Sobre as ilusões perdidas | Fabio Silvestre Cardoso | Digestivo Cultural

busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O apanhador no campo de centeio
>>> Curriculum vitae
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> A massa e os especialistas juntos no mesmo patamar
>>> Entrevista com Jacques Fux, escritor e acadêmico
>>> Nuno Ramos, poesia... pois é
>>> Literatura e interatividade: os ciberpoemas
Mais Recentes
>>> Constituição da República Federativa do Brasil de Senado Federal pela Senado Federal (2006)
>>> Eterna Sabedoria de Ergos pela Fraternidade Branca Universal do Arcanjo Mickael (1974)
>>> Leasing Agrário e Arrendamento Rural como Opção de Compra de Lucas Abreu Barroso pela Del Rey/ Belo Horizonte (2001)
>>> Contratos Internacionais de Seguros de Antonio Marcio da Cunha Guimarães pela Revista dos Tribunais (2002)
>>> Amor de Perdição / Eurico, o Presbítero de Camilo Castelo Branco / Alexandre Herculano pela Círculo do livro (1978)
>>> Carajás de Paulo Pinheiro pela Casa Publicadora Brasileira (2007)
>>> Menopausa de Diversos pela Nova Cultural (2003)
>>> Guia de Dietas de Diversos pela Nova Cultural (2001)
>>> Seguros: Uma Questão Atual de Coordenado pela EPM/ IBDS pela Max Limonard (2001)
>>> O Significado dos Sonhos de Diversos pela Nova Cultural (2002)
>>> A Dieta do Tipo Sanguíneo - A B O AB de Peter J. D'Adamo pela Campus (2005)
>>> Cem Noites - Tapuias de Ofélia e Narbal Fontes pela Ática (1982)
>>> Direito do Trabalho ao Alcance de Todos de José Alberto Couto Maciel pela Ltr (1980)
>>> Manon Lescaut de Abade Prévost pela Ediouro (1980)
>>> A Reta e a Curva: Reflexões Sobre o Nosso Tempo de Riccardo Campa (com) O. Niemeyer (...) pela Max Limonard (1986)
>>> Introdução às Dificuldades de Aprendizagem de Vítor da Fonseca pela Artes Médicas (1995)
>>> Dos Crimes Contra a Propriedade Intelectual: Violação... de Eduardo S. Pimenta/ Autografado pela Revista dos Tribunais (1994)
>>> O Cortiço de Aluísio Azevedo pela Ática (1988)
>>> A Voz do Mestre de Kahlil Gibran pela Círculo do livro (1973)
>>> O Jovem e seus Assuntos de David Wilkerson pela Betânia (1979)
>>> Emília no País da Gramática de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1978)
>>> The Art Direction Handbook for Film de Michael Rizzo pela Focal Press (2005)
>>> A Escrava Isaura de Bernardo Guimarães pela Melhoramentos (1963)
>>> O Grande Conflito de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (1983)
>>> Filosofia do Espírito de Jerome A. Shaffer pela Zahar (1980)
>>> Muito Além das Estrelas de Álvaro Cardoso Gomes pela Moderna (1997)
>>> A Grande Esperança de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (2011)
>>> É Fácil Jogar Xadrez de Cássio de Luna Freire pela Ediouro (1972)
>>> O Espião que saiu do Frio de John Le Carré pela Abril cultural (1980)
>>> A Primeira Reportagem de Sylvio Pereira pela Ática (1988)
>>> Distúrbios Psicossomáticos da Criança de Haim Grunspun pela Atheneu
>>> Aprenda Xadrez com Garry Kasparov de G. Kasparov pela Ediouro (2003)
>>> Poemas para Viver de P. C. Vasconcelos Jr. pela Salesiana Dom Bosco (1982)
>>> A Casa dos Bronzes de Ellery Queen pela Círculo do livro (1976)
>>> Warcraft Roleplaying Game de Christopher Aylott e outros pela Blizzard / Arthaus / wizards (2004)
>>> A Dama do Lago de Raymond Chandler pela Abril cultural (1984)
>>> ABC do Vôo Seguro de Manoel J. C. de Albquerque Filho pela O Popular (1981)
>>> A Relíquia de Eça de Queirós pela Klick (1999)
>>> Manual Completo de Aberturas de Xadrez de Fred Reinfeld pela Ibrasa (1991)
>>> Para Sempre - Os Imortais - volume 1 de Alyson Noel pela Intrínseca (2009)
>>> A Máscara de Dimítrios de Eric Ambler pela Abril cultural (1984)
>>> Rômulo e Júlia - Os Caras-Pintadas de Rogério Andrade Barbosa pela Ftd (1993)
>>> O Nariz do Vladimir de José Arrabal pela Ftd (1989)
>>> Perigosa e Fascinante de Merline Lovelace pela Nova Cultural (2002)
>>> Brincar de Viver de Maggie Shayne pela Nova Cultural (2001)
>>> O Grande Conquistador de Rita Sofia Mohler pela Escala (1978)
>>> Comédias para se Ler na Escola de Luis Fernando Veríssimo pela Objetiva (2001)
>>> As 21 Irrefutáveis Leis da Liderança de John C. Maxwell pela Agir (2007)
>>> Dungeon master guide de Jonathan Tweet / Skip Williams pela Core Rulebook II (2000)
>>> Disfunção Cerebral Mínima de Antonio Branco Lefévre - Beatriz Helena Lefevre pela Sarvier (1983)
COLUNAS >>> Especial Mensalão

Terça-feira, 30/8/2005
Sobre as ilusões perdidas
Fabio Silvestre Cardoso

+ de 4800 Acessos
+ 2 Comentário(s)

O escritor e jornalista Nelson Rodrigues tinha uma frase essencial sobre si mesmo. Frase, não. Era um epíteto, uma espécie de marca que o definia como personalidade. Sem mais rodeios, vamos a ela: "Eu não seria nada sem as minhas obsessões". Grosso modo, arrisco aqui a fazer um paralelo com o Anjo Pornográfico. Assim como ele, eu não seria nada sem minhas obsessões. Sou obsessivo e um obcecado por natureza. Note o Leitor, por exemplo, que já devo ter citado inúmeras vezes o livro que dá título a esta coluna: Ilusões Perdidas, do francês Honoré de Balzac. Como bom francófilo, sou um apreciador da cultura e da Literatura francesas, mas a referida obra do Napoleão das Letras me fascina mais do que qualquer outra coisa. Costumo utilizar suas passagens para definir e/ou ilustrar períodos em que a complexidade pede algo a mais, algo que está fora do meu escasso repertório analítico. Nessas ocasiões, tomo Balzac. É o caso do presente artigo. Na atual conjuntura política, o título "ilusões perdidas" parece cair como uma luva, de modo que não há como não sorrir, ironicamente, para os companheiros e companheiras, em meio ao fracasso que foi o governo do presidente Lula.

Antes que as patrulhas venham dizer que sou apenas mais um a repisar o que já foi dito e escarrado pela "grande imprensa que conspira contra o Lula", afirmo aqui que há tempos que este governo parece ter acabado. Desde quando começou a falar mais do que fazer; desde que começou a viajar mais do que falar (tendo, inclusive, comprado um avião para isso); desde que passou a demonstrar mais inaptidão que as piores expectativas dos críticos mais ácidos; desde quando tornou-se um motivo de chacota (ao dizer, por exemplo, que a "Aqui nem parece a África", ou que "queria aprender com um ditador como é que se fazia para ficar tanto tempo no poder", entre outras pérolas já célebres do bestiário nacional). Em outras palavras, para mim, há muito que esse governo já deu o que tinha de dar (reprisando, em todos os aspectos, a política econômica do seu antecessor, o criticado FHC). Contudo, esse não é a maior de todos os problemas.

As ilusões às quais me refiro não são de ordem administrativa. São, ao contrário, de ordem ética, de ordem moral. Afinal de contas, o Partido dos Trabalhadores era a legenda que possuía um valor no que se refere ao campo ético que nenhum outro partido tinha. Era, inclusive, elogiado por isso, até mesmo por muita gente que sequer era simpatizante da causa. Daí que quando o Roberto Jefferson explode (ele não era o homem-bomba?) e solta parte de um passado e todo um presente que condenavam o partido a frustração é o sentimento mais próximo, para não mencionar num ceticismo geral em relação à política. Num aspecto mais crítico, o PT se igualou aos demais naquilo que mais atacava quando era estilingue: a corrupção. Agora, por fazer parte desse episódio, a legenda que um dia representou a esperança de muitos intelectuais, jornalistas e da classe trabalhadora transforma o sonho em pesadelo, o sorriso em desespero, a comédia em tragédia.

É curioso notar, a propósito, o comportamento dos que são vinculados ao PT. Questionados acerca dos escândalos, nota-se como a reação mudou com o passar do tempo. Lembro-me que quando Roberto Jefferson apresentou as primeiras denúncias à Folha de S.Paulo muitos afirmavam - com veemência, como é de praxe - que o PT era, "mais uma vez, vítima de um complô da mídia para derrubar o Lula. Que a elite tinha excedido; afinal, era impossível ser verdade. Se fosse...não, com o PT não era possível". A soberba não permitia que se pensasse assim do partido do presidente da República, etc, etc, etc. O cenário mudou bastante depois do depoimento de Jefferson à Comissão de Ética, em 14 de junho. O encanto começava a se quebrar. De lá para cá, a ficha caiu para alguns; e, aos poucos, já existe um consenso sobre a gravidade do escândalo, ou seja, já não há como esconder a sujeira para debaixo do tapete.

Para os petistas, as ilusões se perderam nesse momento. Foi o fim da idade da inocência. Eles viram, então, que o mostrengo (ou O Ornitorrinco, como escreveu Francisco de Oliveira já em 2003) era mais feio do que eles imaginavam. Penso, no entanto, que o pior se mostrou tempos depois. Digo, o país ter perdido as esperanças com a quebra de conduta ética do partido do presidente da República, o mesmo que não corrompia nem deixava corromper, não é mais grave do que a condescendência geral à medida que as revelações são feitas. Ora, em meio a tantos escândalos, muitos dos quais foram confirmados, ainda existe quem prefira desqualificar a imprensa e os acusadores, em vez de atentar para a verdadeira raiz do problema. Isto é, fica mais fácil dizer que as informações foram mal-apuradas do que averiguar as denúncias estampadas nos noticiários. Há quem chame isso de cautela, pois um processo de impeachment, ou uma punição equivalente aos culpados, deverá ser severa se tudo for confirmado. Confesso que não me recordo de opiniões, digamos, relevantes das personalidades (os petistas célebres). Ainda assim, a mais notória foi a de Chico Buarque, que estava nas manchetes dos sites enquanto escrevia esse texto, para quem "o Brasil está com a alma ferida". Notem, Leitores, que, mesmo quando é feita, a tomada de consciência ocorre indiretamente, como se as palavras e os gestos pudessem camuflar os crimes (sim, porque erro, como querem alguns, é outra coisa) dessa incúria administrativa.

Assim também para a população, a noção de que nada deu certo parece, enfim, ter chegado. Tanto é assim que as pesquisas mostram a queda de popularidade do presidente da República, algo inimaginável há três meses. E talvez as cenas mais incríveis de tudo isso sejam, não há dúvida, as lágrimas dos parlamentares petistas quando souberam do depoimento de Duda Mendonça na CPI do Mensalão. De lá para cá, óbvio, o petismo deu um jeito de emendar o discurso e fazer a memória coletiva não se lembrar do ocorrido, mas é para lá de simbólico a forma como isso aconteceu. Em primeiro lugar, porque foi a partir das palavras da mesma personagem, o Duda Mendonça, que criou o slogan da esperança; em segundo, porque, até então, o discurso de defesa das acusações era tão contundente que aparecia sempre como um contra-ataque.

Se na obra de Balzac, o provinciano Lucien de Rubempré se frustrava à medida que conhecia a crueza da vida parisiense em contraste com seus sonhos e ideais, o mesmo pode ser dito a respeito de boa parte daqueles que acreditaram na "Esperança" proposta por Lula em 2002. Por hora, essas ilusões estão todas perdidas.


Fabio Silvestre Cardoso
São Paulo, 30/8/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Entre as cordas, os contos são contundentes de Vicente Escudero
02. Uma derrota moral de Daniela Sandler
03. Sessão de Análise de Sergio Fuentes


Mais Fabio Silvestre Cardoso
Mais Acessadas de Fabio Silvestre Cardoso em 2005
01. Brasil e Argentina: uma História Comparada - 3/5/2005
02. Os Clássicos e a Educação Sentimental - 8/2/2005
03. O século da canção - 5/4/2005
04. Estudo das Teclas Pretas, de Luiz Faccioli - 22/2/2005
05. O Afeto Autoritário de Renato Janine Ribeiro - 22/11/2005


Mais Especial Mensalão
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
7/9/2005
12h07min
Que alívio ler textos como este. Quem sabe, agora, a imprensa fazendo a sua parte, esclarecendo, opinando com bom senso e coerência, a população não desperte... É isso que mais quero: acorda, Brasil, deixa de acreditar em profetas e premeie a inteligência, a competência, a responsabilidade!
[Leia outros Comentários de Mirtes Oliveira]
18/9/2005
16h58min
"Num aspecto mais crítico, o PT se igualou aos demais naquilo que mais atacava quando era estilingue: a corrupção." Parabéns pela escrita, pela linguagem, pela clareza de idéias, pela construção do texto. As ilusões podem ter sido perdidas, mas será que a esperança as acompanhou na descida da ladeira e, depois, rumo ao horizonte sem destino?
[Leia outros Comentários de Ana Claudia]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




AUTOAVALIAÇÃO DE CURSOS
ANDERSON BOANAFINA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 167,00



EXPRESSO DA MEIA-NOITE
BILLY HAYES COM WILLIAM HOFFER
VESTÍGIO
(2016)
R$ 13,00



FORCA NA AREIA
MORRIS WEST
RECORD
R$ 10,00



ANTIGUIDADE CLÁSSICA - O MUNDO DA ARTE
DONALD E. STRONG
ENCYCLOPAEDIA BRIT.
(1978)
R$ 9,00



A RETÓRICA DA IGREJA CATÓLICA
RUBENS LOPES JUNIOR
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 454,00



RIO MARIA CANTO DA TERRA
RICARDO REZENDE FIGUEIRA
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(1992)
R$ 14,00



HAICAOS
MÚCIO GÓES E SANDRA REGINA
LIMIAR
(2012)
R$ 18,00



TRADUTOR DILACERADO: REFLEXÕES DE AUTORES FRANCESES
GUILHERMINA JORGE
COLIBRI
(1997)
R$ 35,80



FOLKLORISTAS E INSTITUCIONES FOLKLORICAS DEL MUNDO
FELIX COLUCCIO
EL ATENEO
(1951)
R$ 25,00



CONTRATO ELETRÔNICO NO NOVO CÓDIGO CIVIL E NO CÓDIGO DO CONSUMIDOR
RONALDO ALVES DE ANDRADE
MANOLE
(2004)
R$ 80,00





busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês