Não se fazem mais leopardos como antigamente | Arcano9 | Digestivo Cultural

busca | avançada
44947 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 26/5/2003
Não se fazem mais leopardos como antigamente
Arcano9

+ de 3700 Acessos

É um alívio lembrar, de vez em quando, que o cinema não morreu. Não morreu vítima da pirotecnia dos efeitos especiais, ou do irremovível culto ao universo americano. Não me entenda mal, eu adoro tudo o que é americano. Cresci sendo educado pela TV e pelo shopping center a ser assim, longe de alternativas, e não há problema nenhum em admitir isso. E, em geral, gosto dos filmes que a multidão toda gosta. Mas, em tempos de X-Men 2 e Matrix Reloaded, o que mais me faz sorrir no momento é o National Film Theatre e Luchino Visconti. O Cinema (aquele de que falam os eruditos, que a ele se referem como o "verdadeiro", o tal Cinema com "C" maíusculo) não morreu, está lá, é só buscar as raras exibições de produções mais antigas nas mágicas telonas e refletir (sem a ambição de querer chegar a uma conclusão definitiva) sobre porque parece que não se fazem mais filmes como antigamente.

Voltei agora há pouco do NFT. Trata-se de um patrimônio cultural de Londres (celebrou seus 50 anos em 2002), e é o local que mais me ensinou sobre a história do cinema. É um sonho: Três salas dedicadas a mostrar os grandes nomes, os grandes filmes. Restaurações e retrospectivas. No ano passado, por exemplo, houve uma grande retrospectiva do Sergio Leone. E, o que no Brasil era só lenda para mim - o efeito entorpecedor do triplo duelo no final de Três Homens em Conflito quando visto no cinema - tornou-se realidade. Depois, Veio Claudia Cardinale em Era Uma Vez no Oeste. O panorama do sul de Utah poderia ser belíssimo, a trilha sonora, um delicioso sopro de vento quente e seco, mas a atriz era mais, muito mais do que tudo isso. Deus do céu! Não é que não se fazem mais filmes assim... Também não se fazem mais mulheres assim...

E, agora, a Claudia está de volta à minha vida. Já havia ouvido falar de Luchino Visconti, o tema da retrospectiva que segue até o dia 12 de junho no NFT. Contudo, nas minhas andanças erráticas por Sessões da Tarde e Corujões, ou pelas exceções paulistanas, como o Cinesesc ou a Sala Cinemateca, não fiz mais do que acariciar de leve um pouco do que o diretor produziu. Também a simples menção a um movimento associado ao diretor, "neo-realismo italiano", me causava calafrios. Essas etiquetas dão a impressão de que alguns filmes devem ser vistos porque são representantes de um "movimento", não porque são bons - isso é coisa para historiadores, não para um honesto curioso da sétima arte, como eu. Mas O Leopardo (Itália/França, 1963, vencedor da Palma de Ouro em Cannes no mesmo ano) não é o neo-realismo de A Terra Treme (1948). Exibido em nova cópia após 40 anos na memória distante, O Leopardo é uma verdadeira e inegável obra-prima. Como no caso de qualquer obra-prima, é fácil explicar porque esse filme está acima dos outros. O primeiro elemento que denota isso é o elenco: Claudia Cardinale, o símbolo de uma nova classe que ascende na Itália dos tempos de Garibaldi, se antepõe ao sólido Burt Lancaster, que encarna um aristocrata. Vendo que os ventos da mudança lhe reservam infortúnio, Lancaster (Don Fabrizio, príncipe de Salina) negocia formas de salvar seu poder e sua família da desgraça, dando a benção ao matrimônio de seu sobrinho Tancredi (vivido por Alain Delon) com Angelica Sedara (Cardinale).

À propósito, o segundo elemento é o roteiro: cheio de nuances mas nunca confuso, ele segue quase que o tempo todo em primeira pessoa, mostrando os pensamentos de Don Fabrizio e seus tormentos ao ter que passar pela mudança para que, como diz seu próprio sobrinho, tudo permaneça igual.

O terceiro elemento é o visual. O Leopardo é uma festa para os olhos. As cores deslumbrantes das roupas curtidas no sol forte vão mudando aos poucos de tom no transcorrer dos 188 minutos de produção, sendo afetados pelo vento e pela poeira. No final, numa longa seqüência da festa de casamento, as cores da velha aristocracia parecem mais sóbrias, escurecidas, ocupando seu espaço nas polcas e mazurcas como se estivessem executando a dança da morte. É quando Don Fabrizio, essa velha aristocracia, faz sua dança com Angelica Sedara, representando o novo e sedutor poder. Não é de se desprezar a mobilização e o trabalho que foram necessários para recriar todo o ambiente da Itália dos tempos da unificação em O Leopardo. Numa cena de batalha, foi preciso recriar inteiramente uma praça de Palermo e, depois, adicionar entulho, para dar a impressão de destruição. Em maio de 1962, o produtor Goffredo Lombardo tinha na sua folha de pagamento uma equipes de tamanho razoável, para dizer o mínimo: 200 técnicos (entre iluminadores, sonoplastas e contra-regras); 20 eletricistas, 150 pedreiros, 120 maquiadores e cabeleireiros, 15 floristas e 25 cozinheiros apenas para as sequências da festa no final do filme. Isso sem falar dos 250 figurantes usados na cena de batalha em Palermo e no baile.

