A vida muda no ponto | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
64744 visitas/dia
1,7 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Evento de reinauguração da Praça do Centro de Convenções da Unicamp
>>> Oficina Som Entre Fronteiras está com inscrições abertas
>>> Projeto “Curtas de Animação” com estudantes da zona rural de Valinhos/SP
>>> Novos projetos do Festival de Dança de Joinville promovem atividades culturais para 120 alunos
>>> Toca do Morcego anuncia agenda primavera/verão 2022/2023
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
Colunistas
Últimos Posts
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
Últimos Posts
>>> Baby, a chuva deve cair. Blade Runner, 40 anos
>>> Conforme o combinado
>>> Primavera, teremos flores
>>> Além dos olhos
>>> Marocas e Hermengardas
>>> Que porcaria
>>> Singela flor
>>> O cerne sob a casca
>>> Assim é a vida
>>> Criança, minha melhor idade
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Erik Satie
>>> Ronnie James Dio em 1983
>>> O Leão e o Unicórnio
>>> O outro Carpeaux
>>> Something that grows
>>> Façam suas apostas
>>> Tempo de aspargos
>>> No caso de a Dilma sair, quem assume?
>>> Return to the Little Kingdom, by Michael Moritz
>>> O que mais falta acontecer?
Mais Recentes
>>> Manifesto Comunista/ Teses de Abril de Marx e Engels pela Boitempo (2017)
>>> População Brasileira de Richard Gabriel Viviani pela Sistema Coc
>>> Katmandu e Outros Contos de Anna Maria Martins pela Global (2011)
>>> Os Ricos e Elegantes de Ruth Harris pela Record (1978)
>>> 1808 Como uma Rainha Louca, um Príncipe Medroso e uma Corte Corrupta.. de Laurentino Gomes pela Planeta (2008)
>>> Soa e Web Services Em Java de Cleuton Sampaio pela Brasport (2006)
>>> Manual da Arbitragem de Joel Dias e Figueira Junior pela Revista dos Tribunais (1997)
>>> O Que Você Pode Fazer para Tratar Dores e Ataques do Coração de Fernando B. Ximenes - Trad. pela Ediouro (1982)
>>> Achei Que Meu Pai Fosse Deus: e Outras Histórias Verdadeiras da Vida.. de Paul Auster (orgs.) pela Companhia das Letras (2005)
>>> Isaac Newton e Sua Maçã de Kjartan Poskitt pela Cia. das Letras (2002)
>>> Fugindo do Ninho de Richard Bach pela Record (1996)
>>> Santa Catarina: 100 Anos de História Vol. 2 o Livro de Celestino Sachet Sérgio Sachet pela Rbs (1998)
>>> Histórias Extraordinárias de Edgar Allan Poe pela Nova Cultural (2003)
>>> Desenhos e Gravuras de Abrahão Sanovicz pela Sesc (2016)
>>> Triste Fim de Policarpo Quaresma de Lima Barreto pela Objetivo (1995)
>>> Tempo do Desejo: Sociologia e Psicanálise de Heloisa Rodrigues F. e Outros Orgs pela Brasiliense (1989)
>>> Machu Picchu: Cidade Perdida dos Incas de Simone Waisbard pela Hemus
>>> S. Bernardo de Graciliano Ramos pela Record (2008)
>>> Um Minuto para Mim de Dr. Spencer Johnson pela Record (1987)
>>> Libertação Interior - a Escala Definitiva de Dr. Gerald Kushel pela Melhoramentos (1979)
>>> Ms-dos - Microcamp de Microcamp pela Alvear (2010)
>>> A Dieta Campbell de Thomas M. Campbell pela Gente (2015)
>>> Economic Survey Methods de John B. Lansing e Outros pela Isr
>>> 15 Dias de Oração Com Charles de Foucauld de Michel Lafon pela Paulinas (2011)
>>> Cálculo: Funções de uma Variável de Pedro A. Morettin/ Samuel Hazzan/ Wilton O. Bussab pela Métodos Quantitativos (1987)
COLUNAS

Quinta-feira, 19/12/2013
A vida muda no ponto
Elisa Andrade Buzzo

+ de 3300 Acessos


ilustra: Renato Lima

Não vou negar, a despeito de todas as críticas que tenho ouvido e lido, seja nos jornais ou pelos amigos: eu gostei. Gostei e mais ainda, além de ter gostado acho que ficaram muito bonitos, funcionais e belos, sim. Claro que um dia posso mudar de ideia e verificar as inúmeras falhas de um projeto numa cidade destroçada. A cidade muda mesmo, e ainda bem, ainda bem que sim e uma pena que sim, mas que seja para o melhor ao menos, pois do contrário como seria estarmos em lentas carroças nos dias de hoje? (Talvez o trânsito ainda nos dê esta ideia de lentidão tão seguidamente...) Ah, e pensar que pobreza só e que calmaria era a vida rústica dos paulistas nos tempos de vila.

Recebo a notícia da troca de abrigos e pontos de ônibus da cidade com certa alegria; talvez uma alegria infantil de quem ganha um presente novo, inusitado. Ninguém sabe ao certo se embaixo dos abrigos para quem aguarda os ônibus na cidade realmente fica mais quente do que fora deles, mas parece haver um acordo velado e implícito de que tudo há de ser errado nesta cidade, uma má vontade e um sarcasmo cínico por parte dos jornalistas e da população diante de tudo o que possa e há de ser feito. Comodismo, desinformação e os pontos novos já chegam malhados.

Corro para testar estes quadrados de vidro, que aos poucos foram surgindo após serem divulgados seus projetos pela prefeitura. São quatro modelos criados por Guto Índio da Costa: caos estruturado, brutalista, minimalista com ginga e hi-tech. De início, eles são raros, passando por algumas avenidas movimentadas posso entrever entre os vidros dos carros suas estruturas muito claras e envidraçadas. O novo ponto, ou totem, é uma estrutura acobreada com uma simpática fronteira de ônibus pintada em amarelo logo acima. A reclamação de sempre: informações sobre itinerários que, quando constam, são logo vandalizadas.

Mas isso é problema que vem desde os pontos antigos, modelos vários de administrações várias, cada um deles moldado conforme o mal gosto de sua época, meras barras de concreto alinhavadas por um telhadinho ondulante. Mas era bom, sim, num dos mais recentes de seus modelos sentar-se não no banco específico para se sentar, mas em sua estrutura lateral. Ou seja, a população acaba encontrando modos de se adaptar da forma mais confortável, intuitivamente, a um design malfeito. Tenho a sensação de que agora, com este novo projeto requintado de abrigos sendo colocado em prática desde fevereiro deste ano passamos a um novo estágio citadino, deixamos de vez de ser uma vila com ares coloniais...

Ah, as matérias de jornal insistem em depoimentos da população preocupada e parcimoniosa com o patrimônio público, "não dou dois dias para quebrarem este vidro". Ainda não vi o vidro dos abrigos quebrados, antes o vidro de uma propaganda (sim, estes pontos tem espaço para publicidade, e acho que em nada enfeiaram a cidade), mas muitos já riscados. Mas então isso seria motivo para não mudar os pontos nunca, não modernizar a aparência da cidade? O caos aqui se aprofunda plenamente, ainda assim não vamos deixar de pintar as faixas dos carros e as de pedestre nas ruas porque as rodas vão passar por cima delas e aos poucos apagá-las...

Os operários fazem parte dessa paisagem fundante. Quantos deles vemos nas rua; à noite, antes do anúncio da madrugada, um grupo desfaz um antigo ponto, cortando aos poucos as peças; depois, soldando a nova estrutura, pronta a ser dada como coisa nova, inédita e prestes a ser inaugurada pelo primeiro cidadão que lhe apoiar o traseiro. No amanhã já teremos esquecido dos braços e parafusos cerzindo a linha do tempo. No hoje resquícios nominais temos de quanto trabalho braçal de tantas épocas tivemos para soerguer este monumento de vida e morte em que vivemos, que é a cidade grande.

E assim vamos vendo estes operários montando, remotamente, como numa aventura proibida e provisória, os abrigos. Paradoxalmente trabalham como seres invisíveis, o povo sem interesse algum pelo que fazem. Num dos pontos grandes da Paulista, em frente à Casa das Rosas, ainda subsistiam antigos abrigos aos quais já estávamos acostumados. Dia desses: surpresa. Um grande tapume anuncia as obras, há um extenso buraco no chão onde operários de macacão cinza e capacete azul colocam as bases das novas estruturas desta cidade que, afinal, ainda se constrói e prosseguirá sua reconstrução infinitamente.

Então, estou vendo coisa talvez mínima, mas vendo algo ser construído, posto como novidade em meio a este meio que me circunda. Como se pudesse as choças dos paulistas ver sendo erguidas, da palha do barro e do chão ostentar a singela e rude construção e, agora, do metal forjado e do vidro ter como outra casa, outro abrigo. Entro, aliás, em um deles pela primeira vez, sento com certo cuidado e candura no banco de pedra, pedra. Sinto estar lá, estar aqui, agora e na extensão que une a indiada, os brancos e os mamelucos todos e, por dentro daqueles vidros, me invisibilizo.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 19/12/2013


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2013
01. Reflexões de um desempregado - 11/4/2013
02. A Casa de Ramos - 31/1/2013
03. Tempo de nebulosas - 31/10/2013
04. A cidade do improvável - 16/5/2013
05. O retrato da Cidade - 20/6/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Cozinhas da Itália - Toscana Florença
Vários Autores
Gold
(2011)



Desejo de Pintar e Outros Poemas Em Prosa: de Charles Baudelaire
Charles Baudelaire
Noovha America
(2008)



Livro - O Médico e o Monstro - Clássicos
Robert Louis Stevenson
Penguin / Companhia
(2015)



Desesterro
Sheyla Smanioto
Record
(2015)



Dor de Cabeça - o Que Ela Quer Com Você?
Dr. Mario Peres
Integrare
(2008)



Livro - A Última Viagem - Quando o Barco Atracou, um dos Passageiros...
Charles Martell
Nova Cultural
(1990)



Triste Fim de Policarpo Quaresma - Serie Bom Livro ( 1987)
Lima Barreto
Ática
(1987)



Paz na Terra
Richard Simonetti
ceac
(1998)



Balanced Scorecard e a Gestão Estratégica / 10ª Ed
Emilio Herrero
Elsevier / Campus
(2005)



Porque Não Mais Que Sete?
Lurdes Gonçalvez
Orientação Cultural
(1984)





busca | avançada
64744 visitas/dia
1,7 milhão/mês