Exógeno & Endógeno | Guilherme Pontes Coelho | Digestivo Cultural

busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Crítica à arte contemporânea
>>> A literatura feminina de Adélia Prado
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
>>> A insustentável leveza da poesia de Sérgio Alcides
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Millôr e eu
>>> As armas e os barões
>>> Quem é o autor de um filme?
>>> Cyrano de Bergerac
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
Mais Recentes
>>> A Loucura de Tristão (La Folie Tristan) de Anônimo Francês do Século XII(Trad.? Autografo): G. D. Leoni pela Rassegna Brasiliana/ SP. (1965)
>>> A Religião viva do Cristo de Cesar D' Almeida Campos pela Livraria Cultura (1951)
>>> Evangelho da Solidão de Eduardo de Oliveira pela Cupolo (1969)
>>> Villa-Rica de Alcibiades Delamare pela Nacional (1935)
>>> Revista do Arquivo Municipal Clxvii (167) de Nicanor Miranda/alceu Maynard Araújo pela Depart. de Cultura (1962)
>>> La Celestina de Fernando de Rojas pela Madrid (1959)
>>> Economia e Sociologia de Adolf Lowe pela Revista Forense (1956)
>>> Movimento Praieiro:imprensa, Ideologia e Poder Politico de Izabel Andrade Marson pela Contemporanea (1980)
>>> Perfil do Mercado Consumidor:de Santo André e da Grande São Paulo de Felicio P. Benatti pela Fund. Santo André (1969)
>>> A Força Invisível de Wayne W. Dyer pela Sextante (2007)
>>> Revista de Educação:AEC, A Atualidade do Começo. Ano. 35 julho / Se... de Olmira Bernadete Dassoler pela Salesianas (2006)
>>> As Tres Prosas: a Pobre, a Rica e a Nova- Rica (conferência...) de Agostinho de Campos pela Livr. Ailaud e Bertrand/ Lisboa (1923)
>>> XXll de Agosto de Nelson de Souza Carneiro pela Nacional (1933)
>>> São Francisco de Sales de Abbe Jacques Leclerq pela Vozes (1957)
>>> Os Dogmas do Espiritismo de Rosalina Calmon dos Santos pela Arte Moderna
>>> La puerta Cerrada de Simón H. pela Esoteria (1981)
>>> Os Galos da Aurora de Hélio Pólvora pela Civilização Brasileira (1958)
>>> O Triumpho das Forças Mentaes de O. S. Marden pela América Latina (1929)
>>> Anuário Militar 1987 de John Pimlott pela Globo (1987)
>>> Cannaviaes de Alberto Deodato pela Rio de Janeiro (1922)
>>> Introdução á Poesia de Augusto dos Anjos de Júlio de Oliveira Martins pela Livraria Brasil (1958)
>>> Um dia depois do outro de Antonio de Almeida Prado pela Clube do Livro (1965)
>>> Um dia depois do outro de Antonio de Almeida Prado pela Clube do Livro (1965)
>>> As Tres Prosas: a Pobre, a Rica e a Nova- Rica (conferência...) de Agostinho de Campos pela Livr. Ailaud e Bertrand/ Lisboa (1923)
>>> Trinta Anos Depois da Volta de Octavio Costa pela Biblioteca do Exército (1976)
>>> 2194 Giorni Di Guerra de Mondadori pela Ediouro (1979)
>>> Encyclopedia of the Vietnam War de Stanley I. Kutler pela Charles Scribners (1996)
>>> O Encontro Marcado de Fernando Sabino pela Record (1988)
>>> Foguetes e Mísseis da III Guerra Mundial de Robert Berman e Bill Gunston pela Livro Técnico S/A (1983)
>>> A Segunda guerra mundial (Vol. 2 Somente esse Volume) de Raymond Cartier pela Primor (1975)
>>> Os Aviões de Enzo Angelucci pela Arnoldo Mondadori (1975)
>>> lua de Mel em Portugal de Marco Antonio pela Pin
>>> A História de Fernão Capelo Gaivota de Richard Bach pela Nórdica (1970)
>>> Epigramário de J. Dias de Moraes pela O Autor
>>> O livro de Ouro da Poesia Religiosa Brasileira de Jamil Almansur Haddad pela Edições de Ouro (1966)
>>> São José do Rio Preto:1852 / 1894 de Agostinho Brandi pela Rio-Pretense (2002)
>>> A Abertura dos Portos do brasil de Pinto de Aguiar pela Progresso (1960)
>>> Hawaii Açucareiro de Apolonio Sales pela IPA (1937)
>>> Desidério Desiderávi de Frei Carmelo Surian O. F. M. pela Vozes (1957)
>>> Pearl Harbor de H.P. Willmott pela Livro Técnico S/A (1981)
>>> O Orfeão na escola nova de Leonila Linhares Beuttenmuller pela Irmãos Pongetti (1937)
>>> Robson Crusoé de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1988)
>>> O Comércio e o Desenvolvimento Economico do Brasil de José Papa Júnior pela Nacional (1983)
>>> No Hospital das Letras de Afranio Coutinho pela Tempo Brasileiro (1963)
>>> Fim de Primavera de Edvard Camilo pela Globo (1921)
>>> Corpos de Elite do Passado de Dominique Venner pela Ulisseia (1972)
>>> Tonico de José Rezende Filho pela Ática (1984)
>>> A brigada portyguara 1a Edição de Almicar Salgado dos Santos pela Nacional (1925)
>>> La France en Gènèral de André Frossard pela 'Plon (1975)
>>> O Comércio e o Desenvolvimento Econômico do Brasil de José Papa Júnior pela São Paulo (1983)
COLUNAS

