A pobreza cultural nossa de cada dia | Alessandro Garcia | Digestivo Cultural

busca | avançada
31843 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
Colunistas
Últimos Posts
>>> 100 nomes da edição no Brasil
>>> Eu ganhei tanta coisa perdendo
>>> Toda forma de amor
>>> Harvard: o que não se aprende
>>> Pedro Cardoso em #Provocações
>>> Homenagem a Paulo Francis
>>> Arte, cultura e democracia
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
Últimos Posts
>>> João Gilberto: o mito
>>> Alma em flor
>>> A mão & a luva
>>> Pesos & Contra-pesos
>>> Grito primal II
>>> Calcanhar de Aquiles
>>> O encanto literário da poesia
>>> Expressão básica II
>>> Expressão básica
>>> Minha terra, a natureza viva.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Os 60
>>> Tico-Tico de Lucía
>>> Abdominal terceirizado - a fronteira
>>> Cinema é filosofia
>>> Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges
>>> Mulher no comando do país! E agora?
>>> YouTube, lá vou eu
>>> YouTube, lá vou eu
>>> Bar azul - a fotografia de Luiz Braga
>>> Eu + Você = ?
Mais Recentes
>>> Da Ação direta de declaração de Inconstitucionalidade no Direito Brasileiro de Alfredo Buzaid pela Saraiva (1958)
>>> Ações Cominatórias no Direito Brasileiro de Moacyr Amarral Santos pela Max Limonad (1962)
>>> Do Mandado de Segurança e de Outros meios de Defesa Contra atos do poder público de Castro Nunes pela José Aguiar Dias (1967)
>>> Estudos e pareceres de direito processual Civil de Alfredo Buzaid pela Revista dos Tribunais (2002)
>>> Corinthians é preto no branco de Washington Olivetto e Nirlando Beirão pela Dba (2002)
>>> Do Mandado de Segurança Volume 1 de Alfredo Buzaid pela Saraiva (1989)
>>> Estudos de Direito de Alfredo Buzaid pela Saraiva (1972)
>>> Da Ação Renovatória de Alfredo Buzaid pela Saraiva (1981)
>>> Projeção do Corpo Astral de Sylvan J. Muldoon e Hereward Carrington pela Pensamento
>>> Atribuições dos juízes municipaes de Orphãos e Ausentes na Republica de José Tavares Bastos pela Livraria Garnier (1914)
>>> Novo Dicionário de Processo Civil de Eliézer Rosa pela Livraria Freitas Bastos S.A (1986)
>>> O Novo processo Civil Brasileiro de José Carlos Barbosa Moreira pela Forense (2005)
>>> Manual do Advogado de Valdemar P. da Luz pela Sagra (1999)
>>> Teoria e prática do Despacho Saneador de Jônatas Milhomens pela Forense (1952)
>>> Código de processo Civil Anotado de Sálvio de Figueiredo Teixeira pela Saraiva (1993)
>>> Novo processo Civil Brasileiro de José Carlos Barbosa Moreira pela Forense (1998)
>>> A Prova Civil de José Mendonça pela Livraria Jacintho (1940)
>>> A Morte de Rimbaud de Leandro Konder pela Companhia das Letras/SP. (2000)
>>> Prova Civil Legislação Doutrina Jurisprudência de Raphael Cirigliano pela Forense (1939)
>>> Código do Processo Civil e Commercial para Districto Federal de J. Miranda Valverde pela Impresa Nacional (1927)
>>> De Pessoa a Pessoa - Psicoterapia Dialógica de Richard Hycner pela Summus (1995)
>>> Perfiles Juridicos los Hombre de Toga en El Proceso de D. Rodrigo Calderon de Angel Ossorio pela Rosario
>>> Audiência de Instrução e Julgamento de Athos Gusmão Carneiro pela Forense (1995)
>>> Todos os Homens do Presidente de Carl Bernstein & Bb Woodward pela Franvcisco Alves (1977)
>>> Histórias De Vida E Cozinha Exclusiva Para Você de Ana Maria Braga pela Agir (2012)
>>> Projet de Révision Du Code de Procédure Civile de M. Hector de Rolland pela Imprimerie de Manaco (1893)
>>> O Nosso Processo Civil Brasileiro de José Carlos Barbosa Moreira pela Forense (1994)
>>> Luto - Uma dor perdida no tempo - Princípios básicos para se enfrentar de Rubem Olinto pela Vinde Comunicações (1993)
>>> Vade Mecum acadêmico de direito de Organização; Anne Joyce Angher pela Rideel (2004)
>>> Processo de Execução e Cumprimento de Sentença/ Encad. de Humberto Theorodo Júnior pela Leud (2009)
>>> Processo Civil Commercial de Manoel Aureliano de Gusmão pela Livraria Academica (1924)
>>> Dieta Mediterrânea com sabor brasileiro de Dr. Fernando Lucchese e Anonymus Gourmet pela L&PM Pocket (2005)
>>> Derecho Procesal Civil de Eduardo Pallares pela Porrua S.A Argentina (1961)
>>> Topografia Prática: Tratado da Clotóide - Teoria, Fórmulas, Exemplos.. de Ruey- Chien Lin pela Hemus/ SP. (2019)
>>> La Reconvencion de M. Sanpons Salgado pela Coleccion Nereo (1962)
>>> Construcciones Metalicas (Encadernado) de Fernando Rodriguez- Avial Azcunaga pela Madrid/ Espanha (1958)
>>> tratado das ações (Tomo V ) Condenatórias de Pontes de Miranda pela Revista dos Tribunais (1974)
>>> Tratados das Ações Declarativas Tomo II de Pontes de Miranda pela Revista dos Tribunais (1971)
>>> Tratado das Ações Tomo III Ações Constitutivas de Pontes de Miranda pela Revista dos Tribunais (1972)
>>> Ação Discriminatória de Jacy de Assis pela Forense (1978)
>>> Dos recursos no Código de Processo Civil de João Claudino de Oliveira e Cruz pela Forense (1954)
>>> Petições contestações e recursos de Valdemar P. da Luz pela Forense (2000)
>>> Curso de processual Civil de Luiz Fux pela Forense (2001)
>>> Curso Didático de Direito Processual Civil de Elpídio Donizetti Nunes pela Atlas (2012)
>>> Código de processo Civil Anotado de Sálvio de Figueiredo Teixeira pela Saraiva (2003)
>>> Manual Execução de Araken de Assis pela Revista dos Tribunais (2004)
>>> As Concepções Antropológicas de Schelling de Fernando Rey Puente pela Loyola (1997)
>>> Manual do Processo de Execução de Araken de Assis pela Revista dos Tribunais (2002)
>>> Ministério público e Persecução Criminal de Marcellus Polastri Lima pela Lumen Juris (2002)
>>> Des Problèmes de Droit Judiciaire que Pose L'Union Économique Franco Sarroise de Eugéne Schaeffer pela Librairie Générale de Droit et de Jurisprudence (1953)
COLUNAS

