Blog é coisa séria. Já a Veja... | Rafael Lima | Digestivo Cultural

busca | avançada
77507 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Premiado espetáculo ‘Flores Astrais’ pela primeira vez em Petrópolis no Teatro Imperial para homenag
>>> VerDe Perto, o Musical Ecológico tem sessões grátis em Santo Antônio do Pinhal e em São Paulo
>>> Projeto Sinos volta a Teresópolis para oferecer aulas gratuitas
>>> Filó Machado encerra circulação do concerto 60 Anos de Música com apresentação no MIS
>>> Mundo Suassuna, no Sesc Bom Retiro, apresenta o universo da cultura popular na obra do autor paraiba
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Marcelo Mirisola e o açougue virtual do Tinder
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
Colunistas
Últimos Posts
>>> A melhor análise da Nucoin (2024)
>>> Dario Amodei da Anthropic no In Good Company
>>> A história do PyTorch
>>> Leif Ove Andsnes na casa de Mozart em Viena
>>> O passado e o futuro da inteligência artificial
>>> Marcio Appel no Stock Pickers (2024)
>>> Jensen Huang aos formandos do Caltech
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
Últimos Posts
>>> Cortando despesas
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Fórum das Letras 2007
>>> Um conto-resenha anacrônico
>>> Andaime, de Sérgio Roveri
>>> Um lugar para o tempo
>>> A nova queda da Bastilha
>>> Ainda quer prestar jornalismo?
>>> Bendito Nelson Rodrigues
>>> Tell me all about it
>>> Os enciclopedistas franceses rolam nos túmulos
>>> Prólogo, com um Prólogo dos Prólogos, de Jorge Luis Borges
Mais Recentes
>>> Pop Art de Timan Osterwold pela Taschen (1994)
>>> La Gestion Del Proyecto En Arquitectura de Edward D. Mills pela Gg (1985)
>>> Dalton Paula: O Sequestrador De Almas de Dalton Paula pela Obogo (2022)
>>> Gravura de Itajahy Martins pela Fundaçao Nestlé de Cultura (1987)
>>> Livro Ilustrado De Lingua Brasileira De Sinais de Márcia Honora pela Ciranda Cultural (2009)
>>> O Cronista da América de Francis Ford Coppola pela Minesterio da Cultura (2015)
>>> Heróis de Areia de Noelly Russo pela Fabbrica (2022)
>>> National Parks Of Latin America de Luciana Napchan pela Ministério Da Cultura (2005)
>>> Vontade Construtiva Na Coleco Fadel de Paulo Harkenhoff pela Mam (2014)
>>> Tatuagens Urbanas E O Imaginario Carioca de Eduardo Paes pela Nau Das Letras (2015)
>>> Apoema Português - 7 Ano de Lucia Teixeira pela Do Brasil (2018)
>>> Teláris - Arte - 6º Ano de Eliana Pougy pela Ática (2019)
>>> Araribá Plus - História - 8º Ano de Maria Raquel Apolinário pela Moderna (2018)
>>> Teláris - Matemática - 6º Ano de Luiz Roberto Dante pela Ática (2019)
>>> Conexões Com A Física 2º Ano de Blaidi Sant´anna pela Moderna (2010)
>>> Alice Brill de Reinhard Andress, Alice Brill, Carla Ogawa pela Fundacao Armando Alvares Penteado (2007)
>>> Um Guia Do Conhecimento Em Gerenciamento De Projetos (guia Pmbok) de Project Management Institute pela Global Standard (2008)
>>> Gmat Official Guide 2019 de Gmac pela Wiley (2018)
>>> Abz Do Ziraldo de Ziraldo Alves Pinto pela Melhoramentos (2003)
>>> La Casa D´epoca de Quaderni Di Restauro pela DeAgostini (1996)
>>> Descobrindo A Historia Da Arte de Graça Proença pela Ática (2005)
>>> The Economics Book de Dk pela Dk Publishing (2012)
>>> Arturo Di Stefano de Jonh Berger pela Merrel (2001)
>>> Parques São paulo de Cassiano José Pimentel pela Prosperidade (2013)
>>> SãopauloSeculoXXI de Fausto Chermont pela Terra Virgem (2011)
COLUNAS >>> Especial Blogs

Quinta-feira, 16/6/2005
Blog é coisa séria. Já a Veja...
Rafael Lima
+ de 6500 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Atrasado mais de uma semana, não vou perder a chance de comentar a reportagem - com direito a chamada na capa, pois não - da Veja sobre blogues. Há dois erros de ponto de vista fundamentais na abordagem adotada. Primeiro, acreditar que os blogues ganharam relevância apenas ao encarnarem o papel de "arma dos dissidentes políticos" e fonte de informação "estratégica" para as empresas. Segundo, por ter se valido apenas de exemplos estadunidenses no levantamento dos fatos; os únicos brasileiros citados foram o Alexandre Soares Silva, além de dois colunistas políticos de um jornal carioca, péssimos exemplos aliás, porque sua relevância jornalística não foi nem depreciada, nem melhorada por causa dos blogues - e desses três, apenas o endereço do primeiro foi dado.

O primeiro erro é conseqüência daquela miopia que só vê valor no que consegue medir: quando blogueiros começaram a cobrir a reeleição de Bush ("apoiaram candidaturas, trouxeram à luz notícias quentes"), interferindo, talvez, na opinião pública, ficou fácil perceber onde essa ferramentinha poderia influir no mundo dos negócios - só que isso acontecia desde antes, desde que as correntes de diálogo se estabeleceram entre os escritores de blogues, comentando qualidades de serviços e produtos, de maneira quase imperceptível, mas clara o suficiente para que Hernani Dimantas ficasse insistindo com aquele papo de "escovar os mercados".

O segundo erro é crasso quando se descobre que a blogosfera brasileira já tem história e relevo o suficiente para gerar uma reportagem própria: por que não falar da denúncia de plágio a Afonso Arinos no discurso de renúncia de ACM, denunciada pelo Catarro Verde; pelos processos movidos contra o Cocadaboa (pela Coca-Cola) e Amarula com Sucrilhos (pelo licor de marula); da chegada dos Wunderblogs ao livro, pela Barracuda, ao invés de ficar tagarelando que "profissionais como o americano Steve Rubel monitoram a internet para saber o que os blogueiros estão dizendo sobre seus clientes" ou que "a General Motors mantém páginas do gênero para estreitar o relacionamento com os clientes", como se os exemplos estrangeiros fossem mais maduros do que os brasileiros? Por que não focar a experiência brasileira, que fez uma brilhante transposição do Blogger, lembrando que o Blogger Brasil quando foi lançado era, na verdade, um upgrade do Blogger, ou notar que existe um sistema nacional que mede a popularidade das informações em blogs, o Toplinks, a exemplo dos citados Technorati e o Memeorandum, e do esquecido Blogdex? Por que não entrevistar gente que conhece o meio há mais tempo e por dentro, como o próprio Hernani, o Hiro ou o Bernardo? Mas como se sabe, o Brasil fica muito, muito longe.

A reportagem em si nem é mal escrita nem mal estruturada, mas escorrega fatalmente aqui e ali - a primeira vez é logo na abertura, ao usar o aposto "diários da internet" atrelado a blogues. Tendo uma chance de explicar de maneira mais inteligente o que é a ferramenta - por que até agora ninguém fez analogia com a seção Tempo Real ou Último Segundo dos jornais on-line? - escolhe por recair no famigerado lugar comum dos diários, uma comparação tão limitada quando a que vê na tela do monitor uma versão virtual da mesa de trabalho (desktop). Que eu saiba, estuda-se McLuhan na faculdade de jornalismo exatamente para entender a diferença entre os meios de comunicação, e não para achar que a internet é uma versão turbinada de jornais, rádios e televisões. Não é, por causa dos hyperlinks e da interatividade; o mais espantoso é que esses dois são citados no texto, mas sua importância não parece ter sido notada. E além de escorregar, entrega-se a platitudes que não chegam a lugar nenhum, como "desde que surgiu, a internet foi saudada como a ferramenta ideal para que qualquer um pudesse divulgar suas idéias", "'Blog é, antes de tudo, atitude' [sic], resume o executivo Marcello Póvoa" ou a simplificações incorretas, como atribuir a invenção dos blogues a Evan Williams e Jason Shellen, que apenas criaram uma ferramenta de atualização instantânea de páginas na internet absurdamente popular, o Blogger, mas não inventaram o conceito de forma alguma. É como dizer que Sílvio Santos inventou a televisão no Brasil - ou assumir que "cada texto postado num blogue vem acompanhado de uma janela para que os leitores façam comentários", esquecendo que muitos dos melhores blogues em atividade não tinham ou não têm janela de comentários. Mesmo a afirmação de que um traço comum "entre os blogueiros que se destacam é a ânsia em falar e ser ouvido" é questionável, tem muita gente que se contenta em falar sozinho na maioria do tempo, ou para meia dúzia de amigos próximos.

Mesmo que vez por outra o jornalista consiga dar uma bola dentro, como na distinção entre linkers e thinkers (ainda que esqueça de dizer que não, não são complementares), o tom geral é de último-a-saber-das-coisas, que só presta atenção quando elas invadem o mundo corporativo, normalmente já assimiladas, típico da Veja - que falta faz a crítica semanal no Mario AV nessas horas. Ao menos, o autor reconhece uma área onde os blogues estão fazendo a diferença: fiscalização da imprensa. A reportagem da Veja está aqui.

O mito da genialidade brasileira
Arnaldo Branco foi o primeiro a gritar: Pede pro cara explicar Cartola.

Depois veio: "A genialidade não é uma questão de educação, mas certamente passa pela influência do meio, do ambiente em que o sujeito vive e do grupo com o qual se relaciona."

A Scientific American está nas bancas com uma coleção chamada Gênios da Ciência, o número atual é o de Richard Feynman. Eu quero saber qual meio, qual ambiente, qual grupo relacional cria um Feynman. Não tem. Ou bem se atribui à genética, à probabilidade, ou esquece: não vai se criar um Feynman assim.

Só que isso não é argumento para esquecer a educação, o meio. A discussão original não era sobre genialidade, era tão somente sobre talento criativo, excelência; sobre a importância de um meio que disponha os recursos corretos tem na geração de talentos. E quando eu falo em geração, é geração em massa. Isso se pode garantir.

Mas aqui no Brasil, gênio é só Cartola, Noel Rosa, sobreviventes, artistas, intuitivos, nunca é um cara que estudou, pesquisou e trabalhou. Ninguém lembra de um César Lattes quando se fala em gênio. E as autoridades, seguindo essa linha intelectual - propositalmente ou não - nunca investem em fornecer os meios mínimos de sobrevivência, sempre apostam na geração espontânea e improvável de Ronaldinhos.

O resultado é conhecido: não aparece um Cartola por geração e ainda se criam centenas de meliantes no processo. Moral da história: vamos parar de esperar os Cartolas aparecerem - porque "gênio não se explica" - e tentar criar 3 Paulinhos da Viola por geração, o que é possível, e é muito melhor do que cem meliantes.

Ah, o Arnaldo. Não precisa bronquear, que eu dialoguei com ele e chegamos aos termos acima expostos.

Nota do Editor
Rafael Lima assina o blog Na Cara do Gol, onde estes textos foram originalmente publicados (reproduzidos aqui com sua autorização).


Rafael Lima
Rio de Janeiro, 16/6/2005

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Livro fora e dentro do papel de Jardel Dias Cavalcanti
02. Valsa para Bruno Stein de Rafael Rodrigues
03. Alguém para correr comigo, de David Grossman de Julio Daio Borges
04. Eu, eu mesmo e idem de Bruno Garschagen


Mais Rafael Lima
Mais Acessadas de Rafael Lima
01. Charge, Cartum e Caricatura - 23/10/2001
02. O Tigrão vai te ensinar - 12/3/2001
03. A diferença entre baixa cultura e alta cultura - 24/7/2001
04. Sobre o ato de fumar - 7/5/2001
05. Um álbum que eu queria ter feito - 6/11/2001


Mais Especial Blogs
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
16/6/2005
16h48min
Eles adoram escrever sobre aquilo que não sabem como se soubessem de tudo. Isso é o que mais me irrita em alguns jornalistas, essa empáfia.
[Leia outros Comentários de Atena]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




As Irmãs Sloane
Anna Carey
Galera Record
(2011)



Gala
Dominique Bona
Record
(1996)



A Boa Vida 313
Álex Rovira
Sextante
(2013)



Comédias e Tragédias Da Vida Privada De Uma Criança
Silvana De Menezes
Compor
(2019)



Pêcher d`Islande
Pierre Loti
folio classique
(1988)



Livro Filosofia Platão, Rousseau e o Estado Total Biblioteca Básica de Ciências Sociais Volume 9
Gilda Naecia Maciel de Barros
T. A. Queiroz
(1995)



Vida de Droga Série Sinal Aberto
Walcyr Carrasco
Ática
(2007)



Damreme' Uwaimramidzé - Estudos Sistemáticos e Comparativos de Gramática Xavante
Georg Lachnitt
Ucdb
(1999)



O Cristo Recrucificado
Nikos Kazantzakis
Abril Cultural
(1971)



Coleção Folha Fotos Antigas do Brasil - 16 Volumes
Folha de São Paulo
Folha de São Paulo
(2012)





busca | avançada
77507 visitas/dia
2,1 milhões/mês