Morrer, na literatura | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
72442 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> MAB FAAP estará fechado nos próximos dois finais de semana, devido ao Plano SP
>>> Exposição de Pietrina Checcaci é prolongada no Centro Cultural Correios
>>> Escritora Luci Collin participa de encontro virtual gratuito
>>> Máscaras Decoloniais: Dança e Performance (edição bilingue)
>>> Prêmio Sesc de Literatura abre hoje inscrições para edição 2021
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
Últimos Posts
>>> Kate Dias vive Campesina em “Elise
>>> Editora Sinna lança “Ninha, a Bolachinha”
>>> “Elise”: Lara Oliver representa Bernardina
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Van Halen 2013
>>> Treehouse
>>> Música em 2004
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Jornalismo em tempos instáveis
>>> Rasgos de memória
>>> História da leitura (II): o códice medieval
>>> Rufo, 80 II
>>> Jeitos de trabalhar
>>> The GigaOM Show
Mais Recentes
>>> Apostila workshop urbano curso perícias em avaliação de imóveis. de Caavi pela Caavi (2011)
>>> Stewardship: Choosing Service over Self-Interest de Peter Block pela Berrett-Koehler (1993)
>>> Fuvest 2000 - Literatura de Célia N. A. Passoni pela Núcleo (1999)
>>> Doze Contos Peregrinos de Gabriel Garcia Márquez pela Record (1992)
>>> Outeiro da Glória Marco na História da Cidade do Rio de Janeiro de Jorge de Souza Hue e Outros pela Artepadilla (2015)
>>> Le Voyageur et son Ombre de Nietzsche pela Mediations (1979)
>>> Avenidas da Saúde de Dr Haroldo Shryock pela Casa Publicadora Brasileira (1963)
>>> Livro Anne Whit An E Lucy Maud Bordando com as Estrelas de Lucy Maud Montgomery pela Ciranda Cultural (2021)
>>> O Flâneur - um Passeio Pelos Paradoxos de Paris de Edmund White pela Companhia das Letras (2001)
>>> Memórias de um Sargento de Milícias - Coleção o Globo de Manuel Antônio de Almeida pela O Globo (1997)
>>> O mulato de Aluísio Azevedo pela Ática (2000)
>>> Veneno Digital de Walcyr Carrasco pela Ática (2017)
>>> Uma Longa Jornada de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2015)
>>> Um Olhar Sobre a Ciência: Desenvolvimento, Aplicações e Políticas de Eloi de Souza Garcia pela Interciência (2003)
>>> O Verão e a Cidade - Os Diários de Carrie de Candance Bushnell pela Galera Record (2011)
>>> O Cotidiano de um Deficiente de Patricia Vaitsman dos Santos pela Interciência (2001)
>>> Um Porto Seguro de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2012)
>>> Um Ano Inesquecível de Babi Dewet, Bruna Vieira, Paula Pimenta e Thalita Rebouças pela Gutenberg (2015)
>>> A Hora da Estrela de Clarice Lispector pela José Olympio (1978)
>>> A Terra dos Meninos Pelados de Graciliano Ramos pela Record (1983)
>>> A Linguagem e Seu Funcionamento - as Formas do Discurso de Eni Puccinelli Orlandi pela Brasiliense (1983)
>>> A Sociedade Literária e a Torta de Casca de Batata de Mary Ann Shaffer e Annie Barrows pela Rocco (2009)
>>> Poesia Que Transforma de Bráulio Bessa pela Sextante (2018)
>>> O Livro de Ouro da Mitologia de Thomas Bulfinch pela Harper Collins (2018)
>>> Memórias Quase Esquecidas: Aqueles Olhos - Vol 1 de Alduisio M. de Souza pela Literatura Brasileira (2001)
>>> A Gênese de Allan Kardec pela Feb (1999)
>>> A Guerra Não Tem Rosto de Mulher de Svetlana Aleksiévitch pela Companhia das Letras (2016)
>>> Mais Coisas Que Toda Garota Deve Saber de Antônio Carlos Vilela pela Melhoramentos (2006)
>>> Engenharia genética - O Sétimo dia da criação de Fátima Oliveira pela Moderna (1995)
>>> O Ladrão de sonhos e outras historias de Ivan Angelo pela Atica (1999)
>>> Necronomicon: the Best Weird Tales of de H. P. Lovecraft pela Gollancz (2008)
>>> Um Dia "Daqueles": Uma Lição de Vida Para Levantar o Seu Astral de Bradley Trevor Greive pela Sextante (2001)
>>> A Cidadela do Caos de Steve Jackson pela Marques Saraiva (1990)
>>> O Calabouço da Morte de Ian Livinstone pela Marques Saraiva (1984)
>>> O Feiticeiro da Montanha de Fogo de Steve Jackson; Ian Livinstone pela Marques Saraiva (1991)
>>> Rostos da Portugalidade de Luís Machado pela Vega (2010)
>>> LIVRO NOVO! A Revolução dos Bichos de George Orwell pela Principis (2021)
>>> A Nave Espacial Traveller de Steve Jackson pela Marques Saraiva (1982)
>>> Norse Mythology de Neil Gaiman pela W. W. Norton & Company (2017)
>>> A Mão e a Luva de Machado de Assis pela Prazer de Ler (2016)
>>> Buda: na Floresta de Uruvella -vol. VI de Osamu Tezuka pela Conrad (2005)
>>> Buda. Em Busca da Iluminação. Vol. IV de Osamu Tezuka pela Conrad do Brasil (2005)
>>> Literatura Ao Sul de Luis Augusto Fischer pela Universidade de Passo Fundo (2009)
>>> Buda. a Outra Margem do Rio. Vol. III de Osamu Tezuka pela Conrad do Brasil (2005)
>>> O Cavaleiro da Esperança de Jorge Amado pela Record (1987)
>>> A Amiga Genial de Elena Ferrante pela Globo (2015)
>>> Passagens da Antiguidade ao Feudalismo de Perry Anderson pela Brasiliense (1987)
>>> O Não Me Deixes - Suas Histórias e Sua Cozinha de Rachel de Queiroz pela Arx (2004)
>>> George Sand de René Doumic pela Perrin (1922)
>>> Sybil de Flora Rheta Schreiber pela Círculo do Livro
COLUNAS

Sexta-feira, 11/3/2016
Morrer, na literatura
Marta Barcellos

+ de 2200 Acessos

Não são poucos os desafios do escritor de ficção. Muito já se disse, por exemplo, da dificuldade em descrever uma cena de sexo: melhor seria insinuar – ou pular – essa parte, e deixar a incumbência de detalhes mecânicos à, digamos, “literatura especializada”, que sabe interagir com os leitores interessados neste tipo de interação. Particularmente, recordo-me agora de dois romancistas anglo-saxãos que se saem bem na tarefa: Lionel Shriver em O mundo pós-aniversário e Ian McEwan em Na praia.

Mas desafio literário mesmo é representar a mais temida e inevitável experiência humana: a de morrer.

No caso das relações sexuais, os romancistas bem sucedidos parecem seguir uma espécie de truque, ao se ocuparem mais dos pensamentos (sensações, sentimentos, constrangimentos) dos personagens do que das tais descrições anatômicas, nas quais substantivos conseguem parecer mais inadequados que adjetivos, algo raro na escrita.

Já no caso de morrer, o truque se complica. Da agonia da morte não se volta para contar, quanto mais para escrever. Como descrever o que se passa na cabeça de um moribundo? Ou de alguém que, nos elásticos instantes que antecedem a morte, percebe a irreversabilidade da situação? Não vale reproduzir os clichês de quem jura ter estado bem perto ou “voltado de lá”, depois de enxergar uma luz brilhante ou de repassar toda a vida mentalmente “como num filme”. Ou de quem “nasceu de novo”, naquele relato sob medida para o Fantástico.

A morte, na ficção, precisa ser mais convincente.

Por acaso (assim espero, e não que a tal senhora de túnica negra e gadanha esteja me rondando), caíram-me em mãos, seguidamente, quatro livros em que o “passamento” é descrito com maestria literária.

Antes de contar sobre minhas leituras (começando pelo mestre de todos, Tolstói), deixemos claro que a morte no final não será aqui considerada spoiler. Todo mundo morre no final. Nos quatro exemplos que darei, aliás, o fim inevitável será estabelecido antes mesmo de a narrativa começar. No caso da novela A morte de Ivan Ilitch, e no da prosa poética “Morte de um pássaro – réquiem para Federico Garcia Lorca”, de Vinícius de Moraes, o leitor já sabe o que encontrará lendo o título. Digamos que o que importa, na literatura como na vida, é o caminho.

A agonia de Ivan Ilitch, juiz de instrução, começa já na segunda metade da novela, de 80 páginas, de Tolstói, quando a doença instala-se em seu corpo. “Ivan Ilitch via que estava morrendo, e o desespero não o largava mais. Sabia, no fundo da alma, que estava morrendo, mas não só não se acostumara a isto, como simplesmente não o compreendia, não podia de modo algum compreendê-lo” (tradução de Boris Schnaiderman). Até o limiar do ato de morrer, será dilacerado pela dor física e moral, delirante e incapaz de compreender o sentido da própria existência. “E de repente, percebeu com clareza que aquilo que o atormentara e não o deixava, estava de repente saindo de uma vez, de ambos os lados, de dez lados, de todos os lados.” O horror de morte dolorosa e prolongada constitui-se uma inadequação social.

“- Acabou!- disse alguém por cima dele.

Ouviu essas palavras e repetiu-as em seu espírito. “A morte acabou - disse a si mesmo. - Não existe mais.”

No surpreendente Stoner, de John Williams, o falecimento do protagonista, filho de camponeses que se torna um inexpressivo professor universitário, é antecipado na quinta linha do primeiro capítulo. Apesar da morte e da vida banais, enunciadas neste resumo biográfico inicial, o leitor será delicadamente enredado pelos detalhes de sua vida comum e implacável, assim como inevitáveis são os últimos sentimentos, na fronteira da morte: “Deixou seus dedos folhearem as páginas e sentiu um frêmito como se aquelas páginas estivessem vivas. O frêmito atravessou seus dedos e correu através de sua carne e de seus ossos. Estava profundamente consciente dele, e esperou até que o envolvesse por inteiro, até que a antiga excitação parecida com o terror o imobilizasse onde estava deitado” (tradução de Marcos Maffei).

Em “Morte de um pássaro”, texto que faz parte do livro Para viver um grande amor, Vinicius de Moraes ficcionaliza o que deve ter sido a morte do poeta Federico Garcia Lorca, fuzilado pelas forças franquistas em 1936. “Pensou em fugir, em correr doidamente para a aurora, em bater as asas inexistentes até voar. (...) Mas permaneceu em sua atonia, sem acreditar bem que aquilo tudo estivesse acontecendo. Era, por certo, um mal-entendido.” As ordens, no entanto, são rápidas, e o grupo é levado até uma vala comum, aberta. “Sim, teve medo. E quem, em seu lugar, não o teria? Ele que não nascera para morrer assim, para morrer antes de sua própria morte.”

Em “Um coração de mãe”, conto da premiada coletânea Essa coisa brilhante que é a chuva, de Cintia Moscovich, o spoiler da morte é discretamente dado na dedicatória da autora à sua mãe, “que sobreviveu” (ou seja, ao contrário da mãe ficcional). Dona Dóris começa com uma queimação na boca do estômago, no final da novela das oito, e a relutância em admitir a gravidade do que sente e pedir ajuda aos familiares expõe o tamanho de sua solidão. Ao fim da crescente agonia, agora sem chances de amparo, a mãe “decide”, intransitivamente:

“Só então decidiu, e a decisão causou nela grande alívio, como se fosse próprio de uma mulher arbitrar sobre aquela classe de coisas. Dona Dóris deu dois passos trôpegos. Fechou os olhos. Primeiro as pernas se dobraram, o corpo se inclinou para trás e os joelhos bateram contra o chão, estourando numa papa de areia e sangue; depois o tronco se projetou para a frente, as palmas das mãos resvalaram contra os pedregulhos, os cotovelos se ralaram, e o rosto bateu flácido contra a calçada. Os óculos se projetaram do rosto, agônicos. O jornaleiro jogou longe o cigarro e correu para socorrer. Mas então tudo estava resolvido.”

Baseado em fatos reais? Sim, a literatura sempre mistura imaginação e memórias do vivido. Cintia provavelmente ouviu o relato do infarto da mãe, que sobreviveu para relatar, e consta que Tolstói era obcecado pela morte, fazendo questão de conhecer as particularidades dos momentos finais de parentes e amigos. Tentar colocar-se no lugar do outro, porém, é o máximo possível na narrativa do morrer. O resto vem do mistério da literatura.



Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 11/3/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Houston, we have a problem de Renato Alessandro dos Santos
02. Como eu escrevo de Luís Fernando Amâncio
03. Em nome dos filhos de Luís Fernando Amâncio
04. A noite do meu bem, de Ruy Castro de Julio Daio Borges
05. Fui pra Cuba de Marta Barcellos


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2016
01. A selfie e a obsolescência do humano - 7/10/2016
02. Wanda Louca Liberal - 10/6/2016
03. A melhor Flip - 1/7/2016
04. Na hora do batismo - 12/8/2016
05. Literatura engajada - 8/4/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Um Mestre da Luz Tropical
Fernando Duarte
Cinemateca Brasileira
(2010)
R$ 20,00



O Paraiso é uma Questão Pessoal
Richard Bach
Ed. Record
R$ 6,90



Medicina Preventiva -saúde x Doenças
Alexandre Roberto Diogo de Oliveira
Biologia e Saúde
R$ 5,00



Primeiras Publicações Psicanalíticas 1893-1899
Sigmund Freud
Imago
(1987)
R$ 19,00



Um Ônibus do Tamanho do Mundo
J. M. Simmel
Nova Fronteira
R$ 5,00



Estórias e Lendas de São Paulo Paraná e Santa Catarina - Tomo 1
Alceu Maynard Araújo e Vasco José Taborda
Edigraf
R$ 8,90



Literatura: Textos e Técnicas
João Domingues Maia
Àtica
(1996)
R$ 5,00



Como Ter Sucesso Em Qualquer Dieta
Charles F. Wetherall
Record
(1994)
R$ 12,00



Propedêutica Pediátrica e Semiologia Infantil
José Martinho da Rocha Hugo Fortes
Livraria Atheneu
(1958)
R$ 81,34



O Machado Gentil
R N Morris
Planeta
(2007)
R$ 12,00





busca | avançada
72442 visitas/dia
2,4 milhões/mês