Stela Adler Sobre Ibsen, Strindberg e Chekhov | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
31843 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
Colunistas
Últimos Posts
>>> 100 nomes da edição no Brasil
>>> Eu ganhei tanta coisa perdendo
>>> Toda forma de amor
>>> Harvard: o que não se aprende
>>> Pedro Cardoso em #Provocações
>>> Homenagem a Paulo Francis
>>> Arte, cultura e democracia
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
Últimos Posts
>>> João Gilberto: o mito
>>> Alma em flor
>>> A mão & a luva
>>> Pesos & Contra-pesos
>>> Grito primal II
>>> Calcanhar de Aquiles
>>> O encanto literário da poesia
>>> Expressão básica II
>>> Expressão básica
>>> Minha terra, a natureza viva.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O escritor pode
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> Os 60
>>> Tico-Tico de Lucía
>>> Abdominal terceirizado - a fronteira
>>> Cinema é filosofia
>>> Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges
>>> Mulher no comando do país! E agora?
>>> YouTube, lá vou eu
>>> YouTube, lá vou eu
Mais Recentes
>>> A Alma do Poeta (Vinicius de Moraes) de Revista Bravo - Janeiro 2009- Ano 11 - nº 137 pela Abril Cultural (2009)
>>> Jardim Botânico de São Paulo de Juan Esteves & Maria Guimarães pela Terceiro Nome (2012)
>>> Música Faz - vol. 1 - A arte musical na prática escolar - Ensino médio de Yara Alves- Larissa Vitorino pela Htc (2011)
>>> Teimosia da imaginação. Dez artistas brasileiros de Maria Lúcia Montes pela Martins Fontes (2012)
>>> Panoramas. A paisagem brasileira no acervo do Instituto Moreira Salles de Carlos Martins pela Ims (2012)
>>> Andanças de Um Cavaleiro e Outras Novelas de Tennesse Williams pela Espressão e Cultura (1970)
>>> Tributação de Bens Digitais: a Disputa Tributária ... de Tathiane Piscitelli/Fernando Rezende pela FGV Direito (2018)
>>> Caiapó Metutire. Os guerreiros pintados de negro. de Paulo Pinagé & Vito D'Alessio pela Dialeto (2004)
>>> Inglês Sem Mistério Para Concursos de Robson Machado pela Fortium (2005)
>>> Carnaval Brasileiro - O Vivido e o Mito de Maria Isaura Pereira de Queiroz pela Brasiliense/ SP (1992)
>>> Treinamento da Argumentação: Persuadir Em Vez de Contrariar... de Tom Werneck e Reinhard Grasse pela Ediouro/ RJ. (1982)
>>> O encanto das aves. The magic of birds de Ricardo Martins pela Fm (2009)
>>> Portoghese Dizionario essenzaiale Portoghese-Italiano - Italiano-Portoghese de Zanichelli pela Zanichelli (1997)
>>> Princípios de Organização Japoneses: Melhor Produtividade ... de Peter Engel pela Ediouro/ RJ. (1982)
>>> O Dom de Voar de Richard Bach pela Record/ RJ.
>>> O Dom de Voar de Richard Bach pela Record/ RJ.
>>> O Dom de Voar de Richard Bach pela Record/ RJ.
>>> Licença de Marca - Aspectos Jurídicos e Econômicos de Um Contrato ... de Thiago Jabur Carneiro pela Juruá (2012)
>>> O Aleijadinho Arquiteto e Outros Ensaios Sobre o Tema/ Inclui CD de André Guilherme Dornelles Dangelo (e outro) pela Ed. da Escola de Arquit. da UFMG./ Belo Hte. (2008)
>>> Concerto Carioca de Antonio Callado pela Nova Fronteira (1985)
>>> Imperialismo / Discutindo a História de Héctor H. Bruit pela Atual/ Sp. (2001)
>>> Imperialismo / Discutindo a História de Héctor H. Bruit pela Atual/ Sp. (1995)
>>> Imperialismo / Discutindo a História de Héctor H. Bruit pela Atual/ Sp. (1995)
>>> Prêmio FCW 2004 de Fotografia Publicitária Fundação Conrado Wessel de Diversos Autores pela Fcw (2005)
>>> A Questão dos Livros - Passado Presente e Futuro de Robert Darton pela Companhia das Letras (2010)
>>> Mar de homens de Roberto Linsker pela Terra Virgem (2005)
>>> Arte de Perto - Volume Único de Maurílio Andrade Rocha e outros pela Leya (2016)
>>> Palco Paulistano. São Paulo Stage de Vânia Toledo pela Imprensa Oficial (2009)
>>> Todo Paciente Tem Uma Historia Para Contar - Mistérios médicos e a arte do diagnóstico de Dra. Lisa Sanders pela Zahar (2010)
>>> Da Ação direta de declaração de Inconstitucionalidade no Direito Brasileiro de Alfredo Buzaid pela Saraiva (1958)
>>> Ações Cominatórias no Direito Brasileiro de Moacyr Amarral Santos pela Max Limonad (1962)
>>> Do Mandado de Segurança e de Outros meios de Defesa Contra atos do poder público de Castro Nunes pela José Aguiar Dias (1967)
>>> Estudos e pareceres de direito processual Civil de Alfredo Buzaid pela Revista dos Tribunais (2002)
>>> Corinthians é preto no branco de Washington Olivetto e Nirlando Beirão pela Dba (2002)
>>> Do Mandado de Segurança Volume 1 de Alfredo Buzaid pela Saraiva (1989)
>>> Estudos de Direito de Alfredo Buzaid pela Saraiva (1972)
>>> Da Ação Renovatória de Alfredo Buzaid pela Saraiva (1981)
>>> Projeção do Corpo Astral de Sylvan J. Muldoon e Hereward Carrington pela Pensamento
>>> Atribuições dos juízes municipaes de Orphãos e Ausentes na Republica de José Tavares Bastos pela Livraria Garnier (1914)
>>> Novo Dicionário de Processo Civil de Eliézer Rosa pela Livraria Freitas Bastos S.A (1986)
>>> O Novo processo Civil Brasileiro de José Carlos Barbosa Moreira pela Forense (2005)
>>> Manual do Advogado de Valdemar P. da Luz pela Sagra (1999)
>>> Teoria e prática do Despacho Saneador de Jônatas Milhomens pela Forense (1952)
>>> Código de processo Civil Anotado de Sálvio de Figueiredo Teixeira pela Saraiva (1993)
>>> Novo processo Civil Brasileiro de José Carlos Barbosa Moreira pela Forense (1998)
>>> A Prova Civil de José Mendonça pela Livraria Jacintho (1940)
>>> A Morte de Rimbaud de Leandro Konder pela Companhia das Letras/SP. (2000)
>>> Prova Civil Legislação Doutrina Jurisprudência de Raphael Cirigliano pela Forense (1939)
>>> Código do Processo Civil e Commercial para Districto Federal de J. Miranda Valverde pela Impresa Nacional (1927)
>>> De Pessoa a Pessoa - Psicoterapia Dialógica de Richard Hycner pela Summus (1995)
COLUNAS

Quinta-feira, 27/3/2003
Stela Adler Sobre Ibsen, Strindberg e Chekhov
Ricardo de Mattos

+ de 7700 Acessos

Stella Adler Sobre Ibsen, Strindberg e Chekhov é mais um daqueles livros a estimular leituras e novas leituras. Sendo aulas de teatro, as lições da autora devem ser direccionadas às peças comentadas. Contudo suas considerações gerais, no caso de Chekhov, instigam a ler ou reler seus contos - momento propício com o lançamento de O Assassinato e Outras Histórias.

Filha de Jacob e Sara Adler, nasceu no ano de 1.901 na cidade de New York. Não só seu pai é o grande nome do teatro iídiche - aquele de origem judaico-polonesa - como sua família estava de tal forma envolvida com o teatro a ponto de se dizer: "Nenhuma cortina se levanta em New York sem que um Adler esteja atrás dela". Ela mesma estreou quando mal sabia falar, aos quatro ou cinco anos. Este meio garantiu-lhe vivência, entrosamento, familiaridade, características estas apreciáveis à larga em todo o texto. Todo o explicado por ela sobre estes homens é baseado em seu conhecimento pessoal, adquirido e aprofundado pelos anos. Foi uma das fundadoras do Group Theater e as aulas ministradas para seus membros, bem como na Dramatic Workshop da New York School for Social Research e no próprio Stella Adler Conservatory of Acting, foram seleccionadas e organizadas por Barry Paris - escritor e tradutor norte-americano - para o presente volume. O projecto original previa um segundo, com três autores norte-americanos, porém foi interrompido pela morte da actriz em 1.992, contando 91 anos.

Stella Adler foi actriz teatral. Via no cinema o predomínio do apelo comercial e distinguia sinceramente o "astro" do "grande actor". Actuou apenas em três filmes: Love on Toast (1.937), Shadow of the Thin Man (1.941) e My Girl Tisa (1.948). A carreira de professora teve para ela a mesma importância, algo imediatamente perceptível tanto no folhear aleatório quanto na leitura definitiva do livro, não só pela linguagem como também pelo modo dela dirigir-se a alguém. Há certas "chamadas" que não são do escritor pedindo a atenção do leitor, mas da professora ressaltando algo aos alunos. O endereçamento desta selecção, segundo ela mesma, "É para atores. É para diretores. É para outras pessoas. É para leitores. Um número impressionante de gente de teatro quer conhecer e entender, você não acha?".

Em 1.925, ela encontra pela primeira vez Konstantin Stanislavski, com quem trabalharia muito em 1.934. Nascido Konstantin Sergeyevich Alekseyev, Stanislavsky foi actor, director e autor de A Construção do Actor (1.926) e Formando um Carácter (1.948). Foi co-fundador do Teatro das Artes de Moscou, sendo ao lado de Bretch um dos maiores nomes da dramaturgia do século XX. Tão grande o entusiasmo de Adler em relação a Stanislavsky a ponto de, na minha óptica de leigo em teatro, questionar se seu apreço final era mesmo pelas peças de Chekhov ou pelo tratamento dado a elas por aquele. Falo isso pensando até em música: gostamos de uma peça, mas inclinamo-nos sempre por uma interpretação específica.

Como dito, foram reunidas as aulas relacionadas a três autores: Johan Henrik Ibsen, Johan August Strindberg e Anton Pavlovich Chekhov. Todos ainda vivos quando ela nasceu.

Johan Henrik Ibsen nasceu em 1.828 na cidade de Skien, Noruega. Chegou a trabalhar como aprendiz de farmacêutico antes de envolver-se com o teatro. Seu debut deu-se em 1.850, aos 22 anos - quem faz isso hoje? - com a apresentação de sua peça Catilina. Foi director das principais casas teatrais norueguesas: a de Bergen e o Teatro Norueguês de Kristiania (antigo nome da capital Oslo). Viaja pela Europa, seu trabalho tem péssima recepção na Inglaterra, estreia peças na Itália. Veio a falecer em 1.906.

São de sua autoria: Peer Gynt, O Pato Selvagem, Hedda Gabler, A Dama do Mar, Casa de Bonecas, O Mestre de Obras - esta conheci como Solness, o Construtor -, entre outras, ultrapassando o número de vinte. O primeiro dos nomes citados talvez seja mais lembrado pelas suítes compostas entre 1.874-6 pelo compositor norueguês Edvard Grieg, a pedido do próprio dramaturgo, que as usaria como música incidental.

Ibsen é apresentado sempre como precursor do Realismo no teatro, mas este dado simples não revela sua importância. Ocorre que suas peças são produzidas para a principal plateia novecentista: a classe média. Portanto, como crítico social, era-lhe mais importante apresentar questões retiradas do seio desta classe. Primeira alteração: embora tenha escrito várias peças em verso, acaba utilizando a prosa. Comparação sofrível, mas vamos a ela: ligando a televisão e vendo os actores de uma novela representando em verso, declamando, o espectador fará alguma ligação daquilo com a sua vida? Não, e esta a alteração formal, por assim dizer, de Ibsen.

Ainda o espectador em frente à televisão, assistindo uma novela. Na sua vida comum, padronizada, terá ele algum interesse em ver um homem acorrentado a uma rocha no Cáucaso, tendo o fígado devorado por uma águia, fígado este que renasce e é novamente devorado no dia seguinte? Não. E as comparações param necessariamente por aqui.

Desta forma, saem os heróis, príncipes, reis e deuses e entram as pessoas com as quais cruzamos diariamente nas ruas. A intenção era fazer quem assistia reconhecer a si ou algum próximo naquele representado no palco pelo actor. Além disso, uma função didáctica: o ideal era que o público fosse embora sabendo algo mais sobre si e sobre o mundo. Cem anos passados impedem a exacta compreensão da tempestade causada por Ibsen. Em Casa de Bonecas, a personagem Nora sai de casa n'uma época de fobia ao desmanchamento do lar. Outra revolução incutida neste mesmo proceder: ela não é nem uma heroína, nem uma vilã a ser castigada ao final. Ibsen toma dada proposição abençoada pela unanimidade e seus personagens são encarregados de apresentar razões favoráveis e contrárias. Talvez até se diga melhor que cada personagem mostra a sua razão para determinada solução. Ou seja, não há o certo ou o errado e nem uma Verdade; há o verdadeiro para uma circunstância delineada. Dois conflitos são apresentados paralelamente: o referente a uma nota promissória falsificada por Nora, e o referente ao próprio casamento, cujo ápice é provocado por aquele. Resolvida a questão da nota, imagina-se a resolução do outro, e aqui Ibsen deve ter causado surpresa ao desvincular as soluções. Quando tudo aparentava estar resolvido, Nora pede o divórcio.

Também por isso, Adler insista, exija, a representação de um personagem com pleno conhecimento, pelo actor, da mentalidade e história da época. O vinculo ao tempo é uma constante em seu ministério. "Então Ibsen não era realista, pois o divórcio, por sua raridade, não era facto apreciável na observação da sociedade estudada por ele", pode-se pensar. Não. A partir de uma situação extrema, ele revolve todo o escondido sob a instituição do casamento. Para Nora decidir-se pela renúncia ao lar, ela sofre todos os conflitos inerentes ao casamento burguês e de fachada. Qualquer instituição organizada pela classe média era alvo da crítica de Ibsen, pois poderia ser a organização e disfarce de todos os vícios encontrados por ele em seu tempo. As peças "sociais" deste autor são um exemplo de obra de arte a ser analisada em conformidade com determinado contexto. Arquive-se.

Considero relevante lembrar os três grupos em que Ibsen dividiu as pessoas. O Idealista representa o grupo predominante, composto pelos iludidos, os demasiadamente fracos para procurar as verdades da Vida. Um grupo intermediário é formado pela reunião dos Conciliadores, pessoas lúcidas o suficiente para perceber os enganos, porém indispostas a reformar algo, acomodam-se. O menor grupo é o do Realista, o conhecedor da verdade a actuar por seu predomínio, mas sempre mal visto por afrontar directamente a sociedade, por questionar e mesmo atacar seus valores.

Johan August Strindberg nasceu no ano de 1.949 em Estocolmo, na Suécia. Originário de uma classe pobre, foi autor de teatro e romancista, envolvendo-se em carácter secundário com a pintura e com a fotografia. Teve a vida mais turbulenta do trio. Moralista, mas ateu; neurótico, teve colapsos nervosos causadores de internações; casou-se três vezes apesar de misógino. Suas peças são apontadas como autobiográficas e caracterizadas justamente por essas contradições todas - "dualismo dramático". Foi vitimado pelo câncer, morrendo em 1.912. Pelo visto, elaborou a versão teatral da filosofia de Schopenhauer. Srta. Júlia, e O Pai são as peças analisadas. Infelizmente é um autor com o qual ainda não tive contacto.

Já Anton Pavlovich Chekhov (1.860/1.904) é um velho amigo que conheço pelos seus contos. Um observador exímio da alma humana, daqueles a conhecer melhor o indivíduo melhor que este por si mesmo. Algo ressaltado por Adler mas já de alguma forma sabido pelo leitor são os antecedentes do personagem. Ela reforça este ponto para o actor aprimorar sua técnica, porém "já que ela falou" notamos ser assim mesmo. Um tipo nos chega já com um histórico. Algo aconteceu antes da cena apresentada, um conflito já ocorreu ou está em curso. No caso de As Três Irmãs, percebemos primeiro a nostalgia, depois os fundamentos. Um personagem é apresentado e só então entendemos a angústia de outro, como na mesma peça, Masha e seu marido. Chekhov destaca a classe social em declínio: a aristocracia russa. São pessoas que praticamente desaprenderam a viver e precisam adaptar-se às mudanças em curso. Todo tipo de radicalismo político está em andamento e a antiga casta vê-se insegura, perdida, tacteando. Apesar disso, é o público principal de Chekhov, ainda sabe apreciar o que assiste, ainda tem discernimento. Não são apresentadas soluções. Há aquela indisposição para a luta, a pré-ciência da inutilidade da batalha. Qual o motivo do esforço se o resultado já é sabido de antemão? A única coisa a fazer é tentar. Ao menos tentar, nunca desistir. Isso é realismo, não pessimismo.

Para ir além





Ricardo de Mattos
Taubaté, 27/3/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Natal de Charles Dickens de Celso A. Uequed Pitol
02. Preparar Para o Impacto de Marilia Mota Silva
03. Eleições nos Estados Unidos de Marilia Mota Silva
04. Elon Musk de Julio Daio Borges
05. A literatura de Marcelo Mirisola não tem cura de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2003
01. Da Poesia Na Música de Vivaldi - 6/2/2003
02. Poesia, Crônica, Conto e Charge - 13/11/2003
03. Da Biografia de Lima Barreto - 26/6/2003
04. Estado de Sítio, de Albert Camus - 4/9/2003
05. A Euforia Perpétua, de Pascal Bruckner - 5/6/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




UM AMOR DO OUTRO MUNDO
GANYMEDES JOSÉ
ATUAL
(1994)
R$ 7,00



TERRA SEM MAL
JACY DO PRADO BARBOSA NETO
PLANETA
(2013)
R$ 17,00



THE COMPLETE IDIOTS GUIDE TO DRAWING PEOPLE ILLUSTRATED
BRENDA HODDINOTT
ALPHA
(2004)
R$ 45,00



JOANINHA VIDA DE JOANA D'ARC PARA CRIANÇAS
NINA SALVI
MELHORAMENTOS
(1953)
R$ 12,00



DIVINDADE EGÍPCIAS EDIÇÃO Nº4
VÁRIOS AUTORES
ABRIL
(2005)
R$ 6,90



BACK AGAIN
RICHARD H. DAVIS
FTD
(1994)
R$ 9,78



CENTRO DE ARTE CONTEMPORÂNEA INHOTIM - CACI
LISETE HANNA RACHED
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 419,00



BEDA FOMM: LA VICTORIA CLÁSICA (EM ESPANHOL)
KENNETH MACKSEY
SAN MARTIN (MADRID)
(1975)
R$ 14,82



GUINÉ - BISSAU, O AMBIENTE AGRÍCOLA, O HOMEM E O USO DA TERRA
CARLOS COSTA E MAURO RESENDE
CLÁSSICA
(1994)
R$ 27,50



OS LUSÍADAS CLASSICOS JACKSON VOL. VII
CLASSICOS JACKSON
SAO PAULO
R$ 25,00





busca | avançada
31843 visitas/dia
1,0 milhão/mês