A revista das revistas | Eduardo Carvalho | Digestivo Cultural

busca | avançada
44089 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 8/4/2002
A revista das revistas
Eduardo Carvalho

+ de 5500 Acessos

"O que a New Yorker publicou de bom é melhor do que qualquer coisa publicada na imprensa dos EUA neste século."
Paulo Francis

Dizer que a The New Yorker é a melhor revista do mundo talvez seja forçar a barra - ainda existem, entre outras, a "The New Republic", a "The Economist", a "The Spectator". Mas ela é, na minha opinião, a revista mais agradável de se ler. Pela qualidade do texto, pela elegância gráfica, pelos divertidos cartoons, pela variedade dos assuntos, pela fina ironia, pela inteligência dos colaboradores, pela criatividade das capas. E, sobretudo, pelo completo desprezo pelo chato e pelo vulgar, que, das revistas ao cinema, parecem dominar o ambiente cultural brasileiro. Que uma revista dessas tenha edições semanais é a prova mais evidente de que viver bem, apesar de tudo, ainda é possível - mesmo que seja longe daqui. Poder ler a "The New Yorker" é o maior reconforto ao desiludido, a melhor distração ao entediado. Se escolher a melhor é difícil, tanto Churchill como Nabokov concordariam: a "The New Yorker" é a revista mais inteligente e sofisticada do mundo.

A capa da revista é um capítulo à parte. Seus ilustradores são, sem dúvida, os melhores do mundo, e semanalmente surpreendem, provocam e agradam tanto os leitores da revista como os freqüentadores de banca. Se ainda há arte legítima sendo produzida no mundo, ela parece estar na capa da "TNY". Harold Ross, que fundou a revista em 1925, proibiu que as capas fizessem referência a qualquer pessoa que pudesse ser reconhecida. Nem a Hitler, durante a Segunda Guerra: quem saberia se na semana seguinte ele ainda seria importante? Não por outro motivo tanta gente a coleciona. Algumas podem valer um dinheirão, no futuro, ou, enquadradas, como é comum, enfeitar a parede de uma sala.

A revista oferece, naturalmente, um apropriado guia cultural da cidade, com o que acontece nos cinemas, teatros, casas de shows, museus, galerias, etc. Serve de orientação para quem mora na cidade ou como guia para quem está indo para lá - ou, ainda, como documento da mais abrangente e melhor produção cultural que, em uma cidade, a humanidade já conseguiu reunir.

Na seção permanente "The Talk of The Town", os colaboradores contam casos interessantes que acontecem no dia-a-dia de Nova York, de pequenas coincidências a curiosidades impressionantes. É o espaço em que os mais importantes acontecimentos - discurso do prefeito, jantares beneficentes, entrevistas com famosos - são reportados ao lado de impressões corriqueiras - conversas ouvidas em um café, o clima de um jogo de beisebol, uma situação no trânsito. As conveniências e os incômodos de se viver em Nova York são solidariamente compartilhados com os leitores de Manhattan a Hong Kong. A "TNY" sabe combinar sua elegância provinciana com um amplo interesse cosmopolita: os textos de "The Talk of The Town" são os bastidores do incansável espetáculo da civilização.

Em muitas edições sai a seção "Letter from..." - que pode ser do Canadá ao Camboja. Funciona como uma longa reportagem descrevendo a situação - econômica, política, social, etc. - do país em que está o correspondente, ou apenas uma mais longa e detalhada observação de um acontecimento especial (Olimpíadas, guerras, desastres, etc.). E segue a máxima imposta por Harold Ross: "Eu não quero saber o que você pensa sobre o que acontece em Paris. Quero saber o que os franceses pensam."

Há também normalmente um conto inédito, de autores famosos (de John Updike a Stephen King) ou desconhecidos - com o rigoroso critério, sempre, de que preste para ser publicado. Alcançar as páginas da "TNY" significa, para um escritor internacional de talento, o mesmo que um brasileiro medíocre conseguir agendar uma entrevista com o Jô Soares.

Analisando uma borboleta: a assumida postura arrogante e autocrítica

Entre críticas e ficções, já passaram por ali, entre muitos ilustres, Hemingway, H. L. Mencken, Edmund Wilson. E mesmos autores das ficções, como John Updike, de vez em quando publicam suas críticas de outros livros na própria revista. Um dos desenhos que ilustram a seção "The Critics", aliás, é engraçadíssimo, e revela a assumida postura da revista, ao mesmo tempo arrogante e autocrítica. Na praia, um menino está construindo um engenhoso castelinho de areia, feliz e sorridente; enquanto uma menina chata, provavelmente sua irmã, de braços cruzados, mão no queixo e cara emburrada, analisa a brincadeira. E a ilustração confirma, assim, a imprescindível necessidade da crítica, antecipando o preconceito do leitor e afastando, com bom humor, a ligação entre crítica e chatice. Porque, até quando precisa ser, a "TNY" consegue não ser chata.

É comum ouvir por aí gente que, talvez por não ter conseguido entender, respeite um filme como, por exemplo, "Vanilla Sky", como se fosse original ou ousado. Mas, se ele engana jornalistas ingênuos, não escapa do crítico da "TNY". Em minha arriscada tradução: "Esta refilmagem hollyhoodiana do filme espanhol de 1997 'Abre los Ojos' só pode ser chamada de un desastre(...) É um desses raros filmes que conseguem ser extremamente agitados e completamente entediantes. Cameron Crowe, que escreveu e dirigiu, precisa começar tudo de novo e descobrir por que quis ser diretor de cinema". Mas o tom das sinopses dos filmes não é, apesar desta, azedo. Os jornalistas sabem reconhecer um filme despretensioso, uma diversão honesta. Mas certas babaquices precisam ser apontadas - e o pessoal da "TNY", por mais que não seja educado, mete o dedo na cara. Sua honestidade não lhe permite ser politicamente correta.

Na academia que eu freqüentava em Vancouver, no Canadá, escolhia-se exemplares da "TNY" do mesmo modo que, em São Paulo, somos condenados às babaquices da Vejinha. Acabar de ler um artigo da seção "Shouts & Murmurs" pedalando uma bicicleta parada e, ao levantar a cabeça, poder apreciar, através de enormes janelas envidraçadas, a admirável criatividade da arquitetura canadense, é uma das vantagens de uma sociedade civilizada. Enquanto isso, é preciso tropeçar pelas sujas calçadas de São Paulo para, sabendo quais são as duas ou três bancas que vendem a revista, pagar 20 reais por exemplar. E depois dizem que estamos quase lá.

E revista no lixo

Desde quando, pelo impulso quase automático de acertar imediatamente as contas que chegam em casa, minha mãe pagou a última prestação da assinatura da "Veja", eu aguardo ansiosamente para que ela termine. Para nunca mais renovar. Estou cansado de, todo domingo, ao abrir a porta do meu apartamento, receber uma ardida bolachada na cara ao ver a capa da revista.

Há muito tempo eles já redefiniram a estratégia de vendas, e decidiram apelar, aumentando a tiragem e vendendo revistas para uma classe média baixa (cultural, social, econômica, o que seja) que, há dez anos, era analfabeta. E que, cedendo à pressão do "mundo moderno", em que todos precisamos estar bem informados, precisou comprar ou assinar uma revista supostamente informativa - e escolheu logo, como se fosse a melhor, a mais vendida.

Confesso que, aos 15 anos, o estilo dos ensaios do Roberto Pompeu de Toledo, o jornalista do Presidente, me parecia exemplar. Hoje, suas opiniões me parecem convencionais e comprometidas. Nada de mais. Nem seu estilo.

Já Diogo Mainardi, o único outro colunista que compreendo que alguém leia, desde os 15 anos me incomodou - não por suas provocações pueris, mas pela sua incompetência como aquilo mesmo que ele pretende ser: o polemista da "Veja". Antes de tudo, Mainardi escreve inaceitavelmente apressado e mal. Mas o pior é que ele se diverte: o nível de suas polêmicas é tão baixo quanto o do seus leitores. E repetindo uma verdade inegável, a de que o Brasil é uma droga, mas com um texto péssimo, consegue animar leitores tão ingênuos quanto furiosos a enviar cartas para a revista - apenas reafirmando, assim, o seu imerecido sucesso.

Enquanto isso, sem escala na sala, da porta de entrada os meus exemplares seguem diretamente para o lixo da cozinha. E daqui a alguns meses eu vou conferir alegremente, quando voltar ao consultório do dentista, que não perdi nada - a não ser tempo, quando tinha 15 anos.


Eduardo Carvalho
São Paulo, 8/4/2002



Quem leu este, também leu esse(s):
01. Essas moças de mil bocas de Elisa Andrade Buzzo
02. Imprimam - e repensem - suas fotografias de Ana Elisa Ribeiro
03. O tremor na poesia, Fábio Weintraub de Jardel Dias Cavalcanti
04. Como Steve Jobs se tornou Steve Jobs de Julio Daio Borges
05. O poeta, a pedra e o caminho de Wellington Machado


Mais Eduardo Carvalho
Mais Acessadas de Eduardo Carvalho em 2002
01. Com a calcinha aparecendo - 6/5/2002
02. Festa na floresta - 9/9/2002
03. Hoje a festa é nossa - 23/9/2002
04. Todas as paixões desperdiçadas - 23/12/2002
05. O do contra - 11/3/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A VICTORIA DO PIMPINELLA
BARONEZA ORCZY
COMPANHIA ED. NACIONAL
(1931)
R$ 7,19



HOMEM PEIXE
ZITO CAVALCANTI
GRAMMA
(2013)
R$ 35,00



A SOCIEDADE DOS CORVOS - VOLUME II
C. B. KAIHATSU (ORG.)
COERÊNCIA
(2019)
R$ 35,00



A LEITORA DO ALCORÃO
G. WILLOW WILSON
ROCCO
(2011)
R$ 24,00



THE FEAR: ROBERT MUGABE AND THE MARTYROOM OF ZIMBABWE
PETER GODWIN (CAPA DURA)
LITTLE BROWN AND COMPANY
(2010)
R$ 33,28



A TORRE
RICHARD MARTIN STERN
CÍRCULO DO LIVRO
(1976)
R$ 4,00



O DOM DE SABEDORIA NA MENTE VIDA E OBRA DE PLINIO CORREA DE OLIVE
MONS JOÃO SCOGNAMIGLIO CLÁ DIAS (VOL 2)
EDITRICE VATRICANA
(2016)
R$ 18,82



CONTOS MACHADO DE ASSIS
MACHADO DE ASSIS
CIRANDA CULTURAL
(2010)
R$ 7,00



EUGENE ONEILL
QUATRO PEÇAS - PRÊMIO NOBEL DE LITERATURA
DELTA
(1936)
R$ 6,00



SOBRE EL MODO DE PRODUCCION ASIÁTICO
GODELIER, MARX E ENGELS
MARTINEZ ROCA
(1969)
R$ 26,82





busca | avançada
44089 visitas/dia
1,2 milhão/mês