Retrato do Leitor enquanto Anotação | Duanne Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
37883 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Entrevista com Antonio Henrique Amaral
>>> Entrevista com Antonio Henrique Amaral
>>> Entrevista com Antonio Henrique Amaral
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> Espírito de porco
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nine Eleven
>>> E a bomba caiu!
>>> Arte é entropia
>>> Impressões sobre São Paulo
Mais Recentes
>>> Bala XXI - Casos, Crônicas, Piadas e Contos de Augusto José Vieira Neto pela Mandamentos (2000)
>>> Filhos Especiais Para Pessoas Especiais - O Milagre do Dia-a-dia de Neusa Maria pela Paulinas (2010)
>>> Pensées Étranglées de E. M. Cioran pela Gallimard (2014)
>>> Le Voyageur et son Ombre de F. NNietzsche pela Denoel (1979)
>>> Colder than Ice de David Patneaude pela Albert Whitman & Company (2003)
>>> Misericordiae Vultus / O Rosto da Misericórdia de Papa Francisco pela Paulinas (2015)
>>> Manual do Agricultor Brasileiro de Carlos Augusto Taunay pela Companhia das Letras (2001)
>>> O Ingenuo de Voltaire pela Dcl (2013)
>>> O Evangelho Segundo O Espiritismo de Allan Kardec pela Feb (1999)
>>> A Princesa de Babilonia de Voltaire pela Dcl (2013)
>>> A Campanha Abolicionista de Jose do Patrocinio pela Dcl (2013)
>>> Zollinger - Atlas de Cirurgia de E. Christopher Ellison, Robert M. Zollinger pela Guanabara Koogan; (2017)
>>> O Hobbit: A batalha dos cinco exercítos : guia ilustrado de Jude Fisher pela WMF Martins Fontes (2014)
>>> Radiografia da Alma de Pe. Hewaldo Trevisan pela Planeta (2010)
>>> Convênios e outros instrumentos de "Administração Consensual"na Gestão Pública do século XXI - Restrições em Ano Eleitoral de Jessé Torres Pereira Junior e Marinês Restelatto Dotti pela Fórum (2010)
>>> Estalos e Rabiscos - Mãos à Obra Literária de Walter Galvani pela Novaprova (2011)
>>> Distrito Federal Paisagem, População e Poder de Marília Peluso e Washington Candido pela Harbra (2006)
>>> Parto de Mim de Vera Pinheiro pela Pallotti (2005)
>>> Deuses americanos de Neil Gaiman pela Intrínseca (2016)
>>> A Ilha dos Prazeres de André Rangel Rios pela Uapê (1996)
>>> A pequena pianista de Jane Hawking pela Única (2017)
>>> Tradição e Novidade na Ciência da Linguagem de Eugenio Coseriu pela Presença- Usp (1980)
>>> Jovens Sem-Terra - Identidade em movimento de Maria Teresa Castelo Branco pela Ufpr (2003)
>>> Os Segredos das Mulheres Inteligentes de Julia Sokol e Steven Carter pela Sextante (2010)
>>> Lettres et Maximes de Épicure pela Librio (2015)
>>> Um Mundo a Construir de Marta Harnecker pela Expressão Popular (2018)
>>> Da RegenciaÀ Queda de Rozas (Rosas)/ Encadernado de Pandiá Calógeras pela Cia. Ed. Nacional (1940)
>>> Psicoterapia y Relaciones Humanas de Carl Rogers e G. Marian Kinget pela Alfaguarra (1971)
>>> O Vinho no Gerúndio de Júlio Anselmo de Sousa Neto pela Gutenberg (2004)
>>> Michel Foucault, Filosofia e Biopolítica de Guilherme Castelo Branco pela Autêntica (2015)
>>> Vidas Provisórias de Edney Silvestre pela Intrínseca (2013)
>>> Introdução À Arqueologia Brasileira: Etnografia e História de Angyone Costa pela Cia. Ed. Nacional (1938)
>>> A Glória de Euclides da Cunha ; Edição Ilustrada/ Brasiliana de Francisco Venancio Filho pela Cia. Ed. Nacional (1940)
>>> A Glória de Euclides da Cunha ; Edição Ilustrada/ Brasiliana de Francisco Venancio Filho pela Cia. Ed. Nacional (1940)
>>> Viñas, Bodegas & Vinos de Argentina de Austral Spectator pela Austral Spectator (2007)
>>> Alexandre, o Conquistador de Airton de Farias pela Prazer de Ler (2013)
>>> A Fiandeira de Ouro de Sonia Junqueira pela Positivo (2008)
>>> Feudalismo de Airton de Farias pela Prazer de Ler (2013)
>>> Alfabeto de Histórias de Gilles Eduar pela Ática (2008)
>>> As Obsessões de um Executivo Extraordinário: as Quatro Disciplinas... de Patrick Lencioni pela Record/ RJ. (2002)
>>> As Obsessões de um Executivo Extraordinário: as Quatro Disciplinas... de Patrick Lencioni pela Record/ RJ. (2002)
>>> As Obsessões de um Executivo Extraordinário: as Quatro Disciplinas... de Patrick Lencioni pela Record/ RJ. (2002)
>>> Marketing Nas Empresas Brasileiras: Organização de Vendas de Joaquim Carlos da Silva pela Record/ RJ.
>>> Dicionário da Língua Portuguesa de Malthus Oliveira de Queiroz pela Sucesso (2014)
>>> Salgueiro 50 Anos de Glória de Haroldo Costa pela Record (2003)
>>> Mitologia Grega de Pierre Grimal pela L&PM (2009)
>>> Além do Bem e do Mal de F. Nietzsche pela Escala (2005)
>>> La Muerte de la Familia de David Cooper pela Paidos (1974)
>>> La Tentation d'Exiter de E. M. Cioran pela Gallimard (1988)
>>> Os Pioneiros - a Saga da Família Kent- Vol. III de John Jakes pela Record/ RJ.
COLUNAS

Terça-feira, 20/5/2014
Retrato do Leitor enquanto Anotação
Duanne Ribeiro

+ de 2900 Acessos

Será que posso atravessar a página deste Macbeth e encontrar seu leitor anterior do outro lado? Há vestígios de sua passagem: anotações à lápis nas bordas das folhas. O que é que buscava ou o que é que descobriu na obra de Shakespeare? Parece um sujeito aplicado. No prefácio, escrito por Manuel Bandeira, anota referências que deram origem ao livro e definições gerais:

-> Shakespeare modifica e mantém de Holinshed

Isto é, das Crônicas de Inglaterra, Escócia e Irlanda, de Raphael Holinshed. Também faz nota do Discurso de Feitiçaria, de Reginald Scott (e não da Demonologia, de Jaime I, citado logo depois). Mais importante, destaca que Macbeth é

-> A mais sinistra e sanguinária tragédia do autor -> Só 2 sobrevivem

Após essas considerações da procedência e da posição do livro em relação aos outros do bardo, chega a vez da visão da crítica:

-> Para Schlegel, Macbeth só fica atrás de Oréstia, de Ésquilo, na combinação entre o grandioso e o terrível

Por fim, ressalta ao fim do texto de Bandeira:

-> A poesia de Macbeth

Eis um primeiro padrão: este leitor oculto se fascina, por um lado, pela violência da peça; por outro, pelo lirismo dela. O que não nos diz muito, nem mesmo esse cuidado às portas do texto de fato - é Shakespeare, e a sombra dos grandes autores assusta como a placa de "cão bravo". Talvez tenhamos uma pista mais concreta no fato de que, da lista de personagem, ele separa:

-> Aparições

Por que? Por que dentre o rei, sua mulher, seus filhos, seus generais, os nobres de sua corte, seus servidores, as bruxas - por que as aparições, essas entidades que surgem à Macbeth na iminência de sua queda e lhe concedem as três profecias que terminarão de arruiná-lo?

-> O Bem e o Mal,

- É tudo igual.


É o que as bruxas, em uníssono, dizem, logo no início. O que está em jogo aqui é aquela poética que nosso desconhecido se preparou para perceber no texto. Uma diluição de opostos, negação da moral, nem tanto um relativismo porque não afirma qualquer ponto de vista. As feiticeiras do Macbeth de Orson Welles são, seguindo a tradição medieval, malevolentes ferramentas do diabo - porém por esses versos o que vemos é uma profunda indiferença, seja pelo demoníaco, seja pelo angélico. Na anotação seguinte, o gosto pelo agressivo se sobrepõe:

-> Descose-o de um só golpe desde o umbigo

Até às queixadas, corta-lhe a cabeça


Uma cena que não estaria deslocada em Game of Thrones. Voltemos à poesia:

-> Antítese da boca de Macbeth

Um dia assim tão feio e tão bonito

Não vi jamais


Beleza e feiura, por sua vez, também se diluem. Essas "antíteses", como chama este leitor, serão anotadas ao longo da obra. "Menos que Macbeth e maior do que ele". "Não tão feliz e todavia muito mais feliz". "Esta insinuação sobrenatural não pode ser má, não pode ser boa". "E nada existe mais senão aquilo que não existe". "Obra que não tem nome". É, em suma, um interesse pelo indefinido. Isto o que lhe atrai nas aparições? Será coerente com o gosto pela violência?

-> Poético: "[...] se o dom tendes de ler / nas sementes do tempo e de dizerdes / qual há de germinar e qual não há de, / Falai-me então a mim [...]

O indefinido aqui transparece pelo seu negativo: aquilo que pode atravessá-lo e encontrar uma resposta do outro lado. Uma busca pelo definido, então? Frente às profecias das bruxas, começo da ruína do protagonista, nosso amigo não deixa de ressaltar:

-> Previsões

A recepção desses prognósticos faz surgir outra palavra. Quando o companheiro de Macbeth se questiona se as bruxas estiverem de fato ali, se eles ouviram o que ouviram, e quando o próprio avalia em seu íntimo qual o valor das promessas que aquelas mulheres lhe fizeram, ele escreve:

-> Dúvida

Nosso percurso até aqui vai então tornando menos opaco esse retrato do leitor enquanto nota. Enquadram-se simplesmente no mesmo quadro de interpretação aquela inscrição "aparições" - que será repetida mais a frente, quando elas aparecerem de fato - e duas intervenções de Lady Macbeth: os termos "ajuda sobrenatural" registrados quando se enleva de ambição frente às possibilidades de ascensão social do marido; e a descrição dos guardas que havia dopado:

-> Natureza e morte altercam sobre / se estão vivos ou mortos.

Funciona igualmente a seguinte anotação, porém introduz ainda outro conceito:

-> Sobre nós pesam dúvidas e medos

Que possui uma representação alguns graus diferente em:

-> Oh, cheia de escorpiões trago a minh'alma!

Deveras, se estamos engolidos pelo indefinido, o sentimento que aflora é o medo, uma palavra que aparece reanotada mais duas vezes, uma delas contornada por um retângulo, e também é referida no apelo de Lady Macbeth ao autocontrole de seu marido:

-> Tudo são imagens / filhos do vosso medo

-> Ridículos disfarces / do medo verdadeiro


O que ele reconhecerá:

-> Minha estranha ilusão foi fruto de meu medo

Medo, dúvida, pretensão de saber e guiar o futuro: tudo isso se coaduna com a violência antes referida quando essas formas do indefinido atingem o corpo, violentam-no com a lembrança:

-> Vai e lava e mãos

-> Que mãos são estas? / Oh, elas horrorizam-me! me arrancam / os olhos!

-> Lavaria o grande oceano / De Netuno esta mão ensanguentada? Não! Esta minha mão é que faria vermelho o verde mar de polo a polo!

-> Fui tão longe neste rio de sangue, que, a vadeá-lo, (...)


O personagem "morria a cada dia de sua vida", como ele também anota. A memória é o sangue, a mancha, a atmosfera. Ainda mais, essa memória acusativa é como uma definição brutal, que esmaga o indivíduo e conspurca até os imensos indefinidos, como o mar. É nesse sentido que podemos enxergar mais essa mensagem feita à lápis, referindo-se aos céus:

-> TURBADOS PELO HUMANO

Enfim, o que este qualquer descobriu da sua leitura de Macbeth é esse percurso do neutro, do possível, ao definitivo, ao inescapável. Ele anota de novo "mãos", percebendo outra vez a marca do crime; ele anota "ambição", indicando a causa. Outras palavras anotadas: "sepultura" - é a morte outro definitivo; "céus?" - adoro esse ponto de interrogação, como se o leitor admirasse que esse termo surgisse neste Shakespeare: que céus?; "cristandade" - que me leva à última hipótese. Esse sinal que define para sempre não precisa ser o de um caminho maligno. E é por isso que, na página derradeira:

-> Executar, com a graça de Deus

Se estamos corretos, é uma interpretação muito diversa da minha. O que me interessa é como Macbeth usurpa tamanho poder e se encaminha à autodestruição com o estímulo de uma ideia, uma sugestão minúscula que põe em movimento todas essas peças. O ato de bruxaria como o ponto de apoio ou a alavanca que transtornam o mundo. O que me interesse é como o poder se baseia, como percebe Hannah Arendt, em um consentimento geral, e Macbeth é menos rei, é rei nenhum, antes mesmo de perder a coroa, pois o povo se descolara dele (Throne of Blood, a versão de Akira Kurosawa, capta isso com destreza). Mas nos identificamos na admiração por esse trecho:

-> Significando nada

A conclusão do rei assassino prestes a cair quanto ao mundo e o som e a fúria que o constituem.


Duanne Ribeiro
São Paulo, 20/5/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Oswald de Andrade e o homem cordial de Celso A. Uequed Pitol
02. A vingança dos certinhos de Marta Barcellos
03. O futuro do ritual do cinema de Marta Barcellos
04. Leituras, leitores e livros – Parte I de Ana Elisa Ribeiro
05. Namoro de portão de Verônica Mambrini


Mais Duanne Ribeiro
Mais Acessadas de Duanne Ribeiro em 2014
01. O Público Contra Yayoi Kusama - 22/7/2014
02. Cavaleiros e o Inexplicável - 7/10/2014
03. Margarida e Antônio, Sueli e Israel - 4/2/2014
04. O Hobbit - A Desolação de Smaug - 7/1/2014
05. Kurt Cobain; ou: I Miss the Comfort in Being Sad - 8/4/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A QUINTA DISCIPLINA
PETER M. SENGE
BEST SELLER
(2003)
R$ 30,00



PENSAMENTOS SOBRE A ARTE DE VIVER
JOSÉ PAULO PAES
CULTRIX
(1995)
R$ 15,00



ÍCONE
FREDERICK
RECORD
(1997)
R$ 22,31
+ frete grátis



BALADA DA INFÂNCIA PERDIDA
ANTÔNIO TORRES
NOVA FRONTEIRA
(1986)
R$ 4,08



A VIDA SEM RECEITAS
DR. CHRISTIAN GAUDERER
OBJETIVA
(1994)
R$ 10,00



DA FAVELA PARA O MUNDO - GRUPO CULTURAL AFRO REGGAE
JOSE JUNIOR
AEROPLANO
(2003)
R$ 6,47



GLOSSÁRIO DA QUALIDADE TOTAL - 2ª EDIÇÃO
PROFS. ALBERTO A MACEDO; FRANCISCO L. PÓVOA FILHO
UFMG
(1995)
R$ 10,00



EU FICO LOKO 2
CHRISTIAN FIGUEIREDO DE CALDAS
GRUPO EDITORIAL NOVO CONCEITO
(2015)
R$ 16,00



ZAPP! EM AÇÃO
ALFREDO PIRES DE CASTRO
CAMPUS
(1994)
R$ 4,00



OS SENHORES DA RAZÃO - DENDROBATAS
C E GREMBECKI
GREMRA
(1998)
R$ 5,00





busca | avançada
37883 visitas/dia
1,3 milhão/mês