Meu encontro com o Millôr | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
31589 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Leandro Sapucahy comanda Reveillon 2019 no Jockey Club/RJ
>>> Carioquíssima realiza edição de Natal na Fábrica Bhering (RJ)
>>> Vocalista da banda Big Mountain, Quino apresenta-se no Sesc Belenzinho dia 15 de dezembro
>>> Sesc Belenzinho apresenta show que celebra Declaração Universal do Direitos Humanos
>>> Mosteiro de São Bento: 50 anos da morte de Thomas Merton
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As palmeiras da Politécnica
>>> Como eu escrevo
>>> Goeldi, o Brasil sombrio
>>> Do canto ao silêncio das sereias
>>> Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela
>>> A barata na cozinha
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O Voto de Meu Pai
>>> Inferno em digestão
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
Colunistas
Últimos Posts
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
Últimos Posts
>>> A verdade? É isso, meme!
>>> Ser pai, sendo filho - poema
>>> A massa não entende
>>> ARCHITECTURA
>>> Os Efeitos Colaterais do Ano no Mundo
>>> A Claustrofobia em Edgar Allan Poe - Parte I
>>> Casa de couro V
>>> Heróis improváveis telefonam...
>>> Um lance de escadas
>>> No tinir dos metais
Blogueiros
Mais Recentes
>>> The Art of Possibility
>>> Desafiando o Talento, de Geoff Colvin
>>> O anti-Twitter
>>> Free, o livro, em português
>>> Tropikaos
>>> Because in the musicals nothing dreadful ever happens
>>> Feliz Ano Novo
>>> Por uma arquitetura de verdade
>>> O Conselheiro também come (e bebe)
>>> Existem vários modos de vencer
Mais Recentes
>>> Coisas de São Paulo de Nazareth Moreaux pela Melhoramentos (2005)
>>> Educação Pré-Escolar, Fundamentos e Didática de Marieta L. Machado Nicolau pela Ática (2002)
>>> João e Maria da Amazônia de Boechat,Maria Diva; Gusmão,Marta - Franco pela Franco (2015)
>>> Cinderela - Coleção Contos de Grimm de Maria Heloisa Penteado (texto em português) pela Ática (2012)
>>> O Homem que Matou Getúlio Vargas de Jô Soares pela Companhia das Letras (1998)
>>> O Amor é Fogo de Nora Ephron pela Rocco (2009)
>>> Sexo e Sexualidade - Sem Mistérios de Vários pela Trilha Educacional (2005)
>>> Indoor Cycling - Guia Prático para Pedalar Em Casa de William M. de Carvalho pela Leitura (2018)
>>> Zorba, O Grego (Capa Dura) de Nikos Kazantzakis pela Abril Cultural (1974)
>>> Reinações de Narizinho de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1956)
>>> Don Fernando de Fernand Fournier-Aubry pela Robert Laffont (1972)
>>> Allie Finkle´s Rules for Girls- Moving day de Meg Cabot pela Scholastic (2009)
>>> Vie et Mort a Shanghai de nien Cheng pela Albin Michel (1987)
>>> Português- Leitura,produção, gramática ( 7 ano ) de Leila Laur Sarmento pela Moderna (2009)
>>> Um grito de Alerta de Osmar Santos pela Eu Você (1981)
>>> Vencendo a Crise - Com o bom senso empresarial pode superá-la de Thomas J Peters e Robert H Waterman pela Hárbra (1986)
>>> Educação - Criatividade e Lazer de Annita Schterg Gorodicht e Léa Porto de Abreu pela Sec de Educação e Cultura RJ (1980)
