As prisões de Guel Arraes e Cláudio Assis | Lucas Rodrigues Pires | Digestivo Cultural

busca | avançada
56427 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 30/10/2003
As prisões de Guel Arraes e Cláudio Assis
Lucas Rodrigues Pires

+ de 6100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Os filmes de Guel Arraes e Cláudio Assis, respectivamente Lisbela e o Prisioneiro e Amarelo Manga, sofrem de certa prisão a princípios estabelecidos de antemão. O primeiro está preso a certo rótulo de cinema popular, que deu muito certo com O Auto da Compadecida; o outro sofre de vontade demais, de disposição demais para chocar sem pensar muito no processo de realização.

Lisbela e o Prisioneiro é o que se poderia chamar de mais do mesmo, como já dito aqui mesmo neste Digestivo. Dirigido por Guel Arraes, este não tem nenhum pudor em igualar cinema e televisão, ação, aliás, típica de homens da televisão que se aventuram pelos ares do cinema.

Mas em Lisbela o que aconteceu foi que Guel acabou prisioneiro de seu próprio talento, demonstrado em O Auto da Compadecida. E esse espectro gerou nele a repetição, a imitação, a multiplicação e, por conseguinte, exaustão de elementos de uma fórmula, se original em determinado momento, cansativa e despropositada em outro. O filme traz os mesmos atores vivendo praticamente os mesmos personagens de O Auto da Compadecida. Mais uma vez Selton Mello é o herói às avessas, sedutor e malandro; Marco Nanini, de cangaceiro matador em um para corno matador e perseguidor implacável noutro; Virgínia Cavendish e Bruno Garcia são os coadjuvantes de ambos os filmes. Parece que Guel pôs à prova a tese de que “time que se ganha não se mexe”. Só isso para explicar a repetição dos atores, dos personagens, das situações, do humor por vezes inteligente por vezes despropositado. Mas aqui a fórmula saturou, ainda mais com a inclusão de um ator de comédia, Tadeu Mello (da Turma do Didi), que, se nas comédias de Renato Aragão ele funciona bem, num filme como Lisbela seu papel soa forçado e sem graça, ficando nítida a vontade do diretor de expor no cinema certas gags cômicas bem-sucedidas na televisão.

O sertão novamente é o palco da narrativa. Nenhum paralelo ao sertão revolucionário do Cinema Novo, apenas uma decisão em função da obra original de Osman Lins. Pelo contrário, aqui o sertão é palco do lúdico, da malandragem, do espaço do pseudoartista que leva a vida sem pensar no amanhã. Um possível revolucionário, já que Leléu é o pequeno que escapa sempre aos grandes, que se perde pela direção do roteiro, privilegiando o cômico, o farsesco, o supostamente inusitado (que, na verdade, é mais do que já esperado). O que poderia ser um embrião de algo a ser refletido pelo espectador se esvai como a lágrima na chuva pela auto-imposição do diretor de querer fazer um cinema dito popular. Para Guel, esse popular recai nas tendências a igualar duas linguagens diferentes – cinema e televisão –, montar o filme sem deixar uma possibilidade de reflexão e silêncio ao espectador, sem deixar de lado a fórmula hollywoodiana de dar ao público o gosto do final feliz.

Felizmente para os produtores, Lisbela está sendo um sucesso (3 milhões de espectadores). Para quem pensa num cinema brasileiro mais independente e original, fica o aviso de que a almejada indústria de cinema é, infelizmente, isso – filmes para entreter massas e cujo sucesso está cada vez mais permeado pelo extracinema como linguagem (distribuição, comercialização, marketing). Essa discussão e suposto hibridismo de cinema e televisão, sempre em voga no discurso de Guel Arraes quando este fala de seus filmes, já virou redundância. Assim como Lisbela e o Prisioneiro, assim como o próprio Guel. Oxalá o diretor volte a seus bons tempos quando descobrir o que é um e o que é outro, mesmo que ambos sejam a mesma coisa.

Amarelo Manga tem sido o filme que muitos viram como o fôlego de rejuvenescimento que faltava ao cinema brasileiro. Vencedor de diversos prêmios pelo Brasil, essa obra do pernambucano Cláudio Assis é um libelo da ambigüidade encontrada no cinema brasileiro. Tem suas qualidades, em especial nos atores, na fotografia de Walter Carvalho e na fuga do eixo Rio-São Paulo, mas esbarra em elementos muito simples do que se convencionou ser o embrião de revolução, da rebeldia, da renovação: mostrar imagens que chocam. E Amarelo Manga bebe desse elixir alucinógeno – contém imagens que buscam chocar os mais pudicos. A começar pelo cartaz do filme, que só os olhos mais atentos verão um púbis feminino. Cenas da morte de um boi, o sangue escorrendo e o sofrimento do animal contrastam com cadáveres, o púbis loiro em close da dona do bar, as imagens sugeridas pela poesia do amarelo podre e a transformação radical da cristã devota em devassa e transgressora. Tudo muito bem costurado, mas que soa como fetiche do chocante. A intenção do diretor não foi fazer um filme, mas sim chocar uma classe média estabelecida, que é maioria nas salas de cinema. O filme foi um pretexto encontrado para tanto.

Um filme que busca retratar o submundo do Recife parece cuspir seus personagens e lhes vestir carapuças que nos façam repudia-los. O homossexual de Matheus Nachtergaele se mostra implacável ao que se refere à realização de seus desejos. Como não ver certo preconceito e estereotipação quando, num monólogo para o espectador, Dunga diz “Bicha quer, bicha faz!”? Certo que este é o personagem criado por Assis, não é ele uma representação de todos os homossexuais, mas quando se fala em ética no cinema e se critica Cidade de Deus, não podemos fugir da discussão com tal argumento. Que o diretor exponha certo ceticismo e ranço frente à humanidade, é inteiramente compreensível, mas o que Amarelo Manga mostra é toda uma série de personagens que fogem de qualquer esquema de identificação e projeção do espectador. Assis nos afasta de seus personagens, nos nutre certa aversão e a nossa aversão é a mesma dele próprio frente à sua criação. Isso porque nenhum dos personagens é confiável, nenhum deles é valoroso em algum aspecto; ressalta-se o lado obscuro. O que deveria ser uma virtude do filme – bem e mal não estarem pré-definidos – se perde no caminho, o que impede a direta conexão filme-personagem-espectador. Dunga, o homossexual, que em tese teria a virtude de ser mais sensível e compreensível porque sofreria com o preconceito, se mostra sórdido e calculista para atingir seus objetivos; a esposa devota e religiosa, quando descobre a traição do marido, transforma-se em outra mulher, explodindo num casamento de sexo e luxúria do modo mais devasso possível.

Se um filme é algo para ser visto, suas idéias e como elas estão representadas também são. Percebê-las ou não, no campo do consciente, é de cada espectador; já no campo do inconsciente não. Daí toda a polêmica em torno de propagandas com mensagens subliminar consideradas antiéticas.

Pode-se detestar o filme de Assis como também se pode amá-lo, depende de como cada espectador recebe e decifra as imagens exibidas, mas perceber certas reduções representativas de tipos é de responsabilidade daqueles se julgam criadores. O choque como denúncia tem um contexto de existir, mas o choque como mero estratagema de camuflar um sentimento, não.


Lucas Rodrigues Pires
São Paulo, 30/10/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. As sombras e os muros de José J. Veiga de Cassionei Niches Petry
02. Ferreira Gullar ou João Goulart? de Wellington Machado
03. God save the newspapers! de Rafael Rodrigues
04. Leituras, leitores e livros – Parte I de Ana Elisa Ribeiro
05. Todo o tempo do mundo de Vitor Nuzzi


Mais Lucas Rodrigues Pires
Mais Acessadas de Lucas Rodrigues Pires em 2003
01. Babenco traz sua visão do país Carandiru - 17/4/2003
02. O cinema brasileiro em 2002 - 16/1/2003
03. A normalidade sedutora d'Os Normais - 3/12/2003
04. Top 10 da literatura - 16/10/2003
05. O lado A e o lado B de Durval Discos - 3/4/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
20/2/2007
06h16min
Não dá para comparar os dois. Tirem Walter Carvalho de perto de Cláudio Assis, para ver se ele sabe fazer alguma coisa. NADA. Digo porque sei do que estou falando. Guel Arraes é um gênio. Basta. Sabe tudo. Aprendeu cinema lavando o chão do estúdio e limpando moviola com Jean Rouch e Godard. Hoje faz o que quer.
[Leia outros Comentários de emidio cavalcanti]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MADAME EX
HERVE BAZIM
ABRIL
(1983)
R$ 6,90



CURSO DE DIREITO CONSTITUCIONAL POSITIVO
JOSÉ AFONSO DA SILVA
MALHEIROS
(1996)
R$ 22,95



SAGA DES HABITANTS DU VAL DE MOLDAVIE
MARION AUBERT
LES SOLITAIRES INTEMPESTIFS
(2004)
R$ 30,00



MUITAS VIDAS MUITOS MESTRES
BRIAN L. WEISS
SALAMENDRA
(1991)
R$ 25,90



GUIA LONDRES. O GUIA DE VIAGEM MAIS FÁCIL DE USAR
PUBLIFOLHA
PUBLIFOLHA
(2009)
R$ 10,48



PSICOFARMACOS
LEAO HUMBERTO MONTEZUMA SANTIAGO
LEAO HUMBERTO MONTEZUMA SAN
(1976)
R$ 11,76



CACHORROS ENCRENQUEIROS SE DIVERTEM MAIS
JOHN GROGAN
EDIOURO
(2008)
R$ 15,00



DE CONTO EM CONTO VOL 2 - LITERATURA EM MINHA CASA
CARLOS DRUMMOND E OUTROS
ÁTICA
(2002)
R$ 5,00



REVISTA PAULISTA DE MEDICINA VOL. 45 Nª 6
ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE MEDICINA
ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE MEDI
(1954)
R$ 11,05



CAMPANHA DA BIRMANIA
MICHAEL CALVERT
RENES
(1978)
R$ 8,90





busca | avançada
56427 visitas/dia
1,8 milhão/mês