Quarta-feira, 4/11/2009
Exógeno & Endógeno
Guilherme Pontes Coelho

+ de 6600 Acessos

Sedução, joguinhos e teatro. Adoro colecionar histórias de sedução, fictícias ou supostamente reais. A maneira como cada um lida com o assunto sexo oposto é sempre interessante. Não falo de relacionamento a longo prazo, nem comprometimento sincero, nem nada mais duradouro, como amizade colorida, entre homens e mulheres. Me refiro à conquista pura e simples, o primeiro round. Joguinhos de sedução e interpretação de personagens na hora da conquista rendem historietas boas de ouvir. As conquistas de mulheres e homens seguros e resolvidos são muito simples, quase não têm enredo. Mas quando algo, seja o que for, se coloca entre o casanova ou a amazona e a sua confiança, aí, colega, a lista de subterfúgios e artimanhas para driblar o "obstáculo" é looonga.

Por exemplo. Um antigo colega só se sentia à vontade para seduzir se estivesse a bordo do seu possante Chevrolet. É um homem magro; não é feio, mas nunca presenciei suspiros que ele tenha causado. Aparentemente saudável, corredor de fim de semana, peladeiro às quartas-feiras. Portador de um nome composto pouco lisonjeador, que não direi, mas é do tipo Marcelo Wallace, nome pelo qual o chamarei. Mas, até aí, nada de mais. A gente tem de lembrar que não foi a pessoa que escolheu o próprio nome, infelizmente. E eu, francamente, não sei se foi isso que minou a confiança do colega. Porque até a aquisição do seu sedã magnífico, ele tivera poucas namoradas. Poucas mesmo, umas duas ou três. Eu não lembro, e não sei se são dados confiáveis, por serem via "o próprio", mas duas delas foram na faculdade. Faculdade na qual se formou em administração. Formado, fez concurso. Passou. Comprou um Vectra (veja você...) e aterrorizou. Nasceu um casanova.

