Um livro pode ser ordinario... | Ram

busca | avançada
62339 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Projetos culturais e acessibilidade em arte-educação em cursos gratuitos
>>> Indígenas é tema de exposição de Dani Sandrini no SESI Itapetininga
>>> SESI A.E. Carvalho recebe As Conchambranças de Quaderna, de Suassuna, em sessões gratuitas
>>> Sesc Belenzinho recebe cantora brasiliense Janine Mathias
>>> Natália Carreira faz show de lançamento de 'Mar Calmo' no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
>>> G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas
>>> O último estudante-soldado na rota Lisboa-Cabul
Colunistas
Últimos Posts
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
>>> Como declarar ações no IR
Últimos Posts
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
>>> Sexta-feira santa de Jesus Cristo.
>>> Fé e dúvida
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Mistério em Moscou
>>> Sideways Rain: Pausa, Choque, Fluxo e Corpo
>>> Capitu, a melhor do ano
>>> Bowie, David
>>> A guerra das legendas e o risco da intolerância
>>> À beira do caminho
>>> Monteiro Lobato, a eugenia e o preconceito
>>> Vale Emprego
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> internet jornalismo revolução
Mais Recentes
>>> Las dos Latino Américas, La Fractura Que Divide El Continente de Vários Autores pela Edelvives (2016)
>>> Anglo Química - Caderno de Exercícios Ensino Médio 1 Série 1 de Anglo - Sistema de Ensino pela Somos Educação
>>> Pai Você é o Maior! de Lisa Whitfield pela Panda Books # (2008)
>>> Introdução à Administração de Eunice Lacava Kwasnicka pela Atlas (1979)
>>> Fogo Morto de José Lins Rego pela Jose Olympio (1989)
>>> Conversando Sobre Endomarketing de Saul Faingaus Bekin pela Makron (1995)
>>> Amar e Morrer de Erich Maria Remarque pela Mérito
>>> Encontrando Deus Nas Dúvidas de Timothy Johnson e Outros pela Novo Seculo (2008)
>>> Manual de Dicas - Advocacia Pública Municipal, Estadual e Federal de Marcelo Hugo da Rocha pela Saraiva (2013)
>>> Língua Portuguesa Ensinar e Aprender - Material do Aluno Volume 2 de Governo do Estado de São Paulo pela Governo do Estado de São Paul (2010)
>>> Inside Out - Upper Itermediate de Sue Kay; Outro pela Macmillan (2001)
>>> O Xangô de Baker Street de Jô Soares pela Companhia das Letras (1995)
>>> Por Trás do Véu de ísis de Marcel Souto Maior pela Planeta do Brasil (2004)
>>> No Limite da Ousadia de Katie Mcgarry; Claudia Mello Belhassof pela Verus (2014)
>>> Caramelitos Guarderia - Libro del Alumno de Gabriela Zapiain pela Santillana Español (2015)
>>> O Afinador de Passarinhos de Gil Perini pela Atelie (2011)
>>> Vida e Saúde da Criança de Dr. Alencar de Carvalho pela Ciência e Progresso (1968)
>>> Histórias para Aquecer o Coração 2 de Ouro de Mark Victor Hansen; Jack Canfield pela Sextante
>>> Morte - Estágio Final da Evolução de Elisabeth Küpler-ross pela Nova Era (1996)
>>> Araribá História Guia de Estudo 7 de Vários Autores pela Moderna (2010)
>>> Nos Dias de Hoje - Geografia, 7º Ano de Rosaly Maria Braga Chianca e Outros pela Leya Didáticos (2015)
>>> A Fala dos Homens de Maria de Lourdes e Manzini-covre pela Brasiliense (1983)
>>> Poderá Viver para Sempre no Paraíso na Terra de Vários Autores pela Watch Tower Bible (1989)
>>> As Maravilhas do Século XX de Bernard Domeyrat pela Van Grei (1971)
>>> Guia da Vida Saudável de Dr. Stephen Carroll e Dr. Tony Smith pela O Globo (1992)
COMENTÁRIOS

Sexta-feira, 9/9/2005
Comentários
Leitores


Um livro pode ser ordinario...
Nao sei... Nem todo matematico precisa ser Gauss. Nem todo escritor precisa fazer um classico. Acho que as coisas se constroem e se complementam. Obviamente, certas coisas tem um valor maior, mas muitas vezes nao estamos preparados ainda para receber isto. Seria como aprender sobre curvatura gaussiana antes de ter brincado de Calculo num livro nada genial do Leithold. O livro de entretenimento, alem da funcao de entreter, serve sim como porta de entrada... Eu mesmo fui ler um monte de coisas legais, porque comecei jovem e lendo entretenimento. Talvez Schopenhauer tenha criticado nao a literatura de entretenimento, mas escrever por dinheiro. Ha' uma grande diferenca. Um Stephen King ou Agatha Christie podem amar o que escrevem. Pode nao ser fundamental, mas podem ter a paixao pelo oficio... Acho que muita gente imagina que escrever um livro seja sacrossanto so' porque se deixa um monte de volumes de papel para depois que nos morrermos. Nao ha' nada de mais nisso... Um livro e' plenamente ordinario. Talvez, se ele te tocar de alguma forma, ai' e' importante. Pode ser um Agatha Christie ou Fausto. Em engenharia muita gente pula pra cima e pra baixo sobre classicos. Mas como entender as ideias classicas de engenharia se voce nao tem a base? Ou se a pessoa escreve mal como Leibnitz? Sera que alguem quer aprender Calculo com o livro dele?

[Sobre "Schopenhauer sobre o ofício de escritor"]

por Ram
9/9/2005 à
00h40 67.161.2.145
(+) Ram no Digestivo...
 
Conselhos discutíveis
Um escritor pode escrever por dinheiro e, assim mesmo, produzir obras extraordinárias. Há inúmeros exemplos na história da Literatura, como Balzac e Dostoievski. Do mesmo modo, muitos que escrevem por amor, podem dar forma a textos abomináveis (como, aliás, costuma ocorrer e muito). O seu texto, que por sinal está muito bom, só me fez reforçar a tese de que quando o assunto é arte (incluindo aí a Literatura) não existem regras absolutas que valham para todos. Quando se tenta colocar todos os escritores sob o jugo de uma classificação única e abrangente, os resultados costumam ser temerários. Além do mais, creio que entre os novos escritores, há estilo até demais; o que falta é criatividade. Quanto à validade ou não dos best-sellers essa é uma discussão prematura e inútil num país como o Brasil, onde 75% da população, segundo dados recentemente divulgados, não é capaz de ler e/ou interpretar um texto escrito. Portanto, antes de enveredarmos por esse debate, precisamos formar um contingente maciço de leitores. E os best-sellers podem, sim, prestar um grande auxílio neste sentido.

[Sobre "Schopenhauer sobre o ofício de escritor"]

por Luis Eduardo Matta
9/9/2005 à
00h23 200.184.36.231
(+) Luis Eduardo Matta no Digestivo...
 
Credora com respeito
Até para mim que fui ludibriada pela verborragia, considerei o texto procedente... já que credora de um partido dos trabalhadores que "pintava muro", "tinha posicionamento".

[Sobre "Têm sido tempos difíceis..."]

por Ana
8/9/2005 às
12h02 201.3.202.168
(+) Ana no Digestivo...
 
Mínimo múltiplo comum
Schonpenhauer, Nietzsche, Mencken, e Paulo Francis, têm algo em comum? É o que resta ser respondido, não apenas pelo temperamento deles. Mas pelo conteúdo de sua obra. Na provocação de comparar o artista que vende sua obra com uma prostituta. Na coragem de navegar contra a corrente, apesar dos inimigos que foram acumulando ao longo dos anos. Na coragem de criticar com arrogância desde que o sentimento fosse verdadeiro. Na coragem de se mostrar como se é, derrubando a fronteira entre o público e o privado. Mostrando que a felicidade só é verdadeira se completa. E como não pode ser completa jamais será verdadeira. Sou obrigado a escrever que seu artigo é majestoso. Na forma e no conteúdo.

[Sobre "Schopenhauer sobre o ofício de escritor"]

por Erwin Maack
8/9/2005 às
10h52 200.207.119.199
(+) Erwin Maack no Digestivo...
 
Também fui patrulhado
Muito antes do "Lula paz e amor" e do PT cor-de-rosa para consumo da classe média, eu sempre votei no PT (e eventualmente no PSDB... grande Covas). Também fui patrulhado, agredido verbalmente, ridicularizado. Por aí se percebe que maniqueísmo e ignorância não são exclusividade de nenhuma facção, eles estão distribuídos igualitariamente. Parece que é nossa sina vivermos em um eterno FlaxFlu. Triste.

[Sobre "Têm sido tempos difíceis..."]

por Claudio
8/9/2005 às
10h27 201.0.249.14
(+) Claudio no Digestivo...
 
2 Filhos de Francisco
Sem dúvida, Eduardo Carvalho tem toda razão: o que existe de sambinha e roquinho péssimos sendo saudados como música de qualidade apenas por serem samba e rock não está escrito. Zezé di Camargo é um grande compositor popular, um grande talento musical bruto que lapidou a si mesmo, como Luiz Gonzaga e Roberto Carlos são e, mesmo assim, enfrentaram enorme preconceito até serem aceitos pela elite intelectual. Os bossa-novistas tinham horror ao baião de Gonzaga. Até o dia em que os tropicalistas e um Quinteto Violado redescobriram o Velho Lua e contribuíram para levar sua música simples, mas muitas vezes sublime, para as melhores salas de concerto, inclusive as de música erudita. Certa vez, num concerto em Goiânia, com a Orquestra Sinfônica local, regida pelo maestro Joaquim Jayme, o grande Sivuca contou ter executado "Asa Branca", numa versão sua para concerto e sanfona, com uma orquestra de câmara da Suécia e, durante a execução, a spalla da orquestra chorava, emocionada. Vejam que cena: uma violinista sueca chorando ao executar a música de um sanfoneiro pé-serra, quase analfabeto, do sertão do Brasil. No filme se pode perceber que algumas músicas de Zezé di Camargo têm essa mesma força de "Asa Branca", com a diferença de que "Asa Branca" traduz a emoção coletiva de um povo, enquanto "É o Amor", por exemplo, expressa autenticamente sentimentos individuais, mão menos legítimos do que os coletivos. Por outro lado, ao contrário do que acredita a grande maioria dos intelectuais contemporâneos, a beleza não é inimiga das lágrimas, pelo contrário - freqüentemente são irmãs siamesas. Eu me emocionei com "2 Filhos de Francisco". Ele dignifica o Brasil profundo dos Sertões de Rosa, que vai do norte do Paraná até Goiás e tem seu cerne no interior de São Paulo. E, além do mérito do diretor, há também muito mérito na decisão de Zezé di Camargo de convidar Caetano Veloso para fazer a trilha sonora do filme. Caetano, como sempre, demonstrou que é mesmo um mestre e soube dialogar com a cultura do interior do Brasil. (José Maria e Silva, Goiânia, Goiás, Brasil)

[Sobre "Um rancho e um violão"]

por José Maria e Silva
8/9/2005 às
04h49 201.2.52.253
(+) José Maria e Silva no Digestivo...
 
parabens
eu achei esse texto muito bom

[Sobre "Italo Calvino: descobridor do fantástico no real"]

por giovanna bossolani
7/9/2005 às
22h41 201.26.84.45
(+) giovanna bossolani no Digestivo...
 
Acorda, Brasil!
Que alívio ler textos como este. Quem sabe, agora, a imprensa fazendo a sua parte, esclarecendo, opinando com bom senso e coerência, a população não desperte... É isso que mais quero: acorda, Brasil, deixa de acreditar em profetas e premeie a inteligência, a competência, a responsabilidade!

[Sobre "Sobre as ilusões perdidas"]

por Mirtes Oliveira
7/9/2005 às
12h07 200.164.221.182
(+) Mirtes Oliveira no Digestivo...
 
Comentando comentários
Roberto Guerra: eu afirmo no artigo que sou tucana desde os 18 anos. E, sim, tenho uma imagem positiva do PSDB. A pergunta que deixo é: não posso ter uma imagem positiva do PSDB? Sou obrigada a acompanhar a moda de falar mal do PSDB? Posso ter uma opinião diferente dessa moda?

Alceu: defina neoliberalismo, por favor, e depois explique se ser "neoliberalista" é bom ou ruim na sua opinião.

José: Obrigada pelo comentário. Acredite, foi com muita preocupação e apreensão que eu escrevi esse artigo. Obrigada pelo feedback.

Senhores, a idéia do artigo é expor pensamentos e fazer as pessoas questionarem e pensarem. Como eu disse, não sou maniqueísta. E não sendo, não pretendo também ser proprietária de nenhuma verdade absoluta.

[Sobre "Têm sido tempos difíceis..."]

por Daniela Castilho
7/9/2005 às
11h33 200.162.242.2
(+) Daniela Castilho no Digestivo...
 
lavou minha alma
O texto de Daiela Castilho lavou minha alma porque tem sido difícil para mim vivenciar a ilusão dos 53 milhões de brasileiros que elegeram o vendedor de ilusões. A ironia é que o que está sustentando o (des)governo petista é exatamente a política econômica do FHC, tão combatida pelo PT antes de chegar ao governo. Engraçado é que tudo o que era errado e nocivo para a nação quando estavam na oposição, agora no governo é corretíssimo. Quanta falácia, hipocrisia e irresponsabilidade. Obrigada, Daniela Castilho, você é consciente!

[Sobre "Têm sido tempos difíceis..."]

por Mirtes Oliveira
7/9/2005 às
11h31 200.164.221.182
(+) Mirtes Oliveira no Digestivo...
 
Julio Daio Borges
Editor
mais comentários

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Robinson Crusoé
Daniel Defoe
Iluminuras Ltda
(2004)



Nova York é Aqui Manhattan de Cabo a Rabo
Nelson Motta
Objetiva
(1997)



Tecnologias Inovadoras e Expansão da Consciência
Antonio Carlos de Azevedo Ritto (organizador)
Ciência Moderna
(2017)



Afetividade, Espiritualidade e Mística
Carlos Domínguez Morano
Publicações Crb



Os Trabalhadores do Mar
Victor Hugo
Martin Claret
(2005)



O Destruidor de Universos
Bart
Bruguera
(1971)



Improvisando Soluções
Roberto Muggiati
Best Seller
(2008)



O Céu e o Inferno
Allan Kardec
Federação Espírita Brasileira
(2006)



Intrépida Insinuante e Outros Poemas
Teteco dos Anjos
Teteco dos Anjos



O Fantasma - Biblioteca Danielle Steel
Danielle Steel
Record - Altaya
(1997)





busca | avançada
62339 visitas/dia
1,8 milhão/mês