Religião prêt-à-porter | Verônica Mambrini | Digestivo Cultural

busca | avançada
70192 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> “Um pé de biblioteca” estimula imaginação e ajuda a criar novas bibliotecas pelo Brasil
>>> Diálogos na Web FAAP: Na pauta, festivais de cinema e crítica cinematográfica
>>> Pauta: E-books de Suspense Grátis na Pandemia!
>>> Hugo França integra a mostra norte-americana “At The Noyes House”
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Lucas vs. Spielberg
>>> Morando sozinha II
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> A Piauí tergiversando sobre o fim dos jornais
>>> Mário Sérgio Cortella #EuMaior
>>> O Gabinete do Dr. Caligari
>>> Ser intelectual dói
>>> Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge
Mais Recentes
>>> Direito Ambiental Positivo de Fabrício Gaspar Rodrigues pela Campus (2012)
>>> Mandado de Segurança de Luiz Fux pela Dir (2011)
>>> Lula: A opção mais que o voto de Cândido Mendes pela Garamond (2006)
>>> Latinomérica de Marcus Accioly pela Topbooks (2015)
>>> Levando a vida leve de Laura Medioli pela Justo Junior (2005)
>>> Les Filles du Feu / Les Chimères de Gérard de Nerval pela Garnier-Flammarion (1965)
>>> Revolucione sua qualidade de vida - Navegando nas ondas da emoção de Augusto Cury pela Sextante (2002)
>>> Mulheres certas que amam homens errados de Kristina Grish pela Gente (2007)
>>> Pequenos Poemas em Prosa de Charles Baudelaire pela Nova Fronteira (1981)
>>> E de Evidência de Sue Grafton pela Ediouro (1999)
>>> M - O Homem Sensual de Record pela Record (1997)
>>> Verdura? Não! de Claire Llewellyn; Mike Gordon pela Scipione (2011)
>>> @s [email protected] de [email protected] York - as Senhoritas de Nova York de Daniel Piza pela Ftd (1999)
>>> 1 Real de Federico Delicado pela Pulo do Gato (2014)
>>> 1 Real de Federico Delicado pela Pulo do Gato (2014)
>>> 10 Anos Brasil MTV de MTV pela Mtv
>>> 10 Contos de Natal de Gilberto de Nichile pela Scortecci (2015)
>>> 100 Jogos para Grupos de Ronaldo Yudi K. Yozo pela Agora (1996)
>>> 100 Magias para Aumentar Sua Autoconfiança - os Livros Secretos Witch de Disney pela Edelbra (2004)
>>> 100 Magias para Ter um Supergrupo - os Livros Secretos Witch de Disney pela Edelbra (2002)
>>> 100 Magias para Ter um Supergrupo - os Livros Secretos Witch de Disney pela Edelbra (2002)
>>> 100 Segredos das Pessoas de Sucesso de David Niven pela Sextante (2002)
>>> 1000 Formas de Interpretar o Seu Horoscopo de Girassol Edicoes pela Girassol (2006)
>>> 1000 Lugares para Conhecer Antes de Morrer de Patricia Schultz pela Sextante (2006)
>>> 1000 Lugares para Conhecer Antes de Morrer de Patricia Schultz pela Sextante (2006)
>>> 1000 Melhores Segredos Rapidos e Faceis para Voce de Jamie Novak pela Arx (2007)
>>> 1001 E-mails de Cynthia Dornelles pela Record (2003)
>>> 1001 Fantasmas de Heloisa Prieto pela Companhia das Letras (2002)
>>> 1001 Fantasmas de Heloisa Prieto pela Companhia das Letras (2002)
>>> 1001 Fantasmas de Heloisa Prieto pela Companhia das Letras (2002)
>>> 1001 Maneiras de Enriquecer (livro Muito Raro!) de Joseph Murphy pela Record (1966)
>>> 1001 Maneiras de Enriquecer (livro Muito Raro!) de Joseph Murphy pela Record (1966)
>>> 101 Brasileiros Que Fizeram História de Jorge Caldeira pela Estação Brasil (2016)
>>> 101 Experiências de Filosofia Cotidiana de Roger Pol Droit pela Sextante (2002)
>>> 101 Livros Que Mudaram a Humanidade - Coleção Super Essencial de Superinteressante pela Superinteressante (2005)
>>> 101 Lugares para Fazer Sexo Antes de Morrer de Marsha Normandy; Joseph St. James; Alexandre Rosas pela Best Seller (2010)
>>> 102 Minutos: a História Inédita da Luta de Outros; Jim Dwyer pela Jorge Zahar (2005)
>>> 111 Poemas para Crianças de Sérgio Capparelli pela L&pm (2009)
>>> 117 Maneiras de Enlouquecer um Homem na Cama de Margot Saint-loup pela Ediouro (2005)
>>> 12 Anos de Escravidão de Solomon Northup pela Lafonte (2019)
>>> 12 Fábulas de Esopo de Fernanda Lopes de Almeida; Hans Gartner; pela Atica (2000)
>>> 12 Horas de Terror de Marcos Rey pela Global (2012)
>>> 12 Lições para Ser o Pai Ideal de Kevin Leman pela Portico (2015)
>>> 120 Minutos para Blindar Seu Casamento de Renato Cardoso; Cristiane Cardoso pela Thomas Nelson Brasil (2013)
>>> 120 Músicas Favoritas para Piano 8 Edição, Livro Raro! de Mário Mascarenhas pela Irmãos Vitale (1961)
>>> 125 Brincadeiras para Estimular o Cérebro da Criança de 1 a 3 Anos de Jackie Silberg pela Ground (2008)
>>> 125 Brincadeiras para Estimular o Cérebro do Seu Bebê de Jackie Silberg pela Ground (2008)
>>> 13 Chaves para Compreender o Fim dos Tempos de Tim Lahaye; Ed Hindson pela Central Gospel
>>> 13 Mulheres e um Colar de Diamantes de Cheryl Jarvis pela Fontanar (2010)
>>> 1922 a Semana Que Não Terminou de Marcos Augusto Gonçalves pela Companhia das Letras (2012)
COLUNAS >>> Especial Deus tem futuro?

