A prática e a fotografia | Eduardo Carvalho | Digestivo Cultural

busca | avançada
37024 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 25/2/2005
A prática e a fotografia
Eduardo Carvalho

+ de 7900 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Viajar muito não significa viajar bem. E viajar também não é, necessariamente, uma experiência positiva. É possível substituir os melhores momentos longe de casa por uma imaginação fértil. E certas pessoas podem atravessar galáxias e continuar provincianas como uma formiga, que vive num planeta restrito ao alcance de suas patinhas. Não é a quantidade de países visitados que faz com que alguém seja mais cosmopolita, porque o limite do nosso provincianismo não é geográfico; é espiritual. Uma pessoa realmente cosmopolita viaja com a mesmo estilo com que vive. Ser cosmopolita é encarar com a mesma postura uma viagem a trabalho para São Bernardo e um mês de férias com a família no Havaí, sem se emburrar ou se deslumbrar antecipadamente com ambientes desconhecidos.

Uma educação cosmopolita não é baseada exclusivamente em referências urbanas, como museus e restaurares, e muito menos limitada a meia dúzia de cidades no mundo. Não basta saber como as coisas funcionam em Nova York, Londres, Paris ou Tóquio, porque o mundo - o resto do mundo - tem muito mais cores e camadas, enquanto, digam o que quiserem, essas cidades estão cada vez mais parecidas umas com as outras. Esse passeio pelas principais cidades do mundo pode ser ilustrativo para quem nunca viu, mas não é o que falta, hoje, para a maioria das pessoas que se pretende educada. Quase todo mundo já fez os roteiros turísticos das cidades mais convencionais. E viajar a negócios ou trabalhar em outro país não é uma experiência extraordinária, em nenhum sentido: é, hoje em dia, muito comum, e para muita gente pode ser também desgastante e desagradável. É bonito, para certas pessoas, visitar ou morar em Manhattan, mas pode ser igualmente interessante, para um espírito curioso, uma temporada em Teresina.

É bobagem transformar uma cidade numa marca, conferindo a ela um status que não existe, porque uma cidade sozinha não faz com que morar nela seja interessante. E não é assim - para carimbar o passaporte e mostrar aos amigos - que se aproveita, por muito ou pouco tempo, lugares diferentes. No Brasil, essa espécie de provincianismo se acentua, porque - tão longe dos Estados Unidos e da Europa - qualquer experiência mais longa nesses lugares ganha um charme artificial, que está longe de como a maioria das pessoas leva a vida cotidiana. Uma cidade ou país supostamente sofisticados não educam por osmose uma personalidade passiva - nem conferem a ela uma elegância que em casa ela não tem. Você não aprende mais sobre ópera morando ao lado do Metropolitan Opera House em Nova York, nem num apartamento no bairro do Hermitage, em São Petesburgo, vai transformar você num expert em cultura russa. Grandes cidades nunca despertam nem desenvolvem curiosidades inexistentes - assim como uma flor, por mais bem cuidado que seja o canteiro, nunca nasce antes da semente.

E também não adianta plantar um jatobá achando que dele brotarão orquídeas. Uma cidade civilizada não transforma uma personalidade bruta num espírito mais fino; esse é um processo geneticamente improvável. A educação dos modos reflete naturalmente a educação do espírito, e isso não é coisa que se adquire com uma, duas, três viagens para uma cidade mais - digamos assim - urbana do que São Paulo. O que uma grande cidade pode fazer, na verdade, é oferecer ambientes adequados a diferentes interesses. Um brasileiro em Berlim, numa terça-feira, pode comer kebabs e ir a uma festinha brasileira - num cafofo tocando samba -, ou pode tomar café da manhã no Wintergarten im Literaturhaus e, à noite, assistir a um concerto da Berliner Philharmoniker. As opções numa cidade como esta - e mesmo em Los Angeles, Toronto, Milão, Cidade do Cabo, Bangkok, São Paulo - são quase inesgotáveis. Você não precisa se preocupar se quiser ser você mesmo - como precisaria, por exemplo, em Teresina, se quisesse ser um punk local. Em Berlim, você pode ser punk tranqüilamente - e assumir as consequências da sua ideologia, vivendo no espaço que a sociedade lhe reservará.

Será uma vida parecida, adianto, com a de milhões de imigrantes brasileiros em Nova York, Londres e Paris, que reclamam da arrogância dos habitantes locais sem conseguir conversar sobre nenhum assunto com eles. É como viver na sarjeta de uma civilização que finge desprezar. Marginalizados culturalmente, muitos brasileiros acham, depois, que são vitimas de uma espécie de preconceito. E adotam um discurso ao mesmo tempo submisso e arrogante. Submisso porque, quando está fora de casa, começa a viver e a aceitar situações que não aceitaria em seu país, como se trabalhar em telemarketing em Barcelona fosse mais agradável do que em Curitiba. E arrogante porque, quando volta para casa, acha que sua experiência internacional foi extraordinária, única - e que, por isso, pode explicar sempre, numa mesa de bar, como é a vida cotidiana na Espanha. Que, afinal, não seria muito diferente, para essa pessoa, se estivesse em Osasco: mas Osasco é feia, chata, pobre... Quer dizer: a cidade acaba se transformando no que essa pessoa tem por dentro.

