Eu sei o que é melhor pra você | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> A massa e os especialistas juntos no mesmo patamar
>>> Entrevista com Jacques Fux, escritor e acadêmico
>>> Nuno Ramos, poesia... pois é
>>> Literatura e interatividade: os ciberpoemas
>>> O Valhalla em São Paulo
>>> Por dentro do Joost: o suco da internet com a TV
Mais Recentes
>>> Aprenda Xadrez com Garry Kasparov de G. Kasparov pela Ediouro (2003)
>>> Poemas para Viver de P. C. Vasconcelos Jr. pela Salesiana Dom Bosco (1982)
>>> A Casa dos Bronzes de Ellery Queen pela Círculo do livro (1976)
>>> Warcraft Roleplaying Game de Christopher Aylott e outros pela Blizzard / Arthaus / wizards (2004)
>>> A Dama do Lago de Raymond Chandler pela Abril cultural (1984)
>>> ABC do Vôo Seguro de Manoel J. C. de Albquerque Filho pela O Popular (1981)
>>> A Relíquia de Eça de Queirós pela Klick (1999)
>>> Manual Completo de Aberturas de Xadrez de Fred Reinfeld pela Ibrasa (1991)
>>> Para Sempre - Os Imortais - volume 1 de Alyson Noel pela Intrínseca (2009)
>>> A Máscara de Dimítrios de Eric Ambler pela Abril cultural (1984)
>>> Rômulo e Júlia - Os Caras-Pintadas de Rogério Andrade Barbosa pela Ftd (1993)
>>> O Nariz do Vladimir de José Arrabal pela Ftd (1989)
>>> Perigosa e Fascinante de Merline Lovelace pela Nova Cultural (2002)
>>> Brincar de Viver de Maggie Shayne pela Nova Cultural (2001)
>>> O Grande Conquistador de Rita Sofia Mohler pela Escala (1978)
>>> Comédias para se Ler na Escola de Luis Fernando Veríssimo pela Objetiva (2001)
>>> As 21 Irrefutáveis Leis da Liderança de John C. Maxwell pela Agir (2007)
>>> Dungeon master guide de Jonathan Tweet / Skip Williams pela Core Rulebook II (2000)
>>> Disfunção Cerebral Mínima de Antonio Branco Lefévre - Beatriz Helena Lefevre pela Sarvier (1983)
>>> Viagem Fantástica II - Rumo ao Cérebro de Isaac Asimov pela Best Seller (1987)
>>> Tpm Número 57 Maio 2009 de Caetano Veloso pela Trip (2009)
>>> Incorporações Imobiliárias de J. Nascimento Franco/ Nisske Gondo pela Revista dos Tribunais (1984)
>>> Cavalo-Marinho no Céu de Edmund Cooper pela Hemus
>>> Suspensão de Liminares e Sentenças Contrárias ao Poder Público de Elton Venturi pela Revista dos Tribunais (2019)
>>> Revista Trip número 184 de Lyoto Machida pela Trip (2009)
>>> Revista Trip número 132 de Melaine, 21, o primeiro ensaio de uma trip girl na cadeia pela Trip (2005)
>>> A Casa do Penhasco de Agatha Christie pela Nova Fronteira (1996)
>>> A Brasileira de Prazins de Camilo Castelo Branco pela Nova Fronteira (1995)
>>> Seitas e Novos Movimentos Religiosos de Coleção Quinta Conferência pela Paulus (2006)
>>> O Dia da Sua Morte de Neimar de Barros pela Shalom (1987)
>>> A Interpretação Sistemática do Direito de Juarez Freitas pela Malheiros (2002)
>>> Tiras de Letra de Diversos pela Virgo (2003)
>>> O Guia dos Curiosos de Marcelo Duarte pela Cia das letras (2001)
>>> Ensaio sobre a Cegueira de José Saramago pela Cia. das Letras (1998)
>>> Quebrando o Código da Vinci de Darrell L. Bock, Ph.D. pela Novo século (2004)
>>> O Caso dos Irmãos Naves de João Alamy Filho pela Círculo do livro (1978)
>>> Hercólubus ou Planeta Vermelho de V. M. Rabolú pela Milenium Edições do Brasil (2003)
>>> Anjo da Morte de Pedro Bandeira pela Moderna (1996)
>>> História Social da Criança e da Família de Philippe Ariès pela Guanabara (1973)
>>> Homo Loquens - O Homem como Animal Falante de Dennis Fry pela Zahar (1977)
>>> Homem Total e Parapsicologia de Albino Aresi pela Albino Aresi (1982)
>>> Ilusões - As Aventuras de um Messias Indeciso de Richard Bach pela Record (1977)
>>> Buddha de Ordem do Graal na Terra pela Círculo do livro (2002)
>>> Você verdadeiramente nasceu de Novo da Água e do Espírito? de Paul C. Jong pela Hefzibá (2002)
>>> Trip número 139 de Danielli Freitas pela Trip (2005)
>>> 500 Perguntas sobre Sexo de Laura Muller e Nélson Vitiello pela Objetiva (2002)
>>> Direito Eleitoral Brasileiro:... (acompanha Cd) de Thales Tácito Pontes Luz de Pádua Cerqueira pela Del Rey/ Belo Horizonte (2004)
>>> Iniciação à Sociologia de Nelson Dacio Tomazi pela Atual (1993)
>>> Memórias do Armandinho Do Bixiga de Depoimento a Júlio Moreno pela Senac de SP./ SP. (1996)
>>> Convite a filosofia de Marilena Chauí pela Ática (1998)
COLUNAS

