O Menino que Morre, ou: Joe, o Bárbaro | Duanne Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
54626 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Sobre o Jabá
>>> Crise da Democracia
>>> Bill Gates e o Internet Explorer
>>> LEM na TV Cronópios
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Poesia para jovens
>>> São Paulo, que dá nome à nossa cidade
>>> Viagem a 1968: Tropeços e Desventuras (3)
>>> Um estranho incidente literário
>>> Na Cama Com Tarantino
Mais Recentes
>>> O Cipreste no Jardim de Osho pela Cultrix (1997)
>>> Los Hermanos Rico de Georges Simenon pela Punto de Lectura (2005)
>>> Não conte a ninguém de Harlan Coben pela Arqueiro (2009)
>>> Uma dobra no tempo de Madeleine L'Engle pela Harper Collins (2017)
>>> Diários de Berlim de Marie Vassiltchikov pela Boitempo (2015)
>>> Fidel Castro. Biografia a Duas Vozes de Ignácio Ramonet pela Boitempo (2016)
>>> Globalização, Dependência e Neoliberalismo na América Latina de Carlos Eduardo Martins pela Boitempo (2011)
>>> Paris, Capital da Modernidade de David Harvey pela Boitempo (2015)
>>> Geriatria Moderna Para Leigos - Série Viver A Vida de Newron Luiz Terra e Colaboradores pela Leitura XXI (2007)
>>> O Ano I da Revolução Russa de Victor Serge pela Boitempo (2007)
>>> Práticas Psicogerontológicas Nos Cuidados De Idosos de Eliana Novaes Procópio pela Juruá (2012)
>>> O Envelhecimento de Luiz Eugênio Garcez Leme pela Contexto (1998)
>>> A Ilíada (Em Verso) de Homero pela Ediouro
>>> Psicogerontologia Fundamentos e Práticas de Diana Silvina Singer e Colaboradores pela Juruá (2009)
>>> A Montanha que Devemos Conquistar de István Mészáros pela Boitempo (2015)
>>> Desenvolvimento e Envelhecimento: Perspectivas biológicas, psicológicas e sociológicas de Anita Liberalesso (org.) pela Papirus (2012)
>>> A Ilíada (Forma Narrativa) de Homero pela Ediouro
>>> Poder e Desaparecimento de Pilar Calveiro pela Boitempo (2019)
>>> Eneida de Virgílio pela Ediouro
>>> As Ilusões Perdidas de Honoré de Balzac pela Abril Cultural (1978)
>>> A Aldeia Ancestral de Pearl S. Buck pela Gráfica Brasileira (1950)
>>> Trabalho e Dialética - Hegel, Marx e a Teoria Social do Devir de Jesus Ranieri pela Boitempo (2011)
>>> Crime e Castigo - 2 volumes de Dostoiévski pela Abril Cultural (1979)
>>> O Conhecimento do Cotidiano As Representações Sociais Na Perspectiva Da Psicologia Social de Mary Jane Spink (org) pela Brasiliense (1995)
>>> Lutas de Classes na Alemanha de karl marx e Friedrich Engels pela Boitempo (2010)
>>> O Conhecimento Confiável: Uma Exploração Dos Fundamentos Para a Crença na Ciência de John Ziman pela Papirus (1996)
>>> O Paradoxo da Moral de Vladimir Jankelevitch pela Papirus (1994)
>>> Uma Mensagem Profética Para Sua Vida de Silas Malafaia pela Central Gospel (2011)
>>> Educação não é privilégio de Anísio Teixeira pela Ufrj (2007)
>>> Germinal de Émile Zola pela Abril Cultural (1979)
>>> Soledad no Recife de Urariano Mota pela Boitempo (2009)
>>> Quando A Nossa Fé É Provada de Silas Malafaia pela Central Gospel (2011)
>>> As Aventuras do Sr. Pickwick de Charles Dickens pela Abril Cultural (1979)
>>> No Caminho de Swann de Marcel Proust pela Abril Cultural (1979)
>>> Dom Quixote de La Mancha de Cervantes pela Abril Cultural (1978)
>>> Aborto Perda e Renovação: Um Paradoxo Na Procura da Identidade Feminina de Eva Pattis pela Paulus (2000)
>>> Ana Karênina - 2 volumes de Tolstói pela Abril Cultural (1979)
>>> Sonhos A Essência Orientando A Existência de Djalma Argolo pela Amar (2012)
>>> A Sabedoria dos Sonhos Para Desvendar O Inconsciente Feminino de Karen A. Signell pela Ágora (1998)
>>> Vivências da Maternidade e Suas Consequências Para o Desenvolvimento Psicológico do Filho de Eliana Marcello de Felice pela Vetor (2006)
>>> Os Sentidos Do Sintoma Psicanálise E Gastroenterologia de Paulo Roberto de Sousa pela Papirus (1993)
>>> Almas Mortas de Nikolai Gógol pela Abril Cultural (1979)
>>> O Menino Que Não Conseguia Parar De Se Lavar: Experiência e Tratamento do Distúrbio Obsessivo- Compulsivo de Judith L. Rapoport pela Saraiva (1990)
>>> As Três Irmãs - Contos de Tchekhov pela Abril Cultural (1979)
>>> O Pai e a Psique de Alberto Pereira Lima Filho pela Paulus (2002)
>>> Privação e Delinquência de D. W. Winnicott pela Msrtins Fontes (2015)
>>> Laços e Rupturas: Leituras Psicanalíticas Sobre Adoção e o Acolhimento Institucional de Maria Luiza de Assis Moura Ghirardi e Márcia Porto Ferreira (orgs) pela Escuta (2016)
>>> O filósofo e sua história de Michael B. Wringley (org.) pela Fapesp (2003)
>>> Cadernos de Tradução de Núcleo de Tradução pela Universidade Federal de Santa Catarina (1999)
>>> Afro Ásia 41 de Centro de Estudos Afro Orientais pela Universiadade Federal da Bahia (2011)
COLUNAS

