A insustentável leveza da poesia de Sérgio Alcides | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
57441 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 28/5/2013
A insustentável leveza da poesia de Sérgio Alcides
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 4500 Acessos

Sérgio Alcides é poeta, tradutor, ensaísta e historiador. Publicou os livros de poesia: Nada a ver com a lua, pela editora Sette Letras, em 1996 e O ar das cidades, pela Nankin, em 2000. Traduziu junto com Ronald Polito o livro Poemas civis, de Joan Brossa e Almanaque das horas, de Julio Torri. Traduziu também obras de Ted Hughes. É autor do ensaio Estes penhascos: Claudio Manoel da Costa e a paisagem das Minas, editado pela Hucitec.

O último livro de poesias de Sérgio Alcides, que comentaremos aqui, Píer, lançado pela Editora 34, passeia pelas paragens da tensão entre a quietude desejada, a evasão sonhada, e o momento da dissolução desse momento de suspensão.

Na capa do livro aparece a imagem de um homem na praia, dando um salto mortal, tendo ao fundo as ondas do mar, frequentadas por alguns banhistas. O salto é congelado pela fotografia, dando ao espectador da foto a sensação de uma vitória sobre a gravidade. Essa leveza, insustentável pelos nossos corpos, somente pode ser criada pela arte. Mas o poeta, além de todos os artistas, é quem mais sabe sobre a impossibilidade de se manter o salto no ar. Anjo decaído, o poeta sabe fazer, no entanto, da consciência dessa leveza, pronta para desabar, sua poesia.

A definição de píer se faz necessária: é uma passarela sobre a água, suportada por largas estacas ou pilares que permite que marés e correntes fluam quase desimpedidas sob a sua estrutura. Em fotografias, o píer oferece a imagem de um lugar propício à meditação e/ou contemplação, aos estados de leveza que se sobrepõem à agitação das águas ao redor. Então, embora ofereça um estado de paz, a imagem guarda em si, ao mesmo tempo, a contradição entre o peso das massas líquidas em constante mutação e a leveza de uma ponte sobre o qual se contempla a dissolução constante desse movimento. Metáfora perfeita para a poesia de Sérgio Alcides.

O primeiro poema do livro, "Prelúdio", se abre com essas belas imagens da evasão, próximas daquela que os monges budistas encontram: "Tudo quietude, tudo/ flutua sem sombra, sem/ nenhuma ponderação./ O sono dos animais/ em seus corpos recolhidos/ imita a respiração/ macia das almofadas,/ e os sofás já se esqueceram/ de toda a conversação. O pêndulo apenas pensa/ no pulso, dentro da caixa./ Salta da parede o branco/ na frente das coloridas/ telas, que vão se despindo/ de seu alarde, de sua/ murmuração. (...)"

Esse branco da parede (o "Nada" búdico?) que se sobrepõe, num zoom dado pelo poeta, ao colorido das telas, indica a resolução do poema, o momento do encontro "claro, tubular, isento,/ e, súbito, sem retorno" onde o minuto é espetado em seu total silêncio.

Mas se pensarmos no conjunto do livro, essa quietude não se sustenta, pois a guerra travada entre este estado de flutuação e a queda já se faz perceber no poema seguinte "Está caindo", onde o mundo real da circunstância é oposição ao olho da poesia, uma ranhura, uma "poeira que está caindo,/ cobrindo as mercadorias." E a consequência é que impede de "deixar de ver/ - através - a poesia."

Outro poema interessante para se pensar essa tensão entre quietude e insustentabilidade do estado poético desejado é "Eis que desvanece". Num sobrevoo (como na foto da capa) sobre a realidade, o poeta deixa "a cidade nublada" com o pensamento "dando voltas, em branco" (o branco novamente). Mas eis que "o carrinho da hipocrisia", a realidade, desperta o poeta. "O que vou beber? A laranjada, a marca da laranjada, o inválido/ cálice." Cortado do oásis, no entanto, ele retoma sua escolha pela evasão: "Melhor é a sede. E bebo o voo."

O poema "Mito" cobra a dívida do delito de Ícaro (que também quer transcender o peso dos corpos com seu voo ao infinito) e seu "mergulho imperfeito": "a divindade/ (fingindo-se ofendida) assim castigou:/ firmar-se entre as metamorfoses,/ nunca parar de ir sem sair do lugar." Como uma espécie de corrente marítima, num vai e vem intermitente, o poema relata essa luta infinda entre "a revolução dos corpos celestes" e a "sombra imóvel", essa tensão que, enfim, funda o que para o poeta é o Mito: a poesia.

Como no poema "Mito", também em "Preamar" o píer se faz elemento de importância, no primeiro caso como observador da cena (ou olho do poeta), no segundo caso, talvez, a própria persona do poeta "que espera,/ a mesma areia, o mesmo aéreo/ manguezal debaixo do desabamento/ de luz sobre a composição da paisagem (...)".

Diferente da "paixão das águas lunáticas" que se oferece em metamorfoses, "sempre as mesmas", mas também "sempre outras", a paixão do poeta transmutado em píer é "pensar que permanece". Esse seria seu pré-amar, o saber-se tensionado entre o desejo de "reencontrar o sal deixado pelo amor/ de véspera" e sua posição de quem "auspicia sem convicção a lei da volta".

Em "Minh´alma" a tensão também se faz presente, essa interrogação como "infecção maior": "Quem luta em mim pelo poema agora?" Na página anterior, em "Blateração" algumas respostas: "quem rouba o fogo junta palavras". Aquele que sabe, o olho da consciência, o poeta, o que narra não as aventuras da história, a vero-semelhança, mas o recriar da vida em narrativa improváveis, pois que contaminado por suas próprias paixões indescritíveis. Ainda: "Cada cabeça (surda?), uma sentença (muda?)". O poema, enfim, é "Aparição": a revelação de "algo que desapareceu". Pura blateração?

As oposições não param, como se dá também no poema "Côa", em que "a areia se esquece fácil, mas o píer não". O confronto entre o peso das paixões humanas e o desejo de sua transcendência é latente. "Mesmo chorando por dentro, a areia/ é da alegria, muito pronta e granulada/ para aceitar o banho do sol por cima". O píer seria o contrário.

Também em "Geometria", o píer é a oposição ao estado de perfeição: "Rio desenganado, desertor do círculo/ que ele mesmo supõe, o píer não tem orla,/ apenas imaginações". Enquanto o píer "atira-se", "só a paisagem fica no lugar de sempre (...)", "mas o píer, como régua amanhecida,/ ao acordar já está medindo a curvatura". Essa tensão opõe-se à imagem do píer como o lugar de um ponto de equilíbrio sobre o qual se pode vislumbrar com olhos de superioridade a agitação ao redor. Tomado pelas razões do mundo, que a sua consciência atravessa, "Só a paisagem fica quieta na moldura/ que o píer atravessa, perpendicular".

A situação se aguça, quando em "Global" o poeta irrita-se in extremis e, numa espécie de barca do inferno, faz sua viagem ao "coração da treva". O poema é um relato dessa passagem ao inferno do consumismo programado, das existências naufragadas nesse domingo feliz da tirania do capital que aos seus prisioneiros diz: "fique à vontade no horror, meu senhor".

Mas o poeta não deixa também de se regozijar com a aventura da existência, pois mesmo que suas palavras produzam a tensão do "céu azul que sangra no sertão", como no último poema do livro, "Reverdece", produz também o encanto do que renasce, pois num momento uma árvore está nua "antes da primeira manhã", mas em seguida "reverdece" para que ele possa "levar para a amada as primeiras flores roxas": esses poemas que compõem Píer.

Para ir além:



Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 28/5/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Abismo e a Riqueza da Coadjuvância de Duanne Ribeiro
02. Vinicius de Julio Daio Borges
03. O bom e velho formato site de Fabio Gomes
04. Noites azuis de Elisa Andrade Buzzo
05. O turista imobiliário de Marta Barcellos


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2013
01. A Última Ceia de Leonardo da Vinci - 12/2/2013
02. Mondrian: a aventura espiritual da pintura - 22/1/2013
03. Gerald Thomas: arranhando a superfície do fundo - 26/2/2013
04. Cinquenta tons de cinza no mundo real - 3/9/2013
05. O corpo-reconstrução de Fernanda Magalhães - 18/6/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LUGAR DE DÚVIDAS - SOBRE A PRÁTICA DA ANÁLISE HISTÓRICA
RENÁN SILVA
AUTÊNTICA
(2015)
R$ 30,00



EU TE GOSTO VOCE ME GOSTA - ( LIVRO + ENCARTE )
MARCIA KUPSTAS
ATUAL
(2006)
R$ 15,00



CARLOS SANTANA - O TOM UNIVERSAL
CARLOS SANTANA, ASHLEY KAHN
RECORD
(2015)
R$ 35,00



AS PALMEIRAS IMPERIAIS DO JARDIM BOTÂNICO
ANA ROSA DE OLIVEIRA E OUTROS
DANTES
(2009)
R$ 39,82



GESTÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL: IMPLANTAÇÃO E PRÁTICA
MÁRCIO IVANOR ZARPELON
QUALITYMARK
(2006)
R$ 31,00



NEURÓTICA : AUTORES JUDEUS ESCREVEM SOBRE SEXO
MELVIN JULES BUKIET (ORG.)
IMAGO
(2001)
R$ 38,00
+ frete grátis



O CADERNO DE MICHELANGELO
PAUL CHRISTOPHER
ROCCO
(2006)
R$ 7,00



PROJETO ATHOS - HISTÓRIA - 9º ANO
JOELZA ESTHER
FTD
(2014)
R$ 19,90



OS IMPRESSIONISTAS - EDOUART MANET
AUTOR GLOBO
GLOBO
(1991)
R$ 17,00



SUGAR BLUES - O GOSTO AMARGO DO AÇÚCAR
WILLIAM DUFTY
GROUND
(2005)
R$ 15,00





busca | avançada
57441 visitas/dia
1,8 milhão/mês