Por que os livros paradidáticos hoje são assim? | Gian Danton | Digestivo Cultural

busca | avançada
48369 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Sempre Um Papo com Silvio Almeida
>>> FESTIVAL DE ORQUESTRAS JUVENIS
>>> XIII Festival de Cinema da Fronteira divulga Programação
>>> Centro em Concerto: ¡Navidad Nuestra!
>>> Edital Retomada Cultural apresenta Conexão Brasil-Portugal: podcast produzido pelo Coletivo Corpos p
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Garanto que você não vai gostar
>>> Colunismo em 2004
>>> Frases de Drummond
>>> Luciano do Valle (1947-2014)
>>> 28 de Junho #digestivo10anos
>>> 19 de Julho #digestivo10anos
>>> Citizen Kane
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> Vida conjugal
>>> Querem acabar com as livrarias
Mais Recentes
>>> O mágico poder da sua mente de Walter M. Germain pela Papelivros
>>> A Magia Egipcia de E. A. Wallis Budge pela Madras (2003)
>>> Vanguarda Européia e Modernismo Brasileiro de Gilberto Mendonça Teles pela Vozes (1977)
>>> Como Elaborar Projetos de Pesquisa Linguagem e Metodo de Roberto S. Kahlmeyer Outros pela Fgv (2007)
>>> Empreendedorismo- Dando Asas ao Espirito Empreendedor de Idalberto Chiavenato pela Saraiva (2006)
>>> O Poder dos Salmos de Celina Fioravanti pela Ground (1996)
>>> Dêxa Eeuuu!!! o Livro de Culinária para Filhos e Pais de Mayra Abbondanza pela Mayra Abbondanza São Paulo (2018)
>>> O Sistema Político-econômico do Futuro: o Societarismo de Oscar Dias Corrêa pela Forense Universitária (1994)
>>> Contato Imediato - Como Fazer Histórias Em Quadrinhos de Juan Acevedo pela Global (1990)
>>> Mulheres no Topo de Diane F. Halpern ; Fanny M. Cheung pela Atitude (2010)
>>> História da Questão Religiosa no Brasil de Antonio Carlos Villaça pela Francisco Alves (1974)
>>> O Néctar da Devoção - a Ciência Completa da Bhakti-yoga de A C Bhaktivedanta Swami Prabhupáda pela The Bhaktivedanta Book Trust (1995)
>>> 3333 Pontos Riscados e Cantados - Volume 1 de Pallas pela Pallas (2008)
>>> 3333 Pontos Riscados e Cantados de Pallas pela Pallas (2011)
>>> As Chaves do Inconsciente de Renate Jost de Moraes pela Agir (1985)
>>> Mapas Mentais e Memorização para Provas e Concursos de Felipe Lima e William Douglas pela Impetus (2010)
>>> Yes, Nós Temos Bananas - Histórias e Receitas Com Biomassa de Banana de Heloisa de Freitas Valle Marcia Camargos pela Senac (2003)
>>> Técnicas de Redação para Concursos Teoria e Questões de Lilian Furtado/vinicius Carvalho Pereira pela Método Ltda. (2013)
>>> A Magia do Caminho Real de Anna Sharp pela Rocco (1993)
>>> Krsna - a Suprema Personalidade de Deus de A. C. Bhaktivedanta Swami Prabhupada pela The Bhaktivedanta Book Trust (2006)
>>> Relâmpagos com Claror - Lygia Clark e Helio Oiticica, vida como arte de Beatriz Scigliano Carneiro pela Imaginária (2004)
>>> Introduçao a Estilistica de Nilce Santanna Martins pela Tao (1997)
>>> Filosofia Concreta - Tomo 2 de Mário Ferreira dos Santos pela Logos (1961)
>>> Psicologia de Mário Ferreira dos Santos pela Logos (1963)
>>> Noologia Geral de Mário Ferreira dos Santos pela Logos (1961)
COLUNAS

Segunda-feira, 13/2/2012
Por que os livros paradidáticos hoje são assim?
Gian Danton

+ de 14700 Acessos

Dia desses a minha filha, de 11 anos, me disse: "Pai, eu acho que os livros paradidáticos são feitos para a gente aprender a não gostar de livros". Meu filho, de 17, concordou.

Isso me espantou porque os dois são leitores vorazes. Meu filho mais de livros, principalmente sobre cinema e história. Minha filha de quadrinhos, em especial Turma da Mônica (os números prediletos, alguns, autografados, guardados caixas especiais.) e Mafalda. Somos assinantes de revistas como a Superinteressante, Mundo Estranho e Galileu, que são disputadas a tapa quando chegam em casa.

Então, se os dois gostam de ler, porque não gostam dos livros paradidáticos?

Perguntei se eles não tinham gostado de nenhum livro. Eles me destacaram dois: uma adaptação de Os miseráveis, de Victor Hugo, e ""Durma em paz, meu amor", de Pedro Bandeira, sobre jovens que contam histórias de fantasma em uma noite de tempestade.

Contei a eles que na minha época, os livros paradidáticos eram um passo importante no gosto pela leitura. O primeiro que li foi Aventuras de Xisto, tão manuseado que chegou num ponto em que eu havia decorado todas as páginas. Depois vieram os deliciosos romances policiais de Marcos Rey, como O rapto do garoto de ouro. Eram histórias apaixonantes, que envolviam o leitor com muita aventura, suspense e até humor.

Minha filha me explicou que hoje a maioria dos livros não era assim e deu um exemplo de um livro sobre a família: um professor falava sobre o assunto, os alunos faziam seus trabalhos e depois cada um apresentava. Não havia conflito, trama, nada, apenas uma lição de moral sobre a importância da família.

Isso me fez refletir sobre algo que já desconfiava há muito: os livros juvenis hoje são feitos para não provocarem polêmica, não desagradar a ninguém. Um tema mais espinhoso pode ser a razão pela qual os professores deixam de adotar a obra. Assim, evita-se conflitos, os personagens são todos padronizados, bonzinhos na maioria, como se a trama só existisse para passar uma lição, seja em favor da ecologia, seja contra o preconceito.

O resultado são obras tão assépticas quanto salas de cirurgia. Como dizia Isaac Assimov, se chatice matasse, ler esses livros seria uma sentença de morte.

Existe, por exemplo, um grupo propondo o banimento dos livros de Monteiro Lobato das escolas (não se fala em censura, dizem que estão apenas protegendo as crianças). O mesmo aconteceu com a obra do quadrinista norte-americano Will Eisner, acusado de pedofilia e pornografia por conta de uma história em que uma menina levanta a saia para enganar o zelador de um prédio e de outra em que aparece a costa nua de uma mulher.

O escritor Lewis Carroll não é adotado em escolas públicas por conta da suspeita de que ele seria pedófilo.

Até mesmo o singelo Aventuras de Xisto, que fez a alegria de minha infância, dificilmente existiria hoje em dia. A história de fantasia se passa numa Idade Média imaginária repleta de magia. Já no primeiro capítulo o livro traz motivos de sobra para polêmica. Na escola, Xisto prega uma peça em seu professor rabugento, fazendo-o acreditar que está surdo. A figura do professor rabugento e a brincadeira certamente não passariam em branco hoje em dia. Mas as acusações mais sérias certamente viriam da caracterização dos protagonistas. Xisto, o herói, é loiro e bonito, um encanto. Já Bruzo, o filho da empregada, é moreno e gordo. E burro ("pena que tivesse um raciocínio um tanto confuso..."). Hoje provocaria manchetes de jornais, com pais e professores revoltados com a história por seu conteúdo racista e preconceituoso.

Enquanto nos deliciávamos com as aventuras de Xisto nenhum de nós jamais teve a leitura de se tratava de preconceito, mas hoje um livro desses certamente seria considerado má-influência. Até Maurício de Sousa já sofreu, e muito, nesses tempos de politicamente correto. Uma tira em que o barbeiro usa ferramentas de pedreiro para cortar o cabelo do Cascão foi acusada de racismo por muitos, que preferiram ignorar o fato de que o Cascão é um personagem branco.

A série toda a Turma da Mônica foi acusada de ser um estímulo ao buyiling, numa referência às surras que a Mônica dá no Cebolinha e no Cascão. Segundo a acusação, as histórias em quadrinhos estimulavam as crianças a resolverem os conflitos na base da violência.

Nesses tempos de politicamente correto, a obra juvenil de Marcos Rey seria uma impossibilidade. Títulos como Gincana da morte, corrida infernal, o diabo no porta-malas, O rapto do garoto de ouro e Doze horas de terror jamais seriam selecionados pelos professores justamente pela presença de palavras como "terror", "morte", "infernal", "diabo" e "rapto".

A obra mais famosa de Marcos Rey, O mistério do cinco estrelas, começa com um assassinato. Em Bem-vindos ao Rio um grupo de meninos de rua seqüestra um garoto e uma garota de classe média. Alguém consegue imaginar um livro desses sendo lido nas escolas hoje em dia?

Aliás a própria existência de um Marcos Rey juvenil seria uma impossibilidade. Que editor hoje convidaria para escrever para crianças um cara que passou a década de 1970 vivendo de escrever pornochanchadas? Seria um escândalo nacional, motivo de matérias na grande imprensa e de protestos acalorados de pais e professores.

Felizmente, na minha infância, vivíamos outros tempos, e Marcos Rey não só pôde publicar seus livros como encantou toda uma geração, que se apaixonou pela leitura viajando em suas histórias policiais.

Da mesma forma, gerações e gerações se apaixonaram pela leitura com Monteiro Lobato, Aventuras de Xisto e muitas outras obras. Mas isso foi numa época em que os livros eram apresentados às crianças para que elas mesmas tirassem suas conclusões e interpretações. Hoje, parece, o politicamente correto quer proteger as crianças de tudo e de todos. O resultado estamos vendo aí: uma geração que não gosta de livros e só lê na internet, o único local em que elas mesmas, as crianças, ainda podem escolher o que ler e como interpretar o que estão lendo.


Gian Danton
Goiânia, 13/2/2012


Mais Gian Danton
Mais Acessadas de Gian Danton em 2012
01. Por que os livros paradidáticos hoje são assim? - 13/2/2012
02. O desenvolvimento dos meios de comunicação - 27/8/2012
03. A invenção da imprensa - 24/9/2012
04. Contos fantásticos no labirinto de Borges - 26/3/2012
05. Um conto de duas cidades - 7/5/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Criando Meninos (2002)
Steve Biddulph
Fundamento
(2002)



As Sandalias do Pescador
Morris West
Record
(2000)



Livro - O Inocente - uma História Real de Crime e Injustiça
John Grisham
Rocco
(2006)



Os Museus Castro Maya Safra
Banco Safra
Banco Safra
(2006)



Livro - a Fonte Luminosa
Walmir Ayala - Ilustrações de Semíramis N Paterno
Ftd
(1990)



Memorias Postumas de Bras Cubas
Machado de Assis
Escala
(2008)



Antimemórias
André Malraux
difusao europeia
(1968)



Economia - Fundamentos e Aplicações
Judas Tadeu Grassi Mendes
Pearson
(2004)



Bolsa Blindada
Patrícia lages
thomas nelson
(2013)



Transiberiano - a Viagem é Mais Importante do Que o Destino
Catarina Semenova Stroganova
Multifoco
(2017)





busca | avançada
48369 visitas/dia
1,6 milhão/mês