O silêncio e a palavra | Lucas Rodrigues Pires | Digestivo Cultural

busca | avançada
65370 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Missão à China
>>> Universidade do Livro desvenda os caminhos da preparação e revisão de texto
>>> Mississippi Delta Blues Festival será On-line
>>> Tykhe realiza encontro com Mauro Mendes Dias sobre O Discurso da Estupidez
>>> Trajetória para um novo cinema queer em debate no Diálogos da WEB-FAAP
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Micronarrativa e pornografia
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
>>> Viva a revolução
>>> AC/DC 1977
>>> As maravilhas do mundo que não terminam
>>> Nem Aos Domingos
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
Mais Recentes
>>> Los Condenados de la Tierra (Os Condenados da Terra) de Frantz Fanon pela Fondo de Cultura Econónica (2018)
>>> Les Confessions de Jean-Jacques Rousseau pela Hachete (1903)
>>> O primo Basílio de Eça de Queirós pela Abril Cultural (1979)
>>> Revue Française de Science Politique Volume XXI Numéro 3 juin 1971 de Jean Brusset, Mattei Dogan e outros pela Puf (1971)
>>> Introdução à Geografia da População de Wilbur Zelinsky pela Zahar (1974)
>>> Revista do Brasil de Antonio Candido, Celso Furtado, Julio Cortázar, Manoel Bonfim, Poty e outros pela Rioarte / Funarte (1984)
>>> Painel da Literatura em Língua Portuguesa de José de Nicola pela Scipione (2010)
>>> Crónica de una muerte anunciada de Gabriel García Márquez pela Plaza Janés (1999)
>>> Marlene D de Marlene Dietrich pela Nordica (1984)
>>> Notícia de un secuestro de Gabriel Gacía Máquez pela Plaza Janés (1999)
>>> Há Males Que Vêm Para Bem de Alec Guinness pela Francisco Alves (1990)
>>> Vivir para Contarla de Gabriel García Márquez pela Debolsillo (2017)
>>> Tango Solo de Anthony Quinn, Daniel Paisner pela Nova Fronteira (1995)
>>> El Coronel no Tiene Quien le Escriba de Gabriel Gacía Máquez pela Plaza Janés (1999)
>>> Laços Eternos de Zibia Gasparetto pela Edicel (1979)
>>> A garota que eu quero de Markus Zusak pela Intrínseca (2013)
>>> O inverno das fadas de Carolina Munhóz pela Casa da palavra (2012)
>>> Treinando a emoção para ser feliz de Augusto Cury pela Academia (2010)
>>> E se for você? de Rebecca Donovan pela Globo (2016)
>>> O guardião de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2013)
>>> O casamento de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2012)
>>> Inferno atlântico. Demonologia e colonização. Séculos XVI-XVIII de Laura de Mello e Souza pela Companhia das Letras (1993)
>>> Um porto seguro de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2012)
>>> Ouse ir Além - Coaching para Resultados Extraordinários de José Roberto Marques pela Ibc (2016)
>>> Segundo - Eu me chamo Antônio de Pedro Gabriel pela Intrínseca (2014)
>>> Doce Cuentos Peregrinos de Gabriel García Márques pela Plaza Janés (1999)
>>> A cadeira de prata - As crônicas de Nárnia de C. S. lewis pela Martins Fontes (2003)
>>> Ases nas alturas - Wild Cards de George R. R. Martin pela Leya (2013)
>>> Homens de grossa aventura. Acumulação e hierarquia na praça mercantil do Rio de Janeiro 1790-1830 de João Luís Fragoso pela Civilização Brasileira (1998)
>>> Anjos caídos de Asa Schwarz pela Planeta (2010)
>>> Um conto do destrino de Mark Helprin pela Novo Conceito (2014)
>>> O diabo e a Terra de Santa Cruz de Laura de Mello e Souza pela Companhia das Letras (1986)
>>> O Antigo Regime nos trópicos de João Fragoso & Maria Fernanda Bicalho & Maria de Fátima Gouvêa. Organizadores pela Civilização Brasileira (2010)
>>> Dominguinhos o Neném de Garanhuns de Antônio Vilela de Souza pela Garanhuns (2014)
>>> Viva a Vagina de Nina Brochman / Ellen Sorkken Dahl pela Pararela (2017)
>>> Grandes Pensadores em Psicologia - 10A de Rom Harré pela Roca (2009)
>>> A Amiga Genial de Elena Ferrante pela Biblioteca Azul/ Globo (2015)
>>> Steve Jobs : a biografia de Walter Isaacson pela Companhia Das Letras (2011)
>>> A Encantadora de Bebês de Tracy Hogg; Melinda Brau pela Manole (2006)
>>> Cien Años de Soledad de Gabriel Garcia Marques pela Plaza Janés (1999)
>>> O Taro Adivinhatório de Vários pela Pensamento
>>> Os Segredos de Uma Encantado de Bebês de Tracy Hogg; Melinda Brau pela Manole (2002)
>>> A Droga da Obediência de Pedro Bandeira pela Moderna (2009)
>>> O Paraíso na Outra Esquina de Mario Vargas Llosa pela Arx (2003)
>>> A Festa da Insignificância de Milan Kundera pela Companhia das Letras (2014)
>>> História da Menina Perdida de Elena Ferrante pela Biblioteca Azul/ Globo (2017)
>>> A Lenda do Graal (Do Ponto de Vista Psicológico) de Emma Jung e Marie Louise Von Franz pela Cultrix (1991)
>>> Capitães da Areia de Jorge Amado pela Record (1975)
>>> O Verão Sem Homens de Siri Hustvedt pela Companhia das Letras (2013)
>>> Hostória de Quem Foge e de Quem Fica de Elena Ferrante pela Biblioteca Azul/ Globo (2016)
COLUNAS