Sexta-feira, 4/3/2005
Eu sei o que é melhor pra você
Julio Daio Borges

+ de 5200 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Há muito tempo, numa galáxia distante, eu tinha 20 e poucos anos e queria ser escritor. Um amigo, da faculdade, então me falou de um editor. Eu nem sabia para que é que servia, mas ele decidiu me apresentar ao cara. Naquela época, não existia e-mail ainda. Inspirado nesse meu amigo, eu havia produzido um "conto" incipiente, e acho que até outro, assim escrevi para o tal editor, mandando o meu material. Era um sobrenome francês e como eu estudava francês naquela data, devo tê-lo impressionado por conseguir colocar os acentos no lugar, e saber pronunciar.

O fato é que o sujeito me contatou. E decidiu marcar uma reunião. E lá fui eu, com meu amigo a tiracolo, para um apartamento perto do shopping Paulista. Se eu já conhecesse a expressão, diria que parecia um "aparelho", daqueles que se usava no tempo da guerrilha e da ditadura militar. Esperávamos numa sala e falávamos um de cada vez com o editor; não tinha cara de que alguém morava lá. O sujeito, muito falastrão, me prometeu, à sua maneira, mundos e fundos. Saí do lugar achando que ia me consagrar.

Eu tinha 20 e poucos anos, vamos lembrar. O editor me prometeu uma antologia, da qual nunca vi a cor (apesar de ter depositado uma parcela do custo adiantado). Ele pretendia reunir um certo número de autores inéditos, dividir o negócio em capítulos e lançar na Livraria da Vila. Brandia um pequeno volume, editado no ano anterior, e, graças a isso (acho), eu e meu amigo acreditamos nas suas lorotas. O cara desapareceu e voltou, no ano seguinte, meses depois, querendo me empurrar um curso para escritores — justificando que aquela primeira parcela (já depositada) serviria para custeá-lo e para, só então, depois, montar a antologia sonhada. Não aceitei e o homem evaporou no ar.

Mas não é de trambiqueiros que eu ia falar. Quem escreve, ou quis escrever um dia, tem uma história parecida; não é novidade. Eu ia falar dessas pessoas que sabem, de antemão, sem te conhecer, surpreendentemente o que é "melhor" pra você. Como um vidente; ou uma cartomante.

Antes de sumir com a minha grana, o tal "editor" quis, é claro, mexer nos meus textos. Eu produzi alguns pra ele ver e até me arrisquei em poesia (gênero do qual eu não entendia patavina). Apesar de picareta, ele tinha uma noção de literatura, sim. Mas o que me irritou, mais do que o calote posterior, foi a autoridade de que ele se investiu, para me criticar, e pior, muito pior, para dizer qual caminho eu deveria seguir como escritor. Não é que ele me perguntou o que eu queria fazer, e nem me alertou sobre a sina dos escritores no Brasil, ele — ensaiando adivinhação — me empurrava numa direção em que eu não queria seguir apenas porque ele achava melhor. É absurdo, mas acontece toda hora. Aconteceu, por exemplo, de novo, na semana passada.

