Noite branca no cinema | Verônica Mambrini | Digestivo Cultural

busca | avançada
47877 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
>>> Curso de Formação de Agentes Culturais rola dias 8 e 9 de graça e online
>>> Ciclo de leitura online e gratuito debate renomados escritores
>>> Nano Art Market lança rede social de nicho, focada em arte e cultura
>>> Eric Martin, vocalista do Mr. Big, faz show em Porto Alegre dia 13 de abril
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
Blogueiros
Mais Recentes
>>> The Social Network ou A Rede Social, o filme
>>> Só notícia boa
>>> Made in China
>>> Para ler o Pato Donald
>>> Prossiga
>>> Mozart 11 com Barenboim
>>> Para amar Agostinho
>>> Discos de MPB essenciais
>>> Conceitos musicais: blues, fusion, jazz, soul, R&B
>>> O Passado, de Hector Babenco
Mais Recentes
>>> Diversidade e Sistema de Ensino Brasileiro volume c2 de Ana Paula Alves Ribeiro / Maria Alice Rezende Gonçalves pela Outras Letras (2023)
>>> Diversidade e Sistema de Ensino Brasileiro volume c2 de Ana Paula Alves Ribeiro / Maria Alice Rezende Gonçalves pela Outras Letras (2023)
>>> O Graal da Serpente de Philip Gardiner com Gary Osborn pela Pensamento (2008)
>>> Organizações de Aprendizagem Educação Continuada e a Empresa do Futuro de Humberto Mariotti pela Atlas (1999)
>>> Python e Mercado Financeiro de Marco Antonio Leonel Caetano pela Blucher (2021)
>>> Um Longo e Solitário Tempo de Airton Marques de Oliveira pela Razão da Terra (1996)
>>> Equações Diferenciais - Volume 2 de Dennis G. Zill e Michael R. Cullen pela Makron Books (2001)
>>> Equações Diferenciais - Volume 1 de Dennis G. Zill e Michael R. Cullen pela Makron Books (2001)
>>> Processos de Transmissão de Calor de Kern pela Guanabara Koogan (1987)
>>> Transformações de Valéria Torres pela Litteris (1999)
>>> Sobrenatural: Impressões sobre os lençóis Maranhenses de Meireles Junior pela Do Autor (2016)
>>> Poesia em Serenata de Margarida Marques pela Evsa (1998)
>>> Panelas em transe de Cassio Machado pela B&b (2005)
>>> Vade Mecum 2008- 6ª Edição - Contém CD de Saraiva (Organizador) pela Saraiva (2008)
>>> Pizzolato: Não Existe Plano Infalível de Fernanda Odilla pela Leya (2014)
>>> Air Gear nº 21 de Oh! Great pela Panini Comics (2011)
>>> Constitution of United States of America de David Osterlund e outros pela Barnes & Noble (1995)
>>> Poder-saber ética da escola de Sandra Mara Corazza pela Unijuí (1995)
>>> Como fazer um disco independente de Chico Mário pela Vozes (1986)
>>> Suagh'Leng'hor de Milton José de Almeida pela Cortez (1990)
>>> As Ideias de Marx de David McLellan pela Cultrix (1993)
>>> Südkurier de Antoine de Saint-Exupery pela Karl Rauch (1949)
>>> Discurso de Metafísica e Outros Textos Gottfried Wilhelm Leibniz de Gottfried Wilhelm Leibniz pela Martins Fontes (2004)
>>> Interview with the vampire de Anne Rice pela Ballantine (1997)
>>> L'horizon Des Esprits de Joseph Moreau pela Presses Universitaires De France (1960)
COLUNAS

Quinta-feira, 18/12/2008
Noite branca no cinema
Verônica Mambrini
+ de 6300 Acessos

O mundo está cheio de cinéfilos puristas. Em alguns lugares, eles se concentram mais do que em outros. Pedacinhos como aquele que vai entre o trecho da avenida Paulista, 900, em que o Reserva Cultural desfigura a fachada do prédio da Gazeta, com o agonizante Gemini logo ali, do lado, até a outra ponta da avenida, descendo pelos cinemas da Augusta, são perfeitos para achá-los (dizem os epidemiologistas que a espécie faz ninhos na região). Alguns têm um fenótipo claramente reconhecível: óculos de armação vermelha, tênis All Star em padrões exóticos, jeans sequinhos, quase colados ao corpo, eventualmente uma lomo à tiracolo. São curiosas as conversas que o vento sopra no ouvido de quem passeia no espigão da Paulista: o cardápio de diretores citados inclui clássicos de Fellini a Rohmer, exotismos orientais e muita, muita citação.

