Digestivo nº 142 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
74271 visitas/dia
2,0 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Designer e arquiteto brasileiro, Giovanni Vannucchi participa da VIIBienal Ibero-americana de Design
>>> Risorama anuncia retorno aos palcos com grandes nomes do humor nacional em São Paulo
>>> Inspirado nas Living Dolls, espetáculo de Dan Nakagawa tem Helena Ignez como atriz convidada
>>> As Caracutás apresentam temporada online de Tecendo Diálogos com bate-papo e oficina
>>> Obra de referência em nutrição de plantas ganha segunda edição revista e ampliada
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Carol Sanches, poesia na ratoeira do mundo
>>> O fim dos livros físicos?
>>> A sujeira embaixo do tapete
>>> Moro no Morumbi, mas voto em Moema
>>> É breve a rosa alvorada
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
Colunistas
Últimos Posts
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
Últimos Posts
>>> O poder da história
>>> Caraminholas
>>> ETC. E TAL
>>> Acalanto para a alma
>>> Desde que o mundo é mundo
>>> O velho suborno
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> A Arte de Odiar
>>> Três Irmãs
>>> Sempre procurei a harmonia
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> O ensaísta Machado de Assis
>>> Entrevista com Claudio Willer
>>> Os narradores de Eliane Caffé
>>> 7 de Setembro
>>> 8º Salão do Livro
Mais Recentes
>>> O Mal-Estar da pós-Modenidade de Zygmunt Bauman pela Jorge Zahar (1997)
>>> A Morte da Porta Estandarte e Tati, A Garota e Outras Histórias de Aníbal Machado pela José Olympio (1977)
>>> Ilustração de Moda Masculina de Chidy Waine pela Paisagem (2011)
>>> Deus no pasto de Hermilio Borba Filho pela Civilização Brasileira (1972)
>>> Brasil - O romance (2 volumes) de Erroll Lincoln Uys pela Best Seller (1986)
>>> A metamorfose de Franz Kafka pela Nova Época (1989)
>>> Diário Intimo de Franz Kafka pela Livraria exposição do livro (1964)
>>> Chapeuzinho Amarelo de Chico Buarque pela José Olympio (2011)
>>> Paula de Isabel Allende pela Bertrand Brasil (1997)
>>> História de lince de Claude Lavi-Strauss pela Companhia das letras (1993)
>>> Vida, universo e sabe lá o que mais de Douglas Adams pela Brasiliense (1988)
>>> Nuvens de pássaros brancos de Yasunari Kawabata pela Nova Fronteira (1993)
>>> História de Mayta de Mario Vargas Llosa pela Francisco Alves (1984)
>>> O processo de Franz Kafka pela Círculo do livro (1963)
>>> Ilustrando o Cerrado de Geni ALexandria pela IPHAN (2002)
>>> Cartas aos meus amigos de Franz Kafka pela Nova Época (1978)
>>> Josefina, a cantora de Franz Kafka pela Clube do livro (1977)
>>> As idéias de Freud de Richard Wollheim pela Círculo do livro (1971)
>>> Estudos sobre teatro de Bertold Brecht pela Nova Fronteira (1978)
>>> A ilha de Aldous Huxley pela Civilização Brasileira (1965)
>>> Também o cisne morre de Aldous Huxley pela Livros do Brasil
>>> A situação humana de Aldous Huxley pela Globo (1982)
>>> O grande problema de Aldous Huxley pela Livros do Brasil (1989)
>>> As portas da percepção - O céu e o inferno de Aldous Huxley pela Civilização Brasileira (1971)
>>> Noite sobre as águas de Ken Follett pela Siciliano (1992)
>>> Na toca do leão de Ken Follett pela Record (1986)
>>> A colonia penal de Franz Kafka pela Nova Época
>>> Trump - Atrás dos bastidores de Jerome Tuccille pela Siciliano (1988)
>>> Nos ombros do cão de Miguel Jorge pela Siciliano (1991)
>>> Rei, valete, dama de Vladimir Nabokov pela Artenova (1976)
>>> O que esperar quando você está esperando: Um guia completo para a gravidez de Heidi Murkoff; Arlene Eisenberg; Sandee Hathaway pela Record (2012)
>>> Eminencia parda de Aldous Huxley pela Hemus (1978)
>>> A verdadeira vida de Sebastião Knight de Vladimir Nabokov pela Civilização Brasileira (1961)
>>> Ada ou ardor de Vladimir Nabokov pela Record (1969)
>>> Os Livros e a Camiseta Listrada: Crônicas e Memórias de um Torcedor de Thiago Ingrassia Pereira pela Cirkula (2015)
>>> Lolita de Vladimir Nabokov pela Civilização Brasileira (1959)
>>> O despertar do mundo novo de Aldous Huxley pela Hemus (1977)
>>> Adonis e o alfabeto de Aldous Huxley pela Hemus (1972)
>>> Viagem ao Centro da Terra de Júlio Verne; Walcyr Carrasco pela Moderna (2012)
>>> Satãnicos e visionários de Aldous Huxley pela Cea (1975)
>>> Geração devassa de Aldous Huxley pela Hemus (1974)
>>> Somos todos arlequins de Vladimir Nabokov pela Record (1974)
>>> O mago de Vladimir Nabokov pela Nova Fronteira (1987)
>>> Desespero de Vladimir Nabokov pela Record (1966)
>>> Fogo pálido de Vladimir Nabokov pela Guanabara (1985)
>>> Do Outro Lado do Muro de Maria Paula Roncaglia pela Escrita Fina (2010)
>>> Não se Desespere! Provocações Filosóficas de Mario Sergio Cortella pela Vozes (2014)
>>> Mary de Vladimir Nabokov pela Record (1970)
>>> Pnin de Vladimir Nabokov pela Record
>>> Leonardo Da Vinci de Walter Isaacson pela Intrínseca (2017)
DIGESTIVOS