Estar sentado num bar e exibir a chave não convencia. Estar dirigindo e paquerar coroas pilotando coisas tipo BMW Z3, muito menos. A magia estava em abordar pedestres desamparadas ou cinderelas a bordo de abóboras populares, sem ar-condicionado nem som potente. Não que Marcelo Wallace fosse um praticante do dogging, até porque não tenho esses dados, mas estar seguro de si dependia de outra coisa, o automóvel.

Marcelo Wallace desenvolveu uma técnica apuradíssima de conquista motorizada. Que tipo de carro a vítima deve dirigir, se tem ou não adesivos de "bebê a bordo", de times de futebol, para não conflitar com o seu, de ministérios, tribunais ou autarquias, para saber onde a moça trabalha e se ficaria perto de onde ele trabalha; se os pneus estão descalibrados ou carecas, porque isso rende um xaveco em posto de gasolina, na fila de calibragem; se o carro está novo ou velho, porque, pelo que captei, é mais fácil chamar a atenção da garota se ela estiver numa carroça aos pedaços ― a novidade de um carro novo, com direito à breguice de bancos ainda envoltos no saco plástico da concessionária, pode deixar a presa imune a esse tipo de investida motorizada. Um estrategista do amor a quatro rodas.

A noiva dele, advinha! Fruto da paquera automobilística, nas ruas planas do Plano Piloto.

Uma observação rápida. Essa história me lembra o livro John Keegan, Uma história da guerra, no trecho em que ele fala da invenção das bigas e sua importância para o combate, no capítulo três, coincidentemente intitulado "Carne". Keegan, via o historiador Stuart Piggott, diz que "o veículo rápido e vistoso confere ao seu dono prestígio social e fascínio sexual".

Soube recentemente que Marcelo Wallace está de carro novo. O mais curioso no caso dele não é a singularidade, ou, se preferir, limitação, para conquistar. É o quanto o sujeito se transforma do pedestre para o piloto. É algo como Clark Kent e Superman. Convenhamos, e agora me refiro a você, homem, meu colega de gênero, você conhece alguém que "seduza nas onze"? Desconheço histórias de casanovas, a não ser o próprio Casanova, que tenham a mesma alta performance num ensaio de escola de samba, numa mostra de curtas do cinema europeu, num show do Krisium, nas areias do Balneário Camboriú, numa rave na Chapada dos Veadeiros, nos chats do Terra e no bingo mais próximo de sua casa, abordando tanto recém chegadas à maioridade civil quanto MILF's, incluindo aí todas as variantes estéticas de proporções, cores, cheiros, etc. O mesmo grau de aproveitamento em ambientes e com alvos tão díspares é incomum.

O caçador vai por onde mais lhe agrada, nos meios onde estiver mais bem adaptado ou até onde seus talentos o levem. Nosso don-juan piloto, fora do carro, tinha a confiança de um Marvin. Era indispensável, e esse é todo o tutano da questão, ser visto pilotando seu KITT. Marcelo Wallace precisava saber que a presa tinha consciência de sua posse. Seu talento? Ter adquirido um automóvel.

Outro exemplo, mas noutra direção. Um dos meus melhores amigos descobriu tarde um talento latente. Vou chamá-lo de Senhor L. Ele é livreiro e bibliófilo. Lê Santo Agostinho em latim e tem uma invejável biblioteca particular de lógica e epistemologia. Foi ele quem me apresentou a poesia de Raul de Leoni e os trabalhos do frei Damião Berge. Quem me explicou de forma didática e pé no chão o Desespero Humano, de Kierkegaard (embora eu já não me lembre do sumo da aula). Quem sempre me avisa dos lançamentos de livros sobre demonologia. Um cara chegado numa pinga, à maneira hedonista de antigamente. Um cara aparentemente circunspecto e taciturno, com uma quedinha para melancolia, e solitário. Características que se intensificaram depois que se divorciou.

Egresso de um relacionamento de mais de década, Senhor L. havia desaprendido a "chegar junto". Quando aquele homem de cenho franzido e boné siciliano entrava num ambiente, se percebido fosse, seria culpa da seriedade estampada no rosto e do tom imperativo com que diz curtas sentenças a estranhos. A aura natural de mistério que uma pessoa assim carrega era o que o salvaria depois. Porque o segredo deste homem, o talento latente que mencionei, só teria crédito, e plausibilidade, se misterioso ele fosse.

Convencido um dia por outros amigos solteiros (ou mesmo casados em jornadas clandestinas), Senhor L. deixou os livros em casa e foi se aventurar na balada. Nenhuma biblioteca jamais superará o poder da carne. Senhor L. deixou Tomás de Aquino em casa, entrou em seu Galaxy cheirando a seiva de alfazema e partiu para o então desconhecido mundo da conquista. Do qual não saiu nunca mais, pois, para espanto geral ― e próprio ― Senhor L. descobrira ser um exímio dançarino de forró. Um talento natural, intrínseco, pungente. Um dom portentoso, de causar ovulações ctônicas a cada performance.

Hoje, Senhor L. é um feliz conquistador, à sua maneira. Nada de passeios solares e risonhos ou culturais e afetados. Seu habitat são as noites nas cidades satélites do Distrito Federal, angariando mais e mais aquisições a seu harém. Qual um demônio, Senhor L. não quer causar primeiras impressões estarrecedoras. Espera pacientemente sua vez de ir à pista de dança e, depois que a primeira voluntária lhe oferecer a mão, já sabe que a noite será sua. Eis a confiança de um homem em si mesmo. Sem alardes, discreto, calmo, Senhor L. tem diamantina confiança em seu poder forrozeiro.

Ah, o jogo, o teatrinho da sedução.

Boa sorte.


Guilherme Pontes Coelho
Brasília, 4/11/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso de Cassionei Niches Petry
02. A selfie e a obsolescência do humano de Marta Barcellos
03. Afinidade, maestria e demanda de Fabio Gomes
04. 4 livros de 4 mulheres para conhecer de Ana Elisa Ribeiro
05. Notas confessionais de um angustiado (I) de Cassionei Niches Petry


Mais Guilherme Pontes Coelho
Mais Acessadas de Guilherme Pontes Coelho em 2009
01. A morte de Michael Jackson, um depoimento - 5/8/2009
02. Exógeno & Endógeno - 4/11/2009
03. Entre a simulação e a brincadeira - 11/3/2009
04. Meu assassino - 10/6/2009
05. Sobre escrever a História - 17/6/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A IMIGRAÇÃO JAPONÉSA EM SÃO BERNARDO DO CAMPO
ADEMIR MEDICI
FAC
(1983)
R$ 100,00



MISTÉRIOS DA PINDORAMA
MARION VILLAS BOAS
BIRUTA
(2000)
R$ 21,59



CIDADE DOS ANJOS CAÍDOS (VOL.4 OS INSTRUMENTOS MORTAIS)
CASSANDRA CLARE
GALERA RECORD
(2014)
R$ 19,00



CRIATURA CONTRA CRIADOR
SARAH K.
SM
(2016)
R$ 10,00



UMA PROVA DE CORAGEM
RITA FOELKER
EME
(1993)
R$ 8,00



MEMORIAS DE UM SARGENTO DE MILICIAS
MANUEL ANTONIO DE ALMEIDA
OBJETIVO
(1997)
R$ 5,00



LOUCURAS DE UMA PAIXÃO
MARIA ESTELA ORLANDELI
PETIT
(2018)
R$ 18,00



MORTE E VIDA POSITHIVA
BETO VOLPE
REALEJO
(2016)
R$ 46,00



TERAPIA DA SOLIDÃO
DANIEL GRIPPO
PAULUS
(2005)
R$ 6,90



GO GIRL - TODA HISTÓRIA TEM DOIS LADOS - VERDADE OU DESAFIO?
MEREDITH BADGER
FUNDAMENTO
(2011)
R$ 34,50





busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês