A insustentável leveza da poesia de Sérgio Alcides | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
76521 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Rodolpho Parigi participa de live da FAAP
>>> Para fugir de ex-companheiro brasileira dá volta ao mundo com pouco dinheiro
>>> Zé Guilherme encerra série EntreMeios com participação da cantora Vania Abreu
>>> Bricksave oferece vistos em troca de investimentos em Portugal
>>> Projeto ‘Benzedeiras, tradição milenar de cura pela fé’ é lançado em multiplataformas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 9/11 books
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Cidade de Deus, de Paulo Lins
>>> Humberto Alitto
>>> Orra, meu
>>> A forca de cascavel — Angústia (Fuvest)
>>> Meu tio
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> Tarde, de Paulo Henriques Britto
>>> Curitiba
Mais Recentes
>>> Revista Viagem e Turismo - Ano 20 – Nº 2 - Quatro Roteiros na Itália Pra Ver Antes de Morrer de Vários Autores pela Abril (2015)
>>> Guia do Executivo Porto Alegre 1998 de Vários Autores pela Gazeta Mercantil (1998)
>>> Guia Quatro Rodas Brasil 2002 de Vários Autores pela Abril (2002)
>>> Éfeso de Naci Keskin pela Keskin Colors (2012)
>>> Clube do Livro, Ser Leitor - que diferença faz? de Luzia de Maria pela Literária (2009)
>>> The Good Life Guide to Sydney de Tessa Mountstephens pela Hark! (1996)
>>> Matemática - 8º Ano - 6º Edição de Edwaldo Bianchini pela Moderna (2006)
>>> Encontro com a Begõnia de Nilza de Oliveira pela Imagem (2014)
>>> Buenos Aires de Boca a River de Joaquim da Fonseca pela Artes e Ofícios (1996)
>>> Brisa Bia, Brisa Bel de Ana Maria Machado pela Record (1999)
>>> Barcelona – Um Ano Com 365 Dias de Marcos Eizerik pela Age (2008)
>>> De Mala e Cuia – Tudo o Que Você Precisa Saber Para Morar, Estudar, Trabalhar e se Divertir na Europa de Adriana Setti pela Jaboticaba (2005)
>>> Quebra de Confiança de Quebra de Confiança Harlan Coben pela Arqueiro (2011)
>>> Viajando pela Europa e Pelo Mundo de José Cretella Júnior pela T. A. Queiroz (1985)
>>> Silêncio na Floresta de Harlan Coben pela Benvirá (2009)
>>> A Nova História Cultural de Lynn Hunt pela Martins Fontes (1992)
>>> O Livro dos Espíritos de Allan Kardec pela Círculo do Livro (1993)
>>> Não Conte a Ninguém de Harlan Coben pela Arqueiro (2009)
>>> Cyrano de Bergerac de Edmond Rostand pela Nova Cultural (2003)
>>> O Livro dos Incensos de Steven R. Smith pela Roca (1994)
>>> Confie Em Mim de Harlan Coben pela Arqueiro (2009)
>>> Romeu e Julieta - Macbeth - Otelo, O Mouro de Veneza de William Shakespeare pela Nova Cultural (2003)
>>> Consciência Cósmica de Rosabis Camaysar pela Lorenz (1994)
>>> Alta Tensão de Harlan Coben pela Arqueiro (2011)
>>> Os Sentidos do Trabalho - Ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho de Ricardo Antunes pela Boitempo (2000)
>>> Luta Armada no Brasil do Anos 60 e 70 de Jaime Sautchuk pela Anita Garibaldi (1995)
>>> Jogada Mortal de Harlan Coben pela Arqueiro (2011)
>>> Quando Ela Se Foi de Harlan Coben pela Arqueiro (2011)
>>> Descartes The Project of Pure Enquiry de Bernard Williams pela Routledge (2005)
>>> Desaparecido para Sempre de Harlan Coben pela Arqueiro (2010)
>>> Seis Anos Depois de Harlan Coben pela Arqueiro (2014)
>>> Estatuto da Criança e do Adolescente de Vários Autores pela Pmpa (2003)
>>> O Inocente de Harlan Coben pela Arqueiro (2013)
>>> A Dama das Camélias de Alexandre Dumas Filho pela Nova Cultural (2003)
>>> Equilíbrio Total Através da Parapsicologia de Miguel Lucas pela Almed (1981)
>>> Casa de Bonecas de Henrik Ibsen pela Nova Cultural (2003)
>>> O Poder da Oração para Mulheres de Jackie M. Johnson pela Povket ouro (2013)
>>> Jesus como Terapeuta - O Poder Curador das Palavras de Anselm Grün pela Vozes (2013)
>>> Manual do Astrônomo Amador de Jean Nicolini pela Papirus (1991)
>>> As Três Irmãs de Anton Tchekov pela Nova Cultural (2002)
>>> Constituição da República Federativa do Brasil de Alexandre de Moraes (Org.) pela Atlas (2001)
>>> Constituição da República Federativa do Brasil de Vários Autores pela Saraiva (2000)
>>> O Livro Secreto do Banheiro Feminino de Jo Barrett pela Essência/Planeta (2008)
>>> Código de Hamurabi – Código de Manu – Lei das XII Tábuas de Jair Lot Vieira (Superv.) pela Edipro (2002)
>>> Manual de Prática Forense Civil de Edson Cosac Bortolai pela Revista dos Tribunais (2003)
>>> Vade Mecum Método Cívil 2016 de Vários Autores pela Método (2016)
>>> Nossa próxima atração. O interprograma do Canal 3 de Mário Fanucchi pela Edusp (1996)
>>> Evaristo de Moraes Filho – 100 Anos de Vida Contribuição à Sociologia e ao Direito do Trabalho de Eliana Gonçalves da Fonte Pessanha e Outros (Orgs.) pela Ministério do Trabalho (2016)
>>> O tempo e a alma de Jacob Needleman pela Ediouro (1999)
>>> A Revolução de 1930 - História e Historiografia de Boris Fausto pela Companhia das Letras (2015)
COLUNAS

Terça-feira, 28/5/2013
A insustentável leveza da poesia de Sérgio Alcides
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 4600 Acessos

Sérgio Alcides é poeta, tradutor, ensaísta e historiador. Publicou os livros de poesia: Nada a ver com a lua, pela editora Sette Letras, em 1996 e O ar das cidades, pela Nankin, em 2000. Traduziu junto com Ronald Polito o livro Poemas civis, de Joan Brossa e Almanaque das horas, de Julio Torri. Traduziu também obras de Ted Hughes. É autor do ensaio Estes penhascos: Claudio Manoel da Costa e a paisagem das Minas, editado pela Hucitec.

O último livro de poesias de Sérgio Alcides, que comentaremos aqui, Píer, lançado pela Editora 34, passeia pelas paragens da tensão entre a quietude desejada, a evasão sonhada, e o momento da dissolução desse momento de suspensão.

Na capa do livro aparece a imagem de um homem na praia, dando um salto mortal, tendo ao fundo as ondas do mar, frequentadas por alguns banhistas. O salto é congelado pela fotografia, dando ao espectador da foto a sensação de uma vitória sobre a gravidade. Essa leveza, insustentável pelos nossos corpos, somente pode ser criada pela arte. Mas o poeta, além de todos os artistas, é quem mais sabe sobre a impossibilidade de se manter o salto no ar. Anjo decaído, o poeta sabe fazer, no entanto, da consciência dessa leveza, pronta para desabar, sua poesia.

