Eu e o cursinho pré-vestibular | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
32696 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Companheiro dileto
>>> O Vendedor de Passados
>>> Eugène Delacroix, um quadro uma revolução
>>> Meus Livros
>>> Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges
>>> Plágio
>>> O filho eterno e seus prêmios literários
>>> Entrevista com Antonio Henrique Amaral
>>> Entrevista com Antonio Henrique Amaral
>>> Entrevista com Antonio Henrique Amaral
Mais Recentes
>>> Gestão de pessoas de Idalberto Chiavenato pela Campus (1999)
>>> Administração de Marketing de Philip Kotler pela Atlas (1998)
>>> Cinquenta Tons de Liberdade de James,E. L. pela Intrínseca (2012)
>>> Cinquenta Tons Mais Escuros de James,E. L. pela Intrínseca (2012)
>>> Mecânica vetorial para engenheiros Estática (vol. I) de ferdinand P. Beer e E. Russell Johnston, Jr. pela McGraw-Hill (1980)
>>> Cinquenta Tons de Cinza de James,E. L. pela Intrínseca (2012)
>>> A quinta disciplina de Peter M. Senge pela Best Seller
>>> Marketing Internacional de Edmir Kuazaqui pela Makron Books (1999)
>>> A cozinha das crianças (espertas) de Hervé This pela Degustar (2006)
>>> O Sagrado Selvagem de Roger Bastide pela Companhia das Letras (2006)
>>> Alternativas à Crise de José Oscar Beozzo (Org.) pela Cortez (2009)
>>> Dentro da Noite Veloz (1a Edição) de Ferreira Gullar pela Civilização Brasileira (1975)
>>> Poesia Comprometida com a Minha e a tua Vida de Thiago de Mello pela Civilização Brasileira (1980)
>>> Que País É Este? e Outros Poemas de Affonso Romano de Sant'Anna pela Civilização Brasileira (1980)
>>> Uma Razão para Respirar de Rebecca Donovan pela Pandorga (2014)
>>> Par Delà le Bien et le Mal de Frédéric Nietzsche pela Mercure de France (1907)
>>> Poesia de Alphonsus de Guimaraes pela Agir (1976)
>>> Princesa à Espera / Princesa Apaixonada de Meg Cabot pela Saraiva (2010)
>>> Portugal e seus Sabores de Angélica Santa Cruz (Org.) pela Abril (2017)
>>> La Volonté de Puissance Tome I de Frédéric Nietzsche pela Mercure de France (1909)
>>> Viagem ao Centro do Computador de Edith Modesto pela Ática (2000)
>>> A Rosa de Sarajevo de Margaret Mazzantini pela Companhia das Letras (2011)
>>> Um Pedaço de TI de Patricia Bittencourt pela Ledriprint (2017)
>>> Bala XXI - Casos, Crônicas, Piadas e Contos de Augusto José Vieira Neto pela Mandamentos (2000)
>>> Filhos Especiais Para Pessoas Especiais - O Milagre do Dia-a-dia de Neusa Maria pela Paulinas (2010)
>>> Pensées Étranglées de E. M. Cioran pela Gallimard (2014)
>>> Le Voyageur et son Ombre de F. NNietzsche pela Denoel (1979)
>>> Colder than Ice de David Patneaude pela Albert Whitman & Company (2003)
>>> Misericordiae Vultus / O Rosto da Misericórdia de Papa Francisco pela Paulinas (2015)
>>> Manual do Agricultor Brasileiro de Carlos Augusto Taunay pela Companhia das Letras (2001)
>>> O Ingenuo de Voltaire pela Dcl (2013)
>>> O Evangelho Segundo O Espiritismo de Allan Kardec pela Feb (1999)
>>> A Princesa de Babilonia de Voltaire pela Dcl (2013)
>>> A Campanha Abolicionista de Jose do Patrocinio pela Dcl (2013)
>>> Zollinger - Atlas de Cirurgia de E. Christopher Ellison, Robert M. Zollinger pela Guanabara Koogan; (2017)
>>> O Hobbit: A batalha dos cinco exercítos : guia ilustrado de Jude Fisher pela WMF Martins Fontes (2014)
>>> Radiografia da Alma de Pe. Hewaldo Trevisan pela Planeta (2010)
>>> Convênios e outros instrumentos de "Administração Consensual"na Gestão Pública do século XXI - Restrições em Ano Eleitoral de Jessé Torres Pereira Junior e Marinês Restelatto Dotti pela Fórum (2010)
>>> Estalos e Rabiscos - Mãos à Obra Literária de Walter Galvani pela Novaprova (2011)
>>> Distrito Federal Paisagem, População e Poder de Marília Peluso e Washington Candido pela Harbra (2006)
>>> Parto de Mim de Vera Pinheiro pela Pallotti (2005)
>>> Deuses americanos de Neil Gaiman pela Intrínseca (2016)
>>> A Ilha dos Prazeres de André Rangel Rios pela Uapê (1996)
>>> A pequena pianista de Jane Hawking pela Única (2017)
>>> Tradição e Novidade na Ciência da Linguagem de Eugenio Coseriu pela Presença- Usp (1980)
>>> Jovens Sem-Terra - Identidade em movimento de Maria Teresa Castelo Branco pela Ufpr (2003)
>>> Os Segredos das Mulheres Inteligentes de Julia Sokol e Steven Carter pela Sextante (2010)
>>> Lettres et Maximes de Épicure pela Librio (2015)
>>> Um Mundo a Construir de Marta Harnecker pela Expressão Popular (2018)
>>> Da RegenciaÀ Queda de Rozas (Rosas)/ Encadernado de Pandiá Calógeras pela Cia. Ed. Nacional (1940)
COLUNAS

Sexta-feira, 22/2/2008
Eu e o cursinho pré-vestibular
Ana Elisa Ribeiro

+ de 6700 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Quando decidi que profissão seguiria, lembro de confiar a meus pais o segredo. Sim, segredo. É que gente inteligente, para outros parentes, só deveria seguir carreiras da moda ou então aquelas mais óbvias. A minha, embora fosse antiga e tradicional, não se enquadrava nas categorias mencionadas. Com meus pais, que são quem me conhece, o segredo estaria guardado e a escolha, fora do alcance dos julgamentos limitadíssimos daquelas pessoas.

No final do ensino médio, depois de muita insistência minha e de meu irmão, meu pai resolveu pagar um intensivão de cursinho pré-vestibular. A indústria dos concursos exercia pressão sobre os estudantes, de forma que parecia impossível conseguir uma vaga na universidade pública sem passar por aqueles auditórios semi-escolares. Escolhemos o cursinho da moda e assistimos às aulas no turno da noite.

O melhor que tirei daquela experiência foi uma amizade duradoura que fizemos naquelas carteiras. Nosso amigo pegava carona conosco e prestava vestibular para Ciência da Computação, uma espécie de novidade entre as áreas de conhecimento. Víamos aulas-espetáculo de Biologia, Física, Química, História, Matemática, Português, Literatura (que, para a escola, curiosamente, são coisas diferentes!), Redação (opa, mais uma divisão!) e se me esqueci de alguma matéria, perdoem-me os vestibulandos.

Lemos livros, discutimos teorias, repetimos fórmulas, decoramos musiquinhas, fizemos provas simuladas e matamos algumas aulas. Quando tudo parecia insuportável, pensávamos no campus verdinho da universidade e no futuro a ser conquistado. Não sabíamos exatamente o que nos esperava, mas diziam os adultos que era bom.

Fiquei quatro sofridos meses naquele cursinho. Passei por lá como um projétil. Não fiz qualquer vínculo (exceto com nosso amigo, aliás, amigo até hoje). Cumpri o que deveria e passei no vestibular. Não era lá o curso mais difícil, mas fiquei entre os dez primeiros entre centenas de concorrentes. Na faculdade privada em que fiz provas antes, fiquei em segundo lugar. Quando saiu o resultado dos exames e marcaram o dia de matrícula, meu pai me fez uma proposta: "se passar na universidade pública, pode ficar com o dinheiro da matrícula e da primeira mensalidade (ou prestação, não sei) da escola privada. Nem quero saber o que você fará. Tome a decisão". O que ocorria era que, obviamente, a matrícula da faculdade particular deveria ser feita antes do resultado da universidade pública. Era, portanto, de fato, uma decisão a ser tomada.

Não fiz matrícula. Pensei, arrisquei, deixei que minha autoconfiança emergisse. Fiquei com a grana e comprei discos, não sei mais. Comprei livros também. Saí com amigos e paguei uma conta mais alta. Não me lembro. Esperei o resultado do vestibular público com ardências no pescoço. Mas passei, ainda bem. Passei. Levei trote da família, ganhei os parabéns e até abraços calorosos dos irmãos. Estava dentro. Mas foi aí que tive uma tristeza: estampado no jornal estava meu nome, ANA ELISA RIBEIRO, na lista dos aprovados por mérito do cursinho! Que lástima. A escola pública que me havia formado, constituído e amadurecido não tinha departamento de marketing, ora vejam. Mas o cursinho, claro, tinha.

Meu nome naquela lista só não era mais absurdo (foi assim que eu senti) do que o nome do meu amigo, candidato a Biologia, que havia freqüentado o cursinho por duas semanas. Não sabíamos se era motivo de risada ou de raiva. Sequer as musiquinhas com fórmulas de física haviam me servido para alguma coisa. As aulas de literatura eram muito menos do que eu havia lido até ali, sem contar que o professor maldizia nossa literatura o tempo todo. As correções de redação que aconselhavam a falta completa de criatividade e os padrões insossos de parágrafo me pareciam anti-aulas de produção de texto, burrificação.

A lembrança disso tudo está viva. Muito mais do que eu supunha. E veio à tona porque, nos dias que correm, vendo televisão, deparei com propagandas de cursinhos. O pré-vestibular da moda não é mais aquele que cursei, mas a propaganda continua a mesma. Equipes de professores sorridentes abraçam alunos aprovados e carecas. Belos jovens pulam com roupas sujas de tinta. Livros são jogados para o alto, como se entrar na universidade fosse a parte mais difícil. E uma música emocionante funciona como fundo para frases de vitórias e nomes de alunos, seguidos da colocação alcançada. Nunca se viu tanta gente em primeiro lugar. Nunca se soube de tanto primeiro lugar geral. Neste momento, as vedetes são as universidades federais ou as católicas. E, para minha surpresa, lá estava, na propaganda de um cursinho, a aluna que tirou primeiro lugar nacional no ENEM, entre mais de um milhão de alunos. A jovem, ex-aluna de uma escola pública, constava, como sempre, da listinha de aprovados por mérito do cursinho. Será que o direito não tem um enquadramento para isso? Deve até ter. Repare-se que não se trata do cursinho que se apropria da aprovação do estudante no vestibular, mas da apropriação de um primeiro lugar no ENEM, uma avaliação nacional que afere competências desenvolvidas ao longo do ensino médio! O estômago da gente precisa ser forte. Minha avó já sabia disso.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 22/2/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Como medir a pretensão de um livro de Ana Elisa Ribeiro
02. Nos braços de Tião e de Helena de Renato Alessandro dos Santos
03. Inferno em digestão de Renato Alessandro dos Santos
04. De volta à antiga roda rosa de Elisa Andrade Buzzo
05. Os olhos de Ingrid Bergman de Renato Alessandro dos Santos


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2008
01. Uísque ruim, degustador incompetente - 8/8/2008
02. Trocar ponto por pinto pode ser um desastre - 3/10/2008
03. Substantivo impróprio - 25/4/2008
04. Minha coleção de relógios - 31/10/2008
05. Eu e o cursinho pré-vestibular - 22/2/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
22/2/2008
02h13min
Passei por situação semelhante, Ana. É óbvio que o cursinho ajuda, mas acho que vale mais a formação do colégio. Resta o consolo de que o que fica, na memória, são os anos do colégio. Os meses no cursinho são esquecidos fácil, fácil.
[Leia outros Comentários de Rafael Rodrigues]
22/2/2008
08h52min
como professor de cursinho, mas contrário a esse tipo de propaganda que você comenta, concordo inteiramente com o que você escreveu. na equação do mercado, a soma nunca confere e a desordem dos fatores deteriora o produto. meu abraço.
[Leia outros Comentários de caio/luiz carlos]
22/2/2008
12h00min
Entendo o que você quer dizer. Confesso que, quando li as características dos comerciais, realmente achei que se tratava de um cursinho de minha cidade (Manaus). O que mais me chama atenção é o fato de que a maioria dos alunos não possui essa visão mais crítica, chegando a participar do comercial do cursinho e atribuindo a sua vitória ao mesmo, esquecendo de sua formação escolar. Uma pena. Conheço pessoas que vivem em cursinhos e nunca passaram em concursos, da mesma forma que conheço outras que sempre passam em ótimos lugares e nunca sentaram numa cadeira de pré-vestibular.
[Leia outros Comentários de Amandio Silva]
27/2/2008
11h11min
Oi, Ana: isso já virou indústria, né? Eu também tive esta experiência com duas semanas de aula espetáculo. Mas, eu quero mesmo é te dar os parabéns, te desejar boa sorte na defesa e um sucesso tremendo. Não vejo a hora de ler sua tese. Abs
[Leia outros Comentários de Fátima Franco]
27/2/2008
16h28min
O estômago tem que ser forte mesmo, Ana. Pior até que a indiferença pelo ensino público é o entusiasmo que muita gente tem pelo ensino privado no Brasil, e por um modelo de ensino privado fajuto, quase caricato. Outro dia escutei um "gênio" dizendo que nós devíamos ter mesmo as universidades todas privadas como nos EUA. Pouca gente sabe, mas a maior parte do sistema americano é PUBLICA, não federal como no Brasil, mas estadual e municipal. E mais, as boas universidades privadas daqui vivem de fundos de investimento construídos com contribuições de alunos - a mensalidade não dá nem para o cafezinho, mesmo porque elas precisam oferecer bolsas aos alunos bem qualificados que não têm recursos próprios. Desculpa ocupar esse espaço com esse tipo de desabafo.
[Leia outros Comentários de Paulo Moreira]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




HISTÓRIA DO BRASIL - NOVA CONSCIÊNCIA 5ª SÉRIE
CILBERTO COTRIM
SARAIVA
(2001)
R$ 15,00



OS MORTOS PERMANECEM JOVENS
ANNA SEGHERS
VITORIA
(1956)
R$ 19,90



AS EMPRESAS E DUA ADMINISTRAÇÃO
BERTRAM M. GROSS
URGS
(1979)
R$ 8,00



ROBERTO MAGALHÃES - DESENHOS
ROBERTO MAGALHÃES
INSTITUTO MOREIRA SALLES
(2001)
R$ 10,00



CÁLCULO VOLUME 1
GEORGE B. THOMAS; MAURICE D., JOEL HASS
PEARSON
(2012)
R$ 108,00



UM CONTO DO DESTINO
MARK HELPRIN
NOVO CONCEITO
(2014)
R$ 8,64



MY LIFE AS A MAN
PHILIP ROTH
VINTAGE
(1993)
R$ 29,00



O ELOGIO DA PEDAGOGIA
LUIZ GONZAGA TEIXEIRA
LOYOLA
(2001)
R$ 21,00



O QUE É CANOAGEM, REMO E ESQUI AQUÁTICO
SILVIA VIEIRA
CASA DA PALAVRA
(2007)
R$ 22,00



MANUAL PARA PLANEJAMENTO DE EMBALAGENS
MINIST. IND. E COMÉRCIO
ATELIER ARTE EDIÇÕES MG
(1976)
R$ 40,00





busca | avançada
32696 visitas/dia
1,3 milhão/mês