Terça-feira, 17/6/2003
A pobreza cultural nossa de cada dia
Alessandro Garcia

+ de 8300 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Vivemos em um terrível mundo de disparidades, em que as extremidades realmente saltam aos olhos pelas diferenças de universos em que estão inseridas e isto não é mais novidade para ninguém. Ainda assim, por vezes, eu permito me chocar quando me dou ao trabalho de pensar, onde, meu Deus, vamos acabar todos. Passando por cima de todas as admoestações políticas, que não servem para este espaço (e nem tenho cacife para tentar engendrar algum tipo de consideração do gênero), o mundo há tempos está insurgido por lutas que pedem igualdade de condições para todos e condições menos horripilantes de miséria a que metade do mundo está condenada. A OIT - Organização Internacional do Trabalho, braço da Organização das Nações Unidas, acaba de revelar a informação de que cerca de três bilhões de pessoas - logo, a metade da população do planeta - vive na pobreza com uma renda de menos de US$ 2 por dia. São quase todas pessoas que moram em países em desenvolvimento. Não, não me estenderei ainda mais por dados que possam ressaltar todo o caráter político por trás de informações como esta, pelos motivos que enunciei acima. O que me vale de mote é quando dados como estes se apresentam a mim de maneira tão crua e assustadora, mas que, na realidade, servem também como indicadores da miséria nossa de cada dia a que estamos mergulhados e que cada vez mais se reflete a partir destas constatações.

Sem qualquer sentimento de culpa pelo profundo mal-estar do mundo, é profundamente irônico ler estas informações quando navego pelos sites a procura de novidades no universo cultural. Não porque me deixe relevar por grandiosos sentimentos de piedade para com o próximo - ainda que isto exista em mim. Mas é que junto com estes fatos, vai se somando a tal miséria nossa de cada dia que aparece em porcentagens e em fatos menos assustadores do que a imagem de uma criança desnutrida a rastejar pelo chão árido de algum país distante ou em alguma viela muito próxima. A tal miséria nossa de cada dia se revela em cada passada de olhos pelos canais de televisão. Na medida em que cada vez mais nos afundamos nas mazelas apresentadas por toda esta gama de programas que infestam as tardes malditas da tv aberta, mais se torna palpável aos mais atentos, a sordidez das pobres vidinhas que se dobram aos apelos destes programetes. Para alguns ainda é possível manter um distanciamento através, por exemplo, de algum canal de tv por assinatura - o que é o meu caso. Quando pessoas como eu têm a opção de se afastar da cada vez mais detestável grade de programas que os canais abertos oferecem, parece que nem tudo está perdido. Mas, longe de querer me igualar aos mais extremados e contundentes críticos, que acusam a televisão de todos os males do mundo, as coisas têm se encaixado com tal perfeição que parece que caminhamos com cada vez mas rapidez para um período de obscuridade cultural assustador.

Leio em algum lugar por aí que João Gordo - o apresentador metaleiro da emissora MTV - protagonizará um programa nos moldes do The Osbournes, também veiculado pela mesma emissora, em que a intimidade da família de um figurão do rock, Ozzy Osbourne, era vigiada na sua modorra cotidiana, com as poucas e insignificantes tensões que a filmagem da vida de uma família pode proporcionar, por mais famosa que sejam os elementos desta. João Gordo vai ter a sua vida e da sua mulher vigiada, enquanto faz as suas coisas de sempre, dentro do seu apartamento, para deleite da quantidade de espectadores que se dispuserem a assisti-lo. E eu me pergunto: pra quê isso? Uma vez descobertos, os tais reality shows se multiplicam nos mais diversos formatos e nas mais diferentes emissoras. Todos querem provar o gostinho da audiência elevada pela observação cotidiana do "nada" de alguém.

A noção assustadora de que, ao final de uma semana de trabalho (quando o tem), um membro de uma classe menos favorecida financeiramente tenha de ficar restrito no seu fim de semana aos maçantes programas de auditório em que se intercalam as maiores atrações populares em sua forma repetitiva e idiotizante de música, é quase como imaginar alguém condenado a viver em um buraco escuro e úmido, alimentando-se das pequenas porções de ração que alguém lhe joga à boca. Estas sensações musicais a que estes miseráveis culturais ficam restritos, tão gentilmente oferecidas para seu deleite, são a ração jogada à boca do condenado, grato por que, afinal, ao menos pode alimentar-se. Sem opões, é verdade. Imaginar que a ascensão destes grupos e cantores fabricados como produto midiático se deu pelo reconhecimento que as camadas populares lhes deram pelo ótimo divertimento oferecido, é enganar-se na ignorância. Ainda que estes fazedores de música sejam algumas vezes tão vítimas quanto os consumidores - uma vez que também estão cercados por sua própria e irrecuperável ignorância que os força a crer na qualidade e na necessidade de seu trabalho - é desesperador pensar que se possa reconhecer a validade de seu trabalho como forma de entretenimento para o mais miserável dos homens.

O que me obriga a destacar a tamanha diferença de nuances que os mundos polarizados dos mais e menos favorecidos apresentam, é quando penso o quão estranho é a possibilidade de pertencer ao primeiro grupo e ter todos os privilégios e sensações e opções e conhecimentos diversos que tal condição me oferece, e, ainda assim, ser quase obrigado a permanecer na conivência de quem tem que aceitar que a vida é assim mesmo (sempre existirão os esfarrapados, e a eles ofereçamos as sobras - inclusive e principalmente as culturais). Mesmo que o debate seja maior e se estenda e deva se estender principalmente ao processo inicial (sobre a forma de colocar alguma comida na boca de tantos famintos), a miséria pequena de cada dia também assusta e mostra suas garras com mais intensidade que os incautos podem perceber. E são cada vez maiores as chances de, realmente, não percebermos, mergulhados que estamos em um território de mesmice, num conformismo doido, aceitando tudo como a realidade incontornável que deve ser. Não se importar que sejam cada vez maiores os grupos musicais de encomenda a paparem prêmios em festivais de grandes emissoras, que cada vez mais tenhamos que estar passíveis frente ao emburrecimento de todo uma população na frente das idiotizantes telenovelas com suas tramas banais e absurdas, que achemos engraçado sujeitos se espancando em quadros televisivos com suas peculiares "pegadinhas", que os livros sejam bens de consumo inalcançáveis ao mais humilde e desejoso trabalhador braçal, e que cinema e teatro sejam praticamente uma piada para estes mesmos... Tudo isto forma uma armadilha perfeita para o nosso embrutecimento e aceitação do quadro como, realmente, imutável.

Parece que tais observações em nada se assemelham às do primeiro parágrafo deste texto, mas é esta miséria cotidiana que se soma à miséria dos famintos e contribui para que a civilização mergulhe cada vez mais em um manancial de barbaridades e futilidades que já não têm mais volta. Por que, se tem volta, eu não tenho a mínima idéia de qual é.


