Demorou | Eduardo Carvalho | Digestivo Cultural

busca | avançada
63898 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Documentário inédito sobre Luis Fernando Verissimo estreia em 2 de maio nos cinemas
>>> 3ª Bienal Black abre dia 27 de Abril no Espaço Cultural Correios em Niterói (RJ)
>>> XV Festival de Cinema da Fronteira divulga programação
>>> Yassir Chediak no Sesc Carmo
>>> O CIEE lança a página Minha história com o CIEE
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
>>> Uma nova forma de Macarthismo?
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
Últimos Posts
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Diploma ou não diploma... não é esta a questão
>>> Minha casa, sua casa
>>> Linger by IMY2
>>> A hora certa para ser mãe
>>> Cenas de abril
>>> Por que 1984 não foi como 1984
>>> A dicotomia do pop erudito português
>>> Coisas nossas
>>> Caso Richthofen: uma história de amor
>>> Apresentação autobiográfica muito solene
Mais Recentes
>>> A Terra dos Meninos Pelados de Graciliano Ramos pela Galera Junior (2015)
>>> Alimentação sem Carne de Eric Slywitch pela Alaúde (2016)
>>> Maus: A História de um Sobrevivente - História Completa de Art Spiegelman pela Cia. das Letras (2005)
>>> Alex no País dos Números de Alex Bellos pela Companhia das Letras (2011)
>>> A História da Medicina de Anne Rooney pela M. Books (2013)
>>> História da Arte Italiana - 3 Volumes de Giulio Carlo Argan pela Cosac Naify (2003)
>>> Justiça: O Que é Fazer a Coisa Certa (Edição Especial Capa Dura) de Michael J. Sandel pela Civilização Brasileira (2021)
>>> Cem Anos de Solidão de Gabriel García Márquez pela Record (2009)
>>> O Outono da Idade Média de Johan Huizinga pela Cosac Naify (2010)
>>> Vocabulário da Psicanálise de Laplanche e Pontalis pela Martins Fontes (1998)
>>> Meditações Diárias Para Mulheres Que Amam Demais de Robin Norwood pela Rocco (2009)
>>> Supertição no Brasil de Luís da Câmara Cascudo pela Global (2001)
>>> Marketing Trends de Francisco Alberto Madia de Souza pela Makron Books (2000)
>>> Retorno Do Investimento Em Capital Humano de Jac Fitz-enz pela Makron Books (2001)
>>> O Gigante Enterrado de Kazuo Ishiguro pela Companhia das Letras (2017)
>>> O Fim Do Poder de Moisés Naím pela Leya (2013)
>>> Introdução as Obras de Freud, Ferenczi, Groddeck, Klein, Winnicott, Dolto, Lacan de J. D. Nasio pela Jorge Zahar (1995)
>>> Amor Incondicional E Perdão de Edith Stauffer pela Totalidade (2007)
>>> Tarde Demais de Colleen Hoover pela Record (2022)
>>> A Bíblia Dos Meninos de Carolyn Larsen pela Mundo Cristão (2000)
>>> Peter Camenzind de Hermann Hesse pela Todavia (2022)
>>> Cuidando da Família em Crise de T. Berry Brazelton pela Martins Fontes (1991)
>>> Livro Game Of Thrones: Guia Completo Da Serie Da Hbo de Bryan Cogman pela Leya (2013)
>>> Talvez Uma Historia De Amor de Martin Page pela Rocco (2009)
>>> Por Voce- Vol. 1 de Laurelin Paige pela Fabrica231 (2015)
COLUNAS

Segunda-feira, 12/8/2002
Demorou
Eduardo Carvalho
+ de 5800 Acessos
+ 11 Comentário(s)

Paulo Coelho disfarçado de Homem Aranha hippie

Dizem que, agora, com a eleição de Paulo Coelho para a Academia Brasileira de Letras, a história da ABL será dividida, por conveniência didática, em duas fases: APC e DPC. Quer dizer: a primeira, desde sua fundação, em 1896, até meados do ano corrente, 2002, denominada Antes de Paulo Coelho; e a segunda, que, depois do ingresso de Paulo Coelho, representa a decadência da Literatura Brasileira, intitulada, obviamente, Depois de Paulo Coelho.

