Demorou | Eduardo Carvalho | Digestivo Cultural

busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Crítica à arte contemporânea
>>> A literatura feminina de Adélia Prado
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
>>> A insustentável leveza da poesia de Sérgio Alcides
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Millôr e eu
>>> As armas e os barões
>>> Quem é o autor de um filme?
>>> Cyrano de Bergerac
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
Mais Recentes
>>> A Loucura de Tristão (La Folie Tristan) de Anônimo Francês do Século XII(Trad.? Autografo): G. D. Leoni pela Rassegna Brasiliana/ SP. (1965)
>>> A Religião viva do Cristo de Cesar D' Almeida Campos pela Livraria Cultura (1951)
>>> Evangelho da Solidão de Eduardo de Oliveira pela Cupolo (1969)
>>> Villa-Rica de Alcibiades Delamare pela Nacional (1935)
>>> Revista do Arquivo Municipal Clxvii (167) de Nicanor Miranda/alceu Maynard Araújo pela Depart. de Cultura (1962)
>>> La Celestina de Fernando de Rojas pela Madrid (1959)
>>> Economia e Sociologia de Adolf Lowe pela Revista Forense (1956)
>>> Movimento Praieiro:imprensa, Ideologia e Poder Politico de Izabel Andrade Marson pela Contemporanea (1980)
>>> Perfil do Mercado Consumidor:de Santo André e da Grande São Paulo de Felicio P. Benatti pela Fund. Santo André (1969)
>>> A Força Invisível de Wayne W. Dyer pela Sextante (2007)
>>> Revista de Educação:AEC, A Atualidade do Começo. Ano. 35 julho / Se... de Olmira Bernadete Dassoler pela Salesianas (2006)
>>> As Tres Prosas: a Pobre, a Rica e a Nova- Rica (conferência...) de Agostinho de Campos pela Livr. Ailaud e Bertrand/ Lisboa (1923)
>>> XXll de Agosto de Nelson de Souza Carneiro pela Nacional (1933)
>>> São Francisco de Sales de Abbe Jacques Leclerq pela Vozes (1957)
>>> Os Dogmas do Espiritismo de Rosalina Calmon dos Santos pela Arte Moderna
>>> La puerta Cerrada de Simón H. pela Esoteria (1981)
>>> Os Galos da Aurora de Hélio Pólvora pela Civilização Brasileira (1958)
>>> O Triumpho das Forças Mentaes de O. S. Marden pela América Latina (1929)
>>> Anuário Militar 1987 de John Pimlott pela Globo (1987)
>>> Cannaviaes de Alberto Deodato pela Rio de Janeiro (1922)
>>> Introdução á Poesia de Augusto dos Anjos de Júlio de Oliveira Martins pela Livraria Brasil (1958)
>>> Um dia depois do outro de Antonio de Almeida Prado pela Clube do Livro (1965)
>>> Um dia depois do outro de Antonio de Almeida Prado pela Clube do Livro (1965)
>>> As Tres Prosas: a Pobre, a Rica e a Nova- Rica (conferência...) de Agostinho de Campos pela Livr. Ailaud e Bertrand/ Lisboa (1923)
>>> Trinta Anos Depois da Volta de Octavio Costa pela Biblioteca do Exército (1976)
>>> 2194 Giorni Di Guerra de Mondadori pela Ediouro (1979)
>>> Encyclopedia of the Vietnam War de Stanley I. Kutler pela Charles Scribners (1996)
>>> O Encontro Marcado de Fernando Sabino pela Record (1988)
>>> Foguetes e Mísseis da III Guerra Mundial de Robert Berman e Bill Gunston pela Livro Técnico S/A (1983)
>>> A Segunda guerra mundial (Vol. 2 Somente esse Volume) de Raymond Cartier pela Primor (1975)
>>> Os Aviões de Enzo Angelucci pela Arnoldo Mondadori (1975)
>>> lua de Mel em Portugal de Marco Antonio pela Pin
>>> A História de Fernão Capelo Gaivota de Richard Bach pela Nórdica (1970)
>>> Epigramário de J. Dias de Moraes pela O Autor
>>> O livro de Ouro da Poesia Religiosa Brasileira de Jamil Almansur Haddad pela Edições de Ouro (1966)
>>> São José do Rio Preto:1852 / 1894 de Agostinho Brandi pela Rio-Pretense (2002)
>>> A Abertura dos Portos do brasil de Pinto de Aguiar pela Progresso (1960)
>>> Hawaii Açucareiro de Apolonio Sales pela IPA (1937)
>>> Desidério Desiderávi de Frei Carmelo Surian O. F. M. pela Vozes (1957)
>>> Pearl Harbor de H.P. Willmott pela Livro Técnico S/A (1981)
>>> O Orfeão na escola nova de Leonila Linhares Beuttenmuller pela Irmãos Pongetti (1937)
>>> Robson Crusoé de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1988)
>>> O Comércio e o Desenvolvimento Economico do Brasil de José Papa Júnior pela Nacional (1983)
>>> No Hospital das Letras de Afranio Coutinho pela Tempo Brasileiro (1963)
>>> Fim de Primavera de Edvard Camilo pela Globo (1921)
>>> Corpos de Elite do Passado de Dominique Venner pela Ulisseia (1972)
>>> Tonico de José Rezende Filho pela Ática (1984)
>>> A brigada portyguara 1a Edição de Almicar Salgado dos Santos pela Nacional (1925)
>>> La France en Gènèral de André Frossard pela 'Plon (1975)
>>> O Comércio e o Desenvolvimento Econômico do Brasil de José Papa Júnior pela São Paulo (1983)
COLUNAS