Para terminar com o editor, ele chamou um conto meu de "espirro", porque simplesmente não retomava, digamos, a linha "religiosa" de minha primeira produção. Descobri, antes ou depois (não lembro), que ele era da Opus Dei (por isso a aparência de clandestinidade do escritório/apartamento). Como se não fosse suficiente para caracterizar suas verdadeiras intenções (eu tinha 20 e poucos anos, lembremos novamente), o tipo tentava nos convencer a, no futuro, traduzir uma biografia do Papa (depois da anunciada antologia), sob o fortíssimo argumento de que "o Papa é [era] pop"...

Ele fazia o que muita gente sem escrúpulos faz até hoje com aspirantes a escritores novos e desinformados: ele fingia vender um pacote literário para esses pobres escrevinhadores novatos, mas, na verdade, queria se cercar de mão-de-obra barata para alavancar seus projetos pessoais. Comigo, não, violão. Eu tinha 20 e poucos anos, mas pulei fora.

Na internet, passei por coisas similares — e ainda, às vezes, passo, como acabei de falar. O problema é que quanto mais prestígio você alcança, mais tubarões cercam você para te "aconselhar". E as armadilhas vão se tornando mais e mais sofisticadas; é preciso tomar muito cuidado para não pisar e se enganchar.

Nos meus tempos de colunista independente, de J.D. Borges, lembro que um produtor musical, conhecido, depois de receber muitas das minhas colunas, disse que eu deveria era fazer uma reportagem sobre os choferes de táxi. Segundo ele, um problema muito mais grave do que as questões que eu abordava. Como não fiz, algumas newsletters depois, ele pediu para não receber mais meu material. Era uma influência sutil e eu não acredito que o cara fosse mal intencionado, mas, como sempre, ele, que acabava de inaugurar um site (e, conforme dizia lá, escrevia um romance), sabia muito melhor do que eu a carreira que eu deveria abraçar.

No Digestivo, principalmente nos primórdios, amigos me sugeriram de tudo. Um, muito próximo, como mexia com a área, numa noite de domingo, na espera de uma pizzaria, tentou me convencer de que o negócio era eu colocar alguma coisa relacionada a beleza feminina no site. Eu amo esse meu amigo, mas ele estava completamente por fora do Digestivo Cultural. Outro, também muito próximo, achava que eu deveria misturar turismo entre os assuntos abordados — amarrando, sei lá, com, por exemplo, as cidades históricas, como Tiradentes, que tem muita "cultura" também. Não era uma má idéia e eu até confesso que penso nisso de vez em quando, mas o que me chateava, em situações assim, é a aparente incompreensão, por parte de pessoas realmente muito próximas, sobre o meu métier, sobre o meu trabalho. Se eu quisesse, efetivamente, falar sobre turismo, montava uma versão eletrônica, vá lá, da Viagem e Turismo e não o Digestivo Cultural.

Agora, arena sangrenta mesmo é conversar com portais. Tenho histórias antológicas que talvez, um dia, conte em detalhes — para serem reveladas 50 anos depois da minha morte, dos envolvidos e dos familiares.

Eu precisaria escarafunchar meus arquivos para poder precisar as informações, mas acho que a primeira vez em que fui conversar com um portal foi por iniciativa deles e não minha (provavelmente me acharam e me convidaram).

Sentei numa mesa com um estrangeiro e com dois jornalistas, uma do marketing e outro do jornalismo de fato. Eu tinha acabado de inaugurar a seção "Ensaios" e eles, os nacionais, ficaram impressionados com os nomes que eu havia republicado lá. O gringo se impressionou com as estatísticas: não entendia como literatura poderia ser um dos assuntos mais visitados (no seu portal mostravam muuuita mulher pelada — era o boom dos ensaios fotográficos). Nessa e em outra reunião, eles foram honestos, apreciaram o conteúdo e prometeram pensar; ter idéias, na verdade. O desejo do estrangeiro era montar eventos literários, patrocinados, através do Digestivo Cultural (pelo menos, foi o que me revelou na sessão de brainstorm). A moça do marketing eu nunca voltaria a ver, acho que ela saiu de lá. Mas o que me decepcionou foi o jornalista, filho de jornalista famoso, depois me ligar e dizer — quando as negociações haviam dado em nada — que era uma "pena" porque ele adoraria usar o conteúdo do Digestivo Cultural. Pode ter sido apenas um verbo fora do lugar, mas aquilo me revirou o estômago.

A segunda conversa, com um segundo portal, foi um pouco pior porque o jornalista responsável mostrou suas garras logo de cara. Um outro jornalista, correspondente em Nova York, ficou de me indicar para o chefe do portal. Passaram-se meses até que, por outras vias, eu obtive o e-mail do big boss e mandei brasa, usando as referências de que eu dispunha. O chefão nunca me respondeu, mas uma secretária me avisou que o "chefe de jornalismo" queria me encontrar. Marcamos num prédio moderno, perto de lugares onde yuppies vão almoçar. Não lembro se passei muito tempo na sala de espera, mas lembro do jornalista esbaforido, falando como uma metralhadora, transmitindo uma imagem de que andava muito ocupado. Pra encurtar, quando mostrei as estatísticas, ele principiou por me agredir, afirmando categoricamente que "a internet já havia superado aquela fase" (a fase das dezenas de milhares de visitantes; eu pensava que, para um site independente, era algo louvável...). Para ele, o que interessava eram os milhões (depois soube do "sonho" desse portal em competir com a televisão). Como prêmio de consolação, o "jornalista" me propôs que cedesse meus colaboradores de renome e que, mediante a minha ida pra lá, eles se converteriam em colunistas do portal. Esse portal não queria nem pagar a hospedagem; coisa que pelo menos o outro portal queria pagar.

Para o meu maior espanto, o "chefe de jornalismo" ainda insistiu para que eu "pegasse" um jornalista amigo meu e o convertesse em editor de outro jornalista morto, selecionando o que esse último havia publicado sobre terrorismo (o 11 de Setembro já era um fato). Claro que ele não queria pagar nada por esse trabalho e claro que ele queria que eu usasse meu pouco prestígio disponível para convencer um jornalista gabaritado a trabalhar, pra ele (do portal), de graça. Como se não bastasse, se despediu de mim no elevador dizendo que eu tinha então a minha "lição de casa". Fico branco só de lembrar.

A terceira reunião, com um terceiro portal, aconteceu, acho, no ano passado. Dessa vez, foi por intermédio de um amigão — esse, obviamente, bem intencionado. O sujeito que encontrei lá (no portal) me disse, por e-mail, que já conhecia o Digestivo Cultural e que, inclusive, era assinante da newsletter e leitor. Na reunião, porém, não foi o que demonstrou. De início, ouviu e concordou com tudo. Depois, como sempre, veio com a leréia de que não havia dinheiro etc. e que, se eu quisesse ir pra lá, teria de converter todo o conteúdo do Digestivo em formato HTML, pois o portal deles era muito acessado e, se eles "lincassem" para mim, o site não iria agüentar.

Por experiência própria, eu sabia que páginas HTML (o script mais básico da Web) eram, realmente, muito mais rápidas e imediatas de carregar, embora não fossem necessariamente mais "leves" (ainda que não sobrecarregassem o servidor). Como o Digestivo, desde 2002, estava (e está) inteiro em ASP, pedi um argumento para mudar. O homem veio com um papo de que sites grandes nunca poderiam ser dinâmicos (em ASP) e, sim, estáticos (em HTML). E que esses sites não poderiam, por exemplo, comportar formulários ou implementar e-commerce. "E a Amazon?", eu tive de perguntar. "A Amazon é inteira em ASP e é um dos sites mais acessados da história da WWW", deixei escapar.

Lógico que depois dessa o tempo fechou. Ele havia mentido para mim, queria que eu acreditasse e ainda ficava bravo (como se a culpa não fosse sua) — eu o havia enfrentado e ele jamais iria me perdoar. Teve de admitir, a contragosto, que não era essa a razão (técnica) para não abrigar sites em ASP e, sim, que o portal deles estava mal das pernas, que esses servidores (de páginas dinâmicas) eram caros e que — ao contrário da Amazon — eles não tinham como bancar. Devia ser verdade mas, de novo, não era um argumento para o Digestivo mudar; afinal, depois vi, no portal deles, um site de um amigo que está lá até hoje, sob os seus "cuidados", e que nunca teve de mudar (continua dinâmico, em ASP, como sempre foi).

Para encerrar o caso, como todo mundo, o executivo desse portal queria que eu produzisse conteúdo exclusivo e grátis (para "talvez" constar da sua homepage) e queria — essa era demais — que eu dividisse (50-50) os anúncios que o Digestivo Cultural havia vinculado ou viria a vincular. Tudo bem, eles prometiam, igualmente, ir atrás de anunciantes para o site (embora, segundo o histórico que conhecidos haviam me passado, eles nunca fizessem isso na prática).

Foi com muito humor que outro amigo próximo matou essa charada de trabalho escravo em que eu e o Digestivo, muitas vezes, nos vemos enredados. Ele disse: "Você teve a manha de escolher internet e cultura — duas coisas, milenarmente, esquecidas, mal compreendidas e exploradas". Para completar o seu raciocínio macabro, eu acrescentaria "jornalismo" à receita de baixa remuneração e de desprezo geral.

Você, depois de ler tudo isso, deve se perguntar porque eu ainda não escolhi a eutanásia, a mesma de muitos filmes em cartaz. Ora, porque a falta de respeito, de dignidade e de profissionalismo, embora seja a regra nos primeiros tempos de empreendimentos como o nosso, vão se transformando — felizmente — em experiências ocasionais, pontuais, à medida que o tempo passa e que uma empreitada do nosso nível vai superando essa "fase". Ou seja: depois de bater em muitas portas que não costumam abrir, e de berrar na orelha de surdos crônicos, um anjo da guarda ou outro vai olhando para você e — finalmente — entendendo o que você faz. E te ajudando a chegar onde você quer chegar. Mas demora.

Claro que até hoje eu entro em roubadas antológicas (e saio logo). Na outra semana, como disse, convidaram o Digestivo pra organizar eventos culturais — de graça. Na semana anterior, um amigo (outro entre tantos), contestou o layout do site, sugerindo que o Digestivo seguisse — vejam só — a disposição de textos e imagens de, justamente,... um clone do Digestivo Cultural. As pessoas, na maioria das vezes, falam sem pensar, mas é impressionante como — sem nenhum conhecimento do negócio — elas sempre sabem o que é melhor, o que é mais correto, o que é mais apropriado. Pra você, lógico.


Julio Daio Borges
São Paulo, 4/3/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Meu cinema em 2010 ― 2/2 de Wellington Machado
02. A semente da impunidade de Diogo Salles
03. Deus & Filhos Cia. Ltda. de Adriana Baggio
04. Sobre o Caminho e o Fim de Ricardo de Mattos
05. Anarquia brasileira de Luiz Rebinski Junior


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2005
01. Melhores Blogs - 20/5/2005
02. Não existe pote de ouro no arco-íris do escritor - 29/7/2005
03. O 4 (e os quatro) do Los Hermanos - 30/12/2005
04. Schopenhauer sobre o ofício de escritor - 9/9/2005
05. A volta das revistas eletrônicas - 17/6/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
23/2/2005
11h59min
Certa vez eu estava pensando quais as dificuldades cotidianas, além das financeiras, um site poderia enfrentar. Não perguntei por e-mail, pois isto é assunto para ser tratado pessoalmente e com tempo. No fim, você escreveu a coluna e respondeu.(Telepatia?) Incrível a cara de pau das pessoas. Muitas chegam cá no escritório e já abrem a boca dizendo: eu quero "entrar" com tal ação, mas só pago o senhor quando eu receber do Fulano. Ou: "você faz a cobrança e inclui suas custas nas depesas do locatário" (ou seja, se o devedor não paga, eu também não recebo). Como não vivo de graça, mando procurar a justiça gratuita. Antes eu era mais subtil, atualmente falo e levanto para despachar a pessoa. Mundo imundo, desculpe o jogo de palavras. Grande abraço, parabéns pela coluna, RM
[Leia outros Comentários de Ricardo de Mattos]
28/2/2005
15h40min
Caro Julio: para finalizar seu brilhante texto, faltou mencionar a frase que inicia toda tentativa de expoliação profissional: "você aceita parceria?" A partir dessa pergunta, logo vem a ladainha das dificuldades econômicas - que enigmaticamente não se traduzem no trânsito coalhado de carros novos frequentando shopping-centers que cobram os olhos da cara pelo simples estacionamento - terminando por deixar claro que a divisão da parceria é assim: eles entram com a idéia e você com o trabalho, quando não, também com capital inicial! Esse foi o motivo que me levou a desistir de uma empresa na área de webdesign. Picaretas, muitos pilantras, maus-pagadores e caras-de-pau de todos os tipos, a me lembrar que a Lei de Gérson neste país vigora com força extrema em todos os níveis, todos querem levar vantagem desde a fila para o ticket do café até a fila do pedágio, passando pelos acostamentos que se tornaram pista de ultrapassagem. A crise é moral, ética, e já está merecendo um artigo seu a respeito. Ou você achou que eu não iria dar palpite e dizer o que é melhor para você? Abraços, Marcelo Zanzotti
[Leia outros Comentários de Marcelo Zanzotti]
4/3/2005
11h44min
Lado Oposto - Essa música é de um cara sensacional chamado Tonho Gebara, que nao gostava daqueles que vinham lhe dizer o que fazer:

"Tem sempre alguém pra me mostrar a trilha certa
Onde comprar, o que comer, como vestir
Pode ser o meu caminho complicado
Mas não insista porque eu não vou por aí
Se pra ser alguém é requisito o seu bom gosto
Eu quero ir pro lado oposto
Só quero dar uma volta do outro lado
Pra ver como é que está

Quando Galileu provou que Deus estava errado
No capítulo I do gêneses, quase foi queimado
A História é escrita pelas grandes transgressões
De quem mudou o mundo com suas inquietações
Se na nossa lei a ordem deve se manter
Eu quero desobedecer
Só quero dar uma volta do outro lado
Pra ver como é que está

Passando desapercebido na multidão do dia-a-dia
Acredita cumprir a função que nem sabe se escolheu
Procura diversão fora pois sua cama já é fria
É fruta que amadurecera, caiu no chão e apodreceu
Se eu é que sou louco e é você quem tem razão
Como é que cria sua própria prisão?
Só quero dar uma volta do outro lado
Pra ver como é que está

Desconfio de qualquer autoridade
Política, religiosa, científica ou moral
Que elege os ignorantes e os detentores da verdade
Cria um muro que impede de ver o mundo se abrindo colossal
Se pra ser feliz devo manter algum padrão
Vou seguir na contra mão
Só quero dar uma volta do outro lado
Pra ver como é que está"
[Leia outros Comentários de Gurgel]
4/3/2005
12h23min
Eu também sei o que é melhor para você. Pare de se meter em encrencas. Relaxe senão não encaixa. A vida de um escritor é feita de cagadas. As vezes ele acerta uma e fica feliz da vida. Mas muito me admiro das suas mazelas. Aos vinte anos já e tempo de ficar esperto, de não cair em roubadas desse tipo. Espero que você tenha aprendido alguma coisa dessas experências, pois já não tens mais vinte anos. Anos dourados. Alice no país dos militares. Meu tempo está acabando mas não se esqueça dos conselhos da vovó: antes mal acompanhado do que dormir só. Clovis Ribeiro
[Leia outros Comentários de Clovis Ribeiro]
5/3/2005
18h46min
Legal, gostoso mesmo de ver como as figuras sao participativas aqui, tambem pudera com esses titulos e abordagens... tao logo mude de casa darei, sim, meus pitacos... bom trabalho e ate mais ver.
[Leia outros Comentários de Gisele Lemper]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DECLARANDO-SE CULPADO
SCOTT TUROW
RECORD
(1993)
R$ 15,00



PRIORIZAÇÃO DE EMPREENDIMENTOS HIDRELÉTRICOS SOB LIMITAÇÃO DE RECURSOS
FAUSTO ALFREDO CANALES, CARLOS ANDRÉ B. MENDES UND ALEXANDRE BELUCO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 391,00



ALMANAQUE DO PENSAMENTO - 100 ANOS
VARIOS AUTORES
PENSAMENTO
(2012)
R$ 16,99



NORMAS DE APRESENTAÇÃO TABULAR
RAUL ROMERO DE OLIVEIRA
IBGE
(1967)
R$ 30,00



GRUNDWORTSCHATZ DEUTSCH; ESSENTIAL GERMAN; ALEMAN FUNDAMENTAL
HEINZ OEHLER; CARL HEUPEL
ERNST KLETT VERLAG
(1968)
R$ 22,28



O GENE DO MILAGRE
MICHAEL CORDY
RECORD
(1997)
R$ 4,00



MATEMÁTICA AULA POR AULA 3ª SÉRIE DO ENSINO MEDIO
XAVIER & BARRETO
FTD
(2005)
R$ 14,00



DICIONARIO PRATICO ILUSTRADO HISTORIA GEOGRAFIA TOMO III
DICIONÁRIO LELLO
LELLO LAROUSSE
R$ 5,00



MACHADO DE ASSIS - LITERATURA COMENTADA
ABRIL
ABRIL
(1980)
R$ 4,00



IMPACTOS ECONOMICOS E FINANCEIROS DA UNESP PARA OS MUNICIPIOS
JOSÉ MURARI BOVO - ORG
UNESP
(2003)
R$ 5,00





busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês