Da arte opiniática | Evandro Ferreira | Digestivo Cultural

busca | avançada
72442 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> MAB FAAP estará fechado nos próximos dois finais de semana, devido ao Plano SP
>>> Exposição de Pietrina Checcaci é prolongada no Centro Cultural Correios
>>> Escritora Luci Collin participa de encontro virtual gratuito
>>> Máscaras Decoloniais: Dança e Performance (edição bilingue)
>>> Prêmio Sesc de Literatura abre hoje inscrições para edição 2021
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
Últimos Posts
>>> Kate Dias vive Campesina em “Elise
>>> Editora Sinna lança “Ninha, a Bolachinha”
>>> “Elise”: Lara Oliver representa Bernardina
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Van Halen 2013
>>> Treehouse
>>> Música em 2004
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Jornalismo em tempos instáveis
>>> Rasgos de memória
>>> História da leitura (II): o códice medieval
>>> Rufo, 80 II
>>> Jeitos de trabalhar
>>> The GigaOM Show
Mais Recentes
>>> Apostila workshop urbano curso perícias em avaliação de imóveis. de Caavi pela Caavi (2011)
>>> Stewardship: Choosing Service over Self-Interest de Peter Block pela Berrett-Koehler (1993)
>>> Fuvest 2000 - Literatura de Célia N. A. Passoni pela Núcleo (1999)
>>> Doze Contos Peregrinos de Gabriel Garcia Márquez pela Record (1992)
>>> Outeiro da Glória Marco na História da Cidade do Rio de Janeiro de Jorge de Souza Hue e Outros pela Artepadilla (2015)
>>> Le Voyageur et son Ombre de Nietzsche pela Mediations (1979)
>>> Avenidas da Saúde de Dr Haroldo Shryock pela Casa Publicadora Brasileira (1963)
>>> Livro Anne Whit An E Lucy Maud Bordando com as Estrelas de Lucy Maud Montgomery pela Ciranda Cultural (2021)
>>> O Flâneur - um Passeio Pelos Paradoxos de Paris de Edmund White pela Companhia das Letras (2001)
>>> Memórias de um Sargento de Milícias - Coleção o Globo de Manuel Antônio de Almeida pela O Globo (1997)
>>> O mulato de Aluísio Azevedo pela Ática (2000)
>>> Veneno Digital de Walcyr Carrasco pela Ática (2017)
>>> Uma Longa Jornada de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2015)
>>> Um Olhar Sobre a Ciência: Desenvolvimento, Aplicações e Políticas de Eloi de Souza Garcia pela Interciência (2003)
>>> O Verão e a Cidade - Os Diários de Carrie de Candance Bushnell pela Galera Record (2011)
>>> O Cotidiano de um Deficiente de Patricia Vaitsman dos Santos pela Interciência (2001)
>>> Um Porto Seguro de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2012)
>>> Um Ano Inesquecível de Babi Dewet, Bruna Vieira, Paula Pimenta e Thalita Rebouças pela Gutenberg (2015)
>>> A Hora da Estrela de Clarice Lispector pela José Olympio (1978)
>>> A Terra dos Meninos Pelados de Graciliano Ramos pela Record (1983)
>>> A Linguagem e Seu Funcionamento - as Formas do Discurso de Eni Puccinelli Orlandi pela Brasiliense (1983)
>>> A Sociedade Literária e a Torta de Casca de Batata de Mary Ann Shaffer e Annie Barrows pela Rocco (2009)
>>> Poesia Que Transforma de Bráulio Bessa pela Sextante (2018)
>>> O Livro de Ouro da Mitologia de Thomas Bulfinch pela Harper Collins (2018)
>>> Memórias Quase Esquecidas: Aqueles Olhos - Vol 1 de Alduisio M. de Souza pela Literatura Brasileira (2001)
>>> A Gênese de Allan Kardec pela Feb (1999)
>>> A Guerra Não Tem Rosto de Mulher de Svetlana Aleksiévitch pela Companhia das Letras (2016)
>>> Mais Coisas Que Toda Garota Deve Saber de Antônio Carlos Vilela pela Melhoramentos (2006)
>>> Engenharia genética - O Sétimo dia da criação de Fátima Oliveira pela Moderna (1995)
>>> O Ladrão de sonhos e outras historias de Ivan Angelo pela Atica (1999)
>>> Necronomicon: the Best Weird Tales of de H. P. Lovecraft pela Gollancz (2008)
>>> Um Dia "Daqueles": Uma Lição de Vida Para Levantar o Seu Astral de Bradley Trevor Greive pela Sextante (2001)
>>> A Cidadela do Caos de Steve Jackson pela Marques Saraiva (1990)
>>> O Calabouço da Morte de Ian Livinstone pela Marques Saraiva (1984)
>>> O Feiticeiro da Montanha de Fogo de Steve Jackson; Ian Livinstone pela Marques Saraiva (1991)
>>> Rostos da Portugalidade de Luís Machado pela Vega (2010)
>>> LIVRO NOVO! A Revolução dos Bichos de George Orwell pela Principis (2021)
>>> A Nave Espacial Traveller de Steve Jackson pela Marques Saraiva (1982)
>>> Norse Mythology de Neil Gaiman pela W. W. Norton & Company (2017)
>>> A Mão e a Luva de Machado de Assis pela Prazer de Ler (2016)
>>> Buda: na Floresta de Uruvella -vol. VI de Osamu Tezuka pela Conrad (2005)
>>> Buda. Em Busca da Iluminação. Vol. IV de Osamu Tezuka pela Conrad do Brasil (2005)
>>> Literatura Ao Sul de Luis Augusto Fischer pela Universidade de Passo Fundo (2009)
>>> Buda. a Outra Margem do Rio. Vol. III de Osamu Tezuka pela Conrad do Brasil (2005)
>>> O Cavaleiro da Esperança de Jorge Amado pela Record (1987)
>>> A Amiga Genial de Elena Ferrante pela Globo (2015)
>>> Passagens da Antiguidade ao Feudalismo de Perry Anderson pela Brasiliense (1987)
>>> O Não Me Deixes - Suas Histórias e Sua Cozinha de Rachel de Queiroz pela Arx (2004)
>>> George Sand de René Doumic pela Perrin (1922)
>>> Sybil de Flora Rheta Schreiber pela Círculo do Livro
COLUNAS >>> Especial Copa 2002

