Não se fazem mais leopardos como antigamente | Arcano9 | Digestivo Cultural

busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Cia Triptal celebra a obra de Jorge Andrade no centenário do autor
>>> Sesc Santana apresenta SCinestesia com a Companhia de Danças de Diadema
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
>>> Ibevar e Fia-Labfin.Provar realizam uma live sobre Oportunidades de Carreira no Mercado de Capitais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (I)
>>> A primeira ofensa recebida sobre algo que escrevi
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Procissão
>>> Mais espetáculo que arte
>>> teu filho, teu brilho
>>> O Medium e o retorno do conteúdo
>>> A Poli... - 10 anos (e algumas reflexões) depois
>>> Web-based Finance Application
>>> Pensando sozinho
Mais Recentes
>>> Historia do Brasil Vol. 1 de Helio Vianna pela Melhoramentos
>>> Livro dos Sonetos: 1500 - 1900 de Sérgio Faraco pela L e Pm (2002)
>>> O Novo Acordo Ortogáfico da Linguaportuguesa de Maurício Silva pela Contexto (2011)
>>> Onze Minutos de Paulo Coelho pela Rocco (2003)
>>> Toda Sua de Sylvia Day; Alexandre Boide pela Paralela (2012)
>>> Solteira - O insuperável fascínio da mulher livre de Patrizia Gucci pela Prestígio (2004)
>>> Filha é Filha de Agatha Christie pela Lpm (2011)
>>> Acima de Qualquer Suspeita de Scott Turow pela Record
>>> Taureg de Alberto Vazquez Figueróa pela L&pm (2002)
>>> A Cidade e as Serras de Eça de Queirós pela Atica (2006)
>>> Bases da Biologia Celular e Molecular de De Robertis & Der Robertis Jr pela Guanabara Koogan (1993)
>>> Nas Asas da Ilusão de Kely Vyanna pela Brasília (2011)
>>> Você é Mais Forte do Que o Câncer de Susan Sorensen e Laura Geist pela Thomas Nelson Brasil (2007)
>>> As Cinco Estações do Corpo de João Curvo & Walter Truche pela Rocco (2001)
>>> The Feast of All Saints de Anne Rice pela Ballantine Books (1991)
>>> Geografia dos Estados Unidos de Pierre George pela Papirus (2010)
>>> The Diamond as Big as the Ritz and Other Stories de F. Scott Fitzgerald pela Longman (1974)
>>> O Caminho dos Sonhos de Mauro Lucido da Silva pela Mauro Lucido da Silva (2010)
>>> The Amen Corner de James Baldwin pela Corgi (1970)
>>> Menino de Engenho - 83ª Edição de José Lins do Rego pela José Olympio (2002)
>>> Em Missão de Socorro de Vera Lúcia Marinzeck de Carvalho pela Lumen Editorial (2012)
>>> Enquanto Houver Vida Viverei de Julio Emilio Braz; Rogério Borges pela Ftd (1996)
>>> Aprenda Ingles Comercial e Turístico de José Luiz Rodrigues pela On Line (2012)
>>> Plenitude de Divaldo Pereira Franco pela Leal (2000)
>>> The Vampire Diaries de L. J. Smith pela Harper Teen (1991)
COLUNAS

Segunda-feira, 26/5/2003
Não se fazem mais leopardos como antigamente
Arcano9

+ de 4100 Acessos

É um alívio lembrar, de vez em quando, que o cinema não morreu. Não morreu vítima da pirotecnia dos efeitos especiais, ou do irremovível culto ao universo americano. Não me entenda mal, eu adoro tudo o que é americano. Cresci sendo educado pela TV e pelo shopping center a ser assim, longe de alternativas, e não há problema nenhum em admitir isso. E, em geral, gosto dos filmes que a multidão toda gosta. Mas, em tempos de X-Men 2 e Matrix Reloaded, o que mais me faz sorrir no momento é o National Film Theatre e Luchino Visconti. O Cinema (aquele de que falam os eruditos, que a ele se referem como o "verdadeiro", o tal Cinema com "C" maíusculo) não morreu, está lá, é só buscar as raras exibições de produções mais antigas nas mágicas telonas e refletir (sem a ambição de querer chegar a uma conclusão definitiva) sobre porque parece que não se fazem mais filmes como antigamente.