Segunda-feira, 10/3/2008
Religião prêt-à-porter
Verônica Mambrini

+ de 6100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Fui ao guarda-roupa escolher com que religião iria me vestir hoje: zen-budista não... na moda, mas muito exótico. Muçulmana também não, hoje eu acordei libertária, e além do que, tem happy hour e eu não vou deixar de tomar minhas biritas. Mudei de novo, para um look espírita, contemporâneo, urbano, décadence avec élégance, prêt-à-porter para qualquer lugar e ocasião. Mas também não estava rolando.

Um pretinho básico e agnóstico ajuda em qualquer hora (até porque o agnóstico é um candidato em potencial para a conversão), mas confesso que tem dia que eu morro de vontade de sair com uma roupa daquelas que não fica bem em qualquer um. Acho o judaísmo o máximo. Queria poder adotar os costumes sem precisar adotar a religião, mas cairia em um ridículo profundo. Oferecer chocolates e maçãs para desejar um ano doce no Rosh Hashaná, conhecer melhor a sabedoria da Cabala, ter tido um Bat Mitzvah ― como são animadas as festas dos judeus! ― e compartilhar de tantos detalhes, festas e pesares. Mas, a não ser que eu case com um judeu ou tenha uma profunda experiência pessoal que me leve a uma conversão, é um mundo do qual farei parte como espectadora, e olhe lá.

Hoje existe tanta liberdade para se escolher a religião, ou a ciência no lugar dela, que sufoca. Mas a religião é história; ela tem história e muitas vezes, se mistura à origem atávica dos povos. Antes de fundarem a filosofia e o teatro, os gregos inventaram o nascimento dos deuses ― com poesia, é claro. Na Teogonia, poema de Hesíodo, vários deuses, como Cronos, Caos, Eros, Zeus, Urano entram em conflito e geram filhos também divinos, que estabelecem seu reinado sobre o cosmos. Em cada ponto do globo, o surgimento dos povos se explica em uma mitologia própria. Como na glória e ira do deuses dos povos nórdicos, passando por fábulas tribais, até o mito hindu de criação do universo, em que as quatro cabeças de Brahma, os braços de Vishnu, o poder de destruição de Shiva e os muitos elementos simbólicos dizem respeito não apenas à uma idéia de criação, mas a uma cultura, às características naturais de uma região e a como aconteceu ali o processo civilizatório. Há até mil, mil e quinhentos anos, era impensável escolher a própria religião.

A religião tem freqüentemente um papel de demarcador de ritos de passagem e de funções sociais do indivíduo. Em certa medida, facilitava muito as coisas... ter um batizado, primeira comunhão, crisma e casamento deixavam bem claras as fases na vida da pessoa nascida em uma comunidade católica. É uma instituição ajudando você a saber que o tempo está passando e o que as pessoas passam a esperar de você. É um lembrete aos pais, vizinhos e amigos de que você está crescendo e ocupando seu lugar no mundo. Muita gente vive melhor sem essa simbologia, que acaba virando uma amarra e obrigação. Mas nem todo mundo se adapta a tanta liberdade; com a diluição cada vez maior do limite entre a infância, a adolescência, a vida adulta e a maturidade, a falta sinais claros de que a fase de vida está mudando deixa as gerações um pouco desnorteadas. Fases mais longes e menos distintas é uma característica do mundo contemporâneo ocidental, e se a responsabilidade por essa mudança não é da religião, seria ingênuo não reparar que ela teve um papel muito forte na atribuição de sentido às coisas da vida.

Tudo que diz respeito à religiosidade como forma de cultura pode ser apartado da fé. Os princípios de teologia, propriamente ditos, caminham em outra direção, e tendem a ser universais, o que desobriga os adeptos da religião de serem nascidos em determinado grupo histórico ou social. É o que torna conceitualmente possível a conversão. Muitas das religiões protestantes e neo-protestantes são fortemente sustentadas pelo pilar da conversão, o que explica o crescimento vertiginoso delas, seja nos grades centros urbanos ou em rincões do mundo cheios de dor e sofrimento. É de cortar meu coração ver missionários espalhados em lugares remotos (ou nem tão remotos assim) difundindo uma fé construída tão recentemente, com arcabouço bíblico, e passando como um rolo compressor por cima de outras culturas. Toma-se a herança cultural judaica-cristã, dentro de princípios que mal e mal cabem no guarda-chuva conceitual de evangélicos e essa fé engole outras manifestações religiosas (e às vezes costumes incompatíveis com essa forma de cristianismo). Choque de fé contra fé, mas com a nítida desvantagem de que, quem busca converter, irá procurar pessoas e comunidades fragilizadas, e usar a fragilidade como porta de entrada.

Religião é pura linguagem. Existe a experiência mística, que é intransferível. Se uma pessoa experimenta a transcendência (a iluminação, a comunhão com Deus, o amor etc.), ela pode contar aos outros, mas nada substitui a experiência individual. Mas a tentativa de comunicar, seja por apelos racionais, emocionais, filosóficos ou teológicos, é quase sempre um jogo de sedução. Religiões exploram campos lexicais; é quase impossível pensar no Deus monoteísta acima das cabeças cristãs, judias e muçulmanas sem pensar num Pai e Senhor; nem em seus fiéis como filhos, cordeiros, servos. Mas a relação de paternidade e servidão pouco serve às religiões orientais, como o Budismo e Taoísmo. Justamente nas filosofias orientais, a linguagem é mais poética, menos coercitiva, mais reflexiva.

O racionalismo e cientificismo da cultura ocidental hoje tomaram um espaço que as religiões nunca mais terão. O acesso à informação põe em xeque muitas concepções baseadas num conhecimento mais restrito do mundo; possivelmente o mundo para o qual as religiões foram construídas não exista mais, e o homem que era seu motor de propulsão também não. As religiões crescem em terrenos onde existe demanda emocional; onde existe uma necessidade, por exemplo, de um pai e senhor, onisciente e protetor. Claro que existem lugares em que a opção religiosa não é exatamente uma opção; nascer muçulmano no Oriente Médio não deve deixar muita alternativa à maioria das pessoas nascidas nesse contexto. Mas ainda assim, é uma questão muito mais social e histórica do que de fé. Num mundo em que a religião está tão ligada a história, à economia, e aos valores sociais, ainda há muito espaço para Deus. Já num mundo dessacralizado, Deus precisa se virar para ser entendido.

