Meu encontro com o Millôr | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
21498 visitas/dia
708 mil/mês
Mais Recentes
>>> Mulheres detêm o poder do mundo em eletrizante romance de Naomi Alderman
>>> Comédia Homens no Divã faz curta temporada no Teatro Municipal Paulo Eiró
>>> Ballet Acadêmico da Bahia apresenta STAR DANCE no TCA, dia 07/06 às 20h
>>> Zé Eduardo faz apresentação no Teatro da Rotina, dia 30.05
>>> Revista busca artigos inspirados no trabalho de professores
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> Raio-X do imperialismo
>>> Cães, a fúria da pintura de Egas Francisco
>>> O Vendedor de Passados
>>> A confissão de Lúcio: as noites cariocas de Rangel
>>> Primavera para iniciantes
>>> Nobel, novo romance de Jacques Fux
>>> De Middangeard à Terra Média
>>> Dos sentidos secretos de cada coisa
>>> O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
>>> Psiu Poético em BH esta semana
Últimos Posts
>>> Lars Von Trier não foi feito para Cannes
>>> O brasileiro e a controvérsia
>>> Greve de caminhoneiros e estupidez econômica
>>> Publicando no Observatório de Alberto Dines
>>> Entre a esperança e a fé
>>> Tom Wolfe
>>> Terra e sonhos
>>> Que comece o espetáculo!
>>> A alforja de minha mãe
>>> Filosofia no colégio
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ao vivo do Roda Viva, pelo Twitter
>>> Os Eleitos, de Tom Wolfe
>>> O Bigode
>>> A dor do inexplicável
>>> Caiu na rede, virou social
>>> Davi, de Michelangelo: o corpo como Ideia
>>> Mas afinal, o que é podcasting?
>>> Contra um Mundo Melhor, de Luiz Felipe Pondé
>>> Nhô Guimarães
>>> Destaques da Mostra Internacional de Cinema
Mais Recentes
>>> Manual de direito penal brasileiro
>>> História das Literaturas- Teatro Vivo
>>> História das Literaturas-Noções ds Literaturas Volume 2
>>> Filoctetes
>>> Enquanto a noite não chega
>>> Contabilidade de custos facil
>>> Sociologia aplicada a administração
>>> História das Literaturas-Clareza e Mistério da Crítica
>>> O Negrinho do Pastoreio - Conto popular
>>> Machado de Assis- histórias mal contadas e outros assuntos
>>> Afrânio Coutinho - Romances Completos
>>> Novas Prioridades Para o Currículo
>>> Revista Brasileira de História Nº 48 - Produção e Divulgação
>>> Educação - Modernização ou Dependência?
>>> Vida e Educação
>>> Hard Times
>>> Aspectos da Formação Brasileira
>>> Ensino, Sua Técnica - Sua Arte - 3ª Edição
>>> Cotidiano e Diferentes Saberes
>>> Educação Para Uma Vida Criativa - 2ª Edição
>>> Oxigênio
>>> Bombardeiros da 2ª Guerra Volume 1
>>> A Guerra do Fim do Mundo - 2ª Edição
>>> No Wonder They Call Him The Savior
>>> Ophélia Speaks
>>> Gaudí
>>> Foto-Grafismo
>>> Arte Moderna no Salão Nacional 1940-1982
>>> The Assassin - The Explosive Badge of Honor Novel
>>> The Wonderful Wizard Of Oz - Penguin Popular Classics
>>> Tempo de Médico
>>> Um Guia Para os Remédios Florais do Dr. Bach
>>> The Rainmaker
>>> The Trailsman - Montana Fire Smoke Nº 130
>>> The Final Diagnosis
>>> A Queda da França Volume 3 - O Colapso da Terceira República
>>> A Queda da França Volume 2 - O Colapso da Terceira República
>>> A Queda da França Volume 1 - O Colapso da Terceira República
>>> O Romano
>>> Parati Entre Dois Pólos
>>> Cem Dias Entre Céu E Mar
>>> Parati Entre Dois Pólos
>>> Viagens internacionais - O Nomadismo da Conscienciologia
>>> Vagamundo
>>> Os Lusíadas
>>> História de Mayta
>>> Erros Médicos
>>> Aspectos do Antigo Egito
>>> Saúde Natural Para Mulheres Gravidas
>>> Um Liberal da República - Volume 1
COLUNAS >>> Especial Millôr Fernandes

