A cultura visual e a emancipação do receptor | Gian Danton | Digestivo Cultural

busca | avançada
61479 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Ambulantes faz show de seu novo disco na Casa de Cultura Chico Science
>>> SESI São José dos Campos apresenta a exposição J. BORGES - O Mestre da Xilogravura
>>> Festival gratuito, diurno, 8o.Festival BB Seguros de Blues e Jazz traz grandes nomes internacionais
>>> Bruno Portella ' Héstia: A Deusa do Fogo ' na Galeria Alma da Rua I
>>> Pia Fraus comemora 40 anos com estreia de espetáculo sobre a vida dos Dinossauros do Brasil
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
Colunistas
Últimos Posts
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
>>> Felipe Miranda e Luiz Parreiras (2024)
>>> Caminhos para a sabedoria
>>> Smoke On the Water (2024)
>>> Bill Ackman no Lex Fridman (2024)
>>> Jensen Huang, o homem por trás da Nvidia (2023)
Últimos Posts
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Bel Ami, da obra de Maupassant
>>> Os filmes de Frederico Füllgraf
>>> Cinema em Atibaia (III)
>>> Jornalismo de todos para todos
>>> Das boas notícias
>>> Sociologia de um gênio
>>> A arqueologia secreta das coisas
>>> Mahalo
>>> O iPad não é coisa do nosso século
>>> O prazer, origem e perdição do ser humano
Mais Recentes
>>> Ensino-aprendizagem Com Modelagem Matemática de Rodney Carlos Bassanezi pela Contexto (2018)
>>> Segurança Contra Incendios de Aderson Guimaraes Pereira pela Ltr (2009)
>>> 180 Graus de Volta ao Primeiro Amor de Marcos G Nascimento pela M&l Publishing House (2017)
>>> Dinâmicas de Recreação e Jogos de Silvino José Fritzen pela Vozes (1991)
>>> Montagem, Manutenção e Instalação de Computadores de Guia como Se Faz pela escala
>>> Músculos provas e funçoes de Florence Peterson Kendalli pela Manoele (1995)
>>> Empreenda Sem Fronteiras de Bruno Pinheiro pela Gente (2016)
>>> Contos de Paulo e Wilmar Vol 1 de Wilmar Soares Siqueira e Paulo S. Siqueira pela Happy Books (2018)
>>> Por Que a Bíblia é a Palavra de Deus? de Bruno Bertocco pela Do Autor
>>> Terminologia Jurídica IberoAmericana de Pablo Jiménez pela Uniban
>>> O Rato de Wanchai uma Aventura de Ava Lee de Iam Hamilton pela Benvira (2012)
>>> Fit 4 Gold - um Diário Olímpico - Vivendo Em Cores do Preto e Branco de Luciana Diniz pela Dba (2017)
>>> Como Conviver Com a Hipertensão: Saiba Como Controlar a Pressão Alta de Sarah Brewer pela Publifolha (2009)
>>> Humor nos Tempos de Collor de Luis Fernando Verissimo - Jô Soares - Millôr Ferna pela L&pm (1989)
>>> Circo Mirandus de Cassie Beasley pela Agir Now (2016)
>>> Restaurant Man de Joe Bastianich pela Edicoes Tapioca (2014)
>>> La Citta Dela Gioia de Dominique Lapierre pela Arnoldo Mondadori
>>> A Revolução dos Ebooks de Ednei Procópio pela Senai Sp (2013)
>>> Administração Financeira de A. A. Groppelli; Ehsan Nikbakht pela Saraiva (2012)
>>> Do Confronto ao Diálogo de Nilo Tavares Silva pela Fonte Editorial (2013)
>>> Ação Rescisória de Sério Rizzi pela Revista dos Tribunais (1979)
>>> O Que é Pesquisa Em Educação? de Potiguara Ácacio Pereira pela Paulus (2005)
>>> Memórias Sentimentais de João Miramar de Oswaldo de Andrade pela Globo (1990)
>>> Polo - Yearbook 2011 - 2012 de Helvetia Polo Country Club pela Helvetia Polo Country Club
>>> A Morte de Aquiles de Boris Akunin pela Objetiva (2004)
COLUNAS

Sexta-feira, 20/6/2014
A cultura visual e a emancipação do receptor
Gian Danton
+ de 5900 Acessos

Durante décadas, todos os estudos sobre os produtos culturais sempre partiam do princípio de que havia uma única interpretação a respeito sobre eles. A teoria hipodérmica, por exemplo, não só acreditava nessa perspectiva, como ainda dava aos emissores poder absoluto sobre a audiência. Influenciada por essa ótica, a maioria dos estudos se voltava para quem emitia a mensagem ou para o poder de convencimento dos meios de comunicação. Até mesmo pesquisas mais recentes, como as do campo da semiótica, partiam, em grande parte, da premissa de que havia uma interpretação pronta, singular, e que cabia a uma autoridade (o semiólogo) destrinchá-la.

Num outro polo, a história da arte, que também se interessava por esses produtos, via a arte como carregada de significados prontos, geralmente atrelados ao seu contexto histórico, que cabia analisar e aprender.

Numa corrente mais política, analisava-se os produtos da indústria cultural a fim de revelar suas estratégias de dominação e "ensinar a tomar consciência" (tomar consciência significava ter a interpretação desejada por aqueles que pretendiam denunciar a ideologia nos meios de comunicação). Livros como Para ler o Pato Donald e Para uma leitura crítica dos jornais são exemplos dessa vertente condutivista.

