Pensando sozinho | Evandro Ferreira | Digestivo Cultural

busca | avançada
64351 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Concerto cênico Realejo de vida e morte, de Jocy de Oliveira, estreia no teatro do Sesc Pompeia
>>> Seminário Trajetórias do Ambientalismo Brasileiro, parceria entre Sesc e Unifesp, no Sesc Belenzinho
>>> Laura Dalmás lança Show 'Minha Essência' no YouTube
>>> A Mãe Morta
>>> BATA ANTES DE ENTRAR
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
Colunistas
Últimos Posts
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
Últimos Posts
>>> A lantejoula
>>> Armas da Primeira Guerra Mundial.
>>> Você está em um loop e não pode escapar
>>> O Apocalipse segundo Seu Tião
>>> A vida depende do ambiente, o ambiente depende de
>>> Para não dizer que eu não disse
>>> Espírito criança
>>> Poeta é aquele que cala
>>> A dor
>>> Parei de fumar
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O humor é como as marés, ora sobe ora desce
>>> Guimarães Rosa em Buenos Aires
>>> Festival de Curitiba 2010
>>> O último estudante-soldado na rota Lisboa-Cabul
>>> O INVISÍVEL
>>> Meu reino por uma webcam
>>> De louco todos temos um pouco
>>> Doces Cariocas
>>> A imaginação educada, de Northrop Frye
>>> Weezer & Tears for Fears
Mais Recentes
>>> Tempo 1 - Cahier Dexercices de évelyne Bérard; Y. Canier pela Didier do Brasil (1997)
>>> A Arca de Noé de Ruth Rocha pela Ática (2001)
>>> Crédito-prêmio de Ipi: Novos Estudos e Pareceres de Paulo de Barros Carvalho e Outros pela Manole (2005)
>>> The Washington Manual of Medical Therapeutics de Daniel H. Cooper; Andrew J. Krainik; Sam J. Lubner pela Lippincott Usa (2007)
>>> Vidas Investigadas de Sócrates a Nietzsche de James Miller pela Rocco (2011)
>>> Depois do Funeral de Agatha Christie pela Círculo do Livro
>>> Processo Civil - Recurso - 3 ° Edição de Gilson Delgado Miranda / Patricia Miranda Pizzol pela Atlas (2002)
>>> Como Deus Cura a Dor de Mark W. Baker pela Sextante (2008)
>>> Winnie the Pooh de Disney's pela Ladybird
>>> Timidez - Como Ajudar Seu Filho a Superar de Lorecy Scavazzini pela Gente (2008)
>>> O Processo de Franz Kafka pela Folha de S. Paulo
>>> Teoria Da Regulação de Vinícius Portela Martins pela Campus (2010)
>>> Mentiras Perfeitas Superando os Mitos Que Se Colocam Entre Você de Jennifer Crow pela Palavra (2015)
>>> A Obra Em Negro de Marguerite Yourcenar pela Nova Fronteira
>>> Envelhecer Ou Morrer, Eis a Questão de Pedro Paulo Monteiro pela Gutenberg Autentica (2008)
>>> Momentos de Reflexão de Dr. Jorge Lordello pela Diario de Suzano
>>> Autodefesa Espiritual de Stamatios Zannis Philippoussis pela Não Encontrada
>>> Die Sterne Blicken Herab de A. J. Croninn pela Bertelsmann Lesering (1960)
>>> Eternas Escamas de Tera Lynn Childs pela Id (2012)
>>> Coleção Dr. Drauzio Varella - Aids de Drauzio Varella & Carlos Jardim pela Geral
>>> O Princípio Dilbert de Scott Adams pela Ediouro
>>> Interesses Difusos e Coletivos - Esquematizado de Cleber Masson; Adriano Andrade; Landolfo Andrade pela Metodo (2011)
>>> Introdução a Gestão Pública de Clesio Saldanha dos Santos pela Saraiva (2009)
>>> Tarsila do Amaral de Angela Braga pela Moderna (1998)
>>> 31 Reasons People do Not Receive Their Financial Harvest de Mike Murdock pela Wisdom International (1998)
COLUNAS

Terça-feira, 27/8/2002
Pensando sozinho
Evandro Ferreira

+ de 8000 Acessos
+ 1 Comentário(s)



No Brasil de hoje, a luta do indivíduo contra a coletividade é um assunto que foge ao imaginário da grande maioria das pessoas. Se quisermos ser entendidos numa roda de amigos, precisamos processar o discurso através dos clichês habituais e definir o tema como a luta da individualidade contra a massificação, ou melhor ainda, a fragmentação da identidade.

Esta última expressão é perfeita nos moldes acadêmicos socialmente estabelecidos, por dois motivos. Primeiramente, a ausência do termo "luta" sugere uma barreira de inevitabilidade que, na melhor das hipóteses, exigiria uma concentração coletiva de forças para ser transposta. Em segundo lugar, o termo "identidade" é suficientemente vago para que se confunda identidade individual com identidade coletivamente construída. Esses dois elementos, conjugados de maneira efetiva, garantem a obscuridade da exposição teórica e impedem o leitor de perceber que, se há uma solução, ela não vai ser alcançada mediante a dissolução das consciências em uma massa teórica uniforme que se afirma contra um tal de pensamento único. Não vamos acabar com a criminalidade vestindo algumas centenas de pessoas de branco e saindo às ruas para pedir paz. Não vamos acabar com a desigualdade organizando movimentos de apologia das periferias etc etc. Tudo isso por um simples motivo. Todas essas pseudo-soluções são, na verdade, movimentos coletivos que reivindicam algo. Apenas reivindicam. Mal sabem por quê. E os discursos criados por esses movimentos só poderiam espelhar o que eles são. Portanto, são discursos vazios, que reivindicam algo com ímpeto, certeza e revolta, mas não conseguem encontrar uma fundamentação teórica que vá além do discurso político do "exerça sua liberdade, vote com consciência".

Que liberdade temos hoje? A de escolher entre um candidato de esquerda, um de esquerda light, outro de esquerda doida e outro de centro-esquerda? Bem, minha resposta é: não, obrigado. E a resposta do Estado é: sua resposta não vale, pois você é obrigado a votar em mim, pois só eu existo, cara pálida.

E minha réplica é: não, apenas o indivíduo existe concretamente. O resto são abstrações úteis a diversos fins.

E o indivíduo está sempre tentando se reafirmar. Ele passa por grandes períodos de dificuldade, mas de repente volta com força renovada, mostrando que sua luta, ainda que passe despercebida, continua eternamente.

A mais recente prova disso é o caráter da evolução da Internet. Quanto mais os intelectuais tentam transformá-la no espelho de suas teorias, mais ela se debate e se nega a ser reduzida a um conjunto de "comunidades virtuais" ou "províncias de significado". Por exemplo, em resposta às teorias acadêmicas que reduzem a rede a apenas mais um lugar de reunião de coletividades que lutam por auto-afirmação, a web apareceu com esse tal de "blog". O que poderia ser mais antagônico ao coletivismo emburrecedor do que um diário pessoal onde o indivíduo insere seus comentários mais singelos sobre cada coisa que vive em seu cotidiano? O blog é um verdadeiro exercício de autonomia cognitiva. Por mais que o autor de uma página dessas tente ecoar sempre as mesmas bobagens do senso-comum, não consegue e acaba deixando passar alguma opinião realmente pessoal.

Os blogs estão se multiplicando rapidamente, e em muitos deles encontramos informações e reflexões que passam longe do campo de possibilidades da mídia impressa e da televisão. Isso ocorre porque a Internet não cria barreiras corporativistas que impedem a liberdade de expressão. Não cria ainda, pois o Estado já está de olho nela. Já ouviu falar da "inclusão digital"? Pois é. Pesquisei no Alta Vista e encontrei quase dois mil resultados.

E como são essas barreiras? Bem, a coisa é simples. Um exemplo: você é um colunista que escreve na Internet, contra a regulamentação da profissão de, digamos, designer. Então, aparece algum membro revoltado de uma "comunidade virtual" que é a favor da tal regulamentação e se inicia uma briga livre entre duas pessoas livres. Mas então eu pergunto. E se houver uma lei de inclusão digital que impeça as pessoas, por exemplo, de expressar qualquer tipo de "preconceito" contra qualquer "comunidade virtual"? Então a luta que antes era entre pessoas, passa a ser entre cidadãos, não é mesmo? E cidadãos são obrigados - por sua própria condição ou definição - a resolver seus problemas no tribunal, através da lei. Ops! Voltamos ao Estado. Voltamos à pressuposicão de que a lei resolve tudo. Estamos presos dentro do círculo do coletivo. Somos cidadãos. E cidadão são do Estado, já sabia Platão.

Butler Shaffer, em seu último artigo (indicado a mim pelo leitor Toni), diz que "em graus variáveis, todo sistema político é naturalmente coletivista, e cada um deles pressupõe a centralização da autoridade estatal sobre as vidas e a propriedade dos indivíduos. O comunismo é apenas a forma mais agressiva e extensa do socialismo estatal. Mas toda forma política se funda na crença de que é direito o Estado apropriar-se antecipadamente da autoridade decisória dos indivíduos". Logicamente - e isso Shaffer também observa - que precisamos nos reunir em grupos, pois o homem é, afinal de contas, um ser que vive em sociedade. Entretanto, o que temos em comum, segundo o autor, é a necessidade mútua de defender nossas individualidades diante de um fato social estabelecido: o condicionamento de pensar que apenas agindo coletivamente conseguiremos obter bons resultados diante dos problemas do mundo. Somente cientes desse fato é que os indivíduos conseguem formar coletividades atuantes que não estejam fadadas a se sobreporem posteriormente às próprias pessoas que as criaram.

Relativamente a essas reflexões, podemos falar do fenômeno da proliferação de blogs e de páginas pessoais ou de pequeno porte, pequenas revistas eletrônicas ou simplesmente sites de crítica à imprensa, à universidade e, enfim, às idéias da intelectualidade homogeneizada que domina o debate público nas TVs e nos jornais do Brasil e do mundo, ou como se costuma chamar, a formação de opinião hoje.

E quando falo isso, não estou me referindo à alegação consensual de que grandes corporações dominam a mediação da informação e que a Internet estaria fazendo frente a isso. Realmente, a informação hoje é mediada por grandes empresas. Contudo, isso está longe de ser um problema para a intelectualidade acadêmica, pois as grandes empresas há muito já se acostumaram a ecoar o pensamento "neomarxista" ou "neo-socialista" cada vez mais mais forte na América Latina. Quem duvidar disso pode abrir qualquer caderno cultural e ver que tipo de livro editado ou traduzido nesse país recebe mais atenção dos resenhistas. A única barreira que ainda existe é a do mercado, pois os jornais e revistas precisam vender. Se não precisassem vender, poderiam ser todos como a Caros Amigos. E este é o sonho de quase toda a intelectualidade.

Estou me referindo, então, a um tipo de indivíduo praticamente isolado que acredita que é possível lutar contra as grandes corporações e contra o coletivismo a serviço do qual elas estão. Esse indivíduo está duplamente isolado, pois não tem a seu lado nem o Estado que lhe paga um salário e nem as grandes corporações (de negócios ou de ensino) que financiam os projetos que, em última instância, visam a própria condenação delas.

Sobre esse indivíduo e seus conflitos pessoais, pretendo falar no próximo artigo, com base - entre outras coisas - em minha experiência própria.


Evandro Ferreira
Belo Horizonte, 27/8/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Dor e Glória, de Pedro Almodóvar de Jardel Dias Cavalcanti
02. A Copa, o Mundo, é das mulheres de Luís Fernando Amâncio
03. Paris branca de neve de Renato Alessandro dos Santos
04. A cidade e o que se espera dela de Luís Fernando Amâncio
05. Lançamentos de literatura fantástica (1) de Luís Fernando Amâncio


Mais Evandro Ferreira
Mais Acessadas de Evandro Ferreira em 2002
01. Apesar da democracia - 24/9/2002
02. Pensando sozinho - 27/8/2002
03. Babação do popular - 13/8/2002
04. O pensamento biônico - 23/7/2002
05. Um Publicitário - 13/6/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
27/8/2002
14h37min
Evandro: Seu artigo é a prova viva de que existe pessoas que compreendem a luta do indivíduo para se afirmar em um mundo corrompido por ideologias políticas e interesses espúrios. No final, o indivíduo sempre vence, mas sua guerra é a mais solitária de todas, porque poucos o compreenderão. Neste sentido, somos Quixotes, mas com a diferença que sabemos que um moinho não é um castelo e que Dulcinéia é apenas uma camponesa. A verdadeira estória do indivíduo como algo concreto e com dignidade, querendo vencer as barreiras da vida, está expressa de forma magistral na Comédia de Dante. Todos somos como Dante, talvez sem o gênio poético, mas com o desafio de atravessar a selva escura e espessa, para, um dia, com a ajuda da fé, da razão e da esperança, ver Aquilo que move o Sol e as outras estrelas - algo que nenhum Estado pode nos dar. Abração, Martim Vasques da Cunha
[Leia outros Comentários de Martim Vasques]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Viver Literatura : Ensaios e Artigos
Dirce Cortes Riel
Eduerj
(2009)



Clara e a olimpíada de 2016
Ilan Brenman Silvana Rando
BRInque-book
(2013)



Historietas Argentinas En La Biblioteca Nacional
Miguel Ángel
Conabip
(2012)



Dicionário Biográfico Vol 1
Varios Autores
Abril
(1972)



Maracanã adeus
Edilberto Coutinho
Corpo da letra
(1989)



Contra as Pobrezas, Agir Juntos
Mizael Donizetti Poggioli
Vicentina
(2016)



S. O. S Família
Divaldo Pereira Franco
Leal
(1999)



Eva
William P. Young
Arqueiro
(2015)



Classicos Disney-Pixar Para Ler E Ouvir - Os Incriveis+CD
Disney Pixar
Abril Coleções
(2009)



Ganhar
Bernard Tapie
Cultura
(1987)





busca | avançada
64351 visitas/dia
1,8 milhão/mês