A ranhetice da égüinha pocotó | Alessandro Garcia | Digestivo Cultural

busca | avançada
74393 visitas/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Em espetáculo de Fernando Lyra Jr. cadeira de rodas não é limite para a imaginação na hora do recrei
>>> São Paulo recebe exposição ‘À Meia Luz Na Pele’ em dois pontos da capital
>>> Santander instala painel eletrônico em prédio para levar arte ao centro de São Paulo
>>> Workbook de Carl Honoré é transformado em lives
>>> Experiência Quase Morte é o tema do Canal Angelini
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> PoloAC retoma temporada de Os Doidivanas
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 3 de Julho #digestivo10anos
>>> Apple, Lotus e Microsoft
>>> Projeto Itália ― Parte I
>>> Tout le reste est littérature
>>> Manoel de Barros: poesia para reciclar
>>> Assunto de Mulher
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> O dia que nada prometia
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Robinson Shiba do China in Box
Mais Recentes
>>> The last of mohicans (audio cd included) de Macmillan Education pela The last of mohicans (audio cd included)The last of mohicans (audio cd included) (2014)
>>> The Phantom of the Opera (audio Cd Included) de Stephen Colbourn; Gaston Leroux pela Macmillan Education (2010)
>>> The long tunnel (audio cd included) de John Milne pela Macmillan Education (2011)
>>> A kiss before dying de Ira Levin pela Macmillan Education (2005)
>>> Sherlock holmes: the norwood mystery de Arthur Conan Doyle Sir pela Oxford University Press (2011)
>>> Monólogo da Natureza de Teresinha Cauhi de Oliveira pela Ftd (1992)
>>> The Magic Flower de José Morais pela Atica (2005)
>>> Gramática de Español Paso a Paso de Adrían Fanjul pela Santillana (2008)
>>> Alfabetização e Linguistica de Luiz Carlos Cagliari pela Scipione (1989)
>>> Violencia E Criminalidade Infanto-Juvenil de Guilherme Zanina Schelb pela Do Autor (2007)
>>> Dicionario Gramatical De Latim - Nivel Basico de Janete Melasso Garcia e Outros pela Unb (2021)
>>> Lá Sou Amigo do Rei de Carlos Marques pela Geração Editorial (2012)
>>> América Latina: Uma Perspectiva Histórica de Donald Marquand Dozer pela Globo (1974)
>>> Angelina & Brad de Ian Halperin pela Jardim dos Livros (2012)
>>> Grande Livro Da Casa Saudável de Mariano Bueno pela Roca (1995)
>>> De Olho no Tráfico Humano de Fernando Carraro pela Ftd (2013)
>>> Microsoft SQL Server 2008 de Mike Hotek pela Bookman (2008)
>>> Em Suas Marcas, Apontar... Crescer! de Lynda Madaras pela Vergara & Riba (2009)
>>> Scrum A Arte de fazer o dobro do trabalho na metade do tempo de Jeff Sutherland, J.J Sutherland pela Sextante (2014)
>>> Pense Magro: A Dieta Definitiva de Beck de Judith S. Beck; Leda Maria Costa Cruz pela Artmed (2009)
>>> Amigos Em Ação de Isa Mara Lando pela Àtica (2006)
>>> Dez bons conselhos de meu pai de Gustavo Cerbasi pela Fontarnar (2021)
>>> Trabalhando Com Banco de Dados no Visual Basic 6. 0 de Ijauí Francisco da Silva pela Érica (2000)
>>> Segredos da Violencia de Thesaurus pela Segredos da Violencia (2008)
>>> Para Meus Netos Com Amor de Lídia Maria Riba pela Vergara & Riba
COLUNAS

Sexta-feira, 7/3/2003
A ranhetice da égüinha pocotó
Alessandro Garcia

+ de 5200 Acessos
+ 2 Comentário(s)

O e-mail chega na minha caixa postal com a precisão e eficácia com que os e-mails dispensáveis costumam chegar. Nele, um sujeito reclama do que chama de "nova sensação musical" e "novo ídolo da música popular brasileira", fazendo referência à extrema veiculação de mais um hit de verão, auto-intitulado "funk" (mas, bem sabem os conhecedores de tal gênero, bem distante a música está desta auto-intitulação: James Brown e a turma do Funkadelic se reviram, incomodados):"Égüinha Pocotó". O e-mail que me chega me faz rir um pouco por causa da quase ingenuidade e lugar-comum com que é escrito; faz referência óbvia à perda da qualidade da música brasileira, ao vazio em que nos encontramos e como estamos "dando espaço" para que tais "artistas" se insiram com "sucesso" no cenário musical brasileiro. O excesso de aspas é tanto para fazer referência literária às expressões utilizadas quanto para utilizar eufemismos. O autor do e-mail ainda é um pouco dramático ao dizer que se fosse hoje e surgissem dois jovens cantores chamados Caetano Veloso e Gilberto Gil seriam preteridos por este estilo de música que parece estar em voga. E Chico Buarque passaria fome. Neste ponto eu tenho que rir mais um pouco, primeiro pela dramaticidade, segundo por utilizar como exemplo de qualidade musical "de ponta" os batidos Caetano, Gil e Chico (sem desmerecê-los) e terceiro pelo quase medo que o autor expressa quando diz que é horrorizado que assiste sua filhinha contorcer-se ao som de tal "funk" bizarro.

