Ninguém segura Lady Macbeth | Tais Laporta | Digestivo Cultural

busca | avançada
84710 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Relacionamentos amorosos com homens em cárcere é tema do espetáculo teatral ‘Cartas da Prisão’, monó
>>> Curso da Unil examina aspectos da produção editorial
>>> “MEU QUINTAL É MAIOR DO QUE O MUNDO - ON LINE” TERÁ TEMPORADA ONLINE DE 10 A 25 DE ABRIL
>>> Sesc 24 de Maio apresenta Música Fora da Curva: bate-papos sobre música experimental
>>> Música instrumental e natureza selvagem conectadas em single de estreia de Doug Felício
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
>>> Exposição curiosa aborda sobrevivência na Amazônia
>>> Coral de Piracicaba apresenta produção virtual
>>> Autocombustão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Amamos, vivimos y entendemos
>>> Ser intelectual dói
>>> O grito eletrônico do Overmundo
>>> Picasso versus Duchamp e a crise da arte atual
>>> Usina
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Web 2.0 reloaded
>>> Lendas e mitos da internet no Brasil
>>> A loucura das causas
>>> Queen na pandemia
Mais Recentes
>>> O Ser Consciente: Série Psicológica Joanna de Ângelis de Divaldo Pereira Franco pela Leal (2014)
>>> Les Dieux Ont Soif de Anatole France pela Gallimard (1989)
>>> Destinado - As Memórias secretas do Sr. Clarke de Carina Rissi pela Verus (2016)
>>> Terapêutica de Emergência de Divaldo Pereira Franco pela Lea (2015)
>>> Encontrada - A Espera do Felizes para Sempre de Carina Rissi pela Verus (2014)
>>> História da Riqueza do Homem 14ºed. de Lao Huberman pela Zahar (1978)
>>> Perdida - Um amor que ultrapassa as barreiras do tempo de Carina Rissi pela Baraúna (2011)
>>> Os Dez Mandamentos de Loron T. Wade pela Casa (2006)
>>> Novas Mensagens De Maria de Annie Kirkwood pela Nova ErA (1996)
>>> Expansao Da Mente de Tarthang Tulku pela Cultrix (1995)
>>> Espiritismo e Questão Social (Problemas da Atualidade I) de Prof. Rino Curti pela Feesp (1983)
>>> Persuasão - Edição Bilíngue - Português/Inglês de Jane Austen pela Landmark (2007)
>>> Os Anjos Respondem de Lynn Taylor pela Pensamento (1999)
>>> O Retorno À Origem de Lex Hixon pela Cultrix (1997)
>>> Emma - Edição Bilíngue - Português/ Inglês de Jane Austen pela Landmark (2012)
>>> O Vento Da Mudança de Julie Soskin pela Pensamento (2000)
>>> A Nave de Noé de Trigueirinho pela Pensamento (1999)
>>> Karma E Maturidade Um Guia Diferente para a Jornada de Eileen Connolly pela Cultrix (1999)
>>> Diálogos de Roman Jakobson e krystyna Pomorska pela Cultrix (1985)
>>> Receita da felicidades de Ken Keyes Jr. E Penny Keyes pela Pensamento (1995)
>>> História Caderno de Competências Conecte de M. Esther Nejm et al pela Saraiva (2014)
>>> A Viagem de Uma Alma de Peter Richelieu pela Pensamento (2006)
>>> Entre o Agora e o Sempre de J. A. Redmerski pela Suma de Letras (2014)
>>> Respostas da Vida de Francisco Cândido Xavier (Espírito André Luiz) pela Instituto André Luiz (1975)
>>> Entre o Agora e o Nunca de J. A. Redmerski pela Suma de Letras (2013)
COLUNAS

Quarta-feira, 2/8/2006
Ninguém segura Lady Macbeth
Tais Laporta

+ de 7000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Depois de subir aos palcos com Gerald Thomas (Esperando Beckett) e Aderbal Filho (A Peça sobre o Bebê), a atriz e jornalista Marília Gabriela encara seu terceiro desafio no teatro: protagonizar a imponente Senhora Macbeth, personagem secundária de Shakespeare, que ganha uma aura de destaque na nova montagem dirigida por Antonio Abujamra, em São Paulo. Em cartaz até 20 de agosto no Sesc Vila Mariana, Senhora Macbeth é uma livre adaptação do clássico medieval, escrita pela argentina Griselda Gambaro, que desenhou uma ótica atual e feminina para o conflito vivenciado pela esposa do sanguinário Macbeth.

Sob os holofotes, o roteiro ganha um aprofundamento psicológico raramente visto no teatro brasileiro, o que justifica sua merecida repercussão na América Latina e, recentemente, na Europa (mais precisamente, Espanha e Suécia). "A Griselda foi muito feliz em lançar luzes sobre essa personagem pequena em Shakespeare, mas muito importante sob a perspectiva do amor e do poder. É uma mulher ambiciosa, sensual, apaixonada, enfim, cheia de hormônios", define Marília Gabriela, justificando a personalidade que aprendeu a incorporar - e que, de certa forma, empresta de si mesma. Mas é justamente ao explorar o lado mais vulnerável da personagem que a atriz se esforça para afogar a mulher auto-suficiente que reside nela mesma. Sobressai na interpretação, contudo, uma Sra Macbeth poderosa. "Sou movida pelos mesmos impulsos que ela. Paixão, arrebatamento, tesão, loucura, coragem, isso eu tenho também", acredita.

No original de Shakespeare, escrito em 1623, Lady Macbeth é tão ambiciosa e calculista quanto o marido. Muitas interpretações garantem que foi ela quem fez a cabeça do amado para assassinar seus inimigos, e assim, conquistar o trono da Escócia. Diz ela em trecho do clássico: "Vinde, espíritos sinistros que servis aos desígnios assassinos (...). Enchei-me, da cabeça aos pés, da mais horrível crueldade!". Sem dúvida, o dramaturgo construiu uma mente sedenta por poder, escondida nas sombras do grande personagem shakespeariano. A adaptação de Griselda concebeu um novo universo interno para a Senhora Macbeth que sobrevive até hoje. No caso, toda ambição de poder é esmagada pelo amor absoluto que ela devota por aquele homem. Aí nasce o conflito de uma mulher anulada no amor e cega por poder, prestes a perder seu sangue-frio para o sentimento de culpa.

Marília Gabriela pisa no palco com cabelos negros e um figurino imperial, realçado pelos oportunos efeitos de som e iluminação do espetáculo. Mas esses apelos sensitivos não desviam o foco do brilho e lucidez da peça. Quase todo o tempo, a atriz divide a atenção com as três bruxas de Macbeth, interpretadas por Natália Corrêa, Danielle Farnezi e a veterana Selma Egrei - o ator Eduardo Leão faz uma ponta especial. Com grande propriedade cênica, o trio atormenta e consola a ambígua personagem, a ponto de travestir sua consciência, como aponta Gabriela. "Elas têm uma ironia feminina que falta à Senhora Macbeth. É um homem lidando com três mulheres, um ser culpado por amar um assassino e ansiar o poder, enfim, uma mulher com conflitos acima de tudo humanos. Ela é o homem que não deu certo até hoje".

Na preparação para o espetáculo, Abujamra e Hugo Rodas, co-diretor da peça, revezaram o comando dos ensaios com vieses opostos: o trágico e o cômico, respectivamente. Daí, a montagem só poderia resultar em uma tragicomédia. "Ele (Abujamra) queria apostar comigo em que momento sairia a primeira risada na platéia", brinca a atriz sobre a recepção do público. Logo que aceitou o desafio de encarnar a Senhora Macbeth, ela reconhece que sentiu insegurança. "Num primeiro momento achei que não ia conseguir, não sabia para que lado ir com a personagem". Com o tempo, o frio na barriga passou, e ela garante que entra no palco do mesmo jeito que sai, bem confortável.

Se Abujamra está pleno da competência da atriz? "Há muitos anos digo que ela deve envelhecer no palco e largar o jornalismo. Agora surge essa surpresa maravilhante, esse rigor!", define com tais palavras o diretor, que também é admirador incondicional e amigo de Griselda Gambaro. "Suas peças têm uma inclinação para a beleza como poucas pessoas sabem fazer", justifica o afeto. O grande trunfo da Argentina: o ser humano que ela retrata se sobressai à mulher, num mundo criativo onde os papéis dos sexos estão bem divididos. Para o diretor, é um privilégio levar o texto da autora a São Paulo, já que não duvida da forte possibilidade da peça se tornar um sucesso aplaudido mundialmente.

Aos desavisados uma dica: quem não conhece a história original de Macbeth, melhor ler a peça ou assistir a uma das adaptações em filme antes de comprar os ingressos. Por mais que a montagem seja desprendida do clássico, há inúmeras referências a fatos e personagens de Shakespeare sem grande contextualização, o que pode dificultar o entendimento do expectador. Mas isso não significa que é uma peça solitária na erudição. Pelo contrário, é popular e moderna. Nada que anule, portanto, a atualidade, a beleza e a poesia do espetáculo.

Para ir além
Senhora Macbeth - Sesc Vila Mariana - Sexta e sábado, 21h - Domingo, 18h - De R$ 15 a R$ 30 - Até 20/08


Tais Laporta
São Paulo, 2/8/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A favor do voto obrigatório de Luis Eduardo Matta


Mais Tais Laporta
Mais Acessadas de Tais Laporta em 2006
01. Guimarães Rosa no Museu da Língua Portuguesa - 1/11/2006
02. Pelas curvas brasileiras - 11/7/2006
03. Ninguém segura Lady Macbeth - 2/8/2006
04. Sem cortes, o pai do teatro realista - 17/5/2006
05. Confissões de uma ex-podcaster - 20/9/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
7/8/2006
02h32min
Segundo Harold Bloom, Shakespeare criou personagens tão nítidos que escaparam do seu universo original, onde foram gerados e saltaram, com a facilidade das criaturas vivas, para a dimensão humana. Ou seja, você lembra de Hamlet, por exemplo, como lembra de alguém que você conhece. Bloom afirma que Hamlet é um ser mais real que muita gente de carne e osso. Também afirma que o gênio de Shakespeare, nesse aspecto, não se limita apenas aos personagens principais. Nesse caso Lady Macbeth pode muito bem ter pressionado a autora, Griselda Gambaro, para uma nova aparição. O texto de Taís Laporta nos informa claramente várias coisas interessantes e, entre elas, que Marília Gabriela pode ser mesmo uma boa atriz. Isso é uma boa notícia. Boas peças, boas atrizes, bons autores nunca são demais. Resta saber o que Shakespeare diria disso tudo. Acho que não diria nada, mas escreveria outra peça a respeito.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Beijo do Otário
Alan Parker
Planeta
(2004)



O novo testamento ilustrado
Liga Bíblica
A palavra de Deus
(1990)



Viva Como Você Quer Viver
Eduardo Shinyashiki
Gente
(2004)



A Carta de Pero Vaz de Caminha
Poliana Asturiano e Rodval Matias
Ftd
(1999)



A Vida Acidentada de um Vampirinho
Carlos Queiroz Telles e Eneas Carlos Pereira
Ftd
(1997)



Nicolai Gogol - Uma biografia
Vladimir Nabokov
Ars Poética
(1994)



O Vendedor de Queijos e Outras Crônicas
Alexandre Azevedo
Atual
(2016)



A Bruxa de Portobello
Paulo Coelho
Gold
(2007)



Linda Historia De Linda Em Olinda, A
Adrienne Myrtes E Marcelino Duarte
Escala Educacional
(2007)



Administrando a Micro Informatica na Empresa
Naomi Karten
Campus
(1992)





busca | avançada
84710 visitas/dia
2,6 milhões/mês