Morrer, na literatura | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
50850 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 11/3/2016
Morrer, na literatura
Marta Barcellos

+ de 2000 Acessos

Não são poucos os desafios do escritor de ficção. Muito já se disse, por exemplo, da dificuldade em descrever uma cena de sexo: melhor seria insinuar – ou pular – essa parte, e deixar a incumbência de detalhes mecânicos à, digamos, “literatura especializada”, que sabe interagir com os leitores interessados neste tipo de interação. Particularmente, recordo-me agora de dois romancistas anglo-saxãos que se saem bem na tarefa: Lionel Shriver em O mundo pós-aniversário e Ian McEwan em Na praia.

Mas desafio literário mesmo é representar a mais temida e inevitável experiência humana: a de morrer.

No caso das relações sexuais, os romancistas bem sucedidos parecem seguir uma espécie de truque, ao se ocuparem mais dos pensamentos (sensações, sentimentos, constrangimentos) dos personagens do que das tais descrições anatômicas, nas quais substantivos conseguem parecer mais inadequados que adjetivos, algo raro na escrita.

Já no caso de morrer, o truque se complica. Da agonia da morte não se volta para contar, quanto mais para escrever. Como descrever o que se passa na cabeça de um moribundo? Ou de alguém que, nos elásticos instantes que antecedem a morte, percebe a irreversabilidade da situação? Não vale reproduzir os clichês de quem jura ter estado bem perto ou “voltado de lá”, depois de enxergar uma luz brilhante ou de repassar toda a vida mentalmente “como num filme”. Ou de quem “nasceu de novo”, naquele relato sob medida para o Fantástico.

A morte, na ficção, precisa ser mais convincente.

Por acaso (assim espero, e não que a tal senhora de túnica negra e gadanha esteja me rondando), caíram-me em mãos, seguidamente, quatro livros em que o “passamento” é descrito com maestria literária.

Antes de contar sobre minhas leituras (começando pelo mestre de todos, Tolstói), deixemos claro que a morte no final não será aqui considerada spoiler. Todo mundo morre no final. Nos quatro exemplos que darei, aliás, o fim inevitável será estabelecido antes mesmo de a narrativa começar. No caso da novela A morte de Ivan Ilitch, e no da prosa poética “Morte de um pássaro – réquiem para Federico Garcia Lorca”, de Vinícius de Moraes, o leitor já sabe o que encontrará lendo o título. Digamos que o que importa, na literatura como na vida, é o caminho.

A agonia de Ivan Ilitch, juiz de instrução, começa já na segunda metade da novela, de 80 páginas, de Tolstói, quando a doença instala-se em seu corpo. “Ivan Ilitch via que estava morrendo, e o desespero não o largava mais. Sabia, no fundo da alma, que estava morrendo, mas não só não se acostumara a isto, como simplesmente não o compreendia, não podia de modo algum compreendê-lo” (tradução de Boris Schnaiderman). Até o limiar do ato de morrer, será dilacerado pela dor física e moral, delirante e incapaz de compreender o sentido da própria existência. “E de repente, percebeu com clareza que aquilo que o atormentara e não o deixava, estava de repente saindo de uma vez, de ambos os lados, de dez lados, de todos os lados.” O horror de morte dolorosa e prolongada constitui-se uma inadequação social.

“- Acabou!- disse alguém por cima dele.

Ouviu essas palavras e repetiu-as em seu espírito. “A morte acabou - disse a si mesmo. - Não existe mais.”

No surpreendente Stoner, de John Williams, o falecimento do protagonista, filho de camponeses que se torna um inexpressivo professor universitário, é antecipado na quinta linha do primeiro capítulo. Apesar da morte e da vida banais, enunciadas neste resumo biográfico inicial, o leitor será delicadamente enredado pelos detalhes de sua vida comum e implacável, assim como inevitáveis são os últimos sentimentos, na fronteira da morte: “Deixou seus dedos folhearem as páginas e sentiu um frêmito como se aquelas páginas estivessem vivas. O frêmito atravessou seus dedos e correu através de sua carne e de seus ossos. Estava profundamente consciente dele, e esperou até que o envolvesse por inteiro, até que a antiga excitação parecida com o terror o imobilizasse onde estava deitado” (tradução de Marcos Maffei).

Em “Morte de um pássaro”, texto que faz parte do livro Para viver um grande amor, Vinicius de Moraes ficcionaliza o que deve ter sido a morte do poeta Federico Garcia Lorca, fuzilado pelas forças franquistas em 1936. “Pensou em fugir, em correr doidamente para a aurora, em bater as asas inexistentes até voar. (...) Mas permaneceu em sua atonia, sem acreditar bem que aquilo tudo estivesse acontecendo. Era, por certo, um mal-entendido.” As ordens, no entanto, são rápidas, e o grupo é levado até uma vala comum, aberta. “Sim, teve medo. E quem, em seu lugar, não o teria? Ele que não nascera para morrer assim, para morrer antes de sua própria morte.”

Em “Um coração de mãe”, conto da premiada coletânea Essa coisa brilhante que é a chuva, de Cintia Moscovich, o spoiler da morte é discretamente dado na dedicatória da autora à sua mãe, “que sobreviveu” (ou seja, ao contrário da mãe ficcional). Dona Dóris começa com uma queimação na boca do estômago, no final da novela das oito, e a relutância em admitir a gravidade do que sente e pedir ajuda aos familiares expõe o tamanho de sua solidão. Ao fim da crescente agonia, agora sem chances de amparo, a mãe “decide”, intransitivamente:

“Só então decidiu, e a decisão causou nela grande alívio, como se fosse próprio de uma mulher arbitrar sobre aquela classe de coisas. Dona Dóris deu dois passos trôpegos. Fechou os olhos. Primeiro as pernas se dobraram, o corpo se inclinou para trás e os joelhos bateram contra o chão, estourando numa papa de areia e sangue; depois o tronco se projetou para a frente, as palmas das mãos resvalaram contra os pedregulhos, os cotovelos se ralaram, e o rosto bateu flácido contra a calçada. Os óculos se projetaram do rosto, agônicos. O jornaleiro jogou longe o cigarro e correu para socorrer. Mas então tudo estava resolvido.”

Baseado em fatos reais? Sim, a literatura sempre mistura imaginação e memórias do vivido. Cintia provavelmente ouviu o relato do infarto da mãe, que sobreviveu para relatar, e consta que Tolstói era obcecado pela morte, fazendo questão de conhecer as particularidades dos momentos finais de parentes e amigos. Tentar colocar-se no lugar do outro, porém, é o máximo possível na narrativa do morrer. O resto vem do mistério da literatura.



Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 11/3/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Teatro sem Tamires de Elisa Andrade Buzzo
02. A cidade e o que se espera dela de Luís Fernando Amâncio
03. A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto de Jardel Dias Cavalcanti
04. Notas sobre a Escola de Dança de São Paulo - I de Elisa Andrade Buzzo
05. Viagem através da estepe de Celso A. Uequed Pitol


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2016
01. A selfie e a obsolescência do humano - 7/10/2016
02. Wanda Louca Liberal - 10/6/2016
03. A melhor Flip - 1/7/2016
04. Na hora do batismo - 12/8/2016
05. Literatura engajada - 8/4/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




NOS BRAÇOS DO SOL
JOSÉ GILBERTO GASPAR
EDIX
(1997)
R$ 5,00



REVISTA RUMO. ED.12 KILDARE
VÁRIOS
RUMO
(2020)
R$ 24,00



TEORIA GERAL DO PROCESSO
ADA PELLEGRINI ; CÂNDIDO RANGEL ; ANTONIO CARLOS
MALHEIROS
(2007)
R$ 17,87



ESCOLA DO TERROR - MEU PEQUENO LOBISOMEM
TOM B. STONE
ROCCO
(2018)
R$ 15,00



TERRA LATINA ANTOLOGIA INTERNACIONAL
ZENI BRASIL ORG.
ZENI LEAL
(2005)
R$ 9,70



THE UNITED STATES VIRGIN ISLANDS - A PHOTOGRAPHIC PORTRAIT
PHOTOGRAPHS BY STEVE SIMONSEN
SYP DESIGN & PRODUCTION
R$ 40,00



O VINHO NOVO É MELHOR
ROBET THOM
VIDA
(1999)
R$ 20,00



O POETA QUE NÃO SOU
LINDOLFO PAOLIELLO
LE
(1986)
R$ 5,00



ORIENTAR SEM IMPOR
ERNST ELL
PAULINAS
(1979)
R$ 12,00



BALANCED SCORECARD PASSO-A-PASSO ELEVANDO O DESEMPENHO E MANTENDO
PAUL R. NIVEN
QUALITYMARK
(2005)
R$ 14,90





busca | avançada
50850 visitas/dia
2,6 milhões/mês