Fragmentos de um Paulo Francis amoroso | Daniel Piza

busca | avançada
67107 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Filó Machado encerra circulação do concerto 60 Anos de Música com apresentação no MIS
>>> Mundo Suassuna, no Sesc Bom Retiro, apresenta o universo da cultura popular na obra do autor paraiba
>>> Liberdade Só - A Sombra da Montanha é a Montanha”: A Reflexão de Marisa Nunes na ART LAB Gallery
>>> Evento beneficente celebra as memórias de pais e filhos com menu de Neka M. Barreto e Martin Casilli
>>> Tião Carvalho participa de Terreiros Nômades Encontro com a Comunidade que reúne escola, família e c
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Marcelo Mirisola e o açougue virtual do Tinder
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
Colunistas
Últimos Posts
>>> A melhor análise da Nucoin (2024)
>>> Dario Amodei da Anthropic no In Good Company
>>> A história do PyTorch
>>> Leif Ove Andsnes na casa de Mozart em Viena
>>> O passado e o futuro da inteligência artificial
>>> Marcio Appel no Stock Pickers (2024)
>>> Jensen Huang aos formandos do Caltech
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
Últimos Posts
>>> Cortando despesas
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Entrevista com Ruy Castro
>>> Diga: trinta e três
>>> O Casal 2000 da literatura brasileira
>>> Lucas vs. Spielberg
>>> Do desprezo e da admiração
>>> A pulsão Oblómov
>>> Arte Brasileira Hoje: um arquipélago
>>> Sobre o som e a fúria
>>> O fim do livro, não do mundo
>>> Jornal: o cadáver impresso
Mais Recentes
>>> Que Es El Tiempo ? de Damm Antje pela Iamique (2011)
>>> A Colonização Alemã no Rio Grande do Sul de Aldair Marli Lando; Eliane Cruxên Barros pela Movimento (1982)
>>> Encontro Poesia Brasília de Arisnaldo dos Santos Januário pela Da Autore (1984)
>>> Onde Moras? Moradia e Fraternidade de Campanha da Fraternidade pela Aec (1993)
>>> Festa na Floresta Itaúna de Márcia Regina Morais pela Vile (2008)
>>> Anime Do Especial Número 9 Dragon Ball de Lisa Matsuzaka pela Escala
>>> Revista Anime Do Número 5 de Lilian Maruyama pela Escala
>>> Defensores de Tóquio Número 3 de Eduardo Leão pela Trama
>>> O Castelo De Otranto de Horace Walpole pela Nova Alexandria (1996)
>>> O Ânus Solar de Georges Bataille pela Hiena (1985)
>>> O Perigo das Radiações de Jack Schubert; Ralph E. Lapp pela Ibrasa (1960)
>>> Apometria: Um instrumento para a harmonia e para a felicidade a nova ciencia da alma de J S Godinho pela Holus (2012)
>>> The Little Prince de Antoine de Saint-Exupéry pela Harbrace (1971)
>>> Livro MILAGRES de Vera Nappi pela A Vida é Bela (2003)
>>> Você Pode Curar Sua Vida 126ª edição. de Louise L Hay pela Best Seller (2021)
>>> Livro CANTO ALGUM de Flávia Reis pela Reformátório (2020)
>>> Apologia de Sócrates - clássicos de bolso ediouro de Platão ( tradução de Maria Lacerda de Moura) pela Ediouro (2002)
>>> Mediunidade e Apometria: Terapêutica e Apometria edição. revista e atualizada de J S Godinho pela Holus (2012)
>>> Livro Mulher V Moderna, à moda antiga de Cristiane Cardoso pela Thomas Nelson (2013)
>>> Der Kleine Prinz de Antoine de Saint-Exupéry pela Harbrace (1971)
>>> Der Kleine Prinz de Antoine de Saint-Exupéry pela Karl Rauch
>>> Brief an Den Vater de Franz Kafka pela Fischer (1989)
>>> Sonhos de Bunker Hill de John Fante pela L&pm (2003)
>>> I Ching - O Livro das Mutações de Desconhecido pela Trevo (2004)
>>> O Mistério dos Temperamentos de Rudolf Steiner pela Antroposofica (1994)
ENSAIOS

Segunda-feira, 19/5/2003
Fragmentos de um Paulo Francis amoroso
Daniel Piza
+ de 8000 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Paulo Francis já me conhecia por escrito, cartas e textos que eu, ainda com 20 anos, enviara para ele, mas demorei quase um ano para conhecê-lo pessoalmente. Foi no lançamento, em 1991, de Cronistas do Estadão, uma coletânea que vai de Euclides da Cunha até ele, organizada pelo Moacir Amancio. Telefonei para o Moacir e perguntei se precisava de convite para ir até a Sala São Luiz porque o Francis viria ao lançamento. Moacir disse que era só aparecer, apareci, vi o homem que lia na Folha e em livros e assistia no Jornal da Globo havia tanto tempo, sem perder nada. Mais alto e elegante do que eu imaginava e, sobretudo, menos sério e mal-humorado.

“Ôôôô, rapaz! Tudo bem?”, festejou ele quando me apresentei. Alguns minutos depois, veio e me puxou pela mão para uma roda onde estavam Luis Fernando Verissimo, Lygia Fagundes Telles e outros, me apresentando com elogios hiperbólicos enquanto eu buscava a desenvoltura perdida lá na avenida JK. Dali em diante, por seis anos, seria sempre assim: Francis emitia ondas de ternura e informação, pessoalmente (quando vinha ao Brasil, umas quatro vezes por ano, ou quando eu ia para lá, pelo menos uma) ou por telefone (se o telefone me acordava à 1h da madrugada, tinha certeza de que era ele), e nunca tivemos nenhum desentendimento sequer. A seguir, algumas cenas do meu baú mental, sem ordem mas com progresso.

O Estadão certa vez pôs Francis num hotel no Largo do Arouche – portanto, decadente. Bati na porta do quarto, ele a abriu e mal me cumprimentou, já foi virando as costas. Estranhei aquele comportamento. Francis começou a reclamar com alguém e vi que era com um encanador negro e forte que tentava estancar o gotejar do chuveiro. “Ainda bem que você chegou”, disse Francis, “senão eu ia acabar levando uma surra.”

Em outra ocasião ficou muito mais bem instalado. Francis gostou muito do L’Hotel, na avenida Campinas, e do seu restaurante, Trebbiano, então no apogeu (que seria breve). Ao final do jantar, fez questão de pagar, como sempre, e deixou uma nota de 50 reais como gorjeta. Falei: “Como assim, Francis!? Isso é muito dinheiro.” “Ah, é?”, ele se espantou. “Então veja aí pra mim.” Peguei 5 reais e adicionei aos 10%. A vista não era um dos seus fortes. Quase despencou da escada quando saímos, mas foi salvo pelo manobrista.

Dois famosos jornalistas de São Paulo bateram boca, feio, na casa de um editor igualmente famoso, durante jantar oferecido a Francis. O assunto era uma viagem a convite aceita por um deles. Francis só dizia algo como “Calma, meninos”. Pensei que nunca o veria na turma do deixa-disso.

Fui apanhá-lo em algum hotel cujo nome não recordo. Francis entrou no carro com um sorriso quase infantil. “Que foi, Francis?” Ele respondeu que tinha estado em três restaurantes cinco-estrelas desde a noite anterior, quando chegara ao Brasil, e não o tinham deixado pagar a conta em nenhum deles.

Fomos caminhar pela Bienal do Livro, acho que em 1996. Contei uma piada maliciosa que nem sei mais qual era. Francis: “A coisa mais engraçada que escutei estes dias veio do Millôr: você já reparou como todos os velhos ficam com uma cara de pinto?”, disse, gesticulando com as mãos para mostrar que a cabeça fica careca e alongada. “Eu não quero ficar com cara de pinto.”

Um pouco incômoda era a quantidade de pessoas que o ficavam olhando em lugares públicos. Incômoda para mim. Ele gostava. Uma vez num restaurante japonês em Nova York uma jovem de olhos puxados, na mesa ao lado, não parava de olhar para a nossa mesa. Francis começou a encarar de volta, provavelmente intrigado com o motivo por que ela o olhava tanto. Até que ela disse, em português brasileiro sem sotaque: “Você é o Paulo Francis.” Ele fez que sim com a cabeça. Ela soltou aquela risadinha envergonhada característica dos descendentes de orientais. Era mais uma brasileira em Noviorque, telespectadora da Rede Globo.

Francis telefonou para mim na redação da Folha. Eu devia estar no café e quem atendeu foi uma redatora iniciante. Quando voltei, ela me disse: “Daniel, ligou um cara dizendo que era o Paulo Francis e queria falar com você. Eu falei pra ele dar trote em outro lugar.” Depois de gargalhar, contei a verdade a ela. Ela: “Bem que eu vi que a imitação era muito boa.”

Francis só tinha consciência parcial do que era sua voz e sua figura na TV. Uma vez o vi gravar o comentário para o Jornal da Globo. Enquanto revia o teipe, de repente ele me perguntou: “Você acha que pareço cabotino? Me dizem que pareço cabotino na TV.”

Chego tarde da noite e há uma mensagem na secretária eletrônica. É do Francis, falando com um vozeirão: “Daniel, aqui é o Paulo Francis imitando a voz do Nelson Rodrigues. Por favor me ligue” etc. Jamais ri tanto. Sei imitar bem o Francis falando como falava na TV (no cotidiano tirava a batata quente da boca). Mas aquilo ali era inimitável, além de inesquecível.

Falávamos de mulheres numa esquina em Nova York e Francis me parou (ele volta e meia parava o outro enquanto falava caminhando). Queria entender como eu tinha me casado com uma mulher não jornalista (minha primeira mulher se formou em publicidade). “O ambiente de redação no meu tempo era quase incestuoso.”

Francis via prostitutas em tudo que era lugar, especialmente em restaurantes de luxo. Dava certeza a quem estivesse com ele que aquela moça ali era garota de programa, apontando para uma jovem beldade ao lado de um velho rico. Às vezes eu sentia certeza também. Numa delas, no Bravo Gianni, o rico era realmente velho e se levantou para ir ao banheiro. Cinco minutos, não voltou. Dez minutos, não voltou. A moçoila, muito vistosa e alta, não sabia mais para onde olhar, o que fazer, qual expressão manter na cara. O velho reapareceu quinze minutos depois, com aspecto de quem estava passando mal ou tinha bebido muito. Foram embora, sem ele ter mexido no prato. Francis, com sorriso sacana: “Hoje ela vai ganhar sem trabalhar.”

Francis se sentou no sofá de casa e pediu o controle remoto da TV. Queria dar uma geral na TV brasileira. Nada. Tentou ver basquete num canal do cabo. Nada. “Sabe quem eu queria ver?” Não. “O Tiririca.”

O maior prazer era caminhar com Francis por Nova York, comprando livros e discos e depois indo jantar em ótimos lugares. Quando descobriu o VL, naqueles tempos em que o DVD era apenas uma promessa, parecia criança com brinquedo novo. Entrava na HMV e só saía depois de juntar mais VLs do que podia carregar. Comentário à saída: “Putz, a Sonia (Nolasco, sua mulher) não pode me ver entrar em casa com isso aqui.”

As sessões de ópera e cinema em seu escritório, no duplex onde morava, também eram imperdíveis. George Solti num ensaio regendo Birgit Nilsson nos “Nibelungos”, com suor pingando pelo nariz adunco. Renata Tebaldi e Fischer-Dieskau no dueto de “Fígaro”. O clássico secreto “Zulu”, com Michael Caine. A cena de Gielgud com Brando em “Júlio César”. Etc. etc. Francis revia tudo como se um adolescente vendo pela primeira vez.

Francis enchia a minha vida. Na noite anterior à sua morte, nos falamos por telefone. Minha mulher estava grávida. Contei para ele, achando que ele fosse me repreender. Que nada. Ele ficou esfuziante. Brinquei: “Agora você vai ser avô.” Mais tarde, soube, comentou a notícia com o Ivan Lessa. Morreu na manhã seguinte, sem conhecer a Letícia. Está perdoado.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado no site PauloFrancis.com, de Marcelo Vita.


Daniel Piza
São Paulo, 19/5/2003
Quem leu este, também leu esse(s):
01. Amy e a hipocrisia coletiva de André Barcinski
02. Leonard Cohen de Mariana Ianelli
03. Por um jornalismo mais crítico de André Forastieri
04. Manual do Publicitário de André Barcinski
05. O fim do editor de livros de Raphael Vidal


Mais Daniel Piza
Mais Acessados de Daniel Piza
01. Arte moderna, 100 anos - 10/9/2007
02. Como Proust mudou minha vida - 15/1/2007
03. Saudades da pintura - 16/5/2005
04. A pequena arte do grande ensaio - 15/4/2002
05. André Mehmari, um perfil - 20/11/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
20/5/2003
09h26min
Minha admiração pelo trabalho do Paulo Francis começou faz dez anos. Ela foi constrída pela coluna do jornal, pelos livros e aparições no Jornal da Globo. Uma entrevista dele no Roda-viva, em 96 ou 97, foi o máximo, era o lançamento do livro Dicionário da Corte. Quem via Paulo Francis na tv poderia achá-lo mal-educado e pretensioso, arrogante. Porém, uma leitura mais cuidadosa revelaria, como este texto de Daniel Piza, um homem gentil, bem-humorado e extremamente inteligente. O Paulo Francis faz uma falta neste mundo tão chato, tão politicamente correto, tão politicamente insosso. Não o conheci pessoalmente, pena, realmente uma pena.
[Leia outros Comentários de emerson wsolek]
30/8/2003
16h48min
Sem dúvida, certas experiências são inesquecíveis, assim como certas pessoas que contribuem para melhorar a cultura do nosso 'mundo cão', no qual tudo é tão difícil, tão efêmero, tão volátil e tão virtual. De fato, experimentar o contato com um Paulo Francis, até para desmistificar sua 'face' arrogante, no dizer de Ervin Goffman, foi um grande privilégio para Daniel Piza.
[Leia outros Comentários de Lúcia do Vale]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Príncipe da Privataria
Palmério Dória
Geração
(2013)



Livro Literatura Estrangeira Hello My Big Big Honey
Dave Walker
Last Gasp
(2000)



Avante Vingadores! 16 Dez/2023
Kelly; Lanzing
Panini
(2023)



The Little Black Book of Project Management
Michael C. Thomsett
Amacom Books
(2010)



Os Enganos da Alma
João Paulo Sousa
Quasi
(2002)



Livro Literatura Estrangeira O Casamento
Nicholas Sparks
Arqueiro
(2014)



Crime na Broadway
Lilian O´Donnell
Francisco Alves
(1982)



Nova Visão do Casamento
Masaharu Taniguchi
Seicho-No-Ie
(2003)



Livro Filosofia Momentos Decisivos do Pensamento Filosófico
Luis Washington Vita
Melhoramentos
(1964)



William Shakespeare - Obras Completas 1951
Luis Astrana Marin
Aguilar Madrid
(1951)





busca | avançada
67107 visitas/dia
2,1 milhões/mês