O quarto elemento, por fim, é o próprio Visconti. Seu talento e fascínio pelo tema da decadência de velhas classes dominantes lhe dão o instinto para movimentar a câmera com grande naturalidade. O olho não é colocado em situações embaraçosas, ninguém se pergunta porque a imagem é esta ou aquela. É tudo muito natural. Visconti é um destaque porque não se faz sentir, deixa o filme criar sua vida própria. Um momento em que isso fica claro é quando Don Fabrizio está caçando, numa linda área de montanhas. Em dado momento, enquanto ele está conversando com outro personagem que o está acompanhando, a câmera simplesmente divaga pela paisagem, mostrando montanhas amarelecidas pelo sol ofuscante do Mediterrâneo. Sinceramente, era isso que eu faria se estivesse lá. Seria uma lástima assistir a um filme assim e não prestar atenção ao panorama também.

A retrospectiva de Visconti no NFT, além de apresentar a nova cópia de O Leopardo, também exibe uma nova cópia de Morte em Veneza (1971), um dos últimos filmes de Visconti, baseado do romance de Thomas Mann e, novamente, uma análise da decadência. Também estão sendo lançados vídeos e DVDs com Obsessão (1943) e A Terra Treme, e exibidos quase todos os filmes do diretor - incluindo Ludwig, a Paixão de um Rei (1973), que não chegou a ser completado antes da morte de Visconti.

Agora, deixando de lado toda essa intelectualidade e partindo para o mundo pop-legal, deixe-me perguntar: vocês viram o X-Men 2? Muito bom, hem? O Matrix Reloaded não vi, mas a crítica diz que é pior que o primeiro, mais chato... Vou ver no fim de semana que vem. Há cinemas e cinemas, filmes e filmes. Mas, por mais que a produção atual tenha seus méritos, a nostalgia de velhos diretores e velhas cores é plenamente justificável. Eram uma encarnação passada da sétima arte, essa arte de sete vidas. Veja e verá. O que é melhor?

Para ir além

National Film Theatre
South Bank, Londres SE1 8XT
Metrô: Waterloo ou Embankment


Arcano9
Miami, 26/5/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Um pouco de conservadorismo de Eduardo Mineo
02. Filosofia de boteco de Adriana Baggio


Mais Arcano9
Mais Acessadas de Arcano9 em 2003
01. Quem somos nós para julgar Michael Jackson? - 10/2/2003
02. Um brasileiro no Uzbequistão (V) - 8/9/2003
03. Um brasileiro no Uzbequistão (III) - 28/7/2003
04. Um brasileiro no Uzbequistão (I) - 30/6/2003
05. Empolgação - 10/3/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




VÍCIOS NÃO SÃO CRIME
LYSANDER SPOONER
AQUARIANA
(2003)
R$ 13,41



ECO EMPREENDEDOR - OPORTUNIDADES DE NEGOCIOS DECORRENTES DA REVOL
STEVEN J. BENNETT
MAKRON
(1992)
R$ 9,90



O CONFLITO
MARY WESTMACOTT
NIVA FRONTEIRA
(1974)
R$ 10,00



A MÃO E A LUVA
MACHADO DE ASSIS
EDIGRAF
R$ 6,28



O LEITE VOL 3 OUTROS PRODUTOS LEITEIROS
F. M. LUQUET
EUROPA-AMÉRICA
(1985)
R$ 97,00



A MÁQUINA INFERNAL DO ENGENHEIRO GÁRIN
ALÉXIS TOLSTÓI
ED. BRASILIENSE
(1959)
R$ 13,90



RETRATO FOTOGRÁFICO
MICHAEL FREEMAN
LIVROS E LIVROS
(2005)
R$ 60,00



A REBELIÃO NA TERRA SANTA - 1935
MENAHEN BEGUIN
FREITAS BASTOS
(1970)
R$ 10,00



THEMEN 1 KURSBUCH
HARTMUT AUFDERSTRASSE / HEIKO BOCK / M. GERDES / H
EPU / HUEBER
(1991)
R$ 16,00



MERGULHE NA MAGIA - OS BASTIDORES DE ANIMAIS FANTÁSTICOS...
IAN NATHAN
HARPER COLLINS
(2016)
R$ 32,00





busca | avançada
44947 visitas/dia
1,2 milhão/mês