Quinta-feira, 30/5/2002
Da arte opiniática
Evandro Ferreira

+ de 3000 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Por mais que a opinião seja um "lugar" lastimável do conhecimento, é inegável que sem ela talvez não houvesse amizades, nem identidade cultural, nem mesmo qualquer forma de identidade. Quantas vezes não entramos em um táxi e fazemos amizade com o motorista apenas pronunciando frases como: "o Romário devia ter ido para a Copa, você não acha?". Outras vezes encontramos brasileiros em uma viagem ao estrangeiro e começamos a falar: "esses gringos comem uma comida péssima". Logo nos sentimos identificados e nos tornamos amigos e, acima de tudo, brasileiros.

Alguns tentam amenizar, botar panos quentes no problema da opinião. Dizem que ela não é necessariamente sem fundamento, ou que é um "estágio" do conhecimento - o que, neste caso, insinua um caminho de evolução que aponta para a superação da opinião em um momento mais "avançado" da vida de determinado sujeito. Mas o fato é que a grande maioria dos indivíduos não trilha caminho nenhum - no sentido cognoscitivo - e nem está interessado em mudar de "estágio". Quer mesmo é se divertir, fazer amizades, compartilhar opiniões. Nesse sentido, a opinião é um "estado", um lugar onde se está e do qual não necessariamente se quer sair, em direção a um lugar mais alto, do conhecimento verdadeiro.

Além disso, falar de uma "opinião fundamentada" é falar de uma opinião baseada em outra (ou outras), ou então não é mais falar de opinião, mas de conhecimento. Quando se fundamenta uma opinião em conhecimentos sólidos e rigorosos, neste momento mesmo ela deixa de ser opinião para se tornar essa outra coisa que poucos conhecem hoje em dia - e que muitos até negam - e que se chama verdade. Com isso não quero dizer que essa coisa nova que se criou não possa ser refutada. Só quero dizer que um conhecimento verdadeiro de algo, ainda que possa ser refutado, não o será por meio de uma opinião, mas de argumentos sérios. Muitas verdades não são eternas, mas as opiniões são apenas candidatas à verdade, ou melhor, são alunas da verdade. E alunas em geral pouco aplicadas!

Mas por que estou dizendo tudo isso? É simples. Para que sejamos felizes em tempos de Copa do Mundo, precisamos fazer farto uso de nossa faculdade de opinar. Muitos não sabem, mas a palavra "estágio", que significa "situação transitória, ou de preparação", tem um sentido quase igual ao de outra: "estádio", que é período ou fase. Mas estádio também é essa outra coisa, verde, cheia de gente e de jogadores. Então, por que não dizer que a opinião é um estádio? cheio de pessoas unidas pela vontade de emitir juízos de valor? O técnico não presta, o atacante é preguiçoso, o Galvão Bueno é chato, etc etc. Quão felizes não ficamos com tudo isso? Tomar uma cerveja e concordar com opiniões dos outros! Parece até que na vida não há nada melhor que isso.

