Shadow of the Vampire | Daniela Sandler | Digestivo Cultural

busca | avançada
70300 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Samir Yazbek e Marici Salomão estão à frente do ciclo on-line “Pensando a dramaturgia hoje”
>>> Chá das Cinco com Literatura recebe Luís Fernando Amâncio
>>> Shopping Granja Vianna de portas abertas
>>> Teatro do Incêndio lança Ave, Bixiga! com chamamento público para grupos artistas e crianças
>>> Amantes do vinho celebram o Dia Mundial do Malbec
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> La Guerra del Fin del Mundo
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Alfredo Bosi e a dignidade da crítica
>>> Pi, o [fi]lme, e o infinito no alfa
>>> Sábia, rubra, gorda (e gentil)
>>> Sol sem luz
>>> Letícia Sabatella #EuMaior
>>> Réquiem reloaded
Mais Recentes
>>> Quase Tudo Em Cinco Envelopes de Lucio Pessoa pela Giostri (2016)
>>> O Romance da Besta Fubana de Luiz Berto pela Bagaço (1995)
>>> Odisséia- Adap. Roberto Lacerda de Homero pela Scipione (1997)
>>> Perdidos na Lua de André Laurie pela Nacional (1984)
>>> Onde Fica o Ateneu? - Com Suplemento de Luiz Gê; Ivan Jaf pela Atica (2008)
>>> Faz de Conta de Mirna Pinsky pela Moderna (1984)
>>> Ioga e Meditação de Swami Tilak pela Didatica e Cientifica Ltda (1991)
>>> Madman Vol. 1 de Mike Allred pela Dark Horse Comics (2006)
>>> O Estudante de Adelaide Carraro pela Global (1987)
>>> Seleções Março de 1975 de Vários pela Readers Digest (1975)
>>> Gotham City Contra o Crime - Vol. II de Greg Rucka pela Panini (2005)
>>> Shocking Pink de Erica Spindler pela Mira Books (1998)
>>> Seleções -março de 1973 de Varios pela Readers Digest (1973)
>>> E Agora? de Odettte de Barros Mott pela Brasiliense (1978)
>>> Texhistórica Nº41 de Da Editora pela Globo (2000)
>>> Todas as Coisas sem Nome de Walther Moreira Santos pela Cepe (2017)
>>> A Dama das Camélias de Alexandre Dumas pela America do Sul (1988)
>>> A Testemunha Ocular do Crime de Agatha Christie pela Circulo do Livro
>>> Um Passe de Magica de Agatha Christie pela Record
>>> Assassinato no Campo de Golfe de Agatha Christie pela Adameri (1974)
>>> O Caso dos Dez Negrinhos de Agatha Christie pela Abril Cultural (1981)
>>> Por Que Ele Não Ligou? de Matt Titus - Tamsen Fadal pela Sem Fronteiras (2021)
>>> Granite man de Elizabeth Lowell pela Mira Books (1991)
>>> Cipreste Triste de Agatha Christie pela Nova Fronteira (1975)
>>> Mistério no Caribe de Agatha Christie pela Nova Cultural (1987)
COLUNAS >>> Especial Oscar 2001

Domingo, 25/3/2001
Shadow of the Vampire
Daniela Sandler

+ de 4200 Acessos

"O filme de terror mais realista já feito até então." A frase se refere a Nosferatu (1922), do diretor alemão Friedrich Murnau e baseado no romance Drácula, do inglês Bram Stoker. Bem podia remeter a Shadow of the Vampire (A sombra do vampiro, E. Elias Merhige, 2000), a reconstituição da filmagem de Nosferatu em que a sentença é proferida.

O toque de mestre do filme, que concorre a dois Oscar (ator coadjuvante, para Willem Dafoe, e maquiagem), é caracterizar Max Schreck, ator que se tornou mítico por sua interpretação do vampiro em Nosferatu, como um vampiro de verdade. Parece simples, quase infantil - mas o filme desenvolve a premissa com incrível complexidade.

Shadow of the Vampire multiplica ao infinito o "filme dentro do filme" - recurso conhecido como mise-en-abime, em que uma imagem é refletida ou contida por si mesma indefinidamente. Por exemplo, quando uma televisão mostra em sua tela uma idêntica televisão que mostra em sua tela uma idêntica televisão que mostra em sua tela uma idêntica televisão…

Assim, em Shadow of the Vampire, Max Schreck não é um ator que interpreta um vampiro - mas, nas palavras do Murnau fictício, um vampiro que interpreta um ator interpretando um vampiro. O filme revê não apenas a produção de Nosferatu, mas reflete sobre a história e a produção do próprio cinema.

Na cena inicial, vemos Murnau (John Malkovich) dirigindo a atriz principal, que, em Nosferatu, é objeto da obsessão do Conde Orlok, o vampiro. A atriz reclama dos sacrifícios que tem de fazer para atuar com Murnau. A tela enquadra uma câmera - a lente negra e opaca da filmadora com a qual Murnau registrava a cena. "Pense no que estou lhe dando em troca, Greta", diz Murnau. "A imortalidade." A gravação em celulóide, para a posteridade, vai durar mais que a vida dos atores, vai amplificar suas imagens para além do tamanho limitado e da presença física de seus corpos.

Obviamente, a imortalidade é também a promessa do vampiro. O sacrifício da "encarnação" humana, da luz do dia, do reflexo no espelho, em troca da existência eterna, mas fantasmática.