Um sinal evidente de provincianismo é adaptar o modo e o vocabulário quando se conversa com pessoas de "classes diferentes" - porque isso é coisa de gente que acredita que existam classes diferentes de pessoas. Isso é falta de educação. E bem comum: repare nos paulistas e cariocas quando vão para o sertão e comecam a falar, por exemplo, "não carece", achando que assim estreitam seu relacionamento com "os locais". Ou ainda mais perto: em gente que trata funcionários como idiotas e patrões como deuses. Não há nada mais feio. O maior exemplo de comportamento desta categoria, aliás, é o puxa-saquismo de estrangeiros, que existe no Brasil em sua forma mais explícita. A situação se parece com a da atriz-modelo-para-não-falar-outra-coisa na boate, oferecendo todos os seus serviços para entrar na ala VIP. Só precisa fugir "do povo" quem tem medo de se misturar e acabar como ele. Mas qualquer separação será artificial. Na área VIP ou não, a atriz-modelo-para-não-falar-outra-coisa continuará fazendo o que sabe fazer - a gente sabe o quê... -, e nunca enganará os mais atentos. Sua pulseirinha não lhe conferirá uma educação que ela nunca quis ter, e que poderia ser a sua única diferença "do povo" que ela tenta desprezar.

Uma educação cosmopolita está nos modos - na forma desafetada como uma pessoa se comporta em diferentes lugares - mas também no conteúdo. E para continuar em viagens: é preciso saber combinar os lugares mais exóticos com os destinos mais comuns. Manhattan e Teresina foram dois exemplos, mas há também Marrakech e Tallin, Mongólia e Tonga - para ficarmos em quatro exemplos cobertos por dois guias bem diferentes, Hg2 e Lonely Planet. Um pretende cobrir o que há de mais sofisticado nas cidades da moda (Lisboa, Estocolmo, Praga, etc.); outro abrange o mundo inteiro, trazendo o mochileiro para o mais próximo possível da vida local (do Camboja a São Francisco). Usei Hg2 para Madrid e Praga e o Lonely Planet em vários países, de Cuba à Bélgica. O Hg2 descobre bares e restaurantes escondidos e imperdíveis, que você não acharia sozinho; o Lonely Planet costuma indicar a você o sanduíche mais barato do bairro. Servem como orientacão. Mas o que eu ia dizendo: mesmo esses guias - qualquer guia - é normalmente escrito por jornalistas provincianos. Isso se percebe em quase todos os comentários: quando um australiano de Darwin, por exemplo, reclama da explosão dos Starbucks em Londres, sem perceber que esses cafés são práticos e inofensivos como o McDonald's - e que, portanto, essa tendência pode ser positiva. Mas não são os guias apenas que devem orientar um viajante com interesses variados - nem no destino nem no estilo da viagem. Afinal, é tão bobo comer apenas nos lugares mais descolettes, listados e explicados no Hg2, como querer viver como "um local", da forma como pretende ensinar o Lonely Planet.

E essa ilusão de que é possível "viver como um local" afeta viajantes - e especialmente brasileiros - nas mais diferentes cidades. Não é com um chapéu de palha que você se parecerá chinês em Chengdu; assim como uma gravata do Stefano Ricci não fara você mais elegante em Nova York. Normalmente é o contrário e que acontece: a gravata lhe cairá mal e o chapéu - num lugar onde os chineses usam boné - o transformará num palhaço involuntário. Por mais que você viaje, por mais tempo que more em outra cidade, você nunca viajará ou viverá como alguém que nasceu nela. Para começar, porque só essa vontade de viver naturalmente em Roma, como se fosse romano, é muito pouco natural; e, para acabar, não é nem bom que essa vontade exista, porque ela encobre uma curiosidade normal que se tem quando visitamos outro país. E esconder essa curiosidade acaba limitando novas observações e comparações entre pessoas e países. E se há, afinal, uma postura cosmopolita durante viagens, ela se baseia justamente nisto: nesta curiosidade por variações sociais e culturais em diferentes lugares. Ser cosmopolita é saber calibrar essas expectativas e não maquiar a personalidade de acordo com os costumes locais. Porque nenhuma cidade se revela na prática como ela promete ser na fotografia.


Eduardo Carvalho
Berlim, 25/2/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Elon Musk de Julio Daio Borges
02. Wanda Louca Liberal de Marta Barcellos
03. Antonia, de Morena Nascimento de Elisa Andrade Buzzo
04. Canadá, de Richard Ford de Celso A. Uequed Pitol
05. Dando conta de Minas de Marta Barcellos


Mais Eduardo Carvalho
Mais Acessadas de Eduardo Carvalho em 2005
01. Por que eu moro em São Paulo - 8/7/2005
02. Minha formatura - 5/8/2005
03. Uma conversa íntima - 11/2/2005
04. A prática e a fotografia - 25/2/2005
05. Com pouco peso - 14/1/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
4/3/2005
08h14min
Gostei muito do texto. Expressa bem o que encontramos em locais turísticos: pessoas (os turistas) querendo ao máximo se inserir no cotidiano local, sem perceber o alien que estão se tornando e o quanto isso só dificultará seu objetivo. Fui a Cusco este fim de ano e é engraçado ver que só os turistas usam aquelas roupas e acessórios coloridos de lã de alpaca e lhama. Os "nativos" usam roupas ocidentais normais como jeans e jaqueta de couro, bem discretos, o que, nas palavras de uma brasileira, "é decepcionante!" Quanta ilusão as pessoas criam de lugares e de culturas!
[Leia outros Comentários de Giovani Tomazoni]
15/3/2005
14h45min
Eduardo, otimo texto. A unica coisa que eu acrescentaria e que em certas cidades e mais facil comer comida indiana (que amo), do que em outras :). Para maioria das pessoas que eu conheco, mesmo as que viajam como turistoes ou se deslumbram com Nova Iorque e esquecem de vistar o centro de sua propria cidade, viajar acaba mostrando que no mundo existem pessoas e ideias muito diferentes das suas... Talvez este seja um dos maiores beneficios, que com um pouco de sorte e com mais vontade pode ser absorvida lendo livros e viajando pela internet. Por outro lado, tambem e' compreensivel o medo de descobrir a verdade: que nao existe "casa", e que o lugar onde estamos mais a vontade e mesmo aquele onde temos o maior medo de descobrir como ele e', nossa propria cidade/casa/bairro. Medo de talvez descobrir que nunca a vida vai ser a perfeicao que nossa imaginacao encena. Numa viagem longe de casa, podemos viver como a imaginacao encena... Ao inves de antropologia, pode ser escapologia...
[Leia outros Comentários de Ram]
29/3/2005
01h30min
Excelente texto Eduardo. Apesar de não ser tão "viajada" como você, adorei! Gostaria muito de ler algo mais aprofundado por você sobre o "puxa-saquismo de estrangeiros, que existe no Brasil em sua forma mais explícita". É um tema que me incomoda muito e pouco comentado.
[Leia outros Comentários de Kate Kloster]
5/4/2005
22h14min
Du, parabéns pelo texto. Se mais pessoas ao menos se preocupassem em tentar abrir a cabeça como vc o fez, concordando ou discordando de suas idéias, certamente teríamos um mundo efetivamente mais cosmopolita. Vale recordar um dos dizeres de nosso DNA: “The real voyage of discovery consists not in seeking new landscapes, but in having new eyes.” Marcel Proust (1871-1922), French writer
[Leia outros Comentários de Luis Vairo]
1/9/2011
14h31min
Lendo seu texto, me deu até vontade de fazer uma viagem astral...
[Leia outros Comentários de Rebeca]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A ARTE DE DESENHAR ANIMAIS SELVAGENS
MYOUNG YOUN LEE
EDIOURO
(1984)
R$ 9,50



O MESTRE DE QUÉOPS
ALBERT SALVADÓ
EDIOURO
(2001)
R$ 5,00



OS AGRICULTORES ARRANCAM PARALELEPÍPEDOS
GARCIA DE PAIVA
ÁTICA
(1992)
R$ 5,00



CÁLCULO UM CURSO UNIVERSITÁRIO VOL. 2
EDWIN E. MOISE
EDGARD BLUCHER
(1970)
R$ 14,00



O INESCRITO - VOLUME 2 - O INFORMANTE
MIKE CAREY; PETER GROSS
PANINI / VERTIGO
(2013)
R$ 17,91



O ÚLTIMO DIAMANTE
GERALDO A. BROWNE
TEMPO LIVRE
R$ 5,00



O SOBREVIVENTE
GREGG HURWITZ
ARQUEIRO
(2013)
R$ 19,90



A GRANDEZA DE CADA DIA
STEPHEN R. COVEY
SEXTANTE
(2020)
R$ 11,90



O ESFORÇO FISCAL DOS MUNICÍPIOS E AS TRANSFERÊNCIAS INTERGOVERNAMENTAIS
DANIEL VIEIRA MARINS
GRAMMA
(2016)
R$ 39,00



SPIRIT 2 6912
WILL EISNER
L&PM
(1986)
R$ 26,00





busca | avançada
37024 visitas/dia
1,4 milhão/mês