Alessandro Garcia
Porto Alegre, 17/6/2003


Mais Alessandro Garcia
Mais Acessadas de Alessandro Garcia em 2003
01. Sob o domínio do Mal - 5/8/2003
02. A pobreza cultural nossa de cada dia - 17/6/2003
03. O mundo aos olhos de um pescador - 26/8/2003
04. A aventura de educar os filhos - 22/7/2003
05. A ranhetice da égüinha pocotó - 7/3/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
7/7/2003
05h36min
Metade da população mundial viver na pobreza-miséria é horrível. Já metade da população mundial viver acima da linha de pobreza-miséria é ótimo. Isto quer dizer que está um por um. Se um do lado de cá alcançar a mão e içar um do lado de lá, a balança pende menos de um bilionésimo, agora se cada um do lado de cá estender a sua mão e içar apenas um do lado de lá, nós trazemos todo mundo, colocamos o barco no prumo. Não sou um conhecedor de história, mas parece-me que já estivemos várias vezes em situações bem mais desproporcionadas e para pior. Como aumentamos muito em número, ficaram mais evidentes a pobreza e a riqueza, salta mais aos olhos a disparidade e os problemas advindos daí. Não recomendo o conformismo, nem o pessimismo, sequer o realismo, ou o otimismo, todos causas de imobilismo, mas um pragmatismo positivo, para consigo e para com os outros, e que dentre esses outros esteja um dos outros aqueles, que afogam-se sob a linha da pobreza, a linha que demarca nosso medo, o medo de que ao estender a mão seremos puxados para baixo. Este medo não tem razão, porque quem se debate sob a linha d'água quer é ser guindado e não afundar outro. Quanto à pobreza e ao empobrecimento/embrutecimento cultural especificamente, sim é um fato, porém em grande medida por conta da imensa quantidade de informações disponíveis, o que tende a levar a uma impressão generalizada de banalização. Quando há super oferta o preço fica vil, joga-se a mercadoria fora, deixa-mo-la apodrecer, e quando tudo nos parece valer pouco ou nada, as próprias referências ficam prejudicadas, já não se fazendo muita distinção entre grama, litro, ou metro. O caos, ao perdurar, leva ao vazio, que leva à necessidade, que leva à busca, que volta a por preço no que é buscado. Uma vez, não há muito tempo, só tínhamos rádios AM e dois ou três canais de tv, não muito diferentes do que há hoje, e sobrevivemos. Depois vieram as FM, mais canais de tv e os vídeo-cassetes. Até hoje, com a tv por assinatura, o cd e o dvd, parece-me continuarmos quase na mesma. O que faz diferença é a internet, ainda pouco usada. O resto continua sendo, na quase totalidade, entretenimento e colonização. O i-reality show perfeito é o ser ibopapável olhando na tv seu brother, que em frente à sua big tv olha outro brother, que em frente à sua tv olha outro brother e assim por diante.
[Leia outros Comentários de Jean Scharlau]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A HUMANIDADE É ISENTA DE PECADO COMPILAÇÃO DE EXCERTOS ...
MASAHARU TANIGUCHI
SEICHO NO IE
(2008)
R$ 10,00



PICASSO EPOCAS AZUL Y ROSA
FRANK ELGAR
GUSTAVO GILI
(1971)
R$ 12,28



AZUL ALENTEJO
MONICA ALI
ROCCO
(2007)
R$ 5,00



REVISTA BRASILIENSE BIMESTRAL - Nº 31 SET-OUT DE 1960
ELIAS CHAVES NETO (DIRETOR RESPONSÁVEL)
BRASILIENSE (SP)
(1960)
R$ 19,82



FOCUS ON FAMILY LIFE
GLADYS M. HUNT
BAKER BOOK HOUSE
(1971)
R$ 25,00



ERGONOMIA NO AMBIENTE CONSTRUÍDO DE INSTITUIÇÕES PARA IDOSOS
MARIE MONIQUE BRUERE PAIVA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 489,00



P337 CONTATOS COM O DESCONHECIDO
PERRY RHODAN
OURO
(1987)
R$ 4,00



OS GRANDES LÍDERES FIDEL CASTRO
JOHN J VAIL
NOVA CULTURAL
(1986)
R$ 4,99



ISRAEL - A IGREJA E O PENTECOSTE
MARCELO MAGALHAES
AGAPE
(2012)
R$ 14,90



COMERCIALIZAÇÃO AGROPECUÁRIA MERCADO FUTURO E DE OPÇÕES
LEANDRO RENEU RIES E LUCIANO MEDICI ANTUNES
LIVRARIA AGROPECUÁRIA 2000
(2000)
R$ 40,00





busca | avançada
31843 visitas/dia
1,0 milhão/mês