>>> O Diário de Bridget Jones de Helen Fielding pela Record (2001)
>>> L'Institut de Volupté - Roman de Fernand Kolney pela Georges-Anquetil (1926)
>>> Oeuvres de Beranger - Tomo 1 e 2 de Pierre-Jean de Beranger pela Perrotin (1857)
>>> Everymans Thesaurus of English Words and Phrases de Peter Roget e D C Browning pela J M Dent e Sons (1955)
>>> Lombre du Passé de Jeanne de Coulomb pela Gaitier e languereau (1921)
>>> La femme Dune Nuit de Alfred Machard pela Flamarion (1929)
>>> L'Amant de Lady Chatterley de D H Lawrence pela Gallimard (1932)
>>> Tom Jones de Henry Fielding pela Abril (1983)
>>> A chave de Rebecca de Ken Foller pela Círculo do Livro
>>> Histoires et Contes de la Grand Mère de Louise SW Belloc pela Garnier freres
>>> A Terceirização e o Direito do Trabalho de Sergio Pinto Martins pela Atlas (2010)
>>> Atuação do Ministério Público do Trabalho Como Árbitro de José Janguiê Bezerra Diniz pela Ltr (2005)
>>> Curso de Falência e Recuperação de Empresa de Amador Paes de Almeida pela Saraiva (2008)
>>> Exercícios de Metodologia da Pesquisa de Edivaldo M. Boaventura pela Quarteto (2017)
>>> Introdução à Teoria do Emprego de Joan Robinson pela Forense Universitária (1990)
>>> A Bruxinha Domitila e o Robô Super-tudo de Edson Gabriel Garcia pela Vozes (1985)
>>> O Hóspede Suspeito de Friedrich Scheck pela Ática (2000)
>>> O Castelo de Âmbar de Mino Carta pela Record (2000)
>>> Quando o Sofrimento Bater à Sua Porta de Padre Fábio de Melo pela Planeta (2016)
>>> Desconhecido de Machado de Assis pela Civilização Brasileira (1955)
>>> Psicopedagogia Clínica de Maria Lúcia L. Weiss pela Dp&a (2004)
>>> Porta do infinito de Carlos Castaneda pela Record (1974)
>>> O quinto compromisso, um guia prático para o autodomínio de Don Miguel Ruiz / Don José Ruiz pela Best Seller (2010)
>>> Manifesto do partido comunista de Karl Marx, Engels pela Expressão Popular (2008)
>>> Sapatos - Cronica de uma Sedução - 1900-2008 de Perla Nahun, Fernando de Barros Constanza Pascolato pela Francal (2008)
>>> A região metropolitana de Campinas: urbanização, economia, finanças e meio ambiente Vol 1 e 2 de Wilson Cano, Carlos A. Brandão pela Unicamp (2002)
>>> Informe: Análisis, adapatación y sistematización de estándares para la planificación del manejo en Iniciativas de Conservación Privada y áreas marinas costaneras protegidas de múltiples usos de Ministerio del medio ambiente, GEF, PNUD, Wildlife pela Ministerio del medio ambiente Chile (2015)
>>> Una década de luchas y propuestas Derecho Educación. La palabra de los movimientos sociales de Foro por el Derecho a la Educación Chile pela Foro por el Derecho a la Educación Chile (2015)
>>> Princípios de Direitos Autorais - Livro I - 1898/1998 de Eduardo Pimenta pela Lumen Juris (2004)
>>> Tráfico de Anjos de Luiz Puntel pela Ática (1992)
>>> Sexo se Aprende na Escola de Marta Suplicy e Antonio Carlos Egypto e outros pela Olho Dágua (2000)
>>> Disney Art Attack - Art Festa nº 1 de Disney Coleção Crie-Brinque pela Cia de Livros (2006)
>>> Tratado da Propriedade Intelectual - Tomo II - Patentes de Denis Borges Barbosa pela Lumen Juris/Direito (2014)
COLUNAS >>> Especial Millôr Fernandes

Sexta-feira, 30/3/2012
Meu encontro com o Millôr
Julio Daio Borges

+ de 6600 Acessos


Ricardo Moraes/Folhapress

* Meu primeiro contato com a obra do Millôr foi através da Bíblia do Caos, sua coletânea de frases, de 1994. Lembro que a Veja encheu duas páginas só com aforismos dele, e comprar o livro se tornou uma inevitabilidade. Nunca li o Millôr Definitivo de cabo a rabo ― e acho que nem era esse o objetivo do autor ― mas guardei algumas frases para sempre. "Livre como um táxi" é a minha preferida. É um trocadiho que não sei se faz muito sentido para as novas gerações, mas é genial. Inúmeras vezes tentei imaginar algo melhor, mas não consegui. Pessoalmente, ele me disse que publicava aforismos, na imprensa, toda semana. "Às vezes, sai uma frase ótima", ponderou. Como tinha décadas de trabalho na imprensa: "Se você juntar a vida inteira, de repente tem uma obra". Era o típico humor dele. Apesar de seu inquestionável gênio, conseguia falar de seus feitos como se fossem algo natural. Como se fossem uma mera acumulação do trabalho de anos. Tanta gente pode escrever frases toda semana, mas, chegar a "livre como um táxi", só o Millôr.

* Aliás, o Daniel Piza deve ter ouvido esse conselho. Porque se dedicou a publicar frases na sua coluna Sinopse, desde que ela começou. Os tais "aforismos sem juízo". Lembro que, quando a Sinopse fez 1 ano, o Daniel publicou uma coluna inteira só com as frases das primeiras 52 semanas. Eu nunca gostei dos "aforismos" dele e, já naquela época, mandei um e-mail criticando algumas frases e tentando dissuadir o Daniel da empreitada. Não adiantou. Ele seguiu em frente. E, mais de uma década depois, publicou até em livro: Aforismos sem juízo (2008). Lembro, ainda, que alguém criou um "fake" dele no Twitter, e o Daniel me escreveu perguntando se eu sabia quem era (ameaçando processar o sujeito). Entrei e achei que os tweets fossem uma gozação dos tais "aforismos sem juízo". Eram os próprios.

* Voltando ao Millôr, o Daniel conta que, quando organizou Waaal ― O Dicionário da Corte de Paulo Francis (1996), este ficou meio decepcionado com a magreza do volume, afinal ― depois de décadas igualmente na imprensa ― esperava alguma coisa nas dimensões da Bíblia do Caos. Afirmava, para além da amizade de toda a vida, que o Millôr, se escrevesse em outro idioma mais conhecido, teria a estatura de um Voltaire. Quando o Francis morreu, o Millôr foi quem escreveu um dos melhores obituários, que li e reli: "Dá-lhe, sweet prince!". Está lá, no "saite" dele, o humor que não perdoava nem o amigo morto: Millôr diz em tom de blague que cansaram de fazer as contas e que era impossível o Paulo Francis ter lido tudo o que citava...

* Nos primórdios do Digestivo, cadastrávamos todos os e-mails de jornalistas que pudéssemos encontrar. E, num belo dia, apareceu o Fabio Danesi Rossi, um dos primeiros Colunistas, com o e-mail do Millôr (conseguido através de uma pessoa conhecida dele, que trabalhava em alguma redação). Cadastramos o Millôr e, naquele mesmo ano, aportou uma mensagem dele na nossa caixa postal: "Excelente, Digestivo", exclamava o mestre. Respondia ao meu "Digestivo" de número 29, em que eu falava de uma montagem de As Lágrimas Amargas de Petra von Kant (que, eu não sabia, fora traduzida pelo Millôr). E, para nosso espanto, o Guru do Méier seguiu se manifestando sobre as nossas newsletters... Lembro que respondeu a uma das "Peristálticas" (Notas dos Colunistas, precurssora do "Blog" do Digestivo), que continha um texto do Rafael Lima, sobre o caso "Pasquim versus Simonal". Foi um dos episódios mais controversos do jornal, mas o Millôr nos respondia serenamente, como se merecêssemos alguma consideração. O Digestivo tinha menos de um ano.

* A uma das newsletters de aniversário do site, aliás, ele me respondeu: "Daio, você chegou. Fica! Seu companheiro de jornada, por vias travessas, Millôr". Gostei tanto que, no meu primeiro cartão de visitas, imprimi a frase atrás. Para ler e reler. Lembro que, quando da primeira manifestação dele, eu ainda trabalhava no banco, e foi a primeira vez que me perguntei o que estava fazendo lá. Eu não conseguia montar uma equipe, porque o meu chefe não achava que era a hora, mas eu já coordendava uma dezena de Colunistas e nós tínhamos recebido um elogio do Millôr Fernandes! Ainda no banco, conheci o Rodolfo Felipe Neder, que administrava o site do Millôr, e ele, sugerindo uma parceria entre nós, colocou o logo do Digestivo, como se fosse um teaser, no Millôr Online (sem o hyperlink, só para me atiçar). Quando mostrei o feito a uma colega do banco ― a quem eu revelava meus planos mirabolantes ―, ela quase caiu de costas.

* Já fora do banco, conversei com o Rodolfo por telefone e marcamos um encontro. Acabamos nos tornando amigos. Ele me contava boas histórias do Millôr. Falava com ele quase todos os dias. Além do "saite", administrava todos os contratos do Guru do Méier. E ficava procurando oportunidades para o Millôr Online. Foi dele a iniciativa de levar o Digestivo para o UOL, mas fiquei tão desanimado com a primeira reunião que acabei desistindo. Uma empresa grande era tudo o que eu não queria ― tinha acabado de sair de uma ―, e ainda queriam me ensinar como tocar o site que eu havia criado do nada (e que havia chamado a atenção do Millôr)? Troquei a mailing list do Digestivo com o Rodolfo e, de repente, o nosso site ganhou o público do Millôr Online no UOL.


Millôr, pouco antes do nosso encontro, na Flip

* E foi graças ao Rodolfo que eu conheci o Millôr. Há quase dez anos, quando vivíamos o "pós-bolha", e eu pensei em transformar o Digestivo numa revista impressa (quem diria...). Convidei os principais Ensaístas do site e já contava com a anuência do Daniel Piza e do Diogo Mainardi, quando resolvi ir ao Rio, convidar mais "pesos pesados". Ao chegar no hotel, havia uma mensagem para mim, por escrito: "Sr. Millôr Fernandes ligou". Era tão surreal aquilo, que resolvi guardar o bilhete e ficou na minha mesa de trabalho durante anos. Mais tarde, no meio das ruas do Rio, me liga o Millôr no celular. Era tão inusitado quanto... Marquei, com ele, no seu estúdio, no final da tarde. Antes, eu iria passar no apartamento do Ruy Castro, para convidar este e o Sérgio Augusto para o meu projeto.


Ruy no Leblon, perto da sua casa

* Já havia conhecido o Sérgio na época do meu primeiro site, o "J.D. Borges". E já havia encontrado o S.A., pessoalmente, na noite de autógrafos dos Lado B (2001). O Ruy Castro, eu conheci na Bienal do Livro de 2002, a minha primeira através do Digestivo... Eu havia criticado o Ruy na época do "J.D. Borges", e ele ficou um tempão olhando o meu cartão de visitas, no meio do evento, provavelmente me achando o maior cara de pau da Bienal... Perguntei se a letra estava muito pequena, ao que o Ruy Castro respondeu sério: "Não; eu enxergo muito bem...!" Nesse segundo encontro em sua casa, porém, o Ruy estava mais solto e fazia piadas comigo o tempo todo: "Senta aí nessa cadeira, foi o último lugar em que o Paulo Francis sentou quando esteve aqui pela última vez..."


S.A. e a New Yorker

* A conversa foi tão boa que o tempo acabou passando e eu tive de sair correndo para pegar o Millôr ainda no estúdio. O Ruy ― através da Heloísa Seixas, que tinha escritório no mesmo prédio do Guru ― me alertava que o Millôr, naquele horário, já devia ter ido embora. Mas eu tinha marcado... Fui. E o Guru do Méier havia, realmente, ido embora. Fiquei arrasado. Tinha furado com o meu herói...! Naquela noite, o Ruy Castro até havia me convidado para ir encontrá-los numa noite de autógrafos do Armando Nogueira, para onde eles se dirigiam depois da nossa reunião. Mas eu fiquei tão triste de ter perdido a hora com o Millôr que não consegui sair do hotel de novo. No dia seguinte, ia tentar a sorte no estúdio, mais uma vez.


Millôr no estúdio

* Acabei conseguindo uma outra hora com o Millôr. E não marquei mais nada, para não correr o risco de me atrasar. Era o dia de pegar o avião de volta, e eu fiquei com a minha mochila no meio da praia de Copacabana, lendo sobre a morte do Roberto Marinho (tinha acabado de acontecer). Um especial longo, na revista Época, onde o repórter revelava um dado curioso, sobre o velório do Paulo Francis. Contava que o corpo estava para ser enterrado no cemitério São João Batista, quando o Roberto Marinho chegou e quis ficar sozinho com o Francis. Saiu de lá comentando: "Era um rapaz muito jovem..." O Francis havia chamado o Roberto Marinho de "cocô", no Pasquim. Mas o Roberto Marinho o contrataria, anos depois, na TV Globo. (Segundo o Rodolfo, para descrença do Millôr ― que nunca acreditou que o Francis iria para a Globo...)


Mais uma, clássica, no estúdio

* O Millôr me recebeu, por fim, em seu estúdio. E não estava bravo comigo, para a minha total surpresa. Até fez café para mim, o que foi mais um dado surreal daquele encontro... Eu carregava um "boneco" do projeto de revista do Digestivo e ele quis olhar. O homem que havia passado por toda a história da imprensa brasileira no século XX, desde a revista Cruzeiro, me elogiou de novo: "Está muito bem diagramado". Estava sendo gentil, claro. Eu havia feito um simples curso de PageMaker e havia me inspirado, largamente, no projeto gráfico da New Yorker (o mesmo que inspirou a Piauí, tempos depois). Em seguida, o Millôr pôs seus óculos e começou a ler os textos, que eram dos Colunistas do Digestivo até então. Em mais um gesto de grandeza seu, comentou que nunca escreveria um trecho como "a clássica frase" (de um dos Colunistas mais populares do site). Preferia "a frase clássica" ― porque, simplesmente, não conseguia posicionar o adjetivo antes do substantivo. De repente, editando os nossos textos, o Millôr era um de nós.


Digestivo na GV-executivo

* Além de convidá-lo para o projeto de revista do Digestivo ― que ele desde o começo aceitou ―, eu queria tentar entrevistá-lo, mas ele, imediatamente, me desestimulou. Há quase dez anos, revelou que todo mundo queria fazer "a última entrevista" com Millôr Fernandes. Mas rebatia que havia escrito o roteiro da própria vida, e que não morreria no final. "No máximo, desapareço na linha do horizonte!" Subitamente, desisti de perguntar qualquer coisa e deixei só ele falar. Eu me sentia como numa das "aulas espetáculo" do Ariano Suassuna, mas era a única pessoa na plateia. Comigo pensava: "Quanto vale o tempo deste homem?"


A GV-executivo com o Digestivo

* Perdi a noção do tempo, aliás, e não sei quantas horas fiquei no estúdio. Só sei que quase perdi o avião também. O taxista teve de seguir "voando". Entrei correndo no aeroporto. E até hoje não sei como pude embarcar. Durante o voo, peguei meu caderno de anotações e registrei as falas do Millôr. Eu não planejava fazer nada com aquilo, mas também não queria perder nenhum detalhe. Fui inaugurar a seção "Entrevistas", no Digestivo, anos depois, mas nunca quis usar as minhas anotações para reconstituir minha conversa com o Millôr. Continuei em contato com ele, mas, mesmo quando voltei ao Rio, fiquei sem graça de marcar, de novo, no estúdio. Sempre imaginei que homens importantes, como o Millôr, eram muito incomodados, e eu não queria ser chato. A revista do Digestivo não saiu naquele ano, mas, no ano seguinte, fizemos uma com a FGV/SP, e o Millôr fez, orgulhosamente, a capa. (Tenho até hoje guardado o desenho que ele nos mandou.)


