A ranhetice da égüinha pocotó | Alessandro Garcia | Digestivo Cultural

busca | avançada
44089 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 7/3/2003
A ranhetice da égüinha pocotó
Alessandro Garcia

+ de 4800 Acessos
+ 2 Comentário(s)

O e-mail chega na minha caixa postal com a precisão e eficácia com que os e-mails dispensáveis costumam chegar. Nele, um sujeito reclama do que chama de "nova sensação musical" e "novo ídolo da música popular brasileira", fazendo referência à extrema veiculação de mais um hit de verão, auto-intitulado "funk" (mas, bem sabem os conhecedores de tal gênero, bem distante a música está desta auto-intitulação: James Brown e a turma do Funkadelic se reviram, incomodados):"Égüinha Pocotó". O e-mail que me chega me faz rir um pouco por causa da quase ingenuidade e lugar-comum com que é escrito; faz referência óbvia à perda da qualidade da música brasileira, ao vazio em que nos encontramos e como estamos "dando espaço" para que tais "artistas" se insiram com "sucesso" no cenário musical brasileiro. O excesso de aspas é tanto para fazer referência literária às expressões utilizadas quanto para utilizar eufemismos. O autor do e-mail ainda é um pouco dramático ao dizer que se fosse hoje e surgissem dois jovens cantores chamados Caetano Veloso e Gilberto Gil seriam preteridos por este estilo de música que parece estar em voga. E Chico Buarque passaria fome. Neste ponto eu tenho que rir mais um pouco, primeiro pela dramaticidade, segundo por utilizar como exemplo de qualidade musical "de ponta" os batidos Caetano, Gil e Chico (sem desmerecê-los) e terceiro pelo quase medo que o autor expressa quando diz que é horrorizado que assiste sua filhinha contorcer-se ao som de tal "funk" bizarro.

É perda de tempo e falta de noção espacial e temporal mostrar-se tão horrorizado por um fenômeno, que surge com a mesma freqüência com que as estações se repetem durante o ano. Não é de hoje e, com certeza, não será este o último verão em que as tendências musicais, que aparecem principalmente nestes meses quentes em que a libido se encontra tão atiçada, que surgirão músicas de pouco caráter artístico, oportunistas o bastante para fazer uso de temáticas sexuais como atrativo popular. Já teríamos tido tempo o bastante para nos horrorizar, se isto se fizesse necessário, no momento em que este tipo de música, baseada na simplicidade de letras e/ou chulas e/ou infantis surgiram, amparadas em batidões sampleados de sucessos internacionais.

Se é um tanto incômodo ter em casa acesso somente às emissoras de canais abertos e não ter muitas opções além dos canais com suas péssimas programações dominicais, também não é a primeira vez que se vê um programa que dura quase o domingo inteiro, dominado por gostosas em roupas sumárias rebolando em closes estupendos ao som do batidão que vem das favelas cariocas.

"Não há mais nada que preste na televisão" é uma das frases que costumam ser repetidas à exaustão pelos ditos "puritanos" que se rebelam em e-mails indignados pelas caixas postais alheias. Por acaso, serão estes mesmos puritanos, que, no final das contas, garantem índices fantásticos de audiência a tais programas que, movidos por este fato, repetem incansavelmente, a cada domingo, a mesma atração? Afinal de contas, é tamanha a audiência por falta de opção, quando uma programação é imposta, ou a programação só é colocada porque existem pessoas sedentas de assisti-la? Sã contrasensos e constatações que podem ser frutos de demorados e insistentes estudos e que, quase invariavelmente, apontarão, obviamente, para as camadas menos favorecidas, a audiência conquistada por programas com tais atrações.

MC Serginho, o sujeito que atende pela autoria da supra-citada sensação deste verão é um sujeito com uma aparência humilde. Surge amparado por um travesti de pouca massa corpórea que requebra alucinadamente ao som do "pocotó, pocotó", algo que funciona na música como o seu, digamos, refrão. A malemolência exacerbada e tresloucada do travesti rende-lhe o oportuno apelido de "Lacraia", e é ele que, ao contrário do Serginho, funciona como quase mestre de cerimônia às "modelos" que se contorcem repetidamente em um palco abundante de mulheres em shortinhos cavados. Ponto para o cine grafista que dá zoom e praticamente nos concede a imagem clara dos lábios vaginais das animadas dançarinas.

"Meu Deus, que baixaria", poderia dizer minha avó. "Isto não é música", poderia dizer a sua avó. A mesma expressão, no entanto, utilizada para rotular músicas estrangeiras cujas letras elas não compreendem. Não, isto não é uma defesa destas músicas. Mas também não é uma acusação. Independente de se utilizar de comportamentos incontestavelmente sexuais para alçar-se ao sucesso, sempre existiram músicas que, em maior ou menor escala, cresceram nas paradas com forte tendência ao questionamento de sua qualidade. E, eu acho que neste ponto, mais do que o apelo sexual, é a qualidade, ou não, da música que está em jogo. E qualidade, sabemos, pode e deve ser medida por conhecedores musicais, mas sucesso é o público consumidor quem pode atri buir, conforme seu gosto lhe apetece. Se formos discutir os gostos alheios, vamos esbarrar em preconceito e concepções antecipadas. Como autor deste texto, posso dizer livremente que detesto música sertaneja, pagode, axé e todos estes geradores de música de farto consumo popular. Mas devo, no entanto, respeitar quem delas goste.

O Brasil é engraçado. Sente-se compelido com uma necessidade extrema em alçar ao posto de gênios os primeiros músicos que surgem com propostas um tanto diversas do maistream. E nisso, vai tempo que todos aplaudem Caetano Veloso como gênio até mesmo se ele regravar o "Parabéns a você". Da mesma maneira que se viu surgir uma Marisa Monte americanizada que conquistou a todos com seus ótimos dotes vocais e que acabou estabelecendo-se na cena musical com bons discos e boas composições, hoje talvez seja contestável que, juntando-se aos outros "gênios" Arnaldo Antunes e Carlinhos Brown, ela tenha gravado um disco que para mim pouco se diferencia dos sucessos do carnaval baiano. Mas foi o disco mais vendido do ano passado. Somos invejosos do sucesso alheio? Criticamos demais a tudo e a todos? Ficamos mais ignorantes quando damos espaços para que MC's surjam com sua simplicidade da periferia a abocanhar algum dinheiro por algum tempo com seus sucessos questionáveis? Na realidade, eu fico feliz que isto aconteça. Se, por acaso, eu vejo ou escuto, é porque eu gosto. Opção eu tenho. Nem que seja desligar a TV ou mudar a estação do rádio. Melhor do que adotar a indignação de uma velha defensora da Tradição, Família e Propriedade e bradar a plenos pulmões que o mundo está perdido. Perdido, nada. Quanto mais puderem se beneficiar desta festividade enlouquecida e constante que parece dominar o país, mais existirão contrapropostas esforçando-se em qualidade para tentar modificar a situação vigente. E contrapropostas que, se merecidas forem, não devem existir apenas para encher a boca de velhos críticos maravilhados, mas também para serem consumidas à grande por todos que, com elas se identificarem. O que, no entanto, pode ser um pouco perigoso. Porque basta vender muito para se tornar, aqui, repulsivamente popular. Muita ranhetice e pouca tolerância em um país que já teve que passar por supervisão para cada canção que queria ganhar as ruas. Se, em algum lugar, alguma ou muitas pessoas se deliciam com o batidão que faz fundo para o "pocotó, pocotó" e outras se revoltam, é só lembrar-se que, com a mesma rapidez com que veio, também vai. E daí, é esperar o que surgirá então e será a bola da vez.

Nota do Editor
Alessandro Garcia é escritor, publicitário e pode ser encontrado no Suburbana.


Alessandro Garcia
Porto Alegre, 7/3/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Algo de sublime numa cabeça pendida entre letras de Elisa Andrade Buzzo
02. estar onde eu não estou de Luís Fernando Amâncio
03. Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos de Jardel Dias Cavalcanti
04. Uma suposta I.C. de Elisa Andrade Buzzo
05. Poesia e Guerra: mundo sitiado (parte II) de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Alessandro Garcia
Mais Acessadas de Alessandro Garcia em 2003
01. Sob o domínio do Mal - 5/8/2003
02. A pobreza cultural nossa de cada dia - 17/6/2003
03. O mundo aos olhos de um pescador - 26/8/2003
04. A aventura de educar os filhos - 22/7/2003
05. A ranhetice da égüinha pocotó - 7/3/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
10/3/2003
11h59min
Caro Alessandro, Endosso suas palavras. Não existe má cultura ou boa cultura. Ela existe, simplesmente, como resultado de tudo (tudo mesmo) que passa em nossas cabeças. Gostem ou não alguns. E ela deve fluir, sem amarras. Desde uma peça teatral escrita pelo empresário A.E. Moraes, até esse tal Serginho, que também tem de ganhar a vida. Para mim produtos culturais viraram, se permite utilizar um jargão financeiro, uma commoditie, como boa parte das marcas de xampus e sabonetes. Cada um compra o que quiser, sem ter recriminar ninguém por ter preferido uma outra marca. Um abraço. Bernardo Carvaho (Goiânia-GO).PS: Também detesto música sertaneja que não seja parecida com as de Elomar...
[Leia outros Comentários de Bernardo Carvalho]
10/3/2003
13h18min
É isso aí, Alessandro, essas coisas vêm e vão ao sabor do interesse momentâneo da mídia, q captura "contemporâneo" popular e o chupa até o caroço. O Serginho é moleque humilde e acho muito bom ele ganhar "um qualquer". Agora, o triste mesmo é saber o quão enraizada é a cultura "miami bass" no povão do Rio e sua notória associação com o tráfico. Vendem prá molecada idolatria da bandidagem, ao invés de uma mensagem q o hip-hop procura levar. abraços
[Leia outros Comentários de Mauricio]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ACOMPANHAMENTO PSICOLÓGICO À PROFESSORA UMA EXPERIÊNCIA
THEREZINHA LINS DE ALBUQUERQUE
VOZES
(1972)
R$ 12,00



GESTOR A ARTE DE LIDERAR
FERNANDO NEVES DE ALMEIDA
PRESENÇA
(2004)
R$ 32,70



FALA COMIGO, PAI
JULIO EMILIO BRAZ
MODERNA
(2011)
R$ 10,00



CURSO DE DIREITO DO TRABALHO APLICADO. CONTRATO DE TRABALHO VOL 6
HOMERO BATISTA MATEUS DA SILVA (3ª EDIÇÃO)
REVISTA DOS TRIBUNAIS
(2015)
R$ 45,28



CURSO DE DIREITO PENAL - PARTE ESPECIAL - VOLUME 3
FERNANDO CAPEZ
SARAIVA
(2011)
R$ 60,00



A SOMBRA DA NOVA ERA
ALAN BLEAKLEY
SICILIANO
(1990)
R$ 7,00



ENCICLOPÉDIA DO ESTUDANTE 12 - HISTÓRIA DA FILOSOFIA DA ANTIGUIDADE AOS PENSADORES DO SÉCULO XXI
BERNADETE SIQUEIRA ABRÃO E OUTROS
MODERNA
(2008)
R$ 10,00



A VINGANÇA DE HAMLET
MICHAEL INNES
LIVROS DO BRASIL
R$ 25,00



MUITO ALEM DO COMPROMETIMENTO
WILLIAM MACEY E OUTROS
GENTE
(2011)
R$ 20,00



O NOVIÇO
MARTINS PENA
FOLHA
(1997)
R$ 4,00





busca | avançada
44089 visitas/dia
1,2 milhão/mês