Morrer, na literatura | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
46744 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
Colunistas
Últimos Posts
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
>>> Jack Ma e Elon Musk
>>> Marco Lisboa na Globonews
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 2005: Diário de bordo
>>> Alfa Romeo e os bloggers
>>> Defesa dos Rótulos
>>> O Jovem Bruxo
>>> Sua Excelência, o Ballet de Londrina
>>> O diabo veste Prada
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
>>> Daniel Piza by Otavio Mesquita
>>> The Making of A Kind of Blue
>>> Dirty Dancing - Ritmo Quente
Mais Recentes
>>> Lusíada (Nº 1): Revista Ilustrada de Cultura.- Arte.- Literatura.- História.- Crítica de Martins Costa/ Portinari/ Texeira Pascoaes (obras de) pela Simão Guimarães & Filhos./ Porto (1952)
>>> Fábulas que Ajudam a Crescer de Vanderlei Danielski pela Ave Maria (1998)
>>> Ninguém é igual a ninguém de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (1994)
>>> Você Pode Escolher de Regina Rennó pela Do Brasil (1999)
>>> Apelido não tem cola de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (2019)
>>> Coração que bate, sente de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (1994)
>>> A galinha que criava um ratinho de Ana Maria Machado pela Ática (1995)
>>> Pinote, o fracote e Janjão, o fortão de Fernanda Lopes de Almeida pela Ática (2000)
>>> A lenda da noite de Guido Heleno pela José Olympio (1997)
>>> A História de uma Folha de Leo Buscaglia pela Record (1999)
>>> Chapeuzinho Amarelo de Chico Buarque pela José Olympio (1999)
>>> O último judeu: uma história de terror na Inquisição de Noah Gordon pela Racco (2000)
>>> Confissões de um Torcedor: Quatro copas e uma Paixão de Nelson Motta pela Objetiva (1998)
>>> Controle de Infecções e a Prática Odontológica em Tempos de Aids de Vários pela Brasília (2000)
>>> A Roda do Mundo de Edimilson de Almeida Pereira e Ricardo Aleixo pela Mazza/ Belo Horizonte (1996)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> A Propagação do Amor: Sobre o Plantio e a Colheita do Bem de Betty J. Eadie pela Nova Era/ Record (2003)
>>> Auto- Estima: Amar a Si Mesmo para Conviver Melhor Com os Outros de Christophe André - Françoise Lelord pela Nova Era/ Record (2003)
>>> Os Lusíadas: Reprodução Paralela das duas Edições de 1572 / Ed. Ltd. de Luis de Camões pela Impr. Nac. Casa da Moeda/ Lis (1982)
>>> Administração de Marketing: Desvendando os segredos de: Vendas. Promoç de Stephen Morse pela McGraw Hill (1988)
>>> Obras Completas de Álvares de Azevedo - 02 Tomos ) de Álvares de Azevedo/ Org. Notas: Homero Pires pela Companhia Ed. Nacional (1942)
>>> Obras Completas (Poesia, Prosa e Gramática) de Laurindo José da Silva Rabelo/ Org: O. de M. Braga pela Companhia Ed. Nacional (1946)
>>> Sempre Em Desvantagem de Walter Mosley pela Record (2001)
>>> Sempre Em Desvantagem de Walter Mosley pela Record (2001)
>>> Os Anos 80: Contagem Regressiva para o Juízo Final de Hall Lindsey pela Record/ RJ.
>>> Na Linha de Frente de Lawrence Block pela Companhia das Letras/ SP. (2010)
>>> Na Linha de Frente de Lawrence Block pela Companhia das Letras/ SP. (2010)
>>> O Fator Psicológico na Evolução Sintática (Encadernado) de Cândido Jucá (filho)/ Autografado pela Organização Simões/ Rio (1958)
>>> Príncipe das Trevas, Ou Monsieur - o Quinteto de Avignon- I de Lawrence Durrell pela Estação da Liberdade (1989)
>>> Pare de Engordar- Obesidade: um Problema Psicológico de Dr. Nelson Senise pela Record/ RJ.
>>> Os Hospedeiros de Belém de Maria Pires pela Imprensa Oficial/ B. Horizonte (1984)
>>> Os Hospedeiros de Belém de Maria Pires (autografado) pela Imprensa Oficial/ B. Horizonte (1984)
>>> Catálogo dos Editores Brasileiros de Affonso Romano de Sant Anna: Presidente pela Biblioteca Nacional/INL (1994)
>>> Fontes do Latim Vulgar : o Appendix Probi de Serafim da Silva Neto/ Autografado pela Livr. Academica/ RJ. (1956)
>>> Camões e Fernão Lopes de Thiers Martins Moreira/ Autografado pela Rio de Janeiro (1944)
>>> Ver- o- Peso: Estudos Antropológicos no Mercado de belém (Vol. II de Wilma Marques Leitão (organização) pela Paka- Tatu Ed. (2016)
>>> O Pensamento Vivo de Montaigne de André Gide/ Tradução: Sérgio Milliet pela Livr. Martins Ed. (1953)
>>> Na Beleza dos Lírios de John Updike pela Companhia das Letras (1997)
>>> O Nariz Detetive de Stella Carr/ Ilustrações: Avelino Guedes pela Scipione (2019)
>>> Bouvard e Pécuchet: Dois Patetas Iluminados de Gustave Flaubert pela Scipione (1988)
>>> Bouvard e Pécuchet: Dois Patetas Iluminados de Gustave Flaubert pela Scipione (1988)
>>> A Filha da Noite de Marion Zimmer pela Imago/ Rio de Janeiro (1986)
>>> Família e Mudança: O Familismo Numa Sociedade Arcaica em Transformação de C. A. Medina pela Vozes/ Ceris (1974)
>>> Quando Meu Pai Perdeu o Emprego de Wagner Costa pela Moderna/ SP. (1993)
>>> Fernão Lopes: Suas Crónicas Perdidas e a Crônica Geral do Reino... de A. de Magalhães Basto pela Livr. Progredir/ Lisboa (1943)
>>> Decifrar pessoas de Jo-Ellan Dimitrius e Mark Mazzarella pela Alegro (2000)
>>> Como fazer sabões e artigos de toucador de Ribeiro de mello pela Icone (1987)
>>> Pokémon extreme Batalha épica no mundo de dentro de Venom Extreme pela Sextante (2016)
COLUNAS