Terça-feira, 8/5/2012
O Menino que Morre, ou: Joe, o Bárbaro
Duanne Ribeiro

+ de 3400 Acessos

Joe é o menino que morre. É o que diz a profecia. Na etapa final de sua jornada, o veremos frente a frente com a representação da morte, um soldado cabeça-de-caveira sentado em um trono, atrás dele uma bandeira dos Estados Unidos alterada, de cores sombrias: o vermelho e branco das listras trocados por azul e preto, as estrelas pretas em fundo vermelho. O local do encontro é um campo de batalha: ali e além se confrontam os exércitos da escuridão e da luz. Centenas de portas flutuam acima da batalha final entre as partes; portas talvez a outro mundo, ao mundo real de Joe, em que sofre uma crise de hipoglicemia e se arrasta pela sua própria casa em semiconsciência, vivendo uma alucinação e se aproximando de uma morte apenas trivial. Joe é um adolescente banal, com problemas na saúde, na família, na escola.

Criada e roteirizada por Grant Morrison e desenhada por Sean Murphy, a minissérie Joe, O Bárbaro terminou de ser publicada pela Vertigo neste mês de abril (oito partes, edições 21 a 28, ainda disponíveis pelo site). A HQ terá em breve uma adaptação cinematográfica. É um conto que fala de guerra, doença, medo e morte, e de um garoto obrigado a enfrentá-los, de uma vez e sem controle do próprio corpo. Joe é um herói improvável.

O diabetes se tornou crítico e causou as alucinações após um dia particularmente ruim. Sem muitos amigos, introspectivo, Joe é perturbado pelos bullies típicos, sofre pela morte do pai (ocorrida em uma incursão militar no Iraque) e a casa em que mora com a mãe está para ser perdida, por falta de documentos que comprovem a propriedade. No seu quarto, ele se dá conta do baixo nível de glicose. Precisa de açúcar, mas já está abalado. Em pouco tempo, já se vê noutro mundo, Hypogea. Avista um exército em fuga - seus bonecos de super-herói, combalidos e feridos. Eles o reconhecem como um salvador anunciado ("the dying boy"), a esperança contra as hordes do Rei Morte, que destrói aquela dimensão.

A escada que desce à cozinha é uma imensa montanha. A torneira aberta no banheiro deixa a água correr pelos degraus: é uma cachoeira que jorra sobre a pedra. Ao mesmo tempo em que é jogado numa luta que a princípio não é sua, Joe sabe mais ou menos que aquilo não é verdadeiro, que está em sua casa, que passa mal e precisa de pelo menos um refrigerante. É uma dualidade presente em toda a história, e que gera tensão: enquanto briga com criaturas nefastas num mundo, ele está somente tentando chegar ao porão e acender a luz. Não sabe o problema real que tem, e como que enfrenta a metáfora. É uma jornada cega e trágica.

Realidade vs Fantasia
"Eu gosto que minhas criações sejam bem reais e fundadas no dia-a-dia, então eu não quis criar um mundo frívolo de puro faz-de-conta através do espelho ou além do arco-íris. Uma boa história de fantasia precisa de alguma relevância imediata e genuína para o mundo em que vivemos", disse Morrison. O autor procurou por uma doença que pudesse arrancar seu protagonista do mundo real, e encontrou a diabetes: "Eu li vários depoimentos em primeira pessoa, pragmáticos, de partir o coração, sobre como controlar uma crise. Se você é uma criança que carrega uma doença que pode te matar se não monitorada, então você tem uma relação com a morte diferente das outras pessoas, e é disso que a minha obra trata".

Escrevi antes que o poder da fantasia está na sobreposição de real e irreal - a entrevista de Morrisson segue no mesmo sentido dessa afirmação. Há o perigo, no entanto, dessa relação entre o de verdade e o fantástico resultar simplória demais: é a crítica de Hector Lima a Joe - a HQ seria como "um sonho com tags explicativas". Creio que a história consiga ir além da autorreferência simplista: o enredo desmente um paralelo rígido e os personagens têm em si uma riqueza maior do que só o de serem símbolos do protagonista.

Por exemplo: é sugerido às vezes que os mundos se misturam. Em dado momento, Joe está em um quarto de palácio, e dois amigos no corredor externo. Quando passam pela porta, os vemos na casa real, e um deles diz: "Onde é isso?", que seria incompreensível se apenas tivesse se visto em um outro cômodo palaciano. Logo depois, estão todos em Hypogea, e ficamos só com a sugestão. Alguns personagens têm conhecimento de um outro mundo, e mesmo observam o herói nele, através de monitores. E o inimigo máximo parece se reconhecer como parte de uma alucinação: "Consegue sentir? Hipoglicemia. Está suando agora, tremendo, o coração mais parece um cavalo galopante, os membros estão dormentes. Logo a própria consciência cederá espaço a pesadelo e convulsões. Então, eu. Então, morte".

Ou seja, Morrison fundou sua história no cotidiano, mas deixou frestas.

Já os personagens do mundo fantástico, diferente de uma obra como Ponte para Terabítia, em que são apenas traduções de pessoas do mundo real, têm uma riqueza própria, história e personalidade. É o caso de Jack, um rato samurai em Hypogea e o hamster de Joe. O menos corajoso e habilidoso de sete irmãos guerreiros, o único deles que sobrou. Ele terá se tornar maior do que sempre foi. Ou de Zyxxy, que talvez se refira a uma amiga da escola, mas que aqui é a garota audaz da Cidade da Invenção - local em que se louva a criação científica e em que a população, covarde por princípio, não se envolve na guerra. Ela terá de superar os limites do lugar onde nasceu. E assim por diante.

Descoberta da Coragem
Vê-se que além da dupla realidade e fantasia existe outra: a da coragem e do medo. Esses personagens podem ser vistos como representações de Joe, assim como de dificuldades da adolescência: a necessidade de aceitação, a insegurança, o desconhecimento da própria força são constantes. É com esses companheiros que ele segue ao confronto final: os que sobraram, os que nunca tiveram chance alguma, e aos quais cabe a última tentativa. Todos se veem cercados por limitações, mas de repente não podem dar tanto valor a elas. E então podem descobrir a coragem, na forma como a descreveu Mark Twain - não a ausência do medo, mas o passo consciente para além dele.


Duanne Ribeiro
São Paulo, 8/5/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos de Jardel Dias Cavalcanti
02. O papel aceita tudo de Jardel Dias Cavalcanti
03. Três filmes sobre juventude no novo século de Guilherme Carvalhal
04. Meu querido mendigo de Elisa Andrade Buzzo
05. Os dinossauros resistem, poesia de André L Pinto de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Duanne Ribeiro
Mais Acessadas de Duanne Ribeiro em 2012
01. Diário de Rato, Chocolate em Pó e Cal Virgem - 2/10/2012
02. Corpo é matéria, corpo é sociedade, corpo é ideia - 4/9/2012
03. Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge - 14/8/2012
04. Èpa Bàbá Oxalá! na Nota de Real - 3/4/2012
05. Cinco Sugestões a Autores de Ficção Científica - 7/2/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




RECOMEÇOS
DANIELLE STEEL
ALTAYA - RECORD
(1989)
R$ 5,00



A ELEIÇÃO DA CRIANÇADA
PEDRO BANDEIRA
MELHORAMENTOS
(2006)
R$ 10,00



DO MEB À WEB O RÁDIO NA EDUCAÇÃO COL. CULTURA, MIDIA E ESCOLA
NELSON DE LUCA PRETTO
AUTÊNTICA
(2010)
R$ 20,70



O CREPÚSCULO DO MACHO - DEPOIMENTO
FERNANDO GABEIRA
CODECRI
(1981)
R$ 9,00



ALGUNS CONTOS E FÁBULAS DA AMÉRICA DO SUL 2
VÁRIOS AUTORES
PAULUS
(2000)
R$ 4,00



O HOMEM ECONÔMICO RACIONAL
MARTIN HOLLIS E EDWARD J. NELL
ZAHAR
(1977)
R$ 12,00



CLT - LTR CONSOLIDAÇÃO DAS LEIS DE TRABALHO
ARMANDO CASIMIRO COSTA IRANY FERRARI E OUTROS
EDIT LTR
(2007)
R$ 7,90



DESENVOLVIMENTO E DIREITOS HUMANOS: DIÁLOGOS NO FÓRUM SOCIAL MUNDIAL
ABONG
PEIRÓPOLIS
(2003)
R$ 13,00



O EQUILÍBRIO CORPORAL
P. VAYER
ARTES MÉDICAS
(1984)
R$ 10,00



CURSO BÁSICO DE MATEMÁTICA PARA ECONOMISTAS
PAULO TAFNER
PAPEL VIRTUAL
(2002)
R$ 30,00





busca | avançada
54626 visitas/dia
1,3 milhão/mês