Mas a emissão de uma opinião, se for tomada seriamente como uma técnica, deve ser feita observando-se algumas regras. Estas regras visam torná-la, por assim dizer, mais legítima ou mais de acordo com a tradição de conversas de botequim.

Então, a primeira regra é usar o verbo achar. "Eu acho que...". Nenhuma opinião fica completa se não começar com essa frase. O único problema é que muitas pessoas vão bater pé e dizer: "Mas eu não acho, eu TENHO CERTEZA que o técnico da seleção não presta". Nesse caso, só resta responder com uma outra frase ainda mais comum: "Eu acho que você está sendo muito radical" ou "Não é bem por aí".

Aqui vale uma observação interessante. O leitor pode estar-se perguntando como diferenciar uma opinião de uma verdade. O ideal, caso se queira aprender a "desmascarar" um opinador, é ler "Apologia de Sócrates", de Platão. Grosso modo, pode-se identificar a opinião colocando-se um "por que?" depois de cada frase. Então o desmacarador facilmente perceberá que os argumentos subsequentes nunca serão totalmente convincentes. Nunca chegará o ponto em que se torne desnecessário perguntar "por que". Mas não vale ser desonesto e, ao ouvir que 2+2=4, continuar perguntando "por que"!

A segunda regra da opinião é sempre reforçar clichês. Não faz nenhum sentido, por exemplo, dizer que o Galvão Bueno é um ótimo narrador. Deve-se dizer o que a maioria pensa, ou seja, que o Galvão Bueno é um chato, que o futebol de antigamente era bem melhor, que os jogadores são estrelinhas etc etc.

A terceira regra é a mais importante e está por trás de todas as outras. Nunca deixar ninguém provar nada. Suponhamos que alguém diga que o Galvão Bueno é um chato. Então, a conversa se prolonga um pouco mais e cada um dos presentes faz uma observação sobre esse fato. Alguém diz, por exemplo, que ele é pau mandado da Globo e que é obrigado a ser assim, outro diz que ele já nasceu assim. Depois um primo chato - daqueles que só aparecem em época de Copa - começa a analisar empiricamente a narração, com o intuito de encontrar nela traços de que o Galvão Bueno está sendo espontâneo. Veja bem, se ele realmente encontrar o que procura, os interlocutores que disseram que o Galvão não tem culpa estariam errados, pois ficaria provado que ele tem culpa. E isso não pode acontecer de forma alguma. Ninguém pode estar errado em uma conversa "opiniática". Ninguém, com exceção do chato que quer ser mais inteligente e provar alguma coisa! Então esse chato deve ser calado. Entretanto, essa regra só deve ser usada em última instância, pois pode trazer um clima ruim para a conversa, já que o fulano que foi calado pode ficar "emburrado", de mal humor.

A quarta regra é não prolongar a conversa além do necessário. A menos que todos os participantes estejam completamente bêbados, uma conversa "opiniática" não pode durar muito tempo. Isso acontece pelo fato de que o ser humano tem em sua natureza uma característica muito inconveniente. Ele quer sempre buscar a verdade, explicar as coisas. Portanto, caso uma conversa dure muito tempo, fatalmente aparecerá um chato que entende mais do assunto e que demonstrará alguma verdade. Esse perigo está cada vez menor, pois o número de sujeitos "não opiniáticos" por metro quadrado tem diminuído em nosso país. As universidades têm trabalhado arduamente para amputar da natureza humana a tão incoveniente característica. E têm feito isso por meio da emissão de teses sobre Marx, Gramsci, Foulcault, Deleuze e Derrida, entre outros. Mas enquanto esse fim não for finalmente alcançado, precisamos tomar cuidado nas conversas de botequim. Do contrário, seríamos obrigados a por em ação a regra anterior.

A quinta e última regra é sempre falar bem alto. Desse modo alcançam-se alguns objetivos. Primeiramente, a conversa vai parecer séria e acalorada, como se os assuntos discutidos fossem de importância salutar. Além disso, ninguém vai querer provar nada de forma racional, garantindo-se assim a condição "opiniática" da conversa. E, finalmente, os indivíduos que estiverem bêbados ou distantes (do outro lado da mesa) escutarão as opiniões claramente.