Sexta-feira, 11/3/2016
Morrer, na literatura
Marta Barcellos

+ de 1800 Acessos

Não são poucos os desafios do escritor de ficção. Muito já se disse, por exemplo, da dificuldade em descrever uma cena de sexo: melhor seria insinuar – ou pular – essa parte, e deixar a incumbência de detalhes mecânicos à, digamos, “literatura especializada”, que sabe interagir com os leitores interessados neste tipo de interação. Particularmente, recordo-me agora de dois romancistas anglo-saxãos que se saem bem na tarefa: Lionel Shriver em O mundo pós-aniversário e Ian McEwan em Na praia.

Mas desafio literário mesmo é representar a mais temida e inevitável experiência humana: a de morrer.

No caso das relações sexuais, os romancistas bem sucedidos parecem seguir uma espécie de truque, ao se ocuparem mais dos pensamentos (sensações, sentimentos, constrangimentos) dos personagens do que das tais descrições anatômicas, nas quais substantivos conseguem parecer mais inadequados que adjetivos, algo raro na escrita.

Já no caso de morrer, o truque se complica. Da agonia da morte não se volta para contar, quanto mais para escrever. Como descrever o que se passa na cabeça de um moribundo? Ou de alguém que, nos elásticos instantes que antecedem a morte, percebe a irreversabilidade da situação? Não vale reproduzir os clichês de quem jura ter estado bem perto ou “voltado de lá”, depois de enxergar uma luz brilhante ou de repassar toda a vida mentalmente “como num filme”. Ou de quem “nasceu de novo”, naquele relato sob medida para o Fantástico.

A morte, na ficção, precisa ser mais convincente.

Por acaso (assim espero, e não que a tal senhora de túnica negra e gadanha esteja me rondando), caíram-me em mãos, seguidamente, quatro livros em que o “passamento” é descrito com maestria literária.

Antes de contar sobre minhas leituras (começando pelo mestre de todos, Tolstói), deixemos claro que a morte no final não será aqui considerada spoiler. Todo mundo morre no final. Nos quatro exemplos que darei, aliás, o fim inevitável será estabelecido antes mesmo de a narrativa começar. No caso da novela A morte de Ivan Ilitch, e no da prosa poética “Morte de um pássaro – réquiem para Federico Garcia Lorca”, de Vinícius de Moraes, o leitor já sabe o que encontrará lendo o título. Digamos que o que importa, na literatura como na vida, é o caminho.

A agonia de Ivan Ilitch, juiz de instrução, começa já na segunda metade da novela, de 80 páginas, de Tolstói, quando a doença instala-se em seu corpo. “Ivan Ilitch via que estava morrendo, e o desespero não o largava mais. Sabia, no fundo da alma, que estava morrendo, mas não só não se acostumara a isto, como simplesmente não o compreendia, não podia de modo algum compreendê-lo” (tradução de Boris Schnaiderman). Até o limiar do ato de morrer, será dilacerado pela dor física e moral, delirante e incapaz de compreender o sentido da própria existência. “E de repente, percebeu com clareza que aquilo que o atormentara e não o deixava, estava de repente saindo de uma vez, de ambos os lados, de dez lados, de todos os lados.” O horror de morte dolorosa e prolongada constitui-se uma inadequação social.

“- Acabou!- disse alguém por cima dele.

Ouviu essas palavras e repetiu-as em seu espírito. “A morte acabou - disse a si mesmo. - Não existe mais.”

