O Menino que Morre, ou: Joe, o Bárbaro | Duanne Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
107 mil/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> “Sempre mais que um” tem apresentações no Teatro Alfredo Mesquita
>>> Projeto Memória leva legado de Lélia Gonzalez a 7 capitais
>>> '1798 - Revolta dos Búzios' chega ao cinemas
>>> IV Cinefestival International de Ecoperformance divulga sua programação
>>> O Shopping Praça da Moça debuta com show exclusivo da Família Lima
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
Últimos Posts
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A Poética do Extravio, Júlio Castañon Guimarães
>>> Armazém de secos e molhados
>>> Uma nova aurora para os filmes
>>> Jornal da Cultura - 17/11/2014
>>> Páginas e mais páginas da vida
>>> No final do telejornal tinha um poeta...
>>> No final do telejornal tinha um poeta...
>>> Máfia do Dendê
>>> CaKo Machini
>>> Alberto Dines sobre a Copa
Mais Recentes
>>> Drawing On The Right Side Of The Brain de Betty Edwards pela Souvenir Press (2024)
>>> Noção de gerenciamento de Portos de Guilherme Accioly Fragelli pela Clube Naval (2000)
>>> Subterra de Baldomero Lillo, Luisa Rivera, José Miguel Vara pela Liberalia (2010)
>>> A Canoa de Papel - tratado de Antropologia Teatral de Eugenio Barba pela Hucitec (1994)
>>> Poesia Indianista: Obra Indianista Completa : Poesía E Dicionário Da Língua Tupi de Antônio Gonçalves , 1823-1864 Dias pela Martins Fontes (2000)
>>> Era Uma Vez Tiradentes - coleção viramundo de Julieta de Godoy Ladeira pela Moderna (1992)
>>> Noite Na Taverna / Macario - Portugues Brasil de Alvares De Azevedo pela Martin Claret (2011)
>>> Livro Introdução A Economia: Princípios e Ferramentas de Arthur O'sullivan, Steven M. Sheffrin, Marislei Nishijima pela Pearson (2004)
>>> Iracema de José De Alencar pela Melhoramentos (2012)
>>> UNO Educação, Ensino Médio - Gramática Nº 9, 10, 11 e 12 de Vários Colaboradores pela Bercrom (2023)
>>> A Escrava Isaura de Bernardo Guimarães pela Sol90 (2004)
>>> Livro Textos, Compreensão, Interpretação e Produção 21 de Antonio Simplicio Rosa Faria e Produção pela Livro Técnico (1986)
>>> Os Lusíadas - Coleção L de Luiz Vaz de Camões pela L PM Pocket (2015)
>>> Livro Números Irracionais e Transcendentes de Djairo Guedes de Figueiredo pela Sbm (2002)
>>> UNO Educação, Ensino Médio - Literatura Nº 16, 17, 18, 19, 20, 21, 22 e 24 de Vários Colaboradores pela Bercrom (2023)
>>> Livro Do Novo Mundo Ao Universo Heliocêntrico de Luiz Carlos Soares pela Hucitec (1999)
>>> Revolução E Democracia. 1964-... - Volume 3 Das esquerdas no Brasil de Jorge Ferreira e Daniel Aarão Reis pela Civilização Brasileira (2007)
>>> Fazer Pesquisa na Abordagem Histórico Cultural Metodologias Em Construção de Maria Teresa de Assunção Freitas; Bruna Sola Ramos pela Ufjf (2010)
>>> Raul Prebisch - 1901-1986: A construção da américa latina e do terceiro mundo de Edgar J. Dosman pela Contraponto (2011)
>>> Liderando Com Metas Flexíveis de Niels Pflaeging pela Bookman - Grupo A (2009)
>>> Vocabulário Da Psicanálise de Jean-bertrand Pontalis; Laplanche pela Martins Fontes (2001)
>>> Saude E Servico Social de Maria Ines Souza Bravo; Outros autores pela Cortez Edi (2006)
>>> Serviço Social E Saúde: Formação E Trabalho Profissional de Ana Elizabete Mota pela Cortez Edi (2009)
>>> O Mito Da Assistência Social: Ensaios Sobre Estado, Política de Ana Elizabete Mota pela Cortez (2008)
>>> Frankie - Um Homem Desiludido. Um Gato Procurando Um Lar. Uma História Comovente Sobre Uma Amizade E de Maxim Leo; Jochem Gutsch pela Faro Editorial (2024)
COLUNAS

Terça-feira, 8/5/2012
O Menino que Morre, ou: Joe, o Bárbaro
Duanne Ribeiro
+ de 4700 Acessos

Joe é o menino que morre. É o que diz a profecia. Na etapa final de sua jornada, o veremos frente a frente com a representação da morte, um soldado cabeça-de-caveira sentado em um trono, atrás dele uma bandeira dos Estados Unidos alterada, de cores sombrias: o vermelho e branco das listras trocados por azul e preto, as estrelas pretas em fundo vermelho. O local do encontro é um campo de batalha: ali e além se confrontam os exércitos da escuridão e da luz. Centenas de portas flutuam acima da batalha final entre as partes; portas talvez a outro mundo, ao mundo real de Joe, em que sofre uma crise de hipoglicemia e se arrasta pela sua própria casa em semiconsciência, vivendo uma alucinação e se aproximando de uma morte apenas trivial. Joe é um adolescente banal, com problemas na saúde, na família, na escola.

Criada e roteirizada por Grant Morrison e desenhada por Sean Murphy, a minissérie Joe, O Bárbaro terminou de ser publicada pela Vertigo neste mês de abril (oito partes, edições 21 a 28, ainda disponíveis pelo site). A HQ terá em breve uma adaptação cinematográfica. É um conto que fala de guerra, doença, medo e morte, e de um garoto obrigado a enfrentá-los, de uma vez e sem controle do próprio corpo. Joe é um herói improvável.

O diabetes se tornou crítico e causou as alucinações após um dia particularmente ruim. Sem muitos amigos, introspectivo, Joe é perturbado pelos bullies típicos, sofre pela morte do pai (ocorrida em uma incursão militar no Iraque) e a casa em que mora com a mãe está para ser perdida, por falta de documentos que comprovem a propriedade. No seu quarto, ele se dá conta do baixo nível de glicose. Precisa de açúcar, mas já está abalado. Em pouco tempo, já se vê noutro mundo, Hypogea. Avista um exército em fuga - seus bonecos de super-herói, combalidos e feridos. Eles o reconhecem como um salvador anunciado ("the dying boy"), a esperança contra as hordes do Rei Morte, que destrói aquela dimensão.

A escada que desce à cozinha é uma imensa montanha. A torneira aberta no banheiro deixa a água correr pelos degraus: é uma cachoeira que jorra sobre a pedra. Ao mesmo tempo em que é jogado numa luta que a princípio não é sua, Joe sabe mais ou menos que aquilo não é verdadeiro, que está em sua casa, que passa mal e precisa de pelo menos um refrigerante. É uma dualidade presente em toda a história, e que gera tensão: enquanto briga com criaturas nefastas num mundo, ele está somente tentando chegar ao porão e acender a luz. Não sabe o problema real que tem, e como que enfrenta a metáfora. É uma jornada cega e trágica.

Realidade vs Fantasia
"Eu gosto que minhas criações sejam bem reais e fundadas no dia-a-dia, então eu não quis criar um mundo frívolo de puro faz-de-conta através do espelho ou além do arco-íris. Uma boa história de fantasia precisa de alguma relevância imediata e genuína para o mundo em que vivemos", disse Morrison. O autor procurou por uma doença que pudesse arrancar seu protagonista do mundo real, e encontrou a diabetes: "Eu li vários depoimentos em primeira pessoa, pragmáticos, de partir o coração, sobre como controlar uma crise. Se você é uma criança que carrega uma doença que pode te matar se não monitorada, então você tem uma relação com a morte diferente das outras pessoas, e é disso que a minha obra trata".

Escrevi antes que o poder da fantasia está na sobreposição de real e irreal - a entrevista de Morrisson segue no mesmo sentido dessa afirmação. Há o perigo, no entanto, dessa relação entre o de verdade e o fantástico resultar simplória demais: é a crítica de Hector Lima a Joe - a HQ seria como "um sonho com tags explicativas". Creio que a história consiga ir além da autorreferência simplista: o enredo desmente um paralelo rígido e os personagens têm em si uma riqueza maior do que só o de serem símbolos do protagonista.

Por exemplo: é sugerido às vezes que os mundos se misturam. Em dado momento, Joe está em um quarto de palácio, e dois amigos no corredor externo. Quando passam pela porta, os vemos na casa real, e um deles diz: "Onde é isso?", que seria incompreensível se apenas tivesse se visto em um outro cômodo palaciano. Logo depois, estão todos em Hypogea, e ficamos só com a sugestão. Alguns personagens têm conhecimento de um outro mundo, e mesmo observam o herói nele, através de monitores. E o inimigo máximo parece se reconhecer como parte de uma alucinação: "Consegue sentir? Hipoglicemia. Está suando agora, tremendo, o coração mais parece um cavalo galopante, os membros estão dormentes. Logo a própria consciência cederá espaço a pesadelo e convulsões. Então, eu. Então, morte".

Ou seja, Morrison fundou sua história no cotidiano, mas deixou frestas.

Já os personagens do mundo fantástico, diferente de uma obra como Ponte para Terabítia, em que são apenas traduções de pessoas do mundo real, têm uma riqueza própria, história e personalidade. É o caso de Jack, um rato samurai em Hypogea e o hamster de Joe. O menos corajoso e habilidoso de sete irmãos guerreiros, o único deles que sobrou. Ele terá se tornar maior do que sempre foi. Ou de Zyxxy, que talvez se refira a uma amiga da escola, mas que aqui é a garota audaz da Cidade da Invenção - local em que se louva a criação científica e em que a população, covarde por princípio, não se envolve na guerra. Ela terá de superar os limites do lugar onde nasceu. E assim por diante.

Descoberta da Coragem
Vê-se que além da dupla realidade e fantasia existe outra: a da coragem e do medo. Esses personagens podem ser vistos como representações de Joe, assim como de dificuldades da adolescência: a necessidade de aceitação, a insegurança, o desconhecimento da própria força são constantes. É com esses companheiros que ele segue ao confronto final: os que sobraram, os que nunca tiveram chance alguma, e aos quais cabe a última tentativa. Todos se veem cercados por limitações, mas de repente não podem dar tanto valor a elas. E então podem descobrir a coragem, na forma como a descreveu Mark Twain - não a ausência do medo, mas o passo consciente para além dele.


Duanne Ribeiro
São Paulo, 8/5/2012

Mais Duanne Ribeiro
Mais Acessadas de Duanne Ribeiro em 2012
01. Diário de Rato, Chocolate em Pó e Cal Virgem - 2/10/2012
02. Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge - 14/8/2012
03. Corpo é matéria, corpo é sociedade, corpo é ideia - 4/9/2012
04. Èpa Bàbá Oxalá! na Nota de Real - 3/4/2012
05. Cinco Sugestões a Autores de Ficção Científica - 7/2/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Livro Didático Projeto Presente História Ciências Humanas 3
Ricardo Dreguer e Outros
Moderna
(2018)



Melatonina - O poder milagroso da cura
Neil Stevens
Madras
(1998)



Oficina de História - História do Brasil
Flavio de Campos
Moderna
(2000)



Darien - Império De Sal
C. F. Iggulden
Record
(2023)



Princípios de Economia Política 1 e 2
Alfred Marshall
Nova Cultural
(1988)



Kit com livros pocket - 10 Volumes
Agatha Christie
Lpm
(2009)



Livro De Bolso Antropologia Cultura Um Conceito Antropológico
Roque de Barros Laraia
Zahar
(1986)



Insólita Vol.2 – A Máscara de Prata
Julia de Passos Ramalho; Ursula Antunes (org)
Luva
(2021)



Livro Sociologia Cidade Digital - Infoinclusão Social e Tecnologia em Rede
Evandro Prestes Guerreiro
Senac Sp
(2006)



Solidão, Quem é Você?
Simone Martins
Butterfly
(2002)





busca | avançada
107 mil/dia
2,4 milhões/mês