Sou de classe média, minha família não tem religião definida, moro em São Paulo e tenho uma certa cultura cosmopolita, muito mais voltada para o mundo do que para minhas raízes. Em outras palavras, nada em meu cotidiano está vinculado com a religião: nem meus horários, nem minhas refeições, nem meus modos, muito menos minhas roupas são definidos por alguma igreja ou denominação religiosa. Tampouco meus valores, que prefiro condicionar à ética a que à moral. Ainda assim, persistem duas coisas: a regra de ouro e a idéia de Deus, difícil de definir e dar forma. Ao falar de Deus, não consigo defini-lo, tanto quanto minha capacidade de expressão me define.

Mas a regra de ouro das religiões é simples e pacificadora, fundamentada na tolerância. No cristianismo, surge de forma afirmativa: "Tudo aquilo, portanto, que quereis que os homens vos façam, fazei-o vós a eles" (Mateus, 7:14). Confúcio diz a mesma coisa, ao afirmar que "O que vós não quereis que vos façam, não o façais aos outros" (Anacletos, 15:23), assim como o a recomendação pode ser encontrada em O Buda, nas palavras de Maomé, no Mahabharata hindu. Se seguido acima de qualquer interesse, esse princípio é capaz de pôr fim às sanções às mulheres, garantir a liberdade de culto à cada seita, limitar o estrago causado pelo abuso de poder de muitos religiosos. Com ou sem Deus na perspectiva, a regra de ouro é compreensível e praticável.


Verônica Mambrini
São Paulo, 10/3/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Sobre mais duas novelas de Lúcio Cardoso de Cassionei Niches Petry
02. Presenças de Paula Ignacio
03. Ruy Castro para a posteridade de Luis Eduardo Matta
04. Algumas leituras de 2009 de Vicente Escudero
05. Qual é O Segredo? de Tais Laporta


Mais Verônica Mambrini
Mais Acessadas de Verônica Mambrini em 2008
01. Boas histórias — e de verdade - 28/1/2008
02. Religião prêt-à-porter - 10/3/2008
03. Ao vivo do Roda Viva, pelo Twitter - 6/10/2008
04. Noite branca no cinema - 18/12/2008
05. Mitofagia: Machado ao molho pardo - 16/6/2008


Mais Especial Deus tem futuro?
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
11/3/2008
09h45min
Verônica, um dos melhores textos da série. Didático, pontual, leve e vazio de conflitos. Um convite a reflexão com o vigor das constatações. Particularmente, apreciei o uso das referencias históricas e culturais como contraponto. Um texto leve e com um final confessional/quase laico. Adorei.
[Leia outros Comentários de Carlos E. F. Oliveir]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ZÉLIA, UMA PAIXÃO - 4ª EDIÇÃO
FERNANDO SABINO
RECORD
(1991)
R$ 8,00



A GENALOGIA DA MORAL
FRIEDRICH NIETZCHE
ESCALA
(2009)
R$ 8,00



QUANDO DEITEI O COLCHÃO JÁ ESTAVA PEGANDO FOGO
ROBERT FULGHUM
BEST SELLER
R$ 5,00



RIO BRANCO: SUA VIDA SUA OBRA
AFFONSO DE CARVALHO
BIBLIEX
(1995)
R$ 25,82



NELSON RODRIGUES: DRAMATURGIA E ENCENAÇÕES
SÁBATO MAGALDI
PERSPECTIVA
(1987)
R$ 20,00



EDUCAÇÃO E IDEOLOGIA DA ENFERMAGEM NO BRASIL. 1955 - 1980
RAIMUNDA MEDEIROS GERMANO
YENDIS
(2011)
R$ 45,00



MÍSSEIS AR-AR E ANTITANQUE
BILL GUNSTON
NOVA CULTURAL
(1980)
R$ 12,00



AS MELHORES PIADAS DO PLANETA... E DA CASSETA TAMBÉM! 2
BETO SILVA; BUSSUNDA; CLÁUDIO MANOEL; HÉLIO DE LA PEÑA, HUBERT, MARCELO MADUREIRA E REINALDO
OBJETIVA
(1987)
R$ 15,00



A CAMINHO DA FELICIDADE - 30° EDIÇÃO
APÓSTOLO ESTEVAM HERNANDES FILHO
PUBLICAÇÕES GAMALIEL
(2001)
R$ 5,00



O RETRATO DA DAMA
ADRIANO MACEDO
AUTÊNTICA
(2008)
R$ 15,00





busca | avançada
70192 visitas/dia
2,2 milhões/mês