Fazendo artesanato | Evandro Ferreira

busca | avançada
47137 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Sessão Única com Jogo de Escape Game e debate do filme 'Os Bravos Nunca se Calam' em SP
>>> OBRAS INSPIRADAS DURANTE A PANDEMIA GANHAM DESTAQUE NO INSTITUTO CERVANTES, EM SÃO PAULO
>>> Sempre Um Papo com Silvio Almeida
>>> FESTIVAL DE ORQUESTRAS JUVENIS
>>> XIII Festival de Cinema da Fronteira divulga Programação
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A Demissão da Crítica
>>> A Turquia em Stoke Newington
>>> Olavo de Carvalho: o roqueiro improvável
>>> De quantos modos um menino queima?
>>> Sobre Parcerias
>>> A voz de uma geração perdida e abandonada
>>> Direita, Esquerda ― Volver!
>>> O menino mais bonito do mundo
>>> iPad
>>> iPad
Mais Recentes
>>> Como Dizer Tudo Em Inglês - Fale a Coisa Certa em Qualquer Situação de Ron Martinez pela Campus (2000)
>>> Chega de Saudade de Ricardo Azevedo pela Moderna (2006)
>>> Confinado No Front - Notas Sobre A Nova Geopolítica Mundial - Coleção 2020 Ensaios sobre a Pandemia Covid 19 de Guga Chacra pela Todavia (2020)
>>> Comunicação E Cultura Das Minorias de Raquel Paiva - Alexandre Barbalho pela Paulus (2009)
>>> Natal de Sabina de Francisco Cândido Xavier pela Geem (2018)
>>> Adeus solidão de Francisco Cândido Xavier pela Geem (2019)
>>> Jovens no além de Francisco Cândido Xavier pela Geem (2019)
>>> Tempo e amor de Francisco Cândido Xavier pela Geem (2022)
>>> Vida nossa vida de Francisco Cândido Xavier pela Geem (2018)
>>> Mensagens de Ines de Castro de Francisco Cândido Xavier pela Geem (2019)
>>> Adeus solidão de Francisco Cândido Xavier pela Geem (2021)
>>> Viajaram mais cedo de Francisco Cândido Xavier pela Geem (2018)
>>> Novamente em casa de Francisco Cândido Xavier pela Geem (2020)
>>> Resgate e amor de Francisco Cândido Xavier pela Geem (2018)
>>> Calma de Francisco Cândido Xavier pela Geem (2022)
>>> O ligeirinho de Francisco Cândido Xavier pela Geem (2019)
>>> Urgência de Francisco Cândido Xavier pela Geem (2019)
>>> Vida no além de Francisco Cândido Xavier pela Geem (2019)
>>> Como se Escreve a História e Foucault Revoluciona a História de Paul Veyne pela Unb (2022)
>>> Educação Escolar: políticas, estrutura e organização de José Carlos Libâneo; outros pela Cortez (2007)
>>> Sapiens - uma Breve História da Humanidade de Yuval Noah Harari; Janaina Marcoantonio pela Lp&m (2022)
>>> Natureza Humana: Justiça Vs Poder - o debate entre Chomsky e Foucault de Michel Foucault pela Martins Fontes (2015)
>>> Sangue Azul ; morte e Corrupção na Pm do Rio de Leonardo Gudel pela Geração (2009)
>>> Estado de Exceção de Giorgio Agamben pela Boitempo (2005)
>>> A História dos Novos baianos e Outro Versos de Moraes Moreira pela Língua Geral (2007)
COMENTÁRIOS

Terça-feira, 13/8/2002
Comentários
Leitores


Fazendo artesanato
Caro Helion. Já ouvi muito esse argumento de que o erudito de hoje é o popular de ontem. E isso serve, na melhor das hipóteses, como motivo para se deprimir com a degenerescência do nível intelectual do povo em geral. Mas não acato o argumento de forma alguma. Sei que Villa Lobos se inspirou no choro, mas criou com ele uma forma de arte infinitamente mais rica e superior. Nem sempre acontece de um artista erudito se inspirar em motivos populares para criar suas obras. Mas quando isso ocorre, não é uma prova de nada, mas apenas de que o ser humano tem essa capacidade de usar aspectos interessantes de coisas piores para fazer coisas melhores. Além disso, ninguém cria do nada. Mas nada disso é importante. O importante é que hoje apenas se "baba o ovo" do popular. Se Villa Lobos vivesse hoje, talvez fosse apenas um produtor cultural lançando CDs de choro e promovendo o gênero. Jamais teríamos ganhado todas as suas músicas geniais, pois ele tería gasto todo o seu tempo babando o ovo do choro. Outra coisa: muito bonito o que você disse sobre as artesãs, mas hoje em dia não existe a mínima chance de que o legado ocidental seja transmitido a elas, pois nossas universidades só estão preocupadas em puxar o saco delas e não em lhes ensinar nada. O artesanato vai aos museus e todo mundo acha que está vendo arte. Enquanto isso, as artesãs continuam isoladas, como resultado da própria preocupação em "preservar" sua "arte". Não existe quase nada de positivo na supervalorização do popular hoje. O popular sempre existiu e sempre existirá. E não precisa de ninguém para defendê-lo. E as pessoas que dizem defendê-lo estão apenas querendo congelá-lo no tempo. A função da universidade em um país normal seria estudar tudo que a humanidade já produziu, na ordem de importância do mais elevado ao mais baixo. Mas não existe mais muita gente nesse país que acredite em juízo de valor. Ninguém mais acredita que exista, em arte, algo melhor e algo pior. E ninguém mais consegue entender que, quando digo que artesanato não é arte, não estou ofendendo o artesão. E como não estou a fim de escrever um tatado de filosofia - ao menos por enquanto - não espero convencer ninguém que já tenha suas convicções muito consolidadas. Mas ainda acho que Bach é melhor que Pixinguinha, e não apenas diferente.

[Sobre "Babação do popular"]

por Evandro Ferreira
13/8/2002 às
13h46 200.167.234.227
(+) Evandro Ferreira no Digestivo...
 

Caro Eduardo, felicito-lhe pela clareza de ideias e mais, ofereço-lhe meu incondicional apoio num eventual imbroglio que com certeza ha de surgir! P.S. desculpe a ausencia de acentos.

[Sobre "Demorou"]

por Aguinaldo Silva
13/8/2002 às
13h41 200.246.210.4
(+) Aguinaldo Silva no Digestivo...
 

Renatta Airoldi, Acabei de ler sua mensagem sobre Primeiro dia de aula. Muito expressiva e que me deixou bastante emocionado com suas sabias palavras. Fez-me percorrer feito uma bala por toda a minha vida de estudante. Agora que eu estou voltando para a universidade, sinto um pouco desta tão comentada euforia. Abraços Regis Brasil.

[Sobre "A voz que não quer calar"]

por Regis Brasil
13/8/2002 às
13h31 200.253.252.70
(+) Regis Brasil no Digestivo...
 
Socialismo e erudição
Deixei o tema do socialismo, que me pareceu claramente deslocado no seu texto, para um comentário a aparte. Não vejo como “um país cujos estudiosos se preocupam mais com Patativa do Assaré do que com Villa Lobos só pode ser ...... socialista”. Sem pretender esgotar todos os exemplos, a informação disponível nos mostra que os países socialistas valorizaram e transmitiram a cultura erudita como poucos. Caso da ex-União Soviética e dos países do Leste Europeu. Cuba também é um caso interessante por mostrar como a informação cultural soviética permitiu a valorização da dança e da música clássicas mas não impediu a valorização da música popular e folclórica. Em outras palavras, tanto “Villa Lobos” quanto “Patativa do Assaré”. Concluindo, acredito não se sustentar a atribuição de “socialismo” à preocupação com a promoção e o estudo da cultura popular.

[Sobre "Babação do popular"]

por Helion
13/8/2002 às
13h25 200.154.217.192
(+) Helion no Digestivo...
 
Fazendo Arte
Caro Evandro, artesanato já virou arte há muito mais tempo do que aos olhos da universidade brasileira. É arte desde que, como trabalho manual não industrializado, pode expressar “beleza, engenho, habilidade, técnica”... uma das definições possíveis da arte. Do mesmo modo que um produto industrializado pode também expressar tais qualidades. Acho que a atenção a essas formas artesanais se justifica haja visto o perigo de extinção não documentada de tais manifestações./// O debate sobre arte erudita versus popular é antigo, e já freqüentou aqui o Digestivo. Apenas para citar um dos artistas que você mencionou, o teatro de Shakespeare estava absolutamente enraizado nas tradições populares da época. E era encenado, aos gritos e gargalhadas, para a gentalha analfabeta, não para eruditos posudos. O tempo – e, vamos reconhecer, o esnobismo dos que vêem “arte” apenas como algo pouco acessível – deu ao inglês a pátina de artista erudito e reconhecido, mas sabemos todos que nem sempre foi assim. Como Mozart também produziu “música leve”, divertimento que era fundo musical para o almoço de nobres entediados. Para mencionar outro artista citado, Villa Lobos pôde compor seus “Choros” apenas porque, em seu tempo, o choro popular estava vivo e nas ruas, dispensando portanto o registro da universidade, que hoje se faz necessário para que outros artistas possam conhecer tais manifestações e criar “arte superior” baseada, inspirada, e – em alguns casos - até mesmo copiada das mesmas./// O legado cultural ocidental é por vezes elitista mesmo. Só que, invertendo seu argumento, por isso mesmo é que deveria ser transmitido às artesãs que, nas suas próprias palavras, “moram longe”. Longe do acesso às manifestações que os eruditos houveram por bem ter como “superiores”, e que só podem continuar a sê-lo caso as artesãs continuem longe da erudição e perto de sua miséria do dia-a-dia. Que acadêmicos façam dessa separação a matéria-prima para suas dissertações e ensaios só é possível por causa de tal distância. Acabemos com a mesma e a embromação estará com os dias contados./// Última observação: segundo você, Evandro, chegará o tempo em que as peças de cerâmica serão expostas em museus e idolatradas. Esse tempo já chegou, e para constatar basta visitar qualquer bom museu do erudito Primeiro Mundo para constatar como os caquinhos de cerâmica pré-históricos, antigos, medievais, são encarados com o respeito que merecem e como a inspiração que ofereceram aos eruditos de todos os tempos.

[Sobre "Babação do popular"]

por Helion
13/8/2002 às
13h22 200.154.217.192
(+) Helion no Digestivo...
 

Amo essa série. Chorei só de ler o texto do Juliano. Imaginem quando passava a série...heheheh. Tenho quase todos os episódios gravados (mas alguns estão com a imagem ruim, pois gravava da Cultura e ainda não tinha TV a cabo). Fiz uma pesquisa e achei pelo menos dois DVDs (ambos importados), mas que trazem somente alguns episódios ou melhores cenas. Se alguém souber mais alguma coisa, por favor, me avise. Um dia minhas fitas VHS irão mofar...e aí...só restarão lembranças dessa série realmente incrível.

[Sobre "Anos Incríveis"]

por Wagner
13/8/2002 às
11h39 200.18.105.84
(+) Wagner no Digestivo...
 
A falta de conhecimento
Olá, O que diz neste texto é em parte uma grande verdade, a cada dia as pessoas estão se prendendo mais e mais a internet e muitos deixam de ler obras maravilhosas que poderiam preencher sua cultura. Um grande abraço Ozeas

[Sobre "Filosofia Barata?"]

por Ozeas
13/8/2002 às
10h13 200.179.45.133
(+) Ozeas no Digestivo...
 
Elogioso
Caro Pedro, Fico feliz em encontrar um ensaio sobre Cioran, o grande mestre da provocação, da agudedza e da argúcia. Poucos o conhecem, lamentavelmente. Por isso, um ensaio como esse é sempre bem-vindo para incitar a curiosidade necessária para conhecer esse autor exuberante. E como sua fonte é inesgotável, espero encontrar mais Cioran no Digestivo. Abraço, Vanessa

[Sobre "Cioran e a arte da provocação"]

por Vanessa Rosa
13/8/2002 às
09h41 200.173.123.2
(+) Vanessa Rosa no Digestivo...
 
Está demorando...
Muito obrigado, Vanessa, pelo elogio e pela leitura de sempre. É sempre bom manter um diálogo com gente assim, que, apesar de discordar em detalhes - como aconteceu no caso de "O do contra" -, é simpática e educada. E valeu pelo seu comentário também, Otávio. Não é todo mundo que concorda com a gente - curioso, até, que os que discordam ainda não se manifestaram. Só estou esperando...
Beijos e abraços,
Eduardo

[Sobre "Demorou"]

por Eduardo Carvalho
12/8/2002 às
20h44 200.213.203.195
(+) Eduardo Carvalho no Digestivo...
 
Você tem razão
Caro Eduardo, Os intelectuais de plantão podenm reclamar, mas o Mago preferido das multidões tem maiores méritos do que a Zélia Gattai em ocupar um lugar na ABL. Seu texto está corente com ótimos argumentos. Quem sabe é não seja o primeiro passo para sua cadeira para ABL. Se houver um contra tempo é só pedir para o Paulo Coelho fazer uma mágica ao seu favor. Parabéns por mais texto inteligênte e interessante. Abraços Otávio

[Sobre "Demorou"]

por Otavio
12/8/2002 às
20h20 200.246.210.5
(+) Otavio no Digestivo...
 
Julio Daio Borges
Editor
mais comentários

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Marketing Industrial
Jose Carlos Teixeira Moreira
Atlas
(1995)



Sempre Há uma Chance
Lucimara Breve
Js
(2000)



Calvície (aconteceu Comigo)
Gugu Keller

(2002)



Pelos Caminhos da Vida
Nailton J. Tenório
Vivaluz
(2009)



Omindarewa
Michel Dion
pallas
(2002)



O Tempo Reecontrado - em busca do tempo perdido volume 7
Marcel Proust
Do autor
(2016)



O Valor do Amanhã
Eduardo Giannetti
companhia das letras
(2005)



Respiração Oriental - Técnica e terapia
Takashi Nakamura
Pensamento
(1981)



Após a Meia-Idade: um Céu sem Limites
Osho
gente
(1990)



O Novo Mapa do Mundo
Demetrio Magnoli
Moderna
(1999)





busca | avançada
47137 visitas/dia
1,6 milhão/mês