Digam a Satã que estreei | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
64349 visitas/dia
2,9 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Arsenal da Esperança faz ensaios de teatro com moradores em situação de rua
>>> Vem pra Feira do Pimp Estoque: Economia Circular com catadoras, catadores e artistas!
>>> Companhia de Danças de Diadema apresenta Nas Águas do Imaginar no Brincando na Praça
>>> Projeto cultural ensina adolescentes de Uberlândia sobre alimentação saudável
>>> MAS.SP exibe mostras de Presépios em comemoração ao Período Natalino
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
>>> Minha história com o Starbucks Brasil
>>> O tipógrafo-artista Flávio Vignoli: entrevista
>>> Deixe-me ir, preciso andar, vou por aí a procurar
>>> Olimpíada de Matemática com a Catarina
>>> Mas sem só trapaças: sobre Sequências
>>> Insônia e lantanas na estreia de Rafael Martins
Colunistas
Últimos Posts
>>> Temer fala... (2023)
>>> George Prochnik sobre Stefan Zweig (2014)
>>> Hoffmann e Khosla sobre inteligência artificial
>>> Tucker Carlson no All-In
>>> Keleti: de engenheiro a gestor
>>> LeCun, Bubeck, Harris e a inteligência artificial
>>> Joe Satriani tocando Van Halen (2023)
>>> Linger by IMY2
>>> How Soon Is Now by Johnny Marr (2021)
>>> Jealous Guy by Kevin Parker (2020)
Últimos Posts
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Culpa não tem rima
>>> As duas faces de Janus
>>> Universos paralelos
>>> A caixa de Pandora do século XX
>>> Adão não pediu desculpas
>>> No meu tempo
>>> Caixa da Invisibilidade ou Pasme (depois do Enem)
>>> CHUVA
>>> DECISÃO
Blogueiros
Mais Recentes
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O que não me mata, me fortalece
>>> A Caixa de Confeitos
>>> Não é assim um smartphone
>>> Cavernas e Concubinas
>>> A universalidade de Anish Kapoor
>>> Um texto com esmalte vermelho
>>> Como esquecer um grande amor
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (III)
Mais Recentes
>>> Livro Literatura Brasileira As Pessoas Lá De Fora de Gladston Mamede pela Longarina (2018)
>>> Livro Auto Ajuda A Vida do Bebê Cuidados e Medicamentos de Rinaldo de Lamare pela Ediouro (2006)
>>> Livro Didático Geração Alpha Matemática 9 de Carlos N. C. de Oliveira e Felipe Fugita pela Sm (2019)
>>> Cartografia Sentimental de Suely Rolnik pela Estação Liberdade (1989)
>>> Livro Infanto Juvenis O Passeio de Ciça pela Nova Fronteira (2003)
>>> Livro Didático História Conexões Parte I Das Origens do Homem à Conquista do Novo Mundo Moderna Plus de Alexandre Alves; Leticia Fagundes de Oliveira pela Moderna (2010)
>>> Livro Didático História Conexões Caderno do Estudante Parte III Moderna Plus Da Expansão Imperialista aos Dias Atuais de Alexandre Alves - Leticia Fagundes de Oliveira pela Moderna
>>> Logística Empresarial de Martin Christopher pela Cengage (2009)
>>> A Marca De Uma Lagrima de Pedro Bandeira pela Moderna (2013)
>>> Livro Capa Dura Infanto Juvenis Ver, Tocar E Sentir Dinossauros! de Mammoth World pela Happy Books (2020)
>>> Uma Introdução Às Equações Diferenciais Parciais de G. Stephenson pela Edgard Blucher (1975)
>>> Livro Infanto Juvenis Viagem ao Céu de Monteiro Lobato pela Globinho (2016)
>>> Livro Cinema Manual Do Roteiro O Desenvolvimento de Histórias, a Criação e Definição de Personagens, a Estrutura da Ação. Os Fundamentos do Texto. Das Cena de Abertura ao Roteiro Final. As Linhas Mestras para Tornar o Texto de Cinema e TV Acessível a Todo de Syd Field pela Objetiva (2001)
>>> Livro Infanto Juvenis Depois Que Papai Se Foi... de Júlio Emílio Braz pela Ftd
>>> Livro Comunicação em Prosa Moderna de Othon M. Garcia pela Fundação Getulio Vargas (1997)
>>> Anatomia Esotérica de Douglas Baker pela Mercuryo (1993)
>>> Planejamento e controle da produção de Idalberto Chiavenato pela Manole (2008)
>>> Livro Infanto Juvenis João e Maria Coleção As Sobrinhas da Bruxa Onilda de M. Company e R. Capdevila pela Scipione (2002)
>>> Livro Didático Moderna Plus História Conexões Parte II Caderno do Estudante Da Colonização da América ao Século XIX de Alexandre Alves e Letícia Fagundes de Oliveira pela Moderna
>>> O Misterio Da Casa Verde de Moacyr Scliar pela Ática (2005)
>>> Livro Capa Dura Infanto Juvenis Le Livre de la Jungle de Walt Disney pela France Loisirs (1979)
>>> Livro Literatura Estrangeira Marcador de Robin Cook pela Record (2007)
>>> Livro Didático História Conexões Parte III Da Expansão Imperialista aos Dias Atuais Moderna Plus de Alexandre Alves e Outros pela Moderna
>>> Nova História Crítica (Volume Único) de Mario Furley Schmidt pela Nova Geração (2005)
>>> A Linguagem Cinematográfica de Marcel Martin pela Brasiliense (2003)
COLUNAS

Quarta-feira, 14/8/2013
Digam a Satã que estreei
Luiz Rebinski Junior
+ de 7000 Acessos

Se Daniel Pellizzari não tivesse sido contemplado com estadia na capital irlandesa, onde passou 32 dias com o objetivo de escrever uma "história de amor", valeria a pena o escritor juntar um troquinho e se bandear pro outro lado do oceano por conta própria. A viagem, diferentemente do que ocorreu com a maioria dos colegas que partiram para estadias em cidades hypadas do planeta, fez bem ao amazonense-gaúcho, que até aqui havia apenas treinado a escrita de romances.

Alguns títulos da coleção Amores Expressos não conseguiram escapar de certo "olhar brasileiro" diante de um país culturalmente muito diferente. O que não ocorre com Digam a Satã que o recado foi entendido, a história que Pellizzari supostamente gestou em seus dias de Dublin. Ainda que o título espalhafatoso não dê conta de dizer sobre o que é o livro, só a curva feita pelo autor para desviar de Joyce - o que não é fácil, pois o cara deve ter a onipresença de um Pelé na Irlanda - já vale um elogio. No entanto, para além das manobras certeiras, o romance de Pellizzari traz personagens tão interessantes e donos de suas histórias que nem um brasileiro com o nome de Magnus Factor (a coisa mais fake do livro) ofusca o romance. Magnus, que é o personagem principal do livro, mas não o mais interessante, honra o nome gringo que tem ao destilar um conhecimento enciclopédico e "orgânico" da Irlanda. Dizem que o autor é um pesquisador da cultura irlandesa e que há anos se interessa pela região. Eu acredito.

Magnus trabalha em uma empresa que promove passeios por lugares obscuros de Dublin. Vive com uma eslovena que faz estripe em uma boate à noite - mas jura que não dá para ninguém - e é sócio de dois imigrantes e de um genuíno irlandês, um tal Barry, esse sim o personagem mais singular do romance. Barry encarna alguns clichês do irlandês - o que para mim, como leitor, não chega a ser problema, pois sou um homem que acredita piamente em muitos clichês -, é um beberrão, acha que toda mulher "é apenas um furo", acredita que os negros são comparáveis a uma subespécie e que os imigrantes fazem parte da escória da sociedade. Mas diz isso com muita graça e até alguma poesia, acreditem. Ou seja, Barry é um ser misógino, racista e tarado. Por isso mesmo parece bastante verdadeiro. Afinal, é nascido e criado na Europa, um lugar que não é, digamos, o paraíso da fraternidade.

O cara fala tudo errado, mas no fundo de sua ignorância pululam pensamentos lapidares sobre temas nacionais como "mulheres que cheiram cocaína", "campanhas contra a gonorreia" e "a falta de asseio dos neo-hippies". Barry mantém parentesco com Zeca, esse sim brasileiro nato, que povoa a Pornopopéia de Reinaldo Moraes. Mas digamos que Barry é menos escolarizado, mas, contraditoriamente, mais politizado do que o hedonista saído da mente de Moraes. O espectro de Irvine Welsh também ronda o romance de Pellizzari, que é o tradutor de Trainspotting, talvez o mais emblemático romance sobre os anos 1990. Assim como o livro de Welsh, Digam a satã que o recado foi entendido faz uma espécie de inventário de um grupo peculiar de jovens perdidos em meio à difícil tarefa que é viver.

"Uma carne imigrante arreganhada na minha frente e eu sem poder botar para dentro. Nunca mais, parcêro. Pode anotar aí. Camisinha nunca mais. O recado foi entendido. Se você acha camisinha inconveniente, experimente ter gonorreia. Ah, mas vai se foder. Chupa minhas prega bem gostoso, bichona do governo que inventou essa campanha de merda. Cê acha gonorreia inconveniente? Então experimente não comer ninguém, ô filho da puta", diz um dos trechos em que Barry apresenta ao leitor uma questão filosófica e existencial no mínimo intrigante.

Barry, depois de quase estuprar Stefanija, a namorada eslovena de Magnus, e matar acidentalmente a avó de Stuart, o malucão que lhe deu um teto para morar, acaba decapitado e com a cabeça boiando em um rio por conta de dívidas não pagas a traficantes gregos.

Entre a história malfadada da empresa de tour e a morte de Barry, outras narrativas se desenvolvem. Uma delas é a história de um deus-serpente irlandês. Pode ser que eu tenha cochilado nessa parte, mas realmente não entendi o que essa história tem a ver com o restante do livro. Junto com referências infantilóides a jogos de vídeo-game e descrições sobre o sabor do milk-shake e dos sanduíches vendidos em Dublin, é a pior parte do livro.

Mas, em um romance relativamente curto, Pellizzari conseguiu escrever uma narrativa com várias vozes interessantes. Além de Barry e Magnus, há outras narrativas no meio da trama que ajudam a moldar a história. A linearidade do romance, que não é exatamente linear, é composta por narradores diferentes. Apesar de alguns deslizes, o autor construiu um mosaico que se encaixa muito bem. A estranheza de estar em um lugar distante certamente é a discussão mais relevante levantada no livro. Algo que parece tão cafona nos dias de hoje, um tempo de internacionalização da cultura, virou um grande tema literário nas páginas do romance de Pellizzari.

No momento em que parte da jovem literatura brasileira parece ter caído de paixão pelas tramas internacionais (o que transcende os livros da coleção Amores Expressos), com personagens estrangeiros que trazem em seus genes as marcas da globalização, Digam a satã que o recado foi entendido talvez figure, ao lado dos livros "estrangeiros" de Bernardo Carvalho, como um ponto alto dessa "tendência". Ah, a história de amor? Isso, acredite, é o que menos importa nesse livro que é a real estreia de Daniel Pellizzari na literatura nacional.


Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 14/8/2013

Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior
01. Literatura pop: um gênero que não existe - 5/12/2007
02. Recordações da casa dos mortos - 12/4/2007
03. Quem é o autor de um filme? - 6/8/2007
04. As cartas de Dostoiévski - 30/9/2009
05. O jornalismo cultural no Brasil - 2/1/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Quatro vidas de um cachorro
W. Bruce Cameron
Haper Collins
(2016)



Gramática normativa da língua portuguesa
Francisco Silveira Bueno
Saraiva
(1958)



American Indian Basketry
Otis Tufton Mason
Dover
(1988)



Folha de Corte
Lucia Romeu
Cátedra
(1988)



Respiração e Circulação
José A. Gaiarsa
Brasiliense
(1987)



Vidya Ano 5 N° 9
Ffclic
Ffclic
(1980)



Til
José de Alencar
Melhoramentos
(2012)



Chama Fatal
Lisa Jackson
Bertrand Brasil
(2009)



Os Remédios Florais do Dr. Bach Passo a Passo
Judy Howard
Pensamento



A Psiquiatria no Mundo Moderno
E. B. Strauss
Herder
(1962)





busca | avançada
64349 visitas/dia
2,9 milhões/mês