Noite branca no cinema | Verônica Mambrini | Digestivo Cultural

busca | avançada
90259 visitas/dia
2,3 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Dois Dobrado - Show especial de São João
>>> Série Brasil Visual tem pré-estreia neste sábado no RJ e estreia dia 25/6, no canal Curta!
>>> Thiago Monteiro apresenta seu primeiro álbum autoral “Despretensioso”, em Rib. Preto - 25/06
>>> DIADORIM | NONADA SP
>>> Porto Blue Sound, festival de música gratuito chega a Belo Horizonte em julho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jensen Huang aos formandos do Caltech
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
Últimos Posts
>>> Cortando despesas
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A poesia afiada de Thais Guimarães
>>> Olimpíadas sentimentais
>>> A Última Ceia de Leonardo da Vinci
>>> Pra que mentir? Vadico, Noel e o samba
>>> O que é canção, por Luiz Tatit
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. Epílogo. Ambaíba
>>> Uma jornada Musical
>>> Evan Williams por Battelle
>>> Um Furto
>>> Jovens blogueiros, envelheçam (extras)
Mais Recentes
>>> Psicopedagogia Clínica - Uma Visão Diagnóstica dos Problemas de Aprendizagem Escolar de Maria Lúcia Lemme Weiss pela Lamparina (2008)
>>> Colaboração Premiada - doutrina e prática de Clayton da Silva Bezerra - Giovani Celso Agnoletto pela Mallet (2016)
>>> Babies Love Cuidado melhor do seu Filho, da Gravidez aos 3 anos - The Carpenters de Vários Autores pela Innovant
>>> Homossexualidade sob a ótica do Espírito Imortal de Andrei Moreira pela Ame (2014)
>>> A Grande Mudança de Nicholas Carr pela Landscape (2008)
>>> Livro Calculo Aplicado Deborah Hughes Hal Ed. 2005 de Deborah Hughes-hallett pela Fisicalbook (2005)
>>> Estrelas Tortas de Walcyr Carrasco pela Moderna (1997)
>>> Nada Easy de Tallis Gomes pela Gente (2017)
>>> A revolução de um talento de Aluizio A Silva pela Vinha (2011)
>>> As Upstarts - Como a Uber, o Airbnb e as Killer Companies do novo Vale do Silício estão mudando o mundo de Brad Stone pela Intrinseca (2017)
>>> Sem Medo de Viver de Max Lucado pela Thomas Nelson Brasil (2009)
>>> Principios De Fisica Vol 2 de Raymond A. Serway pela Cengage (2004)
>>> Filosofia Para Todos de Gianfranco Morra pela Paulus (2001)
>>> Meditando com os metres dos 7 raios de Maria Silvia pela Madras (2004)
>>> An Introduction To The Physics Of Semiconductor Devices (the Oxford Series In Electrical And Computer Engineering) de David J. Roulston pela Oxford University Press (1998)
>>> Manual De Mães E Pais Separado de Marcos Wettreich pela Ediouro (2006)
>>> Manual Para Não Morrer De Amor de Walter riso pela Academia (2017)
>>> Mães De Milhares De Milhares de Márcia Silva pela Vinha (2023)
>>> Patologia Geral - Bogliolo - 3ª Ed. de Brasileiro Filho Geraldo pela Guanabara (2004)
>>> Como Ensinar Seu Bebê A Ler: A Suave Revolução de Glenn e Janet Doman pela Madras (2018)
>>> A Face Cinza da Fé de Jader Guterres Hoffmeister pela Feic (2014)
>>> Introducao A Ciencia Da Computacao de Enrico Giulio Franco Polloni pela Cengage (2003)
>>> Para Tão Longo Amor Tão Curta a Vida de Luís de Camões pela Ftd
>>> Fundamentos de um ministério frutífero de Aluizio A Silva pela Vinha (2018)
>>> Como Passar Em Provas E Concursos de William Douglas pela Impetus (2024)
COLUNAS

Quinta-feira, 18/12/2008
Noite branca no cinema
Verônica Mambrini
+ de 7000 Acessos

O mundo está cheio de cinéfilos puristas. Em alguns lugares, eles se concentram mais do que em outros. Pedacinhos como aquele que vai entre o trecho da avenida Paulista, 900, em que o Reserva Cultural desfigura a fachada do prédio da Gazeta, com o agonizante Gemini logo ali, do lado, até a outra ponta da avenida, descendo pelos cinemas da Augusta, são perfeitos para achá-los (dizem os epidemiologistas que a espécie faz ninhos na região). Alguns têm um fenótipo claramente reconhecível: óculos de armação vermelha, tênis All Star em padrões exóticos, jeans sequinhos, quase colados ao corpo, eventualmente uma lomo à tiracolo. São curiosas as conversas que o vento sopra no ouvido de quem passeia no espigão da Paulista: o cardápio de diretores citados inclui clássicos de Fellini a Rohmer, exotismos orientais e muita, muita citação.

Nada tenho contra esses amores enciclopédicos, compulsivos e sistemáticos. Eu mesma, a meu modo, colecionei os meus queridos entre dezenas de títulos, todos devidamente catalogados por escola cinematográfica, diretor, fases de cada diretor. Mas nos últimos tempos, confesso que cansei um pouco. Resolvi cair de boca por um amor à antiga, pelo cinema, de simplesmente desejar a sala escura, quase que nem ver o que está em cartaz antes de comprar ingresso. Andei até dando um tempo para os diretores e suspirando pelos cantos pelo Louis Garrel. Que eu não seja confundida com a mocinha que vai ao cinema da cidade, louca para ver o galã e desanuviar do cotidiano triste, monótono e opressor, como a Cecília de A rosa púrpura do Cairo. Mas é que o Garrel, todo mundo há de convir, merece suspiros autônomos e independentes do diretor do filme, e é de lamentar profundamente que hoje seja tão mais difícil conseguir um cartaz bonito de publicidade do filme, com os atores, que valha a pena pendurar na parede do quarto. Mas divago; estava para falar do meu primeiro Noitão.

Eu já sabia da existência do Noitão há tempos. Funciona assim: sempre em uma sexta-feira, uma vez por mês, são exibidos três filmes no HSBC Belas Artes, em seqüência, com algum corte temático (ainda que essa "curadoria" muitas vezes exija algum esforço de imaginação para fazer sentido). Quase sempre, inclusos no menu, filmes raros, e nem sempre dos mais palatáveis. A maratona começa à meia-noite, e os sobreviventes, no começo da manhã de sábado, são congratulados com um café da manhã. Meus muitos planos de ir ao Noitão já tinham sido frustrados muitas vezes. Dessa vez, foi tudo perfeito: noite bonita, cardápio de filmes ótimos e companhia ideal ― acho que esse último era o ingrediente que sempre havia faltado. Ao menu da noite: pré-estréia de Rebobine, por favor, de Michel Gondry, Vicky Cristina Barcelona, de Woody Allen, e o terceiro filme, como habitualmente, seria surpresa. Calhou de ser uma comédia francesa divertida sobre uma trupe de teatro decadente: Les Grands Ducs, de 1996, dirigido por Patrice Leconte e com Philippe Noiret, o Neruda de O carteiro e o poeta.

O "novo do Woody Allen" é quase um ritual para perceber a passagem do tempo, e será de luto o ano em que ele não houver. Depois do pessimismo de Match Point e do O sonho de Cassandra, com tramas pesadas e fatalistas, é bom ver o humor de volta. Vicky Cristina Barcelona tem diálogos rápidos e teatrais, cheios de gags cômicas, com um sarcasmo muito mais saudável do que o cinismo dos dois filmes anteriores. Não preciso dizer que Penélope Cruz brilha, que Scarlett Johansson continua cumprindo com esmero seu papel de musa, nem que Javier Bardem e Rebecca Hall estão em boas atuações, tanto do Don Juan artista plástico quanto da acadêmica reprimida. Saltou aos olhos, porém, os quês de Almodóvar que o filme tem, como se Allen tivesse resolvido dar uma passadinha no diretor madrilenho antes de rodar seu filme na Espanha. As cores mais suaves e quentes, vagamente douradas de Vicky Cristina Barcelona são uma referência, assim como o próprio título do filme, que poderia muito bem ser almodovariano. A forma mais relaxada e intensa de conduzir a câmera nas cenas de sexo mostra um frescor que parecia ter morrido, nos sombrios filmes anteriores.

Conhecido no Brasil sobretudo por ser o diretor de Brilho eterno de uma mente sem lembranças, Michel Gondry assina em Rebobine, por favor roteiro e direção, numa uma comédia despretensiosa e leve sobre filmes amadores, no sentido mais profundo da raiz da palavra. O personagem de Jack Black, Jerry Gerber, é magnetizado e, ao entrar na videolocadora onde trabalha um amigo, apaga sem querer todas as fitas VHS. Para tentar ganhar tempo antes que algum cliente entre em contato com o dono da locadora, Jerry coopta o amigo para a idéia de refilmar os títulos, rendendo fitas "suecadas" (aqui, ver o filme será melhor do que qualquer explicação) impagáveis. As refilmagens ultratoscas que fazem parte do repertório de locadora de bairro de qualquer um, como Os Caça-Fantasmas e Conduzindo Miss Daisy, é emocionante. É uma declaração de amor ao cinema de Gondry, impregnada de uma visão de mundo otimista, ao desenhar os laços de uma comunidade. Vale também pela naturalidade com que o diretor aplica ao longa o estilo construído nas dezenas de videoclipes de artistas como Björk, The Chemical Brothers e The White Stripes, cheio de planos-seqüência e efeitos especiais feitos só com a câmera.

A dica para quem se aventurar no próximo Noitão: roupas confortáveis, um pequeno estoque de cafeína, algum lanchinho e muita paciência. Talvez por conta da ótima seleção, o Noitão estava simplesmente lotado. Para evitar penetras, as portas da entrada do HSBC Belas Artes foram fechadas, e a quantidade de fumaça de cigarro estava de deixar tímido qualquer show de jazz. Impossível saber se foi a noitada em claro, mas a educação do público despencou com o correr do relógio, tornando um verdadeiro suplício a convivência de poucos minutos em qualquer uma das abundantes filas da sessão. Mas o prazer de sair com o sol nascendo e a alma lavada valeu agüentar um pouquinho de pirraça.


Verônica Mambrini
São Paulo, 18/12/2008

Mais Verônica Mambrini
Mais Acessadas de Verônica Mambrini em 2008
01. Boas histórias — e de verdade - 28/1/2008
02. Religião prêt-à-porter - 10/3/2008
03. Noite branca no cinema - 18/12/2008
04. Ao vivo do Roda Viva, pelo Twitter - 6/10/2008
05. Mitofagia: Machado ao molho pardo - 16/6/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Depois Da Escuridão
Sidney Sheldon
Record
(2011)



O Romance Inacabado de Sofia Stern
Ronaldo Wrobel
Record
(2016)



Vocabulário Pratico de Viagem. Frances
Vários Autores, Henrique Amat Rego- Tradutor
Clio
(2011)



La Chica del Cumpleaños
Haruki Murakami
Tus Quets
(2018)



Contos Indianos
Stéphane Mallarmé
Experimento
(1994)



Nascentes de Minas: Poesia
Lúcio Faria
Do Autor
(2008)



Sal - Trilogia do Sal Profundo - Volume 1
Maurice Gee
Bertrand Brasil
(2015)



Quer Brincar De Pique-esconde?
Isabella e Angiolina
Ftd
(2021)



Cura 518
Francisco Cândido Xavier
Geem
(1988)



Para que todos sejam um
Dom Orani João Tempesta. O. Cist.
Jmeg
(2013)





busca | avançada
90259 visitas/dia
2,3 milhões/mês