A mim, no entanto, parece perfeitamente natural que a Academia Brasileira de Letras, sem se preocupar em preservar a suposta seriedade da Instituição, tenha aceitado Paulo Coelho como seu membro. Porque não há nada mais a preservar - já estão lá, entre outros, José Sarney, Roberto Marinho, Zélia Gattai e Ivo Pitanguy. A qualidade da obra de Paulo Coelho não é, de forma alguma, inferior à de muita gente que já freqüenta a Casa.

Sua conduta profissional também não é, sob nenhum aspecto, condenável. Seu método consiste em simplificar histórias consagradas, que oferecem ao leitor - normalmente inculto e ingênuo - exatamente o conforto psicológico que ele precisa. Paulo Coelho não é desonesto com seus leitores nem é nocivo à Literatura. Ao contrário: ele não propõe nenhuma teoria definitiva, literária ou filosófica; e, de quebra, as vendas dos seus livros movimentam o mercado editorial e permitem, indiretamente, a publicação de autores menos vendidos.

É preciso, porém, esclarecer: não é Paulo Coelho o principal responsável pelo seu próprio sucesso: são as 40 milhões de pessoas que, em 120 países do mundo, compraram os seus livros. Em uma livraria média há, pelo menos, uns 10 mil títulos disponíveis. Mesmo na pior delas, e mesmo que seja na pior das edições, é possível encontrar clássicos indispensáveis, que não são, muitas vezes, nem difíceis nem chatos. Se alguém, sem sofrer qualquer espécie de pressão, decide gastar R$ 25,00 em O Alquimista ou em Nas margens do rio Piedra eu sentei e chorei, então essa pessoa também merece, por tabela, todos os adjetivos depreciativos que são dedicados ao escritor.

Mas onde estão essas pessoas? Eu, pelo menos, ouço pouquíssima gente confessar que admira Paulo Coelho. Elas sumiram, de repente, assustadas com a constante avacalhação, em cadernos literários pretensiosamente sérios, de seu guru. Assumir que gosta de Paulo Coelho pega mal, inclusive entre pessoas que se sentem protegidas por tijolos ocos importados, de Danielle Steel a John Grisham. Pelos ambientes menos educados que freqüento, escuto gente que, sem sequer ter lido um livro de Machado de Assis, insiste em que é um absurdo que Paulo Coelho pertença à mesma instituição que Machado fundou. Um absurdo é, na verdade, a arrogância de quem - sem sequer saber o que é literatura superior à de Paulo Coelho - condena a sua obra.

Escritores medíocres sempre existiram, e muitos deles fizeram sucesso. Com o tempo, aparecem e desaparecem, mas, à medida que analfabetos aprendem a ler, a tendência é que surjam ainda mais. Esse é um fenômeno irreversível e inofensivo. Com o qual, aliás, os leitores de verdade estão completamente despreocupados - enquanto os de mentirinha, que posavam de inteligentes com Veronika decide morrer em punho, fingem estar assustados. Os maiores detratores de Paulo Coelho hoje são, na verdade, do mesmo nível dos seus mais fiéis leitores - se é que não são, como parece, os mesmos 40 milhões que compraram os seus livros.

Pode ser que exista - e, de fato, existe - escritores que mereçam, mais do que Paulo Coelho, reconhecimento oficial pela sua obra, como Ferreira Gullar ou Bruno Tolentino, mas é uma babaquice enorme cobrar isso de uma Academia que prefere homenagear cirurgião plástico, político incompetente, e até quem jamais, como Roberto Marinho, escreveu um único livro. Se, em sua intenção original, a ABL pretendia também aceitar membros que, apesar de não serem própria ou profissionalmente escritores, representassem com eminência a cultura nacional em outras áreas, então Pelé mereceria, sem dúvida, comer os bolinhos de Nélida Piñon. Reclamar dos eleitos para a ABL é tão infantil quanto achar injusta premiações como o Oscar ou o Nobel, sem considerar as intenções e orientações dos jurados - só fica indignado quem achava que, na era APC, a Academia preferia os melhores escritores. Ou seja: quem não entende absolutamente nada de literatura.

A Academia Brasileira de Letras não é a Seleção Brasileira de Futebol. Seus integrantes não são, nunca foram e não precisam ser os melhores escritores brasileiros vivos. E nem todos os brasileiros vivos precisam opinar, com irresponsável autoridade, sobre os seus integrantes. Paulo Coelho fez tudo direitinho: beijou as mãos - e, em alguns casos, dizem, até algo mais - das pessoas certas. Escreveu uma dezena de coisas que, tecnicamente, podem ser com facilidade consideradas livros. Seu ingresso para a Academia, portanto, se é injusto por algum motivo, não o é pelo fato de ele ter sido aceito, senão pelo momento em que foi. Demorou.


Eduardo Carvalho
São Paulo, 12/8/2002

Mais Eduardo Carvalho
Mais Acessadas de Eduardo Carvalho em 2002
01. Com a calcinha aparecendo - 6/5/2002
02. Festa na floresta - 9/9/2002
03. Hoje a festa é nossa - 23/9/2002
04. Todas as paixões desperdiçadas - 23/12/2002
05. O do contra - 11/3/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
12/8/2002
15h28min
Eduardo, Esse foi o texto mais lúcido que li sobre a entrada de Paulo Coelho na Academia de Letras. Definitivamente não sou fã desse escritor, mas concordo plenamente que cada leitor e cada academia têm o imortal que merecem. Bem-vinda a nova luz que seu texto traz. Abraço, Vanessa
[Leia outros Comentários de Vanessa Rosa]
12/8/2002
20h20min
Caro Eduardo, Os intelectuais de plantão podenm reclamar, mas o Mago preferido das multidões tem maiores méritos do que a Zélia Gattai em ocupar um lugar na ABL. Seu texto está corente com ótimos argumentos. Quem sabe é não seja o primeiro passo para sua cadeira para ABL. Se houver um contra tempo é só pedir para o Paulo Coelho fazer uma mágica ao seu favor. Parabéns por mais texto inteligênte e interessante. Abraços Otávio
[Leia outros Comentários de Otavio]
12/8/2002
20h44min
Muito obrigado, Vanessa, pelo elogio e pela leitura de sempre. É sempre bom manter um diálogo com gente assim, que, apesar de discordar em detalhes - como aconteceu no caso de "O do contra" -, é simpática e educada. E valeu pelo seu comentário também, Otávio. Não é todo mundo que concorda com a gente - curioso, até, que os que discordam ainda não se manifestaram. Só estou esperando...
Beijos e abraços,
Eduardo
[Leia outros Comentários de Eduardo Carvalho]
13/8/2002
4.
13h41min
Caro Eduardo, felicito-lhe pela clareza de ideias e mais, ofereço-lhe meu incondicional apoio num eventual imbroglio que com certeza ha de surgir! P.S. desculpe a ausencia de acentos.
[Leia outros Comentários de Aguinaldo Silva]
13/8/2002
23h16min
Eduardo, curiosamente um dos autores a quem, como observaste, falta reconhecimento oficial, o Bruno Tolentino, elogiou "Veronika decide morrer". Não li o livro, não gostei do pouco que li do Paulo Coelho e acho a prosa desse poeta muito confusa, por isso não fiz caso de enfrentar a crítica; mas lembro que saiu na Bravo! ou na República. Outra coisa: nem sei se lhe falta reconhecimento "oficial", já que Tolentino ganhou vários prêmios. Talvez falte mesmo o reconhecimento do reconhecimento. Um abraço!
[Leia outros Comentários de Guilherme Q.]
14/8/2002
09h03min
Perdão, lendo a cópia que recebi do meu comentário vejo que dei a entender que tu, Eduardo, é que não reconheces o reconhecimento que já se deu a Tolentino. Mas não é isso. Eu queria dizer que não tem ele muito destaque em livrarias ou na imprensa, apesar dos prêmios.
[Leia outros Comentários de Guilherme Quandt]
14/8/2002
11h34min
No caso do Tolentino, Guilherme, o problema é que ele não é reconhecido no Brasil como é na Inglaterra ou na França. Ele foi responsável pelo departamento de Literatura na Universidade de Oxford e, dizem, escreveu das melhores poesias em francês deste século. É ignorado na academia brasileira porque ele a despreza, mas nenhum dos seus desafetos - de Caetano a Chauí - chega perto de sua erudição. Por acaso, eu assisti a algumas aulas com ele. Sua admiração por um livro de Paulo Coelho me parece mais vocação pela polêmica, ou simples respeito por um autor honesto, o que muitos dos seus detratores - tanto de Coelho como de Tolentino - não são. Abraços,
Eduardo
[Leia outros Comentários de Eduardo]
15/8/2002
15h55min
Paulo Coelho é um autor comparável à Agatha Christie, no meu entender. Não é literatura mas é popular, e não faz mal a ninguém ler os livros desses autores. Em seu texto o Eduardo esqueceu de citar o general Lyra Tavares, eleito imortal pela mesma Academia Brasileira de Letras que agora abre seu flanco ao popular. Aliás, depois de Paulo Coelho esperamos que a ABL escolha agora como imortal Raimundo Santa Helena, que faz belas poesias de cordel e é conhecidíssimo aqui no Rio de Janeiro.
[Leia outros Comentários de Sandra Chaves]
15/8/2002
19h33min
Ótimo artigo. Mais uma vez, parabéns pela clareza, coragem e objetividade das idéias. Abraços do seu, desde já, fã.
[Leia outros Comentários de Felipe Tavares]
15/8/2002
21h19min
Tanto Paulo Coelho quanto Agatha Christie vendem muitos livros, Sandra, mas eu acho que os motivos são completamente diferentes. O leitor de Paulo Coelho é normalmente mal orientado. Ele escreve mal, de fato, e a profundidade de sua meditação é a mesma de um pires. Agatha Christie, no entando, produziu uma literatura policial de excelente qualidade e, nesse estilo, é um clássico. Eu, pelo menos, considero ambos como literatura.
A você, Felipe, meu muito obrigado, sempre. Beijos e abraços,
Eduardo
[Leia outros Comentários de Eduardo]
6/9/2002
16h19min
Mensagem, ainda que tardia... Na verdade, li seu texto na Gazeta Vargas e, refletindo sobre ele, notei que muitas coisas que lemos são completamente inócuas, inofensivas, para não dizer inúteis. Mas servem de referência para sabermos o que é bom, o que é ruim, não acha? Li apenas um livro do Paul Rabbit, o tal do "Veronika", por recomendação de uma amiga. O livro não me fez mal, foi simplesmente lido e recolocado na prateleira. Voltando a meus livros "de nível", notei a diferença. E achei uma função para os livros do Coelho... Um abraço, e parabéns pelo texto. Natan.
[Leia outros Comentários de Natan]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Com os corações cheios de amor
Rabino Mattisyahu Salomon
ArtScrll Series



Antologia Efémera 1950-2000
E. M. de Melo e Castro
Lacerda
(2000)



Leite Derramado
Chico Buarque
Companhia das Letras
(2009)



Sucos e Vitaminas para Crianças
Amanda Cross
Manole
(2007)



O Universo Simbólico da Criança: Olhares Sensível para a Infância
Adriana Friedmann
Vozes
(2005)



O discurso da homossexualidade feminina
Denise Portinari
Brasiliense
(1989)



Otelo
Hildegard Feist
Scipione
(2015)



You Can Be Happy no Matter What
Richard Carlson
New World Library
(2006)



Livro Literatura Estrangeira Bela Distração Irmãos Maddox - Livro 1
Jamie Mc Guire
Verus
(2014)



Ele Vem do Fundão
Dyonelio Machado
Ática
(1982)





busca | avançada
63898 visitas/dia
2,0 milhão/mês