Na translucidez à nossa frente | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
82722 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Clube do Conto outubro - Sesc Carmo - literatura infantojuvenil
>>> Projeto seleciona as melhores imagens de natureza produzida por fotógrafos de Norte a Sul do país
>>> Infantil com a Companhia de Danças de Diadema tem sessão presencial em Ilhabela e Caraguatatuba
>>> Teatro do Incêndio realiza roda de conversa na Rua 13 de Maio sobre carnaval e identidade do Bixiga
>>> Mauro Mendes Dias lança Entre Baratas e Rinocerontes no encerramento da Semana da Estupidez
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Escrevo deus com letra minúscula
>>> O Anvil e o amor à música
>>> Devendra Banhart
>>> Reflexões praianas
>>> 2006 e os meus CDs
>>> Executivos
>>> Gripe Suína por Nani
>>> O filme é uma merda, mas o diretor é genial
>>> Christiane F., 13 anos, drogada, prostituída...
>>> O que é ser jornalista?
Mais Recentes
>>> O Romantismo - Coleção Stylus/ST. 03 de J. Guinsburg (Organização) pela Perspectiva (2013)
>>> Os Cangaceiros de Carlos D. Fernandes pela Fundação Ernani Sátyro (1997)
>>> Lampião As Mulheres E O Cangaço de Antonio A.C. Araujo pela Traço (2012)
>>> Lampião Contra o Mata Sete de Archimedes Marques pela Info Graphiqs (2012)
>>> Lampião e Zé Saturnino16 Anos de Luta de José Alves Sobrinho pela Bagaço (2006)
>>> Assim Morreu Lampião de Antonio Amaury Correa de Araujo pela Traço (2013)
>>> Geografia do Cangaço: Nomenclatura de Paulo Medeiros Gastão pela Sebo Vermelho (2016)
>>> Lampião o Rei dos Cangaceiros de Billy James Chandler pela Paz e Terra (1980)
>>> Medo de Voar de Erica Jong pela Nova Cultural (1986)
>>> Pecadores de Jackie Collins pela Nova Cultural (1986)
>>> Cérebro de Robin Cook pela Abril Cultural (1985)
>>> Os Insaciáveis de Harold Robbins pela Rio Gráfica (1985)
>>> Sempre um Colegial de John Le Carré pela Rio Gráfica (1985)
>>> O Cemitério de Stephen King pela Rio Gráfica (1986)
>>> Lembranças de Um Dia de Verão de Irwin Shaw pela Nova Cultural (1986)
>>> Amante Indócil de Janet Dailey pela Nova Cultural (1986)
>>> Máquinas Mortais de Philip Reeve pela Harper Collins (2018)
>>> O Chalé de Moorland de Elizabeth Gaskell pela Pedrazul (2019)
>>> Maria Madalena de Margaret George pela Geracao Editorial (2002)
>>> Stonehenge de Bernand Cornell pela Record (2008)
>>> Aves De Rapina de wILLBUR sMITH pela Record (2005)
>>> Cruzada: No Reino do Paraíso de H.Rider Haggard pela Geracao Editorial (2005)
>>> A Missao - A pergunta e a Resposta - Livro 2 de Patrick Ness pela PandorgA (2012)
>>> Traição em Veneza de Steve Berry pela Record (2010)
>>> Autografado - Noite Americana Doris Day By Night de Ronaldo Werneck pela Ibis Libris (2006)
COLUNAS

Quinta-feira, 10/12/2020
Na translucidez à nossa frente
Elisa Andrade Buzzo

+ de 2500 Acessos

Há uma curiosa sorte que acomete a um pensamento pandêmico. Nada começa, nada termina, em última instância. Existe uma continuidade de situações e ações consistindo em um início sem pedidos de licença, e términos de ações esmorecidas. Ou seja, são situações sem situacionamento e ações inativas. No entanto, tais coisas têm um pico e é exatamente este momento de altura que dá a marca da realidade preponderante.

Se há uma cachoeira, e esta impressiona pela força de cascata e pela nuvem de espumas, a nascente e a foz percorrem seu fluxo abrangente de continuidade e contingência. Há estados que começam, duram anos e terminam sem nada ser dito, pois há quem do impulso inicial retire meios para a continuidade, deixando as coisas morrerem por si só, incapazes de dar um fecho. Incapazes, aliás, de dar um começo, portanto, naturalmente, o final também é um ponto em suspenso.

Assim sendo, não há marcos, nem aniversários, nem bodas, antes uma suspensão que, antes de haver uma retomada, chega a ponto de concluir as coisas por si só no desaparecimento por completo. E isto gera uma perplexidade quando se dá conta do ocorrido, como também uma sensação fina de alívio. Foi melhor assim. Uma retrospectiva positiva em relação ao passado duvidoso. O que é bem diferente de “tem de ser”. Uma perspectiva, amarga em relação ao futuro indesejado.

Entráramos em um local que não devíamos, entráramos em qualquer lado, sem medir as consequências, e de tal forma que nada diferente daquilo pudera ser, e tudo se tornara repentinamente tão vitalmente necessário para a existência de abutre faminto de vida, que não haveria meio de dissuadir-se de tais intentos. Andamos, longamente. E certos fios de seda apontam na pele como um dedo a indicar um caminho, ou a pretender que paremos. Quais leves toques são esses, de insetos, de bichinhos em imensa quantidade que seguem sua vida em voo e caminhar concomitante à nossa, e nos alcançam em uma picada acidental, um resvalar sutil? Ou serão armadilhas superpostas na translucidez à nossa frente?

Está-se a todo o momento a atravessar uma teia. Entramos em um lado qualquer, entre duas paredes de plantas, um labirinto de trepadeiras e arbustos fechados. Mas não sabemos para o lado que vamos dar. A grande teia segue-nos. Não, envolve-nos. Grande teia, da qual a insensibilidade mormente impossibilita o seu sentimento. Finos veios invisíveis – olhamos, não há nada palpável, tudo some no ar, esfarela-se na derme, na roupa, mas sente-se um repuxamento. Intrincada teia, e parecemos sempre estar no lugar errado depois de pensar que era o certo. Às vezes ela nos emaranha. Nós, que pensávamos ser segura aranha.

Não se começa, não se termina; aguarda-se o pico e o seu desvanecimento. Encontramos na blusa preta vestígios da teia. Sim, eles desaparecem em mais alguns passos, para depois um novo bloqueio. No entanto, por sua vez, mais uma vez nos desvencilharemos e as linhas, quebradas, desse desenho de geometria animal, tiveram a chance de nos dar qualquer coisa como um aviso, um empecilho.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 10/12/2020


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Famílias terríveis - um texto talvez indigesto de Ana Elisa Ribeiro
02. Séries da Inglaterra; e que tal uma xícara de chá? de Renato Alessandro dos Santos
03. De louco todos temos um pouco de Cassionei Niches Petry
04. A Marcha da Família: hoje e em 1964 de Humberto Pereira da Silva
05. Jardim da Infância de Ricardo de Mattos


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2020
01. Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa - 20/8/2020
02. Alma indígena minha - 14/5/2020
03. Na translucidez à nossa frente - 10/12/2020
04. Vandalizar e destituir uma imagem de estátua - 1/10/2020
05. Alameda de água e lava - 29/10/2020


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Minha sombra
Sérgio Capparelli
L&Pm
(2001)



Dois Gigantes do Espiritismo
Orson Peter Carrara
Solidum
(2012)



O Tatuador de Auschwitz
Heather Morris
Planeta
(2019)
+ frete grátis



Dinastia Filipina (1581 - 1640) - uma cronologia
Fernando de Castro Brandão
Europress
(2012)



Diga Não À Violência Sexual Contra Crianças e Adolescentes ...
Maria Conceição O. Costa (coord.)
Do Autor
(2012)



The Beatles Complete-Piano Vocal - Easy Organ
Ray Connolly (org.)
Wise Publications /
(1976)



Outrarias
Paulo Ludmer
Massao Ohno
(1998)



Curso e Concurso - Direito Constitucional Volume 1
Barruffini Jose Carlos Tosetti
Saraiva
(2005)



O gênio nacional da historia do brasil
Roberto Sisson
Unidade
(1966)



Sherlock Holmes - o Vale do Terror
Sir Arthur Conan Doyle
Melhoramentos
(2006)





busca | avançada
82722 visitas/dia
1,8 milhão/mês