Terça-feira, 2/9/2003
Digestivo nº 142
Julio Daio Borges

+ de 1900 Acessos




Cinema >>> Esse filme eu já vi
“Lisbela e o Prisioneiro” é “O Auto da Compadecida Reloaded”. Só que sem o texto de Ariano Suassuna e sem a interpretação de Matheus Natchergaele. E com o agravante de que a mesma piada contada duas vezes perde metade da graça. Na verdade, é muita pretensão de Guel Arraes e de Selton Mello achar que poderiam levar o “remake” nas costas, sem os diálogos do dramaturgo paraibano e sem o brilho da estrela de “Woyseck”. Juntando a empáfia dos dois, com as interferências de Paula Lavigne, da sua Natasha Produções e do resto da Família Veloso (Caetano na trilha e o pequeno Zeca numa ponta), tem-se a receita para mais um “Titanic” artístico da Globo Filmes e para o primeiro “blockbuster” de fabricação 100% nacional. Porque Arraes repetiu a fórmula de sucesso do “Auto” (na esperança de atrair, novamente, os mais de 1 milhão de espectadores) e Mello faz, pela segunda ou terceira vez, o mesmo papel de malandro-galã-sonso “do Nordeste”. Aliás, quando é que vamos parar de (daqui do Sul) imitar o sotaque dos nossos compatriotas do Norte, reduzindo a sua cultura a uma meia dúzia de elementos e a sua representação, a três ou quatro trejeitos? Tirando a desonestidade (de reembalar o mesmo produto e entregá-lo, ao consumo, como se fosse “novo”) do diretor e do ator principal, é inacreditável que veteranos como Marco Nanini (no mesmíssimo papel de “matador”) e novatos como Virginia Cavendish (de donzela, no “Auto”, a meretriz, em “Lisbela”) e Bruno Garcia (de valentão a “frouxo”), entre outros, tenham embarcado nessa canoa furada, vendendo gato por lebre, ao público, e mantendo, dentro e fora da fita, uma insustentável cara-de-pau. A platéia, seguindo a tradição de conservadorismo que perpetrou a Rede Globo, rende-se à previsibilidade do roteiro, ri ou chora conforme a música, aceitando alegremente uma segunda porção cinematográfica daquele mesmo universo, aparentemente renovado, mas que se repete em seqüências de irritar o espectador mais atento (ou com uma inteligência menos suscetível às lorotas “globais”). E nós que pensávamos que, com a morte do patriarca do clã dos Marinho, os tentáculos da Vênus Platinada não se estenderiam com a mesma avidez e ambição de antes... Talvez seja mesmo o caso de, como alguém sugeriu, Lula “assumir” esse colosso monstruoso de dívidas, e convertê-lo numa autêntica prestadora de serviços. Preservando, logicamente, a Sétima Arte, de repetecos aberrantes (como esse “Lisbela”), que podem muito bem “colar” na telinha, mas que poderiam nos poupar do desgosto, na telona. [Comente esta Nota]
>>> Mais um capítulo no casamento entre cinema e TV
 



Música >>> Das Kunstwerk der Zukunft
Quem trabalhou (ou trabalha) na região da Avenida Paulista lembra de ouvir música ao meio-dia e de ver uma pequena audiência reunida em volta. Não importa o gênero, os interessados sempre acabam aparecendo. Música erudita, no entanto, é mais rara e mais exigente aos ouvidos. Embora haja a oferta, nem sempre lembrada, de recitais ao vivo (inclusive em outras praças). Isso é em São Paulo. No Rio, funciona, no Paço Imperial, a programação do “ComPasso” (clássico): focada no repertório brasileiro, semanalmente às doze horas de sexta-feira. A Biscoito Fino gravou em disco e o resultado, para quem não conhece, é espantoso. A BF já havia registrado a modalidade “Samba e Choro” (em mais de quatro volumes), mas o prazer de topar com versões inusitadas e elegantes de peças como “O Trenzinho do Caipira”, de Villa-Lobos (na harpa de Cristina Braga), ou da “Bachiana Brasileira nº 1”, do mesmo compositor (na execução da Camerata de Violões, comandada por Paulo Pedrassoli), foge a qualquer descrição. Há ainda a flauta e a bateria, respectivamente de Odette Ernest Dias e Roberto Rutigliano, tocando Bach e Telemann (extrapolando o território nacional), e também o Trio ao Vento abrindo solene o CD com Darius Milhaud. Talvez o maior desafio do repertório dito “erudito” seja provar, ao grande público, que esse tipo de música não é coisa só para “iniciados”. Quantos, em outras épocas, não foram “alfabetizados” musicalmente ouvindo música clássica? Essa discussão nem se coloca no Brasil, onde música popular de qualidade já soa elitista (depois do advento da tevê de massas e, dizem, do Plano Real). Por isso, essas coletâneas (e iniciativas, em locais públicos) são tão admiráveis e necessárias à formação de uma sensibilidade mais apurada. Que a série da Biscoito Fino se desdobre em mais volumes – e que o projeto “ComPasso” encontre equivalente em São Paulo (quem sabe no vão livre do Masp?). [Comente esta Nota]
>>> PrimeiroComPassoClássico - Biscoito Fino
 



Imprensa >>> Que filme vamos ver hoje?
Marcel Plasse. Quem leu mais atentamente sobre cinema ou música, nestes 10 ou 15 anos, conhece o nome. Foi ele um dos criadores da revista “Set”; escreveu críticas antológicas no “Estadão” e na “Folha”; hoje colabora com o “Valor Econômico”. Plasse, no entanto, apesar de ser uma assinatura na grande imprensa, tem uma visão muito peculiar da crise que afeta o setor – e decidiu partir para uma empreitada inovadora, e solo. Sua editora, a Caffeine, está produzindo a revista “Pipoca Moderna”, sobre lançamentos em DVD. Com ela, Marcel derruba alguns paradigmas – ou digamos que, simplesmente, leva algumas tendências atuais dos impressos ao limite. Primeiro: a “Pipoca Moderna” é grátis e não passa por distribuição em banca. Plasse acha que o sistema está falido e culpa-o pelo encolhimento das principais redações. Sua revista pode ser encontrada em locadoras, lojas especializadas e estabelecimentos afins (livrarias, cafeterias, etc.). Quem financia o empreendimento, portanto, são as promoções e os anúncios. Segundo: “Pipoca Moderna” fala evidentemente de sétima arte mas ignora solenemente a programação das salas de cinema e, obviamente, o moribundo mercado de VHS. A escolha é consciente e o foco setorizado no DVD é uma aposta pessoal do editor, que assistiu à derrocada do comércio de CDs (pelos piratas) e à migração das próprias gravadoras (de música) para o universo dos Digital Versatile Discs. Terceiro: “Pipoca Moderna” tem 16 páginas, textos exemplares e diagramação corretíssima – sendo, de ponta a ponta, o que poderíamos chamar de “one-man show”. Plasse, ao mesmo tempo em que “vende espaço” (para a publicidade), assina matérias; ao mesmo tempo em que cuida da “arte”, monta o site da publicação na internet; ao mesmo tempo em que fala ao telefone, atende à campainha e responde ao e-mail. A pergunta crucial é: – Tanto esforço vale a pena? Segundo o próprio realizador: é verdade que tomou prejuízo no primeiro número, mas já empatou a partir do segundo e espera lucrar, sem falsa modéstia, depois de alguns meses. “Pipoca Moderna” já vende assinaturas semestrais e circula com tiragem ambiciosa de 30 mil exemplares. Oxalá continue confirmando as teorias de Marcel Plasse. [Comente esta Nota]
>>> Pipoca Moderna
 



