Negrinha e os donos do sentido | Gian Danton | Digestivo Cultural

busca | avançada
31131 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Acordei que sonhava
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> Um Furto
>>> Nasi in blues no Bourbon
>>> De vinhos e oficinas literárias
>>> Michael Jackson: a lenda viva
>>> Gente que corre
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 15/10/2012
Negrinha e os donos do sentido
Gian Danton

+ de 6500 Acessos

Em um texto publicado na revista Isaac Asimov Magazine (n. 19), o autor de "Eu robô" explica que o termo "ironia" vem de uma palavra grega que significa "dissimulação". Segundo ele, o ironista desperta a indignação através da inversão.

A primeira vez que o escritor se viu diante de uma ironia foi ao ler As Aven¬turas do Sr. Pickwick, de Charles Dickens, aos dez anos. No Capítulo 2 ele encontrou uma descrição dos "gestos de bondade" de um personagem chamado Tracy Tupman. Nas palavras de Di¬ckens, "O número de ocasiões... em que esse bondoso homem encaminhou mendigos às residências de outros membros em busca de roupas usadas ou ajuda pecuniária é inacreditável.".

Asimov ficou espantou. Pensou consigo que mandar os pobres procurarem outros membros em vez de ele mesmo ajudá-los não poderia ser considerado um gesto de caridade. Por que, então, o rótulo de bondoso? "Logo, porém, percebi a verdade. O Sr. Tupman não era bondoso. Na verdade, concluí, indignado, não passava de um avaro nojento, e a antipatia que senti por ele perdura até hoje. Eu não sabia que o que acabara de ler era um exemplo de ironia, mas compreendi a idéia daquele dia em diante, até finalmente aprender a palavra".

Como o próprio Asimov adverte, nem todo mundo é capaz de entender uma ironia.

Esse parece ser o caso de Antônio Gomes da Costa Neto. Ele entrou com uma ação na Controladoria Geral da União contra a compra do livro Negrinha, de Monteiro Lobato, para bibliotecas. O autor do requerimento considera que o conto que dá nome ao volume é um exemplo de racismo e sexismo.

Para entender o caso, é interessante conhecer o conteúdo do polêmico conto.

Negrinha foi escrito em 1920. Naquela época, já ia longe o fim da escravidão, mas as condições dos negros na sociedade brasileira ainda era lamentável. Exemplo disso é a Negrinha do título.

Lobato conta que era uma pobre órfã de sete anos, mulatinha escura, magra e de olhos eternamente assustados. Nascera em uma senzala, de mãe escrava, e vivera os primeiros anos nos cantos escuros da cozinha, sobre uma velha esteira e trapos imundos. Durante o conto, Negrinha será vítima dos maus-tratos da patroa, Dona Inácia. Lobato assim a descreve: "Excelente senhora, a patroa. Gorda, rica, dona do mundo, animada dos padres, com lugar certo na igreja e camarote de luxo reservado no céu. [...] Uma virtuosa senhora, em suma — 'dama de grandes virtudes apostólicas, esteio da religião e da moral', dizia o reverendo".

Era uma ótima senhora, mas não admitia choro de criança. Quando a menina começava a chorar, a mãe corria com ela para o quintal, torcendo-lhe em caminho com beliscões de desespero. Mas aquele choro nunca vinha sem razão. Era sempre fome ou frio. Aos quatro anos morreu-lhe a mãe.

A pobre menina aprendera a andar, mas não andava. Era obrigada a ficar sentada, de braços cruzados, imóvel, no canto da sala, por horas e horas. "Que ideia faria de si uma criança que nunca ouviu uma palavra de carinho?", pergunta Lobato. O corpo da criança era tatuado de sinais, cicatrizes, vergões. Batiam nela havendo ou não motivo.

"A excelente dona Inácia era mestra na arte de judiar de crianças. Vinha da escravidão, fora senhora de escravos — e daquelas de ferozes (...). Nunca se afizera ao regime novo — essa indecência de negro igual a branco".

Como não tinha mais como maltratar escravos, mantinha Negrinha em casa como remédio para seus frenesis: "Tinha de contentar-se com isso, judiaria miúda, os níqueis da crueldade". Era pouco, mas melhor do que nada e, de vez em quando, vinha um castigo maior para desobstruir o fígado e matar de saudades do bom tempo. Foi assim com o caso do ovo.

Uma criada nova roubara do prato de Negrinha um pedaço de carne e esta se revoltara, chamando-a pelo nome que lhe chamavam: Peste. A criada foi contar à boa senhora, que, desentalando do trono as banhas, foi para a cozinha:

- Traga um ovo.

Dona Inácia pô-lo a ferver. A criança, escolhida num canto, aguardava trêmula alguma coisa nunca vista. Quando o ovo chegou ao ponto, a boa senhora mandou: abra a boca. E usando uma colher jogou ali o ovo fervente. Antes que o urro de dor saísse, as mãos da senhora amordaçaram-na até que ovo arrefecesse. Negrinha urrou surdamente e esperneou. Nada mais. Nem os vizinhos chegaram a perceber aquilo.

Logo chegou o vigário e a boa senhora foi recebê-lo e reclamar que não se podia ser boa na vida, como lhe cansava cuidar de Negrinha ao que o vigário respondeu: "a caridade é a mais bela das virtudes cristãs".

Um dia Dona Inácia recebeu a visita de duas sobrinhas. As duas irromperam pela sala como anjos, alegres, brincando e Negrinha, num ímpeto, acompanhou-as. "Mas a dura lição da desigualdade humana lhe chicoteou a alma. Beliscão no umbigo, e nos ouvidos o som cruel de todos os dias: Já para o seu lugar, pestinha! Não se enxerga?".

Um dia as meninas lhe mostraram uma boneca. Negrinha nem sabia o que era aquilo e como se chamava, para diversão das duas, que a incentivaram a pegar uma. Negrinha morria de medo, mas pegou. Pela primeira vez na vida Dona Inácia apiedou-se, e deixou-a brincar.

Esse foi o seu fim. Pois naquele dia Negrinha percebeu que tinha alma, que não era coisa, era um ser humano como qualquer outro. Sentia, vibrava. Quando aquilo se acabou e as meninas foram embora, a menina recusou-se a voltar ao seu estado de coisa, de objeto de torturas da senhora, e morreu. Deixou saudades no nó dos dedos de Dona Inácia: "Como era boa para um croque".

Lobato escreve o conto, um drama, par denunciar as condições terríveis que os negros continuavam vivendo mesmo depois do fim da escravidão. Dona Inácia representa aqueles que não aceitavam o novo regime em que os negros eram iguais aos brancos — e até mesmo o vigário fecha dos olhos para suas maldades.

Pois os autores da petição vislumbram em Negrinha um exemplo de racismo. Para eles, o livro só pode ser lido para provar que Lobato era racista e sexista: "que seja obrigatória a presença de Nota de Apresentação sobre a obrigatoriedade das questões étnico-raciais e sexistas", diz a petição.

Ou seja: qualquer outra leitura deve ser descartada. Os autores da petição citam como exemplo do racismo de Lobato a forma como ele descreve a senhora. O trecho seguinte é citado como exemplo: "Excelente senhora, a patroa. Gorda, rica, dona do mundo, animada dos padres, com lugar certo na igreja e camarote de luxo reservado no céu. [...] Uma virtuosa senhora, em suma — 'dama de grandes virtudes apostólicas, esteio da religião e da moral', dizia o reverendo".

Se, segundo os autores da petição, a ex-dona de escravos merece adjetivos favoráveis, negrinha é descrita com adjetivos negativos. É magra, atrofiada, com olhos eternamente assustados. Para os autores da ação, a forma como Lobato descreve as duas personagens mostra que ele simpatiza com Dona Inácia e com todas as torturas a que ela submete Negrinha. (É de se perguntar se magra pode ser considerado, hoje, um adjetivo negativo, e gorda um adjetivo positivo).

Os autores da petição ignoram completamente que Lobato está sendo irônico. Quando ele diz que Dona Inácia é uma boa senhora, ele está fazendo o mesmo que Dickens, está provocando a indignação através da inversão. O objetivo dele é provocar a indignação do leitor contra a senhora que adorava judiar da criança negra, "que nunca se afizera a esse novo regime — essa indecência de negro igual a branco". A palavra indecência aí, é também uma ironia.

Asimov conseguiu entender o que era uma ironia aos 10 anos. Tudo bem que ele era um gênio, mas creio que a maioria dos leitores adolescentes conseguiria perceber que Lobato não está elogiando Dona Inácia ou vangloriando as suas ações. Ele as está denunciando. Negrinha não é um livro infantil, é um livro adulto e entende-se que um adulto seja capaz de compreender uma ironia, ainda mais no conto Negrinha, em que Lobato usa toda sua capacidade literária para criar no leitor afeição à pobre vítima.

O autor da ação, que poder ser lida aquiaqui parecem ter sido incapazes de perceber que Lobato estava sendo irônico. E querem impor sua leitura a todos os outros.

Mais, eles pedem punição para os pareceristas do MEC que liberaram a compra da obra: "sujeitando-se seus autores a responsabilidade em face da contratação acertada ou equivocada".

Ou seja: para eles, a obra deve ser lida literalmente, e não como ironia, e essa deve ser a única leitura possível. São os donos do sentido. Qualquer outra interpretação da obra está errada.

A campanha contra Lobato é apenas a ponta de lança de um movimento maior. Ao proibir as obras de Lobato em bibliotecas, abre-se caminho para pedir a proibição de qualquer outra obra. Qualquer escritor que tenha usado uma ironia, ou até mesmo uma metáfora, sujeita-se a ser mal-interpretado e, portanto, ser vítima desse movimento.

Nas palavras de Ray Bradbury:

"Existe mais de uma maneira de queimar um livro. E o mundo está cheio de pessoas carregando fósforos acesos. Cada minoria, seja ela batista, unitarista, irlandesa, italiana, octogenária, zen-budista, sionista, adventista-do-sétimo-dia, feminista, republicana, homossexual, do evangelho quadrangular, acha que tem a vontade, o direito e o dever de esparramar o querosene e acender o pavio (...) Beatty, o capitão dos bombeiros em meu romance Farenheit 451, explicou como os livros foram queimados primeiro pelas minorias, cada uma rasgando uma página ou um parágrafo desse livro e depois daquele, até que chegou o dia em que os livros estava vazios e as mentes caladas e as bibliotecas sempre fechadas."


Gian Danton
Macapá, 15/10/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. De volta à antiga roda rosa de Elisa Andrade Buzzo
02. O artífice do sertão de Celso A. Uequed Pitol
03. Raio-X do imperialismo de Celso A. Uequed Pitol
04. Manchester à beira-mar, um filme para se guardar de Renato Alessandro dos Santos
05. O espírito de 1967 de Celso A. Uequed Pitol


Mais Gian Danton
Mais Acessadas de Gian Danton em 2012
01. Por que os livros paradidáticos hoje são assim? - 13/2/2012
02. O desenvolvimento dos meios de comunicação - 27/8/2012
03. Contos de imaginação e mistério - 2/7/2012
04. Um conto de duas cidades - 7/5/2012
05. Contos fantásticos no labirinto de Borges - 26/3/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




KUNDALINI UMA EXPERIENCIA OCULTA
G. S. ARUNDALE
PENSAMENTO
(1993)
R$ 44,00



A LEI DO CÃO
LUIZ PHILIPPE FLORENCE BORGES
DESCONHECIDA
(1984)
R$ 10,00



UM MOMENTO, UMA MANHÃ
SARAH RAYNER
ONYRIA
(2015)
R$ 14,00



A DANÇA DOS DRAGÕES - AS CRÔNICAS DE GELO E FOGO
GEORGE R. R. MARTIN
LEYA
(2014)
R$ 24,90



AGAPE
PADRE MARCELO ROSSI
GLOBO
(2010)
R$ 6,00



LIVRO QUEBRA-CABEÇA - PINÓQUIO
EQUIPE BLU
BLU
(2019)
R$ 29,00



LOS JUEGOS SEXUALES DE LOS NIÑOS
NICOLE DALLAYRAC
GRANICA
(1974)
R$ 40,00



GRAMÁTICA FUNDAMENTAL 3
DOUGLAS TUFANO
MODERNA
(2014)
R$ 20,00



VIRANDO MULHER VIVENDO MELHOR
M. LUISA ELUF
CEVAM
R$ 9,00



HISTORIA DAS IDEIAS POLITICAS VOLUME II
MARCEL PRÉLOT E GEORGES LESCUYER
PRESENÇA
(2001)
R$ 54,00





busca | avançada
31131 visitas/dia
1,3 milhão/mês