Ainda a insustentável leveza do cérebro feminino | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
37024 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 17/3/2004
Ainda a insustentável leveza do cérebro feminino
Ana Elisa Ribeiro

+ de 4700 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Faz pouco, já no século XXI, um amigo - desses que parecem cavalheiros - me agraciou com um cumprimento mui gentil, bicotando meu rosto e parabenizando pela publicação dum texto numa agência da Internet. Mantive o rostinho sorridente e disse a ele que, sim, "de vez em quando acontece". E então me atacou esta modéstia mineira, mui falsa e mui pretensa, que fomos educados para demonstrar sempre que vem um elogio explícito.

O rapaz, interessado no assunto, resolveu tecer perguntas que mais pareciam questões de concurso: sobre escrever, sobre gramática, sobre dificuldades da língua e todos aqueles clichês tolos - que têm a função de detonar a auto-estima dos aprendizes do vernáculo escrito.

Depois de muito ouvir e sorrir respondendo parca e preguiçosamente aos aprumos lingüísticos do amigo, ele tocou num tema que me deixa arrepiada e vermelha: mulheres que escrevem. Veio ele, louro e lindo, dizer que eu era corajosa por escrever em público, ao que respondi, dissimuladamente, conforme lições da mestra Capitu, que escrevia sempre trancafiada em meu escritório, um ambiente calmo e mínimo, que muito me agrada. Então, pois sim, não escrevo em público.

Ele, risonhamente, me disse, então, que não "fingisse de égua" - expressão que nós, mineiros, adoramos. Queria dizer que eu era corajosa por escrever textos sobre temas como sexo e paixão e dá-los a ler a várias, diferentes e desconhecidas pessoas. (O que, para ele, devia constituir ato semelhante a atear fogo às próprias vestes ou atirar-se do edifício Acaiaca.)

Sorri mineiramente, mocinha demais, e disse a ele que gostava muito de escrever, que expunha pontos de vista, às vezes perspectivas incomuns, outras vezes besteiras, mas que gostava da responsabilidade de publicar meus textos. E podiam ser eles sérios, outras vezes podiam ser galhofas. Ao que o amigo, tonto e surpreso, perguntou: "Mas você assina seu nome?", perplexo e brutal.

Sob a carapaça moderna e prateada, surgiram os ecos dum machismo estagnado e coliforme. Até mais ou menos a década de 1950, raríssimas mulheres assinaram seus nomes sob textos quaisquer, quanto mais sob polêmicos. Minha mãe era oprimida pelo poder de polícia de minha avó. Ler Olhai os lírios do campo podia significar punições horrendas. Durante a faculdade, livros de Marx, nem pensar! E eu, esta enferma social, não sabia bordar e ainda publicava textos pincelados com meu nome!

Além do nome, deixava tricotado o sobrenome de meu pai, digno e respeitável macho de casta pobre e mineira, estudioso e sisudo, descendente de cristãos novos e negros, e que, para ser mais rígido, só faltava ser religioso. Segundo a premissa da pergunta de meu amigo, seria mais prudente que eu inventasse logo um pseudônimo que despistasse os leitores e resguardasse minha intimidade.

Não disse a ele nem mais nem menos. Contentei-me com a idéia de que o rapaz não era mesmo um leitor muito assíduo. E então reclamava sem razão, já que nem sequer usuário seria dos meus manuais de absurdos. Mas eu quis dizer a ele, e não disse, que inventasse uns pseudópodes e fosse caminhar, lustroso e machão, pelas esquinas do século passado.

Rodada summer draft
Amei primeiro Eduardo. Mas ele morreu de acidente. Viajou sem mim pra Guarapari e caiu com o Fusca numa ribanceira. Esmagou-se inteiro nas ferragens dum São Geraldo modelo velho. Sem a menor categoria. Senti saudades dele por umas semanas, depois Eduardo se tornou um retrato 3 por 4 dentro duma carteira que dei pra um bazar de usados.