Literatura >>> A última tecno-rave
Don DeLillo deu o ar da graça no festival literário de Paraty e foi muito criticado pela imprensa local em seu novo livro, “Cosmópolis” (Cia. das Letras, 2003). Acontece que pode ter escrito algumas das 50 melhores páginas iniciais de um volume em muito tempo, quando narra as peripécias de um superexecutivo dos anos 2000 que circula incessantemente em sua limusine branca pelas ruas de Nova York. Chamam-no de “surrealista” (?) apenas porque retrata as situações de seu país, os Estados Unidos, com toda a pompa e com todo o exagero que lhes é inerente. DeLillo não mente, e sabe escrever – duas qualidades em falta ultimamente. Sua novela (?) de quase duzentas páginas tem um quê de joyceana, porque se passa toda em um único dia do protagonista. Eric Packer é um desses garotos-prodígio do tempo da “bolha” especulativa, que acumulou bilhões de dólares e vive como um semideus capitalista, com direito a onisciência, onipresença e onipotência. Não tem escritório fixo em nenhum lugar: está em todos ao mesmo tempo, graças às manobras de seu motorista, um performático esquema de segurança e o entra-e-sai dos principais diretores de sua empresa, que falam através de metáforas. (A ambição de DeLillo é oracular e filosófica e, alguns podem achar, ele resvala nos delírios místicos e cibernéticos da geração X, Y, Z ou qual seja.) Além de se alimentar do fluxo de informações de seus monitores de plasma, ler em alemão em suas noites de insônia e decorar nomes científicos de plantas, o sujeito é um atleta sexual, e se reveza entre suas amantes espalhadas pelos bairros da Big Apple. É também casado, com uma poetisa, que herdou uma herança (igualmente bilionária, mas não, como ele, “nouveau riche”) – a qual encontra sempre “by chance” (em locais inusitados), e com quem divide não mais que as refeições do dia. Esse tipinho insolente, que caça na Sibéria e que, por esporte, pilota um bombardeiro russo (pelo qual desembolsou alguns milhões de dólares), ainda aposta sua fortuna contra o iene, enquanto se submete a checkups diários. Irônico que se entregue à morte de braços abertos. (Ninguém se assuste com a revelação: não se trata de um livro de mistério.) DeLillo não explica o final – e nem deve explicar; não é o seu papel. Para quem não gostou: que se atenha às primeiras 50 páginas – essas valem as demais (assim como o conselho vale a repetição). [Comente esta Nota]
>>> Cosmópolis - Don DeLillo - 197 págs. - Companhia das Letras | Don DeLillo encerrou Festa Literária em Paraty
 
>>> MAU HUMOR

“Use toda a sua saúde a ponto de esgotá-la. E gaste todo o seu dinheiro antes de morrer. Não vale a pena sobreviver a essas coisas.” (George Bernard Shaw)

* do livro Mau humor: uma antologia definitiva de frases venenosas, com tradução e organização de Ruy Castro (autorizado)

>>> CHARGE DA HORA: "SE A MODA PEGA..." POR DIOGO



Clique aqui para ver outras charges no diogosalles.com.br


 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




BOA NOITE, DESDÊMONABOM-DIA, JULIETA
ANN-MARIE MACDONALD
BEST SELLER
(2001)
R$ 11,00



MULHER UM PROJETO SEM DATA DE VALIDADE
MALCOLM MONTGOMERY
INTEGRARE
(2010)
R$ 6,90



FORÇA PARA VIVER
JAMIE BUCKINGHAM
BETÂNIA
(1987)
R$ 5,00



PLAYBOY MANU/ PLAYBOY SYANG/PLAYBOY AS GÊMEAS/PLAYBOY AS MALANDRINHAS/PLAYBOY AS GAROTAS DA COPA
DIVERSOS
ABRIL
(2002)
R$ 76,00



NOSSA ESPERANÇA
JOHN PIPER
IMPACTO PUBLICAÇÕES
(1986)
R$ 25,00
+ frete grátis



DICIONÁRIO LAROUSSE ESPANHOL-PORTUGUÊS/PORTUGUÊS-ESPANHOL AVANÇADO
JOSE A. GALVEZ
LAROUSSE
(2006)
R$ 22,00



TRUMP ATRÁS DOS BASTIDORES
JEROME TUCCILLE
SICILIANO
(1988)
R$ 5,00



QUEM SAI AOS SEUS...
JOSÉ GAMEIRO
AFRONTAMENTO
(1994)
R$ 11,16



AS JÓIAS DO REI PELÉ
CELSO DE CAMPOS JUNIOR
REALEJO
R$ 150,00



ALINE E SEUS DOIS NAMORADOS
ADÃO ITURRUSGARAI
L&PM POCKET
(2001)
R$ 8,38





busca | avançada
74271 visitas/dia
2,0 milhões/mês