Noites azuis | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
88566 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Clube do Conto Apresenta: Criaturas, de Carol Bensimon
>>> Vancouver Animation School apresenta webinário gratuito de animação
>>> Núcleo Menos1 Invisível evoca novas formas de habitar o mundo em “Poemas Atlânticos”
>>> Cia O Grito faz intervenção urbana com peças sonoras no Brás
>>> Simbad, o Navegante está na mostra online de teatro de Jacareí
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
Últimos Posts
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
>>> Rogai por nós
>>> Na cacimba do riacho
>>> Quando vem a chuva
>>> O tempo e o vento
>>> “Conselheiro do Sertão” no fim de semana
>>> 1000 Vezes MasterChef e Nenhuma Mestres do Sabor
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Uma História do LED
>>> Caetano, não seja velho coronel
>>> Vento Bravo, com Edu e Tom
>>> Como o Google funciona
>>> A boa literatura brasileira
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> História da leitura (III): a imprensa de Gutenberg
>>> Talk Show
>>> Para ler o Pato Donald
>>> Isto é um experimento
Mais Recentes
>>> Novíssimo Aulete - Dicionário Contemporâneo da Língua Portuguesa de Caldas Aulete - Paulo Geiger ( Org. ) pela Lexikon (2011)
>>> O Laptop de Leonardo de Ben Shneiderman pela Nova Fronteira (2006)
>>> História da Paz de Demétrio Magnoli ( Org. ) pela Contexto (2008)
>>> O amor jamais te esquece de André Luiz Ruiz pela Ide (2003)
>>> Nosso Livro de Francisco Cândido Xavier pela Lake (2005)
>>> Direito Penal 1 Parte Geral de Sophie Kinsella pela Record (2010)
>>> Em Espírito e Em Verdade de Andy Park pela Vida
>>> Mente e Cérebro Poderosos de Conceição Trucom pela Cultrix (2010)
>>> Todo Ar Que Respiras de Judith Mcnaught pela Bertrand Brasil (2009)
>>> Tudo Bem Ser Diferente de Todd Parr pela Panda Books # (2002)
>>> Sonho Oriental Sabores e Receitas de Editora Caras pela Caras
>>> O Que Fazer? Falando de Convivência de Liliana Iacocca pela Ática
>>> O Homem Que Roubava Horas de Daniel Munduruku e Janaina Tokitaka pela Brinque Book (2010)
>>> Mulheres Inteligentes, Relações Saudáveis de Augusto Cury pela Academia
>>> Ana Karênina Volume 1 de Tolstoi pela Nova Cultural (1997)
>>> A Bíblia do Otimismo de R. Stanganelli pela Tríade
>>> Coleção na Luz da Verdade 1, 2 e 3 de Abdruschin pela Ordem do Graal na Terra (1999)
>>> O Rapto do Garoto de Ouro Série Vaga-lume de Marcos Rey pela Atica
>>> Como Fazer Qualquer Pessoa Se Apaixonar por Você! de Leil Lowndes pela Record
>>> A Sombra do Vulcão de Malcom Lowry pela L&pm Pocket (2007)
>>> Manual de Direito Penal Parte Especial Vol II 27ª Edição de Julio Fabbrini Mirabete pela Atlas (2010)
>>> Do Outro Mundo - Coleção Ana Maria Machado de Ana Maria Machado pela Ática (2002)
>>> Dicionário Jurídico Brasileiro Acquaviva - Edição de Luxo de Marcus Claudio Acquaviva pela Jurídica Brasileira (1995)
>>> A Tecnologia Acima do Bem e do Mal de José Rubens Salles Toledo pela Itafi (2016)
>>> Cómo Pintar a óleo de Jose Maria Parramon pela Parramón
COLUNAS

Quinta-feira, 28/8/2014
Noites azuis
Elisa Andrade Buzzo

+ de 3200 Acessos

Certo silvo de pássaro ou uivo de louco atravessando a rua na madrugada e pousando em cada casa, que não lhes responde, fazendo de seu silêncio a indiferença burguesa frente aos ruídos animalescos. São as horas de ressurgência, do deslocamento dos desajustados, quando também acontece a última saída das boates, os embebedados caminhando pelas ruas até seus carros e, felizes com o mundo, espalham seus gritos e risos na quietude azul do bairro.

Noites azuis, porque nelas todos podem ser qualquer coisa ou ninguém, perder a sua identidade sob a falta de claridade, no alto breu, misturar-se às sombras. Esgueirar-se na imundície das calçadas ou lançar-se ao asfalto orvalhado. Tem algo a ver com os mortos esta distensão de tempo em que basta uma presença humana para habitar o mundo, duas presenças para abrir um diálogo, ou então, esta celebração do puro silêncio de uma rua na madrugada. Apenas porque é tarde e não se percebe mais a aparente imobilidade do pensamento.

Estão todos como que surdos diante de apelos sinistros, deste fogo lançado em atmosfera pacífica. Aos poucos, não há mais lugar algum aberto e raramente portas e garagens abrem-se na perspectiva mental de quem dorme. No azul as consciências se apagam em sono profundo de corpo cansado, ou se revolvem em possibilidades e desarmonias várias. Tanto amigos quanto inimigos poderíamos ser, nós, que vagamos pelas noites em busca de respostas, nós, cuja vida indistintamente poderia nos levar por caminhos díspares.

Mas a gente das ruas tenta ser alguma coisa, neste momento de viragem, não conseguindo se comunicar com os habitantes das casas e dos prédios, estes últimos encarcerados e abstinentes. Aqueles, obstinados, lançam todo o tipo de ruído amplificado pela noite, funk nos carros, gritos, xingos, destruição. E aqui estou eu: ninguém, entre a vigília e o pensamento, neon azul adentrando pela varanda. Até parece que estou em dois lugares ao mesmo tempo, rua e cama. Os contornos do eu se desfazendo na escuridão.

E no meu sono sou embalada por aquelas vozes já conhecidas, apesar de desconhecidos seus donos, em que ora se exaltam, imiscuídas pela loucura ou pelo álcool, ora amainam até desaparecerem na madrugada ou, finalmente, em minha consciência. Compartilhamos da mesma vida e aqui estamos confinados, numa quase esquina do quarteirão.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 28/8/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão de Elisa Andrade Buzzo
02. 7 de Setembro de Luís Fernando Amâncio
03. Notas confessionais de um angustiado (VII) de Cassionei Niches Petry
04. O Brasil que eu quero de Luís Fernando Amâncio
05. Os Doze Trabalhos de Mónika. 7. Um Senador de Heloisa Pait


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2014
01. A Copa mais triste de todos os tempos - 12/6/2014
02. Quando as rodas param - 25/9/2014
03. Lina Chamie e sua cartografia sentimental de SP - 6/2/2014
04. A natureza selvagem da terra - 1/5/2014
05. Noites azuis - 28/8/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




All Set! 3 Teachers Resource Book
Adriana Weigel
Collins
(2008)



50 Tramas e Truques da Conquista
Sharyn Wolf
Saraiva
(1995)



Leituras Críticas Sobre Leonardo Boff
Juarez Guimarães (org.)
Perseu Abramo/ufmg
(2008)



Dialética e Técnica na Teoria Geral do Direito
Oliveiros Litrento - Autografado
Forense
(1983)



Sem Perdão
Frederick Forsyth
Record
(1982)



Roma - guia visual folha de sao paulo
tracy l laquey
Publifolha
(1997)



Chag Vemada Trabalhando Com Ciências no Gan
Gloria Suzana Marczik
Fisesp
(1997)



Technical Analysis of Stocks & Commodities Volume 15
Jack K. Hustson
Traders
(1997)



A Mulher do Mágico
Brian Moore
Companhia das Letras
(2000)



Vetores e Geometria Analítica Exercícios
Dorival Antonio de Mello Renate G. Watanabe
Do Autor
(1985)





busca | avançada
88566 visitas/dia
2,4 milhões/mês