O Menino que Morre, ou: Joe, o Bárbaro | Duanne Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
36499 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 8/5/2012
O Menino que Morre, ou: Joe, o Bárbaro
Duanne Ribeiro

+ de 3500 Acessos

Joe é o menino que morre. É o que diz a profecia. Na etapa final de sua jornada, o veremos frente a frente com a representação da morte, um soldado cabeça-de-caveira sentado em um trono, atrás dele uma bandeira dos Estados Unidos alterada, de cores sombrias: o vermelho e branco das listras trocados por azul e preto, as estrelas pretas em fundo vermelho. O local do encontro é um campo de batalha: ali e além se confrontam os exércitos da escuridão e da luz. Centenas de portas flutuam acima da batalha final entre as partes; portas talvez a outro mundo, ao mundo real de Joe, em que sofre uma crise de hipoglicemia e se arrasta pela sua própria casa em semiconsciência, vivendo uma alucinação e se aproximando de uma morte apenas trivial. Joe é um adolescente banal, com problemas na saúde, na família, na escola.

Criada e roteirizada por Grant Morrison e desenhada por Sean Murphy, a minissérie Joe, O Bárbaro terminou de ser publicada pela Vertigo neste mês de abril (oito partes, edições 21 a 28, ainda disponíveis pelo site). A HQ terá em breve uma adaptação cinematográfica. É um conto que fala de guerra, doença, medo e morte, e de um garoto obrigado a enfrentá-los, de uma vez e sem controle do próprio corpo. Joe é um herói improvável.

O diabetes se tornou crítico e causou as alucinações após um dia particularmente ruim. Sem muitos amigos, introspectivo, Joe é perturbado pelos bullies típicos, sofre pela morte do pai (ocorrida em uma incursão militar no Iraque) e a casa em que mora com a mãe está para ser perdida, por falta de documentos que comprovem a propriedade. No seu quarto, ele se dá conta do baixo nível de glicose. Precisa de açúcar, mas já está abalado. Em pouco tempo, já se vê noutro mundo, Hypogea. Avista um exército em fuga - seus bonecos de super-herói, combalidos e feridos. Eles o reconhecem como um salvador anunciado ("the dying boy"), a esperança contra as hordes do Rei Morte, que destrói aquela dimensão.

A escada que desce à cozinha é uma imensa montanha. A torneira aberta no banheiro deixa a água correr pelos degraus: é uma cachoeira que jorra sobre a pedra. Ao mesmo tempo em que é jogado numa luta que a princípio não é sua, Joe sabe mais ou menos que aquilo não é verdadeiro, que está em sua casa, que passa mal e precisa de pelo menos um refrigerante. É uma dualidade presente em toda a história, e que gera tensão: enquanto briga com criaturas nefastas num mundo, ele está somente tentando chegar ao porão e acender a luz. Não sabe o problema real que tem, e como que enfrenta a metáfora. É uma jornada cega e trágica.

Realidade vs Fantasia
"Eu gosto que minhas criações sejam bem reais e fundadas no dia-a-dia, então eu não quis criar um mundo frívolo de puro faz-de-conta através do espelho ou além do arco-íris. Uma boa história de fantasia precisa de alguma relevância imediata e genuína para o mundo em que vivemos", disse Morrison. O autor procurou por uma doença que pudesse arrancar seu protagonista do mundo real, e encontrou a diabetes: "Eu li vários depoimentos em primeira pessoa, pragmáticos, de partir o coração, sobre como controlar uma crise. Se você é uma criança que carrega uma doença que pode te matar se não monitorada, então você tem uma relação com a morte diferente das outras pessoas, e é disso que a minha obra trata".

Escrevi antes que o poder da fantasia está na sobreposição de real e irreal - a entrevista de Morrisson segue no mesmo sentido dessa afirmação. Há o perigo, no entanto, dessa relação entre o de verdade e o fantástico resultar simplória demais: é a crítica de Hector Lima a Joe - a HQ seria como "um sonho com tags explicativas". Creio que a história consiga ir além da autorreferência simplista: o enredo desmente um paralelo rígido e os personagens têm em si uma riqueza maior do que só o de serem símbolos do protagonista.

Por exemplo: é sugerido às vezes que os mundos se misturam. Em dado momento, Joe está em um quarto de palácio, e dois amigos no corredor externo. Quando passam pela porta, os vemos na casa real, e um deles diz: "Onde é isso?", que seria incompreensível se apenas tivesse se visto em um outro cômodo palaciano. Logo depois, estão todos em Hypogea, e ficamos só com a sugestão. Alguns personagens têm conhecimento de um outro mundo, e mesmo observam o herói nele, através de monitores. E o inimigo máximo parece se reconhecer como parte de uma alucinação: "Consegue sentir? Hipoglicemia. Está suando agora, tremendo, o coração mais parece um cavalo galopante, os membros estão dormentes. Logo a própria consciência cederá espaço a pesadelo e convulsões. Então, eu. Então, morte".

Ou seja, Morrison fundou sua história no cotidiano, mas deixou frestas.

Já os personagens do mundo fantástico, diferente de uma obra como Ponte para Terabítia, em que são apenas traduções de pessoas do mundo real, têm uma riqueza própria, história e personalidade. É o caso de Jack, um rato samurai em Hypogea e o hamster de Joe. O menos corajoso e habilidoso de sete irmãos guerreiros, o único deles que sobrou. Ele terá se tornar maior do que sempre foi. Ou de Zyxxy, que talvez se refira a uma amiga da escola, mas que aqui é a garota audaz da Cidade da Invenção - local em que se louva a criação científica e em que a população, covarde por princípio, não se envolve na guerra. Ela terá de superar os limites do lugar onde nasceu. E assim por diante.

Descoberta da Coragem
Vê-se que além da dupla realidade e fantasia existe outra: a da coragem e do medo. Esses personagens podem ser vistos como representações de Joe, assim como de dificuldades da adolescência: a necessidade de aceitação, a insegurança, o desconhecimento da própria força são constantes. É com esses companheiros que ele segue ao confronto final: os que sobraram, os que nunca tiveram chance alguma, e aos quais cabe a última tentativa. Todos se veem cercados por limitações, mas de repente não podem dar tanto valor a elas. E então podem descobrir a coragem, na forma como a descreveu Mark Twain - não a ausência do medo, mas o passo consciente para além dele.


Duanne Ribeiro
São Paulo, 8/5/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Abismo e a Riqueza da Coadjuvância de Duanne Ribeiro
02. Casa Arrumada de Ricardo de Mattos
03. E Foram Felizes Para Sempre de Marilia Mota Silva
04. Lares & Lugares de Ricardo de Mattos
05. Cidade surreal de Elisa Andrade Buzzo


Mais Duanne Ribeiro
Mais Acessadas de Duanne Ribeiro em 2012
01. Diário de Rato, Chocolate em Pó e Cal Virgem - 2/10/2012
02. Corpo é matéria, corpo é sociedade, corpo é ideia - 4/9/2012
03. Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge - 14/8/2012
04. Èpa Bàbá Oxalá! na Nota de Real - 3/4/2012
05. Cinco Sugestões a Autores de Ficção Científica - 7/2/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




TARZAN -GREYSTOKE A LENDA DE TARZAN O REI DA SELVA Nº01-COLORIDO 9057
EDGAR RICE BURROUGHS
EBAL
(1984)
R$ 29,00



DESNUTRIÇÃO E APRENDIZAGEM
JOVELINA BRAZIL DANTAS
ÁTICA
(1981)
R$ 4,90



UMA ESCOLA PARA O POVO
MARIA TERESA NIDELCOFF
BRASILIENSE
R$ 10,00



ÁRVORE DA VIDA - CABALA, CIENCIA OU MISTICISMO?
SIMHON MOUSSA
CAMILA SIMHON
(2015)
R$ 40,00



A CONSTRUÇÃO NO ESPELHO
NILDO CARLOS OLIVEIRA
PINI
(1998)
R$ 20,00



PSICOLOGIA SENSORIAL
CONRAD G.MUELLER
ZAHAR
(1966)
R$ 10,00



MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS - TEORIA E QUESTÕES
LEONARDO FACCINI
CAMPUS
R$ 34,80



GRAMÁTICA DO PORTUGUÊS CONTEMPORÂNEO
CELSO CUNHA
BERNARDO ÁLVARES
(1971)
R$ 15,00



EN ACCIÓN3 CUADERNO DE ACTIVIDADES + CD
MARISA LOMO; CAROLINA O; ROCÍO S;
EN CLAVE ELE
(2007)
R$ 30,00



BRILHO - VOLUME I DE EM BUSCA DE UM NOVO MUNDO
AMY KATHLEEN RYAN
GERAÇÃO JOVEM
(2012)
R$ 12,00





busca | avançada
36499 visitas/dia
1,2 milhão/mês