Quinta-feira, 3/7/2003
O silêncio e a palavra
Lucas Rodrigues Pires

+ de 6600 Acessos

O silêncio

Quando lançado há quase dois meses, o que muito se falou de Nelson Freire, o documentário de João Moreira Salles sobre o renomado pianista, foi sobre os seus "silêncios", os momentos em que a câmera se voltava a ele e ele, timidamente, pouco falava ou nada dizia. Sim, a música fala pela pessoa do artista, como o poeta se expressa pelos seus versos. Errado. O artista Nelson Freire está mais para o fotógrafo, que capta uma imagem de uma paisagem/cenário e passa sua visão daquilo. Músico e não compositor, o que o pianista faz é justamente recriar a arte feita por outrem, colocando nela um pouco de si.

O documentário investiga não só o artista como a pessoa atrás do artista, o ser humano. Em pequenos episódios, que retratam momentos deslumbrantes, Salles encontra a fragilidade humana que os olhos nus não podem enxergar atrás da roupa com cauda daquele homem de estatura baixa e barba branca, que em sua casa brinca com sua cadela e se diverte assistindo aos musicais dos anos 40 e 50. Os silêncios de Freire decorrem exatamente da fragilidade que exala o ser humano, e mesmo sua genialidade - pianista que dava concertos aos 6 anos e era chamado de menino-prodígio desde muito cedo - exposta pelo tocar nos dedos as teclas do piano não o impede de ser como outro qualquer, ao mesmo tempo plausível de medos e desejos. Ilustrativo disso é a seqüência inicial quando Freire termina um concerto e sai do palco ovacionado com o coro de bis. Ele se oculta atrás das cortinas e a primeira coisa que faz é pedir um cigarrinho. Os produtores falam para voltar e tocar mais uma, ele vai, agradece os aplausos e volta para o acobertamento. Pede novamente um cigarrinho, o que lhe é negado mais uma vez. Esse movimento de sair e entrar no palco acontece umas 4 vezes até que ele se sente e toque o bis para só então depois saborear seu cigarrinho.

Pois bem, Salles mostra com essa passagem que a genialidade, no fundo, está acompanhada de ingenuidade e, até certa forma, infantilidade, como a birra com o desejoso cigarrinho faz parecer. A capacidade de tocar um piano como ninguém não o deixa distante de qualquer um de nós. Pelo contrário, sente-se a proximidade com seu mundo repleto de desafios - como tocar um trecho complicadíssimo de Brahms -, expectativas (como o que tanto esperavam dele desde a infância anormal de menino-prodígio numa cidadezinha de Minas Gerais até a partida para o Rio de Janeiro, conforme demonstrou seu pai na carta emocionada lida por Eduardo Coutinho, talvez o ápice do filme e síntese de um Freire criança) e embaraços (quando dos cumprimentos e elogios recebidos pessoalmente, ao final do filme, após um concerto).

Num determinado momento, Freire assume ser fã de um músico de jazz americano (não me recordo seu nome agora), pois este tocava o piano com alegria. Quando perguntado se ele tocava com alegria, sua resposta foi o silêncio munido de um sorriso moleque num rosto maduro. Os silêncios de Freire, que João Moreira Salles, em entrevistas, já definiu como algo que "diz tudo que quer, sem palavras, com reticências, com pausas, com frases que ficam perduradas no ar, sem conclusão" dizem muito de seu mundo, de sua música. Aliás, dizem tudo. Seu sorriso maroto é a maior prova disso.

A palavra

O Homem que Copiava é um filme composto por palavras. Seu diretor, Jorge Furtado, é reconhecido como dos melhores roteiristas brasileiros atuais e soube fazer proveito de seu talento para compor a história de André, um operador de fotocopiadora em Porto Alegre.

A palavra é o meio pelo qual André, protagonista narrador da trama, apresenta-se e nos apresenta a seu mundo de trabalho, voyeurismo e ilustrações. Na seqüência inicial, temos uma extensa introdução com tiradas irônico-filosóficas dignas de Furtado. Com o estilo que o consagrou como curta-metragista desde Ilha das Flores, o diretor gaúcho faz da colagem um aliado para a narrativa se desenrolar.

Em O Homem que Copiava, tudo é cópia e, ao mesmo tempo, original. Num mundo em que a originalidade perdeu seu valor, pois ninguém mais sabe o que é verdadeiro e o que é falso, a cópia/falsificação passa a ser uma forma de ganhar a vida (leia-se, dinheiro), como muitos camelôs fazem vendendo milhares de produtos piratas. Furtado faz a mesma coisa. O banco roubado chama-se Banco Imobiliário (alusão ao jogo de tabuleiro) e a camisa de um dos personagens traz um jacaré com o rabo esticado (lembrou-se da Lacoste?), por exemplo. A cópia forma o todo, embasado em diversas composições fílmicas que dão ao filme sua originalidade e força. As ilustrações de André ganham vida, a composição dos quadrinhos surge para explicar o ritual de ir deitar da mãe de André, conclusões tiradas através do reflexo do espelho, por trás de cortinas e pelo binóculo também fazem referências a esta história que se utiliza de outras linguagens para contar a sua própria história.

Nesse mundo fragmentado, onde as informações não têm tempo para ser deglutidas devido à velocidade de produção (metáfora no filme feita pela máquina de fazer cópias e as leituras interrompidas e descontínuas que André faz do que copia, imagem do conhecimento fragmentado e desconexo do homem contemporâneo), o tempo é um elemento incapaz de ser copiado ou modificado. Sua força está além da capacidade humana de copiar ou falsificar. E a resposta de Furtado vem através de nova apropriação - o soneto de Shakespeare que trata da fruição do tempo e seu "vão combate" -, que dará o desfecho a unir André e Silvia. O tempo, relatado pela forma mais nobre da palavra - a poesia -, traz à tona a originalidade da vida, da arte, de Shakespeare e agora também de O Homem que Copiava.

Se a vida é original e o resto é cópia, como diz o cartaz do filme, Furtado criou um filme repleto de vida, o que inclui muito humor, drama e poesia. Mesmo com um final aquém do restante da fita.


Lucas Rodrigues Pires
São Paulo, 3/7/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Solitária cidadã do mundo de Elisa Andrade Buzzo


Mais Lucas Rodrigues Pires
Mais Acessadas de Lucas Rodrigues Pires em 2003
01. Babenco traz sua visão do país Carandiru - 17/4/2003
02. O cinema brasileiro em 2002 - 16/1/2003
03. A normalidade sedutora d'Os Normais - 3/12/2003
04. Top 10 da literatura - 16/10/2003
05. O lado A e o lado B de Durval Discos - 3/4/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CÁLCULO MATEMÁTICA PARA TODOS 41- EMPACADOS NO TEMPO
VÁRIOS AUTORES - REVISTA
SEGMENTO
(2014)
R$ 10,00



MARTIN MYSTÈRE 5
PAOLO MORALES
MYTHOS
(2019)
R$ 15,50



STARTERS
LISSA PRICE
NOVO CONCEITO
(2012)
R$ 15,00



WHATS THAT NOISE?
JADE MICHAELS
MACMILLAN
(2004)
R$ 6,00



TONICO E O SEGREDO
ANTONIETA DIAS DE MORAES
SALAMANDRA
(1980)
R$ 6,90



PRECIS D HYGIENE
P. COURMONT A. ROCHAIX
MASSON ET CIE
(1921)
R$ 87,54



CONFERÊNCIAS, DISCURSOS E PERFIS
JACINTO GUIMARÃES
IMPRENSA OFICIAL BELO HORIZON
(1961)
R$ 29,86



REVISTA MAD ESPECIAL HALLOWEEN Nº 3 - 9922
MARCO M LUPOL
MYTHOS
(2008)
R$ 17,00



DE FRENTE E PERFIL
SPENCER LUÍS MENDES
RAZÃO CULURAL
(1999)
R$ 9,80



JORNAL DE SERRA VERDE
WALDEMAR VERSIANI DOS ANJOS
ITATIAIA
(1960)
R$ 8,90





busca | avançada
65370 visitas/dia
2,1 milhões/mês