Na minha internet foi assim, e na sua? | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
83662 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Sesc 24 de Maio apresenta o último episódio do Música Fora da Curva
>>> Historiador Russell-Wood mergulha no mundo Atlântico português da Idade Moderna
>>> Livro ensina a lidar com os obstáculos do Transtorno do Déficit de Atenção
>>> 24 e 25/04: últimas apresentações do projeto 48h_48min acontecem neste fim de semana
>>> João Trevisan: Corpo e Alma || Museu de Arte Sacra
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Machado e a AR-15
>>> Notas confessionais de um angustiado (V)
>>> Festival de interatividades
>>> O melhor de Steve Jobs
>>> Jane Fonda em biografia definitiva
>>> Leituras, leitores e livros – Parte I
>>> Abertura de Guillaume Tell
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Vianinha corpo-a-corpo
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
Mais Recentes
>>> A Mágica de Pensar Grande de David J. Schwartz pela Record (1995)
>>> Abolição: Um Suave Jogo Político? de Leonardo Trevisan pela Moderna (1991)
>>> A Revolução Industrial de Roberto Antonio pela Moderna (2002)
>>> Globalização Estado Nacional e Espaço Mundial de Demétrio Magnoli pela Moderna (1998)
>>> A Marca de Uma Lágrima de Pedro Bandeira pela Moderna (1992)
>>> Evolução Das Espécies de Samuel Murgel Branco pela Moderna (2003)
>>> Plastico Bem Superfluo Ou Mal de Eduardo Leite do Canto pela Moderna (1995)
>>> História da Literatura Brasileira -2ª ed. revista e ampliada de Luciana Stegagno Picchio pela Nova Aguilar- Lacerda- ABL (2004)
>>> O Meio Ambiente em Debate de Samuel Murgel Branco pela Moderna (1998)
>>> Sentidos Da Vida Uma Pausa P Pensar de Flavio Gikovate pela Moderna (1998)
>>> A Industrialização Brasileira - de Sonia Medonças pela Moderna (2000)
>>> Multinacionais Desenvolvimento Ou Exploração? de Paulo Martinez pela Moderna (1987)
>>> Um Amor Alem Do Tempo de Leila R. Iannone pela Moderna (1990)
>>> O Novo Mapa do Mundo de Demétrio Magnoli pela Moderna (1999)
>>> Olhinhos de gato de Cecília Meireles pela Modernao (1983)
>>> As Maiores Historias do Superman de Jerry Siegel e Joe Shuster. Capa: Alex Ross pela Panini Comics (2008)
>>> DC Especial vol.3 - Lanterna Verde de Ben Raab, Charlie Adlard, Tatjana Wood pela Panini Comics (2004)
>>> Superman versus Exterminador do Futuro de Alan Grant (roteiro), Steve Pugh (desenhos, arte-final e capa), Mike Perkins (arte-final) e David Stewart (cores) pela Abril (2000)
>>> X-Men - Filhos do Átomo de Joe Casey, Steve Rude, Esad Ribic pela Abril (2001)
>>> Anjos e Demônios: a primeira aventura de Robert Langdon de Dan Brown pela Sextante (2004)
>>> Ponto de Impacto de Dan Brown pela Sextante (2005)
>>> Fortaleza Digital de Dan Brown pela Sextante (2005)
>>> Simbad - Uma Historia Das Mil E Uma Noites de Ludmila Zeman pela Projeto (2010)
>>> Geografia Geral e do Brasil. Espaço Geográfico e Globalização de João Carlos Moreira; Eustáquio de Sene pela Scipione (2021)
>>> Você Com Você de Marcos Leão - Calunga pela Casa dos Espíritos (2011)
COLUNAS

Sexta-feira, 10/5/2013
Na minha internet foi assim, e na sua?
Marta Barcellos

+ de 3000 Acessos

Dizem que a internet induz cada um a procurar a sua turma, e acabar se bitolando nela. Por exemplo: no Facebook, você pode bloquear as publicações de pessoas que o incomodam, por ter uma ideologia ou um senso de humor diferente do seu, ou apenas porque postam bebês e você prefere bichinhos. Dessa forma, o Facebook fica com a sua "cara" e o mundo lá fora passa a refletir seus gostos e opiniões - como, aliás, já é a pesquisa no Google sem que ninguém se dê conta disso.

Na prática, o ato de bloquear ou fugir de pessoas e publicações indesejáveis é bastante compreensível, nem que seja por uma questão de administração de tempo e paciência. Outro dia uma amiga jornalista, que se orgulhava de seu espírito democrático, confessava, em tom de desabafo, ter deletado de suas relações virtuais um simpatizante de Bolsonaro e Feliciano. Tem limite pra tudo, né? Os amigos dela, os de verdade, observaram que ela foi paciente até demais. Afinal, quanta atenção deve merecer um discurso absolutamente inconciliável com o seu, como o de alguém que acredita que o homem não foi à lua ou que o holocausto foi uma invenção?

Mas nada disso é exclusivo da era digital. Segundo uma pesquisa feita pela Universidade de Ohio em 2009, as pessoas passavam até 36% mais tempo lendo um texto que reforçava suas opiniões, em oposição a textos que defendiam visões contrárias. Como também costumamos conversar mais e respeitar mais aqueles com quem concordamos, acabamos ignorando as informações que não confirmam nossas ideias. Resultado: se não houver algum tipo de "pressão externa", ficamos cada vez mais convencidos de que estamos certos, por causa das confirmações que buscamos em espaços privados ou associados a nós.

Só que ainda existe um espaço público - além desse que mistura o público e o privado das redes sociais. E nele hoje domina algo que costuma ser simplificado como o "politicamente correto". Como acredito que as minorias ainda precisam de proteção, e que a revisão de injustiças históricas deve estar na agenda da sociedade, não me incomodo com os eventuais exageros do "politicamente correto". Prefiro do que os preconceitos que corriam soltos antes.

Mas sei que nesse espaço misto das redes sociais, entre o público e o privado, tem muita gente que reclama dele, do politicamente correto. Sei disso apesar de, provavelmente, já ter lapidado a "minha internet" com uma cara mais progressista e de esquerda. Talvez saiba porque, configurações à parte, tento me manter aberta e democrática, como minha amiga que aturou o fascista em suas relações virtuais.

Essa reflexão toda é para contar como, apesar de buscar me manter abertamente informada, me espantei com as repercussões da chamada PEC das empregadas domésticas. Manchete já no jornal, estava eu distraída na academia quando fui abordada por uma simpática senhora que tenta ser minha amiga: "Você viu? Que coisa absurda... E agora, como você vai fazer com a sua empregada?"

Demorei pra entender. Naquele momento, eu ainda não sabia da reação das patroas indignadas que se espalhava por ambientes como aqueles, frequentados particularmente por patroas. Pensando bem, não frequento muitos ambientes agregadores de patroas, e talvez a tal indignação massiva tivesse me passado batida, se não fossem as redes sociais.

Antes que as pessoas pudessem elaborar melhor suas posições e se ater talvez aos problemas de regulamentação, antes que os colunistas de plantão fizessem suas colunas inserindo a discussão da lei em um contexto histórico e social, antes que os politicamente incorretos percebessem que não era momento de reclamar da chatice do politicamente correto, antes disso tudo, espocaram em minha tela reações. Assim, espontâneas. Fiquei atordoada, paralisada. Quer dizer, tive vontade de debater, levar a discussão para o saudável campo das ideias. Mas, por outro lado, me parecia um daqueles casos de discursos inconciliáveis, como se eu precisasse argumentar que "sim, o holocausto aconteceu, com certeza". Como se ainda existissem esquerda e direita, sim!, luta de classes, sim!, e todas as outras velhas dicotomias que meus olhos vinham tentando ignorar, talvez para justificar o interesse por temas mais complexos e novos.

Mas, passado o susto, me dei conta da oportunidade. Da riqueza de termos hoje acesso a reações tão espontâneas, como se a sociedade estivesse no divã, como se pelo menos parte dela - a elite que se autodenomina classe média - pudesse ser compreendida na polifonia das falas da internet, revelando seus temores mais profundos, seus ressentimentos, seus desejos mais inconfessáveis. Quem se choca? Quem se identifica? Quem se dispõe a estudar essa polifonia e investigar o que está acontecendo hoje no Brasil? Pois que se ouçam as vozes, e que se leiam as entrelinhas...

- As empregadas de hoje têm a maior boa vida e ganham mais do que quem tem universidade, um absurdo.

- Essa lei é pura demagogia do governo. Se não fosse a classe média, o que as empregadas fariam? Uma mão lava a outra e assim caminha a humanidade.

- E os nossos direitos? Será que precisamos de um sindicato das patroas?

- Sei muito bem quanto devo pagar, quais são as minhas obrigações, e tudo isso me é atirado na fuça como se, ao dar emprego, eu estivesse explorando alguém.

- E quando elas quebrarem as nossas coisas, arrancarem coisas da parede, mancharem nossa roupa? Dá justa causa ou fica por isso mesmo?

- Tem dó dizer que a PEC é a nova Lei Áurea. Nem todo empregador doméstico é carrasco!

- Quem não teve faxineira que não faxina, cozinheira que não cozinha, passadeira que não passa, eletrodomésticos quebrados, prejuízos de toda a sorte, perdas absurdas?



Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 10/5/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Reflexões sobre o ato de fotografar de Celso A. Uequed Pitol
02. Crítica/Cinema: entrevista com José Geraldo Couto de Jardel Dias Cavalcanti
03. Crônica de Aniversário de Julio Daio Borges
04. Preparar Para o Impacto de Marilia Mota Silva
05. Lembrança de Plínio Zalewski de Celso A. Uequed Pitol


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2013
01. Para viver de literatura - 7/2/2013
02. Mamãe cata-piolho - 31/5/2013
03. Suicídio - 15/2/2013
04. Suicídio, parte 2 - 15/3/2013
05. Até eu caí nessa - 8/11/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Cândido Ou o Otimismo - Texto Integral
Voltaire
Martin Claret
(2010)



Um Crime Entre Cavalheiros
John Le Carré
Klick/estadão
(1997)



A Vitória do Cristo
Orlando Noronha Carneiro
Ceac
(2017)



Filosofia da Arte
Vieira de Almeida
Saraiva
(1942)



Comendo Pavlova
D. M. Thomas
Record
(1996)



Um Certo Capitão Rodrigo
Erico Verissimo
Globo



Ilha do Desterro: Accents Now Known: Shakespeares Drama in Translatio
José Roberto Oshea (sobre Shakespeare)
Daufsc
(1999)



Obtenção de Resultados Eficazes na Formação de Jogadores Nas Categoria
Giovanni Alfonso Cassini
Pleiade
(2007)



Die Bodenreform in Der Britischen Zone 1945-1949
Gunter J. Trittel
Deutsche Verlags-anstalt
(1975)



See You Soon, Samantha
Lara Bergen
Scholastic (ny)
(2010)





busca | avançada
83662 visitas/dia
2,6 milhões/mês