Demorou | Eduardo Carvalho | Digestivo Cultural

busca | avançada
62566 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Diálogos na Web FAAP: Na pauta, festivais de cinema e crítica cinematográfica
>>> Pauta: E-books de Suspense Grátis na Pandemia!
>>> Hugo França integra a mostra norte-americana “At The Noyes House”
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
>>> Videoaulas On Demand abordam as relações do Homem com a natureza e a imagem
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> Caí na besteira de ler Nietzsche
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Santa Xuxa contra a hipocrisia atual
>>> Há vida inteligente fora da internet?
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Nos porões da ditadura
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> É Julio mesmo, sem acento
Mais Recentes
>>> A Cabana de William P. Young pela Arqueiro (2012)
>>> O Circo - A pitoresca turnê do Circo Garcia, através à África países asiáticos de Antolim Garcia pela Dag (1976)
>>> A Luz Que Vem de Dentro de Victoria Moran pela Rocco (2004)
>>> Como Prever e Dominar o Seu Futuro de Harold Sherman pela Record (1970)
>>> A Invenção do Futuro de Jorge Flores, Miguel Reale Júnior e Tércio Sampaio Ferraz Júnior (Org.) pela Manole (2006)
>>> A Doença Como Caminho de Thorwald Dethlefsen & Rüdiger Dahlke pela Cultrix (2015)
>>> Morte na praia de Agatha Christie pela Nova fronteira (2012)
>>> Autobiografia de um Iogue de Paramahansa Yogananda pela Self-Realization Fellowship (2013)
>>> Um Cidadão do Mundo Que Ama a Paz de Reverendo Sun Myung Moon pela Il Rung (2011)
>>> É Simples Você pode Recriar Sua Vida de Rosalia Schwark pela Edita (2008)
>>> Feliz Por Nada de Martha Medeiros pela L&PM (2011)
>>> Conversas com gestores de ações brasileiros - A fórmula dos grandes investidores para ganhar dinheiro em bolsa de Luciana Seabra/Prefácio de Felipe Miranda pela Portfólio/Penguin (2018)
>>> Seja Dono do Seu Nariz de Cheryl Richardson pela Sextante (2007)
>>> Sem Medo da Segunda-Feira de David Cottrell pela Negócios (2009)
>>> O Poder da Paciência de M. J. Ryan pela Sextante (2009)
>>> Uma Vida Com Propósitos de Rick Warren pela Vida (2010)
>>> Poirot perde uma cliente de Agatha Christie pela Nova Fronteira (1976)
>>> Paris Babilônia. A capital francesa nos tempos da Comuna de Rupert Christiansen pela Record (1998)
>>> O Poder da Energia de Brendon Burchard pela Novo Conceito (2013)
>>> Antes do dilúvio. Um retrato da Berlim nos anos 20 de Otto Friedrich pela Record (1997)
>>> Tratado da propriedade Intelectual - Tomo III de Denis Borges Barbosa pela Lumen Juris (2014)
>>> Mojo The Collector Series de Bob Dylan 1974-2020 pela Mojo (2020)
>>> Sigmund Freud & O Gabinete do Dr. Lacan de Peter Gay & Philip Rieff & Richard Wollheim et alii pela Brasiliense (1989)
>>> Vogue Magazine (UK) August 2020 de Judi Dench pela Condé Nast (2020)
>>> Combo Livros As Teias De Sírius - Volumes 1 E 2 de Carla Furlan Ferraz pela Independente (2016)
>>> Vogue Magazine (UK) July 2020 de The New FrontLine pela Condé Nast (2020)
>>> Os Doze Mandamentos de Sidney Sheldon pela Record (2011)
>>> Q Magazine December 2018 de The 1975 pela Emap (2018)
>>> O Professor do Desejo de Philip Roth pela Companhia das Letras (2013)
>>> 50 Contos de Machado de Assis pela Companhia das Letras (2007)
>>> Ego Transformado de Timothy Keller pela Vida Nova (2020)
>>> Quando Fui Outro de Fernando Pessoa pela Alfaguara (2006)
>>> A Sombra Da Nova Era de Alan Bleakley pela Siciliano (1989)
>>> A Era dos Extrems de Eric Hobsbawn pela Companhia das Letras (1995)
>>> O Ponto de Mutação. de Fritjof Capra pela Cultrix (1996)
>>> Um Cavalheiro em Moscou de Amor Towles pela Intrinseca (2018)
>>> Morte no Rio Nilo. de Ágatha Christie pela Nova Fronteira (2015)
>>> Minhas Histórias dos Outros. de Zuenir Ventura pela Planeta Do Brasil (2005)
>>> Estranho Irresistível. de Christina Lauren pela Universo dos Livros (2013)
>>> Sobre Lutas e Lágrimas de Mário Magalhães pela Companhia das Letras (2019)
>>> Educar Sem Culpa. A Gênese da Ética. de Tania Zagury pela Record (1999)
>>> Anjos Cabalísticos. de Monica Buonfiglio pela Oficina Cultural Monica Buonfiglio (1993)
>>> La Métaphysique - Aristote - Tome I e II de J. Tricot pela Librairie (1953)
>>> Anatomia do treinamento de força: Guia ilustrado de exercícios com o peso corporal para força, potência e definição - 5D de Bret Contreras pela Manole (2016)
>>> O espirito santo quer ir embora ... e agora ? de Eliézer Corrêa de Souza pela Moriá (2002)
>>> Eu / OutraPoesia de Augusto dos Anjos pela Círculo do Livro (1975)
>>> Mobilização e alongamento na função musculoarticular - 5D de Abdallah Achour Júnior pela Manole (2016)
>>> Temas de Direito Civil Tomo II de Gustavo Tepedino pela Renovar (2006)
>>> Programe-se para a ressurreição de Pe. Nadir José Brun pela Ave-Maria (2002)
>>> O Homem de Giz - 5D de Alexandre Raposo pela Intrínseca (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 12/8/2002
Demorou
Eduardo Carvalho

+ de 4600 Acessos
+ 11 Comentário(s)

Paulo Coelho disfarçado de Homem Aranha hippie

Dizem que, agora, com a eleição de Paulo Coelho para a Academia Brasileira de Letras, a história da ABL será dividida, por conveniência didática, em duas fases: APC e DPC. Quer dizer: a primeira, desde sua fundação, em 1896, até meados do ano corrente, 2002, denominada Antes de Paulo Coelho; e a segunda, que, depois do ingresso de Paulo Coelho, representa a decadência da Literatura Brasileira, intitulada, obviamente, Depois de Paulo Coelho.

A mim, no entanto, parece perfeitamente natural que a Academia Brasileira de Letras, sem se preocupar em preservar a suposta seriedade da Instituição, tenha aceitado Paulo Coelho como seu membro. Porque não há nada mais a preservar - já estão lá, entre outros, José Sarney, Roberto Marinho, Zélia Gattai e Ivo Pitanguy. A qualidade da obra de Paulo Coelho não é, de forma alguma, inferior à de muita gente que já freqüenta a Casa.

Sua conduta profissional também não é, sob nenhum aspecto, condenável. Seu método consiste em simplificar histórias consagradas, que oferecem ao leitor - normalmente inculto e ingênuo - exatamente o conforto psicológico que ele precisa. Paulo Coelho não é desonesto com seus leitores nem é nocivo à Literatura. Ao contrário: ele não propõe nenhuma teoria definitiva, literária ou filosófica; e, de quebra, as vendas dos seus livros movimentam o mercado editorial e permitem, indiretamente, a publicação de autores menos vendidos.

É preciso, porém, esclarecer: não é Paulo Coelho o principal responsável pelo seu próprio sucesso: são as 40 milhões de pessoas que, em 120 países do mundo, compraram os seus livros. Em uma livraria média há, pelo menos, uns 10 mil títulos disponíveis. Mesmo na pior delas, e mesmo que seja na pior das edições, é possível encontrar clássicos indispensáveis, que não são, muitas vezes, nem difíceis nem chatos. Se alguém, sem sofrer qualquer espécie de pressão, decide gastar R$ 25,00 em O Alquimista ou em Nas margens do rio Piedra eu sentei e chorei, então essa pessoa também merece, por tabela, todos os adjetivos depreciativos que são dedicados ao escritor.

Mas onde estão essas pessoas? Eu, pelo menos, ouço pouquíssima gente confessar que admira Paulo Coelho. Elas sumiram, de repente, assustadas com a constante avacalhação, em cadernos literários pretensiosamente sérios, de seu guru. Assumir que gosta de Paulo Coelho pega mal, inclusive entre pessoas que se sentem protegidas por tijolos ocos importados, de Danielle Steel a John Grisham. Pelos ambientes menos educados que freqüento, escuto gente que, sem sequer ter lido um livro de Machado de Assis, insiste em que é um absurdo que Paulo Coelho pertença à mesma instituição que Machado fundou. Um absurdo é, na verdade, a arrogância de quem - sem sequer saber o que é literatura superior à de Paulo Coelho - condena a sua obra.

Escritores medíocres sempre existiram, e muitos deles fizeram sucesso. Com o tempo, aparecem e desaparecem, mas, à medida que analfabetos aprendem a ler, a tendência é que surjam ainda mais. Esse é um fenômeno irreversível e inofensivo. Com o qual, aliás, os leitores de verdade estão completamente despreocupados - enquanto os de mentirinha, que posavam de inteligentes com Veronika decide morrer em punho, fingem estar assustados. Os maiores detratores de Paulo Coelho hoje são, na verdade, do mesmo nível dos seus mais fiéis leitores - se é que não são, como parece, os mesmos 40 milhões que compraram os seus livros.

Pode ser que exista - e, de fato, existe - escritores que mereçam, mais do que Paulo Coelho, reconhecimento oficial pela sua obra, como Ferreira Gullar ou Bruno Tolentino, mas é uma babaquice enorme cobrar isso de uma Academia que prefere homenagear cirurgião plástico, político incompetente, e até quem jamais, como Roberto Marinho, escreveu um único livro. Se, em sua intenção original, a ABL pretendia também aceitar membros que, apesar de não serem própria ou profissionalmente escritores, representassem com eminência a cultura nacional em outras áreas, então Pelé mereceria, sem dúvida, comer os bolinhos de Nélida Piñon. Reclamar dos eleitos para a ABL é tão infantil quanto achar injusta premiações como o Oscar ou o Nobel, sem considerar as intenções e orientações dos jurados - só fica indignado quem achava que, na era APC, a Academia preferia os melhores escritores. Ou seja: quem não entende absolutamente nada de literatura.

A Academia Brasileira de Letras não é a Seleção Brasileira de Futebol. Seus integrantes não são, nunca foram e não precisam ser os melhores escritores brasileiros vivos. E nem todos os brasileiros vivos precisam opinar, com irresponsável autoridade, sobre os seus integrantes. Paulo Coelho fez tudo direitinho: beijou as mãos - e, em alguns casos, dizem, até algo mais - das pessoas certas. Escreveu uma dezena de coisas que, tecnicamente, podem ser com facilidade consideradas livros. Seu ingresso para a Academia, portanto, se é injusto por algum motivo, não o é pelo fato de ele ter sido aceito, senão pelo momento em que foi. Demorou.


Eduardo Carvalho
São Paulo, 12/8/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Ourivesaria fantasista: Saramago nas alturas de Renato Alessandro dos Santos
02. George Orwell e o alerta contra o totalitarismo de Gian Danton
03. Shakespeare e as séries na TV de Eugenia Zerbini
04. Ninfomaníaca: um ensaio sob forma de cinema de Wellington Machado
05. Clube de leitura da Livraria Zaccara: um ano! de Eugenia Zerbini


Mais Eduardo Carvalho
Mais Acessadas de Eduardo Carvalho em 2002
01. Com a calcinha aparecendo - 6/5/2002
02. Festa na floresta - 9/9/2002
03. Hoje a festa é nossa - 23/9/2002
04. Todas as paixões desperdiçadas - 23/12/2002
05. O do contra - 11/3/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
12/8/2002
15h28min
Eduardo, Esse foi o texto mais lúcido que li sobre a entrada de Paulo Coelho na Academia de Letras. Definitivamente não sou fã desse escritor, mas concordo plenamente que cada leitor e cada academia têm o imortal que merecem. Bem-vinda a nova luz que seu texto traz. Abraço, Vanessa
[Leia outros Comentários de Vanessa Rosa]
12/8/2002
20h20min
Caro Eduardo, Os intelectuais de plantão podenm reclamar, mas o Mago preferido das multidões tem maiores méritos do que a Zélia Gattai em ocupar um lugar na ABL. Seu texto está corente com ótimos argumentos. Quem sabe é não seja o primeiro passo para sua cadeira para ABL. Se houver um contra tempo é só pedir para o Paulo Coelho fazer uma mágica ao seu favor. Parabéns por mais texto inteligênte e interessante. Abraços Otávio
[Leia outros Comentários de Otavio]
12/8/2002
20h44min
Muito obrigado, Vanessa, pelo elogio e pela leitura de sempre. É sempre bom manter um diálogo com gente assim, que, apesar de discordar em detalhes - como aconteceu no caso de "O do contra" -, é simpática e educada. E valeu pelo seu comentário também, Otávio. Não é todo mundo que concorda com a gente - curioso, até, que os que discordam ainda não se manifestaram. Só estou esperando...
Beijos e abraços,
Eduardo
[Leia outros Comentários de Eduardo Carvalho]
13/8/2002
4.
13h41min
Caro Eduardo, felicito-lhe pela clareza de ideias e mais, ofereço-lhe meu incondicional apoio num eventual imbroglio que com certeza ha de surgir! P.S. desculpe a ausencia de acentos.
[Leia outros Comentários de Aguinaldo Silva]
13/8/2002
23h16min
Eduardo, curiosamente um dos autores a quem, como observaste, falta reconhecimento oficial, o Bruno Tolentino, elogiou "Veronika decide morrer". Não li o livro, não gostei do pouco que li do Paulo Coelho e acho a prosa desse poeta muito confusa, por isso não fiz caso de enfrentar a crítica; mas lembro que saiu na Bravo! ou na República. Outra coisa: nem sei se lhe falta reconhecimento "oficial", já que Tolentino ganhou vários prêmios. Talvez falte mesmo o reconhecimento do reconhecimento. Um abraço!
[Leia outros Comentários de Guilherme Q.]
14/8/2002
09h03min
Perdão, lendo a cópia que recebi do meu comentário vejo que dei a entender que tu, Eduardo, é que não reconheces o reconhecimento que já se deu a Tolentino. Mas não é isso. Eu queria dizer que não tem ele muito destaque em livrarias ou na imprensa, apesar dos prêmios.
[Leia outros Comentários de Guilherme Quandt]
14/8/2002
11h34min
No caso do Tolentino, Guilherme, o problema é que ele não é reconhecido no Brasil como é na Inglaterra ou na França. Ele foi responsável pelo departamento de Literatura na Universidade de Oxford e, dizem, escreveu das melhores poesias em francês deste século. É ignorado na academia brasileira porque ele a despreza, mas nenhum dos seus desafetos - de Caetano a Chauí - chega perto de sua erudição. Por acaso, eu assisti a algumas aulas com ele. Sua admiração por um livro de Paulo Coelho me parece mais vocação pela polêmica, ou simples respeito por um autor honesto, o que muitos dos seus detratores - tanto de Coelho como de Tolentino - não são. Abraços,
Eduardo
[Leia outros Comentários de Eduardo]
15/8/2002
15h55min
Paulo Coelho é um autor comparável à Agatha Christie, no meu entender. Não é literatura mas é popular, e não faz mal a ninguém ler os livros desses autores. Em seu texto o Eduardo esqueceu de citar o general Lyra Tavares, eleito imortal pela mesma Academia Brasileira de Letras que agora abre seu flanco ao popular. Aliás, depois de Paulo Coelho esperamos que a ABL escolha agora como imortal Raimundo Santa Helena, que faz belas poesias de cordel e é conhecidíssimo aqui no Rio de Janeiro.
[Leia outros Comentários de Sandra Chaves]
15/8/2002
19h33min
Ótimo artigo. Mais uma vez, parabéns pela clareza, coragem e objetividade das idéias. Abraços do seu, desde já, fã.
[Leia outros Comentários de Felipe Tavares]
15/8/2002
21h19min
Tanto Paulo Coelho quanto Agatha Christie vendem muitos livros, Sandra, mas eu acho que os motivos são completamente diferentes. O leitor de Paulo Coelho é normalmente mal orientado. Ele escreve mal, de fato, e a profundidade de sua meditação é a mesma de um pires. Agatha Christie, no entando, produziu uma literatura policial de excelente qualidade e, nesse estilo, é um clássico. Eu, pelo menos, considero ambos como literatura.
A você, Felipe, meu muito obrigado, sempre. Beijos e abraços,
Eduardo
[Leia outros Comentários de Eduardo]
6/9/2002
16h19min
Mensagem, ainda que tardia... Na verdade, li seu texto na Gazeta Vargas e, refletindo sobre ele, notei que muitas coisas que lemos são completamente inócuas, inofensivas, para não dizer inúteis. Mas servem de referência para sabermos o que é bom, o que é ruim, não acha? Li apenas um livro do Paul Rabbit, o tal do "Veronika", por recomendação de uma amiga. O livro não me fez mal, foi simplesmente lido e recolocado na prateleira. Voltando a meus livros "de nível", notei a diferença. E achei uma função para os livros do Coelho... Um abraço, e parabéns pelo texto. Natan.
[Leia outros Comentários de Natan]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




TANGOS QUE FUERON Y SERÁN
SERGIO VARELA
DISTAL
(1997)
R$ 8,00



PARIS / GUIA E MAPA
CIRANDA CULTURAL
CIRANDA CULTURAL
(2008)
R$ 14,00



MEDIUNIDADE E AUTO-ESTIMA
MARIA APARECIDA MARTINS
CONSCIÊNCIA
(2005)
R$ 20,00



AS AVENTURAS DE HUCKLEBERRY FINN
MARK TWAIN
L&PM POCKET
(2011)
R$ 17,00



EXPERT EM SEDUÇÃO: HITCH GIRL
LA BARONNE
LUA DE PAPEL
(2019)
R$ 5,00



LA PSYCHOLOGIE DE LENFANT (3ED)
JEAN PIAGET E BARBEL INHELDER
QUADRIGE
(2012)
R$ 29,82



CURSO DE INICIAÇÃO LOGOSÓFICA
CARLOS BERNARDO GONZALEZ
LOGOSÓFICA
(2008)
R$ 29,00



PLANTAS INVASORAS DE CULTURAS VOL. 2
CONDORCET ARANHA - OSWALDO BACCHI E OUTROS
HUCITEC
(1982)
R$ 7,50



PALCO DAS ENCARNAÇÕES
ANTÔNIO CARLOS / VERÁ LÚCIA MARINZECK DE CARVALHO
PETIT
(1994)
R$ 10,00



MODELOS ALTERNATIVOS DE REPRESENTAÇÃO POLÍTICA NO BRASIL E REGIME
UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA
UNB
(1991)
R$ 25,82





busca | avançada
62566 visitas/dia
2,2 milhões/mês