúvidas se assino pelo conteúdo ou por uma questão de memória afetiva, quase fetiche de acompanhá-la.

Não nego: meu interesse nos jornais era na área de esportes e cultura, com uma sapeada nas demais. Nesse último caso substituí por portais, sem grande perdas. Já a cobertura dos esportes pelos jornais está sofrível e cada vez mais "polêmica"; assim, opto por ler as notícias no Juca e no Gazetaesportiva.net que, diferente do programa de TV, tem cobertura sóbria e evita polêmicas, boatos e notícias plantadas. Também dou uma passada no site do meu time de coração. Acompanho futebol de maneira intensa e há vários anos, então, sinceramente, e por mais tolo que isso possa parecer, não preciso de ninguém descrevendo ou analisando o jogo para mim. E nesse caso são poucos os que valem a leitura, como o PVC, o Tostão e, às vezes, o Juca e o Daniel Piza ― à exceção do Tostão, todos os demais estão em blogs.

Nos cadernos de cultura a situação não é melhor: as matérias pioraram muito, há dependência de agenda, assessoria e do assunto do momento. Além disso, por vezes a cobertura parece seguir o gosto de um ou outro jornalista ― o que em geral não tem nada a ver com o meu gosto. Se for para ser assim, uma cobertura personalista, prefiro um blog. Gosto do Merten, que é inteligente, escreve com carinho e tem muita bagagem, mas também prefiro ler seu blog, que tem um tom mais pessoal e intimista. E ele pode retrucar um comentário ou rever (ou reafirmar) uma opinião sem depender da pauta. Idem Daniel Piza. Andei lendo a edição on-line de Estadão e Folha e nada me empolgou. O que me interessa não está lá. Um marco nessa minha falta de empolgação com essa cobertura foi quando o "Caderno 2" se saiu com uma capa no estilo "Madonna conta tudo".

No caso das revistas, não sei dizer um motivo específico. Talvez, de um lado, a superficialidade de muitas delas. Do outro, a falta de interesse pelos assuntos tratados. Gosto da piauí, mas há muitas edições que não me interessam e também não tenho o hábito de ler no dia a dia o tipo de texto que ela apresenta. Prefiro ler nas férias. No resto do tempo, substituo as revistas e os jornais pela internet. E o próprio Digestivo foi um dos "culpados" por essa troca.

Antes mesmo de começar a escrever aqui, já era fã do site. Ele substituía com muita sobra os cadernos e revistas de cultura. Não só por ser de graça. Mas por ter uma interface simples e ágil, uma variedade imensa de textos e porque eu podia rapidamente escolher quais assuntos e autores ler, na hora em que eu quisesse, sem depender de agenda, muito menos de acumular jornais, revistas e recortes na minha casa. Outros fatores que me fizeram optar pela rede, esses letais, foram a consolidação de blogs de qualidade e os RSS. Meu Google Reader anda me bastando: é muito mais pessoal e seletivo, vou direto ao ponto. Também consigo selecionar na hora o que ele me entrega e ver o que realmente me interessa e o que não. Acompanho vários blogs, de assuntos variados, como marketing, passando por blogs de músicos, negócios e de amigos. Tudo o que eu escolhi acompanhar. Dificilmente um editor conseguiria isso no velho modelo.

Não veria problema em pagar por conteúdo, mas desde que pudesse ser o mais seletivo possível e, de novo, escolher o que realmente quero. Não me interessa mais pagar quarenta e tantos reais para ler o Valor Econômico. Não que não tenha qualidade, pelo contrário. Mas a maioria do conteúdo não me interessa e o que é pertinente me é pouco prático. Eu gostaria de pagar um valor bem menor, mas pagaria, se me fosse oferecido o acesso ao conteúdo dos cadernos "Empresas" e "E&U" de uma maneira mais prática, no meu e-mail, como uma newsletter, por exemplo. Eu a abriria todos os dias e pelos títulos conseguiria selecionar o que me interessa. Não sei se é um modelo viável, não sei se outros gostariam disso, falo só por mim. Mas por que não tentar? Talvez se associar com outras revistas e sites de negócios e oferecer um conteúdo específico, de nicho, bastante personalizável a um preço baixo, cortanto custos de impressão e distribuição e tentando pulverizar custos de redação.

Outra vantagem da internet é que cada vez mais acompanhamos a "pessoa física" e não mais a "pessoa jurídica", os jornais, algo que fazíamos por inércia ou falta de opção. Agora vamos atrás de ideias, opiniões e pessoas. Se alguém quer política internacional, procura o Pedro Doria, não necessariamente o primeiro caderno do jornal. Cinema? Vá no blog do Merten, independente de onde ele estiver. Música independente? Vá de PopUp!. Cultura pop e indie rock? Muitos vão de Lúcio Ribeiro, que saiu de um jornal e foi para um portal, mas as pessoas continuam acompanhando o Lúcio, não o veículo. Não sei para onde tudo isso vai, mas uma coisa não muda: o conteúdo de qualidade, com gente capacitada, que entende do que fala vai continuar sendo valorizado, de uma forma ou de outra. O problema é capitalizar essa "forma ou outra".

Acredito que das indústrias criativas, o jornalismo e a música foram as mais afetadas pela internet, já que com ela qualquer um gera e distribui seu conteúdo, contrariando a lógica dos modelos de negócio antigos de controle e escassez. Obviamente causa aflição em qualquer um que esteja dentro desses modelos ultrapassados, é perfeitamente compreensível. Não é fácil sair de um padrão sólido, quase óbvio para um turbilhão de mudanças e dúvidas. Mas penso que devemos assumir que esses mercados, como conhecíamos, ruíram de fato, ou sobrevivem de maneira sofrível. E que a saída é aprender com o que foi, identificar o que é aproveitável e mais: pensar que, se não existe um novo modelo é porque as possibilidades ainda estão abertas à espera de soluções.


Rafael Fernandes
Sorocaba, 8/4/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Numa casa na rua das Frigideiras de Elisa Andrade Buzzo
02. Nós que aqui estamos pela ópera esperamos de Renato Alessandro dos Santos
03. O Velho e Bom Complexo de Inferioridade de Marilia Mota Silva
04. A Copa mais triste de todos os tempos de Elisa Andrade Buzzo
05. A verdade somente a verdade? de Adriane Pasa


Mais Rafael Fernandes
Mais Acessadas de Rafael Fernandes em 2009
01. 10 músicas: Michael Jackson - 22/7/2009
02. A Crise da música ― Parte 1/3 - 25/3/2009
03. A Crise da música ― Parte 2/3 - 29/4/2009
04. Chinese Democracy: grande disco - 25/2/2009
05. A Crise da música ― Parte 3/3 - 8/7/2009


Mais Especial O fim dos jornais
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
29/3/2009
19h26min
Sem Estadão e Folha entendo. Mas como você faz sem o New York Times e a Economist?
[Leia outros Comentários de Felipe Pait]
8/4/2009
04h11min
Bravo, Rafael Fernandes! Texto arrojado, esclarecedor, contemporâneo! Pena que há dúzias de bur(r)ocratas impedindo que a progressividade humana avance de forma mais vigorosa. Caro leitor Felipe Pait, discordo do seu comentário, pois li na internet que o primeiro estalo da derrocada fez-se ouvir justamente na morada do New York Times.
[Leia outros Comentários de Sílvio Medeiros]
8/4/2009
12h43min
Caro Silvio, como assim você discordou? Eu fiz uma pergunta... não sei a resposta, por isso perguntei. A vantagem do jornal é ler os cadernos que não leríamos na internet. Também é a desvantagem: ter que pagar pelo pacote completo, quando poderíamos escolher. Leio o jornal pelas notíciais internacionais, e ganho o caderno esportivo e cultural. Mas o horóscopo e a coluna social dispensaria se pudesse... Como vai ficar?
[Leia outros Comentários de Felipe Pait]
8/4/2009
12h47min
Realmente, cada dia que passa o jornalismo "formal" está mais descartável: é uma fofocada só, polemização de fatos sem a menor utilidade e coisas do tipo. Esporte, então, tá cada vez mais parecido com a parte de fofoca de jornais e revistas. Esses tipos de mídias estão cada vez mais reforçando a tese de que são a periferia da realidade.
[Leia outros Comentários de Leo Madruga]
8/4/2009
21h09min
Rafael, perfeito. Só não entendo sua frase: "Não tenho aqui nenhuma pretensão de desprezar esses veículos, muito menos desmerecer seu trabalho". Mas se você diz que não lê mais esses veículos, o que seria, então? Dar força para os jornais que você não lê e elogiar esse trabalho que você não sente falta? Não faz sentido. Parece aquela declaração: "Não é que a gente fique desconfiado, mas a gente fica com um pé atrás". Ou: "Não é que eu queira dizer o que realmente estou dizendo". O que virou descartável foi a maioria da imprensa brasileira, por força de 45 anos de ditadura no país, completados no último dia primeiro de abril.
[Leia outros Comentários de Nei Duclós]
14/4/2009
10h27min
A vida humana vive de ciclos, compostos por gerações. A cada geração vemos mudanças que vão do singelo à ruptura. Os jornais ainda fazem parte da vida e do dia a dia de milhões de pessoas cuja faixa etária está acima dos 30 anos, certamente. Esta será, possivelmente, a última geração acostumada ao jornal. Que deve mudar sua forma, seu conteúdo. Ou se transforma num debatedor ou será pulverizado.
[Leia outros Comentários de Cesar]
14/4/2009
10h39min
Todo o mundo é composto de mudança, que não se muda já como soía.
[Leia outros Comentários de Felipe Pait]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




RETRATO SEM LEGENDA
ANNA MARIA MARTINS
SICILIANO
(1995)
R$ 6,90



VIVIANE - HISTÓRIA DE UMA MULHER
LUIZ CARLOS CARNEIRO
LAKE
(1998)
R$ 14,00



FERRO E O VOTO SECRETO
MONTEIRO LOBATO
GLOBO
(2010)
R$ 18,00



UM CONSTRUTOR DO NOSSO TEMPO - DEPOIMENTO AO CPDOC
EDMUNDO DE MACEDO SOARES E SILVA
CSN
(1998)
R$ 30,81



EL MANUSCRITO INTERRUMPIDO DE MARC BLOCH
MASSIMO MASTROGREGORI
FONDO DE CULTURA ECONÓMICA
(1998)
R$ 16,64



DE HIROSHIMA A BAGDÁ
JOAQUIM ANTUNES
ARTES GEOGRAFICA
R$ 6,90



CASAMENTO , TÉRMINO & RECONSTRUÇÃO - 8ª ED - REVISTA E ATUALIZADA
MARIA TEREZA MALDONADO
INTEGRARE
(2009)
R$ 42,00



TESTE DE WARTEGG
EHRIG WARTEGG
CASA DO PSICÓLOGO
(1987)
R$ 49,16



HISTORIA GERAL DA ARTE - ARTES DECORATIVAS II
EDITORA DELPRADO
DEL PRADO
(1996)
R$ 6,90



DIREITO DO CONSUMIDOR: ESTUDO COMPARADO BRASIL-QUEBEC
PATRÍCIA GALINDO DA FONSECA (CAPA DURA)
EDUFF
(2017)
R$ 65,82





busca | avançada
70192 visitas/dia
2,2 milhões/mês