E os outros filhos? | Clovis Ribeiro

busca | avançada
46186 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> 9ª Edição do Encontro Internacional de Mulheres Palhaças (EIMPA) recebe dezenas de atrações com mais
>>> Teatro- Cidadão em Construção - Ultima apresentação no CEU
>>> 26º Cirandança reúne 1200 alunos das Oficinas de Dança durante 6 dias no C.C. Diadema
>>> IOLE DE FREITAS NO PAÇO IMPERIAL, RIO DE JANEIRO
>>> Sesc Pinheiros apresenta Um Dia, Um Rio, infantojuvenil com o Grupo 59 de Teatro
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
>>> Minha história com o Starbucks Brasil
>>> O tipógrafo-artista Flávio Vignoli: entrevista
>>> Deixe-me ir, preciso andar, vou por aí a procurar
>>> Olimpíada de Matemática com a Catarina
>>> Mas sem só trapaças: sobre Sequências
>>> Insônia e lantanas na estreia de Rafael Martins
>>> Poesia sem oficina, O Guru, de André Luiz Pinto
Colunistas
Últimos Posts
>>> Keleti: de engenheiro a gestor
>>> LeCun, Bubeck, Harris e a inteligência artificial
>>> Joe Satriani tocando Van Halen (2023)
>>> Linger by IMY2
>>> How Soon Is Now by Johnny Marr (2021)
>>> Jealous Guy by Kevin Parker (2020)
>>> A última canção dos Beatles (2023)
>>> No Time To Die by Meg Mac
>>> Praise You by The Belligerents (2015)
>>> Let It Happen by Meg Mac (2017)
Últimos Posts
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Culpa não tem rima
>>> As duas faces de Janus
>>> Universos paralelos
>>> A caixa de Pandora do século XX
>>> Adão não pediu desculpas
>>> No meu tempo
>>> Caixa da Invisibilidade ou Pasme (depois do Enem)
>>> CHUVA
>>> DECISÃO
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Miguel de Unamuno e Portugal
>>> Café com Ferri aposta na Bolsa
>>> Steve Jobs e Bill Gates juntos, no All Things Digital
>>> Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto
>>> Mens sana in corpore sano
>>> Eitonilda rumo aos 100K
>>> Desonra, por J.M. Coetzee
>>> Desonra, por J.M. Coetzee
>>> Há um corpo estendido no chão
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
Mais Recentes
>>> Introdução à Psicologia de Linda L. Davidoff pela McGraw-Hill (1983)
>>> Livro Capa Dura Infanto Juvenis Criaturas Míticas 3-D Cenas com Sons de Anita Ganeri pela Ciranda Cultural (2010)
>>> Livro Infanto Juvenis Deu a Louca no Guarda-roupa de Jonas Ribeiro; Suppa pela Do Brasil (2008)
>>> Livro Literatura Estrangeira Escola dos Sabores de Erica Bauermeister pela Sextante (2010)
>>> Personal Branding - Construindo Sua Marca Pessoal de Arthur Bender pela Integrare (2009)
>>> After The Prophet de Lesley Hazleton pela Anchor Books (2023)
>>> De volta aos quinze (4ªED 2014) de Bruna Vieira pela Gutenberg (2014)
>>> Livro Esportes Quando é Dia de Futebol de Carlos Drummond de Andrade pela Record (2002)
>>> Livro Religião Sobre El Cristianismo de Julián Marías pela Planeta (1997)
>>> Faca As Perguntas Certas E Viva Melhor de Marilee G. Adams pela Gente (2005)
>>> Eu os Declaro... Marido & Mulher de Gerson Avena pela Santos (2009)
>>> Livro Infanto Juvenis O Príncipe e o Mendigo. Em Cordel de Paiva Neves pela Nova Alexandria (2010)
>>> Psicogênese da Língua Escrita de Emilia Ferreiro; Ana Teberosky pela Artes Médicas (1985)
>>> Livro de Bolso Literatura Brasileira O Cortiço Coleção a Obra-Prima de Cada Autor 72 de Aluísio Azevedo pela Martin Claret (2001)
>>> The Catcher in The Rye de J. D. Salinger pela Little Brown (2010)
>>> O Hobbit de J. R. R. Tolkien pela Martins Fontes (2012)
>>> A Economia da Desigualdade de Thomas Piketty pela Intrinseca (2015)
>>> Natureza da psique de C. G. Jung pela Vozes (2013)
>>> Livro Capa Dura Infanto Juvenis Guia do Aprendiz Em Minecraft de Vários Autores pela Universo Geek (2015)
>>> Livro Religião O Residente de Jairo Avellar pela Itapua (2007)
>>> Produtividade Máxima de Tamara Schwambach Kano Myles pela Sextante (2015)
>>> Noites do Sertão de João Guimarães Rosa pela Record (1974)
>>> Livro Infanto Juvenis Flautista de Hamelin The Pied Piper Coleção Folha Contos Fabulas Bilingue Volume 26 de Folha de São Paulo; Eugenio Blanco pela Folha de São Paulo (2020)
>>> Livro Infanto Juvenis Quente e Frio Coleção O Que é? de Emmanuel Bernhard pela Companhia Nacional (2006)
>>> 1808 de Laurentino Gomes pela Planeta (2007)
COMENTÁRIOS

Segunda-feira, 12/9/2005
Comentários
Leitores

E os outros filhos?
Admiro muito quem goste dessa trama sertaneja desenvolvida no filme "2 filhos de Francisco", mas não vejo como o melhor filme basileiro do momento. É claro que com a importância da música sertaneja para nossa cultura não pode ser negada, entretanto, vale a pena refletir se toda essa história não foi adaptada para uma realidade lúdica, onde as estrelas da música sertaneja possam posar de biográficos heróis do regionalismo popular.

[Sobre "Um rancho e um violão"]

por Clovis Ribeiro
12/9/2005 às
12h19 200.171.14.211
(+) Clovis Ribeiro no Digestivo...
 
embrutecimento do corpo
Caro, Marcelo, nesta noite por exemplo sem querer me deparei com dois excelentes textos sobre cinema e apreciação estética ao som do Charles Mingus, será que sou um erudito...? Seu texto é perfeito nas considerações secundárias, porém, penso que a questão vem do inicio, quando o moleque não tem nenhum incentivo a uma verdadeira apreciação estética... a sua angústia ao que me parece é que a tese de Walter Benjamim tenha se confirmado, o trabalhador sai do trabalho e vai ver um filme, ele quer ver as bundas e tiros e pronto, entretenimento puro e simples... penso humildemente que é uma questão de educação e curiosidade despertada, no mais, o lance é que o ser humano é descendente direto da girafa. Penso também que é uma questão de embrutecimento do corpo, só respondem aos mesmos estimulos... Excelente texto esse seu.

[Sobre "A falta de paciência com o cinema"]

por Danilo Santos Cruz
12/9/2005 à
01h32 201.19.191.185
(+) Danilo Santos Cruz no Digestivo...
 
missão cumprida
Aê, Marcelo, muito bom o texto, nunca vi uma obra desse autor, e você conseguiu o mais importante: assim que tiver oportunidade procurarei e assistirei um dos seus filmes... Não é essa a missão de quem escreve?

[Sobre "Abbas Kiarostami: o cineasta do nada e do tudo"]

por Danilo Santos Cruz
11/9/2005 às
23h31 201.19.191.185
(+) Danilo Santos Cruz no Digestivo...
 
muitíssimo obigado
Prezado Julio, muitíssimo obigado por me fazer conhecer a obra de Schopenhauer, além do excelente comentário. J.D. Brito

[Sobre "Schopenhauer sobre o ofício de escritor"]

por Brito
9/9/2005 às
15h18 200.229.134.186
(+) Brito no Digestivo...
 
Um livro pode ser ordinario...
Nao sei... Nem todo matematico precisa ser Gauss. Nem todo escritor precisa fazer um classico. Acho que as coisas se constroem e se complementam. Obviamente, certas coisas tem um valor maior, mas muitas vezes nao estamos preparados ainda para receber isto. Seria como aprender sobre curvatura gaussiana antes de ter brincado de Calculo num livro nada genial do Leithold. O livro de entretenimento, alem da funcao de entreter, serve sim como porta de entrada... Eu mesmo fui ler um monte de coisas legais, porque comecei jovem e lendo entretenimento. Talvez Schopenhauer tenha criticado nao a literatura de entretenimento, mas escrever por dinheiro. Ha' uma grande diferenca. Um Stephen King ou Agatha Christie podem amar o que escrevem. Pode nao ser fundamental, mas podem ter a paixao pelo oficio... Acho que muita gente imagina que escrever um livro seja sacrossanto so' porque se deixa um monte de volumes de papel para depois que nos morrermos. Nao ha' nada de mais nisso... Um livro e' plenamente ordinario. Talvez, se ele te tocar de alguma forma, ai' e' importante. Pode ser um Agatha Christie ou Fausto. Em engenharia muita gente pula pra cima e pra baixo sobre classicos. Mas como entender as ideias classicas de engenharia se voce nao tem a base? Ou se a pessoa escreve mal como Leibnitz? Sera que alguem quer aprender Calculo com o livro dele?

[Sobre "Schopenhauer sobre o ofício de escritor"]

por Ram
9/9/2005 à
00h40 67.161.2.145
(+) Ram no Digestivo...
 
Conselhos discutíveis
Um escritor pode escrever por dinheiro e, assim mesmo, produzir obras extraordinárias. Há inúmeros exemplos na história da Literatura, como Balzac e Dostoievski. Do mesmo modo, muitos que escrevem por amor, podem dar forma a textos abomináveis (como, aliás, costuma ocorrer e muito). O seu texto, que por sinal está muito bom, só me fez reforçar a tese de que quando o assunto é arte (incluindo aí a Literatura) não existem regras absolutas que valham para todos. Quando se tenta colocar todos os escritores sob o jugo de uma classificação única e abrangente, os resultados costumam ser temerários. Além do mais, creio que entre os novos escritores, há estilo até demais; o que falta é criatividade. Quanto à validade ou não dos best-sellers essa é uma discussão prematura e inútil num país como o Brasil, onde 75% da população, segundo dados recentemente divulgados, não é capaz de ler e/ou interpretar um texto escrito. Portanto, antes de enveredarmos por esse debate, precisamos formar um contingente maciço de leitores. E os best-sellers podem, sim, prestar um grande auxílio neste sentido.

[Sobre "Schopenhauer sobre o ofício de escritor"]

por Luis Eduardo Matta
9/9/2005 à
00h23 200.184.36.231
(+) Luis Eduardo Matta no Digestivo...
 
Credora com respeito
Até para mim que fui ludibriada pela verborragia, considerei o texto procedente... já que credora de um partido dos trabalhadores que "pintava muro", "tinha posicionamento".

[Sobre "Têm sido tempos difíceis..."]

por Ana
8/9/2005 às
12h02 201.3.202.168
(+) Ana no Digestivo...
 
Mínimo múltiplo comum
Schonpenhauer, Nietzsche, Mencken, e Paulo Francis, têm algo em comum? É o que resta ser respondido, não apenas pelo temperamento deles. Mas pelo conteúdo de sua obra. Na provocação de comparar o artista que vende sua obra com uma prostituta. Na coragem de navegar contra a corrente, apesar dos inimigos que foram acumulando ao longo dos anos. Na coragem de criticar com arrogância desde que o sentimento fosse verdadeiro. Na coragem de se mostrar como se é, derrubando a fronteira entre o público e o privado. Mostrando que a felicidade só é verdadeira se completa. E como não pode ser completa jamais será verdadeira. Sou obrigado a escrever que seu artigo é majestoso. Na forma e no conteúdo.

[Sobre "Schopenhauer sobre o ofício de escritor"]

por Erwin Maack
8/9/2005 às
10h52 200.207.119.199
(+) Erwin Maack no Digestivo...
 
Também fui patrulhado
Muito antes do "Lula paz e amor" e do PT cor-de-rosa para consumo da classe média, eu sempre votei no PT (e eventualmente no PSDB... grande Covas). Também fui patrulhado, agredido verbalmente, ridicularizado. Por aí se percebe que maniqueísmo e ignorância não são exclusividade de nenhuma facção, eles estão distribuídos igualitariamente. Parece que é nossa sina vivermos em um eterno FlaxFlu. Triste.

[Sobre "Têm sido tempos difíceis..."]

por Claudio
8/9/2005 às
10h27 201.0.249.14
(+) Claudio no Digestivo...
 
2 Filhos de Francisco
Sem dúvida, Eduardo Carvalho tem toda razão: o que existe de sambinha e roquinho péssimos sendo saudados como música de qualidade apenas por serem samba e rock não está escrito. Zezé di Camargo é um grande compositor popular, um grande talento musical bruto que lapidou a si mesmo, como Luiz Gonzaga e Roberto Carlos são e, mesmo assim, enfrentaram enorme preconceito até serem aceitos pela elite intelectual. Os bossa-novistas tinham horror ao baião de Gonzaga. Até o dia em que os tropicalistas e um Quinteto Violado redescobriram o Velho Lua e contribuíram para levar sua música simples, mas muitas vezes sublime, para as melhores salas de concerto, inclusive as de música erudita. Certa vez, num concerto em Goiânia, com a Orquestra Sinfônica local, regida pelo maestro Joaquim Jayme, o grande Sivuca contou ter executado "Asa Branca", numa versão sua para concerto e sanfona, com uma orquestra de câmara da Suécia e, durante a execução, a spalla da orquestra chorava, emocionada. Vejam que cena: uma violinista sueca chorando ao executar a música de um sanfoneiro pé-serra, quase analfabeto, do sertão do Brasil. No filme se pode perceber que algumas músicas de Zezé di Camargo têm essa mesma força de "Asa Branca", com a diferença de que "Asa Branca" traduz a emoção coletiva de um povo, enquanto "É o Amor", por exemplo, expressa autenticamente sentimentos individuais, mão menos legítimos do que os coletivos. Por outro lado, ao contrário do que acredita a grande maioria dos intelectuais contemporâneos, a beleza não é inimiga das lágrimas, pelo contrário - freqüentemente são irmãs siamesas. Eu me emocionei com "2 Filhos de Francisco". Ele dignifica o Brasil profundo dos Sertões de Rosa, que vai do norte do Paraná até Goiás e tem seu cerne no interior de São Paulo. E, além do mérito do diretor, há também muito mérito na decisão de Zezé di Camargo de convidar Caetano Veloso para fazer a trilha sonora do filme. Caetano, como sempre, demonstrou que é mesmo um mestre e soube dialogar com a cultura do interior do Brasil. (José Maria e Silva, Goiânia, Goiás, Brasil)

[Sobre "Um rancho e um violão"]

por José Maria e Silva
8/9/2005 às
04h49 201.2.52.253
(+) José Maria e Silva no Digestivo...
 
Julio Daio Borges
Editor
mais comentários

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




La Pensee Revolutionnaire 1780 - 1799
Jacques Godechot
Armand Colin
(1964)



Não Diga uma Palavra
Jennifer Mcmahon
Jangada
(2013)



Pinóquio-ilha do Tesouro-aladim - Fantasia Bilíngue
Mauricio de Sousa
Girassol
(2013)



O Amanhã
Zibia Gasparetto
Vida & Consciência
(2007)



Quantitative Chemical Analysis - 8ª Edição
Daniel C. Harris
Freeman
(2008)



/Uma Marca Chamada Você
Jairo de Paula
Best Seller



Gestão da Emoção
Augusto Cury
Benvirá
(2017)



Naceu e agora 389
Stéphanie Sapin-Lignières
Haper Collins
(2018)



Teoria Da Cultura De Massa
Abraham Moles
Paz e Terra



Entre Rios
Domingos Pellegrini e outros
Ftd
(2014)





busca | avançada
46186 visitas/dia
2,7 milhões/mês