É perda de tempo e falta de noção espacial e temporal mostrar-se tão horrorizado por um fenômeno, que surge com a mesma freqüência com que as estações se repetem durante o ano. Não é de hoje e, com certeza, não será este o último verão em que as tendências musicais, que aparecem principalmente nestes meses quentes em que a libido se encontra tão atiçada, que surgirão músicas de pouco caráter artístico, oportunistas o bastante para fazer uso de temáticas sexuais como atrativo popular. Já teríamos tido tempo o bastante para nos horrorizar, se isto se fizesse necessário, no momento em que este tipo de música, baseada na simplicidade de letras e/ou chulas e/ou infantis surgiram, amparadas em batidões sampleados de sucessos internacionais.

Se é um tanto incômodo ter em casa acesso somente às emissoras de canais abertos e não ter muitas opções além dos canais com suas péssimas programações dominicais, também não é a primeira vez que se vê um programa que dura quase o domingo inteiro, dominado por gostosas em roupas sumárias rebolando em closes estupendos ao som do batidão que vem das favelas cariocas.

"Não há mais nada que preste na televisão" é uma das frases que costumam ser repetidas à exaustão pelos ditos "puritanos" que se rebelam em e-mails indignados pelas caixas postais alheias. Por acaso, serão estes mesmos puritanos, que, no final das contas, garantem índices fantásticos de audiência a tais programas que, movidos por este fato, repetem incansavelmente, a cada domingo, a mesma atração? Afinal de contas, é tamanha a audiência por falta de opção, quando uma programação é imposta, ou a programação só é colocada porque existem pessoas sedentas de assisti-la? Sã contrasensos e constatações que podem ser frutos de demorados e insistentes estudos e que, quase invariavelmente, apontarão, obviamente, para as camadas menos favorecidas, a audiência conquistada por programas com tais atrações.

MC Serginho, o sujeito que atende pela autoria da supra-citada sensação deste verão é um sujeito com uma aparência humilde. Surge amparado por um travesti de pouca massa corpórea que requebra alucinadamente ao som do "pocotó, pocotó", algo que funciona na música como o seu, digamos, refrão. A malemolência exacerbada e tresloucada do travesti rende-lhe o oportuno apelido de "Lacraia", e é ele que, ao contrário do Serginho, funciona como quase mestre de cerimônia às "modelos" que se contorcem repetidamente em um palco abundante de mulheres em shortinhos cavados. Ponto para o cine grafista que dá zoom e praticamente nos concede a imagem clara dos lábios vaginais das animadas dançarinas.

"Meu Deus, que baixaria", poderia dizer minha avó. "Isto não é música", poderia dizer a sua avó. A mesma expressão, no entanto, utilizada para rotular músicas estrangeiras cujas letras elas não compreendem. Não, isto não é uma defesa destas músicas. Mas também não é uma acusação. Independente de se utilizar de comportamentos incontestavelmente sexuais para alçar-se ao sucesso, sempre existiram músicas que, em maior ou menor escala, cresceram nas paradas com forte tendência ao questionamento de sua qualidade. E, eu acho que neste ponto, mais do que o apelo sexual, é a qualidade, ou não, da música que está em jogo. E qualidade, sabemos, pode e deve ser medida por conhecedores musicais, mas sucesso é o público consumidor quem pode atri buir, conforme seu gosto lhe apetece. Se formos discutir os gostos alheios, vamos esbarrar em preconceito e concepções antecipadas. Como autor deste texto, posso dizer livremente que detesto música sertaneja, pagode, axé e todos estes geradores de música de farto consumo popular. Mas devo, no entanto, respeitar quem delas goste.

O Brasil é engraçado. Sente-se compelido com uma necessidade extrema em alçar ao posto de gênios os primeiros músicos que surgem com propostas um tanto diversas do maistream. E nisso, vai tempo que todos aplaudem Caetano Veloso como gênio até mesmo se ele regravar o "Parabéns a você". Da mesma maneira que se viu surgir uma Marisa Monte americanizada que conquistou a todos com seus ótimos dotes vocais e que acabou estabelecendo-se na cena musical com bons discos e boas composições, hoje talvez seja contestável que, juntando-se aos outros "gênios" Arnaldo Antunes e Carlinhos Brown, ela tenha gravado um disco que para mim pouco se diferencia dos sucessos do carnaval baiano. Mas foi o disco mais vendido do ano passado. Somos invejosos do sucesso alheio? Criticamos demais a tudo e a todos? Ficamos mais ignorantes quando damos espaços para que MC's surjam com sua simplicidade da periferia a abocanhar algum dinheiro por algum tempo com seus sucessos questionáveis? Na realidade, eu fico feliz que isto aconteça. Se, por acaso, eu vejo ou escuto, é porque eu gosto. Opção eu tenho. Nem que seja desligar a TV ou mudar a estação do rádio. Melhor do que adotar a indignação de uma velha defensora da Tradição, Família e Propriedade e bradar a plenos pulmões que o mundo está perdido. Perdido, nada. Quanto mais puderem se beneficiar desta festividade enlouquecida e constante que parece dominar o país, mais existirão contrapropostas esforçando-se em qualidade para tentar modificar a situação vigente. E contrapropostas que, se merecidas forem, não devem existir apenas para encher a boca de velhos críticos maravilhados, mas também para serem consumidas à grande por todos que, com elas se identificarem. O que, no entanto, pode ser um pouco perigoso. Porque basta vender muito para se tornar, aqui, repulsivamente popular. Muita ranhetice e pouca tolerância em um país que já teve que passar por supervisão para cada canção que queria ganhar as ruas. Se, em algum lugar, alguma ou muitas pessoas se deliciam com o batidão que faz fundo para o "pocotó, pocotó" e outras se revoltam, é só lembrar-se que, com a mesma rapidez com que veio, também vai. E daí, é esperar o que surgirá então e será a bola da vez.

Nota do Editor
Alessandro Garcia é escritor, publicitário e pode ser encontrado no Suburbana.


Alessandro Garcia
Porto Alegre, 7/3/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Séries da Inglaterra; e que tal uma xícara de chá? de Renato Alessandro dos Santos
02. Senhor Amadeu de Ana Elisa Ribeiro
03. Dilapidare de Elisa Andrade Buzzo
04. Gerald Thomas: uma autobiografia de Jardel Dias Cavalcanti
05. Fragmentos de Leituras e Sentido de Ricardo de Mattos


Mais Alessandro Garcia
Mais Acessadas de Alessandro Garcia em 2003
01. Sob o domínio do Mal - 5/8/2003
02. A pobreza cultural nossa de cada dia - 17/6/2003
03. O mundo aos olhos de um pescador - 26/8/2003
04. A aventura de educar os filhos - 22/7/2003
05. A ranhetice da égüinha pocotó - 7/3/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
10/3/2003
11h59min
Caro Alessandro, Endosso suas palavras. Não existe má cultura ou boa cultura. Ela existe, simplesmente, como resultado de tudo (tudo mesmo) que passa em nossas cabeças. Gostem ou não alguns. E ela deve fluir, sem amarras. Desde uma peça teatral escrita pelo empresário A.E. Moraes, até esse tal Serginho, que também tem de ganhar a vida. Para mim produtos culturais viraram, se permite utilizar um jargão financeiro, uma commoditie, como boa parte das marcas de xampus e sabonetes. Cada um compra o que quiser, sem ter recriminar ninguém por ter preferido uma outra marca. Um abraço. Bernardo Carvaho (Goiânia-GO).PS: Também detesto música sertaneja que não seja parecida com as de Elomar...
[Leia outros Comentários de Bernardo Carvalho]
10/3/2003
13h18min
É isso aí, Alessandro, essas coisas vêm e vão ao sabor do interesse momentâneo da mídia, q captura "contemporâneo" popular e o chupa até o caroço. O Serginho é moleque humilde e acho muito bom ele ganhar "um qualquer". Agora, o triste mesmo é saber o quão enraizada é a cultura "miami bass" no povão do Rio e sua notória associação com o tráfico. Vendem prá molecada idolatria da bandidagem, ao invés de uma mensagem q o hip-hop procura levar. abraços
[Leia outros Comentários de Mauricio]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Ravahil
Suzanne Grange
Siruela
(1987)



Minimassagem
Jack Hofer
Record (rj)
(1991)



Bodisatva Maitreya: Livro de Colorir
Templo Zu Lai; Mestre Miao Shang Direção Edit
Templo Zu Lai
(2010)



Hitler-staline: les Secrets Dun Pacte
Historia - Nº 633 de 1999 (revista)
Não Identificada (paris)



Dicionário de Direito Internacional Público
Rubens Ferreira de Mello
Do Autor
(1962)



Meninos & Meninas
Edson Gabriel Garcia
Loyola
(1990)



Ciência Maluca
Carol Castro
Abril
(2015)



Notas Dispersas Pelas Paredes
Ney Mourão
Autêntica
(2008)



123 Atitudes Positivas Em Vendas
Robert F. Taylor
Nobel
(1991)



Fronteiras da Psicanálise
Revista Brasileira Psicanalise Vol 36 Nº 3
Rbp
(2002)





busca | avançada
74393 visitas/dia
2,5 milhões/mês