Segunda-feira, 12/8/2002
Demorou
Eduardo Carvalho

+ de 4200 Acessos
+ 11 Comentário(s)

Paulo Coelho disfarçado de Homem Aranha hippie

Dizem que, agora, com a eleição de Paulo Coelho para a Academia Brasileira de Letras, a história da ABL será dividida, por conveniência didática, em duas fases: APC e DPC. Quer dizer: a primeira, desde sua fundação, em 1896, até meados do ano corrente, 2002, denominada Antes de Paulo Coelho; e a segunda, que, depois do ingresso de Paulo Coelho, representa a decadência da Literatura Brasileira, intitulada, obviamente, Depois de Paulo Coelho.

A mim, no entanto, parece perfeitamente natural que a Academia Brasileira de Letras, sem se preocupar em preservar a suposta seriedade da Instituição, tenha aceitado Paulo Coelho como seu membro. Porque não há nada mais a preservar - já estão lá, entre outros, José Sarney, Roberto Marinho, Zélia Gattai e Ivo Pitanguy. A qualidade da obra de Paulo Coelho não é, de forma alguma, inferior à de muita gente que já freqüenta a Casa.

Sua conduta profissional também não é, sob nenhum aspecto, condenável. Seu método consiste em simplificar histórias consagradas, que oferecem ao leitor - normalmente inculto e ingênuo - exatamente o conforto psicológico que ele precisa. Paulo Coelho não é desonesto com seus leitores nem é nocivo à Literatura. Ao contrário: ele não propõe nenhuma teoria definitiva, literária ou filosófica; e, de quebra, as vendas dos seus livros movimentam o mercado editorial e permitem, indiretamente, a publicação de autores menos vendidos.

É preciso, porém, esclarecer: não é Paulo Coelho o principal responsável pelo seu próprio sucesso: são as 40 milhões de pessoas que, em 120 países do mundo, compraram os seus livros. Em uma livraria média há, pelo menos, uns 10 mil títulos disponíveis. Mesmo na pior delas, e mesmo que seja na pior das edições, é possível encontrar clássicos indispensáveis, que não são, muitas vezes, nem difíceis nem chatos. Se alguém, sem sofrer qualquer espécie de pressão, decide gastar R$ 25,00 em O Alquimista ou em Nas margens do rio Piedra eu sentei e chorei, então essa pessoa também merece, por tabela, todos os adjetivos depreciativos que são dedicados ao escritor.

Mas onde estão essas pessoas? Eu, pelo menos, ouço pouquíssima gente confessar que admira Paulo Coelho. Elas sumiram, de repente, assustadas com a constante avacalhação, em cadernos literários pretensiosamente sérios, de seu guru. Assumir que gosta de Paulo Coelho pega mal, inclusive entre pessoas que se sentem protegidas por tijolos ocos importados, de Danielle Steel a John Grisham. Pelos ambientes menos educados que freqüento, escuto gente que, sem sequer ter lido um livro de Machado de Assis, insiste em que é um absurdo que Paulo Coelho pertença à mesma instituição que Machado fundou. Um absurdo é, na verdade, a arrogância de quem - sem sequer saber o que é literatura superior à de Paulo Coelho - condena a sua obra.

Escritores medíocres sempre existiram, e muitos deles fizeram sucesso. Com o tempo, aparecem e desaparecem, mas, à medida que analfabetos aprendem a ler, a tendência é que surjam ainda mais. Esse é um fenômeno irreversível e inofensivo. Com o qual, aliás, os leitores de verdade estão completamente despreocupados - enquanto os de mentirinha, que posavam de inteligentes com Veronika decide morrer em punho, fingem estar assustados. Os maiores detratores de Paulo Coelho hoje são, na verdade, do mesmo nível dos seus mais fiéis leitores - se é que não são, como parece, os mesmos 40 milhões que compraram os seus livros.

Pode ser que exista - e, de fato, existe - escritores que mereçam, mais do que Paulo Coelho, reconhecimento oficial pela sua obra, como Ferreira Gullar ou Bruno Tolentino, mas é uma babaquice enorme cobrar isso de uma Academia que prefere homenagear cirurgião plástico, político incompetente, e até quem jamais, como Roberto Marinho, escreveu um único livro. Se, em sua intenção original, a ABL pretendia também aceitar membros que, apesar de não serem própria ou profissionalmente escritores, representassem com eminência a cultura nacional em outras áreas, então Pelé mereceria, sem dúvida, comer os bolinhos de Nélida Piñon. Reclamar dos eleitos para a ABL é tão infantil quanto achar injusta premiações como o Oscar ou o Nobel, sem considerar as intenções e orientações dos jurados - só fica indignado quem achava que, na era APC, a Academia preferia os melhores escritores. Ou seja: quem não entende absolutamente nada de literatura.

A Academia Brasileira de Letras não é a Seleção Brasileira de Futebol. Seus integrantes não são, nunca foram e não precisam ser os melhores escritores brasileiros vivos. E nem todos os brasileiros vivos precisam opinar, com irresponsável autoridade, sobre os seus integrantes. Paulo Coelho fez tudo direitinho: beijou as mãos - e, em alguns casos, dizem, até algo mais - das pessoas certas. Escreveu uma dezena de coisas que, tecnicamente, podem ser com facilidade consideradas livros. Seu ingresso para a Academia, portanto, se é injusto por algum motivo, não o é pelo fato de ele ter sido aceito, senão pelo momento em que foi. Demorou.


Eduardo Carvalho
São Paulo, 12/8/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A derrota do Marketing Político de Fabio Silvestre Cardoso


Mais Eduardo Carvalho
Mais Acessadas de Eduardo Carvalho em 2002
01. Com a calcinha aparecendo - 6/5/2002
02. Festa na floresta - 9/9/2002
03. Hoje a festa é nossa - 23/9/2002
04. Todas as paixões desperdiçadas - 23/12/2002
05. O do contra - 11/3/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
12/8/2002
15h28min
Eduardo, Esse foi o texto mais lúcido que li sobre a entrada de Paulo Coelho na Academia de Letras. Definitivamente não sou fã desse escritor, mas concordo plenamente que cada leitor e cada academia têm o imortal que merecem. Bem-vinda a nova luz que seu texto traz. Abraço, Vanessa
[Leia outros Comentários de Vanessa Rosa]
12/8/2002
20h20min
Caro Eduardo, Os intelectuais de plantão podenm reclamar, mas o Mago preferido das multidões tem maiores méritos do que a Zélia Gattai em ocupar um lugar na ABL. Seu texto está corente com ótimos argumentos. Quem sabe é não seja o primeiro passo para sua cadeira para ABL. Se houver um contra tempo é só pedir para o Paulo Coelho fazer uma mágica ao seu favor. Parabéns por mais texto inteligênte e interessante. Abraços Otávio
[Leia outros Comentários de Otavio]
12/8/2002
20h44min
Muito obrigado, Vanessa, pelo elogio e pela leitura de sempre. É sempre bom manter um diálogo com gente assim, que, apesar de discordar em detalhes - como aconteceu no caso de "O do contra" -, é simpática e educada. E valeu pelo seu comentário também, Otávio. Não é todo mundo que concorda com a gente - curioso, até, que os que discordam ainda não se manifestaram. Só estou esperando...
Beijos e abraços,
Eduardo
[Leia outros Comentários de Eduardo Carvalho]
13/8/2002
4.
13h41min
Caro Eduardo, felicito-lhe pela clareza de ideias e mais, ofereço-lhe meu incondicional apoio num eventual imbroglio que com certeza ha de surgir! P.S. desculpe a ausencia de acentos.
[Leia outros Comentários de Aguinaldo Silva]
13/8/2002
23h16min
Eduardo, curiosamente um dos autores a quem, como observaste, falta reconhecimento oficial, o Bruno Tolentino, elogiou "Veronika decide morrer". Não li o livro, não gostei do pouco que li do Paulo Coelho e acho a prosa desse poeta muito confusa, por isso não fiz caso de enfrentar a crítica; mas lembro que saiu na Bravo! ou na República. Outra coisa: nem sei se lhe falta reconhecimento "oficial", já que Tolentino ganhou vários prêmios. Talvez falte mesmo o reconhecimento do reconhecimento. Um abraço!
[Leia outros Comentários de Guilherme Q.]
14/8/2002
09h03min
Perdão, lendo a cópia que recebi do meu comentário vejo que dei a entender que tu, Eduardo, é que não reconheces o reconhecimento que já se deu a Tolentino. Mas não é isso. Eu queria dizer que não tem ele muito destaque em livrarias ou na imprensa, apesar dos prêmios.
[Leia outros Comentários de Guilherme Quandt]
14/8/2002
11h34min
No caso do Tolentino, Guilherme, o problema é que ele não é reconhecido no Brasil como é na Inglaterra ou na França. Ele foi responsável pelo departamento de Literatura na Universidade de Oxford e, dizem, escreveu das melhores poesias em francês deste século. É ignorado na academia brasileira porque ele a despreza, mas nenhum dos seus desafetos - de Caetano a Chauí - chega perto de sua erudição. Por acaso, eu assisti a algumas aulas com ele. Sua admiração por um livro de Paulo Coelho me parece mais vocação pela polêmica, ou simples respeito por um autor honesto, o que muitos dos seus detratores - tanto de Coelho como de Tolentino - não são. Abraços,
Eduardo
[Leia outros Comentários de Eduardo]
15/8/2002
15h55min
Paulo Coelho é um autor comparável à Agatha Christie, no meu entender. Não é literatura mas é popular, e não faz mal a ninguém ler os livros desses autores. Em seu texto o Eduardo esqueceu de citar o general Lyra Tavares, eleito imortal pela mesma Academia Brasileira de Letras que agora abre seu flanco ao popular. Aliás, depois de Paulo Coelho esperamos que a ABL escolha agora como imortal Raimundo Santa Helena, que faz belas poesias de cordel e é conhecidíssimo aqui no Rio de Janeiro.
[Leia outros Comentários de Sandra Chaves]
15/8/2002
19h33min
Ótimo artigo. Mais uma vez, parabéns pela clareza, coragem e objetividade das idéias. Abraços do seu, desde já, fã.
[Leia outros Comentários de Felipe Tavares]
15/8/2002
21h19min
Tanto Paulo Coelho quanto Agatha Christie vendem muitos livros, Sandra, mas eu acho que os motivos são completamente diferentes. O leitor de Paulo Coelho é normalmente mal orientado. Ele escreve mal, de fato, e a profundidade de sua meditação é a mesma de um pires. Agatha Christie, no entando, produziu uma literatura policial de excelente qualidade e, nesse estilo, é um clássico. Eu, pelo menos, considero ambos como literatura.
A você, Felipe, meu muito obrigado, sempre. Beijos e abraços,
Eduardo
[Leia outros Comentários de Eduardo]
6/9/2002
16h19min
Mensagem, ainda que tardia... Na verdade, li seu texto na Gazeta Vargas e, refletindo sobre ele, notei que muitas coisas que lemos são completamente inócuas, inofensivas, para não dizer inúteis. Mas servem de referência para sabermos o que é bom, o que é ruim, não acha? Li apenas um livro do Paul Rabbit, o tal do "Veronika", por recomendação de uma amiga. O livro não me fez mal, foi simplesmente lido e recolocado na prateleira. Voltando a meus livros "de nível", notei a diferença. E achei uma função para os livros do Coelho... Um abraço, e parabéns pelo texto. Natan.
[Leia outros Comentários de Natan]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




REFLEXÕES SOBRE A HISTÓRIA DAS RELAÇÕES BRASIL ARGENTINA; A EVOLU
REVISTA ECONOMIA RELAÇÕES INTERNACIONAIS, 10
FAAP
(2007)
R$ 26,28



MAOMÉ E O ISLAM
THEODORE M. R. VON KELER
EDIOURO
(1984)
R$ 10,00



MENSAGENS E SINAIS
LUIS J. PRIETO
CULTRIX
(1973)
R$ 9,00



O AMANHÃ A DEUS PERTENCE
ZIBIA GASPARETTO
VIDA & CONSCIÊNCIA
(2007)
R$ 9,00



TEORIAS E PRÁTICA DO ENSINO PROGRAMADO
JERRY POCZTAR
FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS
(1972)
R$ 11,90



PERSONALIDADE(S) EMOCIONALMENTE INTELIGENTE(S)?
SONIA BRITO-COSTA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 559,00



A HISTÓRIA DO FIM
JANUARIA CRISTINA ALVES
CARAMELO
(2001)
R$ 4,00



DIVERGENTE: UMA ESCOLHA PODE TE TRANSFORMAR - VOL.1 - SÉRIE DIVERGENTE
VERONICA ROTH
ROCCO
(2012)
R$ 31,52



ADIVINHE QUEM É EM MOVIMENTO
JEANNETTE ROWE
CIRANDA CULTURAL
(2011)
R$ 14,00



IV CONGRESSO DE ENGENHARIA CIVIL
VÁRIOS ORGANIZADORES
INTERCIÊNCIA
(2000)
R$ 45,00





busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês