A pobreza cultural nossa de cada dia | Alessandro Garcia | Digestivo Cultural

busca | avançada
74271 visitas/dia
2,0 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Inspirado nas Living Dolls, espetáculo de Dan Nakagawa tem Helena Ignez como atriz convidada
>>> As Caracutás apresentam temporada online de Tecendo Diálogos com bate-papo e oficina
>>> Obra de referência em nutrição de plantas ganha segunda edição revista e ampliada
>>> FAAP promove bate-papo com as atrizes Djin Sganzerla, Zezita Matos e com o diretor Allan Deberton
>>> Elísio Lopes Jr comanda oficina gratuita de dramaturgia nesta sexta-feira (27)
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Carol Sanches, poesia na ratoeira do mundo
>>> O fim dos livros físicos?
>>> A sujeira embaixo do tapete
>>> Moro no Morumbi, mas voto em Moema
>>> É breve a rosa alvorada
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
Colunistas
Últimos Posts
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
Últimos Posts
>>> O poder da história
>>> Caraminholas
>>> ETC. E TAL
>>> Acalanto para a alma
>>> Desde que o mundo é mundo
>>> O velho suborno
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Show him what he is like
>>> Machado polímata
>>> In the Line of Fire
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> A polêmica dos quadrinhos
>>> Ad Usum Juventutis
>>> Schopenhauer sobre o ofício de escritor
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Últimos Dias, de Gus Van Sant
>>> Poesia sem ancoradouro: Ana Martins Marques
Mais Recentes
>>> Passagens – Crises Previsíveis da Vida Adulta de Gail Sheehy pela Francisco Alves (1980)
>>> A Chave da Longevidade de Dr. Hugues Destrem pela Europa-América (1979)
>>> A Força da Saúde de Victor Hugo Belardinelli pela Movimento (2013)
>>> O Envelhecimento de Luiz Eugênio Garcez Leme pela Contexto (1997)
>>> Velhice - Culpada ou Inocente? de Carlos Eduardo Accioly Durgante pela Doravante (2008)
>>> Envelhecimento Bem-Sucedido de Newton Luiz Terra e Beatriz Dornelles (Orgs.) pela Edipucrs (2003)
>>> Naturalmente Mais Jovem de Roxy Dillon pela Sextante (2016)
>>> Direito Administrativo Descomplicado de Marcelo Alexandrino e Vicente Paulo pela Método (2019)
>>> Tópicos de Matemática Aplicada de Luiz Roberto Dias de Macedo, Nelson Pereira Castanheira e Alex Rocha pela Intersaberes (2018)
>>> Gestão de Custos de Carlos Ubiratan da Costa Schier pela Ibpex (2011)
>>> Ética Empresarial na Prática de Mario Sergio Cunha Alencastro pela Intersaberes (2016)
>>> Gestão Socioambiental no Brasil de Rodrigo Berté pela Intersaberes Dialógica (2013)
>>> Ferramentas Para a Moderna Gestão Empresarial - Teoria, Implementação e Prática de Maria Inês Caserta Scatena pela Intersaberes Dialógica (2012)
>>> O rio do tempo de Hernani Donato pela Círculo do livro (1976)
>>> O menino de areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1986)
>>> Breton/ Trotski - Por uma arte revolucionária independente de Valentim Facioli pela Paz e Terra (1985)
>>> Dize-me com quem andas de Mary McCarthy pela Civilização Brasileira (1967)
>>> Uma vida encantada de Mary McCarthy pela Civilização Brasileira (1967)
>>> Quem vai fazer a chuva parar? de Robert Stone pela Companhia das letras (1988)
>>> Meus amigos de Emmanuel Bove pela Companhia das letras (1987)
>>> Rastro do fogo que se afasta de Luis Goytisolo pela Companhia das letras (1988)
>>> Vista do amanhecer no Trópico de G. Cabrera Infante pela Companhia das letras (1988)
>>> Tebas do meu coração de Nélida Piñon pela José Olympio (1974)
>>> A república dos sonhos de Nélida Piñon pela Francisco Alves (1984)
>>> O caso Morel de Ruben Fonseca pela Artenova (1973)
>>> E do meio do mundo prostituto só amores guardei do meu charuto/História de amor (Box) de Ruben Fonseca pela Companhia das letras (1997)
>>> A marcha Húngara de Henri Coulonges pela Difel (1994)
>>> A mais que branca de José Geraldo Vieira pela Melhoramentos (1975)
>>> Sobras completas de Nelson Motta pela Nova fronteira (1984)
>>> O Amor é a Melhor Estratégia de Tim Sanders pela Sextante (2003)
>>> Seria trágico... se não fosse cômico: Humor e Psicanálise de Abrão Slavutzky; Daniel Kupermann pela Civilização Brasileira (2005)
>>> Dez Coisas que Eu Amo em Você - Trilogia Bevelstoke Livro 3 de Julia Quinn pela Arqueiro (2020)
>>> S.O.S. Dinâmica de Grupo de Albigenor & Rose Militão pela QualityMark (2001)
>>> Constelação Familiar de Divaldo Franco pela Livraria Espírita Alvorada (2009)
>>> Outlander: A Viajante do Tempo - Livro 1 de Diana Gabaldon pela Saída de Emergência (2014)
>>> Investimentos Inteligentes (Para Conquistar e Multiplicar o Seu Primeiro Milhão) de Gustavo Cerbasi pela Thomas Nelson Brasil (2008)
>>> El Cuaderno de Maya de Isabel Allende pela Sudamericana (2011)
>>> A Cama na Varanda: Arejando Nossas Idéias a Respeito de Amor e Sexo de Regina Navarro Lins pela Rocco (2000)
>>> A Vida é Bela no Trabalho de Dominique Glocheux pela Sextante
>>> Eugène Delacroix 1798-1863: O Príncipe do Romantismo de Gilles Néret pela Taschen (2001)
>>> Agora Aqui Ninguém Precisa de Si de Arnaldo Antunes pela Companhia das Letras (2015)
>>> Nu de Botas de Antonio Prata pela Companhia das Letras (2013)
>>> Trilogia Suja de Havana de Pedro Juan Gutiérrez pela Companhia das Letras (1999)
>>> As Religiões no Rio de João do Rio pela Jose Olympio (2015)
>>> A Teoria da Causa Madura no Processo do Trabalho de Ben-hur Silveira Claus pela Ltr (2019)
>>> Pimentas de Raul Lody pela Nacional (2018)
>>> Zen a a Arte de Manutenção de Motocicletas de Robert M. Pirsig pela Paz e Terra (1984)
>>> Monobloco - uma Biografia de Leo Morel pela Azougue (2015)
>>> Lei Antiterror Anotada - Lei 13. 260 de Acácio Miranda Silva Filho, Alex Wilson Ferreira pela Foco (2018)
>>> Marketing de Nichos de Alexandre Luzzi las Casas pela Atlas (2015)
COLUNAS

Terça-feira, 17/6/2003
A pobreza cultural nossa de cada dia
Alessandro Garcia

+ de 9400 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Vivemos em um terrível mundo de disparidades, em que as extremidades realmente saltam aos olhos pelas diferenças de universos em que estão inseridas e isto não é mais novidade para ninguém. Ainda assim, por vezes, eu permito me chocar quando me dou ao trabalho de pensar, onde, meu Deus, vamos acabar todos. Passando por cima de todas as admoestações políticas, que não servem para este espaço (e nem tenho cacife para tentar engendrar algum tipo de consideração do gênero), o mundo há tempos está insurgido por lutas que pedem igualdade de condições para todos e condições menos horripilantes de miséria a que metade do mundo está condenada. A OIT - Organização Internacional do Trabalho, braço da Organização das Nações Unidas, acaba de revelar a informação de que cerca de três bilhões de pessoas - logo, a metade da população do planeta - vive na pobreza com uma renda de menos de US$ 2 por dia. São quase todas pessoas que moram em países em desenvolvimento. Não, não me estenderei ainda mais por dados que possam ressaltar todo o caráter político por trás de informações como esta, pelos motivos que enunciei acima. O que me vale de mote é quando dados como estes se apresentam a mim de maneira tão crua e assustadora, mas que, na realidade, servem também como indicadores da miséria nossa de cada dia a que estamos mergulhados e que cada vez mais se reflete a partir destas constatações.

Sem qualquer sentimento de culpa pelo profundo mal-estar do mundo, é profundamente irônico ler estas informações quando navego pelos sites a procura de novidades no universo cultural. Não porque me deixe relevar por grandiosos sentimentos de piedade para com o próximo - ainda que isto exista em mim. Mas é que junto com estes fatos, vai se somando a tal miséria nossa de cada dia que aparece em porcentagens e em fatos menos assustadores do que a imagem de uma criança desnutrida a rastejar pelo chão árido de algum país distante ou em alguma viela muito próxima. A tal miséria nossa de cada dia se revela em cada passada de olhos pelos canais de televisão. Na medida em que cada vez mais nos afundamos nas mazelas apresentadas por toda esta gama de programas que infestam as tardes malditas da tv aberta, mais se torna palpável aos mais atentos, a sordidez das pobres vidinhas que se dobram aos apelos destes programetes. Para alguns ainda é possível manter um distanciamento através, por exemplo, de algum canal de tv por assinatura - o que é o meu caso. Quando pessoas como eu têm a opção de se afastar da cada vez mais detestável grade de programas que os canais abertos oferecem, parece que nem tudo está perdido. Mas, longe de querer me igualar aos mais extremados e contundentes críticos, que acusam a televisão de todos os males do mundo, as coisas têm se encaixado com tal perfeição que parece que caminhamos com cada vez mas rapidez para um período de obscuridade cultural assustador.

Leio em algum lugar por aí que João Gordo - o apresentador metaleiro da emissora MTV - protagonizará um programa nos moldes do The Osbournes, também veiculado pela mesma emissora, em que a intimidade da família de um figurão do rock, Ozzy Osbourne, era vigiada na sua modorra cotidiana, com as poucas e insignificantes tensões que a filmagem da vida de uma família pode proporcionar, por mais famosa que sejam os elementos desta. João Gordo vai ter a sua vida e da sua mulher vigiada, enquanto faz as suas coisas de sempre, dentro do seu apartamento, para deleite da quantidade de espectadores que se dispuserem a assisti-lo. E eu me pergunto: pra quê isso? Uma vez descobertos, os tais reality shows se multiplicam nos mais diversos formatos e nas mais diferentes emissoras. Todos querem provar o gostinho da audiência elevada pela observação cotidiana do "nada" de alguém.

A noção assustadora de que, ao final de uma semana de trabalho (quando o tem), um membro de uma classe menos favorecida financeiramente tenha de ficar restrito no seu fim de semana aos maçantes programas de auditório em que se intercalam as maiores atrações populares em sua forma repetitiva e idiotizante de música, é quase como imaginar alguém condenado a viver em um buraco escuro e úmido, alimentando-se das pequenas porções de ração que alguém lhe joga à boca. Estas sensações musicais a que estes miseráveis culturais ficam restritos, tão gentilmente oferecidas para seu deleite, são a ração jogada à boca do condenado, grato por que, afinal, ao menos pode alimentar-se. Sem opões, é verdade. Imaginar que a ascensão destes grupos e cantores fabricados como produto midiático se deu pelo reconhecimento que as camadas populares lhes deram pelo ótimo divertimento oferecido, é enganar-se na ignorância. Ainda que estes fazedores de música sejam algumas vezes tão vítimas quanto os consumidores - uma vez que também estão cercados por sua própria e irrecuperável ignorância que os força a crer na qualidade e na necessidade de seu trabalho - é desesperador pensar que se possa reconhecer a validade de seu trabalho como forma de entretenimento para o mais miserável dos homens.

O que me obriga a destacar a tamanha diferença de nuances que os mundos polarizados dos mais e menos favorecidos apresentam, é quando penso o quão estranho é a possibilidade de pertencer ao primeiro grupo e ter todos os privilégios e sensações e opções e conhecimentos diversos que tal condição me oferece, e, ainda assim, ser quase obrigado a permanecer na conivência de quem tem que aceitar que a vida é assim mesmo (sempre existirão os esfarrapados, e a eles ofereçamos as sobras - inclusive e principalmente as culturais). Mesmo que o debate seja maior e se estenda e deva se estender principalmente ao processo inicial (sobre a forma de colocar alguma comida na boca de tantos famintos), a miséria pequena de cada dia também assusta e mostra suas garras com mais intensidade que os incautos podem perceber. E são cada vez maiores as chances de, realmente, não percebermos, mergulhados que estamos em um território de mesmice, num conformismo doido, aceitando tudo como a realidade incontornável que deve ser. Não se importar que sejam cada vez maiores os grupos musicais de encomenda a paparem prêmios em festivais de grandes emissoras, que cada vez mais tenhamos que estar passíveis frente ao emburrecimento de todo uma população na frente das idiotizantes telenovelas com suas tramas banais e absurdas, que achemos engraçado sujeitos se espancando em quadros televisivos com suas peculiares "pegadinhas", que os livros sejam bens de consumo inalcançáveis ao mais humilde e desejoso trabalhador braçal, e que cinema e teatro sejam praticamente uma piada para estes mesmos... Tudo isto forma uma armadilha perfeita para o nosso embrutecimento e aceitação do quadro como, realmente, imutável.

Parece que tais observações em nada se assemelham às do primeiro parágrafo deste texto, mas é esta miséria cotidiana que se soma à miséria dos famintos e contribui para que a civilização mergulhe cada vez mais em um manancial de barbaridades e futilidades que já não têm mais volta. Por que, se tem volta, eu não tenho a mínima idéia de qual é.


