Reconhecimento | Guilherme Quandt

busca | avançada
29267 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COMENTÁRIOS

Quarta-feira, 14/8/2002
Comentários
Leitores


Reconhecimento
Perdão, lendo a cópia que recebi do meu comentário vejo que dei a entender que tu, Eduardo, é que não reconheces o reconhecimento que já se deu a Tolentino. Mas não é isso. Eu queria dizer que não tem ele muito destaque em livrarias ou na imprensa, apesar dos prêmios.

[Sobre "Demorou"]

por Guilherme Quandt
14/8/2002 às
09h03 200.215.8.151
(+) Guilherme Quandt no Digestivo...
 
Bruno Tolentino e Paulo Coelho
Eduardo, curiosamente um dos autores a quem, como observaste, falta reconhecimento oficial, o Bruno Tolentino, elogiou "Veronika decide morrer". Não li o livro, não gostei do pouco que li do Paulo Coelho e acho a prosa desse poeta muito confusa, por isso não fiz caso de enfrentar a crítica; mas lembro que saiu na Bravo! ou na República. Outra coisa: nem sei se lhe falta reconhecimento "oficial", já que Tolentino ganhou vários prêmios. Talvez falte mesmo o reconhecimento do reconhecimento. Um abraço!

[Sobre "Demorou"]

por Guilherme Q.
13/8/2002 às
23h16 200.193.98.157
(+) Guilherme Q. no Digestivo...
 
"Ismos"
Concordo, Hélion, que o samba "fale" perfeitamente bem sobre aquilo a que se propõe, não menos do que Bach, o Bonde do Tigrão ou uma criança batendo panelas. O que põe uns acima de outros é justamente o quanto cada um pretenda dizer e diga. Vamos aos mal-entendidos que continuam: quando eu digo "alta cultura", quero dizer alta cultura; e tu, quando dizes "cultura erudita", queres dizer alta cultura? Quando eu afirmei que ela era expressão dos dominadores, adotava, para ilustrá-lo, o modo de ver dum multiculturalismo de ressentidos que vê em toda parte algum "ismo", ou machismo, ou imperialismo, ou racismo, ou eurocentrismo, e censurando o objeto de sua revolta se acham muito pluralistas. O Harold Bloom chamou a isso "culture of complaint". De modo nenhum eu sou contra a variedade de culturas, nem direi coisa alguma contra o que haja de valoroso em cada uma delas. No entanto, há por aí esse multiculturalismo lamentável que vive de encontrar indícios e mensagens de opressão contra as "minorias" em toda a cultura e de interpretá-la como ferramenta de algum inimigo, a burguesia, as "oligarquias", o diabo a quatro. O texto do O. de C. apresenta a origem desse cacoete mental. Não é, como dizes, "achista", a menos que descrever fatos e resumir doutrinas seja o mesmo que dar palpites. Está ótimo discutir os fatos e contestar os resumos, se quiseres; mas nunca fingir que se trata de opiniões somente, e não de uma versão dos fatos. Se quiseres outras versões, põe MARXISM e MULTICULTURALISM no Google. Vais encontrar logo uns tantos autores relacionando, como ele, doutrina marxista e multiculturalismo. Ou podes ainda ler o citado Harold Bloom queixando-se de ver os clássicos de língua inglesa julgados por critérios políticos, em vez de literários: http://bostonreview.mit.edu/BR23.2/bloom.html Pessoalmente, nunca investiguei muito o que era isso porque já mo explicara mediante seu próprio exemplo uma professora universitária que, anos atrás, me dizia que não há povo tão estúpido quanto o "homem branco ocidental", só porque esse povo besta não arraigou o bastante as idéias de igualdade dos sexos e das raças, liberdade de pensamento, ativismo ecológico e outras maravilhas... justamente inventadas pelo homem europeu. Era o mesmíssimo raciocínio paradoxal que Carvalho atribui à Escola de Frankfurt e à revolução cultural.

[Sobre "O pensamento biônico"]

por Guilherme Q.
13/8/2002 às
22h10 200.193.98.157
(+) Guilherme Q. no Digestivo...
 
Fazendo artesanato
Caro Helion. Já ouvi muito esse argumento de que o erudito de hoje é o popular de ontem. E isso serve, na melhor das hipóteses, como motivo para se deprimir com a degenerescência do nível intelectual do povo em geral. Mas não acato o argumento de forma alguma. Sei que Villa Lobos se inspirou no choro, mas criou com ele uma forma de arte infinitamente mais rica e superior. Nem sempre acontece de um artista erudito se inspirar em motivos populares para criar suas obras. Mas quando isso ocorre, não é uma prova de nada, mas apenas de que o ser humano tem essa capacidade de usar aspectos interessantes de coisas piores para fazer coisas melhores. Além disso, ninguém cria do nada. Mas nada disso é importante. O importante é que hoje apenas se "baba o ovo" do popular. Se Villa Lobos vivesse hoje, talvez fosse apenas um produtor cultural lançando CDs de choro e promovendo o gênero. Jamais teríamos ganhado todas as suas músicas geniais, pois ele tería gasto todo o seu tempo babando o ovo do choro. Outra coisa: muito bonito o que você disse sobre as artesãs, mas hoje em dia não existe a mínima chance de que o legado ocidental seja transmitido a elas, pois nossas universidades só estão preocupadas em puxar o saco delas e não em lhes ensinar nada. O artesanato vai aos museus e todo mundo acha que está vendo arte. Enquanto isso, as artesãs continuam isoladas, como resultado da própria preocupação em "preservar" sua "arte". Não existe quase nada de positivo na supervalorização do popular hoje. O popular sempre existiu e sempre existirá. E não precisa de ninguém para defendê-lo. E as pessoas que dizem defendê-lo estão apenas querendo congelá-lo no tempo. A função da universidade em um país normal seria estudar tudo que a humanidade já produziu, na ordem de importância do mais elevado ao mais baixo. Mas não existe mais muita gente nesse país que acredite em juízo de valor. Ninguém mais acredita que exista, em arte, algo melhor e algo pior. E ninguém mais consegue entender que, quando digo que artesanato não é arte, não estou ofendendo o artesão. E como não estou a fim de escrever um tatado de filosofia - ao menos por enquanto - não espero convencer ninguém que já tenha suas convicções muito consolidadas. Mas ainda acho que Bach é melhor que Pixinguinha, e não apenas diferente.

[Sobre "Babação do popular"]

por Evandro Ferreira
13/8/2002 às
13h46 200.167.234.227
(+) Evandro Ferreira no Digestivo...
 

Caro Eduardo, felicito-lhe pela clareza de ideias e mais, ofereço-lhe meu incondicional apoio num eventual imbroglio que com certeza ha de surgir! P.S. desculpe a ausencia de acentos.

[Sobre "Demorou"]

por Aguinaldo Silva
13/8/2002 às
13h41 200.246.210.4
(+) Aguinaldo Silva no Digestivo...
 

Renatta Airoldi, Acabei de ler sua mensagem sobre Primeiro dia de aula. Muito expressiva e que me deixou bastante emocionado com suas sabias palavras. Fez-me percorrer feito uma bala por toda a minha vida de estudante. Agora que eu estou voltando para a universidade, sinto um pouco desta tão comentada euforia. Abraços Regis Brasil.

[Sobre "A voz que não quer calar"]

por Regis Brasil
13/8/2002 às
13h31 200.253.252.70
(+) Regis Brasil no Digestivo...
 
Socialismo e erudição
Deixei o tema do socialismo, que me pareceu claramente deslocado no seu texto, para um comentário a aparte. Não vejo como “um país cujos estudiosos se preocupam mais com Patativa do Assaré do que com Villa Lobos só pode ser ...... socialista”. Sem pretender esgotar todos os exemplos, a informação disponível nos mostra que os países socialistas valorizaram e transmitiram a cultura erudita como poucos. Caso da ex-União Soviética e dos países do Leste Europeu. Cuba também é um caso interessante por mostrar como a informação cultural soviética permitiu a valorização da dança e da música clássicas mas não impediu a valorização da música popular e folclórica. Em outras palavras, tanto “Villa Lobos” quanto “Patativa do Assaré”. Concluindo, acredito não se sustentar a atribuição de “socialismo” à preocupação com a promoção e o estudo da cultura popular.

[Sobre "Babação do popular"]

por Helion
13/8/2002 às
13h25 200.154.217.192
(+) Helion no Digestivo...
 