Nada tenho contra esses amores enciclopédicos, compulsivos e sistemáticos. Eu mesma, a meu modo, colecionei os meus queridos entre dezenas de títulos, todos devidamente catalogados por escola cinematográfica, diretor, fases de cada diretor. Mas nos últimos tempos, confesso que cansei um pouco. Resolvi cair de boca por um amor à antiga, pelo cinema, de simplesmente desejar a sala escura, quase que nem ver o que está em cartaz antes de comprar ingresso. Andei até dando um tempo para os diretores e suspirando pelos cantos pelo Louis Garrel. Que eu não seja confundida com a mocinha que vai ao cinema da cidade, louca para ver o galã e desanuviar do cotidiano triste, monótono e opressor, como a Cecília de A rosa púrpura do Cairo. Mas é que o Garrel, todo mundo há de convir, merece suspiros autônomos e independentes do diretor do filme, e é de lamentar profundamente que hoje seja tão mais difícil conseguir um cartaz bonito de publicidade do filme, com os atores, que valha a pena pendurar na parede do quarto. Mas divago; estava para falar do meu primeiro Noitão.

Eu já sabia da existência do Noitão há tempos. Funciona assim: sempre em uma sexta-feira, uma vez por mês, são exibidos três filmes no HSBC Belas Artes, em seqüência, com algum corte temático (ainda que essa "curadoria" muitas vezes exija algum esforço de imaginação para fazer sentido). Quase sempre, inclusos no menu, filmes raros, e nem sempre dos mais palatáveis. A maratona começa à meia-noite, e os sobreviventes, no começo da manhã de sábado, são congratulados com um café da manhã. Meus muitos planos de ir ao Noitão já tinham sido frustrados muitas vezes. Dessa vez, foi tudo perfeito: noite bonita, cardápio de filmes ótimos e companhia ideal ― acho que esse último era o ingrediente que sempre havia faltado. Ao menu da noite: pré-estréia de Rebobine, por favor, de Michel Gondry, Vicky Cristina Barcelona, de Woody Allen, e o terceiro filme, como habitualmente, seria surpresa. Calhou de ser uma comédia francesa divertida sobre uma trupe de teatro decadente: Les Grands Ducs, de 1996, dirigido por Patrice Leconte e com Philippe Noiret, o Neruda de O carteiro e o poeta.

O "novo do Woody Allen" é quase um ritual para perceber a passagem do tempo, e será de luto o ano em que ele não houver. Depois do pessimismo de Match Point e do O sonho de Cassandra, com tramas pesadas e fatalistas, é bom ver o humor de volta. Vicky Cristina Barcelona tem diálogos rápidos e teatrais, cheios de gags cômicas, com um sarcasmo muito mais saudável do que o cinismo dos dois filmes anteriores. Não preciso dizer que Penélope Cruz brilha, que Scarlett Johansson continua cumprindo com esmero seu papel de musa, nem que Javier Bardem e Rebecca Hall estão em boas atuações, tanto do Don Juan artista plástico quanto da acadêmica reprimida. Saltou aos olhos, porém, os quês de Almodóvar que o filme tem, como se Allen tivesse resolvido dar uma passadinha no diretor madrilenho antes de rodar seu filme na Espanha. As cores mais suaves e quentes, vagamente douradas de Vicky Cristina Barcelona são uma referência, assim como o próprio título do filme, que poderia muito bem ser almodovariano. A forma mais relaxada e intensa de conduzir a câmera nas cenas de sexo mostra um frescor que parecia ter morrido, nos sombrios filmes anteriores.

Conhecido no Brasil sobretudo por ser o diretor de Brilho eterno de uma mente sem lembranças, Michel Gondry assina em Rebobine, por favor roteiro e direção, numa uma comédia despretensiosa e leve sobre filmes amadores, no sentido mais profundo da raiz da palavra. O personagem de Jack Black, Jerry Gerber, é magnetizado e, ao entrar na videolocadora onde trabalha um amigo, apaga sem querer todas as fitas VHS. Para tentar ganhar tempo antes que algum cliente entre em contato com o dono da locadora, Jerry coopta o amigo para a idéia de refilmar os títulos, rendendo fitas "suecadas" (aqui, ver o filme será melhor do que qualquer explicação) impagáveis. As refilmagens ultratoscas que fazem parte do repertório de locadora de bairro de qualquer um, como Os Caça-Fantasmas e Conduzindo Miss Daisy, é emocionante. É uma declaração de amor ao cinema de Gondry, impregnada de uma visão de mundo otimista, ao desenhar os laços de uma comunidade. Vale também pela naturalidade com que o diretor aplica ao longa o estilo construído nas dezenas de videoclipes de artistas como Björk, The Chemical Brothers e The White Stripes, cheio de planos-seqüência e efeitos especiais feitos só com a câmera.

A dica para quem se aventurar no próximo Noitão: roupas confortáveis, um pequeno estoque de cafeína, algum lanchinho e muita paciência. Talvez por conta da ótima seleção, o Noitão estava simplesmente lotado. Para evitar penetras, as portas da entrada do HSBC Belas Artes foram fechadas, e a quantidade de fumaça de cigarro estava de deixar tímido qualquer show de jazz. Impossível saber se foi a noitada em claro, mas a educação do público despencou com o correr do relógio, tornando um verdadeiro suplício a convivência de poucos minutos em qualquer uma das abundantes filas da sessão. Mas o prazer de sair com o sol nascendo e a alma lavada valeu agüentar um pouquinho de pirraça.


Verônica Mambrini
São Paulo, 18/12/2008

Quem leu este, também leu esse(s):
01. O canteiro de poesia de Adriano Menezes de Jardel Dias Cavalcanti
02. O Abismo e a Riqueza da Coadjuvância de Duanne Ribeiro
03. A Sombra do Vento, de Carlos Ruiz Zafón de Ricardo de Mattos
04. São Paulo, aos 450, resiste... de Fabio Silvestre Cardoso
05. Mais um coice na nossa cultura de Adriana Baggio


Mais Verônica Mambrini
Mais Acessadas de Verônica Mambrini em 2008
01. Boas histórias — e de verdade - 28/1/2008
02. Religião prêt-à-porter - 10/3/2008
03. Ao vivo do Roda Viva, pelo Twitter - 6/10/2008
04. Noite branca no cinema - 18/12/2008
05. Mitofagia: Machado ao molho pardo - 16/6/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Livro - Ninguém é de Ninguém - Coleção Supertítulos 3
Harold Robbins
Klick
(1997)



Livro - O Beijo da Mulher Aranha
Manuel Puig
Círculo do Livro
(1981)



Festival de Piadas
Varios
Gênero
(2002)



Corpo Sofrido e Mal-amado
Lucy Penna
Summus
(1989)



Um Feixe de Mulheres
Myris de Melo
S Unidas
(1990)



Higiene e Saúde as Dicas de Higeia
Malgorzata Strzalkowska
Salvat
(2011)



Coleção Pessoinhas - Educação Infantil 2 (oral e Escrita)
Varios Autores
Ftd
(2010)



Somente para os Que Amam
Mathias Gonzalez
Ediouro
(1988)



Manual para o Profissional de Vendas
Enrico Castellano
Espaço Editorial
(2000)



Cartas a Meu Filho - Reflexões Sobre Tornar-se Homem
Kent Nerburn
Augustus
(1995)





busca | avançada
47877 visitas/dia
1,6 milhão/mês