Coisa de menino | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
73422 visitas/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Minute Media anuncia lançamento da plataforma The Players’ Tribune no Brasil
>>> Leonardo Brant ministra curso gratuito de documentários
>>> ESG como parâmetro do investimento responsável será debatido em evento da Amec em parceria com a CFA
>>> Jornalista e escritor Pedro Doria participa do Dilemas Éticos da CIP
>>> Em espetáculo de Fernando Lyra Jr. cadeira de rodas não é limite para a imaginação na hora do recrei
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
>>> PoloAC retoma temporada de Os Doidivanas
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Publicar em papel? Pra quê?
>>> Impressões
>>> A escrita boxeur de Marcelo Mirisola
>>> Desorientação vocacional
>>> Flip 2006: um balanço tardio
>>> Flip 2006: um balanço tardio
>>> Flip 2006: um balanço tardio
>>> Montezano, do BNDES, sobre o marco do saneamento
>>> Leitor bebum começou com um gole
>>> Curtas e Grossas
Mais Recentes
>>> Golem e o Gênio: uma Fábula Eterna de Helene Wecker pela DarkSide (2015)
>>> Os Chakras: e os Campos de Energia Humanos de Shafica Karagulla, M.D. e Dora Van Gelder Kunz pela Pensamento (1991)
>>> O Caminho da Tranquilidade de Dalai Lama pela Sextante (2000)
>>> Perdas & Ganhos de Lya Luft pela Record (2003)
>>> Minecraft Fortaleza Medieval de Mojang pela Abril (1500)
>>> Minecraft Guia de Criação de Mohang pela Abril (2017)
>>> Minecraft Guia de Exploração de Mohang pela Abril (2021)
>>> Salomé de Oscar Wilde pela Principis (2021)
>>> O Mercador de Veneza de William Shakespeare pela Principis (2021)
>>> Do Contrato Social de Jean - Jacques Rousseau pela Principis (2021)
>>> Kilmeny do Pomar de Lucy Maud Montgomery pela Principis (2021)
>>> A Mamãe é Rock de Ana Cardoso pela Principis (2019)
>>> Nos Bastidores Trinta Anos Escrava, Quatro Anos na Casa Branca de Elizabeth Keckley pela Principis (2021)
>>> O Conde de Monte Cristo de Alexandre Dumas pela Principis (2021)
>>> Romeu e Julieta de William Shakespeare pela Principis (2021)
>>> O Condenado de Camilo Castelo Branco pela Principis (2021)
>>> The secret Agent de Joseph Conrad pela Collins Classics (2012)
>>> Vandrad, o Viking a Contenda e o Feitiço de Joseph Storer Clouston pela Principis (2021)
>>> Helena de Machado de Assis pela Principis (2021)
>>> Utopia de Thomas More pela Principis (2021)
>>> Poliana de Eleanor H. Porter pela Tricaju (2021)
>>> Cause of death de Patricia Cornwell pela Warner Books (1997)
>>> Um Inimigo do Povo de Henrik Ibsen pela Principis (2021)
>>> The Da Vinci Code de Dan Brown pela Corgi Books (2004)
>>> Little Woman de Luisa May Alcott pela Signet Classics (2012)
COLUNAS

Sexta-feira, 28/11/2008
Coisa de menino
Ana Elisa Ribeiro

+ de 5000 Acessos
+ 2 Comentário(s)

DreamWorks
Meu filho assiste a Madagascar com tanta alegria que me disse que, quando crescer, quer ser um leão. Depois pensou bem. Não sabe se quer ser o leão ou a zebra. No mesmo dia, fui ao supermercado e vi uns bichos de pelúcia à venda na fila do caixa, do tipo que foi colocado ali para a compra por impulso. Fiquei hesitante entre a zebra e o leão. Na dúvida, achei mais edificante que meu filho crescesse pensando em ser leão.

Sabedoria infantil
Meu filho me disse que sonho é quando a gente pensa enquanto está dormindo.

Psicologia infantil
Ele me disse que arrumaria o quarto onde havia feito uma imensa bagunça. Não arrumou. Falei pra ele que não o aceitaria na minha cama de madrugada. Funcionou.

Trocas
Ele me vê diante da tela do computador por horas a fio. Chega perto, pede papel e caneta para "escrever", canta, traz dúzias de carrinhos para brincar atrás da minha cadeira, faz perguntas. Quando ouve a impressora imprimindo, pergunta: Mais um livro, mãe?

Final de semana
Mesmo quando é sábado, preciso sair para trabalhar. Ele já entende que se não vai para a escola, eu também não deveria ir. Mas por que será que eu vou? Posso ir também? Me leva? Não, lá só tem menino grande. Ah, mas eu sou grande. Ó. E mostra o meio metro que tem.

Brigas
Quando está com raiva de mim, ameaça: Você não vai ser mais minha namorada. Só vou namorar meu pai. Outro dia, com o maior amor do mundo, disse pra mim, olhando nos meus olhos e acariciando meu cabelo: Mãe, quando eu crescer, vou ser mulher.

Resenha
Outro dia, ganhei um CD. Era um disco de uma cantora mineira. O trabalho dela é para o público infantil, então não me senti totalmente autorizada a escrever sobre as canções. Pus o CD para tocar no carro, principalmente na hora de levar Dudu para a escola. E ele foi me dando dicas. Gostava de uma canção, estranhava a outra, inquietava-se, fazia perguntas interessantes e interessadas. Percebeu sons, instrumentos diferentes, disse que queria ser guitarrista. Deus conserve. Fiz a resenha em co-autoria. Dudu já cresce crítico.

Índice
Outro dia, soltou mais esta: Quando eu crescer, vou tomar cerveja.

Polícia
Outro sonho para quando crescer: quero ser polícia. Primeiro eu vou ser grande, depois vou ser polícia para matar todo mundo. Sábio.

Paquera
Ele disse pra prima dele que vai namorar a mim e a ela ao mesmo tempo. Depois, a lista cresceu: Vou namorar você, minha mãe e a Duda (coleguinha de escola). A prima respondeu: Se você conseguir...

Leituras
Eu resolvi ir até a cozinha com os originais do meu próximo livro de poemas na mão. Comecei a ler em voz alta para o pai dele. Mas Dudu aperreou. Mãe, lê pra mim, não pra ele! E gostou de ouvir os poemas declamados. Sorria e dizia: que bonito. Nunca terei leitor assim. Nunca.

Marcas
Ele reconhecia a marca do Itaú desde bebê. Na casa dos avós, só há dois tipos de carro: Vocêvaguen e Chebolé. Tá certo.

Grama
Quase nunca o levamos para viajar. É que a gente sempre pensa que vai tirar umas férias. Aquele "Ô mãe" insistente, o dia inteiro, a cada milésimo de segundo, deixa a gente meio doida. Mesmo quando ele não está em casa, escuto a vozinha de todo canto me chamando. Ultimamente, ele resolveu me chamar pelo nome. Não grita "mãe", mas "Ana" também é curto e também tem esse poder de encher a paciência. E então preferimos deixá-lo na casa da vovó quando viajamos. Não se trata de maldade, nada disso. Os pais sabem bem do que estou falando. Mas aí, dia desses, íamos fazer uma viagem curtinha, de um dia pro outro, para São João del-Rei, aquela cidade tão gostosa e tão aconchegante. Resolvemos levá-lo. Uma espécie de teste de aptidão para crianças que não viajam. No caminho, ele viu montanhas, imensas montanhas muito verdes. Tempo de chuva, o mato viçoso, montanhas cor de desenho animado. E ele disse: "Mãe, nunca vi tanta grama!". Tive pena. Menino de cidade acha isso ficção.

Terror
O filme era horroroso. Cabeças rolavam, pescoços partidos, ossos à mostra, sangue vermelhão escorria pelo azulejo, mulheres escalpeladas e quase peladas, homens sem pedaços, olhos esbugalhados, meleca. O garotinho ficava bem na frente da tevê, chupando o dedo, com aquele travesseiro de estimação pendurado na outra mão. Olhava calmamente para as cenas de nojo. Tentei proteger. Pensei que fosse minha missão perguntar: "Você não está com medo?". Ele, com cara de óbvio, disse: "É só um filme, mãe.".

Presente de grego
Quando é aniversário de algum coleguinha, a escola envia bilhete uns dias antes, dizendo que vai ter festa. Custei a entender que era preciso levar presente. Comprei um saco grande cheio de bugigangas para ter sempre à mão um agradinho para os pequenos. São crianças de 1, 2, 3, no máximo 6 anos. A escola é pequena, dessas de bairro, onde os meninos e meninas são alfabetizados com calma, as professoras são carinhosas e há horta. Meu filho entra lá sem nem se despedir de mim, reluta em sair quando vou buscá-lo e pede para ir até lá nos finais de semana. Deu para sentir? Pois é. Então tinha festinha dia desses. Aniversário do Davi, 4 anos. Abri o saco de presentinhos e meu filho correu para ajudar. Disse que queria escolher o que dar. Eu resisti. Procurei um pacote de cuecas M. Achei também um conjunto de canetinhas hidrocor. Tirei de lá, como um Papai Noel, um jogo de resta 1. Dudu não estava satisfeito. Queria um brinquedo. Essas coisas não precisam ser caras, elas têm que ser vivas. Cansei de ver menino feliz com brinquedo de 1 real. Feliz com carrinho de 5 reais. Ganhar brinquedo caro e gostar mais da caixa. Criança sabe muito mais do que adulto besta. E aí tirei de dentro do saco uns livrinhos. Acabei de comprar no Salão do Livro. Coisa boa. Guardei para dar de presente a meninos que pudessem curtir, ao menos aprender. Quem sabe a mãe lê para eles? Mas Dudu, muito preocupado, me disse: "Mãe, se eu der livro pro Davi, ele nunca mais vai ser meu amigo".

Massinha
Dia desses, fomos almoçar no shopping. Não que o restaurante ou o ambiente fossem especialmente bons, mas o garotinho curte aquela confusão. Ao lado do restaurante tem uma daquelas lojas de jogos, fliperamas e o escambau. É lá que Dudu curte passar uns minutos. Finge que sabe dirigir, sobe nas motos, escorrega, tira bolinhas das máquinas caça-níqueis e dá socos com luvas de boxe. Todo o almoço é resolvido à custa de muita chantagem. Dizem os médicos e os psicólogos que isso não se faz, mas eles também fazem isso às escondidas. Come a batata, engole o franguinho, olha o arroz, bebe o suco logo. Depois disso, tem carrinho e até caça ao jacaré. Lá pelas tantas, o menino entrou embaixo da mesa. Ninguém mais tira de lá. Vem aqui comer feijão, sô. Não vou. E os pais se esqueceram de olhar, afinal, ninguém é de ferro. Também se almoça no mundo dos adultos. Mas, de repente, a mãe nota que o menino, embaixo da mesa, está muito quieto. Meu Deus, o que é que esse garoto está arrumando? Dudu, está tudo bem aí? Por que é que você está tão quietinho, meu filho? Vale a pena separar num outro parágrafo:

― Mamãe, é que aqui embaixo está cheio de massinha pra eu brincar.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 28/11/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Festa ou casamento? de Daniela Sandler


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2008
01. Uísque ruim, degustador incompetente - 8/8/2008
02. Trocar ponto por pinto pode ser um desastre - 3/10/2008
03. Substantivo impróprio - 25/4/2008
04. Minha coleção de relógios - 31/10/2008
05. Confissões de uma doadora de órgãos - 7/3/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
28/11/2008
18h01min
Fantástico, Ana! Fiquei fã do Dudu, esse menino é um gênio!!! :)
[Leia outros Comentários de Dayse Vilas Boas]
6/12/2008
18h31min
Ana, que gostoso o Dudu! E parte disso é a convivência com você, as conversas que vc tem com ele, o que ele ouve vc dizer, pode ter certeza. Já faz muito tempo que não escuto coisas assim de criança pequena. Acho muito legal anotar essas coisas que as crianças falam. Tenho um caderninho dos meus filhos com essas "tiradas", como dizia minha mãe. Ela também anotava o que dizíamos para contar para meu pai que trabalhava os 3 horários e não tinha tempo de nos ver crescer. E mesmo depois de grandes ela nos contava também. Tenho certeza de que o Dudu vai gostar muito de ler as histórias dele quando crescer. Ah, quero conhecê-lo ainda antes que ele cresça tá? Abraços, Áurea
[Leia outros Comentários de Áurea Thomazi]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Amor Sexo e Erotismo
Dr Galdino Nunes Vieira
Casa Publicadora Brasileira
(1978)



Sql Fundamentos
John J Patrick
Berkeley
(2002)



Dissertando Sobre Voz - Volume 2. Série Interfaces
Leslie Piccolotto Ferreira
Pró-fono
(1998)



Restituição
Robson Rodovalho
Sara Brasil
(2014)



História Universal Terceiro Volume
H. G. Wells
Livros do Brasil



A Coruja Sabida e o Caso do Bichinho-chorão
W. L. Ducca
Nacional
(1986)



A Titularidade dos Direitos Fundamentais na Constituição Federal
Anelise Coelho Nunes
Livraria do Advogado
(2007)



We Remember: Women Born At the Turn of the Century Tell the Stori
Jeanne Marie Laskas; Lynn Johnson
William Morrow
(1999)



Farda Fardão Camisola de Dormir
Jorge Amado
Círculo do Livro



Vivendo o Mais Além
Antonio Baduy Filho
Ide
(2017)





busca | avançada
73422 visitas/dia
2,5 milhões/mês