Fazendo Arte
Caro Evandro, artesanato já virou arte há muito mais tempo do que aos olhos da universidade brasileira. É arte desde que, como trabalho manual não industrializado, pode expressar “beleza, engenho, habilidade, técnica”... uma das definições possíveis da arte. Do mesmo modo que um produto industrializado pode também expressar tais qualidades. Acho que a atenção a essas formas artesanais se justifica haja visto o perigo de extinção não documentada de tais manifestações./// O debate sobre arte erudita versus popular é antigo, e já freqüentou aqui o Digestivo. Apenas para citar um dos artistas que você mencionou, o teatro de Shakespeare estava absolutamente enraizado nas tradições populares da época. E era encenado, aos gritos e gargalhadas, para a gentalha analfabeta, não para eruditos posudos. O tempo – e, vamos reconhecer, o esnobismo dos que vêem “arte” apenas como algo pouco acessível – deu ao inglês a pátina de artista erudito e reconhecido, mas sabemos todos que nem sempre foi assim. Como Mozart também produziu “música leve”, divertimento que era fundo musical para o almoço de nobres entediados. Para mencionar outro artista citado, Villa Lobos pôde compor seus “Choros” apenas porque, em seu tempo, o choro popular estava vivo e nas ruas, dispensando portanto o registro da universidade, que hoje se faz necessário para que outros artistas possam conhecer tais manifestações e criar “arte superior” baseada, inspirada, e – em alguns casos - até mesmo copiada das mesmas./// O legado cultural ocidental é por vezes elitista mesmo. Só que, invertendo seu argumento, por isso mesmo é que deveria ser transmitido às artesãs que, nas suas próprias palavras, “moram longe”. Longe do acesso às manifestações que os eruditos houveram por bem ter como “superiores”, e que só podem continuar a sê-lo caso as artesãs continuem longe da erudição e perto de sua miséria do dia-a-dia. Que acadêmicos façam dessa separação a matéria-prima para suas dissertações e ensaios só é possível por causa de tal distância. Acabemos com a mesma e a embromação estará com os dias contados./// Última observação: segundo você, Evandro, chegará o tempo em que as peças de cerâmica serão expostas em museus e idolatradas. Esse tempo já chegou, e para constatar basta visitar qualquer bom museu do erudito Primeiro Mundo para constatar como os caquinhos de cerâmica pré-históricos, antigos, medievais, são encarados com o respeito que merecem e como a inspiração que ofereceram aos eruditos de todos os tempos.

[Sobre "Babação do popular"]

por Helion
13/8/2002 às
13h22 200.154.217.192
(+) Helion no Digestivo...
 

Amo essa série. Chorei só de ler o texto do Juliano. Imaginem quando passava a série...heheheh. Tenho quase todos os episódios gravados (mas alguns estão com a imagem ruim, pois gravava da Cultura e ainda não tinha TV a cabo). Fiz uma pesquisa e achei pelo menos dois DVDs (ambos importados), mas que trazem somente alguns episódios ou melhores cenas. Se alguém souber mais alguma coisa, por favor, me avise. Um dia minhas fitas VHS irão mofar...e aí...só restarão lembranças dessa série realmente incrível.

[Sobre "Anos Incríveis"]

por Wagner
13/8/2002 às
11h39 200.18.105.84
(+) Wagner no Digestivo...
 
A falta de conhecimento
Olá, O que diz neste texto é em parte uma grande verdade, a cada dia as pessoas estão se prendendo mais e mais a internet e muitos deixam de ler obras maravilhosas que poderiam preencher sua cultura. Um grande abraço Ozeas

[Sobre "Filosofia Barata?"]

por Ozeas
13/8/2002 às
10h13 200.179.45.133
(+) Ozeas no Digestivo...
 
Julio Daio Borges
Editor
mais comentários

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




POEMAS DE ALVARO DE CAMPOS
FERNANDO PESSOA
ESCALA
(2008)
R$ 6,00



SALVE O PLANETA - QUALIDADE DE VIDA 1990
LESTER R. BROWN (ORG.)
GLOBO
(1990)
R$ 17,00



QUESTÕES CRIMINAIS CONTROVERTIDAS
HUGO NIGRO MAZZILLI
SARAIVA
(1999)
R$ 13,94



A MORENINHA
JOAQUIM MANUEL DE MACEDO
ESCALA
R$ 5,00



UM JOGO INTEIRAMENTE DIFERENTE!
AIDAN HAMILTON
CASTROL
(1998)
R$ 14,00



PSICANÁLISE E JUDAISMO: RESSONÂNCIAS
RENATO MEZAN
ESCUTA
(1987)
R$ 15,00



COMUNICAÇÃO ESSENCIAL
REINALDO PASSADORI
GENTE
(2003)
R$ 9,90



LIBERDADE NO LAR - PROBLEMAS DA FAMÍLIA
A. S. NEILL
IBRASA
(1969)
R$ 17,00



O ANALISTA DE BAGÉ
LUÍS FERNANDO VERÍSSIMO
CIRCULO DO LIVRO
R$ 5,00



MISSA DE LIBERTAÇÃO
PE MARCELO ROSSI
VOZES
(1998)
R$ 4,00





busca | avançada
29267 visitas/dia
1,1 milhão/mês