Todas as regras aqui descritas servem, se adaptadas, a outros ambientes como, por exemplo, às salas onde se assiste aos jogos de futebol. Lamentavelmente, elas têm servido também para as salas de aula. Talvez isso se deva à dificuldade dos estudantes em lidar com esta duplicidade. Ora estão no boteco, ora na sala de aula de uma universidade. Precisam "trocar" de cérebro, por assim dizer, mas acabam não fazendo isso. E talvez não o façam porque seus professores não os ensinam, pelo simples fato de que também não sabem, tão cegos estão com suas teorias moderninhas.

Mas, como já dizia o meu tio, "futebol tem dessas coisas".


Evandro Ferreira
Belo Horizonte, 30/5/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Casal 2000 da literatura brasileira de Luis Eduardo Matta
02. Nós, os escritores derrotados de Marcelo Maroldi
03. Da crônica ao metajornalismo de Nemo Nox


Mais Evandro Ferreira
Mais Acessadas de Evandro Ferreira em 2002
01. Apesar da democracia - 24/9/2002
02. Pensando sozinho - 27/8/2002
03. Babação do popular - 13/8/2002
04. O pensamento biônico - 23/7/2002
05. O underground e o Estado - 10/9/2002


Mais Especial Copa 2002
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
31/5/2002
17h24min
Prezado Evandro, por questão de personalidade (os da "terrinha" dirão que é meu destino, meu fado) sempre fui mais solitário do que gregário. E gente com esse meu perfil costuma olhar com fascínio (e também com alguma inveja) para os "enturmados" da vida. Foi sob essa perspectiva e com esse sentimento que li inicialmente sua crônica, mesmerizado com as "regras de interação social em boteco". É claro que o seu texto é antes de tudo uma paródia, bem humorada por sinal, dos tempos que correm, concentrando a artilharia no assim chamado "corpo docente". Por todos os motivos, parabéns pelo trabalho, boa sorte e tomara que pelo menos desta vez aquele primo chato não apareça!!
[Leia outros Comentários de Toni]
4/6/2002
05h50min
Caro Evandro, seu texto é uma delícia, e as regras opiniáticas estão muito bem delineadas. Mas você esqueceu que nem Platão, nem Sócrates, podem com a "Verdade Absoluta Opiniática Feminina": se um não-opiniático tenta verificar através dos porques se o que uma mulher fala é verdade ou opinião, ela simplesmente responde - Porque sim! Fim da discussão. :o) Beijos da Sue
[Leia outros Comentários de Assunção Medeiros]
4/6/2002
12h14min
Tenho outra sobre mulheres. Se você não faz o que uma mulher está esperando que você faça (e da forma que ela quer que seja feito), então ela fica brava com você e te chama de insensível. Se você faz, ela também fica brava e te chama de previsível, sem criatividade! : ) Beijos!
[Leia outros Comentários de Evandro Ferreira]
5/6/2002
00h21min
Ih, Evandro, cuidado, pois o pobre Eduardo Carvalho já está levando uma coça do mulherio enlouquecido no Fórum dele "Com a calcinha aparecendo", logo, logo, elas vêm atrás de você, chamando de machista, fascista, e qualquer outro "ista" que lhes ocorrer. Até eu entrei na baila, e olha que sou mulher! Mas cá entre nós, adorei seu comentário! Beijos da Sue
[Leia outros Comentários de Assunção Medeiros]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Uma Mulher Inacabada
Lillian Hellman
Francisco Alves
(1981)
R$ 20,00



Administração de Medicamentos - Revisando uma Prática de Enfermagem
Nébia Maria Almeida de Figueiredo
Yendis
(2006)
R$ 44,10



Passando a Limpo - a Trajetória de um Farsante
Pedro Collor de Mello
Record
(1993)
R$ 14,99



Nuevo Recreo - Vol. 4 - Livro do Aluno + Multirom
Roberta Amendola
Moderna
(2014)
R$ 134,95



A Moreninha
De Macedo , Joaquim Manuel , Lafonte (Editor), Editora (Editor) & 2 Mais
Lafonte
(2018)
R$ 12,00



Redação Publicitária - Sedução pela Palavra
Celso Figueiredo
Thompson
(2005)
R$ 22,00



Os Teledependentes
M. Alfonso Erausquin/Luis Matilla/Miguel Vásquez
Summus
(1983)
R$ 5,00



Histoire Générale Du IV Siècle a nos Jours- Tomo VI Louis Xiv
Ernest Lavisse e Alfred Rambaud
Armand Colin
(1895)
R$ 49,00



Acendedor 11 a 20
Igreja Seicho no Ie
Seicho no Ie
(1968)
R$ 8,95



Descobrindo a Si Mesmo - 4º Ed.
Migule Perosa
Moderna
(1996)
R$ 5,00





busca | avançada
72442 visitas/dia
2,4 milhões/mês