No surpreendente Stoner, de John Williams, o falecimento do protagonista, filho de camponeses que se torna um inexpressivo professor universitário, é antecipado na quinta linha do primeiro capítulo. Apesar da morte e da vida banais, enunciadas neste resumo biográfico inicial, o leitor será delicadamente enredado pelos detalhes de sua vida comum e implacável, assim como inevitáveis são os últimos sentimentos, na fronteira da morte: “Deixou seus dedos folhearem as páginas e sentiu um frêmito como se aquelas páginas estivessem vivas. O frêmito atravessou seus dedos e correu através de sua carne e de seus ossos. Estava profundamente consciente dele, e esperou até que o envolvesse por inteiro, até que a antiga excitação parecida com o terror o imobilizasse onde estava deitado” (tradução de Marcos Maffei).

Em “Morte de um pássaro”, texto que faz parte do livro Para viver um grande amor, Vinicius de Moraes ficcionaliza o que deve ter sido a morte do poeta Federico Garcia Lorca, fuzilado pelas forças franquistas em 1936. “Pensou em fugir, em correr doidamente para a aurora, em bater as asas inexistentes até voar. (...) Mas permaneceu em sua atonia, sem acreditar bem que aquilo tudo estivesse acontecendo. Era, por certo, um mal-entendido.” As ordens, no entanto, são rápidas, e o grupo é levado até uma vala comum, aberta. “Sim, teve medo. E quem, em seu lugar, não o teria? Ele que não nascera para morrer assim, para morrer antes de sua própria morte.”

Em “Um coração de mãe”, conto da premiada coletânea Essa coisa brilhante que é a chuva, de Cintia Moscovich, o spoiler da morte é discretamente dado na dedicatória da autora à sua mãe, “que sobreviveu” (ou seja, ao contrário da mãe ficcional). Dona Dóris começa com uma queimação na boca do estômago, no final da novela das oito, e a relutância em admitir a gravidade do que sente e pedir ajuda aos familiares expõe o tamanho de sua solidão. Ao fim da crescente agonia, agora sem chances de amparo, a mãe “decide”, intransitivamente:

“Só então decidiu, e a decisão causou nela grande alívio, como se fosse próprio de uma mulher arbitrar sobre aquela classe de coisas. Dona Dóris deu dois passos trôpegos. Fechou os olhos. Primeiro as pernas se dobraram, o corpo se inclinou para trás e os joelhos bateram contra o chão, estourando numa papa de areia e sangue; depois o tronco se projetou para a frente, as palmas das mãos resvalaram contra os pedregulhos, os cotovelos se ralaram, e o rosto bateu flácido contra a calçada. Os óculos se projetaram do rosto, agônicos. O jornaleiro jogou longe o cigarro e correu para socorrer. Mas então tudo estava resolvido.”

Baseado em fatos reais? Sim, a literatura sempre mistura imaginação e memórias do vivido. Cintia provavelmente ouviu o relato do infarto da mãe, que sobreviveu para relatar, e consta que Tolstói era obcecado pela morte, fazendo questão de conhecer as particularidades dos momentos finais de parentes e amigos. Tentar colocar-se no lugar do outro, porém, é o máximo possível na narrativa do morrer. O resto vem do mistério da literatura.



Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 11/3/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Quando a Páscoa chega ao Sul de Celso A. Uequed Pitol
02. Meu marido e outros tantos também de Gabriela Vargas
03. Casa de espelhos de Daniela Sandler


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2016
01. A selfie e a obsolescência do humano - 7/10/2016
02. Wanda Louca Liberal - 10/6/2016
03. A melhor Flip - 1/7/2016
04. Na hora do batismo - 12/8/2016
05. Literatura engajada - 8/4/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MULTINACIONAIS - DESENVOLVIMENTO OU EXPLORAÇÃO?
PAULO MARTINEZ
MODERNA
(1995)
R$ 7,00



FREI CANECA
MARCO MOREL
BRASILIENSE
(1987)
R$ 13,50
+ frete grátis



A MITOLOGIA TEMPLÁRIA - OS CONCEITOS ESOTÉRICOS DA ORDEM DO TEMPL
JESUS AVILA GRANADOS
MADRAS
(2015)
R$ 49,90



O ESQUELETO ATRÁS DA PORTA
STELLA CARR
MODERNA
R$ 19,90
+ frete grátis



PALAVRAS ENVENENADAS
MAITE CARRANZA
NOVO CONCEITO
(2011)
R$ 4,85



CONHECENDO O CÉREBRO
LUCIANO MECACCI
NOBEL
(1987)
R$ 20,00



O TEAR ENCANTADO
ROBERT JASTROW
EDIÇÕES 70
(1987)
R$ 15,40



SPY DOG 05 - NA COLA DO FOGUETE
ANDREW COPE
FUNDAMENTO
(2018)
R$ 12,00



O ESPIAO DE JUPITER
MARTA MELO
ATICA
R$ 3,50



TERRA ROXA - VIDA E CIÊNCIA NA ESTAÇÃO EXPERIMENTAL DE JAÚ
JOSÉ RENATO DE A. PRADO LÉA DE UNGARO
DO AUTOR
(2012)
R$ 30,00





busca | avançada
46744 visitas/dia
1,1 milhão/mês