A definição de píer se faz necessária: é uma passarela sobre a água, suportada por largas estacas ou pilares que permite que marés e correntes fluam quase desimpedidas sob a sua estrutura. Em fotografias, o píer oferece a imagem de um lugar propício à meditação e/ou contemplação, aos estados de leveza que se sobrepõem à agitação das águas ao redor. Então, embora ofereça um estado de paz, a imagem guarda em si, ao mesmo tempo, a contradição entre o peso das massas líquidas em constante mutação e a leveza de uma ponte sobre o qual se contempla a dissolução constante desse movimento. Metáfora perfeita para a poesia de Sérgio Alcides.

O primeiro poema do livro, "Prelúdio", se abre com essas belas imagens da evasão, próximas daquela que os monges budistas encontram: "Tudo quietude, tudo/ flutua sem sombra, sem/ nenhuma ponderação./ O sono dos animais/ em seus corpos recolhidos/ imita a respiração/ macia das almofadas,/ e os sofás já se esqueceram/ de toda a conversação. O pêndulo apenas pensa/ no pulso, dentro da caixa./ Salta da parede o branco/ na frente das coloridas/ telas, que vão se despindo/ de seu alarde, de sua/ murmuração. (...)"

Esse branco da parede (o "Nada" búdico?) que se sobrepõe, num zoom dado pelo poeta, ao colorido das telas, indica a resolução do poema, o momento do encontro "claro, tubular, isento,/ e, súbito, sem retorno" onde o minuto é espetado em seu total silêncio.

Mas se pensarmos no conjunto do livro, essa quietude não se sustenta, pois a guerra travada entre este estado de flutuação e a queda já se faz perceber no poema seguinte "Está caindo", onde o mundo real da circunstância é oposição ao olho da poesia, uma ranhura, uma "poeira que está caindo,/ cobrindo as mercadorias." E a consequência é que impede de "deixar de ver/ - através - a poesia."

Outro poema interessante para se pensar essa tensão entre quietude e insustentabilidade do estado poético desejado é "Eis que desvanece". Num sobrevoo (como na foto da capa) sobre a realidade, o poeta deixa "a cidade nublada" com o pensamento "dando voltas, em branco" (o branco novamente). Mas eis que "o carrinho da hipocrisia", a realidade, desperta o poeta. "O que vou beber? A laranjada, a marca da laranjada, o inválido/ cálice." Cortado do oásis, no entanto, ele retoma sua escolha pela evasão: "Melhor é a sede. E bebo o voo."

O poema "Mito" cobra a dívida do delito de Ícaro (que também quer transcender o peso dos corpos com seu voo ao infinito) e seu "mergulho imperfeito": "a divindade/ (fingindo-se ofendida) assim castigou:/ firmar-se entre as metamorfoses,/ nunca parar de ir sem sair do lugar." Como uma espécie de corrente marítima, num vai e vem intermitente, o poema relata essa luta infinda entre "a revolução dos corpos celestes" e a "sombra imóvel", essa tensão que, enfim, funda o que para o poeta é o Mito: a poesia.

Como no poema "Mito", também em "Preamar" o píer se faz elemento de importância, no primeiro caso como observador da cena (ou olho do poeta), no segundo caso, talvez, a própria persona do poeta "que espera,/ a mesma areia, o mesmo aéreo/ manguezal debaixo do desabamento/ de luz sobre a composição da paisagem (...)".

Diferente da "paixão das águas lunáticas" que se oferece em metamorfoses, "sempre as mesmas", mas também "sempre outras", a paixão do poeta transmutado em píer é "pensar que permanece". Esse seria seu pré-amar, o saber-se tensionado entre o desejo de "reencontrar o sal deixado pelo amor/ de véspera" e sua posição de quem "auspicia sem convicção a lei da volta".

Em "Minh´alma" a tensão também se faz presente, essa interrogação como "infecção maior": "Quem luta em mim pelo poema agora?" Na página anterior, em "Blateração" algumas respostas: "quem rouba o fogo junta palavras". Aquele que sabe, o olho da consciência, o poeta, o que narra não as aventuras da história, a vero-semelhança, mas o recriar da vida em narrativa improváveis, pois que contaminado por suas próprias paixões indescritíveis. Ainda: "Cada cabeça (surda?), uma sentença (muda?)". O poema, enfim, é "Aparição": a revelação de "algo que desapareceu". Pura blateração?

As oposições não param, como se dá também no poema "Côa", em que "a areia se esquece fácil, mas o píer não". O confronto entre o peso das paixões humanas e o desejo de sua transcendência é latente. "Mesmo chorando por dentro, a areia/ é da alegria, muito pronta e granulada/ para aceitar o banho do sol por cima". O píer seria o contrário.

Também em "Geometria", o píer é a oposição ao estado de perfeição: "Rio desenganado, desertor do círculo/ que ele mesmo supõe, o píer não tem orla,/ apenas imaginações". Enquanto o píer "atira-se", "só a paisagem fica no lugar de sempre (...)", "mas o píer, como régua amanhecida,/ ao acordar já está medindo a curvatura". Essa tensão opõe-se à imagem do píer como o lugar de um ponto de equilíbrio sobre o qual se pode vislumbrar com olhos de superioridade a agitação ao redor. Tomado pelas razões do mundo, que a sua consciência atravessa, "Só a paisagem fica quieta na moldura/ que o píer atravessa, perpendicular".

A situação se aguça, quando em "Global" o poeta irrita-se in extremis e, numa espécie de barca do inferno, faz sua viagem ao "coração da treva". O poema é um relato dessa passagem ao inferno do consumismo programado, das existências naufragadas nesse domingo feliz da tirania do capital que aos seus prisioneiros diz: "fique à vontade no horror, meu senhor".

Mas o poeta não deixa também de se regozijar com a aventura da existência, pois mesmo que suas palavras produzam a tensão do "céu azul que sangra no sertão", como no último poema do livro, "Reverdece", produz também o encanto do que renasce, pois num momento uma árvore está nua "antes da primeira manhã", mas em seguida "reverdece" para que ele possa "levar para a amada as primeiras flores roxas": esses poemas que compõem Píer.

Para ir além:



Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 28/5/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Caras e bocas e um bolo abatumado de Marcelo Spalding
02. Revisitar-se ou não, eis a questão de Pilar Fazito


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2013
01. A Última Ceia de Leonardo da Vinci - 12/2/2013
02. Mondrian: a aventura espiritual da pintura - 22/1/2013
03. Gerald Thomas: arranhando a superfície do fundo - 26/2/2013
04. Cinquenta tons de cinza no mundo real - 3/9/2013
05. O corpo-reconstrução de Fernanda Magalhães - 18/6/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




AS BRUMAS DE AVALON 2 - A GRANDE RAINHA
MARION ZIMMER BRADLEY
N/D
R$ 12,00



ALÉM DA MORTE
STANISLAV E CHRISTINA GROF
DEL PRADO
(1996)
R$ 50,00



A TAPAS E PONTAPÉS
DIOGO MAINARDI
RECORD
(2004)
R$ 9,90



CÂNTICOS
CECÍLIA MEIRELES
MODERNA
(1995)
R$ 25,00
+ frete grátis



A VERDADE DA VIDA VOL 38 - FELICIDADE 2
MASAHARU TANIGUCHI
SEICHO-NO- IE
(2006)
R$ 15,00
+ frete grátis



SOUL EATER NOT! 1
ATSUSHI OHKUBO
JBC
(2014)
R$ 10,00



CONTRATO COM O BRASIL
JAIME ROTSTEIN
TOPBOOKS
(2000)
R$ 5,00



MANUAL CF 97 - FRATERNIDADE E OS ENCARCERADOS
CAMPANHA DA FRATERNIDADE
SALESIANAS
R$ 15,00



COLETIVO 21
ADRIANO MACEDO
GRUPO AUTÊNTICA
(2011)
R$ 14,90



O FEITIÇO DO AMOR
HEINZ G. KONSALIK
RECORD
R$ 12,00





busca | avançada
76521 visitas/dia
2,1 milhões/mês