* O Millôr era uma lenda viva da imprensa e da cultura do Brasil e não encontro ninguém à altura para substituí-lo. Além do Paulo Francis, conviveu com outro ídolo meu, o Nélson Rodrigues. Em Anjo Pornográfico, a biografia do Nélson, o Ruy Castro nos conta que o Millôr foi o único homem a ser admitido no clã dos Rodrigues. (Tanto que, por ser o único rapaz a frequentar a casa da família, teve as três irmãs do Nélson apaixonadas por ele...) O Daniel Piza ― que o Millôr chamou de "aquele moço amigo do Paulo Francis" ― uma vez me confessou que tinha passado um tempão em dúvida sobre quem admirava mais: o Francis ou o Millôr. "Por causa das frases", justificou...

Para ir além
Millôr no Digestivo


Julio Daio Borges
São Paulo, 30/3/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Nós que aqui estamos pela ópera esperamos de Renato Alessandro dos Santos
02. Cidade-sinestesia de Elisa Andrade Buzzo
03. A poesia concreto-multimídia de Paulo Aquarone de Marcelo Spalding
04. Estação Esperança de Elisa Andrade Buzzo
05. Essa São Paulo que ri, essa São Paulo que chora de Elisa Andrade Buzzo


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges
01. Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges - 29/1/1974
02. Freud e a mente humana - 21/11/2003
03. A internet e o amor virtual - 5/7/2002
04. Frida Kahlo e Diego Rivera nas telas - 25/4/2003
05. O Gmail (e o E-mail) - 3/3/2006


Mais Especial Millôr Fernandes
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




TRATAMENTO ESTATÍSTICO DE DADOS EM FÍSICA EXPERIMENTAL
OTAVIANO A. M. HELENE / VITO R. VANIN
EDGARD BLUCHER
(1981)
R$ 19,90



O ALTO DA COLINA
IRWIN SHAW
CIRCULO DO LIVRO
(1979)
R$ 5,00



O ENIGMA DO OITO
KATHERINE NEVILLE
ROCCO
(2011)
R$ 43,00



SONHOS: RESPOSTAS DESTA NOITE PARA AS DÚVIDAS DE AMANHÃ - 12ª ED.
MARK THURSTON
PENSAMENTO
(1997)
R$ 10,00



POR TRÁS DOS MUROS - HORIZONTES SOCIAIS DO GRAFFITI (ARTES PLÁSTICAS)
GRAZIELA BEDOIAN E KÁTIA MENEZES
PEIRÓPOLIS
(2008)
R$ 15,00



FUNDAMENTOS DA FE CRISTA
JAMES M. BOICE
CENTRAL GOSPEL
R$ 70,00
+ frete grátis



MACROECONOMIA VOL. 2
MARIO HENRIQUE SIMONSEN
APEC
(1978)
R$ 12,00



RELAÇÕES SOCIAIS E SERVIÇO SOCIAL NO BRASIL
MARILDA IAMAMOTO , RAUL DE CARVALHO
CORTEZ
(1990)
R$ 35,00



FORTIES FASHION: FROM SIREN SUITS TO THE NEW LOOK
JONATHAN WALFORD
THAMES & HUDSON
(2011)
R$ 72,60



MEMORIAL DO AMOR & VACINA DE SAPO
ZÉLIA GATTAI
COMPANHIA DAS LETRAS
(2013)
R$ 29,50
+ frete grátis





busca | avançada
31589 visitas/dia
1,1 milhão/mês