Precisamos falar sobre Kevin | Renato Alessandro dos Santos | Digestivo Cultural

busca | avançada
101 mil/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Povo Fulni-ô Encontra Ponto BR
>>> QUEÑUAL
>>> Amilton Godoy Show 70 anos. Participação especial de Proveta
>>> Bacco’s promove evento ao ar livre na Lagoa dos Ingleses, em Alphaville
>>> Vera Athayde é convidada do projeto Terreiros Nômades em ação na EMEF Ana Maria Benetti sobre Cavalo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
Últimos Posts
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
Blogueiros
Mais Recentes
>>> The Matrix Reloaded
>>> Por que as curitibanas não usam saia?
>>> Jobim: maestro ou compositor?
>>> 7 de Outubro #digestivo10anos
>>> A insignificância perfeita de Leonardo Fróes
>>> Soco no saco
>>> De Siegfried a São Jorge
>>> O Paulinho da Viola de Meu Tempo é Hoje
>>> Pelas curvas brasileiras
>>> A pintura admirável de Glória Nogueira
Mais Recentes
>>> Ao Redor do Mundo de Fernando Dourado Filho pela Fernando Dourado Filho (2000)
>>> O Administrador do Rei - coleção aqui e agora de Aristides Fraga Lima pela Scipione (1991)
>>> Memória do Cinema de Henrique Alves Costa pela Afrontamento (2024)
>>> Os Filhos do Mundo - a face oculta da menoridade (1964-1979) de Gutemberg Alexandrino Rodrigues pela Ibccrim (2001)
>>> Arranca-me a Vida de Angeles Mastretta pela Siciliano (1992)
>>> Globalizacão, Fragmentacão E Reforma Urbana: O Futuro Das Cidades Brasileiras Na Crise de Luiz Cezar de Queiroz Ribeiro; Orlando Alves dos Santos Junior pela Civilização Brasileira (1997)
>>> Movimento dos Trabalhadores e a Nova Ordem Mundial de Clat pela Clat (1993)
>>> Falso Amanhecer: Os Equívocos Do Capitalismo Global de John Gray pela Record (1999)
>>> Os Colegas de Lygia Bojunga pela Casa Lygia Bojunga (1986)
>>> Amazonas um Rio Conta Historias de Sergio D. T. Macedo pela Record (1962)
>>> A História de Editora Sextante pela Sextante (2012)
>>> Villegagnon, Paixaƒo E Guerra Na Guanabara: Romance de Assis Brasil pela Rio Fundo (1991)
>>> A Política de Aristóteles pela Ediouro
>>> A Morte no Paraíso a tragédia de Stefan Zweig de Alberto Dines pela Nova Fronteira (1981)
>>> Rin Tin Tin a vida e a lenda de Susan Orlean pela Valentina (2013)
>>> Estudos Brasileiros de População de Castro Barretto pela Do Autor (1947)
>>> A Origem do Dinheiro de Josef Robert pela Global (1989)
>>> Arquitetos De Sonhos de Ademar Bogo pela Expressão Popular (2024)
>>> Desafio no Pacífico de Robert Leckie pela Globo (1970)
>>> O Menino do DedoVerde de Maurice Druon pela José Olympio (1983)
>>> A Ciencia Da Propaganda de Claude Hopkins pela Cultrix (2005)
>>> Da Matriz Ao Beco E Depois de Flavio Carneiro pela Rocco (1994)
>>> Testemunho de Darcy Ribeiro pela Edições Siciliano (1990)
>>> Tarzan e o Leão de Ouro de Edgar Rice Burroughs pela Record (1982)
>>> Viagem de Graciliano Ramos pela Record (1984)
COLUNAS

Terça-feira, 5/12/2017
Precisamos falar sobre Kevin
Renato Alessandro dos Santos
+ de 3000 Acessos

Gosto de Kevin Spacey, como gosto de Woody Allen; não na mesma proporção, mas ambos terão no seu curriculum a acusação do sexo mais vil, seja o estupro seja a pedofilia. Uma pena. Em nosso tempo, distinguir o artista de sua vida é impossível. Mas sempre haverá aqueles a quem Annie Hall ou House of cards falem mais alto. De de fato fica difícil separar as coisas. Mas é preciso.

Falemos de Kevin e deixemos de lado, Woody, casado e neurótico, esse inegável artista genial. Falemos de Kevin, porque as notícias recentes dão conta de um monstro por trás do ator. Vencedor de dois Oscar, Spacey caminhou pintando como bem quis e bordando seu brasão naqueles férteis terrenos shakespearianos em que a virtude desaparece àqueles que carecem de princípios, mesmo que seja o princípio banhado a sangue e minério daqueles tempos em que a espada era a lei, embora a moral e a ética, modeladas a seu tempo, já estivessem ali para soterrar os espíritos mais daninhos.

Penso nas vítimas, especialmente, nos dois rapazes que serviram de matrioska a Kevin. Anthony Rapp tinha 14 anos em 1986; Kevin Spacey, 26. Como o site de notícias da BBC anunciou: “ele me carregou no colo como um noivo carrega a noiva... então, se deitou em cima de mim”. Usar desse poder masculino, em que, pisando astros distraído, tudo é possível e permitido a eleitos homens, é coisa de dar vergonha alheia... Trata-se da permissividade em que a ética, a moral, ou aqueles ensinamentos ancorados nos pais, dentro de casa, em que o certo é certo e, no fundo, tudo se resume a isso, deixam de existir, e, então, faz-se aquilo que der na veneta, e na veneta de Kevin, de indisfarçável vaidade, a vilania falou mais alto, e nos deparamos com tudo que vem aí, para desfastio público, trazendo um ator de quem gostamos, mas que, boa-noite, Cinderela, deixou inconsciente um rapaz, que, enquanto era estuprado, acordou e se viu ali, objeto de desejo de uma mente doentia, como relataram o inglês The Guardian e a Folha de S. Paulo em seguida, no sábado, 4 de novembro. Eis a segunda vítima, ainda no anonimato, que vive à sombra do estupro desde 2008, quando tinha 23 anos, e procurou o ator em busca de alguma possibilidade de emprego no arco-íris hollywoodiano; encontrou nada parecido e, em vez disso, Kevin, língua de fora, rosto sobejando suor, e a imaginação, um parque de diversões. Mas como vem acontecendo nas últimas semanas o dia do juízo final parece ter chegado a algumas pessoas que, aspirando ir além do que cabe a cada cidadão, agiram à surdina, trocando as mãos pelo pênis.

Não se enganem. Nada disso trará de volta o sujeito inocente, anterior às experiências de juventude, das mangueiras, dos laranjais; tanto Kevin como Harvey Weinstein, o chefão lá dos estúdios repletos de atrizes que seviciou, podem até ficar longe das câmeras, mas não estarão longe de seus fantasmas. Descem um patamar, mas com toda a dinheirama viverão bem; felizes, como antes, não, mas bem somente, longe da barca da glória, embora com caviar à revelia. É um preço módico a se pagar, vocês não acham? Enquanto isso, o mercúrio ferve: tribunais online da Santa Inquisição já estão armados, apenas esperando ver rolar a cabeça de Kevin.

A história vai além de ativistas a condenar a pior saída do armário da cultura pop gay, ou mesmo de, nesses tempos sombrios, sermos privados de exposições que são proibidas em museus, por prefeitos que o próprio povo escolheu, ou de outros que condenaram episódio parecido, enquanto vêm fazendo da privatização uma propaganda eficaz, sempre capaz de resolver um problema a menos ao município. A história vai além, pois no centro disso tudo estão as mulheres, que chegaram a um dos grandes pontos luminosos da humanidade.

A mulher deixou de ser o bibelô que foi, ao longo dos séculos, para se tornar, longe do alcance das mãos dos homens, alguém que não é mais um brinquedo, que se pega e se faz o que se quer; a mulher chegou a um lugar do qual não há que retroceder, porque não mais entendemos o mundo anterior a este em que vivemos, e foram das acusações de atrizes que se viram abusadas que reis começaram a cair, deixando uma fileira de cartas tropeçadas sobre a lona, cartas que estão sangrando, como sangram, por dentro, todos essas pessoas que, até agora, vinham sofrendo caladas com a injustiça a pesar sobre elas. Há algo de podre no reino, mas a chuva começa a cair.

Renato Alessandro dos Santos é editor do site tertuliaonline.com.br


Renato Alessandro dos Santos
Batatais, 5/12/2017

Mais Renato Alessandro dos Santos
Mais Acessadas de Renato Alessandro dos Santos em 2017
01. A imaginação do escritor - 25/4/2017
02. Um parque de diversões na cabeça - 30/5/2017
03. Manchester à beira-mar, um filme para se guardar - 3/10/2017
04. Nós que aqui estamos pela ópera esperamos - 4/7/2017
05. Séries da Inglaterra; e que tal uma xícara de chá? - 1/8/2017


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Os livros da magia O Convite
Carla Jablonski
Conrad
(2004)



Coaching de Relacionamentos a Dois (lacrado)
Ritah Oliveira
Qualitymark
(2017)



O Oriente Médio
Isaac Akcelrud
Atual
(1984)



A Pedra da Luz
Christian Jacq
Bertrand Brasil
(2000)



Ciências e Cidadania 6º Ano
Maurício Jorge Bueno Faria
Escala Educacional
(2009)



Livro Literatura Estrangeira O Rei de Ferro Os Reis Malditos
Maurice Druon
Difel
(1989)



Great is Peace
Daniel Sperber, Zvi Narkiss, Shimshon Klaus
Anno Pacis
(1979)



Livro Economia Entenda Globalização Uma Fonte de Informações para os Negócios
Dirceu M Coutinho
Aduaneiras
(1998)



Livro Infanto Juvenis Histórias de Shakespeare Volume 1 Coleção Quero Ler
Charles e Mary Lamb
Ática
(2002)



Energia Solar - Uso Renovável na Indústria
Rafael Celuppi
Appris
(2017)





busca | avançada
101 mil/dia
2,4 milhões/mês