Pensando sozinho | Evandro Ferreira | Digestivo Cultural

busca | avançada
39917 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 27/8/2002
Pensando sozinho
Evandro Ferreira

+ de 7200 Acessos
+ 1 Comentário(s)



No Brasil de hoje, a luta do indivíduo contra a coletividade é um assunto que foge ao imaginário da grande maioria das pessoas. Se quisermos ser entendidos numa roda de amigos, precisamos processar o discurso através dos clichês habituais e definir o tema como a luta da individualidade contra a massificação, ou melhor ainda, a fragmentação da identidade.

Esta última expressão é perfeita nos moldes acadêmicos socialmente estabelecidos, por dois motivos. Primeiramente, a ausência do termo "luta" sugere uma barreira de inevitabilidade que, na melhor das hipóteses, exigiria uma concentração coletiva de forças para ser transposta. Em segundo lugar, o termo "identidade" é suficientemente vago para que se confunda identidade individual com identidade coletivamente construída. Esses dois elementos, conjugados de maneira efetiva, garantem a obscuridade da exposição teórica e impedem o leitor de perceber que, se há uma solução, ela não vai ser alcançada mediante a dissolução das consciências em uma massa teórica uniforme que se afirma contra um tal de pensamento único. Não vamos acabar com a criminalidade vestindo algumas centenas de pessoas de branco e saindo às ruas para pedir paz. Não vamos acabar com a desigualdade organizando movimentos de apologia das periferias etc etc. Tudo isso por um simples motivo. Todas essas pseudo-soluções são, na verdade, movimentos coletivos que reivindicam algo. Apenas reivindicam. Mal sabem por quê. E os discursos criados por esses movimentos só poderiam espelhar o que eles são. Portanto, são discursos vazios, que reivindicam algo com ímpeto, certeza e revolta, mas não conseguem encontrar uma fundamentação teórica que vá além do discurso político do "exerça sua liberdade, vote com consciência".

Que liberdade temos hoje? A de escolher entre um candidato de esquerda, um de esquerda light, outro de esquerda doida e outro de centro-esquerda? Bem, minha resposta é: não, obrigado. E a resposta do Estado é: sua resposta não vale, pois você é obrigado a votar em mim, pois só eu existo, cara pálida.

E minha réplica é: não, apenas o indivíduo existe concretamente. O resto são abstrações úteis a diversos fins.

E o indivíduo está sempre tentando se reafirmar. Ele passa por grandes períodos de dificuldade, mas de repente volta com força renovada, mostrando que sua luta, ainda que passe despercebida, continua eternamente.

A mais recente prova disso é o caráter da evolução da Internet. Quanto mais os intelectuais tentam transformá-la no espelho de suas teorias, mais ela se debate e se nega a ser reduzida a um conjunto de "comunidades virtuais" ou "províncias de significado". Por exemplo, em resposta às teorias acadêmicas que reduzem a rede a apenas mais um lugar de reunião de coletividades que lutam por auto-afirmação, a web apareceu com esse tal de "blog". O que poderia ser mais antagônico ao coletivismo emburrecedor do que um diário pessoal onde o indivíduo insere seus comentários mais singelos sobre cada coisa que vive em seu cotidiano? O blog é um verdadeiro exercício de autonomia cognitiva. Por mais que o autor de uma página dessas tente ecoar sempre as mesmas bobagens do senso-comum, não consegue e acaba deixando passar alguma opinião realmente pessoal.

Os blogs estão se multiplicando rapidamente, e em muitos deles encontramos informações e reflexões que passam longe do campo de possibilidades da mídia impressa e da televisão. Isso ocorre porque a Internet não cria barreiras corporativistas que impedem a liberdade de expressão. Não cria ainda, pois o Estado já está de olho nela. Já ouviu falar da "inclusão digital"? Pois é. Pesquisei no Alta Vista e encontrei quase dois mil resultados.

E como são essas barreiras? Bem, a coisa é simples. Um exemplo: você é um colunista que escreve na Internet, contra a regulamentação da profissão de, digamos, designer. Então, aparece algum membro revoltado de uma "comunidade virtual" que é a favor da tal regulamentação e se inicia uma briga livre entre duas pessoas livres. Mas então eu pergunto. E se houver uma lei de inclusão digital que impeça as pessoas, por exemplo, de expressar qualquer tipo de "preconceito" contra qualquer "comunidade virtual"? Então a luta que antes era entre pessoas, passa a ser entre cidadãos, não é mesmo? E cidadãos são obrigados - por sua própria condição ou definição - a resolver seus problemas no tribunal, através da lei. Ops! Voltamos ao Estado. Voltamos à pressuposicão de que a lei resolve tudo. Estamos presos dentro do círculo do coletivo. Somos cidadãos. E cidadão são do Estado, já sabia Platão.

Butler Shaffer, em seu último artigo (indicado a mim pelo leitor Toni), diz que "em graus variáveis, todo sistema político é naturalmente coletivista, e cada um deles pressupõe a centralização da autoridade estatal sobre as vidas e a propriedade dos indivíduos. O comunismo é apenas a forma mais agressiva e extensa do socialismo estatal. Mas toda forma política se funda na crença de que é direito o Estado apropriar-se antecipadamente da autoridade decisória dos indivíduos". Logicamente - e isso Shaffer também observa - que precisamos nos reunir em grupos, pois o homem é, afinal de contas, um ser que vive em sociedade. Entretanto, o que temos em comum, segundo o autor, é a necessidade mútua de defender nossas individualidades diante de um fato social estabelecido: o condicionamento de pensar que apenas agindo coletivamente conseguiremos obter bons resultados diante dos problemas do mundo. Somente cientes desse fato é que os indivíduos conseguem formar coletividades atuantes que não estejam fadadas a se sobreporem posteriormente às próprias pessoas que as criaram.

Relativamente a essas reflexões, podemos falar do fenômeno da proliferação de blogs e de páginas pessoais ou de pequeno porte, pequenas revistas eletrônicas ou simplesmente sites de crítica à imprensa, à universidade e, enfim, às idéias da intelectualidade homogeneizada que domina o debate público nas TVs e nos jornais do Brasil e do mundo, ou como se costuma chamar, a formação de opinião hoje.

E quando falo isso, não estou me referindo à alegação consensual de que grandes corporações dominam a mediação da informação e que a Internet estaria fazendo frente a isso. Realmente, a informação hoje é mediada por grandes empresas. Contudo, isso está longe de ser um problema para a intelectualidade acadêmica, pois as grandes empresas há muito já se acostumaram a ecoar o pensamento "neomarxista" ou "neo-socialista" cada vez mais mais forte na América Latina. Quem duvidar disso pode abrir qualquer caderno cultural e ver que tipo de livro editado ou traduzido nesse país recebe mais atenção dos resenhistas. A única barreira que ainda existe é a do mercado, pois os jornais e revistas precisam vender. Se não precisassem vender, poderiam ser todos como a Caros Amigos. E este é o sonho de quase toda a intelectualidade.

Estou me referindo, então, a um tipo de indivíduo praticamente isolado que acredita que é possível lutar contra as grandes corporações e contra o coletivismo a serviço do qual elas estão. Esse indivíduo está duplamente isolado, pois não tem a seu lado nem o Estado que lhe paga um salário e nem as grandes corporações (de negócios ou de ensino) que financiam os projetos que, em última instância, visam a própria condenação delas.

Sobre esse indivíduo e seus conflitos pessoais, pretendo falar no próximo artigo, com base - entre outras coisas - em minha experiência própria.


Evandro Ferreira
Belo Horizonte, 27/8/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Cidades do Algarve de Elisa Andrade Buzzo
02. Sobre os Finais de Franco Fanti
03. occupytheoffice de Lisandro Gaertner
04. Luz em agosto de Luiz Rebinski Junior
05. O mal de Vila-Matas de Luiz Rebinski Junior


Mais Evandro Ferreira
Mais Acessadas de Evandro Ferreira em 2002
01. Apesar da democracia - 24/9/2002
02. Pensando sozinho - 27/8/2002
03. Babação do popular - 13/8/2002
04. O pensamento biônico - 23/7/2002
05. O underground e o Estado - 10/9/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
27/8/2002
14h37min
Evandro: Seu artigo é a prova viva de que existe pessoas que compreendem a luta do indivíduo para se afirmar em um mundo corrompido por ideologias políticas e interesses espúrios. No final, o indivíduo sempre vence, mas sua guerra é a mais solitária de todas, porque poucos o compreenderão. Neste sentido, somos Quixotes, mas com a diferença que sabemos que um moinho não é um castelo e que Dulcinéia é apenas uma camponesa. A verdadeira estória do indivíduo como algo concreto e com dignidade, querendo vencer as barreiras da vida, está expressa de forma magistral na Comédia de Dante. Todos somos como Dante, talvez sem o gênio poético, mas com o desafio de atravessar a selva escura e espessa, para, um dia, com a ajuda da fé, da razão e da esperança, ver Aquilo que move o Sol e as outras estrelas - algo que nenhum Estado pode nos dar. Abração, Martim Vasques da Cunha
[Leia outros Comentários de Martim Vasques]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SAL
LETICIA WIERZCHOWSKI
INTRINSECA
(2013)
R$ 10,00



ASTROLOGIA - A EVIDÊNCIA CIENTÍFICA
PERCY SEYMOUR
NOVA ERA
(1997)
R$ 30,00



PRESTES: LUTAS E AUTOCRÍTICAS
DÊNIS DE MORAES & FRANCISCO VIANA
VOZES
(1982)
R$ 10,00



LECCIONES DE LENGUA CASTELLANA
G. M. BRUÑO
PROCURADURIA GENERAL - PARIS
(1938)
R$ 30,00



DESIGN - THE ARCHIVE SERIES
WALT DISNEY
DISNEY EDITIONS
(2010)
R$ 70,00



PANIS ANGELICUS OU O SACRAMENTO DA VIRGINDADE - 9021
GIUSEPPE PETAZZI
DIOCESE
(1966)
R$ 20,00



UTOPIA & PAIXÃO 11ª EDIÇÃO
ROBERTO FREIRE E FAUSTO BRITO
GUANABARA KOOGAN
(1991)
R$ 4,50



A MULHER DO FUTURO - CARTAS PARA A MINHA FILHA
ZULMA REYO
GROUND
(1996)
R$ 67,90



MUDANÇAS NO RELACIONAMENTO AFETIVO-SEXUAL
REGINA ISABEL NOGUEIRA
ESCUTA
(2003)
R$ 23,82



BIOLOGIA INTEGRADA - ENSINO MÉDIO - VOLUME ÚNICO
LUIZ EDUARDO CHEIDA
FTD
(2003)
R$ 9,90





busca | avançada
39917 visitas/dia
1,1 milhão/mês