O filme brinca com estereótipos do "mundo do cinema". A atriz principal é bela, glamourosa e viciada em morfina. O diretor, além de drogado, passa as noites em cabarés. Nesse clima de vidas desregradas, em que se troca o dia pela noite e os comportamentos excêntricos são tolerados em nome do talento, as esquisitices do vampiro não destoam. O fato de Schreck aparecer à equipe de filmagem somente fantasiado de vampiro, e exigir ser chamado de Conde Orlok, é visto como um "peculiar método de interpretação" de admiráveis resultados. Quando o vampiro/ator/vampiro morde e chupa o sangue de um pássaro na frente do produtor e do roteirista, que estão bêbados, o ato é recebido com risadas e deleite.

Mas, se a fantasia do filme é sedutora, seu realismo é trágico. O vampiro começa a matar os integrantes da equipe. Para filmar sua obra-prima, Murnau vende a alma. As cenas de terror que capta são verossímeis porque são reais: o pavor nos olhos dos atores, a mordida do vampiro, a morte em frente à câmera. Dificil não pensar nos legendários "snuff films", em que atores são estuprados e assassinados no set de filmagem para produzir fitas hiper-realistas vendidas no mercado negro. Shadow of the Vampire coloca todos nós, espectadores de fitas "inocentes", na posição do voyeur sádico...

A ilusão de realidade da câmera distingue o cinema do teatro - neste, convenção e artificialismo fazem parte do "contrato" entre platéia e artistas. O cinema dilui a fronteira entre arte e vida real, não só por causa do naturalismo da imagem filmada, mas também por dar aparência real a fantasias.

E não é isso que Shadow of the Vampire faz, apresentando Max Schreck como um vampiro de verdade? Mas o faz cinicamente, já que nós, espectadores do século 21, sabemos "muito bem" que vampiros não existem.

Mas esse não é o caminho do filme. Sua conclusão é uma pergunta angustiada: o que é preciso para filmar uma obra-prima? De quem é o mérito? Schreck seria um ator talentoso, ou todo o poder de sua interpretação viria do fato de ele ser um vampiro? Murnau seria um diretor genial, ou todo o seu gênio estaria em ter encontrado um vampiro de verdade e ter tido a coragem (ou a loucura) de filmá-lo?

Quem parece fazer todo o trabalho é a câmera - o desencarnado olho negro e opaco, desumano, capaz de capturar o "real" à sua frente, capaz de captar até mesmo a imagem do vampiro (que não aparece em espelhos).

Mas, de novo, como no mise-en-abime, essa não é a conclusão final. Afinal, Shadow of the Vampire - o filme - é uma obra cuidadosamente composta, em que as marcas da criação, do talento e do trabalho do diretor, do roteirista e dos atores estão em todo lugar: as interpretações brilhantes de Dafoe e de Malkovich, a inteligência do roteiro, a sutileza e precisão das imagens.

Nao é apenas a Nosferatu que Shadow of the Vampire se refere - em que pese a rica história do filme, refilmado com o mesmo título por Werner Herzog em 1978 (com um ator igualmente mítico, Klaus Kinski). A sombra do vampiro está em todos os filmes, em todo o cinema. A imagem projetada na tela consiste na luz atravessando o celulóide: a luz projetando as sombras da película. (Não seria o teatro de sombras um ancestral do cinema?) Acendam-se as luzes e, como o vampiro exposto à luz do sol, a imagem se desfaz, desaparece. Quem assistir a Shadow of the Vampire entenderá...


Daniela Sandler
Riverside, 25/3/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Senna de Paulo Polzonoff Jr
02. Meu beijo gay de Paulo Polzonoff Jr
03. Caetano, não seja velho coronel de Humberto Pereira da Silva
04. A verdadeira resistência de Celso A. Uequed Pitol
05. O Corno em Série de David Butter


Mais Daniela Sandler
Mais Acessadas de Daniela Sandler em 2001
01. O primeiro Show do Milhão a gente nunca esquece - 8/8/2001
02. Quiche e Thanksgiving - 21/11/2001
03. A língua da comida - 29/5/2001
04. Mas isso é arte??? - 29/8/2001
05. Notícias do fim-do-mundo - 24/10/2001


Mais Especial Oscar 2001
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Bichinhos do Brasil
Douglas Reis
Autodidata
(2008)



Os Homens dos Pés Redondos
Antônio Torres
Record
(1999)



Entre o Sensível e o Comunicacional
Bruno Souza Leal et alli
Autêntica
(2010)



Precificação e Comercialização Hedônica
Luiz Paulo Lopes Fávero
Saint Paul
(2006)



Brunner & Suddarth Tratado de Enfermagem Medico Cirurgica Vol 4
Suzanne C Smeltzer / Brenda G Bare
Guanabara/koogan
(2000)



Amor Em S. Petersburgo
Heinz G. Konsalik
Record
(1998)



Curso de Direito Tributário Volume 2
Ives Gandra da Silva (capa Dura) 5ª Edição
Cejup
(1997)



Odisséia do Teatro Brasileiro
Silvana Garcia (organizadora)
Senac São Paulo
(2002)



Dossiê Colômbia; Salas de Bate Papo Virtuais
Comunicação e Política Vol 21 - N.º 1
Cebela (rj)
(2008)



Lobos
Rubem Mauro Machado
Record
(1997)





busca | avançada
70300 visitas/dia
2,6 milhões/mês