Voltei agora há pouco do NFT. Trata-se de um patrimônio cultural de Londres (celebrou seus 50 anos em 2002), e é o local que mais me ensinou sobre a história do cinema. É um sonho: Três salas dedicadas a mostrar os grandes nomes, os grandes filmes. Restaurações e retrospectivas. No ano passado, por exemplo, houve uma grande retrospectiva do Sergio Leone. E, o que no Brasil era só lenda para mim - o efeito entorpecedor do triplo duelo no final de Três Homens em Conflito quando visto no cinema - tornou-se realidade. Depois, Veio Claudia Cardinale em Era Uma Vez no Oeste. O panorama do sul de Utah poderia ser belíssimo, a trilha sonora, um delicioso sopro de vento quente e seco, mas a atriz era mais, muito mais do que tudo isso. Deus do céu! Não é que não se fazem mais filmes assim... Também não se fazem mais mulheres assim...

E, agora, a Claudia está de volta à minha vida. Já havia ouvido falar de Luchino Visconti, o tema da retrospectiva que segue até o dia 12 de junho no NFT. Contudo, nas minhas andanças erráticas por Sessões da Tarde e Corujões, ou pelas exceções paulistanas, como o Cinesesc ou a Sala Cinemateca, não fiz mais do que acariciar de leve um pouco do que o diretor produziu. Também a simples menção a um movimento associado ao diretor, "neo-realismo italiano", me causava calafrios. Essas etiquetas dão a impressão de que alguns filmes devem ser vistos porque são representantes de um "movimento", não porque são bons - isso é coisa para historiadores, não para um honesto curioso da sétima arte, como eu. Mas O Leopardo (Itália/França, 1963, vencedor da Palma de Ouro em Cannes no mesmo ano) não é o neo-realismo de A Terra Treme (1948). Exibido em nova cópia após 40 anos na memória distante, O Leopardo é uma verdadeira e inegável obra-prima. Como no caso de qualquer obra-prima, é fácil explicar porque esse filme está acima dos outros. O primeiro elemento que denota isso é o elenco: Claudia Cardinale, o símbolo de uma nova classe que ascende na Itália dos tempos de Garibaldi, se antepõe ao sólido Burt Lancaster, que encarna um aristocrata. Vendo que os ventos da mudança lhe reservam infortúnio, Lancaster (Don Fabrizio, príncipe de Salina) negocia formas de salvar seu poder e sua família da desgraça, dando a benção ao matrimônio de seu sobrinho Tancredi (vivido por Alain Delon) com Angelica Sedara (Cardinale).

À propósito, o segundo elemento é o roteiro: cheio de nuances mas nunca confuso, ele segue quase que o tempo todo em primeira pessoa, mostrando os pensamentos de Don Fabrizio e seus tormentos ao ter que passar pela mudança para que, como diz seu próprio sobrinho, tudo permaneça igual.

O terceiro elemento é o visual. O Leopardo é uma festa para os olhos. As cores deslumbrantes das roupas curtidas no sol forte vão mudando aos poucos de tom no transcorrer dos 188 minutos de produção, sendo afetados pelo vento e pela poeira. No final, numa longa seqüência da festa de casamento, as cores da velha aristocracia parecem mais sóbrias, escurecidas, ocupando seu espaço nas polcas e mazurcas como se estivessem executando a dança da morte. É quando Don Fabrizio, essa velha aristocracia, faz sua dança com Angelica Sedara, representando o novo e sedutor poder. Não é de se desprezar a mobilização e o trabalho que foram necessários para recriar todo o ambiente da Itália dos tempos da unificação em O Leopardo. Numa cena de batalha, foi preciso recriar inteiramente uma praça de Palermo e, depois, adicionar entulho, para dar a impressão de destruição. Em maio de 1962, o produtor Goffredo Lombardo tinha na sua folha de pagamento uma equipes de tamanho razoável, para dizer o mínimo: 200 técnicos (entre iluminadores, sonoplastas e contra-regras); 20 eletricistas, 150 pedreiros, 120 maquiadores e cabeleireiros, 15 floristas e 25 cozinheiros apenas para as sequências da festa no final do filme. Isso sem falar dos 250 figurantes usados na cena de batalha em Palermo e no baile.

O quarto elemento, por fim, é o próprio Visconti. Seu talento e fascínio pelo tema da decadência de velhas classes dominantes lhe dão o instinto para movimentar a câmera com grande naturalidade. O olho não é colocado em situações embaraçosas, ninguém se pergunta porque a imagem é esta ou aquela. É tudo muito natural. Visconti é um destaque porque não se faz sentir, deixa o filme criar sua vida própria. Um momento em que isso fica claro é quando Don Fabrizio está caçando, numa linda área de montanhas. Em dado momento, enquanto ele está conversando com outro personagem que o está acompanhando, a câmera simplesmente divaga pela paisagem, mostrando montanhas amarelecidas pelo sol ofuscante do Mediterrâneo. Sinceramente, era isso que eu faria se estivesse lá. Seria uma lástima assistir a um filme assim e não prestar atenção ao panorama também.

A retrospectiva de Visconti no NFT, além de apresentar a nova cópia de O Leopardo, também exibe uma nova cópia de Morte em Veneza (1971), um dos últimos filmes de Visconti, baseado do romance de Thomas Mann e, novamente, uma análise da decadência. Também estão sendo lançados vídeos e DVDs com Obsessão (1943) e A Terra Treme, e exibidos quase todos os filmes do diretor - incluindo Ludwig, a Paixão de um Rei (1973), que não chegou a ser completado antes da morte de Visconti.

Agora, deixando de lado toda essa intelectualidade e partindo para o mundo pop-legal, deixe-me perguntar: vocês viram o X-Men 2? Muito bom, hem? O Matrix Reloaded não vi, mas a crítica diz que é pior que o primeiro, mais chato... Vou ver no fim de semana que vem. Há cinemas e cinemas, filmes e filmes. Mas, por mais que a produção atual tenha seus méritos, a nostalgia de velhos diretores e velhas cores é plenamente justificável. Eram uma encarnação passada da sétima arte, essa arte de sete vidas. Veja e verá. O que é melhor?

Para ir além

National Film Theatre
South Bank, Londres SE1 8XT
Metrô: Waterloo ou Embankment


Arcano9
Londres, 26/5/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A suíte melancólica de Joan Brossa de Jardel Dias Cavalcanti
02. Lourival, Dorival, assim como você e eu de Elisa Andrade Buzzo
03. Numa casa na rua das Frigideiras de Elisa Andrade Buzzo
04. 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis de Ana Elisa Ribeiro
05. A barata na cozinha de Luís Fernando Amâncio


Mais Arcano9
Mais Acessadas de Arcano9 em 2003
01. Quem somos nós para julgar Michael Jackson? - 10/2/2003
02. Um brasileiro no Uzbequistão (V) - 8/9/2003
03. Um brasileiro no Uzbequistão (III) - 28/7/2003
04. Um brasileiro no Uzbequistão (I) - 30/6/2003
05. Um brasileiro no Uzbequistão (II) - 14/7/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Um Sedutor sem Coração - Box 5 Livros
Lisa Kleypas
Arqueiro
(2018)



Psicologia da Criança
Karl G. Garrison & Outros
Ibrasa
(1971)



Turma da Mônica Jovem Nº 70- Nosso Filhote
Mauricio de Sousa
Panini
(2014)



Minha 1ª Biblioteca Larousse Enciclopédia 2
Larousse
Laurousse
(2007)



Quem Tem Medo de Vampiro?
Dalton Trevisan
Ática
(2013)



Elo
James Capelli
Escritorio de Midia



Como Ganhar Mais Dinheiro e Viver Melhor!
Fernando Veríssimo
Seles
(2003)



Independência ou Morte - A emancipação política do Brasil
Ilmar Rohloff e Luis Affonso
Atual
(1991)



O Leão e o Rato
Maria Espluga (ilustrações)
Sm
(2000)



Cheiro de Goiaba - 8ª Ed.
Gabriel Garcia Marquez
Record
(2014)





busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês