A invenção da imprensa | Gian Danton | Digestivo Cultural

busca | avançada
60917 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Dentre Nós Cia de Dança estreia “Sagrado Seja o Caos”
>>> Teatro: Sesc Santo André traz O Ovo de Ouro, espetáculo com Duda Mamberti no elenco
>>> PianOrquestra fecha a temporada musical 2021 da Casa Museu Eva Klabin com o espetáculo online “Colet
>>> Primeira temporada da série feminina “Never Mind” já está completa no Youtube da Ursula Monteiro
>>> Peça em homenagem à Maria Clara Machado estreia em teatro de Cidade Dutra, na periferia de São Paulo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
>>> O tempo é imbatível
>>> Consciência
>>> A cor da tarja é de livre escolha
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
>>> Oficinas Culturais no Fly Maria, em Campinas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O poder da idéia
>>> A cidade e as serras
>>> A falta de paciência com o cinema
>>> Feliz aniversário, envelheço na cidade
>>> Antonio Candido
>>> Sem música, a existência seria um erro
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Disciplinas isoladas
>>> Meus encontros e desencontros com Daniel Piza
>>> Pai e Filho
Mais Recentes
>>> Direito Penal Esquematizado Parte Geral de Cleber Masson pela Metodo (2009)
>>> Praia de Manhattan de Jennifer Egan pela Intrínseca (2018)
>>> São Jorge dos Ilhéus de Jorge Amado pela Martins
>>> Qualidade de Vida no Trabalho - Como Medir para Melhorar de Eda Conte Fernandes pela Casa da Qualidade (1996)
>>> Questões e Testes de Direito Administrativo de Paulo Alves Franco pela Jh Mizuno (2004)
>>> Direito Internacional da Concorrência de Clarissa Brandão pela Lumen Juris (2016)
>>> Crianças, Adolescentes e a Mídia - 2ª Ed. (lacrado) de Victor Strasburger, Barbara Wilson pela Penso - Artmed (2011)
>>> As Senhoritas de Amsterdã de Martine Fokkens, Louise Fokkens pela L&pm (2014)
>>> Melhores Poemas de Ruy Espinheira Filho (lacrado) de Ruy Espinheira Filho pela Global (2011)
>>> Diário Mínimo de Umberto Eco pela Record (2012)
>>> Crescer, Amadurecer: Poemas Meditativos de Ulrich Schaffer pela Antroposofica (2017)
>>> O Animal Mais Perigoso de Todos de Gary L. Stewart, Susan Mustafa pela Bertrand Brasil (2016)
>>> Dicionário da Antiguidade Africana de Nei Lopes pela Civilização Brasileira (2011)
>>> Florais uma Alternativa Saudável de Maria Julia Paes da Silva e Outros pela Gente (1999)
>>> Ô de Cima! de Popy Matigot pela Mil Caramiolas (2020)
>>> Exalando Esperança de Jean Mello pela Scor (2015)
>>> Noite na Taverna de Alvares de Azevedo pela Novaalexadria (1997)
>>> Poemas Crus de Cecília Floresta pela Patuá (2016)
>>> História do Mundo Antiguidade - Grécia de V. Diacov pela Fulgor (1965)
>>> Monica and Friends #13 de Mauricio de Sousa pela Panini Comics
>>> O Problema dos Desconhecidos - um Estudo da Ética (lacrado) de Terry Eagleton pela Civilização Brasileira (2010)
>>> O Pensamento Vivo de Glauber Rocha de Martin Claret pela Martins Claret
>>> Die Jalna-saga: Die Brüder Und Ihre Frauen .. de Mazo de La Roche pela Ullstein Tb (1985)
>>> Ferdinand, Der Mann Mit Dem Freundlichen Herzen de Irmgard Keun pela Deutsch (1981)
>>> Auditoria Principios y Procedimento - Tomo I e Tomo II de Holmes pela Union Tipografica (1960)
COLUNAS

Segunda-feira, 24/9/2012
A invenção da imprensa
Gian Danton

+ de 8800 Acessos

O filósofo Marshall McLuhan propunha que a forma como nos comunicamos molda a sociedade em que vivemos e a forma como pensamos. A invenção da escrita, por exemplo, permitiu a criação dos grandes impérios, do pensamento linear e da burocracia. Na Idade Média, a invenção do pergaminho abriu caminho para que a escrita fosse vista como algo divino, elitizado, moldando a sociedade do período.

Outra grande mudança ocorre com a invenção da imprensa. McLuhan considera tão importante essa invenção que chama o mundo criado pela imprensa como Galáxia de Gutemberg. Com ela veio a era das revoluções, o nacionalismo e até o sentimento de individualidade e privacidade.

Uma das revoluções causadas pela impressa foi a publicação de livros, em especial a Bíblia em línguas locais. Essas edições deram às pessoas a noção de pátria, unida por uma linguagem. Além disso, com o barateamento do processo de produção, agora era possível ler livros individualmente, ao contrário da Idade Média, em que a leitura era quase sempre coletiva, com uma pessoa lendo para um grupo. Isso deu às pessoas a noção de individualidade e privacidade. Curiosamente, mais ou menos no mesmo período a arquitetura traz uma grande inovação: os corredores, que vão permitir que as pessoas tenham privacidade em seus quartos (antes, mesmo em castelos, era necessário percorrer vários quartos até chegar ao último).

Com o tempo, muitos desses corredores passam a ser ornados por obras de arte, quadros assinados por grandes artistas, mantidos por mecenas, daí surgindo a ideia de direito autoral (na Idade Média os artistas não assinavam seus trabalhos pois se considerava que sua arte era para a glória de deus e não do pintor).

Nas palavras de McLuhan: "A imprensa criou o livro portátil, que os homens podiam ler em particular e isolados dos outros. O homem podia, agora, inspirar - e conspirar. Como a pintura de cavalete, o livro impresso muito contribuiu para o novo culto do individualismo".

A invenção da imprensa vai popularizar o pensamento linear, já que os livros vinham numa sequência lógica que devia ser lida página a página.

A imprensa permitiu também a era das revoluções. O protestantismo surgiu a partir da leitura da Bíblia em línguas nacionais (antes era proibido traduzir a Bíblia e praticamente só os padres as liam e interpretavam para os fieis). Também como consequência do barateamento dos livros, as ideias de filósofos, como Descartes e, posteriormente, os iluministas, como Voltaire e Rousseau, se espalharam pelo mundo.

As ideias revolucionárias se espalhavam não só na forma de livros, mas também através dos jornais. Não é coincidência que os três grandes líderes da revolução francesa (Danton, Marat e Robespiere) eram também jornalistas.

A criação da rotatória e, posteriormente, do rádio e do cinema, iriam de novo provocar grandes mudanças. Nunca antes uma mensagem poderia ser enviada a tantas pessoas ao mesmo tempo. Isso possibilitou o surgimento de ditadores como Hitler e Mussolini, que utilizaram jornais, rádios e filmes para difundir suas ideias e convencer as pessoas a obedecerem. Tratava-se da era das massas em que as pessoas eram tratadas apenas como parte de um todo. Esse período foi sintetizado na teoria hipodérmica, segundo a qual a mídia tem poder absoluto sobre as pessoas.

Em meados do século XX surge a televisão e com ela a era do audiovisual. Embora fosse um meio de massa, McLuhan enxergava nela uma possibilidade de maior participação. A baixa resolução da telinha levaria o expectador a interagir com o conteúdo, não se tornando o apático receptor da era das massas. Apesar dessa visão ser otimista e um pouco ingênua, há de se destacar o fato de que a transmissão da guerra do Vietnã fez com que pela primeira vez a juventude americana se pronunciasse contra uma guerra. Provavelmente a familiaridade com imagens de vietnamitas, como a da menininha correndo nua, atingida por napalm, tenham possibilitado uma maior aproximação com o fato. A TV tornou possível ver que o inimigo também era um ser humano.

Embora estivesse escrevendo muito antes da internet, McLuhan parecia antecipar a sociedade da informação: "As informações despencam sobre nós, instantaneamente e continuamente. Tão pronto se adquire um novo conhecimento, este é rapidamente substituído por uma informação ainda mais recente. Nosso mundo eletricamente configurado forçou-nos a abandonar o hábito de dados classificados para usar o sistema de identificação de padrões. Não podemos mais construir em série, bloco por bloco, passo a passo, porque a comunicação instantânea garante que todos os fatores ambientais e de experiência coexistem num estado de ativa interação".

Nesse mundo de informação contínua, a comunicação se transforma num fluxo caótico em que a mídia oferece cada vez mais dados e o cérebro humano é obrigado a se adaptar a receber. Na medida em que a mente humana se acostuma com esse fluxo, passa a pedir mais e mais e o processo se amplia mais ainda, como uma bola de neve. As novas gerações lidam com informação como se fosse um vício: é a novidade que virá a qualquer momento no Facebook ou no Twitter, é o e-mail essencial que surgirá na caixa de entrada a qualquer momento e que exige constante vigilância.

As mensagens não são mais procuradas e recebidas de maneira linear, como na galáxia de Gutemberg, em que as informações vinham na mesma sequência das páginas dos livros. Nesse novo mundo, a informação passa a ser relacional. A leitura de um texto leva a outro texto, que leva a outro texto, que leva a outro texto e que muitas vezes leva ao primeiro texto.


Gian Danton
Goiânia, 24/9/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Pobre rua do Vale Formoso de Elisa Andrade Buzzo
02. Um olhar sobre Múcio Teixeira de Celso A. Uequed Pitol
03. Ler para ficar acordado de Cassionei Niches Petry
04. As sombras e os muros de José J. Veiga de Cassionei Niches Petry
05. O anoitecer da flor-da-lua de Elisa Andrade Buzzo


Mais Gian Danton
Mais Acessadas de Gian Danton em 2012
01. Por que os livros paradidáticos hoje são assim? - 13/2/2012
02. O desenvolvimento dos meios de comunicação - 27/8/2012
03. Contos fantásticos no labirinto de Borges - 26/3/2012
04. Um conto de duas cidades - 7/5/2012
05. Contos de imaginação e mistério - 2/7/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




100 Crônicas - o Estado de S. Paulo
Mario Prata
Cartaz
(1997)



Para Quem Deseja Mais da Vida
Joseph Nowinski
Gente
(2005)



Educação para a Nova Era: uma Visão Contemporânea para Pais e Professo
Maria Luiza Pontes Cardoso
Summus
(1999)



Significado Nas Artes Visuais - 4ª Edição
Erwin Panofsky
Perspectiva
(2014)



A Casa dos Blessings
Anna Quindlen
Objetiva
(2003)



Paulista, Graças a Deus!
Hugo Pedro Carradore
Shekinah
(1986)



In Touch 2 Student Book
Victoria F. Kimbrough
Longman do Brasil
(1993)



Matemática Economia Administração Ciencias Contabeis Vol . 1 - Matematica
Manoel Marques Barreto
Globus



Prova
Luiz Guilherme Marinoni e Sérgio Cruz Arenhart
Revista dos Tribunais
(2009)



A Princesa A Espera Livro 4 - Literatura
Meg Cabot
Record
(2003)





busca | avançada
60917 visitas/dia
1,9 milhão/mês