Estado de Sítio, de Albert Camus | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
35940 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> CONGRESSO DE ENSINO/APRENDIZAGEM DAS ARTES NA AMÉRICA LATINA: COLONIALISMO E QUESTÕES DE GÊNERO
>>> FERNANDA CABRAL SE APRESENTA NA CAIXA CULTURAL BRASÍLIA
>>> Projeto Entrecruzados lança livro e videodança documental
>>> Inscrições Abertas || Residência Artística no Jardim Botânico de Brasília
>>> Gravação de videoclipe quase provoca prisão do irmão de Gabriel o Pensador
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> No palco da vida, o feitiço do escritor
>>> Um olhar sobre Múcio Teixeira
>>> Algo de sublime numa cabeça pendida entre letras
>>> estar onde eu não estou
>>> Nos escuros dos caminhos noturnos
>>> As Lavadeiras, duas pinturas de Elias Layon
>>> T.É.D.I.O. (com um T bem grande pra você)
>>> As palmeiras da Politécnica
>>> Como eu escrevo
>>> Goeldi, o Brasil sombrio
Colunistas
Últimos Posts
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
Últimos Posts
>>> É premente reinventar-se
>>> Contraponto
>>> Aparições
>>> Palavra final
>>> Direções da véspera I
>>> Nada de novo no front
>>> A Belém pulp, de Edyr Augusto
>>> Fatos contábeis
>>> Jaula de sombras
>>> Camadas tectônicas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Aqui sempre alguém morou
>>> A imprensa dos ruivos que usam aparelho
>>> Entrevista a Ademir Pascale
>>> Leitura vertical e leitura horizontal
>>> O Direito à Estupidez
>>> Simone de Beauvoir: da velhice e da morte
>>> Salinger: uma vida
>>> Pessach: entre o social e o existencial
>>> Entrevista com João Moreira Salles
>>> E a internet está, de novo, mudando o mundo... no Egito, na Líbia...
Mais Recentes
>>> Veja--1649--o silvio que voce nunca viu. de Editora abril pela Abril (2000)
>>> Veja--2219--voo af 447--panico na cabine. de Editora abril pela Abril (2011)
>>> Revista dos curiosos--3--tira-teima das copas. de Editora europa pela Europa
>>> Tadeu Chiarelli de A Fotografia e o Tempo, Prêmio Porto Seguro 2009 pela Matavelli (2009)
>>> Galileu--7--historia--por que israel nao tem paz. de Editora globo pela Globo (2006)
>>> As Mil e Uma Noites, Contos Árabes III Volume de Anônimo pela Vademecum
>>> Introdução à Antropologia Cultural de Mscha Titiev pela Fundação Calouste Gulbenkian (1969)
>>> Tempo Brasileiro 70 Em Torno de Freud de Joel Birman, Chaim Samuel Katz e outros pela Tempo Brasileiro (1982)
>>> Vivências de Hermann Hesse pela Record
>>> Vidas Paralelas (Rainhas do Romance 52) de Linda Lael Miller pela Harlequin (2011)
>>> Caminhos da Sedução (Harlequin Primeiros Sucessos Livro 53) de Diana Palmer pela Harlequin (2014)
>>> O Gosto Do Pecado - Coleção Harlequin Primeiros Sucessos. Número 37 de Diana Palmer pela Harlequin (2013)
>>> Desafio de uma Vida (Harlequin Primeiros Sucessos Livro 49) de Diana Palmer pela Harlequin (2014)
>>> Amor Eterno - Special 81 de Caroline Anderson pela Harlequin (2013)
>>> Negócios À Parte - Sabrina 1618 de Fern Michaels pela Nova Cultural (2010)
>>> Se houver amanhã - Julia 1354 de Suzanne McMinn pela Nova Cultural (2005)
>>> Um Novo Amor! - Sabrina 1617 de Jerri Corgiat pela Nova Cultural (2004)
>>> Sete anos de feitiço - Coleção Desejo Novo, N° 38 de Heidi Betts pela Harlequin (2006)
>>> Amor fora-da-lei - Série Mavericks - Os Indomáveis 06 de Pat Warren pela Harlequin (2008)
>>> Beijos & Desejos - Coleção Harlequin Desejo Clássicos. Número 5 de Charlene Sands pela Harlequin (2014)
>>> Paixão e Atração - Harlequin Paixão #151 de Lucy Monroe e Trish Morey pela Harlequin (2009)
>>> Uma Noite Inesquecível / Doce Proposta - Harlequin Desejo Livro 227 de Brenda Jackson pela Harlequin (2015)
>>> Paixão Total de Jackie Braun pela Harlequin Books (2009)
>>> A ilha dos deuses de Nora Roberts pela Harper Collins (2016)
>>> Bruxa da noite de Nora Roberts pela Arqueiro (2015)
>>> Um Amor Para Recordar de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2011)
>>> Crepúsculo de Stephenie Meyer pela Intrínseca (2005)
>>> Anjos à mesa de Debbie Macomber pela Novo Conceito (2013)
>>> Nunca diga adeus de Doug Magee pela Arqueiro (2012)
>>> O amor mora ao lado de Debbie Macomber pela Novo Conceito (2013)
>>> Melhor que chocolate: Uma história sobre amor, Paris e teimosia de Laura Florand pela Única (2015)
>>> O lago místico de Kristin Hannah pela Novo Conceito (2014)
>>> O Jeito que me Olha de Bella André pela Novo Conceito (2014)
>>> Não Posso me Apaixonar de Bella André pela Novo Conceito (2013)
>>> Quero ser seu de Bella André pela Novo Conceito (2013)
>>> Um Olhar de Amor de Bella André pela Novo Conceito (2012)
>>> Perto de Você de Bella André pela Novo Conceito (2014)
>>> A arte da ilusão de Nora Roberts pela Harper Collins (2015)
>>> O Presente do Meu Grande Amor. Doze Histórias de Natal de Stephanie Perkins pela Intrínseca (2014)
>>> Para Sempre de Kim e Krickitt Carpenter pela Novo Conceito (2012)
>>> Um Perfeito Cavalheiro de Julia Quinn pela Arqueiro (2014)
>>> Felizes Para Sempre de Nora Roberts pela Arqueiro (2014)
>>> Bem Casados de Nora Roberts pela Arqueiro (2014)
>>> Mar de Rosas de Nora Roberts pela Arqueiro (2014)
>>> Álbum de Casamento de Nora Roberts pela Arqueiro (2013)
>>> Á Primeira Vista de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2012)
>>> Pode Beijar a Noiva de Patricia Calbot pela Essência (2012)
>>> Professional PHP4 Programming (Programmer to programmer) Importado de Deepak Thomas pela Wrox (2002)
>>> Um Lugar Para o Amor de Sherryl Woods pela Harper Collins (2016)
>>> Como ter uma vida normal sendo Louca de Camila Fremder e Jana Rosa pela Agir (2013)
COLUNAS

Quinta-feira, 4/9/2003
Estado de Sítio, de Albert Camus
Ricardo de Mattos

+ de 14200 Acessos



O Governador lhes é grato. Nada é bom quando é novo.

[Imagem elaborada por Alessandro Silva, colunista do Digestivo Cultural, especialmente para acompanhar esta Coluna]

A chave histórica para compreensão de Estado de Sítio, de Albert Camus, está principalmente na turbulência espanhola durante a primeira metade do século XX. Os distúrbios em Espanha começaram durante o reinado de Afonso XIII. O exército enviado ao Marrocos a fim de garantir o controle espanhol estava insatisfeito e cumulado a isto, a Catalunha exigia maior autonomia administrativa, pleiteando com violência o que não obteve mediante reivindicações. Tal a ordem de confrontos ocorridos na principal cidade catalã, Barcelona, que o capitão Miguel Primo de Rivera lá estabeleceu uma ditadura regional com beneplácitos régio e popular. A república de Espanha foi proclamada em 1.931 e, se mantida por um regime liberal moderado, recebeu ataques de extremistas de esquerda e de direita. Uma frente popular alcançou o domínio em 1.936, secundada meses depois pelo golpe militar de Francisco Franco. Toda esta instabilidade acabou servindo de cortina para o movimento. O general invadiu a Espanha liderando aquela parcela do exército encontrada em terras marroquinas. A famosa guerra civil (1.936/9) é fruto desta invasão, dividindo-se o campo de batalha entre nacionalistas – partidários do Exército – e lealistas – partidários do governo republicano – até a victória final dos primeiros representada pela tomada de Madrid. Franco estabeleceu sua ditadura com o apoio do partido fascista espanhol – a Falange –, do Exército, da Igreja Católica e de uma população exausta da luta interna. “Mais vale uma boa conciliação que uma vitória sobre escombros”.

George Orwell e Hemingway lutaram a favor dos republicanos. Do primeiro, a experiência resultou no Lutando na Espanha e um de seus mais famosos, A Revolução dos Bichos, é irmão do espetáculo de Camus. Pena ele não ter conhecido a minha Cigana, senão fatalmente ter-lhe-ia arranjado uma colocação na Granja do Solar. Ela seria uma espécie de eminência parda, e muitas vezes a autoridade constituída é uma mera porta-voz destas figuras. Não se deve deixar de ler também, com o cuidado de não misturar demais, O Crocodilo de Dostoievski.

O cunho político é claro. O espetáculo todo prima pela clareza, não havendo motivos para temer o autor. Há representação dos horrores da Segunda Grande Guerra, como a obrigatoriedade de se usar uma estrela negra na porta das casas das pessoas contaminadas, remetendo directamente à estrela de David de uso exigido aos judeus e a menção à necessidade da concentração de prisioneiros. Porém esta representação é mais afeita ao romance A Peste lançado no ano anterior que à peça pois aqui a crítica de Camus teve por alvo específico o regime em vigor na Espanha após a guerra civil e genérico os governos autoritários.

A estreia da peça deu-se no dia 27 de outubro de 1.948. O espetáculo foi dedicado ao actor francês de cinema e teatro Jean-Louis Barrault (1.901/1.994), sendo ele mesmo o director teatral e o primeiro Diego. Lembro-me de dois de seus filmes, não os principais contudo: Si Versailles M'Etait Conte (1.954) e Le Testament du Docteur Cordelier (1.959). A trama desenrola-se na cidade espanhola de Cádiz e inicia-se com a passagem d’um cometa, símbolo de futuras tragédias. Junto a Diego, os personagens são Vitória, o Juiz seu pai, a Peste, sua secretária (a Morte), o bêbado Nada, o governador, vários alcaides e inúmeros secundários, além do coro. De acordo com o teor das falas todas dos personagens ligados ao governo, parece não ser despropósito afirmar a existência do personagem Governo, ou Estado, d’um polvo do qual eles seriam os tentáculos.

A música incidental tocou ao compositor francês de ascendência suíça Arthur Honegger (1.892/1.955), cujas peças tinham temas ou inspirações inéditas como o rúgbi ou uma locomotiva. Suas concepções parecem ter calhado para o ideal de Camus: atente-se às constantes notas sobre os sons anteriores a certas cenas, como a passagem do cometa ou o alvoroço final da primeira parte. Por fim, o cenário e o figurino couberam a Balthus (1.908/2.002), pintor conhecido sobretudo pelas cativantes cenas íntimas e de cuja obra faz muita falta um álbum. Tenho particular apreço por estas aproximações entre as artes.

Apesar de todo o aparato, causou pouca impressão e foi mal acolhida pela crítica. O fracasso inicial talvez seja devido ao perceptível entusiasmo de Camus diante do tema. A espontaneidade afastou o refinamento esperado do autor d’A Peste, sendo exemplares a última convocação do coro – “vamos gritar pelo deserto” – e o último pronunciamento da Peste – personagem – ao final da primeira parte. Deveras, pode ser encontrada uma série de lugares-comuns, frases de efeitos e aforismos. São dignas de menção a discussão entre Victória, seus pais e Diego na segunda parte, e a outra entre Diego e a Peste na terceira. Na segunda discussão, o realismo com vislumbres de cinismo fala através da Peste, e Diego representa aquele idealismo inicialmente fraco e que se reforça e altera o regime em vigor. No Brasil, menciono como exemplo o abolicionismo.

Uma epidemia qualquer aflige os habitantes de Cádiz – escolha não desacompanhada de crítica. É uma doença como poderia ser qualquer outro fenómeno externo – ou interno, mas a atacar de fora –, imprevisível e forte. A imprevisão decorre da ausência de um raciocínio político a longo prazo e tem por conseqüências tanto o despreparo diante do novo quanto o recrudescimento do autoritarismo. O despreparo leva a encobrir o problema: esconde-se o irresolúvel. Elevar o grau do autoritarismo é a velha prática do ataque como melhor defesa. O povo deve esquecer a passagem do cometa e quem insistir em lembrar será punido. “A vontade do governador é que nada aconteça em seu governo e que tudo continue bem, como sempre foi”. Não se fuja do hábito, pois novos factos e novas ideias trazem consigo a necessidade de novas explicações. Se as explicações oficiais forem erróneas ou falsas, podem ser corrigidas ou desmentidas, levando daí ao questionamento e provável enfraquecimento da autoridade, ao descrédito e à desobediência. Revela fundamentos frágeis a autoridade que não admite ser questionada. Quando o governo recorre à agressão, a Força, uma virtude governamental, é confundida com seu vício oposto, a fraqueza. Um povo crédulo – e a credulidade em si não é falha estatal – entretanto, facilita muito a permanência deste status. Provavelmente a personificação da Peste sirva, n’um primeiro momento, para demonstrar o comportamento do Governo diante do cúmulo a que se pode chegar com este quadro de desordem.

Outra derivação do recrudescimento do autoritarismo, segundo quer mostrar-nos Camus, é o cultivo de leis e de formalidades. Muitas, obscuras e contraditórias leis e formalidades escudam o arbítrio, tornando difícil sua prova. Nada agrada mais um funcionário público que um procedimento com começo, meio e fim, esconda o que esconder. “No caso de dúvida, recorra-se a quem de direito". O prejudicado muitas vezes prefere resignar-se. Por isso aquele fechar de portas no espetáculo, ainda na primeira parte. O diálogo entre a secretária e um pescador, na segunda parte, atinge o caricato.

Para ir além





Ricardo de Mattos
Taubaté, 4/9/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A Imagem do Som de Fabio Gomes
02. Solitária cidadã do mundo de Elisa Andrade Buzzo
03. De Siegfried a São Jorge de Celso A. Uequed Pitol
04. Quatro dias em São Paulo de Rafael Rodrigues
05. Anticristo: sexo como culpa de Wellington Machado


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2003
01. Da Poesia Na Música de Vivaldi - 6/2/2003
02. Poesia, Crônica, Conto e Charge - 13/11/2003
03. Da Biografia de Lima Barreto - 26/6/2003
04. A Euforia Perpétua, de Pascal Bruckner - 5/6/2003
05. Estado de Sítio, de Albert Camus - 4/9/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PAVANA PARA UM MACACO DEFUNTO - ANTÔNIO GALVÃO NACLÉRIO NOVAES (TEATRO BRASILEIRO)
ANTÔNIO GALVÃO NACLÉRIO NOVAES
SNT/MEC
(1967)
R$ 25,00



UM CONTO DE BATMAN: LÂMINAS: MINI SÉRIE EM 3 EDIÇÕES
N/D
ABRIL JOVEM
(2017)
R$ 20,00



HITCH GIRL - EXPERT EM SEDUÇÃO
LA BARONNE
LUA DE PAPEL
(2011)
R$ 15,69



OS DESVALIDOS - 1ª EDIÇÃO
FRANCISCO J. C. DANTAS
COMPANHIA DAS LETRAS
(1993)
R$ 15,00



MYSTERYUM CONIUNCTIONIS
C.G. JUNG
VOZES
(1990)
R$ 42,00



EDUCAÇÃO COMO EXERCÍCIO DO PODER
VITOR HENRIQUE PARO
CORTEZ
(2010)
R$ 20,00



ART A HISTORY OF PAINTING SCULPTURE ARCHITECTURE VOL 1
FREDERICK HARTT
PRENTICE HALL
(1976)
R$ 80,00



BIOLOGIA 2 - BIOLOGIA DOS ORGANISMOS - BOX COMPLETO 4 LIVROS
AMABIS; MARTHO
MODERNA
(2014)
R$ 40,00



LUNA CARA DE CONEJO - TERESA VALENZUELA (TEATRO INTANTIL)
TERESA VALENZUELA
LIBROS DEL RINCON
(1999)
R$ 20,00



ESTETICA DE LÉVIS STRAUSS
JOSE GUILHERME MERQUIOR
LOYOLA
(2018)
R$ 44,90





busca | avançada
35940 visitas/dia
1,0 milhão/mês