Alessandro Garcia
Porto Alegre, 17/6/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Nos escuros dos caminhos noturnos de Elisa Andrade Buzzo
02. A confissão de Lúcio: as noites cariocas de Rangel de Renato Alessandro dos Santos
03. Estevão Azevedo e os homens em seus limites de Guilherme Carvalhal
04. Revolusséries de Luís Fernando Amâncio
05. Alice in Chains, por David De Sola de Luís Fernando Amâncio


Mais Alessandro Garcia
Mais Acessadas de Alessandro Garcia em 2003
01. Sob o domínio do Mal - 5/8/2003
02. A pobreza cultural nossa de cada dia - 17/6/2003
03. O mundo aos olhos de um pescador - 26/8/2003
04. A aventura de educar os filhos - 22/7/2003
05. A ranhetice da égüinha pocotó - 7/3/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
7/7/2003
05h36min
Metade da população mundial viver na pobreza-miséria é horrível. Já metade da população mundial viver acima da linha de pobreza-miséria é ótimo. Isto quer dizer que está um por um. Se um do lado de cá alcançar a mão e içar um do lado de lá, a balança pende menos de um bilionésimo, agora se cada um do lado de cá estender a sua mão e içar apenas um do lado de lá, nós trazemos todo mundo, colocamos o barco no prumo. Não sou um conhecedor de história, mas parece-me que já estivemos várias vezes em situações bem mais desproporcionadas e para pior. Como aumentamos muito em número, ficaram mais evidentes a pobreza e a riqueza, salta mais aos olhos a disparidade e os problemas advindos daí. Não recomendo o conformismo, nem o pessimismo, sequer o realismo, ou o otimismo, todos causas de imobilismo, mas um pragmatismo positivo, para consigo e para com os outros, e que dentre esses outros esteja um dos outros aqueles, que afogam-se sob a linha da pobreza, a linha que demarca nosso medo, o medo de que ao estender a mão seremos puxados para baixo. Este medo não tem razão, porque quem se debate sob a linha d'água quer é ser guindado e não afundar outro. Quanto à pobreza e ao empobrecimento/embrutecimento cultural especificamente, sim é um fato, porém em grande medida por conta da imensa quantidade de informações disponíveis, o que tende a levar a uma impressão generalizada de banalização. Quando há super oferta o preço fica vil, joga-se a mercadoria fora, deixa-mo-la apodrecer, e quando tudo nos parece valer pouco ou nada, as próprias referências ficam prejudicadas, já não se fazendo muita distinção entre grama, litro, ou metro. O caos, ao perdurar, leva ao vazio, que leva à necessidade, que leva à busca, que volta a por preço no que é buscado. Uma vez, não há muito tempo, só tínhamos rádios AM e dois ou três canais de tv, não muito diferentes do que há hoje, e sobrevivemos. Depois vieram as FM, mais canais de tv e os vídeo-cassetes. Até hoje, com a tv por assinatura, o cd e o dvd, parece-me continuarmos quase na mesma. O que faz diferença é a internet, ainda pouco usada. O resto continua sendo, na quase totalidade, entretenimento e colonização. O i-reality show perfeito é o ser ibopapável olhando na tv seu brother, que em frente à sua big tv olha outro brother, que em frente à sua tv olha outro brother e assim por diante.
[Leia outros Comentários de Jean Scharlau]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O HORROR ECONOMICO
VIVIANE FORRESTER
UNESP
(1997)
R$ 9,00



A FORCA DO SER VIVO
JEAN DORST
MELHORAMENTOS
(1981)
R$ 5,00



PEDRO MALASARTES EM QUADRINHOS
STELA BARBIERI; FERNANDO VILELA
MODERNA
(2008)
R$ 25,00



ALIMENTO DIÁRIO - O MINISTÉRIO ULTERIOR DO ...
DONG YU LAN
ÁRVORE DA VIDA
(2008)
R$ 7,00



TIJOLO DE SEGURANÇA
CARLOS HEITOR CONY
OBJETIVA
(2005)
R$ 39,90



NOTÍCIAS DO ALÉM
FRANCISCO CANDIDO XAVIER
IDE
(1980)
R$ 5,00



CAMINHOS DE FELICIDADE
PADRE JUCA
VOZES
(1991)
R$ 7,00



FERIDAS DA ALMA
PE. REGINALDO MANZOTTI
AGIR
(2012)
R$ 8,80



COZINHA VEGETARIANA - MILHO - 1ª EDIÇÃO
CAROLINE BERGEROT
CULTRIX
(2004)
R$ 20,00



NOVA ANTROPOLOGIA VOLUME 3 - ANTROPOLOGIA SOCIAL
H. G. GADAMER / P. VOGLER (ORGANIZAÇÃO)
EDUSP/EPU
(1977)
R$ 18,00





busca | avançada
74271 visitas/dia
2,0 milhões/mês