Sexta-feira, 30/3/2012
Meu encontro com o Millôr
Julio Daio Borges

+ de 6400 Acessos


Ricardo Moraes/Folhapress

* Meu primeiro contato com a obra do Millôr foi através da Bíblia do Caos, sua coletânea de frases, de 1994. Lembro que a Veja encheu duas páginas só com aforismos dele, e comprar o livro se tornou uma inevitabilidade. Nunca li o Millôr Definitivo de cabo a rabo ― e acho que nem era esse o objetivo do autor ― mas guardei algumas frases para sempre. "Livre como um táxi" é a minha preferida. É um trocadiho que não sei se faz muito sentido para as novas gerações, mas é genial. Inúmeras vezes tentei imaginar algo melhor, mas não consegui. Pessoalmente, ele me disse que publicava aforismos, na imprensa, toda semana. "Às vezes, sai uma frase ótima", ponderou. Como tinha décadas de trabalho na imprensa: "Se você juntar a vida inteira, de repente tem uma obra". Era o típico humor dele. Apesar de seu inquestionável gênio, conseguia falar de seus feitos como se fossem algo natural. Como se fossem uma mera acumulação do trabalho de anos. Tanta gente pode escrever frases toda semana, mas, chegar a "livre como um táxi", só o Millôr.

* Aliás, o Daniel Piza deve ter ouvido esse conselho. Porque se dedicou a publicar frases na sua coluna Sinopse, desde que ela começou. Os tais "aforismos sem juízo". Lembro que, quando a Sinopse fez 1 ano, o Daniel publicou uma coluna inteira só com as frases das primeiras 52 semanas. Eu nunca gostei dos "aforismos" dele e, já naquela época, mandei um e-mail criticando algumas frases e tentando dissuadir o Daniel da empreitada. Não adiantou. Ele seguiu em frente. E, mais de uma década depois, publicou até em livro: Aforismos sem juízo (2008). Lembro, ainda, que alguém criou um "fake" dele no Twitter, e o Daniel me escreveu perguntando se eu sabia quem era (ameaçando processar o sujeito). Entrei e achei que os tweets fossem uma gozação dos tais "aforismos sem juízo". Eram os próprios.

* Voltando ao Millôr, o Daniel conta que, quando organizou Waaal ― O Dicionário da Corte de Paulo Francis (1996), este ficou meio decepcionado com a magreza do volume, afinal ― depois de décadas igualmente na imprensa ― esperava alguma coisa nas dimensões da Bíblia do Caos. Afirmava, para além da amizade de toda a vida, que o Millôr, se escrevesse em outro idioma mais conhecido, teria a estatura de um Voltaire. Quando o Francis morreu, o Millôr foi quem escreveu um dos melhores obituários, que li e reli: "Dá-lhe, sweet prince!". Está lá, no "saite" dele, o humor que não perdoava nem o amigo morto: Millôr diz em tom de blague que cansaram de fazer as contas e que era impossível o Paulo Francis ter lido tudo o que citava...

* Nos primórdios do Digestivo, cadastrávamos todos os e-mails de jornalistas que pudéssemos encontrar. E, num belo dia, apareceu o Fabio Danesi Rossi, um dos primeiros Colunistas, com o e-mail do Millôr (conseguido através de uma pessoa conhecida dele, que trabalhava em alguma redação). Cadastramos o Millôr e, naquele mesmo ano, aportou uma mensagem dele na nossa caixa postal: "Excelente, Digestivo", exclamava o mestre. Respondia ao meu "Digestivo" de número 29, em que eu falava de uma montagem de As Lágrimas Amargas de Petra von Kant (que, eu não sabia, fora traduzida pelo Millôr). E, para nosso espanto, o Guru do Méier seguiu se manifestando sobre as nossas newsletters... Lembro que respondeu a uma das "Peristálticas" (Notas dos Colunistas, precurssora do "Blog" do Digestivo), que continha um texto do Rafael Lima, sobre o caso "Pasquim versus Simonal". Foi um dos episódios mais controversos do jornal, mas o Millôr nos respondia serenamente, como se merecêssemos alguma consideração. O Digestivo tinha menos de um ano.

* A uma das newsletters de aniversário do site, aliás, ele me respondeu: "Daio, você chegou. Fica! Seu companheiro de jornada, por vias travessas, Millôr". Gostei tanto que, no meu primeiro cartão de visitas, imprimi a frase atrás. Para ler e reler. Lembro que, quando da primeira manifestação dele, eu ainda trabalhava no banco, e foi a primeira vez que me perguntei o que estava fazendo lá. Eu não conseguia montar uma equipe, porque o meu chefe não achava que era a hora, mas eu já coordendava uma dezena de Colunistas e nós tínhamos recebido um elogio do Millôr Fernandes! Ainda no banco, conheci o Rodolfo Felipe Neder, que administrava o site do Millôr, e ele, sugerindo uma parceria entre nós, colocou o logo do Digestivo, como se fosse um teaser, no Millôr Online (sem o hyperlink, só para me atiçar). Quando mostrei o feito a uma colega do banco ― a quem eu revelava meus planos mirabolantes ―, ela quase caiu de costas.

* Já fora do banco, conversei com o Rodolfo por telefone e marcamos um encontro. Acabamos nos tornando amigos. Ele me contava boas histórias do Millôr. Falava com ele quase todos os dias. Além do "saite", administrava todos os contratos do Guru do Méier. E ficava procurando oportunidades para o Millôr Online. Foi dele a iniciativa de levar o Digestivo para o UOL, mas fiquei tão desanimado com a primeira reunião que acabei desistindo. Uma empresa grande era tudo o que eu não queria ― tinha acabado de sair de uma ―, e ainda queriam me ensinar como tocar o site que eu havia criado do nada (e que havia chamado a atenção do Millôr)? Troquei a mailing list do Digestivo com o Rodolfo e, de repente, o nosso site ganhou o público do Millôr Online no UOL.


Millôr, pouco antes do nosso encontro, na Flip

* E foi graças ao Rodolfo que eu conheci o Millôr. Há quase dez anos, quando vivíamos o "pós-bolha", e eu pensei em transformar o Digestivo numa revista impressa (quem diria...). Convidei os principais Ensaístas do site e já contava com a anuência do Daniel Piza e do Diogo Mainardi, quando resolvi ir ao Rio, convidar mais "pesos pesados". Ao chegar no hotel, havia uma mensagem para mim, por escrito: "Sr. Millôr Fernandes ligou". Era tão surreal aquilo, que resolvi guardar o bilhete e ficou na minha mesa de trabalho durante anos. Mais tarde, no meio das ruas do Rio, me liga o Millôr no celular. Era tão inusitado quanto... Marquei, com ele, no seu estúdio, no final da tarde. Antes, eu iria passar no apartamento do Ruy Castro, para convidar este e o Sérgio Augusto para o meu projeto.


Ruy no Leblon, perto da sua casa

* Já havia conhecido o Sérgio na época do meu primeiro site, o "J.D. Borges". E já havia encontrado o S.A., pessoalmente, na noite de autógrafos dos Lado B (2001). O Ruy Castro, eu conheci na Bienal do Livro de 2002, a minha primeira através do Digestivo... Eu havia criticado o Ruy na época do "J.D. Borges", e ele ficou um tempão olhando o meu cartão de visitas, no meio do evento, provavelmente me achando o maior cara de pau da Bienal... Perguntei se a letra estava muito pequena, ao que o Ruy Castro respondeu sério: "Não; eu enxergo muito bem...!" Nesse segundo encontro em sua casa, porém, o Ruy estava mais solto e fazia piadas comigo o tempo todo: "Senta aí nessa cadeira, foi o último lugar em que o Paulo Francis sentou quando esteve aqui pela última vez..."


S.A. e a New Yorker

* A conversa foi tão boa que o tempo acabou passando e eu tive de sair correndo para pegar o Millôr ainda no estúdio. O Ruy ― através da Heloísa Seixas, que tinha escritório no mesmo prédio do Guru ― me alertava que o Millôr, naquele horário, já devia ter ido embora. Mas eu tinha marcado... Fui. E o Guru do Méier havia, realmente, ido embora. Fiquei arrasado. Tinha furado com o meu herói...! Naquela noite, o Ruy Castro até havia me convidado para ir encontrá-los numa noite de autógrafos do Armando Nogueira, para onde eles se dirigiam depois da nossa reunião. Mas eu fiquei tão triste de ter perdido a hora com o Millôr que não consegui sair do hotel de novo. No dia seguinte, ia tentar a sorte no estúdio, mais uma vez.


Millôr no estúdio

* Acabei conseguindo uma outra hora com o Millôr. E não marquei mais nada, para não correr o risco de me atrasar. Era o dia de pegar o avião de volta, e eu fiquei com a minha mochila no meio da praia de Copacabana, lendo sobre a morte do Roberto Marinho (tinha acabado de acontecer). Um especial longo, na revista Época, onde o repórter revelava um dado curioso, sobre o velório do Paulo Francis. Contava que o corpo estava para ser enterrado no cemitério São João Batista, quando o Roberto Marinho chegou e quis ficar sozinho com o Francis. Saiu de lá comentando: "Era um rapaz muito jovem..." O Francis havia chamado o Roberto Marinho de "cocô", no Pasquim. Mas o Roberto Marinho o contraria, anos depois, na TV Globo. (Segundo o Rodolfo, para descrença do Millôr ― que nunca acreditou que o Francis iria para a Globo...)


Mais uma, clássica, no estúdio

* O Millôr me recebeu, por fim, em seu estúdio. E não estava bravo comigo, para a minha total surpresa. Até fez café para mim, o que foi mais um dado surreal daquele encontro... Eu carregava um "boneco" do projeto de revista do Digestivo e ele quis olhar. O homem que havia passado por toda a história da imprensa brasileira no século XX, desde a revista Cruzeiro, me elogiou de novo: "Está muito bem diagramado". Estava sendo gentil, claro. Eu havia feito um simples curso de PageMaker e havia me inspirado, largamente, no projeto gráfico da New Yorker (o mesmo que inspirou a Piauí, tempos depois). Em seguida, o Millôr pôs seus óculos e começou a ler os textos, que eram dos Colunistas do Digestivo até então. Em mais um gesto de grandeza seu, comentou que nunca escreveria um trecho como "a clássica frase" (de um dos Colunistas mais populares do site). Preferia "a frase clássica" ― porque, simplesmente, não conseguia posicionar o adjetivo antes do substantivo. De repente, editando os nossos textos, o Millôr era um de nós.


Digestivo na GV-executivo

* Além de convidá-lo para o projeto de revista do Digestivo ― que ele desde o começo aceitou ―, eu queria tentar entrevistá-lo, mas ele, imediatamente, me desestimulou. Há quase dez anos, revelou que todo mundo queria fazer "a última entrevista" com Millôr Fernandes. Mas rebatia que havia escrito o roteiro da própria vida, e que não morreria no final. "No máximo, desapareço na linha do horizonte!" Subitamente, desisti de perguntar qualquer coisa e deixei só ele falar. Eu me sentia como numa das "aulas espetáculo" do Ariano Suassuna, mas era a única pessoa na plateia. Comigo pensava: "Quanto vale o tempo deste homem?"


A GV-executivo com o Digestivo

* Perdi a noção do tempo, aliás, e não sei quantas horas fiquei no estúdio. Só sei que quase perdi o avião também. O taxista teve de seguir "voando". Entrei correndo no aeroporto. E até hoje não sei como pude embarcar. Durante o voo, peguei meu caderno de anotações e registrei as falas do Millôr. Eu não planejava fazer nada com aquilo, mas também não queria perder nenhum detalhe. Fui inaugurar a seção "Entrevistas", no Digestivo, anos depois, mas nunca quis usar as minhas anotações para reconstituir minha conversa com o Millôr. Continuei em contato com ele, mas, mesmo quando voltei ao Rio, fiquei sem graça de marcar, de novo, no estúdio. Sempre imaginei que homens importantes, como o Millôr, eram muito incomodados, e eu não queria ser chato. A revista do Digestivo não saiu naquele ano, mas, no ano seguinte, fizemos uma com a FGV/SP, e o Millôr fez, orgulhosamente, a capa. (Tenho até hoje guardado o desenho que ele nos mandou.)


* O Millôr era uma lenda viva da imprensa e da cultura do Brasil e não encontro ninguém à altura para substituí-lo. Além do Paulo Francis, conviveu com outro ídolo meu, o Nélson Rodrigues. Em Anjo Pornográfico, a biografia do Nélson, o Ruy Castro nos conta que o Millôr foi o único homem a ser admitido no clã dos Rodrigues. (Tanto que, por ser o único rapaz a frequentar a casa da família, teve as três irmãs do Nélson apaixonadas por ele...) O Daniel Piza ― que o Millôr chamou de "aquele moço amigo do Paulo Francis" ― uma vez me confessou que tinha passado um tempão em dúvida sobre quem admirava mais: o Francis ou o Millôr. "Por causa das frases", justificou...

Para ir além
Millôr no Digestivo


Julio Daio Borges
São Paulo, 30/3/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Corot em exposição de Jardel Dias Cavalcanti
02. Como se me fumasse: Mirisola e a literatura do mal de Jardel Dias Cavalcanti
03. Paul Ricoeur e a leitura de Celso A. Uequed Pitol
04. A vida dos pardais e outros esquisitos pássaros de Elisa Andrade Buzzo
05. Os Doze Trabalhos de Mónika. 12. Rumo ao Planalto de Heloisa Pait


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges
01. Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges - 29/1/1974
02. Freud e a mente humana - 21/11/2003
03. A internet e o amor virtual - 5/7/2002
04. Frida Kahlo e Diego Rivera nas telas - 25/4/2003
05. O Gmail (e o E-mail) - 3/3/2006


Mais Especial Millôr Fernandes
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




TODO RISCO, O OFÍCIO DA PAIXÃO
DAMÁRIO DACRUZ
LIVRO COM
(2012)
R$ 25,00



DIÁRIO DE UM ZUMBI DO MINECRAFT 3 - FÉRIAS DO TERROR
HOROBRINE BOOKS
SEXTANTE
(2015)
R$ 28,00
+ frete grátis



MODERNAS TÉCNICAS EMPRESARIAIS VOL. 6 TÉCNICAS DE LIDERANÇA
OSWALDO DORIA
GRAFIPAR
(1970)
R$ 8,26



O RABI DE BACHERACH
HEINRICH HEINE
HUCITEC
(1992)
R$ 10,00



MEGUILAT ESTER
BEGUM SCHMUL OSHER
LUBAVITCH
(2010)
R$ 25,00



CARTA VIVA SEM LENHA O FOGO SE APAGARÁ Nº 62
R. R. SOARES
IGREJA INTERNACIONAL DA GRAÇA DE DEUS
(2001)
R$ 3,00



COLEÇÃO OS PENSADORES: NIETZSCHE
NIETZSCHE
ABRIL CULTURAL
(1983)
R$ 20,00



TIEMPO CON SHAKESPEARE - MARIO RODRÍGUEZ ALEMÁN (EM ESPANHOL)
MARIO RODRÍGUEZ ALEMÁN
EDITORIAL LETRAS CUBANAS - CUBA
(1982)
R$ 25,00



MOISÉS
IVAN FRANKÓ
CIA BRASILEIRA ARTES GRAFICAS
(1981)
R$ 8,99



OS ENIGMAS DA SOBREVIVÊNCIA
JACQUES ALEXANDER
EDIÇÕES 70
(1977)
R$ 26,00





busca | avançada
21498 visitas/dia
708 mil/mês