Noites azuis | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
75847 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> 10º FRAPA divulga primeiras atrações
>>> Concerto cênico Realejo de vida e morte, de Jocy de Oliveira, estreia no teatro do Sesc Pompeia
>>> Seminário Trajetórias do Ambientalismo Brasileiro, parceria entre Sesc e Unifesp, no Sesc Belenzinho
>>> Laura Dalmás lança Show 'Minha Essência' no YouTube
>>> A Mãe Morta
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
Colunistas
Últimos Posts
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
Últimos Posts
>>> Casa ou Hotel: Entenda qual a melhor opção
>>> A lantejoula
>>> Armas da Primeira Guerra Mundial.
>>> Você está em um loop e não pode escapar
>>> O Apocalipse segundo Seu Tião
>>> A vida depende do ambiente, o ambiente depende de
>>> Para não dizer que eu não disse
>>> Espírito criança
>>> Poeta é aquele que cala
>>> A dor
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Semana de 22 e Modernismo: um fracasso nacional
>>> Narciso revisitado na obra de Fabricius Nery
>>> A campanha on-line de Obama
>>> Entrevista de Emprego
>>> Três e Dez para Yuma
>>> Três e Dez para Yuma
>>> Escrever não é trabalho, é ofício
>>> 1984, de George Orwell, com Fromm, Pimlott e Pynchon
>>> O Afeto Autoritário de Renato Janine Ribeiro
>>> Deepak Chopra Speaker Series
Mais Recentes
>>> Return of Sherlock Holmes de Arthur Conan Doyle pela Wordsworth Classics
>>> Arte e Medicina: Interfaces de uma Profissão de André Mota (org.) pela Usp (2010)
>>> A Viagem de Théo de Catherine Clément; Eduardo Brandão pela Companhia das Letras (2002)
>>> Lágrimas Negras de Nieves Hidalgo pela Esencia (2014)
>>> Cobras Criadas de Luiz Maklouf Carvalho pela Senac Sp (2001)
>>> A Ilha Prometida - a História de Nova York de Anka Muhlstein pela Companhia das Letras (1991)
>>> La Ciencia En una Sociedad Libre de Paul Feyerabend pela Siglo Veintiuno Editores (1982)
>>> Moderna Plus - Biologia - V. 02 de Amabis Martho pela Moderna (2009)
>>> Senhora - Série Bom Livro de José de Alencar pela Ática (1998)
>>> Hospital: Fui Bem Atendido!!! a Vez do Brasil de Victor Mirshawka pela Makron Books (1994)
>>> Alvenaria Burguesa de Carlos A. C. Lemos pela Nobel (1985)
>>> Mathematics - Unlimited de Vários pela Harcourt (1991)
>>> Vinte anos depois Vol III de Alexandre Dumas pela Fittipaldi (1957)
>>> Desonrada de Mukhtar Mai; Marie Thérèse Cuny pela Best Seller (2007)
>>> Ulisses de James Joyce / Antonio Houaiss - Tradução pela Civilização Brasileira (1975)
>>> Destruição e Equilibrio de Sergio de Almeida Rodrigues pela Atual
>>> Saque - a Seda Líquida de Antonio Campis pela Senac (2012)
>>> Para Viver Juntos - Ciencias 9º Ano - Ensino Fundamental ii de Bezerra; Lia Monguilhott pela Sm Didáticos (2014)
>>> Lei das Sociedades por Ações de Vários Autores pela Atlas (2003)
>>> Do Que os Homens Gostam de Dra. Laura Schlessnger pela Sextante (2005)
>>> O Caso Debray - um Crime Monstruoso de Jean-paul Sartre pela Edições Dorell (1968)
>>> Tudo Vai Dar Certo de Cesar Romão pela Academia de Intelige (2008)
>>> 2 Vols. os Donos do Poder de Raymundo Faoro pela Globo (1977)
>>> Kindness Counts de Jan Berenstain; Stan Berenstain; pela Zondervan Usa (2010)
>>> Morte de um Dissidente de Vários Autores pela Companhia das Letras (2007)
COLUNAS

Quinta-feira, 28/8/2014
Noites azuis
Elisa Andrade Buzzo

+ de 3400 Acessos

Certo silvo de pássaro ou uivo de louco atravessando a rua na madrugada e pousando em cada casa, que não lhes responde, fazendo de seu silêncio a indiferença burguesa frente aos ruídos animalescos. São as horas de ressurgência, do deslocamento dos desajustados, quando também acontece a última saída das boates, os embebedados caminhando pelas ruas até seus carros e, felizes com o mundo, espalham seus gritos e risos na quietude azul do bairro.

Noites azuis, porque nelas todos podem ser qualquer coisa ou ninguém, perder a sua identidade sob a falta de claridade, no alto breu, misturar-se às sombras. Esgueirar-se na imundície das calçadas ou lançar-se ao asfalto orvalhado. Tem algo a ver com os mortos esta distensão de tempo em que basta uma presença humana para habitar o mundo, duas presenças para abrir um diálogo, ou então, esta celebração do puro silêncio de uma rua na madrugada. Apenas porque é tarde e não se percebe mais a aparente imobilidade do pensamento.

Estão todos como que surdos diante de apelos sinistros, deste fogo lançado em atmosfera pacífica. Aos poucos, não há mais lugar algum aberto e raramente portas e garagens abrem-se na perspectiva mental de quem dorme. No azul as consciências se apagam em sono profundo de corpo cansado, ou se revolvem em possibilidades e desarmonias várias. Tanto amigos quanto inimigos poderíamos ser, nós, que vagamos pelas noites em busca de respostas, nós, cuja vida indistintamente poderia nos levar por caminhos díspares.

Mas a gente das ruas tenta ser alguma coisa, neste momento de viragem, não conseguindo se comunicar com os habitantes das casas e dos prédios, estes últimos encarcerados e abstinentes. Aqueles, obstinados, lançam todo o tipo de ruído amplificado pela noite, funk nos carros, gritos, xingos, destruição. E aqui estou eu: ninguém, entre a vigília e o pensamento, neon azul adentrando pela varanda. Até parece que estou em dois lugares ao mesmo tempo, rua e cama. Os contornos do eu se desfazendo na escuridão.

E no meu sono sou embalada por aquelas vozes já conhecidas, apesar de desconhecidos seus donos, em que ora se exaltam, imiscuídas pela loucura ou pelo álcool, ora amainam até desaparecerem na madrugada ou, finalmente, em minha consciência. Compartilhamos da mesma vida e aqui estamos confinados, numa quase esquina do quarteirão.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 28/8/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão de Elisa Andrade Buzzo
02. O que fazer com este corpo? de Ana Elisa Ribeiro
03. Sobreviver à quarentena de Luís Fernando Amâncio
04. Confissões pandêmicas de Julio Daio Borges
05. Relatório de compra de Ana Elisa Ribeiro


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2014
01. A Copa mais triste de todos os tempos - 12/6/2014
02. Quando as rodas param - 25/9/2014
03. Lina Chamie e sua cartografia sentimental de SP - 6/2/2014
04. A natureza selvagem da terra - 1/5/2014
05. Noites azuis - 28/8/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Liberdade Emocional
Judith Orloff
Rocco
(2011)



Valentine - Princess (capa Dura,
Meg Cabot
Harper Collins
(2006)



A Galinha Preta -
Martina Schlossmacher
Martins Fontes
(2000)



A Irmã da Lua - as Sete Irmãs - Livro 5
Lucinda Riley
Arqueiro
(2018)



Estrutura da Notícia - 2ª Edição
Nilson Lage
Ática
(1987)



Adorável Impostora
Roxane St. Claire
Harlequin Books
(2007)



Zapp! the Lightning of Empowerment
William C. Byham Jeff Cox
Ballantine Books
(1992)



Redes de Computadores das Lans Mans e Wans às Redes Atm
Luiz Fernando Gomes Soares - Guido Lemos - Sérgio
Campus
(1995)



As Uvas da Raiva
Sergio Bermudas
Nova Fronteira
(2002)



Dez Anos da Comissão de Direitos Humanos
Maria Luíza Marcílio
Universidade de São Paulo
(2007)





busca | avançada
75847 visitas/dia
1,8 milhão/mês