Eu e o cursinho pré-vestibular | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
76521 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Rodolpho Parigi participa de live da FAAP
>>> Para fugir de ex-companheiro brasileira dá volta ao mundo com pouco dinheiro
>>> Zé Guilherme encerra série EntreMeios com participação da cantora Vania Abreu
>>> Bricksave oferece vistos em troca de investimentos em Portugal
>>> Projeto ‘Benzedeiras, tradição milenar de cura pela fé’ é lançado em multiplataformas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 9/11 books
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Cidade de Deus, de Paulo Lins
>>> Humberto Alitto
>>> Orra, meu
>>> A forca de cascavel — Angústia (Fuvest)
>>> Meu tio
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> Tarde, de Paulo Henriques Britto
>>> Curitiba
Mais Recentes
>>> Revista Viagem e Turismo - Ano 20 – Nº 2 - Quatro Roteiros na Itália Pra Ver Antes de Morrer de Vários Autores pela Abril (2015)
>>> Guia do Executivo Porto Alegre 1998 de Vários Autores pela Gazeta Mercantil (1998)
>>> Guia Quatro Rodas Brasil 2002 de Vários Autores pela Abril (2002)
>>> Éfeso de Naci Keskin pela Keskin Colors (2012)
>>> Clube do Livro, Ser Leitor - que diferença faz? de Luzia de Maria pela Literária (2009)
>>> The Good Life Guide to Sydney de Tessa Mountstephens pela Hark! (1996)
>>> Matemática - 8º Ano - 6º Edição de Edwaldo Bianchini pela Moderna (2006)
>>> Encontro com a Begõnia de Nilza de Oliveira pela Imagem (2014)
>>> Buenos Aires de Boca a River de Joaquim da Fonseca pela Artes e Ofícios (1996)
>>> Brisa Bia, Brisa Bel de Ana Maria Machado pela Record (1999)
>>> Barcelona – Um Ano Com 365 Dias de Marcos Eizerik pela Age (2008)
>>> De Mala e Cuia – Tudo o Que Você Precisa Saber Para Morar, Estudar, Trabalhar e se Divertir na Europa de Adriana Setti pela Jaboticaba (2005)
>>> Quebra de Confiança de Quebra de Confiança Harlan Coben pela Arqueiro (2011)
>>> Viajando pela Europa e Pelo Mundo de José Cretella Júnior pela T. A. Queiroz (1985)
>>> Silêncio na Floresta de Harlan Coben pela Benvirá (2009)
>>> A Nova História Cultural de Lynn Hunt pela Martins Fontes (1992)
>>> O Livro dos Espíritos de Allan Kardec pela Círculo do Livro (1993)
>>> Não Conte a Ninguém de Harlan Coben pela Arqueiro (2009)
>>> Cyrano de Bergerac de Edmond Rostand pela Nova Cultural (2003)
>>> O Livro dos Incensos de Steven R. Smith pela Roca (1994)
>>> Confie Em Mim de Harlan Coben pela Arqueiro (2009)
>>> Romeu e Julieta - Macbeth - Otelo, O Mouro de Veneza de William Shakespeare pela Nova Cultural (2003)
>>> Consciência Cósmica de Rosabis Camaysar pela Lorenz (1994)
>>> Alta Tensão de Harlan Coben pela Arqueiro (2011)
>>> Os Sentidos do Trabalho - Ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho de Ricardo Antunes pela Boitempo (2000)
>>> Luta Armada no Brasil do Anos 60 e 70 de Jaime Sautchuk pela Anita Garibaldi (1995)
>>> Jogada Mortal de Harlan Coben pela Arqueiro (2011)
>>> Quando Ela Se Foi de Harlan Coben pela Arqueiro (2011)
>>> Descartes The Project of Pure Enquiry de Bernard Williams pela Routledge (2005)
>>> Desaparecido para Sempre de Harlan Coben pela Arqueiro (2010)
>>> Seis Anos Depois de Harlan Coben pela Arqueiro (2014)
>>> Estatuto da Criança e do Adolescente de Vários Autores pela Pmpa (2003)
>>> O Inocente de Harlan Coben pela Arqueiro (2013)
>>> A Dama das Camélias de Alexandre Dumas Filho pela Nova Cultural (2003)
>>> Equilíbrio Total Através da Parapsicologia de Miguel Lucas pela Almed (1981)
>>> Casa de Bonecas de Henrik Ibsen pela Nova Cultural (2003)
>>> O Poder da Oração para Mulheres de Jackie M. Johnson pela Povket ouro (2013)
>>> Jesus como Terapeuta - O Poder Curador das Palavras de Anselm Grün pela Vozes (2013)
>>> Manual do Astrônomo Amador de Jean Nicolini pela Papirus (1991)
>>> As Três Irmãs de Anton Tchekov pela Nova Cultural (2002)
>>> Constituição da República Federativa do Brasil de Alexandre de Moraes (Org.) pela Atlas (2001)
>>> Constituição da República Federativa do Brasil de Vários Autores pela Saraiva (2000)
>>> O Livro Secreto do Banheiro Feminino de Jo Barrett pela Essência/Planeta (2008)
>>> Código de Hamurabi – Código de Manu – Lei das XII Tábuas de Jair Lot Vieira (Superv.) pela Edipro (2002)
>>> Manual de Prática Forense Civil de Edson Cosac Bortolai pela Revista dos Tribunais (2003)
>>> Vade Mecum Método Cívil 2016 de Vários Autores pela Método (2016)
>>> Nossa próxima atração. O interprograma do Canal 3 de Mário Fanucchi pela Edusp (1996)
>>> Evaristo de Moraes Filho – 100 Anos de Vida Contribuição à Sociologia e ao Direito do Trabalho de Eliana Gonçalves da Fonte Pessanha e Outros (Orgs.) pela Ministério do Trabalho (2016)
>>> O tempo e a alma de Jacob Needleman pela Ediouro (1999)
>>> A Revolução de 1930 - História e Historiografia de Boris Fausto pela Companhia das Letras (2015)
COLUNAS

Sexta-feira, 22/2/2008
Eu e o cursinho pré-vestibular
Ana Elisa Ribeiro

+ de 7000 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Quando decidi que profissão seguiria, lembro de confiar a meus pais o segredo. Sim, segredo. É que gente inteligente, para outros parentes, só deveria seguir carreiras da moda ou então aquelas mais óbvias. A minha, embora fosse antiga e tradicional, não se enquadrava nas categorias mencionadas. Com meus pais, que são quem me conhece, o segredo estaria guardado e a escolha, fora do alcance dos julgamentos limitadíssimos daquelas pessoas.

No final do ensino médio, depois de muita insistência minha e de meu irmão, meu pai resolveu pagar um intensivão de cursinho pré-vestibular. A indústria dos concursos exercia pressão sobre os estudantes, de forma que parecia impossível conseguir uma vaga na universidade pública sem passar por aqueles auditórios semi-escolares. Escolhemos o cursinho da moda e assistimos às aulas no turno da noite.

O melhor que tirei daquela experiência foi uma amizade duradoura que fizemos naquelas carteiras. Nosso amigo pegava carona conosco e prestava vestibular para Ciência da Computação, uma espécie de novidade entre as áreas de conhecimento. Víamos aulas-espetáculo de Biologia, Física, Química, História, Matemática, Português, Literatura (que, para a escola, curiosamente, são coisas diferentes!), Redação (opa, mais uma divisão!) e se me esqueci de alguma matéria, perdoem-me os vestibulandos.

Lemos livros, discutimos teorias, repetimos fórmulas, decoramos musiquinhas, fizemos provas simuladas e matamos algumas aulas. Quando tudo parecia insuportável, pensávamos no campus verdinho da universidade e no futuro a ser conquistado. Não sabíamos exatamente o que nos esperava, mas diziam os adultos que era bom.

Fiquei quatro sofridos meses naquele cursinho. Passei por lá como um projétil. Não fiz qualquer vínculo (exceto com nosso amigo, aliás, amigo até hoje). Cumpri o que deveria e passei no vestibular. Não era lá o curso mais difícil, mas fiquei entre os dez primeiros entre centenas de concorrentes. Na faculdade privada em que fiz provas antes, fiquei em segundo lugar. Quando saiu o resultado dos exames e marcaram o dia de matrícula, meu pai me fez uma proposta: "se passar na universidade pública, pode ficar com o dinheiro da matrícula e da primeira mensalidade (ou prestação, não sei) da escola privada. Nem quero saber o que você fará. Tome a decisão". O que ocorria era que, obviamente, a matrícula da faculdade particular deveria ser feita antes do resultado da universidade pública. Era, portanto, de fato, uma decisão a ser tomada.

Não fiz matrícula. Pensei, arrisquei, deixei que minha autoconfiança emergisse. Fiquei com a grana e comprei discos, não sei mais. Comprei livros também. Saí com amigos e paguei uma conta mais alta. Não me lembro. Esperei o resultado do vestibular público com ardências no pescoço. Mas passei, ainda bem. Passei. Levei trote da família, ganhei os parabéns e até abraços calorosos dos irmãos. Estava dentro. Mas foi aí que tive uma tristeza: estampado no jornal estava meu nome, ANA ELISA RIBEIRO, na lista dos aprovados por mérito do cursinho! Que lástima. A escola pública que me havia formado, constituído e amadurecido não tinha departamento de marketing, ora vejam. Mas o cursinho, claro, tinha.

Meu nome naquela lista só não era mais absurdo (foi assim que eu senti) do que o nome do meu amigo, candidato a Biologia, que havia freqüentado o cursinho por duas semanas. Não sabíamos se era motivo de risada ou de raiva. Sequer as musiquinhas com fórmulas de física haviam me servido para alguma coisa. As aulas de literatura eram muito menos do que eu havia lido até ali, sem contar que o professor maldizia nossa literatura o tempo todo. As correções de redação que aconselhavam a falta completa de criatividade e os padrões insossos de parágrafo me pareciam anti-aulas de produção de texto, burrificação.

A lembrança disso tudo está viva. Muito mais do que eu supunha. E veio à tona porque, nos dias que correm, vendo televisão, deparei com propagandas de cursinhos. O pré-vestibular da moda não é mais aquele que cursei, mas a propaganda continua a mesma. Equipes de professores sorridentes abraçam alunos aprovados e carecas. Belos jovens pulam com roupas sujas de tinta. Livros são jogados para o alto, como se entrar na universidade fosse a parte mais difícil. E uma música emocionante funciona como fundo para frases de vitórias e nomes de alunos, seguidos da colocação alcançada. Nunca se viu tanta gente em primeiro lugar. Nunca se soube de tanto primeiro lugar geral. Neste momento, as vedetes são as universidades federais ou as católicas. E, para minha surpresa, lá estava, na propaganda de um cursinho, a aluna que tirou primeiro lugar nacional no ENEM, entre mais de um milhão de alunos. A jovem, ex-aluna de uma escola pública, constava, como sempre, da listinha de aprovados por mérito do cursinho. Será que o direito não tem um enquadramento para isso? Deve até ter. Repare-se que não se trata do cursinho que se apropria da aprovação do estudante no vestibular, mas da apropriação de um primeiro lugar no ENEM, uma avaliação nacional que afere competências desenvolvidas ao longo do ensino médio! O estômago da gente precisa ser forte. Minha avó já sabia disso.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 22/2/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A confissão de Lúcio: as noites cariocas de Rangel de Renato Alessandro dos Santos
02. As sombras e os muros de José J. Veiga de Cassionei Niches Petry
03. A polícia militar e o atentado à democracia de Gian Danton
04. Lições que aprendi com o Millôr de Diogo Salles
05. Tolos Vorazes de Vicente Escudero


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2008
01. Uísque ruim, degustador incompetente - 8/8/2008
02. Trocar ponto por pinto pode ser um desastre - 3/10/2008
03. Substantivo impróprio - 25/4/2008
04. Minha coleção de relógios - 31/10/2008
05. Confissões de uma doadora de órgãos - 7/3/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
22/2/2008
02h13min
Passei por situação semelhante, Ana. É óbvio que o cursinho ajuda, mas acho que vale mais a formação do colégio. Resta o consolo de que o que fica, na memória, são os anos do colégio. Os meses no cursinho são esquecidos fácil, fácil.
[Leia outros Comentários de Rafael Rodrigues]
22/2/2008
08h52min
como professor de cursinho, mas contrário a esse tipo de propaganda que você comenta, concordo inteiramente com o que você escreveu. na equação do mercado, a soma nunca confere e a desordem dos fatores deteriora o produto. meu abraço.
[Leia outros Comentários de caio/luiz carlos]
22/2/2008
12h00min
Entendo o que você quer dizer. Confesso que, quando li as características dos comerciais, realmente achei que se tratava de um cursinho de minha cidade (Manaus). O que mais me chama atenção é o fato de que a maioria dos alunos não possui essa visão mais crítica, chegando a participar do comercial do cursinho e atribuindo a sua vitória ao mesmo, esquecendo de sua formação escolar. Uma pena. Conheço pessoas que vivem em cursinhos e nunca passaram em concursos, da mesma forma que conheço outras que sempre passam em ótimos lugares e nunca sentaram numa cadeira de pré-vestibular.
[Leia outros Comentários de Amandio Silva]
27/2/2008
11h11min
Oi, Ana: isso já virou indústria, né? Eu também tive esta experiência com duas semanas de aula espetáculo. Mas, eu quero mesmo é te dar os parabéns, te desejar boa sorte na defesa e um sucesso tremendo. Não vejo a hora de ler sua tese. Abs
[Leia outros Comentários de Fátima Franco]
27/2/2008
16h28min
O estômago tem que ser forte mesmo, Ana. Pior até que a indiferença pelo ensino público é o entusiasmo que muita gente tem pelo ensino privado no Brasil, e por um modelo de ensino privado fajuto, quase caricato. Outro dia escutei um "gênio" dizendo que nós devíamos ter mesmo as universidades todas privadas como nos EUA. Pouca gente sabe, mas a maior parte do sistema americano é PUBLICA, não federal como no Brasil, mas estadual e municipal. E mais, as boas universidades privadas daqui vivem de fundos de investimento construídos com contribuições de alunos - a mensalidade não dá nem para o cafezinho, mesmo porque elas precisam oferecer bolsas aos alunos bem qualificados que não têm recursos próprios. Desculpa ocupar esse espaço com esse tipo de desabafo.
[Leia outros Comentários de Paulo Moreira]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




AS BRUMAS DE AVALON 2 - A GRANDE RAINHA
MARION ZIMMER BRADLEY
N/D
R$ 12,00



ALÉM DA MORTE
STANISLAV E CHRISTINA GROF
DEL PRADO
(1996)
R$ 50,00



A TAPAS E PONTAPÉS
DIOGO MAINARDI
RECORD
(2004)
R$ 9,90



CÂNTICOS
CECÍLIA MEIRELES
MODERNA
(1995)
R$ 25,00
+ frete grátis



A VERDADE DA VIDA VOL 38 - FELICIDADE 2
MASAHARU TANIGUCHI
SEICHO-NO- IE
(2006)
R$ 15,00
+ frete grátis



SOUL EATER NOT! 1
ATSUSHI OHKUBO
JBC
(2014)
R$ 10,00



CONTRATO COM O BRASIL
JAIME ROTSTEIN
TOPBOOKS
(2000)
R$ 5,00



MANUAL CF 97 - FRATERNIDADE E OS ENCARCERADOS
CAMPANHA DA FRATERNIDADE
SALESIANAS
R$ 15,00



COLETIVO 21
ADRIANO MACEDO
GRUPO AUTÊNTICA
(2011)
R$ 14,90



O FEITIÇO DO AMOR
HEINZ G. KONSALIK
RECORD
R$ 12,00





busca | avançada
76521 visitas/dia
2,1 milhões/mês