Nhô Guimarães | Rafael Rodrigues | Digestivo Cultural

busca | avançada
73958 visitas/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Minute Media anuncia lançamento da plataforma The Players’ Tribune no Brasil
>>> Leonardo Brant ministra curso gratuito de documentários
>>> ESG como parâmetro do investimento responsável será debatido em evento da Amec em parceria com a CFA
>>> Jornalista e escritor Pedro Doria participa do Dilemas Éticos da CIP
>>> Em espetáculo de Fernando Lyra Jr. cadeira de rodas não é limite para a imaginação na hora do recrei
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
>>> PoloAC retoma temporada de Os Doidivanas
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Bernstein: 5ª de Shostakovich
>>> Mini-cartografia do prazer gastronômico paulistano
>>> Eu, Marília
>>> A tirania do isolamento
>>> 2009: intolerância e arte
>>> A Marafa Carioca, de Marques Rebelo
>>> Maiores audiências da internet
>>> Amando quem não existe
>>> 18 de Outubro #digestivo10anos
>>> A alma boa de Setsuan e a bondade
Mais Recentes
>>> Desejo, Logo Realizo: a Saude Plena Depende de Nos de Roberto Zeballos pela Fundacao Peirópolis (2010)
>>> Dos and Taboos of Using English Around the World de Roger E. Axtell pela John Wiley & Sons (1995)
>>> O Vinhedo de Barbara Delinsky pela Bertrand Brasil (2006)
>>> Feliz 1958 o Ano Que Não Devia Terminar de Joaquim Ferreira dos Santos pela Record (2008)
>>> Contos de Érico Veríssimo pela Globo (1987)
>>> Cantos: Oficinas de Oração e Vida de Vários Autores pela Folha Artes Graficas (2007)
>>> Machado de Assis (crônicas) - Col. Nossos Clássicos de Machado de Assis pela Agir (1963)
>>> Série Prisma - Carros Famosos de David Burguess Wise pela Melhoramentos (1970)
>>> Pollyana - Biblioteca das Moças Vol. 89 de Eleanor H. Porter pela Companhia Nacional (1958)
>>> Machado de Assis (poesia) - Col. Nossos Clássicos de Machado de Assis pela Agir (1964)
>>> Junqueira Freire (poesia) - Col. Nossos Clássicos de Junqueira Freire pela Agir (1962)
>>> Pensamentos de um Filósofo Primitivista - Número 1 de Cicero Buark pela Independente (1980)
>>> Berlitz: Portuguese English - Inglês Português de Berlitz pela Berlitz (1982)
>>> Pequeno Dicionário de Sociologia de Clovis Pansani pela Copola (1998)
>>> Pensamento e a Vida - Ditado pelo Espírito Emmanuel de Francisco Cândido Xavier pela Feb (1998)
>>> Série Prisma - Previsão do Tempo e Clima de A. G. Forsdyke pela Melhoramentos (1975)
>>> Mitos e Lendas da Roma Antiga - Coleção Prisma de Vários Autores pela Melhoramentos (1976)
>>> Meditação: A Arte do Êxtase de Bhagwan Shree Rajneesh pela Cultrix (1976)
>>> Bola de Sebo e Outras Narrativas de Guy de Maupassant pela Expressão Popular (2013)
>>> Dieta Mediterrânea de Dr. Fernando Lucchese e Outro pela L&PM (2005)
>>> Psicologia e Literatura de Dante Moreira Leite pela Editora Nacional (1967)
>>> Antonio Gramsci Uma Vida de Laurana Lajolo pela Brasiliense (1982)
>>> Contradições do Homem Brasileiro de Jornard Muniz de Brito pela Tempo Brasileiro (1964)
>>> Princípios de Ginecologia de Sir Norman Jeffcoate pela Manole (1979)
>>> Semiologia Médica Vol. 1 de Vieira Romeiro pela Científica (1948)
COLUNAS

Sexta-feira, 26/1/2007
Nhô Guimarães
Rafael Rodrigues

+ de 7600 Acessos
+ 1 Comentário(s)

" - Nhô Guimarães, um homem de seu quilate não morre... (...) - Fica encantado!"

Concebido como forma de homenagear os 50 anos de publicação de Grande Sertão: Veredas, de Guimarães Rosa, Nhô Guimarães (Bertrand Brasil, 2006, 176 págs., com ilustrações de Juraci Dórea) é um romance completo e independente, pois transcende a homenagem e ganha vida própria.

Nhô Guimarães conta a história de uma personagem que é uma contadora de histórias. Uma mulher simples, do interior, que conta as histórias que viveu - ou ouviu de alguém - para quem levantar as orelhas e fazer silêncio para ouvir.

Ela, uma octogenária muito astuta e vivida, se define: "O senhor veja: estou na casa dos oitenta. Nessa idade, vou vivendo, sem passar precisão. Nas terras ao redor, pouquinhas, porém dadivosas, planto e colho de um tudo o pouco que preciso para o meu sustento. (...) O senhor veja: sou uma velha arrumada, vivo em paz no meu sossego. Sei me cuidar."

Tudo começa quando, confundido com um certo Nhô Guimarães, o tal "senhor" pára para ouvir as histórias da tão hospitaleira e animada octogenária.

" - Nhô Guimarães, o senhor por aqui? Há quanto tempo! Ah, não. Nsh, nsh! Não é ele, não. Mas, quem é o senhor? Apeie, chegue à frente, a casa é nossa. Entre, que lhe dou uns goles de água fresca. (...) Estes caminhos andam numa poeira danada, essa secura, sem chuvas. Isto é o sertão."

E ele ouve. Várias histórias. Algumas tristes, como "A vingança de Nenzinho". Nenzinho, quando "nem homem feito era ainda", foi humilhado publicamente por Zé de Zabé, que o fez beijar o chão e "a dizer de si mesmo tudo coisa quanto não prestasse". Anos depois, Nenzinho, já homem feito e forte, e Zé de Zabé, já casado e com filhos, tiveram seu acerto de contas. Nenzinho nem precisou fazer nada. Tudo o que fez foi assistir a agonia de Zé de Zabé, que depois desse trágico dia, ficou sozinho no mundo. Outras redentoras, como "Um pai desnaturado", que poderia se chamar "O pai pródigo". Nela, um pai rejeita o filho recém-nascido e a mãe cria o menino sozinha. Com o passar dos anos o menino, já homem, prospera nos negócios. Já o pai desnaturado, vai à ruína. Certo dia, o velho, já nas ruas, apelando para a mendicância, tromba com o filho e, sentindo-se humilhado, lhe pede perdão. O rapaz, que poderia vingar-se do pai naquele momento, opta pelo bom-samaritanismo. Perdoa o pai e o acolhe em seu lar.

Há também histórias de amor, mas a maior delas é mesmo a da personagem com Manu, Manuel Adeodato, seu marido falecido, que ela cita várias vezes, e que era amigo de Nhô Guimarães. Com Manu, como ela carinhosamente se refere ao marido, ela teve um filho, que mudou-se para a cidade ainda jovem e depois de algum tempo não mais mandou notícias.

O romance é dividido em 36 capítulos e, apesar de haver um "causo" em cada um deles (a exceção do primeiro e último capítulos), há uma ligação entre todos. Essa liga, esse laço, é justamente a amizade da personagem e do seu falecido marido com Nhô Guimarães e a esperança que ela tem de ainda poder encontrar, ao menos uma última vez, com Nhô Guimarães e com o filho que se perdera na cidade.

Um dos grandes êxitos de Aleilton Fonseca - que não é nenhum novato em nossa literatura, muito pelo contrário; Aleilton é doutor em literatura pela USP, professor de literatura da UEFS e tem vários livros de poesias e contos publicados - com o seu Nhô Guimarães talvez seja o de conseguir colocar, sutilmente, nas histórias da octogenária, algumas críticas à nossa realidade.

"Todo mês vou à cidade. Retiro meu dinheiro na Caixa. Ah, eu sou aposentada, o senhor sabe? O valor é uma sem-vergonhice de tão pouco, a gente precisa exigir mais respeito."

E mais:

"Eu, o que queria mesmo, um dia desses, era ser candidata. Isso se tivesse idade menos. Mas qual, estou de pilhéria com o senhor! Até hoje voto, escolho, recomendo. O tempo que passa só traz melhoras. Com paciência e trabalho as coisas mudam. Mesmo devagar, vai tudo de mudança. Nhô Pompilo mandava e desmandava nestas bandas, desde rapaz até a velhice. Os filhos dele mandavam menos. Os netos não mandam mais."

Nhô Guimarães é, ao mesmo tempo, uma coleção de histórias e um romance, que tem sua verdadeira história aos poucos desfiada, sob as histórias contadas pela octogenária. Uma verdadeira aula de como se escrever uma boa história (o romance) e de como se escrever várias boas histórias (os "causos" que compõem o romance). E a personagem dá a dica:

"Quem proseia precisa imaginar, palavrear, distrair o parceiro. Isso é certo, as novidades boas e compridas. A verdade é só um começo. O melhor mesmo da história é o capricho da prosa." Capricho esse que Aleilton tem de sobra. Fiz a leitura de Nhô Guimarães com tanto gosto que perdia a noção das horas. E mesmo que estivesse com o horário apertado, sempre pensava "vou ler só mais um 'causo' e já vou".

Ah, e pra terminar: o "senhor" que ouve calado e atentamente as histórias da personagem, tem sua identidade mantida em segredo até o fim do livro, quando o leitor decide finalmente quem ele é, as lágrimas rolam e a "história acaba e começa".

Para ir além






Rafael Rodrigues
Feira de Santana, 26/1/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite de Jardel Dias Cavalcanti
02. Era uma casa nada engraçada de Cassionei Niches Petry
03. A biblioteca de C. G. Jung de Ricardo de Mattos
04. Gullar X Nunos Ramos: o dilema da arte de Wellington Machado
05. A batalha perdida do pastor de Diego Viana


Mais Rafael Rodrigues
Mais Acessadas de Rafael Rodrigues em 2007
01. O óbvio ululante, de Nelson Rodrigues - 2/11/2007
02. O nome da morte - 16/2/2007
03. História dos Estados Unidos - 29/6/2007
04. Os dois lados da cerca - 7/12/2007
05. O homem que não gostava de beijos - 9/3/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
30/1/2007
09h52min
Rafael, fiquei comovida só de ler seu texto. Sou uma compradora compulsiva de livros, embora não tenha tempo para lê-los todos. Com certeza, vou comprar Nhô Guimarães. É muito bom ler bons textos. Obrigada.
[Leia outros Comentários de Carla Borges]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Curando as Doenças do Dia a Dia Com Métodos Naturais
Equipe de Seleções do Readers Digest
Readers Digest
(2002)



Locus Revista de História 13 - V 7 , N 2
Ufjf
Ufjf
(2001)



Apocalip-se a Estrela da Manhã
Mandi
Acsn
(1997)



Saúde Pública Utopia de Brasil - Arenas do Rio
Sarah Escorel
Relume Dumara
(2000)



Como Não Aprender Inglês - Erros Comuns do Aluno Brasileiro
Michael A. Jacobs
Do Autor
(1999)



O Som e a Fúria
Folha de São Paulo
Folha de São Paulo
(2013)



Religiones y Literatura de Japón
Walter Gardini
Editorial Kier
(1995)



Transtornos del Habla: Audiofonologia y Logopedia Viii
Jorge Perelló, J P Vergé, L. Tresserra (2ª Ed
Editorial Científico Médica
(1973)



O Sequestro
Robert L. Stevenson
Clube do Livro
(1975)



Dirigindo Com Sabedoria Com Cd
Tony Gandra
Abranther
(2002)





busca | avançada
73958 visitas/dia
2,5 milhões/mês