Amei menos Daniel. E ele morreu de tiro. Foi ser polícia em Sete Lagoas e correu atrás duns marginais. Rodopiou com o carro pela estrada, saiu correndo pela colina, foi atingido pelas costas. Duas perfurações certeiras no coração. De brinde, mais uma na cabeça. Fui ao enterro mas não fiz cara de viúva. Me chamaram de fria. Beijei o cadáver na boca. Me chamaram de sinistra. Quis que o cremassem pra eu ficar com a urna. Me chamaram de soturna. Enterraram Daniel junto com as tias que morreram de parto. E Daniel virou umas alianças de prata no meu porta-jóias de craquelê.

Amei outro Eduardo. Este morreu de choque. Tocava guitarra, som alto. Choveu pela janela e ele não viu. Estorricou-se desde os dedos. Caiu morto de repente. Dizem que chegou a gritar o nome do Hendrix. Fui ver o corpo carbonizado. Apelei pros orixás. Me chamaram de louca. Pé frio. Dei de ombros. Eduardo tinha sido o primeiro.

Alexandre morreu de cárie. Teve um abcesso. Uma septicemia invadiu-lhe as entranhas. Dizem que havia escapado de dois tiros no pescoço, mas daquele abcesso não escaparia. Acompanhei tudo de perto, ia ao hospital todos os dias. Levei flores duas vezes, quando achei que não mais o veria. E estava errada. Me chamaram de azarada. Dei de ombros. Alexandre deixou a cárie tomar conta. Morreu com os dois incisivos podres e um chifre, como um unicórnio, mas muito doce.

Bruno foi festejado. Morreu de aneurisma. Estourou a veia bem na hora em que ele ia me dar na cara. Plantei nele as palmas dos meus olhos, arregalados, apavorados. Nunca havia apanhado de homem antes, a não ser do meu pai. E antes de a porrada pegar, Bruno caiu duro, teso, lesado. O chão não se abriu. O aneurisma foi detectado no IML. Fui ao enterro desconfiada. Me chamaram de culpada. Dei de ombros. Chutei os joelhos da irmã caçula dele. E Bruno foi festejado. Tomei uma vodca pra comemorar o tabefe que não levei.

Daniel me assombrou numa noite. Apareceu diante da minha cama, dizendo que eu ainda lhe devia qualquer coisa. Ofereci meus cornos, minhas palmas, meu traseiro. Não era nada disso. Depois disse a ele que gostaria de repetir a dose. Ele veio incisivo, meteu as duas mãos na minha cintura e disse que não voltaria mais se eu me oferecesse daquela maneira. Me chamou de vulgar. Dei de costas. Fiquei chateada. Achei Daniel machista. Onde será que ele aprendeu isso?

E mais um Eduardo morreu de acidente. Caí na cama dele sem perceber. Ele deixou o aparelho de DVD cair dentro do ofurô em que tomava banho de sais. Fiquei vendo a água vermelha escorrer pelo chão do banheiro. Peguei o avião de volta pra São Paulo. Deixei o cadáver lá. Disseram que havia uma mulher com ele. Nunca chegaram a mim. Fiquei quieta, pensando que me encontrariam se investigassem minhas impressões digitais na cabeceira da cama, na porta do banheiro, nas costas de Eduardo. Mas nunca me encontraram. E eu nem cheguei a ir ao enterro.

Gustavo me apareceu veloz. Deu a cantada, caí. Mas disse que estava de passagem. Estapeei o cara e dei o fora. Não era minha intenção que alguém me amasse. Queria apenas que ele morresse em paz. Morreu num quinto dia útil do mês, mesmo dia em que costumo receber meu salário. Não tive tempo de ir ao velório porque fiquei presa na fila do banco. Me chamaram de vingativa. Dei de ombros. Nada a ver. O caso dele era suicídio. Pulou do prédio da Faculdade de Direito. Ficou interessante o desenho do cadáver, a giz, no chão da avenida. Guardei uma foto de lembrança.

Fábio apareceu no estacionamento do McDonald's, num carro preto, seminovo. Disse que me queria naquela hora. E voltou pro Rio de Janeiro sem nada na bagagem. Recusei todas as suas investidas, não cedi a nenhuma cantada, nem quando ele ficou nu no meio do pátio do presídio. Deixei uns pães de queijo, uma lata de coca-cola com um 38 dentro. Acho que foi com essa arma que deram nele as coronhadas.

Próximo, por favor.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 17/3/2004


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2004
01. Ler muito e as posições do Kama Sutra - 2/6/2004
02. Autor não é narrador, poeta não é eu lírico - 24/3/2004
03. Em defesa dos cursos de Letras - 6/10/2004
04. Literatura como arte - 25/8/2004
05. Mulheres de cérebro leve - 13/2/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
17/3/2004
10h50min
Ótimo texto, Ana, escreves muito bem, adorei ler. Parabéns, abraços, Vinicius Brown
[Leia outros Comentários de Vinicius Brown]
18/3/2004
16h24min
É tal o impacto causado pelos seus textos que, muitos, procurando uma explicação "razoável" para o assombro, quedam para a resposta mais ingênua: "Nossa, foi uma mulher que escreveu isto!?!". Mas fosses tu do sexo oposto, tenho certeza, a carga de estupefação seria a mesma, pois o estranhamento/encantamento é derivado pura e simplesmente de seu imenso talento para nos desconcertar com os seus versos.
[Leia outros Comentários de Mendelson]
20/3/2004
01h14min
Ainda a insustentável leveza... muito bom, Ana Elisa. Não sei quando os homens se livrarão desse machismo... porque nós já nos livramos! Sobre a mortandade dos namorados, só posso dizer que ri muito. Gosto da maneira jocosa como vc escreve. O próximo... acho que fica sem resposta... ou vc tem esperanças??? bjs, gina
[Leia outros Comentários de Regina Mas]
28/3/2004
14h45min
Você escreve com um passarinho pousando em galho fino de arvore frondosa, só pelo prazer do balançar!!!
[Leia outros Comentários de Marcio]
11/1/2005
21h33min
Olá, Ana Elisa! Mudei pra Belo Horizonte e sinto falta do sarau que frequentava em Vitória (O QUINZE). Por favor, me falem onde posso encontrar um por aqui... A propósito, aquele seu amigo levaria uma surra de mil mulheres como eu!
[Leia outros Comentários de juliana galvão]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ONZE MINUTOS
PAULO COELHO
ROCCO
(2003)
R$ 7,19



DRINK UP! - LEVEL A1
KAREN HOLMES
CAMBRIDGE DISCOVERY EDUCATION
(2014)
R$ 11,00



OTO - RINO-LARINGOLOGIA PRÁTICA 2ª EDIÇÃO
CAPISTRANO PEREIRA
GUANABARA
(1948)
R$ 87,54



79 PARK AVENUE
HAROLD ROBBINS
RECORD
(1955)
R$ 7,00



AS JOIAS DE MANHATTAN
CARMEN REID; MAURA PAOLETTI
BERTRAND BRASIL
(2012)
R$ 10,00



OS IMPRESSIONISTAS - GAUGUIN (ARTES PLÁSTICAS)
DANIEL WILDENSTEIN/RAYMOND GOGNIAT
TRÊS
(1973)
R$ 18,00



ENSAIOS DE SOCIOLOGIA
MAX WEBER
GUANABARA
(1982)
R$ 25,00



A GAIOLA DAS ÁGUIAS
JAMES FOLLETT
RECORD
(1994)
R$ 19,90
+ frete grátis



OURO DE INCONFIDÊNCIA
GLADSTON MAMEDE
LONGARINA
(2018)
R$ 17,00



GENTE COMO A GENTE
JUDITH GUEST
RECORD
(1980)
R$ 7,90





busca | avançada
37024 visitas/dia
1,4 milhão/mês