Hoje, uma das correntes mais recentes de estudos da imagem é a que se chama de cultura visual. Ela se interessa menos pelos produtores e muito mais pelo que as pessoas fazem com esses produtos (chamados de artefatos culturais), sendo o significado livre para diversas interpretações. Não há, segundo a cultura visual, uma instância autorizada para dizer que esta ou aquela leitura é a correta. As estratégias de emancipação do receptor são muito mais no sentido de ajudá-lo a se apropriar dos artefatos culturais - ou criar a seus próprios - do que de "conscientizá-lo" dentro de uma determinada leitura.

Percebo esse posicionamento muito próximo ao que eu sempre entendi a respeito do assunto, desde que era criança. Fã de seriados e desenhos animados, eu nunca via na tela o que estava passando, estava sempre completando o roteiro na minha cabeça, preenchendo as brechas, enxergando dilemas éticos onde eles não eram visíveis, profundidade onde ela era apenas insinuada. Alguns dos episódios que mais me marcaram eu só vi uma cena, ou uma sequência, e completei o resto na minha cabeça (e mais tarde transformei em contos ou histórias em quadrinhos).

Alguns exemplos:

No seriado Terra de gigantes, eu sempre imaginei que talvez os protagonistas não tivessem sido transportados para um planeta de gigantes, mas antes tivessem sido reduzidos durante a tempestade elétrica e estavam na verdade na Terra. Assistindo o seriado já adulto, descobri que essa perspectiva não existia na série. O roteiro deixava bem claro que eles haviam sido transportados para outra realidade. Até hoje acho minha leitura infantil mais interessante, inclusive do ponto de vista filosófico e científico, pois joga com questões, por exemplo, da teoria da relatividade.

No seriado Fuga do século 23, eu sempre visualizei um dilema: os heróis estão fugindo de uma cidade governada por um computador, mas têm como colega de jornada um andróide. Assistindo novamente o seriado, descobri que os roteiristas nunca exploraram essa ironia que, no meu olhar, era um dos elementos mais interessantes da série.

No seriado Viagem ao fundo do mar, o episódio que mais me marcou foi aquele em que eles chegam em Washington e a cidade está devastada. Por alguma razão, nunca consegui assisti o restante, mas completei o roteiro em minha mente e o usei posteriormente, quando escrevi a fanfic O portal das probabilidades, baseado no universo da série alemã Perry Rhodan.

Eu, desde muito criança, sempre fui muito anti-americano. Não me pergunte porque, eu simplesmente não simpatizava com a terra de Tio Sam. No entanto, paradoxalmente, meu super-herói predileto sempre foi o Capitão América. Quando criança, eu nunca associei o herói com o país, apesar do nome e do uniforme baseado na bandeira norte-americana. Na verdade quando, já adolescente, alguém me disse que o Capitão representava os EUA, para mim foi uma surpresa. Para mim ele sempre foi um símbolo de superação (era um garoto frágil, incapaz de lutar na guerra, que se habilita a uma experiência científica e se torna um super-soldado) e da luta contra o autoritarismo. Anos depois conheci a tese de Gerard Jones, publicada no livro Homens do Amanhã, de que o Capitão na verdade é um mito judaico, do frágil judeu, perseguido pelo nazismo, que se torna forte e dá a volta por cima. O filme recente veio ao encontro da minha visão infantil: nele, o Capitão se volta contra seu próprio país ao perceber que o discurso de segurança nacional está levando a um novo tipo de fascismo.

Assim, cada um de nós vai completando, resignificando, apropriando dos artefatos culturais que chegam até nós. Quando alguém manda algo para o mundo, seja um quadro, um filme, um seriado, uma história em quadrinhos, ela deixa de pertencer a ele e passa a pertencer a quem recebe esse conteúdo.


Gian Danton
Goiânia, 20/6/2014

Mais Gian Danton
Mais Acessadas de Gian Danton em 2014
01. Uma norma para acabar com os quadrinhos nacionais? - 25/7/2014
02. Monteiro Lobato: fragmentos, opiniões e miscelânea - 24/1/2014
03. O cão da meia-noite - 19/12/2014
04. Abelardo e Heloísa - 28/2/2014
05. A cultura visual e a emancipação do receptor - 20/6/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Glória Incerta
Jean Dreze, Amartya Sen
Companhia das Letras2
(2014)



Impresionismo
Phoebe Pool
Destino Esp
(1991)



Por que os homens fazem sexo e as mulheres fazem amor?
Allan e Barbara Pease
Sextante
(2000)



Os Papéis do Inglês
Ruy Duarte de Carvalho
Companhia Das Letras
(2007)



Livro Literatura Estrangeira A Revolução dos Bichos
George Orwell
Globo
(1984)



Estudos de História Carioca
Prefeitura do Distrito Federal
Leitura



Para Sempre Contigo
Evanice Maria Pereira
Petit
(2012)



Coisas que Todo Garoto Deve Saber + Diário dos Garotos Espertos
Antonio Carlos Vilela; Martin Oliver
Melhoramentos; Lua de Papel
(2012)



Linguagens e Culturas Infantis
Adriana Friedmann
Cortez
(2013)



O Menino do Bolso Furado
Maria Helena Bazzo
Passarinho
(2017)





busca | avançada
61479 visitas/dia
2,0 milhão/mês